Monitor:
Rodolfo Caravana Garcia R. de Carvalho
Orientadora: Ceila Maria Ferreira
Projeto: GCLP0003
Quem aqui fez
doutorado?
E mestrado?
E graduação?
E o que teses,
dissertações e
monografias,
de todas as áreas,
têm em comum?
Livros!
É preciso que os alunos e
pesquisadores, não só de
Letras, tenham em mente que,
para que um trabalho sério
seja feito com ...
Exemplo: Papeis Avulsos, de
Machado de Assis



 Avulsos são eles, mas não vieram para aqui como passageiros, que
acerta...
A que a matéria se propõe:
quebrar a visão, no
aluno, de que um texto é
sempre um só. Não é.
E que o trabalho do filólogo ...
Porém...

... a disciplina Crítica Textual
já apresenta um desafio no
próprio nome, sendo Crítica
Textual, Filologia e Ec...
Em primeiro lugar,
diferencia-se a
Crítica Textual Antiga,
cujo objetivo principal é a
reconstituição do texto-base, do
or...
Crítica Textual Moderna
devido à abundância de originais*



*(entendidos como os manuscritos autógrafos e o texto final ...
Filologia

também tem vários significados, desde suas raízes
gregas (“amigo do conhecimento”; phílos + lógos)
Pode ser:

...
Ecdótica

Pode ser:
Edição de textos;
Preparação de textos para edição (melhor
forma para serem editados);
Edição de t...
Uma possível
abordagem, usada na
UFF, por exemplo, liga a
Filologia à Crítica
Textual, entendendo-a como o
estudo do proce...
Ainda:

 Sendo a Filologia uma ciência que
estuda textos e a Linguística uma
ciência que estuda a língua, elas podem
ser...
“estudiosos que operam sobre o texto
escrito [e] se contentam [com] a
primeira edição que lhes cai na mão,
quando não esco...
Blog Crítica Textual UFF
http://criticatextualuff.blogspot.com.br/


Blog Crítica Textual UFF

http://criticatextualuff.blogspot.com.br/



 Bibliografia
 Ementas das disciplinas
 Textos ...
Bibliografia

 CAMBRAIA, César Nardelli. Introdução à Crítica Textual. São Paulo:
Martins Fontes, 2005.
 AZEVEDO FILHO,...
Desafios para o ensino de Crítica Textual e Filologia
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Desafios para o ensino de Crítica Textual e Filologia

1.624 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.624
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
383
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Desafios para o ensino de Crítica Textual e Filologia

  1. 1. Monitor: Rodolfo Caravana Garcia R. de Carvalho Orientadora: Ceila Maria Ferreira Projeto: GCLP0003
  2. 2. Quem aqui fez doutorado? E mestrado? E graduação?
  3. 3. E o que teses, dissertações e monografias, de todas as áreas, têm em comum? Livros!
  4. 4. É preciso que os alunos e pesquisadores, não só de Letras, tenham em mente que, para que um trabalho sério seja feito com um texto, é preciso que esse texto também tenha sido seriamente trabalhado
  5. 5. Exemplo: Papeis Avulsos, de Machado de Assis   Avulsos são eles, mas não vieram para aqui como passageiros, que acertam de entrar na mesma hospedaria. São pessoas de uma só família, que a obrigação do pae fez sentar á mesma mesa. (respeito)  pae = pai (grafia atualizada)  MACHADO DE ASSIS. Papeis Avulsos. Rio de Janeiro: Typographia e Lithographia a vapor, Encadernação e Livraria Lombaerts & C., 1882.  Avulsos são eles mas não vieram para aqui como passageiros que acertam de entrar na mesma hospedaria. São pessoas de uma só família que a obrigação do pâo fez sentar á mesma meza. (ganância)  MACHADO DE ASSIS. Papeis Avulsos. Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre: W. M. Jackson Inc. Editores, 1937.
  6. 6. A que a matéria se propõe: quebrar a visão, no aluno, de que um texto é sempre um só. Não é. E que o trabalho do filólogo / crítico textual é de fundamental importância para todas as ciências (principalmente as ciências humanas): se um texto qualquer estiver incorreto, com partes faltando, palavras trocadas, as conclusões alcançadas serão igualmente incorretas.
  7. 7. Porém...  ... a disciplina Crítica Textual já apresenta um desafio no próprio nome, sendo Crítica Textual, Filologia e Ecdótica termos polissêmicos.
  8. 8. Em primeiro lugar, diferencia-se a Crítica Textual Antiga, cujo objetivo principal é a reconstituição do texto-base, do original, geralmente perdido ou bastante fragmentado através de vários séculos ou milênios, da Crítica Textual Moderna.
  9. 9. Crítica Textual Moderna devido à abundância de originais*  *(entendidos como os manuscritos autógrafos e o texto final de uma obra) Pode ser: Aproxima-se  Visa o estabelecimento deste texto final, da última versão feita pelo autor;  Visa analisar seu processo de produção e distribuição, sua historicidade;  ...entre outras acepções.  Aproxima-se de uma concepção de Ecdótica.  Aproxima-se de uma concepção de Filologia.
  10. 10. Filologia também tem vários significados, desde suas raízes gregas (“amigo do conhecimento”; phílos + lógos) Pode ser:   O estudo global de uma língua e sua cultura (a Filologia Germânica ou Românica, por exemplo);  O estudo de toda a produção textual de uma determinada língua e o processo histórico dessa língua;  ...entre outras acepções.
  11. 11. Ecdótica  Pode ser: Edição de textos; Preparação de textos para edição (melhor forma para serem editados); Edição de textos a partir da crítica textual; Crítica Textual mesmo. ...entre outras acepções.
  12. 12. Uma possível abordagem, usada na UFF, por exemplo, liga a Filologia à Crítica Textual, entendendo-a como o estudo do processo de produção e distribuição de um texto, assim como sua trajetória histórica.
  13. 13. Ainda:   Sendo a Filologia uma ciência que estuda textos e a Linguística uma ciência que estuda a língua, elas podem ser usadas como auxiliares uma da outra, dada a proximidade e sinergia de seus objetos de estudos.  Não devem ser confundidas, porém, como às vezes acontece.
  14. 14. “estudiosos que operam sobre o texto escrito [e] se contentam [com] a primeira edição que lhes cai na mão, quando não escolhem especificamente a mais portátil e barata” - Ivo Castro
  15. 15. Blog Crítica Textual UFF http://criticatextualuff.blogspot.com.br/ 
  16. 16. Blog Crítica Textual UFF http://criticatextualuff.blogspot.com.br/   Bibliografia  Ementas das disciplinas  Textos sobre a matéria  Links interessantes  Novidades  ...e muito mais!
  17. 17. Bibliografia   CAMBRAIA, César Nardelli. Introdução à Crítica Textual. São Paulo: Martins Fontes, 2005.  AZEVEDO FILHO, Leodegário. A Base Teórica de Crítica Textual. 2ª ed. Rio de Janeiro: H. P. Comunicação, 2004.  CASTRO, Ivo. Miscelânea de Estudos Linguísticos, Filológicos e Literários in Memoriam Celso Cunha. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995, pp. 511-520.  BRAGANÇA JÚNIOR, Á. A. “Filologia e Medievística germânicas metodológico-práticas”. Semana de Filologia na USP, 2007, São Paulo. Anais... São Paulo: Serviço de Divulgação e Informação, FFLCH, 2007. v. 1. p. 11-27.  CARVALHO E SILVA, Maximiano de. Crítica Textual: Conceito – Objeto – Finalidade. In: <http://maximianocsilva.pro.br/doc7.htm > (acesso em 25/09/2013).

×