SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Aspectos Gerais da Prestação de Contas
Dominique Marie Lebl do Amaral
Prestação de Contas em
Projetos Incentivados
Dinâmica de Funcionamento
PRODUTOR
PROPONENTE: empresa
brasileira/associação/pessoa
física que, a partir da entrega
do projeto ao órgão, torna-se
responsável por todos os
procedimentos e
compromissos necessários à
realização do mesmo
PATROCINADOR
DOADOR
INVESTIDOR
(PESSOA FÍSICA OU
JURÍDICA)
GOVERNO FEDERAL-
MINISTÉRIO DA CULTURA OU
ESPORTE/ AGÊNCIA NACIONAL
DE CINEMA – ANCINE e também
SECRETARIAS ESTADUAIS E
SECRETARIAS MUNICIPAIS
(INCENTIVO FISCAL)
Mecanismos Disponíveis
 Mecanismos de Patrocínio ou Doação - interesse no
retorno de marketing, no 1º caso e sem retorno de
marca no 2º (Rouanet, Esporte, artigo 1ºA da Lei do
Audiovisual, Leis Estaduais e Municipais, etc.);
 Mecanismos de Investimento ou co-produção – o
investidor tem interesse em recuperar parte do capital
aportado (Artigos da Lei do Audiovisual – exceção do
art. 1ºA, Funcines, etc.);
 Mecanismos de aporte direto pelo Poder Público –
recursos exclusivos do Estado (FNC, Editais Públicos,
Pontos de Cultura, Segundo Tempo, Fundo Setorial
Audiovisual, etc.).
Incentivo Fiscal
 Estímulos concedidos pelo governo, na área
fiscal, para viabilização de empreendimentos
estratégicos, sejam eles esportivos, culturais,
econômicos ou sociais.
 Previsto no artigo 170 da Constituição Federal.
 Incentivo Fiscal = Isenção = exclusão do
crédito tributário.
Incentivo Fiscal
 Recursos públicos transferidos pela iniciativa
privada:
Visam à atração da iniciativa privada para o
investimento (MECANISMO DE INDUÇÃO);
 Estruturam-se sobre o tripé: ESTADO –
PROPONENTE – EMPRESAS.
O PROJETO
 Projeto incentivado = processo
administrativo.
 No caso do mecanismo de incentivo,
principalmente por se tratar de recursos
provenientes de renúncia fiscal (cujo
objeto é orçamentário), o proponente do
projeto se torna um agente indireto da
Administração Pública, e como tal deve
atuar.
Etapas para aprovação de um
projeto – leis de incentivo
Propositura do
projeto
(apresentação)
Análise
Preliminar
(documental)
Análise do
projeto
Reunião de
aprovação
Publicação de
aprovação
(Portaria, Certificado
ou Deliberação)
Captação de
recursos
Autorização para
movimentação da
conta incentivada
Gestão de recursos
incentivados
Prestação de Contas
PC aprovada
(arquivamento)
PC não aprovada:
encaminhamento para
TCU ( Tribunal de Contas
Da União) ou respectivo
Após a aprovação do projeto
 Abertura das Contas (no banco indicado pelo
órgão);
 Captação de Recursos (no caso de projetos de
incentivo fiscal);
 Execução – comprovante de despesas;
 Publicidade do órgão incentivador;
 Prorrogações - cuidado com a inadimplência!
 Encerramento – entrega da P.C.
Aspectos Gerais – P.C.
 Encerramento do projeto: momento de prestar contas ao órgão
incentivador, dentro do prazo estipulado por cada lei
(proposto/executado).
 Todas as leis de incentivos exigem a P.C.: é a forma de avaliar
se os recursos públicos foram corretamente aplicados.
 A obrigatoriedade de prestar contas é referida inclusive
pela Constituição Federal em seu artigo 70, parágrafo
único:
“Art. 70.
Parágrafo único. Prestará contas qualquer pessoa física ou
jurídica, pública ou privada, que utilize, arrecade, guarde,
gerencie ou administre dinheiros, bens e valores públicos ou
pelos quais a União responda, ou que, em nome desta, assuma
obrigações de natureza pecuniária.”.
 Para uma prestação de contas correta é necessário a
organização do proponente, para que todos os
documentos comprobatórios estejam claros e em
conformidade com o orçamento apresentado e
aprovado pelo órgão.
 Todas as despesas e receitas deverão ser
discriminadas no momento da prestação de contas.
 Os pagamentos só poderão ser efetuados após a
aprovação do projeto e respectiva publicação na
Imprensa Oficial.
CONTA CORRENTE
 Abertura de conta específica para o projeto no banco
indicado pelo órgão pleiteado e em nome da empresa ou
titular proponente (leis federais: Banco do Brasil ou CEF,
se convênios);
 Todo pagamento deverá ser feito exclusivamente mediante
o crédito em conta corrente do fornecedor ou prestador
de serviços;
 Mensalmente deverá ser solicitado o extrato ao banco
para compor a prestação de contas;
 Os recursos, quando não houver compromisso imediato,
deverão ser aplicados na mesma instituição financeira,
desde que não haja riscos (apurar mensalmente o
rendimento da aplicação). Na lei esportiva, há regras
específicas para sua utilização;
 Prestação de contas final: conta corrente deverá ser
encerrada = saldo zero = não poderá ser mais utilizada;
 Saldo remanescente: devolução para o fundo, conta ou
outra especificidade que o órgão indicar;
 Solicitar encerramento da conta ao órgão e, após,
ratificar junto ao banco para formalização do
encerramento.
DEFINIÇÕES
 Conta de Captação (Bloqueada) – conta corrente
bancária vinculada ao projeto, a ser aberta no banco
indicado pelos Ministérios da Cultura, Esporte,
Agência Nacional de Cinema, Secretarias Estaduais
e/ou Municipais.
 Movimentação de Recursos Incentivados – toda
e qualquer movimentação feita pelo aporte financeiro
nas contas de captação e recolhimentos relativas,
exclusivamente na conta de “livre movimento” para
realização do projeto, após percentual mínimo exigido
por cada lei.
FORMULÁRIOS
 A maioria das leis possui formulários próprios de
prestação de contas, disponíveis no órgão
responsável.
 De qualquer forma, os relatórios básicos de uma
prestação são:
1) Relatório de Execução Física – indicador físico do
programado e executado de cada meta e do produto, não
fazendo referência a valores monetários.
2) Relatório Físico Financeiro – refere-se à aplicação dos
recursos financeiros (valores aprovados e pagos).
3) Execução da Receita e da Despesa – Total de Receita x
Total de Despesa e Saldo*.
*Em caso de saldo positivo – devolução.
4) Relação de Pagamentos – Registro de todos os pagamentos
das despesas efetuadas na execução do projeto, através da
conta incentivada, com nome do credor, CNPJ ou CPF, cheque
ou ordem bancária, data, título de crédito, data da nota fiscal,
valor.
5) Conciliação Bancária – visa evidenciar os cheques pendentes
de compensação e o saldo a recolher, se for o caso, devendo
estar em consonância com o extrato bancário da conta.
6) Relatório Final de Cumprimento do Objeto – descrição de
todas as ações, dificuldades, soluções, objetivos estabelecidos
e alcançados, alterações ou modificações com as justificativas,
divulgação do projeto, créditos do órgão, recursos recebidos
de outras fontes, informações importantes, etc.
PRORROGAÇÕES
É importante informar que mesmo o projeto não
captando recursos integralmente ou satisfatório,
inviabilizando a sua execução, o proponente deverá
comunicar ao órgão incentivador se há interesse em sua
continuidade, por meio de uma solicitação de
“prorrogação do prazo de captação”.
Caso tenha captação integral e há a necessidade de
prazo para finalizar a execução, deverá ser enviado ao
órgão uma solicitação de “prorrogação do prazo de
execução”.
* SEMPRE observar os prazos de cada órgão para envio
das respectivas solicitações, a fim de que o projeto não
seja prejudicado.
CONTRAPARTIDA
 Quando a contrapartida for financeira, ou seja,
em dinheiro, deverá ser depositada na conta do
projeto e no valor correspondente à contrapartida
(é a regra em convênios);
 Quando a contrapartida for em forma de bens ou
serviços, a comprovação será por meio de
elementos que permitam a aquisição dos bens ou a
remuneração dos prestadores de serviços (com
documentos comprobatórios) e devidamente
autorizada pelo órgão concedente – no caso dos
convênios;
 Os valores oriundos da aplicação financeira não
podem ser utilizados como contrapartida.
Aspectos de Análise da P.C.
 Técnico – analisa a execução física, a avaliação
dos resultados do projeto, principalmente no que
diz respeito ao objetivo proposto;
 Financeiro – analisa a correta e regular aplicação
dos recursos financeiros do projeto, ou seja, se os
recursos incentivados foram aplicados em
consonância com a lei pleiteada;
 Divulgação da marca – analisa se a marca da lei
de incentivo foi devidamente utilizada (exceção da
logo no período eleitoral na esfera de Governo da
lei utilizada. Exemplo: Federal - “Brasil País Rico é
País sem Pobreza”). Aqui, importante atentar para
o “Manual de Identidade Visual” de cada lei de
incentivo.
RELATÓRIO FINAL DE
CUMPRIMENTO DO OBJETO
 Descrever todas as estratégias de ações para
realização do projeto;
 Descrever os objetivos estabelecidos e
alcançados;
 Descrever as dificuldades e soluções adotadas;
 Cronograma físico e eventual alteração;
 Custos e receitas, como bilheteria, por
exemplo;
 Repercussão na sociedade e público atingido;
 Atenção com o material de divulgação!
IMPORTANTE
 Todas as despesas do projeto não poderão ser
diferentes do plano de trabalho ou orçamento
aprovado pelo órgão (especialmente no MinE, em virtude
das cotações enviadas);
 Despesas bancárias não serão aceitas, a não ser que o
proponente efetue na conta do projeto o montante total
relativo às tarifas bancárias (principalmente em convênios,
pela IN MinC nº 01/13, onde há norma jurídica que veda a
cobrança e outros dispositivos legais);
 Não se pode adquirir bebida alcoólica e/ou cigarros
com recursos do projeto, mesmo que para posterior
reembolso;
 CUIDADO com as vedações de cada lei;
 Despesas com buffet são vedadas pelo Tribunal de Contas
da União – TCU (Acórdão 1155/2003).
PENALIDADES
 Se o projeto captar recursos, mesmo que parcial, a
prestação de contas deverá ser enviada.
 A não apresentação da “Prestação de Contas”, assim
como a sua apresentação irregular, coloca o proponente
na situação de inadimplência.
 A reprovação da prestação de contas gera grave
problema ao proponente, inclusive impossibilitando a
realização de futuros projetos.
 Em todas as leis de incentivo, há previsão de
penalidades para os proponentes e para os
patrocinadores que agirem irregularmente na
administração dos recursos públicos, com sanções
impostas, tanto no âmbito civil quanto penal.
LEGISLAÇÃO
Importante atentar:
 Lei Rouanet: Lei nº 8.313/1991; Decreto nº 5.761 de 27 de abril de
2006; Instrução Normativa nº 01 de 24/06/2013; Legislação do
Imposto de Renda (Decreto nº 3.000 de 1999); Portaria nº 219 de 04
de dezembro de 1997 (apresentação dos créditos da logomarca);
Súmulas Administrativas da CNIC; Portaria nº 116 de 29/11/2011.
 Lei do Audiovisual: Lei nº 8.685/1993 – temporária até 2016;
Instruções Normativas Ancine nºs 22, de 30 de dezembro de 2003, 99
de 29 de maio de 2012, 104 de 10/07/2012 (CPB e CRT), 54 de
02/05/2006 (classificação de empresa), 93 de 03/05/2011
(prorrogações); MP 2.228/01 de 06/09/2001 e Instrução Normativa
Ancine nº 110 de 19/12/2012 (PC).
 Lei do Esporte: Lei nº 11.438 de 29 de dezembro de 2006
(temporária até 2015); Decreto nº 6.180 de 03 de agosto de 2007;
Portaria nº 120 de 03 de julho de 2009; Portaria nº 86 de 21 de julho
de 2011 (logomarcas).
 Convênios: Portaria Interministerial nº 507 de 24 de novembro de
2011 e Decreto nº 6.170/07.
VALE LEMBRAR:
1. Observar se todos os anexos da prestação de contas estão assinados pelo gestor
proponente;
2. Verificar se as informações quanto ao cumprimento do objeto descrevem com
clareza a adoção de procedimentos, a execução e a conclusão dos objetivos
propostos;
3. Efetuar as despesas, conforme as metas, etapas e fases da execução
programadas;
4. Identificar as receitas (patrocínio, doação, rendimentos, contrapartida, outros);
5. Verificar se as informações prestadas quanto ao montante de despesas e receitas
estão em consonância com os recebimentos e os gastos de contrapartida
(caso haja);
6. Conferir as informações de despesas com os valores descriminados na relação de
pagamentos;
7. Informar nos comprovantes fiscais o serviço prestado, de acordo com o
orçamento aprovado (rubricas), nome do projeto e número do
pronac/salic/slie, etc.;
8. Emitir os documentos fiscais dentro do período de execução do projeto;
9. Observar se os produtos e os serviços informados no documento fiscal conferem com
os autorizados no orçamento aprovado, se o fornecedor ou prestador de serviço
são aptos para tal e se foi emitido em nome do proponente (contrato
social);
10. Conferir se os valores de bens estão compatíveis com as notas fiscais e relação de
pagamentos;
11. Certificar-se de que os cheques em trânsito estão dentro da validade, se os valores
destes conferem com as informações contidas no extrato da conta e se foram emitidos
durante a execução do projeto, lançando-os na relação de pagamentos;
12. Observar se há compatibilidade do saldo do extrato bancário com o saldo
remanescente (quando houver);
13. Receber e movimentar os recursos do projeto em conta bancária específica e
encaminhar ao órgão os extratos originais;
14. Depositar os recursos de contrapartida na conta específica, quando for o caso;
15. Aplicar os recursos no mercado financeiro – aplicação sem risco e verificar se há
comprovação do montante de aplicação financeira;
16. Encaminhar fotografias, vídeos, etc. que comprovem a execução do projeto;
17. Inserir corretamente nos materiais de divulgação a logomarca da Lei de Incentivo e
do órgão específico de ingresso do projeto, conforme Manual de Identidade Visual.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
pcm1nd
 
03 -as_receitas_e_as_despesas_públicas
03  -as_receitas_e_as_despesas_públicas03  -as_receitas_e_as_despesas_públicas
03 -as_receitas_e_as_despesas_públicas
izidoriosilva
 
Receita publica (Gustavo)
Receita publica (Gustavo)Receita publica (Gustavo)
Receita publica (Gustavo)
refugiodosanjos
 
Conceitos de receita públicas.
Conceitos de receita públicas.Conceitos de receita públicas.
Conceitos de receita públicas.
Juliano Almeida
 
Despesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicasDespesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicas
rene-de-jesus
 
Empenho liquidação-pagamento-despesa
Empenho liquidação-pagamento-despesaEmpenho liquidação-pagamento-despesa
Empenho liquidação-pagamento-despesa
santos28
 
Resumo dos principais elementos de despesa
Resumo dos principais elementos de despesaResumo dos principais elementos de despesa
Resumo dos principais elementos de despesa
Fernanda Lyra
 
Atividade Financeira do Estado: visão preliminar
Atividade Financeira do Estado: visão preliminarAtividade Financeira do Estado: visão preliminar
Atividade Financeira do Estado: visão preliminar
elliando dias
 

Mais procurados (20)

Cemec lei rouanet - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
Cemec   lei rouanet - aula 2 - camila alves - funcionamento da leiCemec   lei rouanet - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
Cemec lei rouanet - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
 
Prestação de Contas - AULA 3 | A importância da gestão na execução de projeto...
Prestação de Contas - AULA 3 | A importância da gestão na execução de projeto...Prestação de Contas - AULA 3 | A importância da gestão na execução de projeto...
Prestação de Contas - AULA 3 | A importância da gestão na execução de projeto...
 
Convênios
ConvêniosConvênios
Convênios
 
Lei Rouanet - Alguns detalhes
Lei Rouanet - Alguns detalhesLei Rouanet - Alguns detalhes
Lei Rouanet - Alguns detalhes
 
Captação de Recursos com Daniele Torres
Captação de Recursos com Daniele TorresCaptação de Recursos com Daniele Torres
Captação de Recursos com Daniele Torres
 
Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
 
03 -as_receitas_e_as_despesas_públicas
03  -as_receitas_e_as_despesas_públicas03  -as_receitas_e_as_despesas_públicas
03 -as_receitas_e_as_despesas_públicas
 
Receita publica (Gustavo)
Receita publica (Gustavo)Receita publica (Gustavo)
Receita publica (Gustavo)
 
Conceitos de receita públicas.
Conceitos de receita públicas.Conceitos de receita públicas.
Conceitos de receita públicas.
 
Superveniências e insubsistências
Superveniências e insubsistênciasSuperveniências e insubsistências
Superveniências e insubsistências
 
Manual
ManualManual
Manual
 
Curso de execução orçamentária
Curso de execução orçamentáriaCurso de execução orçamentária
Curso de execução orçamentária
 
Despesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicasDespesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicas
 
Empenho liquidação-pagamento-despesa
Empenho liquidação-pagamento-despesaEmpenho liquidação-pagamento-despesa
Empenho liquidação-pagamento-despesa
 
Construindo a Gestão Participativa - Finanças e Orçamento Aula 03
Construindo a Gestão Participativa - Finanças e Orçamento Aula 03Construindo a Gestão Participativa - Finanças e Orçamento Aula 03
Construindo a Gestão Participativa - Finanças e Orçamento Aula 03
 
Resumo dos principais elementos de despesa
Resumo dos principais elementos de despesaResumo dos principais elementos de despesa
Resumo dos principais elementos de despesa
 
Leis de incentivo flavia manso
Leis de incentivo flavia mansoLeis de incentivo flavia manso
Leis de incentivo flavia manso
 
Resumao contabilidade publica
Resumao contabilidade publicaResumao contabilidade publica
Resumao contabilidade publica
 
Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...
Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...
Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...
 
Atividade Financeira do Estado: visão preliminar
Atividade Financeira do Estado: visão preliminarAtividade Financeira do Estado: visão preliminar
Atividade Financeira do Estado: visão preliminar
 

Destaque

Progestao
ProgestaoProgestao
Progestao
Reijane
 

Destaque (11)

Prestação de Contas - AULA 1 | Aspectos gerais da prestação de contas | Melis...
Prestação de Contas - AULA 1 | Aspectos gerais da prestação de contas | Melis...Prestação de Contas - AULA 1 | Aspectos gerais da prestação de contas | Melis...
Prestação de Contas - AULA 1 | Aspectos gerais da prestação de contas | Melis...
 
Progestao
ProgestaoProgestao
Progestao
 
Prestação de contas
Prestação de contasPrestação de contas
Prestação de contas
 
Ação de prestação de contas
Ação de prestação de contasAção de prestação de contas
Ação de prestação de contas
 
Jornada ProAC AULA 4 | Prestação de Contas | Camila Alves | Setembro de 2014...
Jornada ProAC AULA 4 | Prestação de Contas  | Camila Alves | Setembro de 2014...Jornada ProAC AULA 4 | Prestação de Contas  | Camila Alves | Setembro de 2014...
Jornada ProAC AULA 4 | Prestação de Contas | Camila Alves | Setembro de 2014...
 
CARTILHA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL PARTIDÁRIA
CARTILHA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL PARTIDÁRIACARTILHA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL PARTIDÁRIA
CARTILHA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL PARTIDÁRIA
 
Jornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - CemecJornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - Cemec
 
Prestação de Contas - AULA 4 | Oficina prática para esclarecimentos de dúvida...
Prestação de Contas - AULA 4 | Oficina prática para esclarecimentos de dúvida...Prestação de Contas - AULA 4 | Oficina prática para esclarecimentos de dúvida...
Prestação de Contas - AULA 4 | Oficina prática para esclarecimentos de dúvida...
 
Orçamento e prestação de contas– organizando o financeiro
Orçamento e prestação de contas– organizando o financeiroOrçamento e prestação de contas– organizando o financeiro
Orçamento e prestação de contas– organizando o financeiro
 
Controladoria e Prestação de contas
Controladoria e Prestação de contasControladoria e Prestação de contas
Controladoria e Prestação de contas
 
Prestação de Contas - AULA 2 | Prestação de contas nas leis federais (Rouanet...
Prestação de Contas - AULA 2 | Prestação de contas nas leis federais (Rouanet...Prestação de Contas - AULA 2 | Prestação de contas nas leis federais (Rouanet...
Prestação de Contas - AULA 2 | Prestação de contas nas leis federais (Rouanet...
 

Semelhante a Prestação de Contas (aspectos gerais) - Cemec Agosto 2014

Cemec - Prestação de Contas - Melissa de Mendonça - Aula 1 - Leis Federais
Cemec - Prestação de Contas - Melissa de Mendonça - Aula 1 - Leis FederaisCemec - Prestação de Contas - Melissa de Mendonça - Aula 1 - Leis Federais
Cemec - Prestação de Contas - Melissa de Mendonça - Aula 1 - Leis Federais
Cultura e Mercado
 
Cemec prestação de contas - aula 1 - melissa de mendonça moreira - gestão f...
Cemec   prestação de contas - aula 1 - melissa de mendonça moreira - gestão f...Cemec   prestação de contas - aula 1 - melissa de mendonça moreira - gestão f...
Cemec prestação de contas - aula 1 - melissa de mendonça moreira - gestão f...
Cultura e Mercado
 
Contabilidade aplicada a_adm_publica
Contabilidade aplicada a_adm_publicaContabilidade aplicada a_adm_publica
Contabilidade aplicada a_adm_publica
Vagner Oliveira
 
Lei nº 479
Lei nº 479Lei nº 479
Lei nº 479
Ceu Jr
 
CAPACITAÇÃO PARCEIROS - PRESTACAO DE CONTAS - 14 10 09
CAPACITAÇÃO PARCEIROS - PRESTACAO DE CONTAS - 14 10 09CAPACITAÇÃO PARCEIROS - PRESTACAO DE CONTAS - 14 10 09
CAPACITAÇÃO PARCEIROS - PRESTACAO DE CONTAS - 14 10 09
SEBRAE MS
 

Semelhante a Prestação de Contas (aspectos gerais) - Cemec Agosto 2014 (20)

Cemec - Prestação de Contas - Melissa de Mendonça - Aula 1 - Leis Federais
Cemec - Prestação de Contas - Melissa de Mendonça - Aula 1 - Leis FederaisCemec - Prestação de Contas - Melissa de Mendonça - Aula 1 - Leis Federais
Cemec - Prestação de Contas - Melissa de Mendonça - Aula 1 - Leis Federais
 
Cemec prestação de contas - aula 2 - sirlene ciampi - gestão financeira e p...
Cemec   prestação de contas - aula 2 - sirlene ciampi - gestão financeira e p...Cemec   prestação de contas - aula 2 - sirlene ciampi - gestão financeira e p...
Cemec prestação de contas - aula 2 - sirlene ciampi - gestão financeira e p...
 
05 gestão financeira prestação de contas cemec_sirlene ciampi
05 gestão financeira prestação de contas cemec_sirlene ciampi05 gestão financeira prestação de contas cemec_sirlene ciampi
05 gestão financeira prestação de contas cemec_sirlene ciampi
 
Aula cemec pc leis federais
Aula cemec pc leis federaisAula cemec pc leis federais
Aula cemec pc leis federais
 
Cemec prestação de contas - aula 1 - melissa de mendonça moreira - gestão f...
Cemec   prestação de contas - aula 1 - melissa de mendonça moreira - gestão f...Cemec   prestação de contas - aula 1 - melissa de mendonça moreira - gestão f...
Cemec prestação de contas - aula 1 - melissa de mendonça moreira - gestão f...
 
Contabilidade aplicada a_adm_publica
Contabilidade aplicada a_adm_publicaContabilidade aplicada a_adm_publica
Contabilidade aplicada a_adm_publica
 
Bizu de vespera afo
Bizu de vespera   afoBizu de vespera   afo
Bizu de vespera afo
 
Cemec - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi - Aula 2 - Gestão Financeira / P...
Cemec - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi - Aula 2 - Gestão Financeira / P...Cemec - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi - Aula 2 - Gestão Financeira / P...
Cemec - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi - Aula 2 - Gestão Financeira / P...
 
Prestação de Contas - ( A importância da gestão na execução de projetos) Sirl...
Prestação de Contas - ( A importância da gestão na execução de projetos) Sirl...Prestação de Contas - ( A importância da gestão na execução de projetos) Sirl...
Prestação de Contas - ( A importância da gestão na execução de projetos) Sirl...
 
As Leis de Incentivo ao Esporte e suas implicações nos dias de hoje
As Leis de Incentivo ao Esporte e suas implicações nos dias de hojeAs Leis de Incentivo ao Esporte e suas implicações nos dias de hoje
As Leis de Incentivo ao Esporte e suas implicações nos dias de hoje
 
TESOURO PUBLICO.ppt
TESOURO PUBLICO.pptTESOURO PUBLICO.ppt
TESOURO PUBLICO.ppt
 
Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014
Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014
Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014
 
Cemec lei rouanet - aula 4 - aline akemi freitas - fechamento da produção
Cemec   lei rouanet - aula 4 - aline akemi freitas - fechamento da produçãoCemec   lei rouanet - aula 4 - aline akemi freitas - fechamento da produção
Cemec lei rouanet - aula 4 - aline akemi freitas - fechamento da produção
 
Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público - NBCASP
Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público - NBCASPNormas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público - NBCASP
Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público - NBCASP
 
Manual subvencao2010
Manual subvencao2010Manual subvencao2010
Manual subvencao2010
 
Lei nº 479
Lei nº 479Lei nº 479
Lei nº 479
 
Lei nº 479
Lei nº 479Lei nº 479
Lei nº 479
 
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
 
CAPACITAÇÃO PARCEIROS - PRESTACAO DE CONTAS - 14 10 09
CAPACITAÇÃO PARCEIROS - PRESTACAO DE CONTAS - 14 10 09CAPACITAÇÃO PARCEIROS - PRESTACAO DE CONTAS - 14 10 09
CAPACITAÇÃO PARCEIROS - PRESTACAO DE CONTAS - 14 10 09
 
Edital do TI Maior
Edital do TI MaiorEdital do TI Maior
Edital do TI Maior
 

Mais de Cultura e Mercado

PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 finalPROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
Cultura e Mercado
 
Cemec aula carlaponte_ jun2015
Cemec aula carlaponte_ jun2015Cemec aula carlaponte_ jun2015
Cemec aula carlaponte_ jun2015
Cultura e Mercado
 

Mais de Cultura e Mercado (20)

Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
 
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de SouzaPalestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
 
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata LoyolaMesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
 
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo SalomãoMesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
 
Mesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
Mesa: A era digital nas artes com Eliane CostaMesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
Mesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
 
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo CarrenhoMesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
 
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane GomesMesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
 
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
 
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
 
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella HenriquesMesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
 
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
 
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
 
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos EstigarrabiaMesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
 
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
 
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
 
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo BrajtermanPalestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
 
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
 
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
 
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 finalPROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
 
Cemec aula carlaponte_ jun2015
Cemec aula carlaponte_ jun2015Cemec aula carlaponte_ jun2015
Cemec aula carlaponte_ jun2015
 

Prestação de Contas (aspectos gerais) - Cemec Agosto 2014

  • 1. Aspectos Gerais da Prestação de Contas Dominique Marie Lebl do Amaral Prestação de Contas em Projetos Incentivados
  • 2. Dinâmica de Funcionamento PRODUTOR PROPONENTE: empresa brasileira/associação/pessoa física que, a partir da entrega do projeto ao órgão, torna-se responsável por todos os procedimentos e compromissos necessários à realização do mesmo PATROCINADOR DOADOR INVESTIDOR (PESSOA FÍSICA OU JURÍDICA) GOVERNO FEDERAL- MINISTÉRIO DA CULTURA OU ESPORTE/ AGÊNCIA NACIONAL DE CINEMA – ANCINE e também SECRETARIAS ESTADUAIS E SECRETARIAS MUNICIPAIS (INCENTIVO FISCAL)
  • 3. Mecanismos Disponíveis  Mecanismos de Patrocínio ou Doação - interesse no retorno de marketing, no 1º caso e sem retorno de marca no 2º (Rouanet, Esporte, artigo 1ºA da Lei do Audiovisual, Leis Estaduais e Municipais, etc.);  Mecanismos de Investimento ou co-produção – o investidor tem interesse em recuperar parte do capital aportado (Artigos da Lei do Audiovisual – exceção do art. 1ºA, Funcines, etc.);  Mecanismos de aporte direto pelo Poder Público – recursos exclusivos do Estado (FNC, Editais Públicos, Pontos de Cultura, Segundo Tempo, Fundo Setorial Audiovisual, etc.).
  • 4. Incentivo Fiscal  Estímulos concedidos pelo governo, na área fiscal, para viabilização de empreendimentos estratégicos, sejam eles esportivos, culturais, econômicos ou sociais.  Previsto no artigo 170 da Constituição Federal.  Incentivo Fiscal = Isenção = exclusão do crédito tributário.
  • 5. Incentivo Fiscal  Recursos públicos transferidos pela iniciativa privada: Visam à atração da iniciativa privada para o investimento (MECANISMO DE INDUÇÃO);  Estruturam-se sobre o tripé: ESTADO – PROPONENTE – EMPRESAS.
  • 6. O PROJETO  Projeto incentivado = processo administrativo.  No caso do mecanismo de incentivo, principalmente por se tratar de recursos provenientes de renúncia fiscal (cujo objeto é orçamentário), o proponente do projeto se torna um agente indireto da Administração Pública, e como tal deve atuar.
  • 7. Etapas para aprovação de um projeto – leis de incentivo Propositura do projeto (apresentação) Análise Preliminar (documental) Análise do projeto Reunião de aprovação Publicação de aprovação (Portaria, Certificado ou Deliberação) Captação de recursos Autorização para movimentação da conta incentivada Gestão de recursos incentivados Prestação de Contas PC aprovada (arquivamento) PC não aprovada: encaminhamento para TCU ( Tribunal de Contas Da União) ou respectivo
  • 8. Após a aprovação do projeto  Abertura das Contas (no banco indicado pelo órgão);  Captação de Recursos (no caso de projetos de incentivo fiscal);  Execução – comprovante de despesas;  Publicidade do órgão incentivador;  Prorrogações - cuidado com a inadimplência!  Encerramento – entrega da P.C.
  • 9. Aspectos Gerais – P.C.  Encerramento do projeto: momento de prestar contas ao órgão incentivador, dentro do prazo estipulado por cada lei (proposto/executado).  Todas as leis de incentivos exigem a P.C.: é a forma de avaliar se os recursos públicos foram corretamente aplicados.  A obrigatoriedade de prestar contas é referida inclusive pela Constituição Federal em seu artigo 70, parágrafo único: “Art. 70. Parágrafo único. Prestará contas qualquer pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que utilize, arrecade, guarde, gerencie ou administre dinheiros, bens e valores públicos ou pelos quais a União responda, ou que, em nome desta, assuma obrigações de natureza pecuniária.”.
  • 10.  Para uma prestação de contas correta é necessário a organização do proponente, para que todos os documentos comprobatórios estejam claros e em conformidade com o orçamento apresentado e aprovado pelo órgão.  Todas as despesas e receitas deverão ser discriminadas no momento da prestação de contas.  Os pagamentos só poderão ser efetuados após a aprovação do projeto e respectiva publicação na Imprensa Oficial.
  • 11. CONTA CORRENTE  Abertura de conta específica para o projeto no banco indicado pelo órgão pleiteado e em nome da empresa ou titular proponente (leis federais: Banco do Brasil ou CEF, se convênios);  Todo pagamento deverá ser feito exclusivamente mediante o crédito em conta corrente do fornecedor ou prestador de serviços;  Mensalmente deverá ser solicitado o extrato ao banco para compor a prestação de contas;  Os recursos, quando não houver compromisso imediato, deverão ser aplicados na mesma instituição financeira, desde que não haja riscos (apurar mensalmente o rendimento da aplicação). Na lei esportiva, há regras específicas para sua utilização;  Prestação de contas final: conta corrente deverá ser encerrada = saldo zero = não poderá ser mais utilizada;  Saldo remanescente: devolução para o fundo, conta ou outra especificidade que o órgão indicar;  Solicitar encerramento da conta ao órgão e, após, ratificar junto ao banco para formalização do encerramento.
  • 12. DEFINIÇÕES  Conta de Captação (Bloqueada) – conta corrente bancária vinculada ao projeto, a ser aberta no banco indicado pelos Ministérios da Cultura, Esporte, Agência Nacional de Cinema, Secretarias Estaduais e/ou Municipais.  Movimentação de Recursos Incentivados – toda e qualquer movimentação feita pelo aporte financeiro nas contas de captação e recolhimentos relativas, exclusivamente na conta de “livre movimento” para realização do projeto, após percentual mínimo exigido por cada lei.
  • 13. FORMULÁRIOS  A maioria das leis possui formulários próprios de prestação de contas, disponíveis no órgão responsável.  De qualquer forma, os relatórios básicos de uma prestação são: 1) Relatório de Execução Física – indicador físico do programado e executado de cada meta e do produto, não fazendo referência a valores monetários. 2) Relatório Físico Financeiro – refere-se à aplicação dos recursos financeiros (valores aprovados e pagos). 3) Execução da Receita e da Despesa – Total de Receita x Total de Despesa e Saldo*. *Em caso de saldo positivo – devolução.
  • 14. 4) Relação de Pagamentos – Registro de todos os pagamentos das despesas efetuadas na execução do projeto, através da conta incentivada, com nome do credor, CNPJ ou CPF, cheque ou ordem bancária, data, título de crédito, data da nota fiscal, valor. 5) Conciliação Bancária – visa evidenciar os cheques pendentes de compensação e o saldo a recolher, se for o caso, devendo estar em consonância com o extrato bancário da conta. 6) Relatório Final de Cumprimento do Objeto – descrição de todas as ações, dificuldades, soluções, objetivos estabelecidos e alcançados, alterações ou modificações com as justificativas, divulgação do projeto, créditos do órgão, recursos recebidos de outras fontes, informações importantes, etc.
  • 15. PRORROGAÇÕES É importante informar que mesmo o projeto não captando recursos integralmente ou satisfatório, inviabilizando a sua execução, o proponente deverá comunicar ao órgão incentivador se há interesse em sua continuidade, por meio de uma solicitação de “prorrogação do prazo de captação”. Caso tenha captação integral e há a necessidade de prazo para finalizar a execução, deverá ser enviado ao órgão uma solicitação de “prorrogação do prazo de execução”. * SEMPRE observar os prazos de cada órgão para envio das respectivas solicitações, a fim de que o projeto não seja prejudicado.
  • 16. CONTRAPARTIDA  Quando a contrapartida for financeira, ou seja, em dinheiro, deverá ser depositada na conta do projeto e no valor correspondente à contrapartida (é a regra em convênios);  Quando a contrapartida for em forma de bens ou serviços, a comprovação será por meio de elementos que permitam a aquisição dos bens ou a remuneração dos prestadores de serviços (com documentos comprobatórios) e devidamente autorizada pelo órgão concedente – no caso dos convênios;  Os valores oriundos da aplicação financeira não podem ser utilizados como contrapartida.
  • 17. Aspectos de Análise da P.C.  Técnico – analisa a execução física, a avaliação dos resultados do projeto, principalmente no que diz respeito ao objetivo proposto;  Financeiro – analisa a correta e regular aplicação dos recursos financeiros do projeto, ou seja, se os recursos incentivados foram aplicados em consonância com a lei pleiteada;  Divulgação da marca – analisa se a marca da lei de incentivo foi devidamente utilizada (exceção da logo no período eleitoral na esfera de Governo da lei utilizada. Exemplo: Federal - “Brasil País Rico é País sem Pobreza”). Aqui, importante atentar para o “Manual de Identidade Visual” de cada lei de incentivo.
  • 18. RELATÓRIO FINAL DE CUMPRIMENTO DO OBJETO  Descrever todas as estratégias de ações para realização do projeto;  Descrever os objetivos estabelecidos e alcançados;  Descrever as dificuldades e soluções adotadas;  Cronograma físico e eventual alteração;  Custos e receitas, como bilheteria, por exemplo;  Repercussão na sociedade e público atingido;  Atenção com o material de divulgação!
  • 19. IMPORTANTE  Todas as despesas do projeto não poderão ser diferentes do plano de trabalho ou orçamento aprovado pelo órgão (especialmente no MinE, em virtude das cotações enviadas);  Despesas bancárias não serão aceitas, a não ser que o proponente efetue na conta do projeto o montante total relativo às tarifas bancárias (principalmente em convênios, pela IN MinC nº 01/13, onde há norma jurídica que veda a cobrança e outros dispositivos legais);  Não se pode adquirir bebida alcoólica e/ou cigarros com recursos do projeto, mesmo que para posterior reembolso;  CUIDADO com as vedações de cada lei;  Despesas com buffet são vedadas pelo Tribunal de Contas da União – TCU (Acórdão 1155/2003).
  • 20. PENALIDADES  Se o projeto captar recursos, mesmo que parcial, a prestação de contas deverá ser enviada.  A não apresentação da “Prestação de Contas”, assim como a sua apresentação irregular, coloca o proponente na situação de inadimplência.  A reprovação da prestação de contas gera grave problema ao proponente, inclusive impossibilitando a realização de futuros projetos.  Em todas as leis de incentivo, há previsão de penalidades para os proponentes e para os patrocinadores que agirem irregularmente na administração dos recursos públicos, com sanções impostas, tanto no âmbito civil quanto penal.
  • 21. LEGISLAÇÃO Importante atentar:  Lei Rouanet: Lei nº 8.313/1991; Decreto nº 5.761 de 27 de abril de 2006; Instrução Normativa nº 01 de 24/06/2013; Legislação do Imposto de Renda (Decreto nº 3.000 de 1999); Portaria nº 219 de 04 de dezembro de 1997 (apresentação dos créditos da logomarca); Súmulas Administrativas da CNIC; Portaria nº 116 de 29/11/2011.  Lei do Audiovisual: Lei nº 8.685/1993 – temporária até 2016; Instruções Normativas Ancine nºs 22, de 30 de dezembro de 2003, 99 de 29 de maio de 2012, 104 de 10/07/2012 (CPB e CRT), 54 de 02/05/2006 (classificação de empresa), 93 de 03/05/2011 (prorrogações); MP 2.228/01 de 06/09/2001 e Instrução Normativa Ancine nº 110 de 19/12/2012 (PC).  Lei do Esporte: Lei nº 11.438 de 29 de dezembro de 2006 (temporária até 2015); Decreto nº 6.180 de 03 de agosto de 2007; Portaria nº 120 de 03 de julho de 2009; Portaria nº 86 de 21 de julho de 2011 (logomarcas).  Convênios: Portaria Interministerial nº 507 de 24 de novembro de 2011 e Decreto nº 6.170/07.
  • 22. VALE LEMBRAR: 1. Observar se todos os anexos da prestação de contas estão assinados pelo gestor proponente; 2. Verificar se as informações quanto ao cumprimento do objeto descrevem com clareza a adoção de procedimentos, a execução e a conclusão dos objetivos propostos; 3. Efetuar as despesas, conforme as metas, etapas e fases da execução programadas; 4. Identificar as receitas (patrocínio, doação, rendimentos, contrapartida, outros); 5. Verificar se as informações prestadas quanto ao montante de despesas e receitas estão em consonância com os recebimentos e os gastos de contrapartida (caso haja); 6. Conferir as informações de despesas com os valores descriminados na relação de pagamentos; 7. Informar nos comprovantes fiscais o serviço prestado, de acordo com o orçamento aprovado (rubricas), nome do projeto e número do pronac/salic/slie, etc.; 8. Emitir os documentos fiscais dentro do período de execução do projeto; 9. Observar se os produtos e os serviços informados no documento fiscal conferem com os autorizados no orçamento aprovado, se o fornecedor ou prestador de serviço são aptos para tal e se foi emitido em nome do proponente (contrato social);
  • 23. 10. Conferir se os valores de bens estão compatíveis com as notas fiscais e relação de pagamentos; 11. Certificar-se de que os cheques em trânsito estão dentro da validade, se os valores destes conferem com as informações contidas no extrato da conta e se foram emitidos durante a execução do projeto, lançando-os na relação de pagamentos; 12. Observar se há compatibilidade do saldo do extrato bancário com o saldo remanescente (quando houver); 13. Receber e movimentar os recursos do projeto em conta bancária específica e encaminhar ao órgão os extratos originais; 14. Depositar os recursos de contrapartida na conta específica, quando for o caso; 15. Aplicar os recursos no mercado financeiro – aplicação sem risco e verificar se há comprovação do montante de aplicação financeira; 16. Encaminhar fotografias, vídeos, etc. que comprovem a execução do projeto; 17. Inserir corretamente nos materiais de divulgação a logomarca da Lei de Incentivo e do órgão específico de ingresso do projeto, conforme Manual de Identidade Visual.