SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 74
Baixar para ler offline
Lei n° 12.485, de 12/09/2011
      Legislação que regula a comunicação
       audiovisual de acesso condicionado
(serviço de telecomunicações de interesse coletivo prestado no regime privado,
   cuja recepção é condicionada à contratação remunerada por assinantes e
  destinado à distribuição de conteúdos audiovisuais na forma de pacotes, de
     canais nas modalidades avulsa de programação e avulsa de conteúdo
 programado e de canais de distribuição obrigatória, por meio de tecnologias,
    processos, meios eletrônicos e protocolos de comunicação quaisquer)

                        Fábio de Sá Cesnik
                            Advogado
Resumo da aula
 Tecnologia e situação atual do mercado

 Fundamentos constitucionais

 Dos Princípios Fundamentais da comunicação audiovisual de
  acesso condicionado;

 Conceitos da lei
 Das atividades da comunicação audiovisual de acesso
  condicionado: produção, programação, empacotamento e
  distribuição e limites legais;

 Competências da Ancine;
 Atuação das Teles;

 Do conteúdo brasileiro

 Financiamento de conteúdo

 Panorama de mercado
Tecnologia e situação
atual do mercado
Tecnologias e
   legislação aplicada




• MMDS: Multichannel multipoint distribution service -
  tecnologia de telecomomunicacao sem fio usado para
  banda larga e tv a cabo (decreto 2.196/97. Portaria 254/97)

• TVC: televisão a cabo - sistema de distribuição de
  audiovisual e radio FM (lei 8977/95, decreto 2206/97,
  portaria 256/96 e portaria 399)                                          Regra geral:
• DTH: direct to home - via satélite (decreto 2196/97.
                                                                   Lei 12485/2011, lei geral das
  Portaria 321/1997                                             telecomunicações (Lei 9472/1997)
• TVA- serviço especial de tv por assinatura (decretos
  95744/98 e 95815/98)
Mercado
Brasil
Fundamentos
constitucionais
Cultura

- Setor estratégico; Alternativa de
  investimento para países em
  desenvolvimento;

- Papéis do Estado:
 - Desenvolvimento social;
 - Desenvolvimento econômico.
Ação Estatal

-Divisão de competência entre União, Estados e Municípios;
-CF, Artigo 5°, IX – “é livre a expressão da atividade
intelectual, artística, científica e de comunicação,
independente de censura ou licença”; E
-CF, Artigo 215 – “o Estado garantirá a TODOS o pleno
exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura
nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das
manifestações culturais.”
                                             “A intervenção
           Função negativa: Respeito a       pública no campo
           liberdade cultural                da cultura serve
           Função positiva: Promoção         para torná-la livre.”
           cultural para o fim de realizar   (Michele Anis)
           o princípio da igualdade no
           campo da cultura.
TV Paga e Comunicação Social
 Art. 221 da Constituição Federal

  A produção e a programação das emissoras de rádio e televisão atenderão
  aos seguintes princípios:

       preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas;

      promoção da cultura nacional e regional e estímulo à produção
  independente que objetive sua divulgação;

      regionalização da produção cultural, artística e jornalística,
  conforme percentuais estabelecidos em lei;

       respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e da família.

 Os meios de comunicação social eletrônica, independentemente da tecnologia
  utilizada para a prestação do serviço, deverão observar os princípios
  enunciados no art. 221, na forma de lei específica, que também garantirá a
  prioridade de profissionais brasileiros na execução de produções nacionais
  (art. 222, Par. 3º)
A Nova Lei n° 12.485
• Modifica a Lei n° 8.977/95


• Modifica a Lei n° 9.472/97


• Modifica a MP n° 2.228-01/2001


• Modifica a Lei n° 11.437/2006
Princípios fundamentais
Princípios fundamentais da comunicação
        audiovisual de acesso condicionado

• liberdade de expressão e de acesso à informação;

• promoção da diversidade cultural e das fontes de informação, produção e programação;

• promoção da língua portuguesa e da cultura brasileira;

• estímulo à produção independente e regional;

• estímulo ao desenvolvimento social e econômico do País;

• liberdade de iniciativa, mínima intervenção da administração pública e defesa da
  concorrência por meio da livre, justa e ampla competição e da vedação ao monopólio e
  oligopólio nas atividades de comunicação audiovisual de acesso condicionado.

• Adicionam-se aos princípios previstos aqueles estabelecidos na Convenção sobre a
  Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais da UNESCO, aprovada pelo
  Decreto Legislativo 485/2006.
Conceitos
Lei n° 12.485/11
Conceitos Relevantes
•“Serviço de Acesso Condicionado”


     serviço de telecomunicações de interesse coletivo prestado
no regime privado, cuja recepção é condicionada à contratação
remunerada por assinantes e destinado à distribuição de
conteúdos audiovisuais na forma de pacotes, de canais nas
modalidades avulsa de programação e avulsa de conteúdo
programado e de canais de distribuição obrigatória, por meio de
tecnologias, processos, meios eletrônicos e protocolos de
comunicação quaisquer.

*** Excluem-se do campo de aplicação desta Lei os serviços de
radiodifusão sonora e de sons e imagens, ressalvados os
dispositivos previstos nesta Lei que expressamente façam menção
a esses serviços ou a suas prestadoras.
Conceitos Relevantes
•“Espaço Qualificado”


     espaço total do canal de programação,
excluindo-se conteúdos religiosos ou políticos,
manifestações e eventos esportivos, concursos,
publicidade, televendas, infomerciais, jogos
eletrônicos, propaganda política obrigatória,
conteúdo audiovisual veiculado em horário
eleitoral gratuito, conteúdos jornalísticos e
programas de auditório ancorados por
apresentador;
Conceitos Relevantes
•“Canal de Espaço Qualificado”
       canal de programação que, no horário nobre, veicule
majoritariamente conteúdos audiovisuais que constituam espaço
qualificado;
•“Canal Brasileiro de Espaço Qualificado”
     canal de espaço qualificado que cumpra os seguintes requisitos,
cumulativamente:
      a) ser programado por programadora brasileira;
     b) veicular majoritariamente, no horário nobre, conteúdos
audiovisuais brasileiros que constituam espaço qualificado, sendo
metade desses conteúdos produzidos por produtora brasileira
independente;
      c) não ser objeto de acordo de exclusividade que impeça sua
programadora de comercializar, para qualquer empacotadora
interessada, os direitos de sua exibição ou veiculação;
Conceitos Relevantes
•   Produtora Brasileira
    empresa que produza conteúdo audiovisual que atenda as
    seguintes condições, cumulativamente:
    a) ser constituída sob as leis brasileiras;
    b) ter sede e administração no País;
    c) 70% (setenta por cento) do capital total e votante devem
    ser de titularidade, direta ou indireta, de brasileiros natos
    ou naturalizados há mais de 10 (dez) anos;
    d) a gestão das atividades da empresa e a responsabilidade
    editorial sobre os conteúdos produzidos devem ser
    privativas de brasileiros natos ou naturalizados há mais de
    10 (dez) anos;
Conceitos Relevantes
• Produtora Brasileira Independente
 produtora brasileira que atenda os seguintes requisitos, cumulativamente:
 a) não ser controladora, controlada ou coligada a programadoras, empacotadoras,
 distribuidoras ou concessionárias de serviço de radiodifusão de sons e imagens;
 b) não estar vinculada a instrumento que, direta ou indiretamente, confira ou objetive
 conferir a sócios minoritários, quando estes forem programadoras, empacotadoras,
 distribuidoras ou concessionárias de serviços de radiodifusão de sons e imagens,
 direito de veto comercial ou qualquer tipo de interferência comercial sobre os
 conteúdos produzidos;
 c) não manter vínculo de exclusividade que a impeça de produzir ou comercializar
 para terceiros os conteúdos audiovisuais por ela produzidos
     Mp 2228/01: IV - obra cinematográfica e videofonográfica de produção
 independente: aquela cuja empresa produtora, detentora majoritária dos
 direitos patrimoniais sobre a obra, não tenha qualquer associação ou vínculo,
 direto ou indireto, com empresas de serviços de radiodifusão de sons e
 imagens ou operadoras de comunicação eletrônica de massa por assinatura;
Conceitos Relevantes
•   Programadora Brasileira


    empresa programadora que execute suas atividades
    de programação no território brasileiro e que atenda,
    cumulativamente, as condições previstas nas alíneas
    “a” a “c” do inciso XVIII deste artigo (PRODUTORA
    BRASILEIRA) e cuja gestão, responsabilidade editorial
    e seleção dos conteúdos do canal de programação
    sejam privativas de brasileiros natos ou naturalizados
    há mais de 10 (dez) anos;
Conceitos Relevantes
• Programadora Brasileira Independente

programadora brasileira que atenda os seguintes
requisitos, cumulativamente:

a) não ser controladora, controlada ou coligada a
empacotadora ou distribuidora;

b) não manter vínculo de exclusividade que a impeça
de comercializar, para qualquer empacotadora, os
direitos de exibição ou veiculação associados aos seus
canais de programação;
Conceitos Relevantes
• Canal de Programação: resultado da atividade de programação
  que consiste no arranjo de conteúdos audiovisuais organizados
  em seqüência linear temporal com horários predeterminados;

• Coligada: pessoa natural ou jurídica que detiver, direta ou
  indiretamente, pelo menos 20% (vinte por cento) de participação
  no capital votante de outra pessoa ou se o capital votante de
  ambas for detido, direta ou indiretamente, em pelo menos 20%
  (vinte por cento) por uma mesma pessoa natural ou jurídica, nos
  termos da regulamentação editada pela Agência Nacional de
  Telecomunicações - Anatel;
Conceitos Relevantes
• Conteúdo Audiovisual: resultado da atividade de produção que
  consiste na fixação ou transmissão de imagens, acompanhadas ou não
  de som, que tenha a finalidade de criar a impressão de movimento,
  independentemente dos processos de captação, do suporte utilizado
  inicial ou posteriormente para fixá-las ou transmiti-las, ou dos meios
  utilizados para sua veiculação, reprodução, transmissão ou difusão;

• Conteúdo Brasileiro: conteúdo audiovisual produzido em
  conformidade com os critérios estabelecidos no inciso V do art. 1o da
  Medida Provisória no 2.228-1, de 6 de setembro de 2001;

• Conteúdo Jornalístico: telejornais, debates, entrevistas, reportagens e
  outros programas que visem a noticiar ou a comentar eventos;
Conceitos Relevantes
• Produção: atividade de elaboração, composição, constituição ou criação de
  conteúdos audiovisuais em qualquer meio de suporte;

• Programação: atividade de seleção, organização ou formatação de conteúdos
  audiovisuais apresentados na forma de canais de programação, inclusive nas
  modalidades avulsa de programação e avulsa de conteúdo programado;

• Empacotamento: atividade de organização, em última instância, de canais de
  programação, inclusive nas modalidades avulsa de programação e avulsa de
  conteúdo programado, a serem distribuídos para o assinante;

• Distribuição: atividades de entrega, transmissão, veiculação, difusão ou
  provimento de pacotes ou conteúdos audiovisuais a assinantes por intermédio de
  meios eletrônicos quaisquer, próprios ou de terceiros, cabendo ao distribuidor a
  responsabilidade final pelas atividades complementares de comercialização,
  atendimento ao assinante, faturamento, cobrança, instalação e manutenção de
  dispositivos, entre outras;
Conceitos Relevantes
•Eventos de Interesse Nacional: acontecimentos públicos de natureza cultural, artística,
 esportiva, religiosa ou política que despertem significativo interesse da população
 brasileira, notadamente aqueles em que participem, de forma preponderante, brasileiros,
 equipes brasileiras ou seleções brasileiras;

•Modalidade Avulsa de Conteúdo Programado ou Modalidade de Vídeo por Demanda
 Programado: modalidade de conteúdos audiovisuais organizados em canais de
 programação e em horário previamente definido pela programadora para aquisição avulsa
 por parte do assinante;

•Modalidade Avulsa de Programação, ou Modalidade de Canais de Venda Avulsa:
 modalidade de canais de programação organizados para aquisição avulsa por parte do
 assinante;

•Pacote: agrupamento de canais de programação ofertados pelas empacotadoras às
 distribuidoras, e por estas aos assinantes, excluídos os canais de distribuição obrigatória
 de que trata o art. 32;
Conceitos Relevantes
• obra cinematográfica brasileira ou obra videofonográfica brasileira: aquela que atende
  a um dos seguintes requisitos: (Redação dada pela Lei nº 10.454, de 13..5.2002)

• a) ser produzida por empresa produtora brasileira, observado o disposto no § 1o,
 registrada na ANCINE, ser dirigida por diretor brasileiro ou estrangeiro residente no País há
 mais de 3 (três) anos, e utilizar para sua produção, no mínimo, 2/3 (dois terços) de artistas e
 técnicos brasileiros ou residentes no Brasil há mais de 5 (cinco) anos; (Redação dada pela
 Lei nº 10.454, de 13..5.2002)

• b) ser realizada por empresa produtora brasileira registrada na ANCINE, em associação
  com empresas de outros países com os quais o Brasil mantenha acordo de co-produção
  cinematográfica e em consonância com os mesmos.

• c) ser realizada, em regime de co-produção, por empresa produtora brasileira registrada na
  ANCINE, em associação com empresas de outros países com os quais o Brasil não
  mantenha acordo de co-produção, assegurada a titularidade de, no mínimo, 40% (quarenta
  por cento) dos direitos patrimoniais da obra à empresa produtora brasileira e utilizar para
  sua produção, no mínimo, 2/3 (dois terços) de artistas e técnicos brasileiros ou residentes
  no Brasil há mais de 3 (três) anos. (Incluída pela Lei nº 10.454, de 13..5.2002)
Atividades da
comunicação audiovisual
de acesso condicionado
Atividades da comunicação audiovisual de acesso
                 condicionado
• Produção

• Programação        (Ancine)




• Empacotamento             (Ancine)




• Distribuição   (Anatel)




 (empresas podem se enquadrar em mais de uma
 posição. Independentemente do objeto ou da razão social, a empresa que
 atuar em quaisquer das atividades de que trata este artigo será
 considerada, conforme o caso, produtora, programadora, empacotadora
 ou distribuidora)
Regras
•As atividades de produção, programação e empacotamento são livres para empresas constituídas sob as
leis brasileiras e com sede e administração no País. As atividades de programação e de empacotamento
serão objeto de regulação e fiscalização pela Agência Nacional do Cinema - Ancine no âmbito das
competências atribuídas a ela pela Medida Provisória no 2.228-1, de 6 de setembro de 2001.

•A gestão, a responsabilidade editorial e as atividades de seleção e direção inerentes à programação e ao
empacotamento são privativas de brasileiros natos ou naturalizados há mais de 10 (dez) anos.

§ 1o As programadoras e empacotadoras deverão depositar e manter atualizada, na Ancine, relação com
a identificação dos profissionais de que trata o caput deste artigo, os documentos e atos societários,
inclusive os referentes à escolha dos dirigentes e gestores em exercício, das pessoas físicas e jurídicas
envolvidas na sua cadeia de controle, cujas informações deverão ficar disponíveis ao conhecimento
público, inclusive pela rede mundial de computadores, excetuadas as consideradas confidenciais pela
legislação e regulamentação, cabendo à Agência zelar pelo sigilo destas.

§ 2o Para a finalidade de aferição do cumprimento das obrigações previstas nos arts. 16 a 18 (que fala
do conteúdo/cotas), as programadoras e empacotadoras deverão publicar, nos seus sítios na rede mundial
de computadores, a listagem atualizada dos conteúdos audiovisuais e canais de programação
disponibilizados, respectivamente, incluindo sua classificação em conformidade com os tipos definidos
nesta Lei.

§ 3o Para efeito do cumprimento do disposto no Capítulo V (conteúdo brasileiro), a Ancine poderá
solicitar à programadora documentos comprobatórios de que o conteúdo exibido é brasileiro, incluindo o
Certificado de Produto Brasileiro, para os casos de que trata a Medida Provisória nº 2.228-1, de 6 de
setembro de 2001.
Regras (2)
•Nenhum conteúdo veiculado por meio do Serviço de Acesso Condicionado será
 exibido sem aviso, antes de sua apresentação, de classificação informando a
 natureza do conteúdo e as faixas etárias a que não se recomende.

§ 1o O Ministério da Justiça fiscalizará o disposto no caput e oficiará à Ancine e
 à Anatel em caso de seu descumprimento.
§ 2o A Anatel oficiará às distribuidoras sobre os canais de programação em
 desacordo com o disposto no caput, cabendo a elas a cessação da distribuição
 desses canais após o recebimento da comunicação.
§ 3o A distribuidora deverá ofertar ao assinante dispositivo eletrônico que
 permita o bloqueio da recepção dos conteúdos transmitidos.

•O exercício das atividades de programação e empacotamento é condicionado a
 credenciamento perante a Ancine, que deverá se pronunciar sobre a
 solicitação do credenciamento no prazo de até 30 (trinta) dias e, em não
 havendo manifestação contrária da Ancine nesse período, o credenciamento
 será considerado válido.
Regras (3)
•As programadoras e empacotadoras credenciadas pela Ancine deverão prestar
 as informações solicitadas pela Agência para efeito de fiscalização do
 cumprimento das obrigações de programação, empacotamento e
 publicidade. Para efeito de aferição das restrições de capital de que trata esta
 Lei, além das informações previstas no caput, as programadoras deverão
 apresentar a documentação relativa à composição do seu capital total e
 votante, cabendo à Ancine zelar pelo sigilo das informações consideradas
 confidenciais pela legislação e regulamentação.

•Altera definições da MP 2228/01:
•1 - serviço de comunicação eletrônica de massa por assinatura: serviço de
 acesso condicionado de que trata a lei específica sobre a comunicação
 audiovisual de acesso condicionado;

•2- programadoras de obras audiovisuais para o segmento de mercado de
 serviços de comunicação eletrônica de massa por assinatura: empresas
 programadoras de que trata a lei específica sobre a comunicação audiovisual
 de acesso condicionado.” (NR)
Competências da Ancine
Objetivos da Ancine
     I - promover a cultura nacional e a língua portuguesa mediante o estímulo ao desenvolvimento da indústria
cinematográfica e videofonográfica nacional em sua área de atuação;

     II - promover a integração programática, econômica e financeira de atividades governamentais relacionadas à
indústria cinematográfica e videofonográfica;

     III - aumentar a competitividade da indústria cinematográfica e videofonográfica nacional por meio do fomento à
produção, à distribuição e à exibição nos diversos segmentos de mercado;

      IV - promover a auto-sustentabilidade da indústria cinematográfica nacional visando o aumento da produção e da
exibição das obras cinematográficas brasileiras;

     V - promover a articulação dos vários elos da cadeia produtiva da indústria cinematográfica nacional;

     VI - estimular a diversificação da produção cinematográfica e videofonográfica nacional e o fortalecimento da
produção independente e das produções regionais com vistas ao incremento de sua oferta e à melhoria permanente de
seus padrões de qualidade;

     VII - estimular a universalização do acesso às obras cinematográficas e videofonográficas, em especial as nacionais;

      VIII - garantir a participação diversificada de obras cinematográficas e videofonográficas estrangeiras no mercado
brasileiro;

    IX - garantir a participação das obras cinematográficas e videofonográficas de produção nacional em todos os
segmentos do mercado interno e estimulá-la no mercado externo;

     X - estimular a capacitação dos recursos humanos e o desenvolvimento tecnológico da indústria cinematográfica e
videofonográfica nacional;

     XI - zelar pelo respeito ao direito autoral sobre obras audiovisuais nacionais e estrangeiras.
Competências da Ancine
     I - executar a política nacional de fomento ao cinema, definida na forma do art. 3o;

     II - fiscalizar o cumprimento da legislação referente à atividade cinematográfica e
videofonográfica nacional e estrangeira nos diversos segmentos de mercados, na forma do
regulamento;

     III - promover o combate à pirataria de obras audiovisuais;

     IV - aplicar multas e sanções, na forma da lei;

     V - regular, na forma da lei, as atividades de fomento e proteção à indústria
cinematográfica e videofonográfica nacional, resguardando a livre manifestação do
pensamento, da criação, da expressão e da informação;

     VI - coordenar as ações e atividades governamentais referentes à indústria
cinematográfica e videofonográfica, ressalvadas as competências dos Ministérios da Cultura e
das Comunicações;

     VII - articular-se com os órgãos competentes dos entes federados com vistas a otimizar
a consecução dos seus objetivos;

     VIII - gerir programas e mecanismos de fomento à indústria cinematográfica e
videofonográfica nacional;
Competências da Ancine (2)
      IX - estabelecer critérios para a aplicação de recursos de fomento e financiamento à indústria cinematográfica
e videofonográfica nacional;

      X - promover a participação de obras cinematográficas e videofonográficas nacionais em festivais
internacionais;

      XI - aprovar e controlar a execução de projetos de co-produção, produção, distribuição, exibição e infra-
estrutura técnica a serem realizados com recursos públicos e incentivos fiscais, ressalvadas as competências dos
Ministérios da Cultura e das Comunicações;

     XII - fornecer os Certificados de Produto Brasileiro às obras cinematográficas e videofonográficas;

     XIII - fornecer Certificados de Registro dos contratos de produção, co-produção, distribuição, licenciamento,
cessão de direitos de exploração, veiculação e exibição de obras cinematográficas e videofonográficas;

     XIV - gerir o sistema de informações para o monitoramento das atividades da indústria cinematográfica e
videofonográfica nos seus diversos meios de produção, distribuição, exibição e difusão;

     XV - articular-se com órgãos e entidades voltados ao fomento da produção, da programação e da distribuição
de obras cinematográficas e videofonográficas dos Estados membros do Mercosul e demais membros da
comunidade internacional;

     XVI - prestar apoio técnico e administrativo ao Conselho Superior do Cinema;

      XVII - atualizar, em consonância com a evolução tecnológica, as definições referidas no art. 1o desta Medida
Provisória.
Amplia competência Ancine
•XVIII - regular e fiscalizar o cumprimento dos princípios da comunicação
 audiovisual de acesso condicionado, das obrigações de programação,
 empacotamento e publicidade e das restrições ao capital total e votante das
 produtoras e programadoras fixados pela lei que dispõe sobre a comunicação
 audiovisual de acesso condicionado;

•XIX - elaborar e tornar público plano de trabalho como instrumento de
 avaliação da atuação administrativa do órgão e de seu desempenho,
 estabelecendo os parâmetros para sua administração, bem como os
 indicadores que permitam quantificar, objetivamente, a sua avaliação
 periódica, inclusive com relação aos recursos aplicados em fomento à
 produção de audiovisual;

•XX - enviar relatório anual de suas atividades ao Ministério da Cultura e, por
 intermédio da Presidência da República, ao Congresso Nacional;

•XXI - tomar dos interessados compromisso de ajustamento de sua conduta às
 exigências legais no âmbito de suas competências, nos termos do § 6o do art.
 5o da Lei no 7.347, de 24 de julho de 1985.
Competências da Ancine
XXII - zelar pela distribuição equilibrada das obras audiovisuais,
regulando as relações de comercialização entre os agentes
econômicos e combatendo as práticas comerciais abusivas;
(Incluído pela Medida Provisória nº 545, de 2011)

XXIII - promover interação com administrações do cinema e do
audiovisual dos Estados membros do Mercosul e demais membros
da comunidade internacional, com vistas à consecução de objetivos
de interesse comum; e (Incluído pela Medida Provisória nº 545, de
2011)

XXIV - estabelecer critérios e procedimentos administrativos para a
garantia do princípio da reciprocidade no território brasileiro em
relação às condições de produção e exploração de obras
audiovisuais brasileiras em territórios estrangeiros. (Incluído pela
Medida Provisória nº 545, de 2011)
Atuação das Teles
Questões regulatórias relevantes


•Telecom: liberdade de atuação no mercado



Até a Lei n° 12.485 empresas concessionárias de
serviço de telecomunicações apenas podiam
podiam prestar serviço de TV a Cabo uma vez
comprovado o desinteresse por outras empresas
(ausência de resposta a Edital relativo a uma
determinada área de prestação de serviço).
Limites da empresa de telecomunicação

•    O controle ou a titularidade de participação superior a 50% (cinquenta por cento) do capital total e votante
     de empresas prestadoras de serviços de telecomunicações de interesse coletivo não poderá ser detido,
     direta, indiretamente ou por meio de empresa sob controle comum, por concessionárias e permissionárias de
     radiodifusão sonora e de sons e imagens e por produtoras e programadoras com sede no Brasil, ficando
     vedado a estas explorar diretamente aqueles serviços.

•    O controle ou a titularidade de participação superior a 30% (trinta por cento) do capital total e votante de
     concessionárias e permissionárias de radiodifusão sonora e de sons e imagens e de produtoras e
     programadoras com sede no Brasil não poderá ser detido, direta, indiretamente ou por meio de empresa sob
     controle comum, por prestadoras de serviços de telecomunicações de interesse coletivo, ficando vedado a
     estas explorar diretamente aqueles serviços. Adquirir ou financiar aquisição de direitos de exploração de
     imagem de eventos de interesse nacional

•    TELES não podem: Contratar talentos artísticos nacionais de qualquer natureza, inclusive direitos sobre
     obras de autores nacionais, a exceção quando da aquisição ou a contratação se destinar exclusivamente à
     produção de peças publicitárias.

•    É facultado às empresas prestadoras de serviços de telecomunicações de interesse coletivo, diretamente ou
     por meio de empresa sobre a qual detenham controle direto, indireto ou sob controle comum, controlar
     produtoras e programadoras com sede no Brasil que exerçam atividades exclusivamente destinadas à
     comercialização de produtos e serviços para o mercado internacional.




    Vedado: subsídios cruzados, preços
    discriminatórios, dissimular
    resultados.
Conteúdo brasileiro
Cotas de Programação e Cotas de Canal



•Cotas de Programação

    Nos canais de espaço qualificado, no mínimo
3h30 (três horas e trinta minutos) semanais
dos conteúdos veiculados no horário nobre
deverão ser brasileiros e integrar espaço
qualificado, e metade deverá ser produzida por
produtora brasileira independente
Cotas de Programação e Cotas de Canal
•Cotas de Canal

       Em todos os pacotes ofertados ao assinante, a cada 3 (três) canais de
espaço qualificado existentes no pacote, ao menos 1 (um) deverá ser canal
brasileiro de espaço qualificado.

      Da parcela mínima de canais brasileiros de espaço qualificado, pelo menos
1/3 (um terço) deverá ser programado por programadora brasileira
independente.

       A empacotadora estará obrigada a cumprir o disposto no caput até o limite
de 12 (doze) canais brasileiros de espaço qualificado.

        Dos canais brasileiros de espaço qualificado a serem veiculados nos pacotes,
ao menos 2 (dois) canais deverão veicular, no mínimo, 12 (doze) horas diárias de
conteúdo audiovisual brasileiro produzido por produtora brasileira independente, 3
(três) das quais em horário nobre.

Obs:As empacotadoras que ofertarem pacotes distribuídos por tecnologias que
possibilitem distribuir, no máximo, pacotes com até 31 (trinta e um) canais estarão
obrigadas a cumprir a cota até o limite de 3 (três) canais.
Cotas de Programação e de Canal: Implementação
e vigência

• Implementação

 Nos 2 (dois) primeiros anos de vigência da Lei, as cotas de canal e as
 cotas de programação serão reduzidos nas seguintes razões:

      2/3 (dois terços) no primeiro ano de vigência da Lei;

      1/3 (um terço) no segundo ano de vigência da Lei.

Início da vigência em 180 dias da publicação da Lei




• Vigência: As cotas de programação e de canal deixarão de viger após 12
  (doze) anos da promulgação desta Lei.
Competência regulatoria

A programadora ou empacotadora, no cumprimento das obrigações previstas nos arts. 16 a 18,
observará as seguintes condições: (Vigência)

I - pelo menos a metade dos conteúdos audiovisuais deve ter sido produzida nos 7 (sete) anos
anteriores à sua veiculação; (Vigência: 4 anos após promulgação)

II - o conteúdo produzido por brasileiro nato ou naturalizado há mais de 10 (dez) anos será
equiparado ao produzido por produtora brasileira;

III - o conteúdo produzido por brasileiro nato ou naturalizado há mais de 10 (dez) anos será
equiparado ao produzido por produtora brasileira independente, caso seu produtor não mantenha
vínculo de exclusividade que o impeça de produzir ou comercializar para terceiros os conteúdos
audiovisuais por ele produzidos

IV - quando o cálculo dos percentuais e razões não resultar em número inteiro exato, considerar-
se-á a parte inteira do resultado.

***** Em caso de comprovada impossibilidade de cumprimento integral do disposto nos arts. 16
a 18, o interessado deverá submeter solicitação de dispensa à Ancine, que, caso reconheça a
impossibilidade alegada, pronunciar-se-á sobre as condições e limites de cumprimento desses
artigos. (deixarão de viger após 12 (doze) anos da promulgação desta Lei)
Regras
Nos pacotes em que houver canal de programação gerado por programadora brasileira que possua majoritariamente conteúdos
jornalísticos no horário nobre, deverá ser ofertado pelo menos um canal adicional de programação com as mesmas
características no mesmo pacote ou na modalidade avulsa de programação, observado a desconsideração dos canais
obrigatórios.As programadoras dos canais de que trata o caput deste artigo não poderão deter relação de controle ou coligação
entre si.

Para efeito do cumprimento do disposto nos arts. 16 e 17 (cotas de programação e de canal) serão desconsiderados:

I - os canais de programação de distribuição obrigatória de que trata o art. 32, ainda que veiculados em localidade distinta
daquela em que é distribuído o pacote;

II - os canais de programação que retransmitirem canais de geradoras detentoras de outorga de radiodifusão de sons e
imagens em qualquer localidade;

III - os canais de programação operados sob a responsabilidade do poder público;

IV - os canais de programação cuja grade de programação não tenha passado por qualquer modificação para se adaptar ao
público brasileiro, incluindo legendagem, dublagem para língua portuguesa ou publicidade específica para o mercado
brasileiro;

V - os canais de programação dedicados precipuamente à veiculação de conteúdos de cunho erótico;

VI - os canais ofertados na modalidade avulsa de programação;

VII - os canais de programação ofertados em modalidade avulsa de conteúdo programado.

Obs: § 1o Para os canais de que trata o inciso VI, aplica-se o disposto no art. 16.; § 2o Na oferta dos canais de que trata o
inciso VII, no mínimo 10% (dez por cento) dos conteúdos ofertados que integrarem espaço qualificado deverão ser brasileiros.;
§ 3o O cumprimento da obrigação de que trata o § 2o será aferido em conformidade com período de apuração estabelecido
pela Ancine; § 4o Para efeito do cumprimento do disposto no art. 18, serão desconsiderados os canais de que tratam os
incisos III, IV, V e VII do caput deste artigo.
Financiamento dos
novos conteúdos
- FNC (Lei nº 8.313/91)
-Subvenções do Poder              Mecanismos de                           - FICART (Lei nº

                              Financiamento à Cultura
                                                                          8.313/91)
Público
                                                                          -OSCIPs
- Programas públicos
em geral                                                                  - Conversão da
                                                                          Dívida Externa
                                                                          (Lei nº 10.179/01)


    RECURSOS
    PÚBLICOS                               Investimento
                                           com                 INVESTIMENTO
                                           Incentivo fiscal          PRIVADO

                                   INCENTIVO
                                                      -Lei do Audiovisual (Lei nº
                                      FISCAL          8.685/93)-Artigo 1º, 3, 3A
                                                      -FUNCINE (MP nº 2.228/01)
-Mecenato (Lei nº 8.313/91)
-Leis Mendonça – SP (Lei 10.923/90)
-Lei Municipais e Estaduais de Incentivo
Dinâmica de Funcionamento
                                                    Tipos de empresa
                                                Patrocinadora, doadora ou
                                                       Investidora:
                                                   1.Empresa brasileira
  Empresa ou instituição                          tributada no lucro real
 Brasileira proponente de                            (aplicação de IR);
projeto cultural ou Pessoa
                                                 2.Distribuidora de filme
           Física
                                                  estrangeiro no Brasil
     (independente)                                 (benefício de IR da
                                                   remessa de royalty);
                                                          3.TVs;
                                                 4. Recursos próprios de
                                                  investidor estrangeiro;
                                                   5. Contribuintes do
                                                  imposto estadual ou
                                                  municipal (Cf. o caso)
                         GOVERNO FEDERAL            6. Pessoas físicas
                      (MINC/ANCINE), ESTADUAL
                           OU MUNICIPAL
Panorama de mercado
Panorama do Mercado
(Fonte: Apresentação do presidente da Ancine Manoel Rangel no Senado em dez/2010)




Canais qualificados no mercado: 97
Canais que cumpririam a cota do art. 16 no 1° ano (1h 10 min):
 20
Canais que cumpririam a cota do art. 16 no 2° ano (2h 20 min):
 19
Canais que cumpririam a cota do art. 16 no 3° ano (3h 30 min):
 15
Cumprimento da cota “pacote” (canais de programadoras
 brasileiras): 5 com a adaptação rapida de mais 02 => 07
INTERNATIONAL TRENDS IN THE AUDIOVISUAL SECTOR (*)


Worldwide and US Domestic – MPAA
Focus 2011 World – European Audiovisual Observatory
Focus 2011 Latin America – European Audiovisual Observatory




(*) Pesquisa de Steve Solot.
Worldwide and US Domestic
         MPAA
US/CANADA B.O. 2001-2010
Focus 2011 World
European Audiovisual Observatory
Focus 2011 Latin America
European Audiovisual Observatory
Contatos:
cesnik@cqs.adv.br

São Paulo – SP                                  Rio de Janeiro – RJ
Rua Senador Pádua Sales, 114           Av. Rio Branco, 133 – Sala 1401 /02
CEP 01229.010 – Pacaembu                  CEP 20040.006 – Centro
Telefone (11) 3660.0300                   Telefone (21) 2522.0400
Fax (11) 3660.0447               Fax (21) 2522.3571


Brasília – DF
SAUS - Quadra 3 - Bloco C - Sala 612
CEP 70.070.934
Telefone (61) 3225.7843
Fax (61) 3225.7843

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

IP Concept in LTE
IP Concept in LTEIP Concept in LTE
IP Concept in LTE
Sofian .
 

Mais procurados (20)

Managing and Optimizing RF Spectrum for Aruba WLANs
Managing and Optimizing RF Spectrum for Aruba WLANsManaging and Optimizing RF Spectrum for Aruba WLANs
Managing and Optimizing RF Spectrum for Aruba WLANs
 
Indoor80211n Aruba Wifi
Indoor80211n Aruba Wifi Indoor80211n Aruba Wifi
Indoor80211n Aruba Wifi
 
Leveraging IMS for VoLTE and RCS Services in LTE Networks Presented by Adnan ...
Leveraging IMS for VoLTE and RCS Services in LTE Networks Presented by Adnan ...Leveraging IMS for VoLTE and RCS Services in LTE Networks Presented by Adnan ...
Leveraging IMS for VoLTE and RCS Services in LTE Networks Presented by Adnan ...
 
EMEA Airheads- Instant AP- Instant AP Best Practice Configuration
EMEA Airheads- Instant AP- Instant AP Best Practice ConfigurationEMEA Airheads- Instant AP- Instant AP Best Practice Configuration
EMEA Airheads- Instant AP- Instant AP Best Practice Configuration
 
Wireless LAN Design Fundamentals in the Campus
Wireless LAN Design Fundamentals in the CampusWireless LAN Design Fundamentals in the Campus
Wireless LAN Design Fundamentals in the Campus
 
Rap installation updated
Rap installation updatedRap installation updated
Rap installation updated
 
VRD-Indoor80211n 2012 05-31
VRD-Indoor80211n 2012 05-31VRD-Indoor80211n 2012 05-31
VRD-Indoor80211n 2012 05-31
 
EMEA Airheads_ Aruba AppRF – AOS 6.x & 8.x
EMEA Airheads_ Aruba AppRF – AOS 6.x & 8.xEMEA Airheads_ Aruba AppRF – AOS 6.x & 8.x
EMEA Airheads_ Aruba AppRF – AOS 6.x & 8.x
 
IBS/DAS mini training review
IBS/DAS mini training reviewIBS/DAS mini training review
IBS/DAS mini training review
 
Advanced rf troubleshooting_peter lane
Advanced rf troubleshooting_peter laneAdvanced rf troubleshooting_peter lane
Advanced rf troubleshooting_peter lane
 
Integrating Unified Communications and Collaboration on an Aruba Access Network
Integrating Unified Communications and Collaboration on an Aruba Access NetworkIntegrating Unified Communications and Collaboration on an Aruba Access Network
Integrating Unified Communications and Collaboration on an Aruba Access Network
 
Roaming behavior and Client Troubleshooting
Roaming behavior and Client TroubleshootingRoaming behavior and Client Troubleshooting
Roaming behavior and Client Troubleshooting
 
IP Concept in LTE
IP Concept in LTEIP Concept in LTE
IP Concept in LTE
 
3 g event description
3 g event description3 g event description
3 g event description
 
EMEA Airheads- Aruba 8.x Architecture overview & UI Navigation
EMEA Airheads- Aruba 8.x Architecture overview & UI NavigationEMEA Airheads- Aruba 8.x Architecture overview & UI Navigation
EMEA Airheads- Aruba 8.x Architecture overview & UI Navigation
 
Aruba OS 6.3 Command Line Interface Reference Guide
Aruba OS 6.3 Command Line Interface Reference GuideAruba OS 6.3 Command Line Interface Reference Guide
Aruba OS 6.3 Command Line Interface Reference Guide
 
ArubaOS 6.3.x Quick Start Guide
ArubaOS 6.3.x Quick Start GuideArubaOS 6.3.x Quick Start Guide
ArubaOS 6.3.x Quick Start Guide
 
Aruba mobility access switch useful commands v2
Aruba mobility access switch useful commands v2Aruba mobility access switch useful commands v2
Aruba mobility access switch useful commands v2
 
Bts installation & commisioning.ppt
Bts installation & commisioning.pptBts installation & commisioning.ppt
Bts installation & commisioning.ppt
 
Pembahasan NETCOM Beginner Level Skill Pretest
Pembahasan NETCOM Beginner Level Skill PretestPembahasan NETCOM Beginner Level Skill Pretest
Pembahasan NETCOM Beginner Level Skill Pretest
 

Destaque (6)

CS304 - O Documentário Clássico
CS304 - O Documentário ClássicoCS304 - O Documentário Clássico
CS304 - O Documentário Clássico
 
Exemplos de-projeto-de-documentario
Exemplos de-projeto-de-documentarioExemplos de-projeto-de-documentario
Exemplos de-projeto-de-documentario
 
Escrevendo um documentario
Escrevendo um documentarioEscrevendo um documentario
Escrevendo um documentario
 
Formatação de Projetos de Audiovisual - Aulas 2, 3 e 4
Formatação de Projetos de Audiovisual - Aulas 2, 3 e 4Formatação de Projetos de Audiovisual - Aulas 2, 3 e 4
Formatação de Projetos de Audiovisual - Aulas 2, 3 e 4
 
Apostila básica produção audiovisual espm
Apostila básica produção audiovisual espmApostila básica produção audiovisual espm
Apostila básica produção audiovisual espm
 
Guia de como elaborar um projeto para documentario
Guia de como elaborar um projeto para documentarioGuia de como elaborar um projeto para documentario
Guia de como elaborar um projeto para documentario
 

Semelhante a Nova Lei da TV por assinatura (PL 116) | Fábio Cesnik

Plip versao final
Plip versao finalPlip versao final
Plip versao final
Tom Pereira
 
Projeto de lei da mídia democrática
Projeto de lei da mídia democráticaProjeto de lei da mídia democrática
Projeto de lei da mídia democrática
José Ripardo
 
Relatório final joinville para estadual
Relatório final joinville para estadualRelatório final joinville para estadual
Relatório final joinville para estadual
libertas1917
 
Cordiolli tv-paga-e-producao-independente-2012
Cordiolli tv-paga-e-producao-independente-2012Cordiolli tv-paga-e-producao-independente-2012
Cordiolli tv-paga-e-producao-independente-2012
Thiago Douglas Moreira
 
Formatação de Projetos de Obras Audiovisuais_Aula 1
Formatação de Projetos de Obras Audiovisuais_Aula 1Formatação de Projetos de Obras Audiovisuais_Aula 1
Formatação de Projetos de Obras Audiovisuais_Aula 1
Cultura e Mercado
 
Cordiolli perspectiva da produção independente de audiovisual no brasil -...
Cordiolli   perspectiva da produção independente de audiovisual no brasil -...Cordiolli   perspectiva da produção independente de audiovisual no brasil -...
Cordiolli perspectiva da produção independente de audiovisual no brasil -...
Marcos Cordiolli
 

Semelhante a Nova Lei da TV por assinatura (PL 116) | Fábio Cesnik (20)

Nova Lei da TV por assinatura (PL 116) | José Mauricio Fittipaldi
Nova Lei da TV por assinatura (PL 116) | José Mauricio FittipaldiNova Lei da TV por assinatura (PL 116) | José Mauricio Fittipaldi
Nova Lei da TV por assinatura (PL 116) | José Mauricio Fittipaldi
 
Plip versao final
Plip versao finalPlip versao final
Plip versao final
 
Projeto de lei da mídia democrática
Projeto de lei da mídia democráticaProjeto de lei da mídia democrática
Projeto de lei da mídia democrática
 
Lei da Mídia Democrática
Lei da Mídia DemocráticaLei da Mídia Democrática
Lei da Mídia Democrática
 
Radiodifusão Disciplina Regulatória - Gustavo Toniol Raguzzoni
Radiodifusão Disciplina Regulatória - Gustavo Toniol RaguzzoniRadiodifusão Disciplina Regulatória - Gustavo Toniol Raguzzoni
Radiodifusão Disciplina Regulatória - Gustavo Toniol Raguzzoni
 
Radiodifusão Disciplina Regulatória - Gustavo Toniol Raguzzoni et al.
Radiodifusão Disciplina Regulatória - Gustavo Toniol Raguzzoni et al.Radiodifusão Disciplina Regulatória - Gustavo Toniol Raguzzoni et al.
Radiodifusão Disciplina Regulatória - Gustavo Toniol Raguzzoni et al.
 
Financiamento Audiovisual - AULA 7 | Regulação da Tv Paga | Krishna Brunoni |...
Financiamento Audiovisual - AULA 7 | Regulação da Tv Paga | Krishna Brunoni |...Financiamento Audiovisual - AULA 7 | Regulação da Tv Paga | Krishna Brunoni |...
Financiamento Audiovisual - AULA 7 | Regulação da Tv Paga | Krishna Brunoni |...
 
Propostas dos eixos 1,2,3 e 4 da Confecom municipal
Propostas dos eixos 1,2,3 e 4 da Confecom municipal Propostas dos eixos 1,2,3 e 4 da Confecom municipal
Propostas dos eixos 1,2,3 e 4 da Confecom municipal
 
Financiamento Audiovisual - Gilberto Toscano - jul 2014
Financiamento Audiovisual - Gilberto Toscano - jul 2014Financiamento Audiovisual - Gilberto Toscano - jul 2014
Financiamento Audiovisual - Gilberto Toscano - jul 2014
 
Relatório final joinville para estadual
Relatório final joinville para estadualRelatório final joinville para estadual
Relatório final joinville para estadual
 
TV Comunitária no Canal da Cidadania - Patrícia Ávila (Ministério das Comunic...
TV Comunitária no Canal da Cidadania - Patrícia Ávila (Ministério das Comunic...TV Comunitária no Canal da Cidadania - Patrícia Ávila (Ministério das Comunic...
TV Comunitária no Canal da Cidadania - Patrícia Ávila (Ministério das Comunic...
 
Cordiolli tv-paga-e-producao-independente-2012
Cordiolli tv-paga-e-producao-independente-2012Cordiolli tv-paga-e-producao-independente-2012
Cordiolli tv-paga-e-producao-independente-2012
 
Da comunicação social
Da comunicação socialDa comunicação social
Da comunicação social
 
Pl1162010
Pl1162010Pl1162010
Pl1162010
 
Formatação de Projetos de Obras Audiovisuais_Aula 1
Formatação de Projetos de Obras Audiovisuais_Aula 1Formatação de Projetos de Obras Audiovisuais_Aula 1
Formatação de Projetos de Obras Audiovisuais_Aula 1
 
Cemec jornada tv a cabo aula 2 sistema de cotas - gilberto toscano - maio 2014
Cemec jornada tv a cabo aula 2   sistema de cotas - gilberto toscano - maio 2014Cemec jornada tv a cabo aula 2   sistema de cotas - gilberto toscano - maio 2014
Cemec jornada tv a cabo aula 2 sistema de cotas - gilberto toscano - maio 2014
 
7 propostas para a Confecom
7 propostas para a Confecom7 propostas para a Confecom
7 propostas para a Confecom
 
Cordiolli perspectiva da produção independente de audiovisual no brasil -...
Cordiolli   perspectiva da produção independente de audiovisual no brasil -...Cordiolli   perspectiva da produção independente de audiovisual no brasil -...
Cordiolli perspectiva da produção independente de audiovisual no brasil -...
 
Palestra de Marcos Cordiolli: Perspectiva da produção independente de audio...
Palestra de Marcos Cordiolli: Perspectiva da produção independente de audio...Palestra de Marcos Cordiolli: Perspectiva da produção independente de audio...
Palestra de Marcos Cordiolli: Perspectiva da produção independente de audio...
 
Etc 2012 aula 8
Etc 2012 aula 8Etc 2012 aula 8
Etc 2012 aula 8
 

Mais de Cultura e Mercado

PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 finalPROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
Cultura e Mercado
 

Mais de Cultura e Mercado (20)

Captação de Recursos com Daniele Torres
Captação de Recursos com Daniele TorresCaptação de Recursos com Daniele Torres
Captação de Recursos com Daniele Torres
 
Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
 
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de SouzaPalestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
 
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata LoyolaMesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
 
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo SalomãoMesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
 
Mesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
Mesa: A era digital nas artes com Eliane CostaMesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
Mesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
 
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo CarrenhoMesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
 
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane GomesMesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
 
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
 
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
 
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella HenriquesMesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
 
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
 
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
 
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos EstigarrabiaMesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
 
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
 
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
 
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo BrajtermanPalestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
 
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
 
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
 
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 finalPROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
 

Último

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 

Nova Lei da TV por assinatura (PL 116) | Fábio Cesnik

  • 1. Lei n° 12.485, de 12/09/2011 Legislação que regula a comunicação audiovisual de acesso condicionado (serviço de telecomunicações de interesse coletivo prestado no regime privado, cuja recepção é condicionada à contratação remunerada por assinantes e destinado à distribuição de conteúdos audiovisuais na forma de pacotes, de canais nas modalidades avulsa de programação e avulsa de conteúdo programado e de canais de distribuição obrigatória, por meio de tecnologias, processos, meios eletrônicos e protocolos de comunicação quaisquer) Fábio de Sá Cesnik Advogado
  • 2. Resumo da aula Tecnologia e situação atual do mercado Fundamentos constitucionais Dos Princípios Fundamentais da comunicação audiovisual de acesso condicionado; Conceitos da lei Das atividades da comunicação audiovisual de acesso condicionado: produção, programação, empacotamento e distribuição e limites legais; Competências da Ancine; Atuação das Teles; Do conteúdo brasileiro Financiamento de conteúdo Panorama de mercado
  • 4. Tecnologias e legislação aplicada • MMDS: Multichannel multipoint distribution service - tecnologia de telecomomunicacao sem fio usado para banda larga e tv a cabo (decreto 2.196/97. Portaria 254/97) • TVC: televisão a cabo - sistema de distribuição de audiovisual e radio FM (lei 8977/95, decreto 2206/97, portaria 256/96 e portaria 399) Regra geral: • DTH: direct to home - via satélite (decreto 2196/97. Lei 12485/2011, lei geral das Portaria 321/1997 telecomunicações (Lei 9472/1997) • TVA- serviço especial de tv por assinatura (decretos 95744/98 e 95815/98)
  • 7. Cultura - Setor estratégico; Alternativa de investimento para países em desenvolvimento; - Papéis do Estado: - Desenvolvimento social; - Desenvolvimento econômico.
  • 8. Ação Estatal -Divisão de competência entre União, Estados e Municípios; -CF, Artigo 5°, IX – “é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independente de censura ou licença”; E -CF, Artigo 215 – “o Estado garantirá a TODOS o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais.” “A intervenção Função negativa: Respeito a pública no campo liberdade cultural da cultura serve Função positiva: Promoção para torná-la livre.” cultural para o fim de realizar (Michele Anis) o princípio da igualdade no campo da cultura.
  • 9. TV Paga e Comunicação Social Art. 221 da Constituição Federal A produção e a programação das emissoras de rádio e televisão atenderão aos seguintes princípios: preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas; promoção da cultura nacional e regional e estímulo à produção independente que objetive sua divulgação; regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei; respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e da família. Os meios de comunicação social eletrônica, independentemente da tecnologia utilizada para a prestação do serviço, deverão observar os princípios enunciados no art. 221, na forma de lei específica, que também garantirá a prioridade de profissionais brasileiros na execução de produções nacionais (art. 222, Par. 3º)
  • 10. A Nova Lei n° 12.485 • Modifica a Lei n° 8.977/95 • Modifica a Lei n° 9.472/97 • Modifica a MP n° 2.228-01/2001 • Modifica a Lei n° 11.437/2006
  • 12. Princípios fundamentais da comunicação audiovisual de acesso condicionado • liberdade de expressão e de acesso à informação; • promoção da diversidade cultural e das fontes de informação, produção e programação; • promoção da língua portuguesa e da cultura brasileira; • estímulo à produção independente e regional; • estímulo ao desenvolvimento social e econômico do País; • liberdade de iniciativa, mínima intervenção da administração pública e defesa da concorrência por meio da livre, justa e ampla competição e da vedação ao monopólio e oligopólio nas atividades de comunicação audiovisual de acesso condicionado. • Adicionam-se aos princípios previstos aqueles estabelecidos na Convenção sobre a Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais da UNESCO, aprovada pelo Decreto Legislativo 485/2006.
  • 14. Lei n° 12.485/11 Conceitos Relevantes •“Serviço de Acesso Condicionado” serviço de telecomunicações de interesse coletivo prestado no regime privado, cuja recepção é condicionada à contratação remunerada por assinantes e destinado à distribuição de conteúdos audiovisuais na forma de pacotes, de canais nas modalidades avulsa de programação e avulsa de conteúdo programado e de canais de distribuição obrigatória, por meio de tecnologias, processos, meios eletrônicos e protocolos de comunicação quaisquer. *** Excluem-se do campo de aplicação desta Lei os serviços de radiodifusão sonora e de sons e imagens, ressalvados os dispositivos previstos nesta Lei que expressamente façam menção a esses serviços ou a suas prestadoras.
  • 15. Conceitos Relevantes •“Espaço Qualificado” espaço total do canal de programação, excluindo-se conteúdos religiosos ou políticos, manifestações e eventos esportivos, concursos, publicidade, televendas, infomerciais, jogos eletrônicos, propaganda política obrigatória, conteúdo audiovisual veiculado em horário eleitoral gratuito, conteúdos jornalísticos e programas de auditório ancorados por apresentador;
  • 16. Conceitos Relevantes •“Canal de Espaço Qualificado” canal de programação que, no horário nobre, veicule majoritariamente conteúdos audiovisuais que constituam espaço qualificado; •“Canal Brasileiro de Espaço Qualificado” canal de espaço qualificado que cumpra os seguintes requisitos, cumulativamente: a) ser programado por programadora brasileira; b) veicular majoritariamente, no horário nobre, conteúdos audiovisuais brasileiros que constituam espaço qualificado, sendo metade desses conteúdos produzidos por produtora brasileira independente; c) não ser objeto de acordo de exclusividade que impeça sua programadora de comercializar, para qualquer empacotadora interessada, os direitos de sua exibição ou veiculação;
  • 17. Conceitos Relevantes • Produtora Brasileira empresa que produza conteúdo audiovisual que atenda as seguintes condições, cumulativamente: a) ser constituída sob as leis brasileiras; b) ter sede e administração no País; c) 70% (setenta por cento) do capital total e votante devem ser de titularidade, direta ou indireta, de brasileiros natos ou naturalizados há mais de 10 (dez) anos; d) a gestão das atividades da empresa e a responsabilidade editorial sobre os conteúdos produzidos devem ser privativas de brasileiros natos ou naturalizados há mais de 10 (dez) anos;
  • 18. Conceitos Relevantes • Produtora Brasileira Independente produtora brasileira que atenda os seguintes requisitos, cumulativamente: a) não ser controladora, controlada ou coligada a programadoras, empacotadoras, distribuidoras ou concessionárias de serviço de radiodifusão de sons e imagens; b) não estar vinculada a instrumento que, direta ou indiretamente, confira ou objetive conferir a sócios minoritários, quando estes forem programadoras, empacotadoras, distribuidoras ou concessionárias de serviços de radiodifusão de sons e imagens, direito de veto comercial ou qualquer tipo de interferência comercial sobre os conteúdos produzidos; c) não manter vínculo de exclusividade que a impeça de produzir ou comercializar para terceiros os conteúdos audiovisuais por ela produzidos Mp 2228/01: IV - obra cinematográfica e videofonográfica de produção independente: aquela cuja empresa produtora, detentora majoritária dos direitos patrimoniais sobre a obra, não tenha qualquer associação ou vínculo, direto ou indireto, com empresas de serviços de radiodifusão de sons e imagens ou operadoras de comunicação eletrônica de massa por assinatura;
  • 19. Conceitos Relevantes • Programadora Brasileira empresa programadora que execute suas atividades de programação no território brasileiro e que atenda, cumulativamente, as condições previstas nas alíneas “a” a “c” do inciso XVIII deste artigo (PRODUTORA BRASILEIRA) e cuja gestão, responsabilidade editorial e seleção dos conteúdos do canal de programação sejam privativas de brasileiros natos ou naturalizados há mais de 10 (dez) anos;
  • 20. Conceitos Relevantes • Programadora Brasileira Independente programadora brasileira que atenda os seguintes requisitos, cumulativamente: a) não ser controladora, controlada ou coligada a empacotadora ou distribuidora; b) não manter vínculo de exclusividade que a impeça de comercializar, para qualquer empacotadora, os direitos de exibição ou veiculação associados aos seus canais de programação;
  • 21. Conceitos Relevantes • Canal de Programação: resultado da atividade de programação que consiste no arranjo de conteúdos audiovisuais organizados em seqüência linear temporal com horários predeterminados; • Coligada: pessoa natural ou jurídica que detiver, direta ou indiretamente, pelo menos 20% (vinte por cento) de participação no capital votante de outra pessoa ou se o capital votante de ambas for detido, direta ou indiretamente, em pelo menos 20% (vinte por cento) por uma mesma pessoa natural ou jurídica, nos termos da regulamentação editada pela Agência Nacional de Telecomunicações - Anatel;
  • 22. Conceitos Relevantes • Conteúdo Audiovisual: resultado da atividade de produção que consiste na fixação ou transmissão de imagens, acompanhadas ou não de som, que tenha a finalidade de criar a impressão de movimento, independentemente dos processos de captação, do suporte utilizado inicial ou posteriormente para fixá-las ou transmiti-las, ou dos meios utilizados para sua veiculação, reprodução, transmissão ou difusão; • Conteúdo Brasileiro: conteúdo audiovisual produzido em conformidade com os critérios estabelecidos no inciso V do art. 1o da Medida Provisória no 2.228-1, de 6 de setembro de 2001; • Conteúdo Jornalístico: telejornais, debates, entrevistas, reportagens e outros programas que visem a noticiar ou a comentar eventos;
  • 23. Conceitos Relevantes • Produção: atividade de elaboração, composição, constituição ou criação de conteúdos audiovisuais em qualquer meio de suporte; • Programação: atividade de seleção, organização ou formatação de conteúdos audiovisuais apresentados na forma de canais de programação, inclusive nas modalidades avulsa de programação e avulsa de conteúdo programado; • Empacotamento: atividade de organização, em última instância, de canais de programação, inclusive nas modalidades avulsa de programação e avulsa de conteúdo programado, a serem distribuídos para o assinante; • Distribuição: atividades de entrega, transmissão, veiculação, difusão ou provimento de pacotes ou conteúdos audiovisuais a assinantes por intermédio de meios eletrônicos quaisquer, próprios ou de terceiros, cabendo ao distribuidor a responsabilidade final pelas atividades complementares de comercialização, atendimento ao assinante, faturamento, cobrança, instalação e manutenção de dispositivos, entre outras;
  • 24. Conceitos Relevantes •Eventos de Interesse Nacional: acontecimentos públicos de natureza cultural, artística, esportiva, religiosa ou política que despertem significativo interesse da população brasileira, notadamente aqueles em que participem, de forma preponderante, brasileiros, equipes brasileiras ou seleções brasileiras; •Modalidade Avulsa de Conteúdo Programado ou Modalidade de Vídeo por Demanda Programado: modalidade de conteúdos audiovisuais organizados em canais de programação e em horário previamente definido pela programadora para aquisição avulsa por parte do assinante; •Modalidade Avulsa de Programação, ou Modalidade de Canais de Venda Avulsa: modalidade de canais de programação organizados para aquisição avulsa por parte do assinante; •Pacote: agrupamento de canais de programação ofertados pelas empacotadoras às distribuidoras, e por estas aos assinantes, excluídos os canais de distribuição obrigatória de que trata o art. 32;
  • 25. Conceitos Relevantes • obra cinematográfica brasileira ou obra videofonográfica brasileira: aquela que atende a um dos seguintes requisitos: (Redação dada pela Lei nº 10.454, de 13..5.2002) • a) ser produzida por empresa produtora brasileira, observado o disposto no § 1o, registrada na ANCINE, ser dirigida por diretor brasileiro ou estrangeiro residente no País há mais de 3 (três) anos, e utilizar para sua produção, no mínimo, 2/3 (dois terços) de artistas e técnicos brasileiros ou residentes no Brasil há mais de 5 (cinco) anos; (Redação dada pela Lei nº 10.454, de 13..5.2002) • b) ser realizada por empresa produtora brasileira registrada na ANCINE, em associação com empresas de outros países com os quais o Brasil mantenha acordo de co-produção cinematográfica e em consonância com os mesmos. • c) ser realizada, em regime de co-produção, por empresa produtora brasileira registrada na ANCINE, em associação com empresas de outros países com os quais o Brasil não mantenha acordo de co-produção, assegurada a titularidade de, no mínimo, 40% (quarenta por cento) dos direitos patrimoniais da obra à empresa produtora brasileira e utilizar para sua produção, no mínimo, 2/3 (dois terços) de artistas e técnicos brasileiros ou residentes no Brasil há mais de 3 (três) anos. (Incluída pela Lei nº 10.454, de 13..5.2002)
  • 27. Atividades da comunicação audiovisual de acesso condicionado • Produção • Programação (Ancine) • Empacotamento (Ancine) • Distribuição (Anatel) (empresas podem se enquadrar em mais de uma posição. Independentemente do objeto ou da razão social, a empresa que atuar em quaisquer das atividades de que trata este artigo será considerada, conforme o caso, produtora, programadora, empacotadora ou distribuidora)
  • 28. Regras •As atividades de produção, programação e empacotamento são livres para empresas constituídas sob as leis brasileiras e com sede e administração no País. As atividades de programação e de empacotamento serão objeto de regulação e fiscalização pela Agência Nacional do Cinema - Ancine no âmbito das competências atribuídas a ela pela Medida Provisória no 2.228-1, de 6 de setembro de 2001. •A gestão, a responsabilidade editorial e as atividades de seleção e direção inerentes à programação e ao empacotamento são privativas de brasileiros natos ou naturalizados há mais de 10 (dez) anos. § 1o As programadoras e empacotadoras deverão depositar e manter atualizada, na Ancine, relação com a identificação dos profissionais de que trata o caput deste artigo, os documentos e atos societários, inclusive os referentes à escolha dos dirigentes e gestores em exercício, das pessoas físicas e jurídicas envolvidas na sua cadeia de controle, cujas informações deverão ficar disponíveis ao conhecimento público, inclusive pela rede mundial de computadores, excetuadas as consideradas confidenciais pela legislação e regulamentação, cabendo à Agência zelar pelo sigilo destas. § 2o Para a finalidade de aferição do cumprimento das obrigações previstas nos arts. 16 a 18 (que fala do conteúdo/cotas), as programadoras e empacotadoras deverão publicar, nos seus sítios na rede mundial de computadores, a listagem atualizada dos conteúdos audiovisuais e canais de programação disponibilizados, respectivamente, incluindo sua classificação em conformidade com os tipos definidos nesta Lei. § 3o Para efeito do cumprimento do disposto no Capítulo V (conteúdo brasileiro), a Ancine poderá solicitar à programadora documentos comprobatórios de que o conteúdo exibido é brasileiro, incluindo o Certificado de Produto Brasileiro, para os casos de que trata a Medida Provisória nº 2.228-1, de 6 de setembro de 2001.
  • 29. Regras (2) •Nenhum conteúdo veiculado por meio do Serviço de Acesso Condicionado será exibido sem aviso, antes de sua apresentação, de classificação informando a natureza do conteúdo e as faixas etárias a que não se recomende. § 1o O Ministério da Justiça fiscalizará o disposto no caput e oficiará à Ancine e à Anatel em caso de seu descumprimento. § 2o A Anatel oficiará às distribuidoras sobre os canais de programação em desacordo com o disposto no caput, cabendo a elas a cessação da distribuição desses canais após o recebimento da comunicação. § 3o A distribuidora deverá ofertar ao assinante dispositivo eletrônico que permita o bloqueio da recepção dos conteúdos transmitidos. •O exercício das atividades de programação e empacotamento é condicionado a credenciamento perante a Ancine, que deverá se pronunciar sobre a solicitação do credenciamento no prazo de até 30 (trinta) dias e, em não havendo manifestação contrária da Ancine nesse período, o credenciamento será considerado válido.
  • 30. Regras (3) •As programadoras e empacotadoras credenciadas pela Ancine deverão prestar as informações solicitadas pela Agência para efeito de fiscalização do cumprimento das obrigações de programação, empacotamento e publicidade. Para efeito de aferição das restrições de capital de que trata esta Lei, além das informações previstas no caput, as programadoras deverão apresentar a documentação relativa à composição do seu capital total e votante, cabendo à Ancine zelar pelo sigilo das informações consideradas confidenciais pela legislação e regulamentação. •Altera definições da MP 2228/01: •1 - serviço de comunicação eletrônica de massa por assinatura: serviço de acesso condicionado de que trata a lei específica sobre a comunicação audiovisual de acesso condicionado; •2- programadoras de obras audiovisuais para o segmento de mercado de serviços de comunicação eletrônica de massa por assinatura: empresas programadoras de que trata a lei específica sobre a comunicação audiovisual de acesso condicionado.” (NR)
  • 32. Objetivos da Ancine I - promover a cultura nacional e a língua portuguesa mediante o estímulo ao desenvolvimento da indústria cinematográfica e videofonográfica nacional em sua área de atuação; II - promover a integração programática, econômica e financeira de atividades governamentais relacionadas à indústria cinematográfica e videofonográfica; III - aumentar a competitividade da indústria cinematográfica e videofonográfica nacional por meio do fomento à produção, à distribuição e à exibição nos diversos segmentos de mercado; IV - promover a auto-sustentabilidade da indústria cinematográfica nacional visando o aumento da produção e da exibição das obras cinematográficas brasileiras; V - promover a articulação dos vários elos da cadeia produtiva da indústria cinematográfica nacional; VI - estimular a diversificação da produção cinematográfica e videofonográfica nacional e o fortalecimento da produção independente e das produções regionais com vistas ao incremento de sua oferta e à melhoria permanente de seus padrões de qualidade; VII - estimular a universalização do acesso às obras cinematográficas e videofonográficas, em especial as nacionais; VIII - garantir a participação diversificada de obras cinematográficas e videofonográficas estrangeiras no mercado brasileiro; IX - garantir a participação das obras cinematográficas e videofonográficas de produção nacional em todos os segmentos do mercado interno e estimulá-la no mercado externo; X - estimular a capacitação dos recursos humanos e o desenvolvimento tecnológico da indústria cinematográfica e videofonográfica nacional; XI - zelar pelo respeito ao direito autoral sobre obras audiovisuais nacionais e estrangeiras.
  • 33. Competências da Ancine I - executar a política nacional de fomento ao cinema, definida na forma do art. 3o; II - fiscalizar o cumprimento da legislação referente à atividade cinematográfica e videofonográfica nacional e estrangeira nos diversos segmentos de mercados, na forma do regulamento; III - promover o combate à pirataria de obras audiovisuais; IV - aplicar multas e sanções, na forma da lei; V - regular, na forma da lei, as atividades de fomento e proteção à indústria cinematográfica e videofonográfica nacional, resguardando a livre manifestação do pensamento, da criação, da expressão e da informação; VI - coordenar as ações e atividades governamentais referentes à indústria cinematográfica e videofonográfica, ressalvadas as competências dos Ministérios da Cultura e das Comunicações; VII - articular-se com os órgãos competentes dos entes federados com vistas a otimizar a consecução dos seus objetivos; VIII - gerir programas e mecanismos de fomento à indústria cinematográfica e videofonográfica nacional;
  • 34. Competências da Ancine (2) IX - estabelecer critérios para a aplicação de recursos de fomento e financiamento à indústria cinematográfica e videofonográfica nacional; X - promover a participação de obras cinematográficas e videofonográficas nacionais em festivais internacionais; XI - aprovar e controlar a execução de projetos de co-produção, produção, distribuição, exibição e infra- estrutura técnica a serem realizados com recursos públicos e incentivos fiscais, ressalvadas as competências dos Ministérios da Cultura e das Comunicações; XII - fornecer os Certificados de Produto Brasileiro às obras cinematográficas e videofonográficas; XIII - fornecer Certificados de Registro dos contratos de produção, co-produção, distribuição, licenciamento, cessão de direitos de exploração, veiculação e exibição de obras cinematográficas e videofonográficas; XIV - gerir o sistema de informações para o monitoramento das atividades da indústria cinematográfica e videofonográfica nos seus diversos meios de produção, distribuição, exibição e difusão; XV - articular-se com órgãos e entidades voltados ao fomento da produção, da programação e da distribuição de obras cinematográficas e videofonográficas dos Estados membros do Mercosul e demais membros da comunidade internacional; XVI - prestar apoio técnico e administrativo ao Conselho Superior do Cinema; XVII - atualizar, em consonância com a evolução tecnológica, as definições referidas no art. 1o desta Medida Provisória.
  • 35. Amplia competência Ancine •XVIII - regular e fiscalizar o cumprimento dos princípios da comunicação audiovisual de acesso condicionado, das obrigações de programação, empacotamento e publicidade e das restrições ao capital total e votante das produtoras e programadoras fixados pela lei que dispõe sobre a comunicação audiovisual de acesso condicionado; •XIX - elaborar e tornar público plano de trabalho como instrumento de avaliação da atuação administrativa do órgão e de seu desempenho, estabelecendo os parâmetros para sua administração, bem como os indicadores que permitam quantificar, objetivamente, a sua avaliação periódica, inclusive com relação aos recursos aplicados em fomento à produção de audiovisual; •XX - enviar relatório anual de suas atividades ao Ministério da Cultura e, por intermédio da Presidência da República, ao Congresso Nacional; •XXI - tomar dos interessados compromisso de ajustamento de sua conduta às exigências legais no âmbito de suas competências, nos termos do § 6o do art. 5o da Lei no 7.347, de 24 de julho de 1985.
  • 36. Competências da Ancine XXII - zelar pela distribuição equilibrada das obras audiovisuais, regulando as relações de comercialização entre os agentes econômicos e combatendo as práticas comerciais abusivas; (Incluído pela Medida Provisória nº 545, de 2011) XXIII - promover interação com administrações do cinema e do audiovisual dos Estados membros do Mercosul e demais membros da comunidade internacional, com vistas à consecução de objetivos de interesse comum; e (Incluído pela Medida Provisória nº 545, de 2011) XXIV - estabelecer critérios e procedimentos administrativos para a garantia do princípio da reciprocidade no território brasileiro em relação às condições de produção e exploração de obras audiovisuais brasileiras em territórios estrangeiros. (Incluído pela Medida Provisória nº 545, de 2011)
  • 38. Questões regulatórias relevantes •Telecom: liberdade de atuação no mercado Até a Lei n° 12.485 empresas concessionárias de serviço de telecomunicações apenas podiam podiam prestar serviço de TV a Cabo uma vez comprovado o desinteresse por outras empresas (ausência de resposta a Edital relativo a uma determinada área de prestação de serviço).
  • 39. Limites da empresa de telecomunicação • O controle ou a titularidade de participação superior a 50% (cinquenta por cento) do capital total e votante de empresas prestadoras de serviços de telecomunicações de interesse coletivo não poderá ser detido, direta, indiretamente ou por meio de empresa sob controle comum, por concessionárias e permissionárias de radiodifusão sonora e de sons e imagens e por produtoras e programadoras com sede no Brasil, ficando vedado a estas explorar diretamente aqueles serviços. • O controle ou a titularidade de participação superior a 30% (trinta por cento) do capital total e votante de concessionárias e permissionárias de radiodifusão sonora e de sons e imagens e de produtoras e programadoras com sede no Brasil não poderá ser detido, direta, indiretamente ou por meio de empresa sob controle comum, por prestadoras de serviços de telecomunicações de interesse coletivo, ficando vedado a estas explorar diretamente aqueles serviços. Adquirir ou financiar aquisição de direitos de exploração de imagem de eventos de interesse nacional • TELES não podem: Contratar talentos artísticos nacionais de qualquer natureza, inclusive direitos sobre obras de autores nacionais, a exceção quando da aquisição ou a contratação se destinar exclusivamente à produção de peças publicitárias. • É facultado às empresas prestadoras de serviços de telecomunicações de interesse coletivo, diretamente ou por meio de empresa sobre a qual detenham controle direto, indireto ou sob controle comum, controlar produtoras e programadoras com sede no Brasil que exerçam atividades exclusivamente destinadas à comercialização de produtos e serviços para o mercado internacional. Vedado: subsídios cruzados, preços discriminatórios, dissimular resultados.
  • 41. Cotas de Programação e Cotas de Canal •Cotas de Programação Nos canais de espaço qualificado, no mínimo 3h30 (três horas e trinta minutos) semanais dos conteúdos veiculados no horário nobre deverão ser brasileiros e integrar espaço qualificado, e metade deverá ser produzida por produtora brasileira independente
  • 42. Cotas de Programação e Cotas de Canal •Cotas de Canal Em todos os pacotes ofertados ao assinante, a cada 3 (três) canais de espaço qualificado existentes no pacote, ao menos 1 (um) deverá ser canal brasileiro de espaço qualificado. Da parcela mínima de canais brasileiros de espaço qualificado, pelo menos 1/3 (um terço) deverá ser programado por programadora brasileira independente. A empacotadora estará obrigada a cumprir o disposto no caput até o limite de 12 (doze) canais brasileiros de espaço qualificado. Dos canais brasileiros de espaço qualificado a serem veiculados nos pacotes, ao menos 2 (dois) canais deverão veicular, no mínimo, 12 (doze) horas diárias de conteúdo audiovisual brasileiro produzido por produtora brasileira independente, 3 (três) das quais em horário nobre. Obs:As empacotadoras que ofertarem pacotes distribuídos por tecnologias que possibilitem distribuir, no máximo, pacotes com até 31 (trinta e um) canais estarão obrigadas a cumprir a cota até o limite de 3 (três) canais.
  • 43. Cotas de Programação e de Canal: Implementação e vigência • Implementação Nos 2 (dois) primeiros anos de vigência da Lei, as cotas de canal e as cotas de programação serão reduzidos nas seguintes razões: 2/3 (dois terços) no primeiro ano de vigência da Lei; 1/3 (um terço) no segundo ano de vigência da Lei. Início da vigência em 180 dias da publicação da Lei • Vigência: As cotas de programação e de canal deixarão de viger após 12 (doze) anos da promulgação desta Lei.
  • 44. Competência regulatoria A programadora ou empacotadora, no cumprimento das obrigações previstas nos arts. 16 a 18, observará as seguintes condições: (Vigência) I - pelo menos a metade dos conteúdos audiovisuais deve ter sido produzida nos 7 (sete) anos anteriores à sua veiculação; (Vigência: 4 anos após promulgação) II - o conteúdo produzido por brasileiro nato ou naturalizado há mais de 10 (dez) anos será equiparado ao produzido por produtora brasileira; III - o conteúdo produzido por brasileiro nato ou naturalizado há mais de 10 (dez) anos será equiparado ao produzido por produtora brasileira independente, caso seu produtor não mantenha vínculo de exclusividade que o impeça de produzir ou comercializar para terceiros os conteúdos audiovisuais por ele produzidos IV - quando o cálculo dos percentuais e razões não resultar em número inteiro exato, considerar- se-á a parte inteira do resultado. ***** Em caso de comprovada impossibilidade de cumprimento integral do disposto nos arts. 16 a 18, o interessado deverá submeter solicitação de dispensa à Ancine, que, caso reconheça a impossibilidade alegada, pronunciar-se-á sobre as condições e limites de cumprimento desses artigos. (deixarão de viger após 12 (doze) anos da promulgação desta Lei)
  • 45. Regras Nos pacotes em que houver canal de programação gerado por programadora brasileira que possua majoritariamente conteúdos jornalísticos no horário nobre, deverá ser ofertado pelo menos um canal adicional de programação com as mesmas características no mesmo pacote ou na modalidade avulsa de programação, observado a desconsideração dos canais obrigatórios.As programadoras dos canais de que trata o caput deste artigo não poderão deter relação de controle ou coligação entre si. Para efeito do cumprimento do disposto nos arts. 16 e 17 (cotas de programação e de canal) serão desconsiderados: I - os canais de programação de distribuição obrigatória de que trata o art. 32, ainda que veiculados em localidade distinta daquela em que é distribuído o pacote; II - os canais de programação que retransmitirem canais de geradoras detentoras de outorga de radiodifusão de sons e imagens em qualquer localidade; III - os canais de programação operados sob a responsabilidade do poder público; IV - os canais de programação cuja grade de programação não tenha passado por qualquer modificação para se adaptar ao público brasileiro, incluindo legendagem, dublagem para língua portuguesa ou publicidade específica para o mercado brasileiro; V - os canais de programação dedicados precipuamente à veiculação de conteúdos de cunho erótico; VI - os canais ofertados na modalidade avulsa de programação; VII - os canais de programação ofertados em modalidade avulsa de conteúdo programado. Obs: § 1o Para os canais de que trata o inciso VI, aplica-se o disposto no art. 16.; § 2o Na oferta dos canais de que trata o inciso VII, no mínimo 10% (dez por cento) dos conteúdos ofertados que integrarem espaço qualificado deverão ser brasileiros.; § 3o O cumprimento da obrigação de que trata o § 2o será aferido em conformidade com período de apuração estabelecido pela Ancine; § 4o Para efeito do cumprimento do disposto no art. 18, serão desconsiderados os canais de que tratam os incisos III, IV, V e VII do caput deste artigo.
  • 47. - FNC (Lei nº 8.313/91) -Subvenções do Poder Mecanismos de - FICART (Lei nº Financiamento à Cultura 8.313/91) Público -OSCIPs - Programas públicos em geral - Conversão da Dívida Externa (Lei nº 10.179/01) RECURSOS PÚBLICOS Investimento com INVESTIMENTO Incentivo fiscal PRIVADO INCENTIVO -Lei do Audiovisual (Lei nº FISCAL 8.685/93)-Artigo 1º, 3, 3A -FUNCINE (MP nº 2.228/01) -Mecenato (Lei nº 8.313/91) -Leis Mendonça – SP (Lei 10.923/90) -Lei Municipais e Estaduais de Incentivo
  • 48. Dinâmica de Funcionamento Tipos de empresa Patrocinadora, doadora ou Investidora: 1.Empresa brasileira Empresa ou instituição tributada no lucro real Brasileira proponente de (aplicação de IR); projeto cultural ou Pessoa 2.Distribuidora de filme Física estrangeiro no Brasil (independente) (benefício de IR da remessa de royalty); 3.TVs; 4. Recursos próprios de investidor estrangeiro; 5. Contribuintes do imposto estadual ou municipal (Cf. o caso) GOVERNO FEDERAL 6. Pessoas físicas (MINC/ANCINE), ESTADUAL OU MUNICIPAL
  • 50. Panorama do Mercado (Fonte: Apresentação do presidente da Ancine Manoel Rangel no Senado em dez/2010) Canais qualificados no mercado: 97 Canais que cumpririam a cota do art. 16 no 1° ano (1h 10 min): 20 Canais que cumpririam a cota do art. 16 no 2° ano (2h 20 min): 19 Canais que cumpririam a cota do art. 16 no 3° ano (3h 30 min): 15 Cumprimento da cota “pacote” (canais de programadoras brasileiras): 5 com a adaptação rapida de mais 02 => 07
  • 51. INTERNATIONAL TRENDS IN THE AUDIOVISUAL SECTOR (*) Worldwide and US Domestic – MPAA Focus 2011 World – European Audiovisual Observatory Focus 2011 Latin America – European Audiovisual Observatory (*) Pesquisa de Steve Solot.
  • 52. Worldwide and US Domestic MPAA
  • 53.
  • 54.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59. Focus 2011 World European Audiovisual Observatory
  • 60.
  • 61.
  • 62.
  • 63.
  • 64.
  • 65.
  • 66. Focus 2011 Latin America European Audiovisual Observatory
  • 67.
  • 68.
  • 69.
  • 70.
  • 71.
  • 72.
  • 73.
  • 74. Contatos: cesnik@cqs.adv.br São Paulo – SP Rio de Janeiro – RJ Rua Senador Pádua Sales, 114 Av. Rio Branco, 133 – Sala 1401 /02 CEP 01229.010 – Pacaembu CEP 20040.006 – Centro Telefone (11) 3660.0300 Telefone (21) 2522.0400 Fax (11) 3660.0447 Fax (21) 2522.3571 Brasília – DF SAUS - Quadra 3 - Bloco C - Sala 612 CEP 70.070.934 Telefone (61) 3225.7843 Fax (61) 3225.7843