Planeta Saturno
Saturno <ul><li>Saturno  é o sexto  planeta  do  Sistema Solar  com uma  órbita  localizada entre as órbitas de  Júpiter  ...
Origem do nome Saturno <ul><li>Devido a sua posição orbital mais distante que  Júpiter  os antigos romanos o outorgaram o ...
As orbitas de Saturno <ul><li>Saturno gira em torno do  Sol  em uma distância media de 1.418 milhões de quilómetros em uma...
Anéis de Saturno   <ul><li>Os anéis de Saturno são constituídos essencialmente por uma mistura de gelo, poeiras e material...
Satélites <ul><li>Saturno tem um grande número de satélites ou luas, o maior que todos os demais planetas. Seu satélites m...
Exploração espacial de Saturno   <ul><li>Visto da  terra , Saturno aparece como um objecto amarelado, um dos mais brilhant...
Observação de Saturno <ul><li>Saturno é um planeta fácil de observar, porque é visível no céu na maioria das vezes e seu a...
Saturno <ul><li>Distâncias médias ao sol:   1432 milhões  de km. </li></ul><ul><li>Diâmetro:   equatorial:120536km /polar:...
Saturno nas diversas culturas <ul><li>Na astrologia Hindu, são conhecidos nove planetas, como  Navagraha . Conhecem Saturn...
<ul><li>Trabalho organizado por: </li></ul><ul><li>Pedro Joaquim nº15 </li></ul><ul><li>Pedro Joel nº 16 </li></ul>Fim
Júpiter
Características de Júpiter <ul><li>Júpiter é o quinto planeta mais próximo do Sol e é o maior no sistema solar. Se Júpiter...
Atmosfera <ul><li>A atmosfera  joviana  é composta de aproximadamente 86% de hidrogénio, e 14% de hélio (pelo número atômi...
Composição de Júpiter  <ul><li>Júpiter é composto de um centro rochoso relativamente pequeno, imerso em hidrogênio metálic...
Anel de Júpiter <ul><li>Ao contrário dos intrincados e complexos padrões de anéis de Saturno, Júpiter tem um simples siste...
Satélites de Júpiter <ul><li>Júpiter tem inúmeros satélites naturais em torno de si. Em 15 de  Maio  de 2003, Scott Sheppa...
Exploração de Júpiter <ul><li>Júpiter é conhecido desde tempos remotos, visível a olho nu no céu da noite. Em 1610 Galileu...
<ul><li>Este trabalho foi elaborado por: </li></ul><ul><li>Jorge nº6 </li></ul><ul><li>Tiago nº21 </li></ul>
<ul><li>Fim </li></ul>
Escola E,B 2/3 de Nevogilde MATERIAIS  DE  LABORARÓRIO
Balão de decantação <ul><li>Usado para separar dois líquidos imiscíveis ou para adicionar gradativamente um líquido a outr...
Condensador <ul><li>Usados para promover a destilação condensando vapores quentes de um líquido em ebulição. É confecciona...
Usada em titulações é feita em vidro e possui  graduação que varia de 10ml a 100ml.  Bureta
Proveta <ul><li>Usada para medir volume de líquidos. </li></ul><ul><li>Pode ser de vidro ou plástico  </li></ul>
Pipetas <ul><li>Volumétrica e graduada:  </li></ul><ul><li>Usadas para medir volume </li></ul><ul><li>de líquidos. A volum...
Balão Volumétrico <ul><li>Usado para preparar </li></ul><ul><li>soluções. Variam de  </li></ul><ul><li>volumes de 1 ml a  ...
Suporte Universal <ul><li>em ferro é usado  </li></ul><ul><li>para dar suporte as  </li></ul><ul><li>vidrarias e sistemas ...
Fim <ul><li>Trabalho realizado por: </li></ul><ul><li>Pedro nº 15 </li></ul><ul><li>Pedro nº 16 </li></ul><ul><li>Tiago nº...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho De Físico- Quimica

8.175 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.175
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
51
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
77
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho De Físico- Quimica

  1. 1. Planeta Saturno
  2. 2. Saturno <ul><li>Saturno é o sexto planeta do Sistema Solar com uma órbita localizada entre as órbitas de Júpiter e Urano . É o segundo maior, após Júpiter dos planetas gigantes do sistema solar , porém o de menor densidade , tanto que se existisse um oceano grande o bastante, Saturno flutuaria nele. Seu aspecto mais característico é seu brilhante sistema de anéis, o único visível da Terra . Seu nome provém do deus romano Saturno. Faz parte dos denominados planetas exteriores </li></ul>
  3. 3. Origem do nome Saturno <ul><li>Devido a sua posição orbital mais distante que Júpiter os antigos romanos o outorgaram o nome do pai de Júpiter ao planeta Saturno. Na mitologia romana, Saturno era equivalente do antigo titán grego Cronos , deus do tempo. Cronos era filho de Urano e Gaia e governava o mundo dos deuses e dos homens devorando seus filhos ao nascerem para que não o destronassem. Zeus, conseguiu se esquivar deste destino e derrotou seu pai convertendo-se no deus supremo. </li></ul><ul><li>Os gregos e romanos, herdaram dos sumérios seus conhecimentos do céu, haviam estabelecido em sete o número de astros que se moviam no firmamento: o Sol , a Lua , e os planetas Mercúrio , Vénus , Marte , Júpiter e Saturno, as estrelas errantes que orbitavam em torno da Terra , centro do Universo . Dos cinco planetas, Saturno era o de movimento mais lento, levando uns trinta anos (29,457 anos) para completar sua órbita, quase o triplo que Júpiter (11,862 anos). Em relação a Mercúrio, Vénus e Marte a diferença é muito maior. Saturno se destacava por sua lentidão. Se Júpiter era Zeus , Saturno teria que ser Cronos, seu pai ancião, que passo a passo preambulava entre as estrelas. </li></ul>
  4. 4. As orbitas de Saturno <ul><li>Saturno gira em torno do Sol em uma distância media de 1.418 milhões de quilómetros em uma órbita de excentricidade 0.056, com um afélio a 1.500 milhões quilómetros e o periélio a 1.240 milhões quilómetros. Saturno esteve no periélio em 1974. O período da rotação em torno do sol completa a cada 29 anos e 167 dias, visto que seu Período sinódico se realiza de 378 dias, de modo que , a cada ano a oposição ocorre com quase duas semanas de atraso em relação ao ano anterior. O período da rotação em seu eixo é curto, de 10 horas, 14 minutos, com algumas variações entre o equador e os pólos. </li></ul>
  5. 5. Anéis de Saturno <ul><li>Os anéis de Saturno são constituídos essencialmente por uma mistura de gelo, poeiras e material rochoso. Embora possam atingir algumas centenas de milhares de quilómetros de diâmetro, não ultrapassam 1,5 km de espessura. A origem dos anéis é desconhecida. Originalmente pensou-se que teriam tido origem na formação dos planetas à cerca de 4 biliões de anos, mas estudos recentes apontam para que sejam mais novos, tendo apenas algumas centenas de milhões de anos </li></ul>
  6. 6. Satélites <ul><li>Saturno tem um grande número de satélites ou luas, o maior que todos os demais planetas. Seu satélites maiores, conhecidos antes do começo da exploração espacial são: Mimas , Encélado , Tético, Dione , Réia , Titã , Hiperion , Japeto e Febe . Encélado e Titã são mundos especialmente interessantes para os cientistas planetários, primeiramente pela existência de água líquida a pouca profundidade de sua superfície, com a emissão de vapor da água geyser . Em segundo porque possui uma atmosfera rica do metano, bem similar a da terra primitiva </li></ul>
  7. 7. Exploração espacial de Saturno <ul><li>Visto da terra , Saturno aparece como um objecto amarelado, um dos mais brilhantes no céu nocturno. Observado através de telescópio , o anel A e o B são vistos facilmente, no entanto, os anéis D e E são vistos somente em óptimas condições atmosféricas. Com telescópios de grande sensibilidade situados na Terra pode distinguir a névoa gasosa que envolve Saturno, dos pálidos cinturões e das estruturas de faixas paralelas ao equador . </li></ul>
  8. 8. Observação de Saturno <ul><li>Saturno é um planeta fácil de observar, porque é visível no céu na maioria das vezes e seu anel pode ser observado com qualquer telescópio. Pode ser observado melhor quando o planeta estiver próximo ou em oposição , isso é, a posição de um planeta quando está posicionada num ângulo de 180°, neste caso ele aparece oposto ao Sol no céu. Na oposição de 13 de Janeiro de 2005 , Saturno pode ser visto de uma forma que não se iguala até 2031 , devido ao sentido muito favorável dos seus anéis em relação a Terra . </li></ul><ul><li>Saturno é observado simplesmente no céu nocturno como um ponto luminoso brilhante (que não pisca) e amarelado, cujo brilho varia normalmente entre a magnitude de +1 e o 0. Leva aproximadamente 29 anos e meio para completar sua órbita em relação às estrelas da constelação que pertencem ao Zodíaco. Com apoio óptico, como binóculos grandes ou um telescópio, é necessário uma ampliação da imagem em pelo menos 20 vezes de maneira que a maioria das pessoas possa distinguir claramente os anéis de Saturno. </li></ul>
  9. 9. Saturno <ul><li>Distâncias médias ao sol: 1432 milhões de km. </li></ul><ul><li>Diâmetro: equatorial:120536km /polar:108728km. </li></ul><ul><li>Massa: 95,2m. </li></ul><ul><li>Período de rotação: 10,4 horas terrestres. </li></ul><ul><li>Período de translação: 29,4 anos terrestres. </li></ul><ul><li>Velocidade média: 9,6km/ s </li></ul><ul><li>Atmosfera: essencialmente hidrogénio (96%) hélio (3%), mas também vestígios de metano, amoníaco e vapor de água </li></ul><ul><li>Temperatura média: 180ºc. </li></ul><ul><li>Satélites: 43, sendo Titã o maior, e 24 deles com diâmetro inferior a 266km. </li></ul>
  10. 10. Saturno nas diversas culturas <ul><li>Na astrologia Hindu, são conhecidos nove planetas, como Navagraha . Conhecem Saturno como o San ou Shan , juiz entre todos os planetas e determina a trajectória de cada um, de acordo com seus próprios feitos, maus ou bons. </li></ul><ul><li>A cultura chinesa e Japão designa Saturno como a estrela da terra, dentro da cultura oriental tradicional de usar cinco elementos classificar os elementos naturais. </li></ul><ul><li>No hebraico, chamam Saturno de Shabbathai . Seu anjo é Cassiel . Sua inteligência, ou o espírito benéfico, são Agiel (layga), seu espírito (o aspecto mais escuro) é Zazel (lzaz). Para ver: Cabala . </li></ul><ul><li>Em Turco e Malayo, seu nome é Zuhal , removido do árabe زحل . </li></ul><ul><li>Saturno foi conhecido também como Φαίνων pelos Gregos </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Trabalho organizado por: </li></ul><ul><li>Pedro Joaquim nº15 </li></ul><ul><li>Pedro Joel nº 16 </li></ul>Fim
  12. 12. Júpiter
  13. 13. Características de Júpiter <ul><li>Júpiter é o quinto planeta mais próximo do Sol e é o maior no sistema solar. Se Júpiter fosse oco, caberiam mais de mil Terras no seu interior. Contém também mais matéria do que todos os outros planetas juntos. Tem uma massa de 1.9 x 10 27 kg e um diâmetro de 142,800 quilómetros (88,736 milhas) no equador. Júpiter tem 16 satélites, quatro dos quais - Calisto, Europa, Ganímedes e Io - foram observados por Galileu já em 1610. Tem um sistema de anéis, que é muito ténue e totalmente invisível visto da Terra. (Os anéis foram descobertos em 1979 pela Voyager 1.) A atmosfera é muito profunda, talvez compreendendo todo o planeta, e tem algumas semelhanças com a do Sol. É composta principalmente de hidrogénio e hélio, com pequenas porções de metano, amónia, vapor de água e outros componentes. A grande profundidade dentro de Júpiter, a pressão é tão elevada que os átomos de hidrogénio estão quebrados e os electrões estão livres, de tal modo que os átomos resultantes consistem de simples protões. Isto produz um estado em que o hidrogénio se torna metálico. </li></ul><ul><li>Faixas coloridas latitudinais, nuvens atmosféricas e tempestades ilustram o dinâmico sistema meteorológico de Júpiter. O padrão das nuvens mudam de hora para hora, ou de dia para dia. A Grande Mancha Vermelha é uma tempestade complexa que se move numa direcção anti-horária. Na borda, a matéria parece rodar em quatro a seis dias; perto do centro, o movimento é menor e numa direcção quase aleatória. Podem-se descobrir cadeias de outras tempestades mais pequenas e redemoinhos pelas diversas faixas de nuvens. </li></ul><ul><li>Foram observadas emissões aurorais, semelhantes às auroras boreais da Terra, nas regiões polares de Júpiter. As emissões aurorais parecem estar relacionadas a matéria de lo que cai na atmosfera de Júpiter, movendo-se em espiral segundo as linhas do campo magnético. Também foram observados relâmpagos luminosos acima das nuvens, semelhantes aos super-relâmpagos na alta atmosfera da Terra. </li></ul>
  14. 14. Atmosfera <ul><li>A atmosfera joviana é composta de aproximadamente 86% de hidrogénio, e 14% de hélio (pelo número atômico desses átomos , a composição atmosférica fica em torno de 76%/24% se considerarmos as massas, uma vez que o hidrogênio é mais leve que o hélio; com cerca de 1% da massa composta por outras substâncias menos significativas o interior do planeta contém mais substâncias densas, sendo a composição por volta de 71%/24%/5%). A atmosfera apresenta ainda traços de metano, vapor de água, amônia e substâncias sólidas. Há também quantidades desprezíveis de gás carbônico, etano, gás sulfídrico, neon, oxigénio e enxofre. Essa composição atmosférica é muito similar à composição da nebulosa solar. O planeta Saturno tem composiçao semelhante, mas Urano e Neptuno têm muito menos hidrogénio e hélio. A rotação da atmosfera superior de Júpiter não é constante em todos os seus pontos, um efeito notado primeiramente por Giovanni Domenico Cassini em 1690. A rotação da região polar da atmosfera do planeta é aproximadamente 5 minutos mais demorada do que na região equatorial da atmosfera. Além disso, grupos de nuvens em diferentes latitudes deslocam-se em diferentes direções, seguindo as correntes de vento. A interação desses padrões conflitantes de circulação causa t empestades e turbulência. A velocidade dos ventos pode atingir até 600 km/h. A camada mais alta da atmosfera contém cristais de amônia congelada. </li></ul>
  15. 15. Composição de Júpiter <ul><li>Júpiter é composto de um centro rochoso relativamente pequeno, imerso em hidrogênio metálico, o qual é circundado por uma camada de hidrogênio líquido, recoberta por sua vez de gás hidrogênio . Não há uma fronteira clara entre essas camadas de diferentes densidades de hidrogênio; as condições variam lentamente do gás até a camada sólida à medida que se aprofunda. </li></ul>
  16. 16. Anel de Júpiter <ul><li>Ao contrário dos intrincados e complexos padrões de anéis de Saturno, Júpiter tem um simples sistema de anéis que é composto por um halo interior, um anel principal e um anel Gossamer. Para a sonda Voyager, o anel Gossamer é visto como um único anel, mas o sistema de imagens da Galileo deu-nos a descoberta inesperada que Gossamer é na realidade dois anéis. Um anel está inserido no outro. Os anéis são muito ténues e são compostos por partículas de poeira formada de meteoróides interplanetários esmagados nas quatro luas interiores de Júpiter, Métis, Adrástea, Tebe e Amalteia. Muitas das partículas são de dimensões microscópicas O halo do anel interior é de forma toróide e estende-se radialmente desde cerca de 92,000 quilómetros (57,000 milhas) até cerca de 122,500 quilómetros (76,000 milhas) do centro de Júpiter. É formado por partículas finas de poeira dos limites interiores do anel principal espalhada para fora enquanto caía em direcção ao planeta. O anel principal e mais brilhante estende-se desde os limites do halo até cerca de 128,940 quilómetros (80,000 milhas) ou seja, mesmo junto ao limite interior da órbita de Adrástea. Perto da órbita de Métis, o brilho do anel principal diminui. </li></ul><ul><li>Os dois anéis fracos Gossamer são semelhantes na natureza. O anel interior Gossamer de Amalteia estende-se desde a órbita de Adrástea até à órbita de Amalteia a 181,000 quilómetros (112,000 milhas) do centro de Júpiter. O anel Gossamer de Tebe, mais fraco, estende-se desde a órbita de Amalteia até aproximadamente à órbita de Tebe a 221,000 quilómetros (136,000 milhas). </li></ul><ul><li>Os anéis e luas de Júpiter estão dentro de uma cintura de radiação intensa de electrões e iões capturados no campo magnético do planeta. Estas partículas e campos compõem a magnetosfera joviana ou ambiente magnético, que se estendem até 3 a 7 milhões de quilómetros (1.9 a 4.3 milhões de milhas) em direcção ao Sol, e se estica em forma de manga de vento até à órbita de Saturno - uma distância de 750 milhões de quilómetros (466 milhões de milhas). </li></ul>
  17. 17. Satélites de Júpiter <ul><li>Júpiter tem inúmeros satélites naturais em torno de si. Em 15 de Maio de 2003, Scott Sheppard publicou no jornal Nature a descoberta de 23 novos satélites de Júpiter. Isso aumentou o total de satélites conhecidos para 61. Hoje, Júpiter tem 63 satélites conhecidos. </li></ul><ul><li>Nomes de alguns satélites naturais de Jupiter </li></ul><ul><li>Métis, Adrasteia, Amalteia, Tebe, Io, Europa, Ganímedes, Calisto ou Calixto, Temisto, Leda, Himalia, Lisiteia, Elara, S/2000 J 11, Carpo, S/2003 J 12, Euporia,S/2003 J 3, S/2003 J 18, Telxinoe ou Telxinoi, Euante, Helique, Ortósia, Locasta, S/2003 J 16, Ananque ou Ananke, Praxidique, Harpalique, Hermipe, Tione, Mneme, S/2003 J 17, Aitne, Cale, Taigente, S/2003 J 19 Caldene,S/2003 J 15, S/2003 J 10,S/2003 J 23, Erinome, Aoede, Calicore, Calique, Euridone, S/2003 J 14, Pasite, Cilene, Euquelada, S/2003 J 4, Hegemone, Arque, Carme, Isonoe, S/2003 J 9, S/2003 J 5, Pasife ou Pasifeia, Sinone, Esponde, Autone, Caliroe, Megaclite, S/2003 J 2 </li></ul>
  18. 18. Exploração de Júpiter <ul><li>Júpiter é conhecido desde tempos remotos, visível a olho nu no céu da noite. Em 1610 Galileu Galileia descobriu as quatro maiores luas de Júpiter usando um telescópio, a primeira observação de luas que não fossem a da Terra. </li></ul><ul><li>Algumas sondas visitaram Júpiter, todas elas de origem estado-unidense. A Pioneer 10 voou por Júpiter em Dezembro de 1973, seguida pela Pioneer 11 exactamente um ano depois. A Voyager voou por lá em Março de 1979, seguida pela Voyager 2 em Julho do mesmo ano. A sonda Galileu ficou em órbita em Júpiter em 1995, enviando uma subsonda na atmosfera de Júpiter conduzindo multiplos voos por todas as luas de Galileu. A sonda Galileu também presenciou o impacto do Cometa Shoemaker-Levy 9 em Júpiter, enquanto ele se aproximava do planeta em 1994, dando uma vantagem única para este evento espectacular. </li></ul><ul><li>Depois da descoberta de um oceano líquido na lua de Júpiter Europa no final da sonda Galileu, que saiu de órbita em Setembro de 2003, a NASA está planejando uma missão dedicada para as luas congeladas. Espera-se que JIMO, o Orbitador das Luas congeladas de Júpiter ( Jupiter Icy Moons Orbiter ), seja lançado depois de 2012. </li></ul>
  19. 19. <ul><li>Este trabalho foi elaborado por: </li></ul><ul><li>Jorge nº6 </li></ul><ul><li>Tiago nº21 </li></ul>
  20. 20. <ul><li>Fim </li></ul>
  21. 21. Escola E,B 2/3 de Nevogilde MATERIAIS DE LABORARÓRIO
  22. 22. Balão de decantação <ul><li>Usado para separar dois líquidos imiscíveis ou para adicionar gradativamente um líquido a outro recipiente. Pode ser de vidro ou plástico. </li></ul>
  23. 23. Condensador <ul><li>Usados para promover a destilação condensando vapores quentes de um líquido em ebulição. É confeccionada em vidro do tipo PIREX (resistente ao calor) </li></ul>
  24. 24. Usada em titulações é feita em vidro e possui graduação que varia de 10ml a 100ml. Bureta
  25. 25. Proveta <ul><li>Usada para medir volume de líquidos. </li></ul><ul><li>Pode ser de vidro ou plástico </li></ul>
  26. 26. Pipetas <ul><li>Volumétrica e graduada: </li></ul><ul><li>Usadas para medir volume </li></ul><ul><li>de líquidos. A volumétrica </li></ul><ul><li>mede precisamente com um </li></ul><ul><li>erro de (geralmente) 0,01mL </li></ul><ul><li>e a graduada com um erro de </li></ul><ul><li>geralmente 0,05. São de vidro </li></ul><ul><li>e não podem ser aquecidas </li></ul><ul><li>pois perdem a precisão. </li></ul>
  27. 27. Balão Volumétrico <ul><li>Usado para preparar </li></ul><ul><li>soluções. Variam de </li></ul><ul><li>volumes de 1 ml a </li></ul><ul><li>cerca de 8 L. </li></ul>
  28. 28. Suporte Universal <ul><li>em ferro é usado </li></ul><ul><li>para dar suporte as </li></ul><ul><li>vidrarias e sistemas </li></ul><ul><li>do laboratório </li></ul>
  29. 29. Fim <ul><li>Trabalho realizado por: </li></ul><ul><li>Pedro nº 15 </li></ul><ul><li>Pedro nº 16 </li></ul><ul><li>Tiago nº 22 </li></ul>

×