Conselho de Classe e Série:  algumas considerações
Organização do Ensino na Rede              Estadual• LDB - 9.394 de 20/12/96 – atualiza as Normas  Regimentais Básicas.• C...
Conselho de Classe e Série• Colegiado responsável pelo processo coletivo  de avaliação do ensino e da aprendizagem. É  for...
Objetivos do Conselho de Classe/série• Discutir o processo de ensino e aprendizagem  e o desempenho do aluno nas avaliaçõe...
• Disciplinar o acompanhamento e a verificação  do desempenho escolar do aluno ou do  trabalho desenvolvido pela escola, e...
O papel da avaliação“A avaliação escolar, hoje, só faz sentido se tiver o intuitode buscar caminhos para a melhor aprendiz...
“Há uma relação intrínseca entre ensino eavaliação na medida em que não dá para ensinarautenticamente sem avaliar: se o co...
Visão distorcida da avaliação• Atribuição de conceito ao aluno para verificar  se ele tem ou não condições de ser promovid...
• Tanto o discurso como a prática de muitosdocentes são construídos como se a incapacidadecognitiva fosse inerente ao alun...
• Carmem Lucia Guimarães de Matos formula  uma hipótese no texto “O Conselho de Classe  e a construção do fracasso escolar...
• Em vez de fornecer informações sobre como o  aluno está avançando em seu processo de  apropriação e construção do conhec...
Rótulos que aparecem no          Conselho de ClasseSobre as causas:• Excesso de ausências;• Falta de pré-requisitos;• Falt...
Soluções:• Compensação de ausências;• Aconselhamento ao aluno;• Conversa com os pais;• Recuperação paralela.
• A impressão que nos dá é a de que as causas  prováveis do mau aproveitamento e as  propostas de solução são, em grande m...
• O Conselho de Classe somente ganhará  sentido se vier a se configurar como espaço  não só possibilitador da análise do  ...
• O Conselho de Classe participativo deve  propor rumos para a ação, rompendo-se com  as finalidades classificatória e sel...
• Para que isso se efetive é preciso haver uma  intencionalidade comum entre os agentes da  organização escolar, represent...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Conselho de classe_e_serie

1.658 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.658
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
45
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conselho de classe_e_serie

  1. 1. Conselho de Classe e Série: algumas considerações
  2. 2. Organização do Ensino na Rede Estadual• LDB - 9.394 de 20/12/96 – atualiza as Normas Regimentais Básicas.• CEE - Parecer 67/98 estabelece as Normas Regimentais gerais para o funcionamento das escolas estaduais.• Diretrizes da Gestão Democrática são expressas no Regimento escolar e definem a organização e o funcionamento dos colegiados e instituições escolares.
  3. 3. Conselho de Classe e Série• Colegiado responsável pelo processo coletivo de avaliação do ensino e da aprendizagem. É formado por todos os professores da classe/série e alunos de cada classe.
  4. 4. Objetivos do Conselho de Classe/série• Discutir o processo de ensino e aprendizagem e o desempenho do aluno nas avaliações escolares, inclusive nos processos de recuperação, com a finalidade de atribuir um parecer global para o desempenho do aluno.• Identificar os problemas tanto do aluno quanto da escola e buscar formas de superação das dificuldades identificadas.
  5. 5. • Disciplinar o acompanhamento e a verificação do desempenho escolar do aluno ou do trabalho desenvolvido pela escola, em relação aos objetivos estabelecidos na Proposta Pedagógica.• Contemplar os processos de avaliação do ensino e da aprendizagem e da avaliação institucional de forma externa e interna.
  6. 6. O papel da avaliação“A avaliação escolar, hoje, só faz sentido se tiver o intuitode buscar caminhos para a melhor aprendizagem.” Jussara Hofman“O professor deve ser um organizador, que vai limitar asdificuldades e, em consequência, reduzir os erros,permitindo aos alunos fazer sempre tentativasinteligentes que lhes permitirão realmente aprender. Oprofessor inteligente é aquele que confia na inteligênciade cada um em sua turma.” Charles Hadji
  7. 7. “Há uma relação intrínseca entre ensino eavaliação na medida em que não dá para ensinarautenticamente sem avaliar: se o conhecimentonovo se dá a partir do conhecimento prévio, aprimeira coisa a se fazer no ensino é investigar oconhecimento anterior dos alunos. Neste sentido, aavaliação está intimamente imbricada no processode ensino. [...] A avaliação vai se incorporando aotrabalho mesmo de sala de aula, pois o melhormétodo de avaliação é o método de ensino.” (Vasconcellos)
  8. 8. Visão distorcida da avaliação• Atribuição de conceito ao aluno para verificar se ele tem ou não condições de ser promovido.• Atribuição de critérios extraescolares na avaliação do aluno, dentre os quais causas psicológicas para o fraco desempenho escolar, dificuldades familiares ou mesmo condição socioeconômica.
  9. 9. • Tanto o discurso como a prática de muitosdocentes são construídos como se a incapacidadecognitiva fosse inerente ao aluno. Afirmações dotipo: “ele não aprende”, “não consegueaprender”, “tem um bloqueio”, “não teminteresse” são correntes nas reuniões doConselho de Classe.
  10. 10. • Carmem Lucia Guimarães de Matos formula uma hipótese no texto “O Conselho de Classe e a construção do fracasso escolar” para explicar tal procedimento. O objetivo implícito seria o de tornar mais fáceis as péssimas condições materiais e/ ou institucionais da escolas, o que permitiria eximir os docentes da culpa, aliviando a tensão da prática em condições tão drásticas, para as quais não se sentem armados intelectual e materialmente.
  11. 11. • Em vez de fornecer informações sobre como o aluno está avançando em seu processo de apropriação e construção do conhecimento, os professores acabam apenas rotulando os alunos num ritual burocrático, como se fizessem parte de um julgamento, cujo foco são os juízos de valores.• A análise e reflexão coletiva do trabalho escolar e do processo de avaliação devem encaminhar o diagnóstico das necessidades, o estabelecimento de prioridades e propostas de ação capazes de garantir o crescimento do aluno. Ação – reflexão – ação
  12. 12. Rótulos que aparecem no Conselho de ClasseSobre as causas:• Excesso de ausências;• Falta de pré-requisitos;• Falta de cumprimento das tarefas escolares;• Aluno irrequieto;• Falta de interesse.
  13. 13. Soluções:• Compensação de ausências;• Aconselhamento ao aluno;• Conversa com os pais;• Recuperação paralela.
  14. 14. • A impressão que nos dá é a de que as causas prováveis do mau aproveitamento e as propostas de solução são, em grande medida, rótulos registrados em uma ficha para atender as exigências burocráticas, com pouca consequência prática no sentido do aperfeiçoamento do ensino ou de um tratamento mais apropriado a cada caso.
  15. 15. • O Conselho de Classe somente ganhará sentido se vier a se configurar como espaço não só possibilitador da análise do desempenho do aluno, mas também do desempenho da escola, de forma conjunta e cooperativa pelos que integram a organização escolar .
  16. 16. • O Conselho de Classe participativo deve propor rumos para a ação, rompendo-se com as finalidades classificatória e seletiva a que tem servido.
  17. 17. • Para que isso se efetive é preciso haver uma intencionalidade comum entre os agentes da organização escolar, representativa de um projeto comum de trabalho com base em princípios comuns e relações compartilhadas .

×