Durante esse ano de 2012, a  Arquidiocese de São Paulo viveu                um processo de             elaboração do seu 1...
Feito isso, cada uma das seis regiões episcopais é chamada a conhecer eaplicar em sua realidade o Plano de       Pastoral ...
Em nossa querida Região Episcopal Belém, o Plano foi apresentado ao    clero no dia 24 de outubro
e, logo em seguida, no dia 27,aconteceu a primeira etapa do  processo de Assembleia noConselho Regional de Pastoral       ...
Todos os presentes participaram    ativamente desse momento,revelando grande preocupação coma ação evangelizadora que está...
Em seguida, retomando o material do   CRP, aconteceram as reuniões doSecretariado Regional de Pastoral e da         Comiss...
Obs.: O que chamávamos, atéagora, Coordenação de Pastoral da   Região passa a ser chamadoSecretariado Regional de Pastoral...
1. Por que fazer uma assembleia?                  Uma primeira                  resposta é: para                  fazer a ...
Os termos que aparecem naBíblia são: kahal – ekklesia /       ecclesia – Igreja.
Vejamos um, que é Js 24,1-28: tendo feito, sob a liderança deMoisés, a longa caminhada pelo deserto, caminho marcado poral...
- ou seja, todas as lideranças dopovo -, “e eles se apresentaram  diante de Deus” (versículo 1).   Josué reuniu, convocou,...
E Josué recordou a todos a ação salvadora de Deus em seu favor,fez memória, olhando o passado,a começar pelos “pais – Taré...
Josué adianta-se e testemunha:   “Quanto a mim e à minha   família, nós serviremos ao     Senhor” (versículo 15).
Depois de refletirem (versículos 16 a    18a), tomam a seguinte decisão: “Portanto, nós também serviremos ao  Senhor, porq...
Outra referência vem do Novo Testamento: Jesus, ao iniciar sua missão, reuniu o pequeno grupodos Doze (Mc 3) e depois os s...
Depois de Pentecostes, a Igrejanascente, também, se reuniu em   assembleia, por exemplo,               para resolver a    ...
Também nós podemos fazer essa profunda ebonita experiência eclesial ao realizar nossas assembleias em nível de Paróquia ou...
A realização de uma                    assembleia é                  ocasião propícia                para: reunir o povo, ...
e, também, retomando            aqueles que precisam             ser continuados dar             unidade à Paróquia,      ...
o entrosamento e o sentido depertença; enfim, unir nossas forçasem vista da missão: viver em estado      permanente de mis...
Observação: A assembleia paroquial não é  para fazer o calendário das atividades   pastorais e dos outros eventos para   m...
Como fazer?  A Comissão de Pastoral, no dia 6 denovembro, optou por um processo maislongo, porém mais eficaz. Isso provoco...
1- Que todas as Paróquias e ÁreasPastorais se motivem e organizem        suas assembleias. 2- As Paróquias e Áreas Pastora...
3- Participantes: As assembleias  em nível de Paróquia ou Área    Pastoral acontecem com aparticipação das coordenações da...
4- Preparar a Assembleia Paroquial   com o Conselho Paroquial de Pastoral ou com parte dele, caso          seja numeroso.
Roteiro (podem ser acrescentadosoutros elementos próprios de cada           Paróquia):
a) Oração Inicial: organizar a Oraçãode Abertura tendo como centro o texto    de At 1,1-8: “Vocês serão minhastestemunhas ...
b) Estudo: apresentar a proposta das 6 Urgências, conforme o texto do 11º   Plano de Pastoral, e o Ano da Fé.
c) Em grupos, 1ª questão: para cada    urgência, procurar compreender a     realidade da Paróquia, quais as  possibilidade...
d) Plenário conclusivo: para concluir, épreciso retomar juntos essas questões e organizar o Projeto Pastoral para os  próx...
e) Oração final: prepará-la curta, comum texto sobre missão, podendo ser Lc 10, que versa sobre os setenta e dois         ...
6- Coordenação do Setor: caberá a   essa coordenação recolher os    resultados das assembleias  ocorridas nas paróquias e ...
7- Realização da Assembleia de cada           um dos Setores.
8- Assembleia da Região Episcopal Belém: como puderam perceber, para realizar de    maneira adequada cada uma dessas   eta...
9- Proposta: na assembleia em nível regional, cada setor apresentará a sua proposta, isto é,como assumiu - via paróquia e ...
Observação; caberá ao Secretariado     Regional de Pastoral (até agora,   Coordenação de Pastoral da Região)considerar as ...
10- Avaliação contínua: as assembleiasanuais serão para avaliar a caminhada e, assim, acolher o destaque pastoral de cada ...
Acredito, como os demais membros   do Secretariado Regional dePastoral, que, dessa maneira, será      possível suscitar am...
Dom Edmar PeronBispo Auxiliar da Arquidiocese de são Paulo   Vigário Episcopal para a Região Belém
Linguagem comum para os Conselhos:         – Conselho Paroquial de Pastoral (CPP –         também para as Áreas pastorais)...
Linguagem comum para as Comissões:          – Comissão de Presbíteros            – Comissão de Pastoral      – Comissão de...
Assembleia da Região Episcopal Belém - Um caminho a ser percorrido
Assembleia da Região Episcopal Belém - Um caminho a ser percorrido
Assembleia da Região Episcopal Belém - Um caminho a ser percorrido
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Assembleia da Região Episcopal Belém - Um caminho a ser percorrido

997 visualizações

Publicada em

Subsídio para reflexão nas paróquias, comunidades e setores durante o processo de realização da assembleia da Região Episcopal Belém para aplicação do 11º Plano de Pastoral da Arquidiocese de São Paulo.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
997
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
66
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Assembleia da Região Episcopal Belém - Um caminho a ser percorrido

  1. 1. Durante esse ano de 2012, a Arquidiocese de São Paulo viveu um processo de elaboração do seu 11º Plano de Pastoral que, em nível arquidiocesano,culminou na Assembleia ocorrida na FAPCOM, no dia 22 de setembro, com a aprovação do texto desse Plano.
  2. 2. Feito isso, cada uma das seis regiões episcopais é chamada a conhecer eaplicar em sua realidade o Plano de Pastoral Arquidiocesano.
  3. 3. Em nossa querida Região Episcopal Belém, o Plano foi apresentado ao clero no dia 24 de outubro
  4. 4. e, logo em seguida, no dia 27,aconteceu a primeira etapa do processo de Assembleia noConselho Regional de Pastoral (CRP).
  5. 5. Todos os presentes participaram ativamente desse momento,revelando grande preocupação coma ação evangelizadora que está sob a nossa responsabilidade.
  6. 6. Em seguida, retomando o material do CRP, aconteceram as reuniões doSecretariado Regional de Pastoral e da Comissão de Pastoral,respectivamente, 30 de outubro e 6 de novembro. Desse modo, chegamos àproposta que passamos a apresentar.
  7. 7. Obs.: O que chamávamos, atéagora, Coordenação de Pastoral da Região passa a ser chamadoSecretariado Regional de Pastoral, e é formado por 5 pessoas:Dom Edmar Pe. Tarcisio Iracema Cleusa Eder
  8. 8. 1. Por que fazer uma assembleia? Uma primeira resposta é: para fazer a experiência de ser Igreja.Como diz o canto: “Nós somosmuitos, mas formamos um sócorpo, que é o Corpo do Senhor, asua Igreja!” (cf. 1Cor 10,15-17).
  9. 9. Os termos que aparecem naBíblia são: kahal – ekklesia / ecclesia – Igreja.
  10. 10. Vejamos um, que é Js 24,1-28: tendo feito, sob a liderança deMoisés, a longa caminhada pelo deserto, caminho marcado poralegrias, infidelidades e grandeslutas, “Josué reuniu em Siquém todas as tribos de Israel econvocou os anciãos, os chefes, os juízes e os magistrados”
  11. 11. - ou seja, todas as lideranças dopovo -, “e eles se apresentaram diante de Deus” (versículo 1). Josué reuniu, convocou, e o povo se apresentou diante do Senhor.
  12. 12. E Josué recordou a todos a ação salvadora de Deus em seu favor,fez memória, olhando o passado,a começar pelos “pais – Taré, paide Abraão e de Nacor” (versículos 2-13). Porém, era preciso que, naquele momento, os que ali estavam reunidos, tomassem uma decisão: “escolhei hoje a quem quereis servir” (versículo15).
  13. 13. Josué adianta-se e testemunha: “Quanto a mim e à minha família, nós serviremos ao Senhor” (versículo 15).
  14. 14. Depois de refletirem (versículos 16 a 18a), tomam a seguinte decisão: “Portanto, nós também serviremos ao Senhor, porque ele é o nosso Deus” (versículo 18b). E a assembleia terminou com a realização de uma aliança, cujas palavras foram escritas“no livro da lei de Deus” (versículo 26).
  15. 15. Outra referência vem do Novo Testamento: Jesus, ao iniciar sua missão, reuniu o pequeno grupodos Doze (Mc 3) e depois os setenta e dois discípulos (Lc 10).
  16. 16. Depois de Pentecostes, a Igrejanascente, também, se reuniu em assembleia, por exemplo, para resolver a questão do serviço às viúvas (At 6) e da missão entre os pagãos (At 15).
  17. 17. Também nós podemos fazer essa profunda ebonita experiência eclesial ao realizar nossas assembleias em nível de Paróquia ou Área Pastoral e de Setor para concluir, no ano que vem, com uma Grande Assembleia da Região Episcopal Belém.
  18. 18. A realização de uma assembleia é ocasião propícia para: reunir o povo, especialmente suas lideranças, celebrar a caminhada que se está fazendo,renovar a esperança (olhando para o futuro, assumindo novos compromissos
  19. 19. e, também, retomando aqueles que precisam ser continuados dar unidade à Paróquia, gerando maior comunhão entre as lideranças, os grupos e as comunidades), favorecer o conhecimento pessoal (pois, àsvezes, nem sabemos o nome das pessoas),
  20. 20. o entrosamento e o sentido depertença; enfim, unir nossas forçasem vista da missão: viver em estado permanente de missão.
  21. 21. Observação: A assembleia paroquial não é para fazer o calendário das atividades pastorais e dos outros eventos para manutenção da Paróquia ou da ÁreaPastoral. A assembleia poderá sugerir taisatividades e aprovar a realização e algum evento. Outra reunião, com menospessoas, é que deve organizar, a seguir, o calendário da comunidade.
  22. 22. Como fazer? A Comissão de Pastoral, no dia 6 denovembro, optou por um processo maislongo, porém mais eficaz. Isso provocoumudanças em nossos calendários, comopoderemos perceber. Eis alguns passos aserem dados no decorrer do processo de assembleia da nossa Região:
  23. 23. 1- Que todas as Paróquias e ÁreasPastorais se motivem e organizem suas assembleias. 2- As Paróquias e Áreas Pastoraisque puderem realizem previamente as assembleias em nível de comunidades e pastorais. Esses níveis possibilitam a participação de muita gente.
  24. 24. 3- Participantes: As assembleias em nível de Paróquia ou Área Pastoral acontecem com aparticipação das coordenações das comunidades, pastorais emovimentos eclesiais; dentre essascoordenações, sejam escolhidos osque participarão da Assembleia do Setor.
  25. 25. 4- Preparar a Assembleia Paroquial com o Conselho Paroquial de Pastoral ou com parte dele, caso seja numeroso.
  26. 26. Roteiro (podem ser acrescentadosoutros elementos próprios de cada Paróquia):
  27. 27. a) Oração Inicial: organizar a Oraçãode Abertura tendo como centro o texto de At 1,1-8: “Vocês serão minhastestemunhas na Cidade”. Poderão usar o sugestivo canto Estaremos aqui reunidos, como estavam em Jerusalém, pois só quando vivemos unidos é que o Espírito Santo nos vem e outros que falem da vida eclesial, como, por exemplo, “Agora é tempo de ser Igreja, caminhar juntos, participar”.
  28. 28. b) Estudo: apresentar a proposta das 6 Urgências, conforme o texto do 11º Plano de Pastoral, e o Ano da Fé.
  29. 29. c) Em grupos, 1ª questão: para cada urgência, procurar compreender a realidade da Paróquia, quais as possibilidades e desafios que aquela urgência desperta; 2ª questão: qualcompromisso será assumido, com relação a cada urgência, a partir das indicações pastorais contidas no 11º Plano. 3ªquestão: como será vivido o Ano da Fé na Paróquia ou Área Pastoral.
  30. 30. d) Plenário conclusivo: para concluir, épreciso retomar juntos essas questões e organizar o Projeto Pastoral para os próximos 4 anos de vigência do 11º Plano.
  31. 31. e) Oração final: prepará-la curta, comum texto sobre missão, podendo ser Lc 10, que versa sobre os setenta e dois discípulos.
  32. 32. 6- Coordenação do Setor: caberá a essa coordenação recolher os resultados das assembleias ocorridas nas paróquias e áreas pastorais, preparando, assim, a Assembleia setorial. Dessa assembleia participarão pessoas que participaram das assembleias no nível paroquial ou de área pastoral.
  33. 33. 7- Realização da Assembleia de cada um dos Setores.
  34. 34. 8- Assembleia da Região Episcopal Belém: como puderam perceber, para realizar de maneira adequada cada uma dessas etapas, precisamos de mais tempo, por isso a Assembleia Regional acontecerá no dia 4 de maio de 2013, no Centro PastoralSão José, das 8h00 às 13h00 (caso não hajamudanças no Calendário Arquidiocesano).
  35. 35. 9- Proposta: na assembleia em nível regional, cada setor apresentará a sua proposta, isto é,como assumiu - via paróquia e áreas pastorais, pastorais e movimentos - o 11º Plano de Pastoral. Será, portanto, um momento para acolher as propostas e valorizá-las, olhando aRegião Episcopal a partir das características de cada um dos seus setores. Assim, o rosto daAção Evangelizadora da Região Episcopal Belém será formado pelas propostas assumidas por cada um dos setores.
  36. 36. Observação; caberá ao Secretariado Regional de Pastoral (até agora, Coordenação de Pastoral da Região)considerar as urgências menos assumidas e encaminhar propostas referentes às mesmas e subsidiar os setores para que coloquem em prática as propostas, por eles, assumidas.
  37. 37. 10- Avaliação contínua: as assembleiasanuais serão para avaliar a caminhada e, assim, acolher o destaque pastoral de cada ano, como o Ano da Fé para 2013.
  38. 38. Acredito, como os demais membros do Secretariado Regional dePastoral, que, dessa maneira, será possível suscitar ampla participação, acolhendo concretamente o 11º Plano de Pastoral da Arquidiocese de São Paulo: “Testemunha de Jesus Cristo na Cidade”.
  39. 39. Dom Edmar PeronBispo Auxiliar da Arquidiocese de são Paulo Vigário Episcopal para a Região Belém
  40. 40. Linguagem comum para os Conselhos: – Conselho Paroquial de Pastoral (CPP – também para as Áreas pastorais) – Conselho Setorial de Pastoral (CSP) – Conselho Regional de Pastoral (CRP) – Conselho Arquidiocesano de Pastoral (CAP)Obs.: Poderá haver um Conselho de Pastoral em cada uma das comunidades: CCP.
  41. 41. Linguagem comum para as Comissões: – Comissão de Presbíteros – Comissão de Pastoral – Comissão de Assuntos EconômicosEnfim, o Secretariado Regional de Pastoral, a serviço da Pastoral de toda a Região Belém.

×