Conceitos fundamentais _educação_ensino...stela miller

1.752 visualizações

Publicada em

Professora Stella Miller - UNESP Marília - SP

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.752
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.128
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conceitos fundamentais _educação_ensino...stela miller

  1. 1. Conceitos fundamentais para aConceitos fundamentais para aprática pedagógicaprática pedagógica(séries iniciais – E.F.)(séries iniciais – E.F.)Profa. Stela MillerUNESP – MARÍLIA2013
  2. 2. EducaçãoEducação(Teoria Histórico-Cultural)(Teoria Histórico-Cultural)Processo pelo qual a criança estrutura suaexperiência individual à medida que se apropriados conteúdos culturais acumulados sócio-historicamente pela humanidade (a apropriação dosaber elaborado propicia o desenvolvimento dasformas superiores da conduta humana e aconstituição do pensamento).
  3. 3. Há dois canais de desenvolvimento das condutassuperiores do homem:1- processos de domínio dos meios externos dodesenvolvimento cultural e do pensamento: alinguagem, a escrita, o cálculo, o desenho.2- processo de desenvolvimento das funçõespsíquicas superiores como atenção voluntária,memória lógica, raciocínio lógico, formação deconceitos, etc.
  4. 4. EnsinoEnsinoProcesso organizado pelo professor que visaao envolvimento dos educandos ematividades pelas quais adquiremconhecimentos e desenvolvem suashabilidades, hábitos, valores, aptidões ecapacidades em níveis cada vez maisadiantados de desenvolvimento (dodesenvolvimento cultural e das funçõespsicológicas superiores) .
  5. 5.  O ensino escolar organiza-se visando aoprocesso de humanização (educação) pormeio de:(a) adequado contexto sócio-cultural;(b) sua organização (material e não-material);(c) interações humanas promovidas nessecontexto.
  6. 6. As Funções Psicológicas Superiores do aluno(atributos superiores especificamentehumanos) se manifestam primeiramentecomo conduta coletiva (cooperação entrepessoas); só depois se convertem em funçõesindividuais, internas, da criança.
  7. 7. Esse processo de desenvolvimento é mediadopelos signos; a mais significativa é a Mediação dapalavra (ou um substituto dela), que possibilita asinterações sociais em sala de aula e pela qual sedão os processos de internalização dosconhecimentos e de constituição do pensamento.
  8. 8. AprendizagemAprendizagemNesse processo de interação, o professororienta a atividade do educando. Por meiodela ocorre a aprendizagem compreendidaem termos da apropriação dos objetosculturais que, ao serem internalizados porele, transformam-se em propriedadesinternas de seu desenvolvimento.
  9. 9. Esse processo está condicionado pelas vivênciasdo educando (entendendo vivência como aunidade explicativa do desenvolvimentopsicológico da criança, pela qual ela interpreta assituações que acontecem em seu entorno).
  10. 10. LinguagemLinguagemLinguagem é um instrumento deinteração que transforma as pessoasenvolvidas em sujeitos históricos, que seinfluenciam reciprocamente no contexto dasrelações sociais das quais participam.
  11. 11. A interação acontece no momento em que seencontram falante/ouvinte, autor/leitor,intermediados pelos mais variados gênerostextuais.Na linguagem escrita esses gêneros são expressospor diferentes registros e veiculados por meio dedistintos suportes que são produzidos ao longo dahistória.
  12. 12. Aprender a linguagem escrita (tanto naprodução como na recepção) supõe dominaresse processo de interlocução, marcado pelocontexto sócio-histórico, cujo produto — otexto — cumpre uma função social e seorganiza linguisticamente conformeexigências que lhe são próprias.
  13. 13. EscritaEscritaEscrever é produzir um determinado gênerode texto, com unidade de significação, demodo a estabelecer um processo interativoentre o autor e o leitor de seu texto.
  14. 14. Essa interação supõe um distanciamento entresujeitos, uma vez que o processo de produção sefaz em espaços e tempos diferentes daqueles quecaracterizam o processo de recepção.A interlocução se dá no exato momento em quese encontram autor e leitor, por meio dos maisvariados gêneros de textos.
  15. 15. Para que o aluno não seja apenas um enunciadorde discursos alheios, mas um sujeito-autor, énecessário ele “possa experimentar práticas quefaçam com que ele tenha o controle dosmecanismos com os quais está lidando quandoescreve”. E isso vai muito além do aprendizado docódigo de representação de uma língua.(ORLANDI, 1988, p.80),
  16. 16. Produção escrita: projeto para aprenderProdução escrita: projeto para aprendera escrever textos.a escrever textos.As etapas principais de um projeto para aprender aescrever diferentes tipos de textos resumem-se em:(1) discutir com os alunos a organização dasatividades do projeto para a elaboração doplano de ação;(2) realizar leituras de textos selecionados(do gênero que se quer ensinar) para aanálise de sua estrutura;
  17. 17. (3) produzir texto escrito (individualmente)levando em consideração os estudos anteriores;(4) fazer reescritas (individuais) parciais do textoescrito tomando por base certos níveis deconceitos linguísticos considerados importantespara o trabalho em questão;
  18. 18. (5) fazer reescrita (individual) final do texto;(6) avaliar(7) providenciar edição (qualquer que seja suaforma de veiculação).
  19. 19. LeituraLeituraRestringindo o conceito de leitura ao material escrito, leré compreender um texto, é o processo que permite aoleitor construir para ele texto/leitor uma significação,lançando mão de todos os indícios presentes no textoimpresso e de todas as experiências já adquiridas comoleitor.“Ler é atribuir diretamente um sentido a algo escrito”sem passar pela decifração nem pela oralização.(JOLIBERT e col., 1994, v. 1, p.15)
  20. 20. O trabalho do professor com aO trabalho do professor com aleitura:leitura:lê em sala de aula diferentes gêneros detextos em diferentes suportes: livros, jornais,revistas...informa sobre leituras: onde buscar leituras,o que buscar nelas, como;conduz os alunos, sistematicamente, àbiblioteca escolar (eventualmente outras);
  21. 21. organiza rodas de leitura em sala de aula;organiza a retirada de livros pelos alunospara leitura fora da escola;ensina os alunos a ler os diferentes tipos detextos em sala de aula.
  22. 22. Leitura: um questionamento deLeitura: um questionamento detextostextosNo encontro entre escritor e leitor, o textopode ser lido levando em conta a seguintesequência:1- os alunos lêem de forma silenciosa, a fim deque sejam construídas as primeirasaproximações ao sentido do texto;
  23. 23. 2- os alunos, com a orientação do professor,fazem o questionamento do texto, entendidocomo “uma elaboração ativa de significadofeita pelo leitor a partir de indícios diversos,de acordo com o que está procurando numtexto para responder a um de seus projetos”(JOLIBERT, 1994, v. 1, p.149);
  24. 24. 3- o professor, diante das proposições dosalunos, ajuda-os a encontrarem o sentido para otexto, concordando, discordando, informando,indagando, enfim, explorando de formainterativa e dinâmica, todos os níveis deelaboração do texto em jogo: seu contexto, suaforma de estruturação, a lingüística do texto, dafrase e da palavra.4- em conjunto, professor e alunos fazem asíntese das idéias do texto;5- por fim, fazem a sistematização do que foiaprendido durante a leitura.
  25. 25. AlfabetizaçãoAlfabetizaçãoÉ o processo que implica o ensino e aaprendizagem da leitura e da escrita (vivênciade atos de leitura de textos e de atos deescrita de textos) desenvolvido de tal formaque possibilite ao educando a compreensãoda natureza da linguagem escrita e a utilizaçãodos mecanismos que lhe permitam exercersuas funções de autor e de leitor de textos.
  26. 26. ReferênciasReferênciasJOLIBERT, Josette e col. Formando criançasleitoras. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.v.1.ORLANDI, E. P. Discurso e leitura. São Paulo:Cortez; Campinas: Editora da UniversidadeEstadual de Campinas, 1988.
  27. 27. VIGOTSKI, L. S. Quarta aula: a questão domeio na pedologia. Tradução de MárciaPillegi Vinha. Psicologia USP, São Paulo, 2010,21(4), 681-701.VYGOTSKI, L. S. Obras Escogidas. 2.ed.Madrid: Aprendizage/Visor, 2000, v. 3.

×