UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA – UEPB
LICENCIATURA PLENA EM MATEMÁTICA
OTEC – ORGANIZAÇÃO DOS TRABALHOS E CURRÍCULOS
PRO...
superar seus problemas e exercer uma profissão e ser um cidadão com os
outros demais.
No início do filme algumas cenas são...
diferentes, cada um de nós somos únicos e especiais, não importa o que
façamos, como agimos ou o que pensamos.
Um outro te...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Resenha de raylenne otec

82 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
82
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resenha de raylenne otec

  1. 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA – UEPB LICENCIATURA PLENA EM MATEMÁTICA OTEC – ORGANIZAÇÃO DOS TRABALHOS E CURRÍCULOS PROFESSOR: JORGE ALUNA: RAYLENE PEREIRA FEREIRA Resenha Critica do Filme: “Como Estrelas na Terra” Conhecido também como “Traee Zameen Par”, traduzindo significa somos todos diferentes, foi elaborado e gravado em 2007 na Índia. Aborda um tema comum encontrado em instituições de ensino do mundo. O filme narra o problema do pequeno Ishaan Awashi que apesar de parecer uma criança comum é portador de uma deficiência especial chamada de dislexia. Logo quando começa a estudar a sua dificuldade é percebida pelos seu coleguinhas de classe e seus professores, mas sua mãe, seu pai e seu irmão não desconfiavam dos problemas que Ishaan enfrentariam no meio educacional. Ishaan fica desmotivado pelo fato de não conseguir compreender o que está acontecendo consigo, começa a sofrer com o seu problema no momento em que uma de suas professoras o repreende diante de seus colegas que zombam dele pelo fato dele não conseguir ler uma frase e apontar os adjetivos, o que mais agrava o seu problema é que seu pai quer que ele seja como seu irmão, um dos primeiros da sala de aula. Sem compreensão e amparo para se desenvolver e superar a sua deficiência o pequeno Ishaan passa a não frequentar mas a escola por sentir-se desmotivado, começa a observar o mundo, andando sozinho pelas ruas, tirando suas conclusões já que ninguém o ajuda. A escola por não ter uma boa estrutura pedagógica não consegue diagnosticar o problema de Ishaan para dar suporte para que ele supere essa fase difícil de sua vida, convoca seus pais e pedem para que eles encontrem outra instituição de ensino para o garoto. Diante desse fato o pai de Ishaan toma a decisão de coloca-lo em um colégio de internato, mesmo contra a vontade do pequeno, de sua mãe e seu irmão. Ishaan encara o colégio como um castigo, pelo fato de ter que se separar de sua família, com isso perde mais ainda o interesse pelos estudos e pelo que mais gostava de fazer que era desenhar, arte esta pela qual ele expressava seus sentimentos e emoções. Aquele local para Ishaan era uma condenação, para sua família era a única solução que eles julgavam para que o pequeno pudesse se desenvolver e para que eles continuassem com uma boa reputação dentro da sociedade que estavam inseridos, sociedade esta capitalista e consumista que não permitiam que pessoas como Ishaam sobrevivessem, pelo fato de acreditarem que o pequeno não conseguiria
  2. 2. superar seus problemas e exercer uma profissão e ser um cidadão com os outros demais. No início do filme algumas cenas são até engraçadas, diante de umas brincadeiras realizadas pelo pequeno Ishaan, mas logo em seguida o filme torna-se comovente e emocionante com a luta do pequeno para vencer a dislexia. O filme apresenta cenas de isolamento, desespero e abandono em relação ao pequeno, mesmo tendo a companhia do seu colega Rajan do seu lado, não era como ter a sua família para conforta-lo, apoia-lo e suprir suas necessidades. Percebe-se que por mais que uma instituição de ensino tenha recursos suficientes que garantam uma boa qualidade e um amplo espaço para poder ser aproveitado, se os seus profissionais não souberem utilizar de tais recursos, de nada adiantará. A segunda escola para qual o pequeno vai é excelente, mesmo com a tradicional metodologia adotada, creio que os profissionais eram capazes de perceber as dificuldades de Ishaan, mas esses fizeram conta de que nada acontecia ou que era apenas desinteresse do mesmo, para os problemas do aluno e também de outros possíveis alunos que por lá passaram. É provável que os professores que ensinaram a Ishaan não se importaram com o seu problema pelo fato de não terem passado por isso quando pequenos e com a mesma idade do garoto, penso que a função de um professor é mediar conflitos, mediar conhecimentos e estar atento para possíveis dificuldades e problemas, assim encontrando uma forma de acabar com estas barreiras. Alguns professores de Ishaan até reconheceram o problema e dificuldade do garoto, só que não buscaram soluções para ajudar o garoto a superar essa fase em sua vida. Quando tudo parece estar perdido aparece o anjo da guarda de Ishaan, o professor Ram Shankar Nikumbh que logo encontra uma forma diferenciada de mediar os conhecimentos. Ele não apenas se destaca diante dos demais professores da instituição pelo fato de ter encontrado uma forma diferenciada de prender a atenção de seus alunos, mas provocou nos demais professores uma atenção maior as dificuldades dos alunos e Ishaan se encaixava nessas observações. Nikumbh se interessou pelo problema de Ishaan não por também ter tido o mesmo problema de dislexia quando da mesma idade do pequeno e sim por entender muito bem o papel de um professor, que é procurar ajudar seus alunos a superar suas dificuldades por mais complexas que sejam. Acredito que não foi pelo fato de ter sofrido com o mesmo problema de Ishaan que Nikumbh procurou ajuda-lo e sim por sua dedicação, consciência e responsabilidade de professor. A partir desse momento percebi que a principal mensagem que o filme passa é que “S omos Todos Diferentes”, não importa a cor, ração, nação, sociedades que estamos inseridos, sempre seremos
  3. 3. diferentes, cada um de nós somos únicos e especiais, não importa o que façamos, como agimos ou o que pensamos. Um outro tema que o filme destaca é as várias falha no sistema de ensino e nos valores de conceitos inferidos na sociedade que influenciam no comportamento de muitos que impedem esses de assimilarem e aceitarem qualquer cidadão, mesmo que este seja diferente, tenha alguma diferença ou deficiência. É exposto o quanto sofre uma pessoa que é portadora de alguma necessidade especial. Ressalto ainda que um profissional que dedica-se a fazer o melhor pode contribuir para uma melhor interação e relação da pessoa portadora da deficiência com os demais. Este mesmo profissional mesmo que não saiba lidar com essas dificuldades pode contribuir para que outros façam esse trabalho. Ele deve procurar informações com profissionais que especializados no caso sobre as dificuldades percebidas e logo em seguida iniciar um trabalho de equipe com o aluno e a família do mesmo. O profissional também deve encontrar e buscar recursos didáticos e pedagógicos para trabalhar com as dificuldades, problemas, limitações e diversidades encontradas. E isso foi o que fez com que Ninkumbh fosse reconhecido como um profissional diferenciado naquela instituição de ensino. Acredito que é possível mesmo que o professor não se identifique com esse aluno buscar apoio e informações que o possibilite superar algo que aparenta sem complicado, já que a legislação brasileira exige que as leis referentes a inclusão sejam rigorosamente cumpridas nos diferentes locais onde se faz presente algum portador de necessidade especial. Percebo que em alguns locais as leis estão sendo aplicadas, mas que ainda há ambientes onde essas leis são ignoradas por falta de informação ou por falta de interesse dos órgãos competentes. Há ainda lugares que não se importam e não buscam se adequar as exigências e recomendações das leis. No filme é revelado uma importância de acreditarmos em nós mesmos e ainda de realizar e fazer com que as pessoas acreditem no potencial existentes em cada ser humano. Ishaan parecia estar desacreditado devido seu problema e dificuldade, mas daí chegou o seu “anjo da guarda” que não hesitou e nem mediu esforços para mostrar que ainda havia uma solução, fazendo assim com que o pequeno Ishaan se superasse e mostrasse para a todos e principalmente para sua família que ele era capaz. O professor deve ter a consciência que deve estra sempre atualizando e aprimorando sues conhecimentos e seus métodos de ensino, sempre buscando novos recursos didáticos e pedagógicos para possibilitar um melhor desenvolvimento não só dos alunos portadores de alguma deficiência, como também dos outros demais. Concluo dizendo que: “Ser professor é ser condutor de sonhos, é lapidar diamantes” (Gabriel Chalita).

×