SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
PRINCÍPIOS DE QUÍMICA INORGÂNICA
GEOMETRIA E ISOMERIA
Universidade Federal da Paraíba
Centro de Ciências Exatas e da Natureza
Departamento de Química
Prof. Dr. Ary da Silva Maia
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
• Definições Importantes:
– Número de Coordenação:
• Quantidade de ligantes coordenados ao metal ou íon
metálico na esfera de coordenação.
• Podem variar de algumas poucas unidades até 12.
• Em algumas situações o número de coordenação não é
evidente pela composição do sólido. Exemplo:
– DRX do CoCl2.6H2O identifica o complexo neutro
[Co(Cl)2(OH2)4] e duas moléculas de água não coordenadas que
ocupam posições bem definidas no cristal (água de
cristalização).
Março/2010 2Prof. Dr.Ary Maia
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
– Complexo de Esfera Interna x Complexo de Esfera
Externa :
• Cátions complexos podem se associar eletrostaticamente
a ligantes aniônicos (e por interações fracas às moléculas
do solvente), sem deslocar os ligantes já presentes.
• Exemplo:
Março/2010 3Prof. Dr.Ary Maia
[Mn(OH2)6]2+ e SO4
2-
{[Mn(OH2)6]2+SO4
2-} [Mn(OH2)5 SO4]
A concentração no equilíbrio do complexo de esfera externa pode,
dependendo da concentração, exceder a do complexo de esfera interna.
Complexo de Esfera Externa Complexo de Esfera Interna
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
– Fatores que afetam o Número de Coordenação:
• Tamanho do átomo ou íon central:
– Raios maiores favorecem números de coordenação maiores.
– Elementos situados à esquerda de um período apresentam íons maiores (Logo
NC maiores).
• Interações espaciais entre os ligantes:
– Ligantes volumosos resultam em números de coordenação menores, ainda mais
se forem carregados.
• Interações eletrônicas entre o átomo ou o íon central e os
ligantes:
– Elementos situados à esquerda de um período apresentam poucos elétrons na
sua configuração o que significa poder receber mais elétrons das bases de
Lewis. Ex. [Mo(CN)8]4-.
– Ligantes que podem formar ligações múltiplas com o átomo ou íon central
tendem a gerar NC menores (Ex. MnO4
- e CrO4
-).
Março/2010 4Prof. Dr.Ary Maia
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
• Geometria:
– A partir do NC de um complexo é possível
prever sua geometria, mas de forma mais
precisa, esta pode variar com:
• efeitos estéricos (espaciais) relacionados às
repulsões entre os ligantes e entre os pares
eletrônicos de valência.
• fatores relacionados com a estabilização do
complexo, os quais dependem do NOX do metal, do
número de elétrons d no metal e da natureza dos
ligantes.
Março/2010 5Prof. Dr.Ary Maia
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
• Efeitos estéricos:
Março/2010 6Prof. Dr.Ary Maia
FORMA GEOMETRIA FORMA GEOMETRIA
X-A-X Linear AX5 Bipiramidal trigonal
X=A=X Linear :AX4
Gangorra ou sela ou
tetraédrica distorcida
XA-X Linear :ÄX3 Forma de T
AX3 Trigonal planar :ÄX2 Linear
:AX2 Angular em V AX6 Octaédrica
AX4 Tetraédrica :AX5 Pirâmide de base quadrada
:AX3 Piramidal :ÄX4 Quadrada planar
:ÄX2 Angular em V
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
• Geometria (Continuação):
– Se o átomo ou íon central tem a configuração de gás nobre
ou tem orbitais d completos (d10) a previsão da geometria
pode ser feita baseada apenas na consideração dos efeitos
estéricos.
– Os números de coordenação encontrados nos complexos do
bloco d estão entre 2-8, sendo os mais freqüentes 4 e 6. Têm
sido encontrados números maiores como 9, 10 e 12.
Exemplo: ReH9
2-.
– Nos lantanídeos e actinídeos ocorrem números de
coordenação variando de 6 a 12, sendo os mais freqüentes
entre 7 e 9. Números de coordenação maiores como 10 e 12
ocorre com íons pequenos e bidentados como o nitrato.
Março/2010 7Prof. Dr.Ary Maia
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
• Geometria (Continuação):
– Os metais para apresentarem números de coordenação
maiores devem ter uma razão carga/raio que possibilite
fortes ligações metal-ligante e ao mesmo tempo minimize as
repulsões ligante-ligante.
– Assim da elevada razão carga/raio, as ligações metal-ligante
podem ser fortes em decorrência de outros fatores tais como
número de elétrons d e da natureza do ligante.
Março/2010 8Prof. Dr.Ary Maia
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
• Constituição e Geometria:
– Números de Coordenação Baixos:
• Compostos bicoordenados  Cu+1,Ag+1 , Au+1 , Hg+2.
• Adquirem ligantes adicionais (quando em excesso) para formação de
complexos tri e tetracoordenados.
• Exemplos: [AgCl2]-1, [HgMe2], CuCN (polímero de cadeia linear,
com NC=2  -Cu-CN-Cu-CN-).
– NC = 4:
• Podem apresentar geometria tetraédrica ou quadrada planar.
• Para átomo ou íon central pequeno ou ligantes grandes há
favorecimento de complexos tetraédricos.
• Exemplos: [BF4]-, [Ni(CO)4], [Zn(NH3)4]2+
• Configurações eletrônicas d8 e s1d7 induzem a geometria quadrada
planar.
• Exemplos: [Pt(NH3)4]2+, [PdCl4]2-, [Ir(CO)Cl(PΦ3)2]
Março/2010 9Prof. Dr.Ary Maia
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
• Constituição e Geometria:
– NC=5:
• Complexos com geometria limite entre piramidal quadrática e
bipiramidal trigonal.
• Pouca diferença de energia entre as formas.
• O [Ni(CN)5]3- pode se apresentar na duas
formas.
• Em solução, com ligante monodentados, estes
complexos são altamente fluxionais (contercer
em diferentes formas)  Pseudo-rotação de
Berry.
Março/2010 10Prof. Dr.Ary Maia
Química Inorgânica – Shriver, D. , Atkins, P. et al. – 4ª Ed. – Porto Alegre (2008)
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
• Constituição e Geometria:
– NC=6:
• Grande maioria dos complexos.
– Estrutura sem distorções  arranjo octaédrico regular (Oh)
• Podem apresentar algumas pequenas distorções:
– Distorção Tetragonal (D4h):
» Mais comuns.
» 2 ligantes trans ao longo de um eixo.
» Efeito Jahn-Teller.
– Distorção Rômbica (D2h):
» 2 Pares de ligantes trans, um mais afastado
um mais próximo.
– Distorção Trigonal: (D3d):
» Faces opostas do octaédrico se afastam.
– Distorção Prismática (D3h):
» Muito raros.
Química Inorgânica – Shriver, D. , Atkins, P. et al. – 4ª Ed. – Porto
Alegre (2008)
Março/2010 11Prof. Dr.Ary Maia
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
• ISOMERIA:
– Fórmula Molecular não é suficiente para identificar um
composto, sem ambiguidade – Há isomeria:
• Isomeria de Ligação:
– Um ligante pode se ligar através de
diferentes átomos.
– Ex.: [Co(NO2)(NH3)5]2+ Isômero vermelho
(ligação nitrito) e isômero amarelo (ligação
nitro).
Química Inorgânica – Shriver, D. , Atkins, P. et al. – 4ª
Ed. – Porto Alegre (2008)
• Isomeria de Ionização:
– Um ligante e um contra-íon trocam de lugar em um composto.
– Ex.: [Pt(NH3)4Cl2]Br2 e [Pt(NH3)4Br2]Cl2
– Se os sais complexos são solúveis a diferenciação pode se fazer através da
identificação do íon livre em solução (Br- ou Cl- no exemplo anterior).
Março/2010 12Prof. Dr.Ary Maia
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
• ISOMERIA (cont.):
• Isomeria de Hidratação:
– Parecido com Isomeria de Ionização, mas ocorre quando um dos ligantes é a água.
– Ex.: Composto com fórmula molecular CrCl3.6H2O – 3 isômeros diferentes:
» [Cr(H2O)6]Cl3  VIOLETA
» [Cr(H2O)5Cl]Cl2.H2O  VERDE PÁLIDO
» [Cr(H2O)4Cl2]Cl.2H2O  VERDE ESCURO
• Isomeria de Coordenação:
– Íons complexos diferentes a partir de uma mesma fórmula molecular.
– Ex.: A fórmula molecular Cr(CN)3.Co(CN)3.6NH3 pode representar os complexos:
» [Co(NH3)6][Cr(CN)6] ou [Cr(NH3)6][Co(CN)6]
– Em um primeiro momento é necessário definir-se quais ligantes se
ligam com quais metais e através de quais átomos doadores
(ISOMERIA ESTRUTURAL), para então considerar-se as diversas
possibilidades de arranjos tridimensionais, que podem resultar em
isomeria geométrica e isomeria ótica (ESTEREOISOMERIA).
Março/2010 13Prof. Dr.Ary Maia
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
• ISOMERIA (cont.):
– Complexos Quadrado Planares:
• Os únicos isômeros simples dos compostos quadrado planares são os
isômeros cis e trans.
Março/2010 14Prof. Dr.Ary Maia
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
• ISOMERIA (cont.):
– Complexos Tetraédricos:
• Os únicos isômeros simples dos complexos tetraédricos são os
isômeros óticos.
– Complexos BipiramidaisTrigonais e Piramidais Quadrados:
• Pela interconversão possível entre as formas, diz-se
que eles não são etereoquímicamente rígidos – mesmo
que se formem isômeros eles não são separáveis.
• 2 Sítios quimicamente distintos:
» Axial (a) e equatorial (e) – bipirâmide trigonal;
» Axial (a) e basal (b) – piramidal quadrático.
Março/2010 15Prof. Dr.Ary Maia
Química Inorgânica –
Shriver, D. , Atkins, P.
et al. – 4ª Ed. – Porto
Alegre (2008)
Química Inorgânica – Shriver, D. , Atkins,
P. et al. – 4ª Ed. – Porto Alegre (2008)
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
• ISOMERIA (cont.):
– Complexos Octaédricos:
• Isomeria Geométrica:
– [MA6] e [MA5B]: Não apresentam isômeros.
– [MA4B2]: Isômeros cis e trans:
– [MA3B3]: Isômeros mer (meridianal) e fac (facial):
Março/2010 16Prof. Dr.Ary Maia
Química Inorgânica –
Shriver, D. , Atkins, P.
et al. – 4ª Ed. – Porto
Alegre (2008)
Química Inorgânica –
Shriver, D. , Atkins, P.
et al. – 4ª Ed. – Porto
Alegre (2008)
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
• ISOMERIA (cont.):
– Complexos Octaédricos:
• Isomeria Geométrica:
– [MA2B2C2]: 5 isômeros geométricos diferentes
» Um com todos os ligantes trans (57).
» Três com um par trans e os outros dois cis (58,59,60).
» Um (enanciomérico) com todos os ligantes cis (61).
Março/2010 17Prof. Dr.Ary Maia
Química Inorgânica – Shriver, D. , Atkins, P. et al. – 4ª Ed. – Porto Alegre (2008)
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
• ISOMERIA (cont.):
– Complexos Octaédricos:
• Isomeria Ótica:
– Várias possibilidades de arranjo para isomeria ótica, independente de ligantes mono
ou polidentados.
– Complexos do tipo [MA2B2C2]:
– Complexos do tipo [Mn(acac)3]:
Março/2010 18Prof. Dr.Ary Maia
Química Inorgânica –
Shriver, D. , Atkins, P.
et al. – 4ª Ed. – Porto
Alegre (2008)
Química Inorgânica –
Shriver, D. , Atkins, P.
et al. – 4ª Ed. – Porto
Alegre (2008)
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
• ISOMERIA (cont.):
– Complexos Octaédricos:
• Isomeria Ótica:
– Complexos do tipo [CoCl2(en)2]+:
» Produto da reação do cloreto de cobalto (III) com a etilenodiamina, na razão
molarde 1:2.
» Produto 66 (íon cis-diclorobis(etilenodiaminocobalto (III)) é violeta o
produto 67 (íon trans-diclorobis(etilenodiaminocobalto (III)) é verde.
Março/2010 19Prof. Dr.Ary Maia
Química Inorgânica –
Shriver, D. , Atkins, P.
et al. – 4ª Ed. – Porto
Alegre (2008)
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO:
• ISOMERIA (cont.):
– Complexos Octaédricos:
• Isomeria Ótica:
– Configuração absoluta de um complexo octaédrico quiral:
» Vista ao longo de um eixo de rotação ternário de um octaédro regular e
observando-se a direção de rotação da hélice formada pelos ligantes
Março/2010 20Prof. Dr.Ary Maia
Configurações Absolutas dos complexos
M(L-L)3. Usa-se  (delta) para indicar a
rotação no sentido horário da hélice e 
(lambda) para indicar a rotação no sentido
anti-horário.
Química Inorgânica –
Shriver, D. , Atkins, P.
et al. – 4ª Ed. – Porto
Alegre (2008)
PRINCÍPIOS DE QUÍMICA INORGÂNICA
GEOMETRIA E ISOMERIA
Universidade Federal da Paraíba
Centro de Ciências Exatas e da Natureza
Departamento de Química
Prof. Dr. Ary da Silva Maia
Para maiores detalhes consulte http://www.quimica.ufpb.br/arymaia
ou mande e-mail para arymaia@quimica.ufpb.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássioSíntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássioCybele Sobrenome
 
Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Paulo George
 
Teoria Acido-base inorganica
Teoria Acido-base inorganicaTeoria Acido-base inorganica
Teoria Acido-base inorganicaAna Dias
 
Resolução lista terceira_unidade
Resolução lista terceira_unidadeResolução lista terceira_unidade
Resolução lista terceira_unidadeLivia Cristina
 
Reações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e DerivadosReações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e DerivadosJosé Nunes da Silva Jr.
 
Reações químicas e classificações
Reações químicas e classificaçõesReações químicas e classificações
Reações químicas e classificaçõesJoanna de Paoli
 
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química Orgânica
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química OrgânicaSlides da aula de Química (Manoel) sobre Química Orgânica
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química OrgânicaTurma Olímpica
 
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analiticaGravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analiticaEmanuel Fraca
 
ppt Química orgânica
ppt Química orgânicappt Química orgânica
ppt Química orgânicaJoyce Fagundes
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISJessica Amaral
 
Tabela de Valores de Absorção no Espectro de Infravermelho para Compostos Org...
Tabela de Valores de Absorção no Espectro de Infravermelho para Compostos Org...Tabela de Valores de Absorção no Espectro de Infravermelho para Compostos Org...
Tabela de Valores de Absorção no Espectro de Infravermelho para Compostos Org...Dharma Initiative
 
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódioSíntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódioCybele Sobrenome
 

Mais procurados (20)

Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássioSíntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
 
Solução tampão
Solução tampãoSolução tampão
Solução tampão
 
Teste chama 2014
Teste chama 2014Teste chama 2014
Teste chama 2014
 
Volumetria de Precipitação
Volumetria de PrecipitaçãoVolumetria de Precipitação
Volumetria de Precipitação
 
Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
Reações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e CetonasReações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e Cetonas
 
Teoria Acido-base inorganica
Teoria Acido-base inorganicaTeoria Acido-base inorganica
Teoria Acido-base inorganica
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Resolução lista terceira_unidade
Resolução lista terceira_unidadeResolução lista terceira_unidade
Resolução lista terceira_unidade
 
Reações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e DerivadosReações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
 
Reações químicas e classificações
Reações químicas e classificaçõesReações químicas e classificações
Reações químicas e classificações
 
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química Orgânica
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química OrgânicaSlides da aula de Química (Manoel) sobre Química Orgânica
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química Orgânica
 
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analiticaGravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
 
ppt Química orgânica
ppt Química orgânicappt Química orgânica
ppt Química orgânica
 
Equilibrio químico
Equilibrio químicoEquilibrio químico
Equilibrio químico
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
 
Tabela de Valores de Absorção no Espectro de Infravermelho para Compostos Org...
Tabela de Valores de Absorção no Espectro de Infravermelho para Compostos Org...Tabela de Valores de Absorção no Espectro de Infravermelho para Compostos Org...
Tabela de Valores de Absorção no Espectro de Infravermelho para Compostos Org...
 
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódioSíntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
 

Semelhante a Geometria de complexos

Ligações interatômicas
Ligações interatômicasLigações interatômicas
Ligações interatômicasBio Sem Limites
 
Introdução a compostos de coordenação.pptx
Introdução a compostos de coordenação.pptxIntrodução a compostos de coordenação.pptx
Introdução a compostos de coordenação.pptxLuisFernando34916
 
Quimica ligacoes quimicas_exercicios
Quimica ligacoes quimicas_exerciciosQuimica ligacoes quimicas_exercicios
Quimica ligacoes quimicas_exerciciosWater Rodrigues
 
Livro ligação química de complexos
Livro ligação química de complexosLivro ligação química de complexos
Livro ligação química de complexosJanaina Leitinho
 
Livro de q.i.teórica corrigido
Livro de q.i.teórica corrigidoLivro de q.i.teórica corrigido
Livro de q.i.teórica corrigidoCarlos Barbosa
 
Química Inorgânica
Química Inorgânica Química Inorgânica
Química Inorgânica Alex Junior
 
Química inorgânica não tão concisa j.d. lee
Química inorgânica não tão concisa   j.d. leeQuímica inorgânica não tão concisa   j.d. lee
Química inorgânica não tão concisa j.d. leeRê Magna
 
Exerc concursos-ligações
Exerc concursos-ligaçõesExerc concursos-ligações
Exerc concursos-ligaçõesRenata Martins
 
Callister 8tava edition.pdf
Callister 8tava edition.pdfCallister 8tava edition.pdf
Callister 8tava edition.pdfEverton Costa
 
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptAula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptRicardoBrunoFelix
 
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.MariajulianaAraujode1
 
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptAula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptGluciaCoutinho3
 
Lista ciencias 9oano_karol_2bim
Lista ciencias 9oano_karol_2bimLista ciencias 9oano_karol_2bim
Lista ciencias 9oano_karol_2bimKarol Maia
 

Semelhante a Geometria de complexos (20)

Teoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalinoTeoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalino
 
Aula 6 __a_qu_mica_dos_organomet_licos_do_bloco_d
Aula 6 __a_qu_mica_dos_organomet_licos_do_bloco_dAula 6 __a_qu_mica_dos_organomet_licos_do_bloco_d
Aula 6 __a_qu_mica_dos_organomet_licos_do_bloco_d
 
Ligações interatômicas
Ligações interatômicasLigações interatômicas
Ligações interatômicas
 
Introdução a compostos de coordenação.pptx
Introdução a compostos de coordenação.pptxIntrodução a compostos de coordenação.pptx
Introdução a compostos de coordenação.pptx
 
Estrutura cristalina dos metais
Estrutura cristalina dos metaisEstrutura cristalina dos metais
Estrutura cristalina dos metais
 
Quimica ligacoes quimicas_exercicios
Quimica ligacoes quimicas_exerciciosQuimica ligacoes quimicas_exercicios
Quimica ligacoes quimicas_exercicios
 
126
126126
126
 
Livro ligação química de complexos
Livro ligação química de complexosLivro ligação química de complexos
Livro ligação química de complexos
 
Livro de q.i.teórica corrigido
Livro de q.i.teórica corrigidoLivro de q.i.teórica corrigido
Livro de q.i.teórica corrigido
 
Química Inorgânica
Química Inorgânica Química Inorgânica
Química Inorgânica
 
Lista lq
Lista lqLista lq
Lista lq
 
Química inorgânica não tão concisa j.d. lee
Química inorgânica não tão concisa   j.d. leeQuímica inorgânica não tão concisa   j.d. lee
Química inorgânica não tão concisa j.d. lee
 
Exerc concursos-ligações
Exerc concursos-ligaçõesExerc concursos-ligações
Exerc concursos-ligações
 
Cien mat aula3
Cien mat aula3Cien mat aula3
Cien mat aula3
 
Callister 8tava edition.pdf
Callister 8tava edition.pdfCallister 8tava edition.pdf
Callister 8tava edition.pdf
 
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptAula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
 
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
 
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptAula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
 
Aula_3_Ligações Químicas.pdf
Aula_3_Ligações Químicas.pdfAula_3_Ligações Químicas.pdf
Aula_3_Ligações Químicas.pdf
 
Lista ciencias 9oano_karol_2bim
Lista ciencias 9oano_karol_2bimLista ciencias 9oano_karol_2bim
Lista ciencias 9oano_karol_2bim
 

Último

PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 

Último (20)

PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 

Geometria de complexos

  • 1. PRINCÍPIOS DE QUÍMICA INORGÂNICA GEOMETRIA E ISOMERIA Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Prof. Dr. Ary da Silva Maia
  • 2. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: • Definições Importantes: – Número de Coordenação: • Quantidade de ligantes coordenados ao metal ou íon metálico na esfera de coordenação. • Podem variar de algumas poucas unidades até 12. • Em algumas situações o número de coordenação não é evidente pela composição do sólido. Exemplo: – DRX do CoCl2.6H2O identifica o complexo neutro [Co(Cl)2(OH2)4] e duas moléculas de água não coordenadas que ocupam posições bem definidas no cristal (água de cristalização). Março/2010 2Prof. Dr.Ary Maia
  • 3. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: – Complexo de Esfera Interna x Complexo de Esfera Externa : • Cátions complexos podem se associar eletrostaticamente a ligantes aniônicos (e por interações fracas às moléculas do solvente), sem deslocar os ligantes já presentes. • Exemplo: Março/2010 3Prof. Dr.Ary Maia [Mn(OH2)6]2+ e SO4 2- {[Mn(OH2)6]2+SO4 2-} [Mn(OH2)5 SO4] A concentração no equilíbrio do complexo de esfera externa pode, dependendo da concentração, exceder a do complexo de esfera interna. Complexo de Esfera Externa Complexo de Esfera Interna
  • 4. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: – Fatores que afetam o Número de Coordenação: • Tamanho do átomo ou íon central: – Raios maiores favorecem números de coordenação maiores. – Elementos situados à esquerda de um período apresentam íons maiores (Logo NC maiores). • Interações espaciais entre os ligantes: – Ligantes volumosos resultam em números de coordenação menores, ainda mais se forem carregados. • Interações eletrônicas entre o átomo ou o íon central e os ligantes: – Elementos situados à esquerda de um período apresentam poucos elétrons na sua configuração o que significa poder receber mais elétrons das bases de Lewis. Ex. [Mo(CN)8]4-. – Ligantes que podem formar ligações múltiplas com o átomo ou íon central tendem a gerar NC menores (Ex. MnO4 - e CrO4 -). Março/2010 4Prof. Dr.Ary Maia
  • 5. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: • Geometria: – A partir do NC de um complexo é possível prever sua geometria, mas de forma mais precisa, esta pode variar com: • efeitos estéricos (espaciais) relacionados às repulsões entre os ligantes e entre os pares eletrônicos de valência. • fatores relacionados com a estabilização do complexo, os quais dependem do NOX do metal, do número de elétrons d no metal e da natureza dos ligantes. Março/2010 5Prof. Dr.Ary Maia
  • 6. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: • Efeitos estéricos: Março/2010 6Prof. Dr.Ary Maia FORMA GEOMETRIA FORMA GEOMETRIA X-A-X Linear AX5 Bipiramidal trigonal X=A=X Linear :AX4 Gangorra ou sela ou tetraédrica distorcida XA-X Linear :ÄX3 Forma de T AX3 Trigonal planar :ÄX2 Linear :AX2 Angular em V AX6 Octaédrica AX4 Tetraédrica :AX5 Pirâmide de base quadrada :AX3 Piramidal :ÄX4 Quadrada planar :ÄX2 Angular em V
  • 7. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: • Geometria (Continuação): – Se o átomo ou íon central tem a configuração de gás nobre ou tem orbitais d completos (d10) a previsão da geometria pode ser feita baseada apenas na consideração dos efeitos estéricos. – Os números de coordenação encontrados nos complexos do bloco d estão entre 2-8, sendo os mais freqüentes 4 e 6. Têm sido encontrados números maiores como 9, 10 e 12. Exemplo: ReH9 2-. – Nos lantanídeos e actinídeos ocorrem números de coordenação variando de 6 a 12, sendo os mais freqüentes entre 7 e 9. Números de coordenação maiores como 10 e 12 ocorre com íons pequenos e bidentados como o nitrato. Março/2010 7Prof. Dr.Ary Maia
  • 8. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: • Geometria (Continuação): – Os metais para apresentarem números de coordenação maiores devem ter uma razão carga/raio que possibilite fortes ligações metal-ligante e ao mesmo tempo minimize as repulsões ligante-ligante. – Assim da elevada razão carga/raio, as ligações metal-ligante podem ser fortes em decorrência de outros fatores tais como número de elétrons d e da natureza do ligante. Março/2010 8Prof. Dr.Ary Maia
  • 9. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: • Constituição e Geometria: – Números de Coordenação Baixos: • Compostos bicoordenados  Cu+1,Ag+1 , Au+1 , Hg+2. • Adquirem ligantes adicionais (quando em excesso) para formação de complexos tri e tetracoordenados. • Exemplos: [AgCl2]-1, [HgMe2], CuCN (polímero de cadeia linear, com NC=2  -Cu-CN-Cu-CN-). – NC = 4: • Podem apresentar geometria tetraédrica ou quadrada planar. • Para átomo ou íon central pequeno ou ligantes grandes há favorecimento de complexos tetraédricos. • Exemplos: [BF4]-, [Ni(CO)4], [Zn(NH3)4]2+ • Configurações eletrônicas d8 e s1d7 induzem a geometria quadrada planar. • Exemplos: [Pt(NH3)4]2+, [PdCl4]2-, [Ir(CO)Cl(PΦ3)2] Março/2010 9Prof. Dr.Ary Maia
  • 10. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: • Constituição e Geometria: – NC=5: • Complexos com geometria limite entre piramidal quadrática e bipiramidal trigonal. • Pouca diferença de energia entre as formas. • O [Ni(CN)5]3- pode se apresentar na duas formas. • Em solução, com ligante monodentados, estes complexos são altamente fluxionais (contercer em diferentes formas)  Pseudo-rotação de Berry. Março/2010 10Prof. Dr.Ary Maia Química Inorgânica – Shriver, D. , Atkins, P. et al. – 4ª Ed. – Porto Alegre (2008)
  • 11. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: • Constituição e Geometria: – NC=6: • Grande maioria dos complexos. – Estrutura sem distorções  arranjo octaédrico regular (Oh) • Podem apresentar algumas pequenas distorções: – Distorção Tetragonal (D4h): » Mais comuns. » 2 ligantes trans ao longo de um eixo. » Efeito Jahn-Teller. – Distorção Rômbica (D2h): » 2 Pares de ligantes trans, um mais afastado um mais próximo. – Distorção Trigonal: (D3d): » Faces opostas do octaédrico se afastam. – Distorção Prismática (D3h): » Muito raros. Química Inorgânica – Shriver, D. , Atkins, P. et al. – 4ª Ed. – Porto Alegre (2008) Março/2010 11Prof. Dr.Ary Maia
  • 12. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: • ISOMERIA: – Fórmula Molecular não é suficiente para identificar um composto, sem ambiguidade – Há isomeria: • Isomeria de Ligação: – Um ligante pode se ligar através de diferentes átomos. – Ex.: [Co(NO2)(NH3)5]2+ Isômero vermelho (ligação nitrito) e isômero amarelo (ligação nitro). Química Inorgânica – Shriver, D. , Atkins, P. et al. – 4ª Ed. – Porto Alegre (2008) • Isomeria de Ionização: – Um ligante e um contra-íon trocam de lugar em um composto. – Ex.: [Pt(NH3)4Cl2]Br2 e [Pt(NH3)4Br2]Cl2 – Se os sais complexos são solúveis a diferenciação pode se fazer através da identificação do íon livre em solução (Br- ou Cl- no exemplo anterior). Março/2010 12Prof. Dr.Ary Maia
  • 13. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: • ISOMERIA (cont.): • Isomeria de Hidratação: – Parecido com Isomeria de Ionização, mas ocorre quando um dos ligantes é a água. – Ex.: Composto com fórmula molecular CrCl3.6H2O – 3 isômeros diferentes: » [Cr(H2O)6]Cl3  VIOLETA » [Cr(H2O)5Cl]Cl2.H2O  VERDE PÁLIDO » [Cr(H2O)4Cl2]Cl.2H2O  VERDE ESCURO • Isomeria de Coordenação: – Íons complexos diferentes a partir de uma mesma fórmula molecular. – Ex.: A fórmula molecular Cr(CN)3.Co(CN)3.6NH3 pode representar os complexos: » [Co(NH3)6][Cr(CN)6] ou [Cr(NH3)6][Co(CN)6] – Em um primeiro momento é necessário definir-se quais ligantes se ligam com quais metais e através de quais átomos doadores (ISOMERIA ESTRUTURAL), para então considerar-se as diversas possibilidades de arranjos tridimensionais, que podem resultar em isomeria geométrica e isomeria ótica (ESTEREOISOMERIA). Março/2010 13Prof. Dr.Ary Maia
  • 14. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: • ISOMERIA (cont.): – Complexos Quadrado Planares: • Os únicos isômeros simples dos compostos quadrado planares são os isômeros cis e trans. Março/2010 14Prof. Dr.Ary Maia
  • 15. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: • ISOMERIA (cont.): – Complexos Tetraédricos: • Os únicos isômeros simples dos complexos tetraédricos são os isômeros óticos. – Complexos BipiramidaisTrigonais e Piramidais Quadrados: • Pela interconversão possível entre as formas, diz-se que eles não são etereoquímicamente rígidos – mesmo que se formem isômeros eles não são separáveis. • 2 Sítios quimicamente distintos: » Axial (a) e equatorial (e) – bipirâmide trigonal; » Axial (a) e basal (b) – piramidal quadrático. Março/2010 15Prof. Dr.Ary Maia Química Inorgânica – Shriver, D. , Atkins, P. et al. – 4ª Ed. – Porto Alegre (2008) Química Inorgânica – Shriver, D. , Atkins, P. et al. – 4ª Ed. – Porto Alegre (2008)
  • 16. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: • ISOMERIA (cont.): – Complexos Octaédricos: • Isomeria Geométrica: – [MA6] e [MA5B]: Não apresentam isômeros. – [MA4B2]: Isômeros cis e trans: – [MA3B3]: Isômeros mer (meridianal) e fac (facial): Março/2010 16Prof. Dr.Ary Maia Química Inorgânica – Shriver, D. , Atkins, P. et al. – 4ª Ed. – Porto Alegre (2008) Química Inorgânica – Shriver, D. , Atkins, P. et al. – 4ª Ed. – Porto Alegre (2008)
  • 17. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: • ISOMERIA (cont.): – Complexos Octaédricos: • Isomeria Geométrica: – [MA2B2C2]: 5 isômeros geométricos diferentes » Um com todos os ligantes trans (57). » Três com um par trans e os outros dois cis (58,59,60). » Um (enanciomérico) com todos os ligantes cis (61). Março/2010 17Prof. Dr.Ary Maia Química Inorgânica – Shriver, D. , Atkins, P. et al. – 4ª Ed. – Porto Alegre (2008)
  • 18. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: • ISOMERIA (cont.): – Complexos Octaédricos: • Isomeria Ótica: – Várias possibilidades de arranjo para isomeria ótica, independente de ligantes mono ou polidentados. – Complexos do tipo [MA2B2C2]: – Complexos do tipo [Mn(acac)3]: Março/2010 18Prof. Dr.Ary Maia Química Inorgânica – Shriver, D. , Atkins, P. et al. – 4ª Ed. – Porto Alegre (2008) Química Inorgânica – Shriver, D. , Atkins, P. et al. – 4ª Ed. – Porto Alegre (2008)
  • 19. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: • ISOMERIA (cont.): – Complexos Octaédricos: • Isomeria Ótica: – Complexos do tipo [CoCl2(en)2]+: » Produto da reação do cloreto de cobalto (III) com a etilenodiamina, na razão molarde 1:2. » Produto 66 (íon cis-diclorobis(etilenodiaminocobalto (III)) é violeta o produto 67 (íon trans-diclorobis(etilenodiaminocobalto (III)) é verde. Março/2010 19Prof. Dr.Ary Maia Química Inorgânica – Shriver, D. , Atkins, P. et al. – 4ª Ed. – Porto Alegre (2008)
  • 20. COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: • ISOMERIA (cont.): – Complexos Octaédricos: • Isomeria Ótica: – Configuração absoluta de um complexo octaédrico quiral: » Vista ao longo de um eixo de rotação ternário de um octaédro regular e observando-se a direção de rotação da hélice formada pelos ligantes Março/2010 20Prof. Dr.Ary Maia Configurações Absolutas dos complexos M(L-L)3. Usa-se  (delta) para indicar a rotação no sentido horário da hélice e  (lambda) para indicar a rotação no sentido anti-horário. Química Inorgânica – Shriver, D. , Atkins, P. et al. – 4ª Ed. – Porto Alegre (2008)
  • 21. PRINCÍPIOS DE QUÍMICA INORGÂNICA GEOMETRIA E ISOMERIA Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Prof. Dr. Ary da Silva Maia Para maiores detalhes consulte http://www.quimica.ufpb.br/arymaia ou mande e-mail para arymaia@quimica.ufpb.br