CENÁRIO
MACROECONÔMICO
Brasília, 4 de dezembro de 2013

1

Robson Pereira
Economista Sênior
Departamento de Pesquisas e Es...
CENÁRIO GLOBAL - PRINCIPAIS TEMAS



Depois de 5 anos praticando juro nominal igual a zero, o
Federal Reserve, banco cent...
CRESCIMENTO DO PIB MUNDIAL (%) 1980-2014

TAXA DE VARIAÇÃO DO PIB MUNDIAL (SOMA DOS PIBs OBTIDA PELA PARIDADE DO PODER DE ...
CRESCIMENTO DO PIB NORTE-AMERICANO (%)
1980-2014

8.0
7.2

6.0
4.5

4.3

4.0

3.5

4.8

4.5
3.8

3.6
3.2

3.4

2.5

4.1

4...
24/12/09
23/01/10
22/02/10
24/03/10
23/04/10
23/05/10
22/06/10
22/07/10
21/08/10
20/09/10
20/10/10
19/11/10
19/12/10
18/01...
DÓLAR EM RELAÇÃO A CESTA DXY 2009 – 2013
(MOVIMENTOS PARA CIMA INDICAM APRECIAÇÃO DO DÓLAR
CONTA OUTRAS MOEDAS)
DXY

90.0
...
CRESCIMENTO DO PIB CHINÊS (%) 1981-2014
China: crescimento anual do PIB (variação interanual).
Fonte: Bloomberg
Elaboração...
VARIAÇÃO ANUAL DO PREÇO DO MINÉRIO DE FERRO
(PREÇO SPOT NO PORTO DE TIANJIN/CHINA, MINÉRIO
FONTE: FMI
ELABORAÇÃO E (P) PRO...
VARIAÇÃO ANUAL DO PREÇO DO PETRÓLEO
FONTE: FMI
BRENT
ELABORAÇÃO E (P) PROJEÇÃO:
VARIAÇÃO ANUAL DO PREÇO NOMINAL DO PETRÓLE...
VARIAÇÃO ANUAL DO PREÇO DOS GRÃOS
(MÉDIA DE SOJA, MERCADO INTERNACIONAL (TRIGO, SOJA E MILHO) - VARIAÇÃO ANUAL
MILHO E TRI...
CENÁRIO DOMÉSTICO - PRINCIPAIS TEMAS





Há sinais de retomada do crescimento brasileiro,
mas de forma moderada. Nos pr...
Índice de termos de troca (1996 = 100). Preço das exportações / preço das importações. Fonte:
Termos de Troca
Funcex. 1999...
TAXA DE CÂMBIO R$/US$ 2009 - 2013
TAXA DE CÂMBIO R$/US$ 2009 - 2013. fonte: Bloomberg
R$/ US$
2.47

DEZEMBRO 2008
R$ 2,34 ...
TAXA DE CÂMBIO (FINAL DE ANO) - R$/US$
2000 – 2014
Taxa de Câm bio (final de ano) - 2003 - 2012- R$/US$ - Fonte: BCB Proje...
VARIAÇÃO DO PIB DO BRASIL BRASILEIRO - % - 1984 -2014
(%) 1984 - 2013
CRESCIMENTO ANUAL DO PIB

Fonte: IBGE e IPEA
Elabora...
VARIAÇÃO DO PIB DO BRASIL (%) – MÉDIA MÓVEL DE
MÉDIA MÓVEL DE 5 ANOS DO CRESCIMENTO ANUAL DO PIB
5 ANOS
BRASILEIRO - % - 1...
PIB BRASILEIRO DE MERCADO - CRESCIMENTO REAL EM RELAÇÃO AO
PIB A PRECOS – CRESCIMENTO TRIMESTRAL - %
TRIMESTRE ANTERIOR (D...
nov/00
fev/01
mai/01
ago/01
nov/01
fev/02
mai/02
ago/02
nov/02
fev/03
mai/03
ago/03
nov/03
fev/04
mai/04
ago/04
nov/04
fev...
ÍNDICE DE CONFIANÇA DO SETOR DE SERVIÇOS (ICS)
– DADOS COM AJUSTE SAZONAL

130,0
125,0

123,9

120,0
115,0

110,0
105,0

1...
jun-08
jul-08
ago-08
set-08
out-08
nov-08
dez-08
jan-09
fev-09
mar-09
abr-09
mai-09
jun-09
jul-09
ago-09
set-09
out-09
nov...
ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR (ICC)
Fonte: FGV
ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR
(DADOS DESSAZONALIZADOS) (ICC) (DADOS...
INVESTIMENTOS E
CONSUMO DAS FAMÍLIAS
TENDEM A CONTINUAR
SENDO OS MOTORES DO
CRESCIMENTO BRASILEIRO
NOS PRÓXIMOS ANOS.
26
DENTRE OS SETORES COM OS
MAIORES DESAFIOS NO
BRASIL, A INDÚSTRIA SE
DESTACA, DIANTE DE CUSTOS
ELEVADOS, CONCORRÊNCIA
COM I...
COEFICIENTE DE EXPORTAÇÃO E DE IMPORTAÇÃO NA
INDÚSTRIA BRASILEIRA
Fonte: FIESP
Elaboração: Bradesco

COEFICIENTES DE EXPOR...
Fonte: CNI

INDICADOR DE CUSTOS INDUSTRIAIS TOTAIS (DADOS
NÃO INDICADOR DE CUSTOS INDUSTRIAIS TOTAIS (DADOS NÃO
DESSAZONAL...
PRODUÇÃO INDUSTRIAL: TAXA DE VARIAÇÃO ANUAL
2002 - 2014
Fonte: IBGE

PRODUÇÃO INDUSTRIAL - CRESCIMENTO ANUAL

IN %
10.5%

...
O CONSUMO, POR SUA VEZ,
CONTINUA COM PERSPECTIVAS
FAVORÁVEIS, A DESPEITO DA
MODERAÇÃO OBSERVADA NOS
ÚLTIMOS MESES.
CRESCIM...
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO: BRADESCO

NÍVEL DO COMERCIO VAREJISTA BRASILEIRO (EXCLUINDO
VEÍCULOS E MOTOS, PARTES E PEÇAS EVEÍC...
Fonte: IBGE

VOLUME DE VENDAS NO COMÉRCIO VAREJISTA - VARIAÇÃO

VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA
RESTRITO (SEM VEÍCU...
Fonte:

VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA
AMPLIADO
VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO - CRESCIMENTO ANUA...
INTENSO PROCESSO DE
MOBILIDADE SOCIAL
GERA GANHOS DE
ESCALA PARA AS
EMPRESAS E INCENTIVOS
POR MAIOR EFICIÊNCIA.
38
out/04
dez/04
fev/05
abr/05
jun/05
ago/05
out/05
dez/05
fev/06
abr/06
jun/06
ago/06
out/06
dez/06
fev/07
abr/07
jun/07
ago...
MERCADO DE
TRABALHO COM
LIGEIRA ELEVAÇÃO DO
DESEMPREGO, MAS
AINDA BASTANTE
APERTADO.
41
out/03
dez/03
fev/04
abr/04
jun/04
ago/04
out/04
dez/04
fev/05
abr/05
jun/05
ago/05
out/05
dez/05
fev/06
abr/06
jun/06
ago...
CRESCIMENTO DA OCUPAÇÃO E DA POPULAÇÃO
ECONOMICAMENTE ATIVA (PEA) – MÉDIA MÓVEL
DE 12 MESES

4,0%

3,49%

3,38%

Ocupação
...
Em postos de trabalho

GERAÇÃO LÍQUIDA DE EMPREGOS FORMAIS
1996 - 2014
GERAÇÃO LÍQUIDA DE EMPREGO FORMAL
1996 - 2013. Font...
CRÉDITO CONTINUARÁ
CRESCENDO EM RITMO
FORTE E BEM SUPERIOR À
EXPANSÃO DO PIB, MAS DE
MANEIRA MAIS MODERADA
DO QUE NO PASSA...
CRESCIMENTO DO ESTOQUE DE CRÉDITO DO SISTEMA
FINANCEIRO NACIONAL (EM TERMOS NOMINAIS)
2004 - 2016
Fonte: Bacen e (*)

CRES...
IPCA ANUAL – 2002-2014

IPCA VARIAÇÃO ANUAL – 2002-2014. FONTE: IBGE. ELABORAÇÃO E PROJEÇÕES (*): BRADESCO

14.0%
12.53%
1...
Fonte: FGV
Elaboração: Bradesco

INDICADOR DE PERSPECTIVAS DOS CONSUMIDORES EM RELAÇÃO
À INFLAÇÃO NOS PRÓXIMOS 12 MESES (D...
NO DESAFIO DE COMBATER AS
PRESSÕES INFLACONÁRIAS E
GARANTIR O PODER DE COMPRA
DA POPULAÇÃO, A POLÍTICA
FISCAL MAIS EXPANSI...
SUPERAVIT PRIMÁRIO COMO PROPORÇÃO DO PIB

FONTE: BACEN
SUPERÁVIT PRIMÁRIO DO SETOR PÚBLICO - EM % DO PIB ACUMULADO 12 MESE...
DÍVIDA LÍQUIDA COMO PROPORÇÃO DO PIB
DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO EM % DO PIB

65.0%
60.4%
60.0%

54.8%

55.0%

50.6%
5...
TAXA REAL DE JUROS (SWAP PRE-DI 360 DIAS
DEFLACIONADO PELA EXPECTATIVA DE IPCA 12 M)
TAXA REAL DE JUROS NO BRASIL (SWAP 36...
fev/08
abr/08
jun/08
ago/08
out/08
dez/08
fev/09
abr/09
jun/09
ago/09
out/09
dez/09
fev/10
abr/10
jun/10
ago/10
out/10
dez...
O MODELO DE
CRESCIMENTO AINDA NÃO
ESTÁ ESGOTADO, MAS
NOVAS FONTES DINÂMICAS
PRECISAM ENTRAR
RAPIDAMENTE EM AÇÃO.
58
TEMPO EM DIAS PARA REGISTRAR UM NEGÓCIO* –
2013
2013

Venezuela

144,0

Brasil

107,5

Angola

66,0

Indonésia

48,0

Viet...
NÚMERO DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTRAR UM
NEGÓCIO* – 2013

Venezuela
Argentina
Brasil
Índia
Vietnã
Indonésia
Alemanha
Colô...
IMPOSTO* TOTAL (% DO LUCRO) – 2013
2013

Argentina
Colômbia
Brasil
Itália
França
Índia
Venezuela
México
Angola
Japão
Alema...
TAXAS DE CRESCIMENTO DA POPULAÇÃO TOTAL E DA
POPULAÇÃO EMDAIDADE ATIVA (PIA) NO BRASIL –
TAXAS DE CRESCIMENTO POPULAÇÃO TO...
BRASIL: ANOS DE EDUCAÇÃO FORMAL DA POPULAÇÃO
ACIMA DE 25 ANOS DE IDADE 2001-2020

8,8

8,6

8,3

7,8

7,6

7,2

7,3

2010*...
CENÁRIO MACROECONÔMICO BRADESCO 2013-2014
Variável
PIB

2013

2014

2.40%

2.10%

2.25

2.35

IPCA

5.70%

5.77%

IGP-M

5...
CENÁRIO PARA
MICRO E
PEQUENAS
EMPRESAS
65
65
CERCA DE 5 MILHÕES DE NOVAS
PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
DEVERÃO SER CRIADAS NOS
PRÓXIMOS 10 ANOS, UMA
EXPANSÃO DE MAIS DE 6...
PROJEÇÃO DE CRESCIMENTO DO NÚMERO DE MICRO E
PEQUENAS EMPRESAS – 2008 - 2022

14,0

12,9

EM MILHÕES DE EMPRESAS
11,8

12,...
PERSPECTIVAS SETORIAIS

68
COMÉRCIO VAREJISTA
MERCADO DE TRABALHO – baixo patamar da taxa de desemprego
favorece expansão dos rendimentos, ainda que ...
TURISMO
DOMÉSTICO: favorecido pela expansão dos
rendimentos e facilidades no pagamento.
TURISTAS ESTRANGEIRO: desvalorizaç...
CONSTRUÇÃO CIVIL
RESIDENCIAL: favorecido por mercado de trabalho
apertado, o que sustenta elevação do rendimento.
Crédito ...
SERVIÇOS
DEMANDA DAS FAMÍLIAS: ganhos de renda continuam
impulsionando a demanda. Impulso menor nos
próximos anos, após fo...
CALÇADOS, TÊXTIL, CONFECÇÕES E
MÓVEIS
MERCADO DE TRABALHO – baixo patamar da taxa de desemprego
favorece expansão dos rend...
PERFUMARIA E COSMÉTICOS

MERCADO DE TRABALHO – baixo patamar da taxa de
desemprego favorece expansão dos rendimentos, aind...
BORRACHA E PLÁSTICO
MERCADO DE TRABALHO – demanda interna favorável por
conta de aumento de renda
TAXA DE CÂMBIO – desvalo...
TRANSPORTES
COMÉRCIO: expansão do comércio eletrônico é
favorável para o setor de transporte
INDÚSTRIA: aceleração da indú...
Robson Rodrigues Pereira

Economista Sênior
4968.robson@bradesco.com.br
WWW.ECONOMIAEMDIA.COM.BR

O DEPEC – BRADESCO não s...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

6ª CBAPL: Cenário Macroeconômico

404 visualizações

Publicada em

6ª CBAPL: Cenário Macroeconômico
Por, Robson Pereira - Economista Sênior - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
404
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

6ª CBAPL: Cenário Macroeconômico

  1. 1. CENÁRIO MACROECONÔMICO Brasília, 4 de dezembro de 2013 1 Robson Pereira Economista Sênior Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DEPEC
  2. 2. CENÁRIO GLOBAL - PRINCIPAIS TEMAS  Depois de 5 anos praticando juro nominal igual a zero, o Federal Reserve, banco central dos EUA, deverá iniciar redução de estímulos monetários nos próximos meses. Elevação dos juros, contudo, não deverá ocorrer antes de 2015, mas taxas longas deverão reagir, assim como o dólar, com apreciação.  Economia chinesa não deverá apresentar “pouso forçado” (hard landing) em 2014, mas crescimento econômico tende a ser menor do que o verificado nos últimos anos.  Combinação de apreciação do dólar, demanda global em ritmo mais moderado e forte ampliação da oferta em alguns segmentos tende a gerar pressões baixistas sobre as commodities. 2 2
  3. 3. CRESCIMENTO DO PIB MUNDIAL (%) 1980-2014 TAXA DE VARIAÇÃO DO PIB MUNDIAL (SOMA DOS PIBs OBTIDA PELA PARIDADE DO PODER DE COMPRA) 1990 - 2013. Fonte: FMI/WEO. Elaboração e projeções (*): Bradesco 6.0 PIB MUNDIAL 4.9 5.0 3.9 4.1 3.9 3.8 3.5 3.4 3.8 3.4 3.3 3.7 3.6 3.6 3.4 3.3 2.9 2.8 3.0 5.1 4.8 4.5 4.0 3.1 3.0 2.9 2.6 2.2 2.0 5.4 Média Mundial 1980-2012 2.2 2.3 2.2 1.8 1.0 0.7 0.0 3 FONTE: FMI ELABORAÇÃO: BRADESCO 2014 2013 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1997 1996 1995 1994 1993 1992 1991 1990 1989 1988 1987 1986 1985 1984 1983 1982 1981 1980 -0.5 -1.0
  4. 4. CRESCIMENTO DO PIB NORTE-AMERICANO (%) 1980-2014 8.0 7.2 6.0 4.5 4.3 4.0 3.5 4.8 4.5 3.8 3.6 3.2 3.4 2.5 4.1 4.1 3.7 3.5 3.1 2.9 2.5 1.9 2.0 2.8 2.5 2.7 1.9 1.8 2.1 2.7 2.4 2.2 1.8 1.7 1.8 0.9 1.1 0.0 -0.2 -0.3 -2.0 -0.3 -1.9 -3.1 4 SOURCE: BLOOMBERG FORCAST: BRADESCO 2014 2013 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1997 1996 1995 1994 1993 1992 1991 1990 1989 1988 1987 1986 1985 1984 1983 1982 1981 1980 -4.0
  5. 5. 24/12/09 23/01/10 22/02/10 24/03/10 23/04/10 23/05/10 22/06/10 22/07/10 21/08/10 20/09/10 20/10/10 19/11/10 19/12/10 18/01/11 17/02/11 19/03/11 18/04/11 18/05/11 17/06/11 17/07/11 16/08/11 15/09/11 15/10/11 14/11/11 14/12/11 13/01/12 12/02/12 13/03/12 12/04/12 12/05/12 11/06/12 11/07/12 10/08/12 09/09/12 09/10/12 08/11/12 08/12/12 07/01/13 06/02/13 08/03/13 07/04/13 07/05/13 06/06/13 06/07/13 05/08/13 04/09/13 04/10/13 03/11/13 03/12/13 TAXAS DE JUROS DO TÍTULO DE 10 ANOS DO TESOURO DOS EUA 2009- 2013 TAXA DE JUROS DO TÍTULO DE 10 ANOS DO TESOURO AMERICANO 2006- 2013. Fonte: Bloomberg 4.20 3.826 2.20 5 Em % 3.70 3.549 3.20 2.864 2.994 2.792 2.70 1.70 1.20 FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO 2.739 2.219 2.269 2.484 2.383 1.615 2,784 2.502 2.165 1.938 1.668 2.048 1.663 1.508
  6. 6. DÓLAR EM RELAÇÃO A CESTA DXY 2009 – 2013 (MOVIMENTOS PARA CIMA INDICAM APRECIAÇÃO DO DÓLAR CONTA OUTRAS MOEDAS) DXY 90.0 88.41 88.0 86.0 84.58 84.0 83.15 83.02 82.12 82.0 83.00 81.20 82.63 81.26 81.52 81.48 80.75 80.0 78.71 78.0 80,67 79.23 78.85 76.10 76.0 75.88 74.88 74.0 74.27 FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO 03/12/13 03/10/13 03/08/13 03/06/13 03/04/13 03/02/13 03/12/12 03/10/12 03/08/12 03/06/12 03/04/12 03/02/12 03/12/11 03/10/11 03/08/11 03/06/11 03/02/11 03/12/10 03/10/10 03/08/10 03/06/10 03/04/10 03/02/10 03/12/09 03/10/09 03/08/09 6 03/04/11 73.12 72.0
  7. 7. CRESCIMENTO DO PIB CHINÊS (%) 1981-2014 China: crescimento anual do PIB (variação interanual). Fonte: Bloomberg Elaboração e projeções: Bradesco 16.0 15.2 14.2 14.0 13.2 12.0 14.2 14.0 13.1 11.511.3 11.2 12.7 11.3 10.9 10.0 9.3 9.3 9.2 7.8 7.6 8.0 9.6 9.1 8.5 6.0 10.4 10.1 10.0 9.3 9.2 8.4 8.3 7.7 7.7 7.4 5.2 4.1 4.0 3.8 2.0 7 FONTE: FMI ELABORAÇÃO: BRADESCO 2014 2013 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1997 1996 1995 1994 1993 1992 1991 1990 1989 1988 1987 1986 1985 1984 1983 1982 1981 0.0
  8. 8. VARIAÇÃO ANUAL DO PREÇO DO MINÉRIO DE FERRO (PREÇO SPOT NO PORTO DE TIANJIN/CHINA, MINÉRIO FONTE: FMI ELABORAÇÃO E (P) PROJEÇÃO: COM 62%VARIAÇÃO ANUAL DO PREÇO DO MINÉRIO DE FERRO (PREÇO SPOT NO PORTO DE DE TEOR DE FERRO) BRADESCO TIANJIN/CHINA, MINÉRIO COM 62% DE TEOR DE FERRO) - US$/TONELADA 90% 83.4% 80% 71.5% 68.1% 70% 60% 50% 40% 29.9% 30% 19.0% 18.6% 20% 14.4% 7.2% 5.7% 10% 9.5% 9.0% 0.5% 5.0% 4.4% 4.3% 2.8% 0% -10% -2.4% -9.0% -7.4% -11.0% -20% FONTE: FMI ELABORAÇÃO E (P) PROJEÇÃO: BRADESCO 2014 (p) 2013 (p) 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1997 1996 1995 1994 8 2012 -23.4% -30%
  9. 9. VARIAÇÃO ANUAL DO PREÇO DO PETRÓLEO FONTE: FMI BRENT ELABORAÇÃO E (P) PROJEÇÃO: VARIAÇÃO ANUAL DO PREÇO NOMINAL DO PETRÓLEO BRENT (FOB REINO UNIDO) BRADESCO 65% 59.9% 54% 43% 42.1% 39.2% 39.3% 34.3% 32.7% 28.7% 32% 20.1% 19.9% 21% 15.4% 11.2% 7.8% 10% 2.4% 0.9% -1% -2.4% -2.7% -6.5% -12% -6.9% -13.8% -23% -34% -33.5% -36.7% 9 FONTE: FMI ELABORAÇÃO E (P) PROJEÇÃO: BRADESCO 2014 (p) 2013 (p) 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1997 1996 1995 1994 -45%
  10. 10. VARIAÇÃO ANUAL DO PREÇO DOS GRÃOS (MÉDIA DE SOJA, MERCADO INTERNACIONAL (TRIGO, SOJA E MILHO) - VARIAÇÃO ANUAL MILHO E TRIGO) COTAÇÃO DE GRÃOS NO FONTE: FMI ELABORAÇÃO E (P) PROJEÇÃO: BRADESCO 45.0% 41.3% 37.8% 35.8% 30.0% 24.7% 15.6% 13.3% 15.0% 10.1% 9.3% 10.8% 4.7% 4.1% 4.1% 1.4% 1.7% 0.0% -9.7% -11.4% -15.0% -12.8% -16.9% -18.2% -24.6% 10 10 FONTE: FMI ELABORAÇÃO E (P) PROJEÇÃO: BRADESCO 2014 (p) 2013 (p) 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1997 1996 1995 1994 -30.0%
  11. 11. CENÁRIO DOMÉSTICO - PRINCIPAIS TEMAS   Há sinais de retomada do crescimento brasileiro, mas de forma moderada. Nos próximos meses, as atenções estarão voltadas para o programa de concessões na área de infraestrutura.  11 Cenário global impõe desafios relevantes ao Brasil, depois de 5 anos com liquidez abundante e baixa aversão a risco. Inflação “ganhou as ruas” nos últimos meses e continua sendo um desafio relevante ao gerenciamento da política econômica, sobretudo diante de potenciais ‘pressões cambiais. 11
  12. 12. Índice de termos de troca (1996 = 100). Preço das exportações / preço das importações. Fonte: Termos de Troca Funcex. 1999-2007 ÍNDICE DE TERMOS DE TROCA (BRASIL) 2006 - 2013 1996 = 100 129.1 130 125.6 125 121.5 123.2 120 117.8 118.3 115 108.4 110 105 101.8 110.0 102.7 100 99.2 96.0 95 96.8 94.4 93.6 fev/06 abr/06 jun/06 ago/06 out/06 dez/06 fev/07 abr/07 jun/07 ago/07 out/07 dez/07 fev/08 abr/08 jun/08 ago/08 out/08 dez/08 fev/09 abr/09 jun/09 ago/09 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 90 13 FONTE: FUNCEX ELABORAÇÃO: BRADESCO 116.9
  13. 13. TAXA DE CÂMBIO R$/US$ 2009 - 2013 TAXA DE CÂMBIO R$/US$ 2009 - 2013. fonte: Bloomberg R$/ US$ 2.47 DEZEMBRO 2008 R$ 2,34 / US$ 2.37 DEZEMBRO 2009 R$ 1,74 / US$ DEZEMBRO 2012 R$ 2,04 / US$ DEZEMBRO 2010 R$ 1,67 / US$ 2.44 DEZEMBRO 2011 R$ 1,88 / US$ DEZEMBRO 2013 R$ 2,25 / US$ DEZEMBRO 2014 R$ 2,35 / US$ 2.27 2.17 2.07 2.39 2.33 2.36 2.26 2.14 2.19 2.15 2.14 2.08 2.04 2.05 2.02 1.97 1.89 1.90 1.88 1.91 1.94 1.87 1.74 1.77 1.67 1.73 1.70 1.72 1.64 1.70 1.65 1.57 1.59 1.54 15 FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO 03/12/13 03/10/13 03/08/13 03/06/13 03/04/13 03/02/13 03/12/12 03/10/12 03/08/12 03/06/12 03/04/12 03/02/12 03/12/11 03/10/11 03/08/11 03/06/11 03/04/11 03/02/11 03/12/10 03/10/10 03/08/10 03/06/10 03/04/10 03/02/10 03/12/09 03/10/09 03/08/09 1.47
  14. 14. TAXA DE CÂMBIO (FINAL DE ANO) - R$/US$ 2000 – 2014 Taxa de Câm bio (final de ano) - 2003 - 2012- R$/US$ - Fonte: BCB Projeções Bradesco R$/US$ 3,8 3,53 3,2 2,89 2,65 2,6 2,34 2,32 2,34 2,25 2,14 2 2,35 2,04 1,96 1,88 1,77 1,74 1,67 1,4 16 FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 2014 2013 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 0,8
  15. 15. VARIAÇÃO DO PIB DO BRASIL BRASILEIRO - % - 1984 -2014 (%) 1984 - 2013 CRESCIMENTO ANUAL DO PIB Fonte: IBGE e IPEA Elaboração e Projeção: Bradesco 9.0 7.8 Média dos 11 anos: 3,6% 7.5 Média dos 20 anos anteriores: 2,7% 7.0 5.4 4.7 5.0 3.5 6.1 5.7 5.3 7.5 5.2 4.4 4.0 4.3 3.4 3.2 3.2 2.7 3.0 2.7 2.4 2.1 2.1 1.3 1.0 1.0 1.1 1.0 0.0 0.3 -0.1 -1.0 -0.3 -0.5 -3.0 FONTE: IBGE, IPEA ELABORAÇÃO: BRADESCO 2014* 2013* 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1997 1996 1995 1994 1993 1992 1991 1989 1988 1987 1986 1985 1984 18 1990 -4.3 -5.0
  16. 16. VARIAÇÃO DO PIB DO BRASIL (%) – MÉDIA MÓVEL DE MÉDIA MÓVEL DE 5 ANOS DO CRESCIMENTO ANUAL DO PIB 5 ANOS BRASILEIRO - % - 1970 - 2012 Fonte: IBGE Elaboração e Projeção: Bradesco 11.4 11.0 9.0 7.2 7.0 4.8 4.8 5.0 4.0 4.3 3.0 3.0 3.4 3.6 4.5 3.2 1.7 1.0 1.3 -0.2 1965 1966 1967 1968 1969 1970 1971 1972 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 -1.0 19 FONTE: IBGE, IPEA ELABORAÇÃO: BRADESCO
  17. 17. PIB BRASILEIRO DE MERCADO - CRESCIMENTO REAL EM RELAÇÃO AO PIB A PRECOS – CRESCIMENTO TRIMESTRAL - % TRIMESTRE ANTERIOR (DADOS DESSAZONALIZADOS) - % Fonte: IBGE Elaboração: Bradesco 3.4 2.6 2.7 2.4 2.0 1.8 1.5 1.6 1.5 1.8 1.2 1.4 1.0 1.0 0.9 0.8 0.4 0.4 0.6 0.0 0.1 0.1 0.2 0.0 -0.6 -0.5 -1.6 -1.6 -2.6 -3.6 -3.9 21 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO 2013q03 2013q02 2013q01 2012q04 2012q03 2012q02 2012q01 2011q04 2011q03 2011q02 2011q01 2010q04 2010q03 2010q02 2010q01 2009q04 2009q03 2009q02 2009q01 2008q04 2008q03 2008q02 2008q01 -4.6
  18. 18. nov/00 fev/01 mai/01 ago/01 nov/01 fev/02 mai/02 ago/02 nov/02 fev/03 mai/03 ago/03 nov/03 fev/04 mai/04 ago/04 nov/04 fev/05 mai/05 ago/05 nov/05 fev/06 mai/06 ago/06 nov/06 fev/07 mai/07 ago/07 nov/07 fev/08 mai/08 ago/08 nov/08 fev/09 mai/09 ago/09 nov/09 fev/10 mai/10 ago/10 nov/10 fev/11 mai/11 ago/11 nov/11 fev/12 mai/12 ago/12 nov/12 fev/13 mai/13 ago/13 nov/13 Fonte: FGV 80.0 22 ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA – FGV – SÉRIE DESSAZONALIZADA Índice de Confiança da Indústria - Série com ajuste sazonal 120.0 116.9 103.4 FONTE: FGV ELABORAÇÃO: BRADESCO 116.5 112.4 114.5 110.0 106.4 101.7 105.7 100.0 95.6 105.0 90.0 94.3 100,0 90.1 90.6 82.9 78.2 75.7 70.0 99.0
  19. 19. ÍNDICE DE CONFIANÇA DO SETOR DE SERVIÇOS (ICS) – DADOS COM AJUSTE SAZONAL 130,0 125,0 123,9 120,0 115,0 110,0 105,0 100,0 100,1 99,2 95,0 96,0 ISA 90,0 Média histórica 23 FONTE: FGV ELABORAÇÃO: BRADESCO nov-13 set-13 jul-13 mai-13 mar-13 jan-13 nov-12 set-12 jul-12 mai-12 mar-12 jan-12 nov-11 set-11 jul-11 mai-11 mar-11 jan-11 nov-10 set-10 jul-10 mai-10 mar-10 jan-10 nov-09 set-09 jul-09 mar-09 jan-09 nov-08 85,0 mai-09 86,5
  20. 20. jun-08 jul-08 ago-08 set-08 out-08 nov-08 dez-08 jan-09 fev-09 mar-09 abr-09 mai-09 jun-09 jul-09 ago-09 set-09 out-09 nov-09 dez-09 jan-10 fev-10 mar-10 abr-10 mai-10 jun-10 jul-10 ago-10 set-10 out-10 nov-10 dez-10 jan-11 fev-11 mar-11 abr-11 mai-11 jun-11 jul-11 ago-11 set-11 out-11 nov-11 dez-11 jan-12 fev-12 mar-12 abr-12 mai-12 jun-12 jul-12 ago-12 set-12 out-12 nov-12 dez-12 jan-13 fev-13 mar-13 abr-13 mai-13 jun-13 jul-13 ago-13 set-13 out-13 nov-13 PERCENTUAL DE EMPRESAS QUE CONSIDERAM A DEMANDADE EMPRESAS QUE CONSIDERAM A DEMANDA PREVISTA FORTE OU MAIOR PREVISTA FORTE OU MAIOR NOS PERCENTUAL PRÓXIMOS 3 MESES FONTE: FGV ELABORARAÇÃO: BRADESCO 60 56,1 52,9 30 24 24 31,1 20 17,4 17,1 10 FONTE: FGV ELABORAÇÃO: BRADESCO 19,7 Serviços 50 50,7 43,0 51,6 46,6 22,7 16,7 14,0 12,9 Indústria 51,2 48,3 48,4 46,5 43,0 40 40,3 39,0 38,9 31,5 28,5 21,3 18,4 17,5 13,9 10,9 10,0 0 4,7 13,9
  21. 21. ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR (ICC) Fonte: FGV ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR (DADOS DESSAZONALIZADOS) (ICC) (DADOS DESSAZONALIZADOS) Elaboração: Bradesco Confiança do Consumidor Neutro 133 128.7 124.4 124.2 122.1 123 119.6 120.4 113.1 116.0 115.4 112.1 113 114.2 110.5 108.3 103 100.0 95.8 25 FONTE: FGV ELABORAÇÃO: BRADESCO nov/13 set/13 jul/13 mai/13 mar/13 jan/13 nov/12 set/12 jul/12 mai/12 mar/12 jan/12 nov/11 set/11 jul/11 mai/11 mar/11 jan/11 nov/10 set/10 jul/10 mai/10 mar/10 jan/10 nov/09 set/09 jul/09 mai/09 mar/09 jan/09 nov/08 set/08 jul/08 93
  22. 22. INVESTIMENTOS E CONSUMO DAS FAMÍLIAS TENDEM A CONTINUAR SENDO OS MOTORES DO CRESCIMENTO BRASILEIRO NOS PRÓXIMOS ANOS. 26
  23. 23. DENTRE OS SETORES COM OS MAIORES DESAFIOS NO BRASIL, A INDÚSTRIA SE DESTACA, DIANTE DE CUSTOS ELEVADOS, CONCORRÊNCIA COM IMPORTADOS, DEMANDA GLOBAL MODERADA. 28
  24. 24. COEFICIENTE DE EXPORTAÇÃO E DE IMPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA BRASILEIRA Fonte: FIESP Elaboração: Bradesco COEFICIENTES DE EXPORTAÇÃO E DE IMPORTAÇÃO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA (*) 25.0% 24.0% 24.8% Coeficiente de exportação = Exportações / Produção Coeficiente de importação = Importações / (Produção - Exportações + Importações) 23.0% 24.0% 22.7% 22.3% 22.6% 22.0% 20.8% 20.9% 21.0% 21.6% 20.5% 19.9% 19.4% 19.2% 18.7% 17.8% 18.0% 19.0% 18.2% 18.5% 17.5% 16.9% 17.0% 21.0% 20.2% 20.0% 19.0% 24.0% 17.1% 17.1% 16.9% 16.0% 15.5% Exportações 15.0% 15.1% Importações 29 FONTE: FIESP/CIESP ELABORAÇÃO: BRADESCO 2013q02 2013q01 2012q04 2012q03 2012q02 2012q01 2011q04 2011q03 2011q02 2011q01 2010q04 2010q03 2010q02 2010q01 2009q04 2009q03 2009q02 2009q01 2008q04 2008q03 2008q02 2008q01 2007q04 2007q03 2007q02 2007q01 2006q04 2006q03 2006q02 2006q01 14.0%
  25. 25. Fonte: CNI INDICADOR DE CUSTOS INDUSTRIAIS TOTAIS (DADOS NÃO INDICADOR DE CUSTOS INDUSTRIAIS TOTAIS (DADOS NÃO DESSAZONALIZADOS) INDICADOR É ABERTO EM 3 MÉDIA 2006=100 DESSAZONALIZADOS) 135.0 131.2 130.0 128.7 126.7 125.0 125.6 123.1 120.7 121.7 120.0 116.1 116.1 115.0 110.0 105.0 100.0 109.3 108.0 109.3 108.9 104.1 104.3 100.6 99.4 97.9 30 FONTE: CNI ELABORAÇÃO: BRADESCO 2013 - II 2013 - I 2012 - IV 2012 - III 2012 - II 2012 - I 2011 - IV 2011 - III 2011 - II 2011 - I 2010 - IV 2010 - III 2010 - II 2010 - I 2009 - IV 2009 - III 2009 - II 2009 - I 2008 - IV 2008 - III 2008 - II 2008 - I 2007 - IV 2007 - III 2007 - II 2007 - I 2006 - IV 2006 - III 2006 - II 2006 - I 95.0
  26. 26. PRODUÇÃO INDUSTRIAL: TAXA DE VARIAÇÃO ANUAL 2002 - 2014 Fonte: IBGE PRODUÇÃO INDUSTRIAL - CRESCIMENTO ANUAL IN % 10.5% 11.0% 8.3% 7.0% 3.0% 6.0% 3.1% 2.7% 3.1% 2.8% 2.0% 2.5% 0.4% 0.1% -1.0% -2.6% -5.0% -7.4% 31 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO 2014 2013 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 -9.0%
  27. 27. O CONSUMO, POR SUA VEZ, CONTINUA COM PERSPECTIVAS FAVORÁVEIS, A DESPEITO DA MODERAÇÃO OBSERVADA NOS ÚLTIMOS MESES. CRESCIMENTO DE MÉDIO PRAZO TENDE A SEGUIR A TENDÊNCIA DE MENOR EXPANSÃO DO PIB. 34
  28. 28. FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO NÍVEL DO COMERCIO VAREJISTA BRASILEIRO (EXCLUINDO VEÍCULOS E MOTOS, PARTES E PEÇAS EVEÍCULOS E MOTOS, PARTES E PEÇAS E NÍVEL DO COMERCIO VAREJISTA BRASILEIRO (EXCLUINDO MATERIAL DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO) CONSTRUÇÃO) 138 Nominal 135.2 Volume 132.6 130 129.8 124.9 122 118.6 116.9 114.5 113.0 114 113.9 113.0 108.8 109.5 106.7 106 103.5 35 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO set/13 ago/13 jul/13 jun/13 mai/13 abr/13 mar/13 fev/13 jan/13 dez/12 nov/12 out/12 set/12 ago/12 jul/12 jun/12 mai/12 abr/12 mar/12 fev/12 jan/12 dez/11 nov/11 out/11 set/11 98
  29. 29. Fonte: IBGE VOLUME DE VENDAS NO COMÉRCIO VAREJISTA - VARIAÇÃO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA RESTRITO (SEM VEÍCULOS E MATERIAL DE CONSTRUÇÃO) 12.5% 10.9% 10.0% 9.7% 9.2% 9.1% 8.4% 7.5% 6.7% 6.2% 5.9% 4.8% 5.0% 4.5% 3.3% 2.5% 0.0% -0.7% -2.5% -1.6% -3.7% 36 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO 2014 2013 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 -5.0%
  30. 30. Fonte: VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO - CRESCIMENTO ANUAL 2001 - 2012 (*) O comércio varejista ampliado difere do comércio varejista pela inclusão dos segmentos de material de construção e veículos e motos, partes e peças. 15% 13.6% 12.2% 12% 9.9% 9% 8.0% 6.8% 6.4% 6.6% 6% 3.9% 3.2% 3.1% 3% 0% 2005 37 2006 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
  31. 31. INTENSO PROCESSO DE MOBILIDADE SOCIAL GERA GANHOS DE ESCALA PARA AS EMPRESAS E INCENTIVOS POR MAIOR EFICIÊNCIA. 38
  32. 32. out/04 dez/04 fev/05 abr/05 jun/05 ago/05 out/05 dez/05 fev/06 abr/06 jun/06 ago/06 out/06 dez/06 fev/07 abr/07 jun/07 ago/07 out/07 dez/07 fev/08 abr/08 jun/08 ago/08 out/08 dez/08 fev/09 abr/09 jun/09 ago/09 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 Milhões EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE PESSOAS NAS CLASSES A, B, C MM12M Fonte: IBGE Elaboração: Bradesco 83.0 40 Em milhões FONTE: PME E PNAD/IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO Classes ABC 143.0 133.0 126.118 123.0 120.353 113.0 117.873 106.200 111.907 103.0 99.760 97.109 93.0 88.178 80.617 73.0 130.307
  33. 33. MERCADO DE TRABALHO COM LIGEIRA ELEVAÇÃO DO DESEMPREGO, MAS AINDA BASTANTE APERTADO. 41
  34. 34. out/03 dez/03 fev/04 abr/04 jun/04 ago/04 out/04 dez/04 fev/05 abr/05 jun/05 ago/05 out/05 dez/05 fev/06 abr/06 jun/06 ago/06 out/06 dez/06 fev/07 abr/07 jun/07 ago/07 out/07 dez/07 fev/08 abr/08 jun/08 ago/08 out/08 dez/08 fev/09 abr/09 jun/09 ago/09 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 TAXA DE DESEMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE SÃO PAULO, RIO DE JANEIRO, BELO HORIZONTE, SALVADOR, RECIFE, E PORTO ALEGRE – DADOS DESSAZONALIZADOS (%) Fonte: IBGE Elaboração Bradesco 12.5 11.5 42 12.0 TAXA DE DESEMPREGO DESSAZONALIZADA - % 13.5 13.1 12.3 11.0 10.7 10.5 9.6 9.5 9.2 9.7 8.5 6.5 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO 9.6 8.6 8.7 8.5 8.0 7.5 7.5 7.0 6.3 6.0 5.8 5.5 5.7 5.3 4.5
  35. 35. CRESCIMENTO DA OCUPAÇÃO E DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA (PEA) – MÉDIA MÓVEL DE 12 MESES 4,0% 3,49% 3,38% Ocupação PEA 3,0% 2,61% 2,22% 2,04% 2,01% 2,0% 1,80% 1,67% 1,78% 1,55% 1,29% 1,0% 1,17% 1,25% 1,22% 0,73% 0,62% FONTE: IBGE 43 ELABORAÇÃO: BRADESCO out/13 jul/13 abr/13 jan/13 out/12 jul/12 abr/12 jan/12 out/11 jul/11 abr/11 jan/11 out/10 jul/10 abr/10 jan/10 out/09 jul/09 abr/09 jan/09 out/08 jul/08 abr/08 jan/08 out/07 jul/07 abr/07 jan/07 out/06 jul/06 abr/06 jan/06 out/05 0,0%
  36. 36. Em postos de trabalho GERAÇÃO LÍQUIDA DE EMPREGOS FORMAIS 1996 - 2014 GERAÇÃO LÍQUIDA DE EMPREGO FORMAL 1996 - 2013. Fonte: Caged. Elaboração e projeções (*): Bradesco MIL POSTOS DE TRABALHO 2,500 2,137 2,000 1,617 1,523 1,566 1,452 1,500 1,254 1,229 995 1,000 658 680 645 591 856 868 762 500 0 -36 -500 -196 -271 -582 44 FONTE: CAGED ELABORAÇÃO: BRADESCO 2014* 2013* 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1997 1996 -1,000
  37. 37. CRÉDITO CONTINUARÁ CRESCENDO EM RITMO FORTE E BEM SUPERIOR À EXPANSÃO DO PIB, MAS DE MANEIRA MAIS MODERADA DO QUE NO PASSADO. 45
  38. 38. CRESCIMENTO DO ESTOQUE DE CRÉDITO DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL (EM TERMOS NOMINAIS) 2004 - 2016 Fonte: Bacen e (*) CRESCIMENTO NOMINAL EM 12 MESES DO ESTOQUE TOTAL DE CRÉDITO 2004 - 2017 35.0% 30.7% 30.0% 28.8% 25.0% 21.7% 20.0% 20.7% 20.6% 19.2% 18.8% 16.4% 15.1% 14.6% 15.0% 13.2% 11.9% 11.5% 2015* 2016* 10.0% 5.0% 0.0% 2004 46 2005 2006 2007 FONTE: BANCO CENTRAL ELABORAÇÃO E (*) PROJEÇÃO: BRADESCO 2008 2009 2010 2011 2012 2013* 2014*
  39. 39. IPCA ANUAL – 2002-2014 IPCA VARIAÇÃO ANUAL – 2002-2014. FONTE: IBGE. ELABORAÇÃO E PROJEÇÕES (*): BRADESCO 14.0% 12.53% 12.0% 10.0% 9.30% 7.60% 8.0% 4.0% 5.70% 5.77% 2014* 4.46% 5.84% 2013* 5.69% 6.0% 2012 6.50% 5.91% 5.90% 4.31% 3.14% 2.0% 49 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 0.0%
  40. 40. Fonte: FGV Elaboração: Bradesco INDICADOR DE PERSPECTIVAS DOS CONSUMIDORES EM RELAÇÃO À INFLAÇÃO NOS PRÓXIMOS 12 MESES (DADOS Média INDICADOR DE PERSPECTIVAS DOS CONSUMIDORES EM RELAÇÃO DESSAZONALIZADOS) MédiaMESES (DADOS DESSAZONALIZADOS)À INFLAÇÃO NOS PRÓXIMOS 12 7.7 7.5 7.5 7.4 7.2 7.3 7.5 7.3 7.3 7.1 6.8 7.0 6.7 6.7 6.7 6.7 6.3 6.6 6.5 6.4 6.4 6.3 6.2 6.1 6.1 51 FONTE: FGV ELABORAÇÃO: BRADESCO nov/13 set/13 jul/13 mai/13 mar/13 jan/13 nov/12 set/12 jul/12 mai/12 mar/12 jan/12 nov/11 set/11 jul/11 mai/11 mar/11 jan/11 nov/10 set/10 jul/10 mai/10 mar/10 jan/10 nov/09 set/09 jul/09 mai/09 mar/09 jan/09 nov/08 set/08 jul/08 5.3
  41. 41. NO DESAFIO DE COMBATER AS PRESSÕES INFLACONÁRIAS E GARANTIR O PODER DE COMPRA DA POPULAÇÃO, A POLÍTICA FISCAL MAIS EXPANSIONISTA TENDE A IMPOR UMA CARGA MAIOR DE RESPONSABILIDADE AO BANCO CENTRAL. 52
  42. 42. SUPERAVIT PRIMÁRIO COMO PROPORÇÃO DO PIB FONTE: BACEN SUPERÁVIT PRIMÁRIO DO SETOR PÚBLICO - EM % DO PIB ACUMULADO 12 MESES ELABORAÇÃO: BRADESCO 4.5% 4.07% 4.0% 3.73% 3.56% 3.5% 3.31% 3.28% 3.0% 2.83% 2.5% 2.46% 2.25% 2.0% 1.93% 1.93% 1.5% 1.58% 1.44% 1.0% 0.97% dez/06 fev/07 abr/07 jun/07 ago/07 out/07 dez/07 fev/08 abr/08 jun/08 ago/08 out/08 dez/08 fev/09 abr/09 jun/09 ago/09 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 0.5% 53 FONTE: BACEN 53
  43. 43. DÍVIDA LÍQUIDA COMO PROPORÇÃO DO PIB DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO EM % DO PIB 65.0% 60.4% 60.0% 54.8% 55.0% 50.6% 50.0% 48.4% 47.3% 45.5% 45.0% 42.1% 40.0% 39.1% 38.5% 35.1% 35.0% 35.5% 2012 2013 2014 36.4% 35.0% 54 FONTE: BCB PROJEÇÃO: BRADESCO 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 30.0%
  44. 44. TAXA REAL DE JUROS (SWAP PRE-DI 360 DIAS DEFLACIONADO PELA EXPECTATIVA DE IPCA 12 M) TAXA REAL DE JUROS NO BRASIL (SWAP 360 DIAS CONTRA SELIC 12 MESES À FRENTE) FONTE: Bloomberg 8.0% 7.11% 7.0% 6.23% 6.0% 4.83% 5.0% 4.58% 3.97% 4.01% 3.87% 4.0% 3.90% 3.48% 3.0% 1.84% 1.88% 2.0% 3.43% 2.76% 2.47% 3.16% 2.50% 2.11% 1.71% 1.98% 3.02% 2.27% 03/12/13 05/11/13 08/10/13 10/09/13 13/08/13 16/07/13 18/06/13 21/05/13 23/04/13 26/03/13 26/02/13 29/01/13 01/01/13 04/12/12 09/10/12 11/09/12 14/08/12 17/07/12 19/06/12 22/05/12 24/04/12 27/03/12 28/02/12 31/01/12 03/01/12 06/12/11 08/11/11 11/10/11 13/09/11 16/08/11 19/07/11 21/06/11 24/05/11 26/04/11 29/03/11 ELABORAÇÃO: BRADESCO 06/11/12 1.38% 1.0% 56 4.21%
  45. 45. fev/08 abr/08 jun/08 ago/08 out/08 dez/08 fev/09 abr/09 jun/09 ago/09 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/13 fev/14 abr/14 jun/14 ago/14 out/14 dez/14 TAXA NOMINAL DE JUROS (SELIC) 14.0% 13.0% 57 13.75% 13.00% 11.25% 12.75% 12.50% 12.25% 12.0%11.75% 11.75% 11.25% 11.0% 10.25% 9.0% 8.0% FONTE: BCB, BRADESCO 11.25% 11.50% 10.75% 11.00% 10.25% 10.0% 10.25% 10.00% 8.50% 8.00% 10.25% 9.50% 8.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.50% 7.25% 7.0%
  46. 46. O MODELO DE CRESCIMENTO AINDA NÃO ESTÁ ESGOTADO, MAS NOVAS FONTES DINÂMICAS PRECISAM ENTRAR RAPIDAMENTE EM AÇÃO. 58
  47. 47. TEMPO EM DIAS PARA REGISTRAR UM NEGÓCIO* – 2013 2013 Venezuela 144,0 Brasil 107,5 Angola 66,0 Indonésia 48,0 Vietnã 34,0 Nigéria 28,0 Tailândia 27,5 Índia 27,0 Peru 25,0 Argentina 25,0 Japão 22,0 África do Sul 19,0 Colômbia 15,0 Alemanha 14,5 Reino Unido 12,0 França 6,5 Uruguai 6,5 Itália 6,0 México 6,0 0,0 59 FONTE: DOING BUSINESS ORG ELABORAÇÃO: BRADESCO 20,0 40,0 60,0 80,0 100,0 * Negócio = número de sociedades anônimas registradas no ano 120,0 140,0 160,0
  48. 48. NÚMERO DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTRAR UM NEGÓCIO* – 2013 Venezuela Argentina Brasil Índia Vietnã Indonésia Alemanha Colômbia Nigéria Japão Angola Itália Reino Unido Estados Unidos México França Coreia do Sul África do Sul Uruguai Peru Tailândia Portugal Hong Kong 17 14 13 12 10 10 9 9 8 8 8 6 6 6 6 5 5 5 5 5 4 3 3 0,0 60 2,0 FONTE: DOING BUSINESS ORG ELABORAÇÃO: BRADESCO 4,0 6,0 8,0 10,0 * Negócio = número de sociedades anônimas registradas no ano 12,0 14,0 16,0 18,0
  49. 49. IMPOSTO* TOTAL (% DO LUCRO) – 2013 2013 Argentina Colômbia Brasil Itália França Índia Venezuela México Angola Japão Alemanha Estados Unidos Portugal Uruguai Peru Vietnã Reino Unido Nigéria Indonésia África do Sul Tailândia Coreia do Sul Hong Kong 15,0% 61 108% 76% 68% 66% 65% 63% 54% 52% 50% 49% 46% 62% 42% 42% 36% 35% 34% 34% 32% 30% 30% 28% 23% 25,0% FONTE: BANCO MUNDIAL ELABORAÇÃO: BRADESCO 35,0% 45,0% 55,0% 65,0% 75,0% * Imposto pago após possíveis deduções 85,0% 95,0% 105,0% 115,0%
  50. 50. TAXAS DE CRESCIMENTO DA POPULAÇÃO TOTAL E DA POPULAÇÃO EMDAIDADE ATIVA (PIA) NO BRASIL – TAXAS DE CRESCIMENTO POPULAÇÃO TOTAL E DA POPULAÇÃO EM IDADE ATIVA FONTE: IBGE (PIA) PROJEÇÕES DO IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO 3.5% População Total 3.0% 2.9% PIA 2.6% 2.5% 2.3% 2.4% 2.0% 2.0% 1.5% 1.2% 1.6% 1.0% 1.0% 0.5% 0.1% 0.0% -0.3% 0.0% -0.5% -0.8% -1.0% -1.0% 62 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO 2050 2047 2044 2041 2038 2035 2032 2029 2026 2023 2020 2017 2014 2011 2008 2005 2002 1999 1996 1993 1990 1987 1984 1981 -1.5%
  51. 51. BRASIL: ANOS DE EDUCAÇÃO FORMAL DA POPULAÇÃO ACIMA DE 25 ANOS DE IDADE 2001-2020 8,8 8,6 8,3 7,8 7,6 7,2 7,3 2010* 7,3 2009 7,4 7,0 6,8 6,8 6,7 6,5 6,4 6,2 6,3 6,1 5,9 SOURCE: IBGE, BRADESCO 63 2020* 2012 2011 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 5,8
  52. 52. CENÁRIO MACROECONÔMICO BRADESCO 2013-2014 Variável PIB 2013 2014 2.40% 2.10% 2.25 2.35 IPCA 5.70% 5.77% IGP-M 5.63% 5.00% Selic 10.00% 10.25% 5.60% 6.00% 14.60% 13.24% Inadimplência PF 6.50% 6.80% Inadimplência PJ 3.60% 3.50% Primário 1.70% 1.50% China 7.60% 7.10% EUA 1.70% 2.70% Treasury (10 anos) 2.70% 3.20% Déficit em Conta Corrente 3.60% 3.40% 60 60 Câmbio (R$/US$) Tx Desemprego Crédito total FDI (EM US$ Bilhões) 64 ELABORAÇÃO: BRADESCO
  53. 53. CENÁRIO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 65 65
  54. 54. CERCA DE 5 MILHÕES DE NOVAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DEVERÃO SER CRIADAS NOS PRÓXIMOS 10 ANOS, UMA EXPANSÃO DE MAIS DE 60% SOBRE A BASE HOJE EXISTENTE. 66
  55. 55. PROJEÇÃO DE CRESCIMENTO DO NÚMERO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS – 2008 - 2022 14,0 12,9 EM MILHÕES DE EMPRESAS 11,8 12,0 12,0 2020* 2021* 11,0 10,5 9,8 10,0 10,0 2016* 2017* 9,0 8,5 7,9 8,0 6,9 5,8 6,0 4,5 4,0 2,9 3,3 2,0 0,0 2008 67 2009 2010 2011 2012 FONTE E PROJEÇÃO: SEBRAE ELABORAÇÃO: BRADESCO 2013* 2014* 2015* 2018* 2019* 2022*
  56. 56. PERSPECTIVAS SETORIAIS 68
  57. 57. COMÉRCIO VAREJISTA MERCADO DE TRABALHO – baixo patamar da taxa de desemprego favorece expansão dos rendimentos, ainda que novas contratações cresçam em ritmo mais moderado MOBILIDADE SOCIAL – classe C permanece em expansão INFLAÇÃO – desvalorização do câmbio e aumento de salários permanece pressionando os preços ao consumidor TAXA DE CÂMBIO – desvalorização encarece produtos importados 69
  58. 58. TURISMO DOMÉSTICO: favorecido pela expansão dos rendimentos e facilidades no pagamento. TURISTAS ESTRANGEIRO: desvalorização da taxa de câmbio reduz custo de viagem dos turistas estrangeiros COPA DO MUNDO: favorece turismo doméstico e de estrangeiros 70
  59. 59. CONSTRUÇÃO CIVIL RESIDENCIAL: favorecido por mercado de trabalho apertado, o que sustenta elevação do rendimento. Crédito imobiliário permanece com forte expansão. Estoques elevados em algumas regiões COMERCIAL: menor demanda das empresas; excesso de oferta INFRAESTRUTURA: retomada dos investimentos logísticos nos próximos anos 71
  60. 60. SERVIÇOS DEMANDA DAS FAMÍLIAS: ganhos de renda continuam impulsionando a demanda. Impulso menor nos próximos anos, após forte expansão. Inflação em patamar elevado reduz poder de compra da população DEMANDA DE EMPRESAS: ajuste de custos das empresas piora poder de negociação dos prestadores de serviços 72
  61. 61. CALÇADOS, TÊXTIL, CONFECÇÕES E MÓVEIS MERCADO DE TRABALHO – baixo patamar da taxa de desemprego favorece expansão dos rendimentos, ainda que novas contratações cresçam em ritmo mais moderado INFLAÇÃO – desvalorização do câmbio e aumento de salários permanece pressionando os preços ao consumidor TAXA DE CÂMBIO – desvalorização encarece produtos importados, favorecendo produtos nacionais 73
  62. 62. PERFUMARIA E COSMÉTICOS MERCADO DE TRABALHO – baixo patamar da taxa de desemprego favorece expansão dos rendimentos, ainda que novas contratações cresçam em ritmo mais moderado. Aumento da participação da mulher no mercado de trabalho DEMOGRAFIA – envelhecimento da população favorece setor TAXA DE CÂMBIO – desvalorização encarece insumos do setor 74
  63. 63. BORRACHA E PLÁSTICO MERCADO DE TRABALHO – demanda interna favorável por conta de aumento de renda TAXA DE CÂMBIO – desvalorização encarece insumos do setor DEMANDANTES EMPRESARIAIS – demanda acelera em construção civil, mas é menor no complexo automotivo e em máquinas e equipamentos 75
  64. 64. TRANSPORTES COMÉRCIO: expansão do comércio eletrônico é favorável para o setor de transporte INDÚSTRIA: aceleração da indústria é positivo para a demanda do setor AGROINDÚSTRIA: novo recorde de safra agrícola deve garantir aumento da demanda para escoamento 76
  65. 65. Robson Rodrigues Pereira Economista Sênior 4968.robson@bradesco.com.br WWW.ECONOMIAEMDIA.COM.BR O DEPEC – BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações e projeções. Todos os dados ou opiniões dos informativos aqui presentes são rigorosamente apurados e elaborados por profissionais plenamente qualificados, mas não devem ser tomados, em nenhuma hipótese, como base, balizamento, guia ou norma para qualquer documento, avaliações, julgamentos ou tomadas de decisões, sejam de natureza formal ou informal. Desse modo, ressaltamos que todas as consequências ou responsabilidades pelo uso de quaisquer dados ou análises desta publicação são assumidas exclusivamente pelo usuário, eximindo o BRADESCO de todas as ações decorrentes do uso deste material. Lembramos ainda que o acesso a essas informações implica a total aceitação deste termo de responsabilidade e uso. A reprodução total ou parcial desta publicação é expressamente proibida, exceto com a autorização do Banco BRADESCO ou a citação por completo da fonte (nomes dos autores, da publicação e do Banco BRADESCO). 77 APRESENTAÇÃO PREPARADA COM INFORMAÇÕES DISPONÍVEIS ATÉ DIA 3 DE DEZEMBRO DE 2013

×