Trabalho de nutrição

651 visualizações

Publicada em

Todos os textos foram tirados de sites e foram resumidos pelas componentes do grupo. Qualquer Duvida comente para nós ajudar a melhorar.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
651
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho de nutrição

  1. 1. o Damillis Rodrigues o Daniela Fontana o Josefa Oliveira o Michely Lino o Rayane Leão o Renângela Oliveira o Selma Corrêa o Simiran Braga
  2. 2. Índice  Introdução  Estados do nordeste  Culinária nordestina  Pratos típicos  Festas Populares  Decorações de festas  O consumo calórico e nutricional nas regiões brasileiras  Taxa de desnutrição infantil  O papel da enfermagem na desnutrição infantil  Bibliografia
  3. 3. Introdução Nordeste Brasileiro É comum a associação de praias, jangadas, pescadores, coqueiros ,cangaço, e/ou carros-de-boi ao Nordeste. O folclore regional, por sua vez, é muito rico e abrangente, incluindo, entre outros elementos, o artesanato, as superstições e crendices, a linguagem popular, a literatura de cordel, os cultos, os folguedos populares, a culinária, os brinquedos populares, as artes e técnicas, as festas tradicionais, as adivinhações, os pregões e os remédios populares. De origem europeia, o carnaval, sem dúvida alguma, representa a maior festa nordestina. Ao som do frevo, os blocos carnavalescos desfilam pelas ruas.
  4. 4. Introdução Nordeste Brasileiro O Nordeste brasileiro é uma região de grande apelo turístico: centenas de praias com águas mornas, e areias brancas quase sempre com coqueiros por perto, caracterizam toda a sua extensa costa litorânea – são 3.338 km! Além das praias, que permitem á sensação de estar no paraíso, o folclore, o artesanato e a culinária local encantam os visitantes. Nove estados compartilham este paraíso tropical – Bahia (BA), Ceará (CE), Pernambuco (PE), Sergipe (SE), Alagoas (AL), Rio Grande do Norte (RN), Maranhão (MA), Paraíba (PB) e Piauí (PI). O grande número de cidades à beira-mar, entre elas oito das nove capitais, contribui para o contínuo desenvolvimento do turismo, a boa infra -estrutura e as características climáticas e culturais favorecem a atividade turística durante todo o ano. Com uma área de 1,57 milhões de km² (18,26% do território nacional), e cerca de 48 milhões de habitantes.
  5. 5. Estados do Nordeste
  6. 6. Culinária Nordestina A culinária nordestina é fortemente influenciada pela suas condições geográficas e econômicas ao longo da história, assim como pela antiga mistura das culturas portuguesa, indígena e africana, iniciada ainda no século XVI. A mistura de sabores e temperos foi transformando, aos poucos conhecida essa culinária rica e variada que vemos hoje. As comidas quase sempre têm como ingredientes produtos vegetais - muitas vezes cultivados pelos índios desde muito antes da colonização portuguesa -, carnes de gado bovino e caprino, peixes e frutos do mar, variando bastante de região para região, de acordo com suas características peculiares.
  7. 7. Culinária Nordestina Pratos característicos da Região Nordeste incluem: a tapioca, o vatapá, a moqueca (ambos com frutos do mar e azeite-de-dendê), o baião de dois (feito de arroz e feijão, com diversas variedades, geralmente incluindo também carne seca, queijo coalho, manteiga da terra ou nata). O acarajé (um bolinho de feijões brancos e cebola fritado no azeite de dendê recheado com camarões, pimenta vermelha, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional como patrimônio imaterial em 2004, o mugunzá (feito de feijão e milho, sendo doce em algumas áreas e, em outras, salgado, com linguiça) e o sarapatel. Como no Nordeste é grande a produção de cana-de-açúcar, o melado é muito usado na elaboração de pratos doces. A rapadura também é muito consumida na região.
  8. 8. Pratos típicos No Maranhão, um dos pratos típicos é o arroz- de-cuxá. Já em Alagoas, além de inúmeras iguarias, pode-se apreciar o feijão de coco.
  9. 9. Pratos típicos A cozinha pernambucana também é deliciosa. Destacam-se nela: buchada de bode. No Piauí, encontram-se: a paçoca feita de carne- de-sol assada.
  10. 10. Pratos típicos Nas ruas de Salvador, negras vestidas de baianas vendem acarajés fritos no azeite de dendê e abarás.
  11. 11. Pamonha
  12. 12. Caldo de tambaqui Bolinho de Pirarucu
  13. 13. Tapioca
  14. 14. Arroz de tacacá
  15. 15. Frutas Típicas fruta-do-conde, jabuticaba e cajus (a fruta e a castanha), mas são muito consumidas também frutas mais exóticas, como o cajá, a seriguela, a cajarana, a pitomba, Cara e o buriti.
  16. 16. Festas Populares do Nordeste O nordeste é muito rico em tradições folclóricas e populares. Cada Estado da região geralmente tem uma festa diferente. Algumas estão ai pra você saber.  Bumba Meu Boi -  Cacuriá -  Carnaval de Rua -  Dança do Coco –  Festa do Divino -  Tambor de Crioula -
  17. 17. Decoração das festas
  18. 18. Barraca do beijo
  19. 19. Barraca da pescaria
  20. 20. O consumo calórico e nutricional nas regiões brasileiras Fracionar refeições, acelerar o gasto energético, consumir mais fibras e menos açúcares. E tudo isso tem um motivo: a alimentação dos brasileiros é, na maioria das vezes, constituída por alimentos altamente calóricos e pouco nutritivos. Isso configura uma dieta com déficits em importantes nutrientes e que aumenta o Risco de obesidade e muitas doenças crônicas não transmissíveis, conforme aponta a Análise do Consumo Alimentar Pessoal no Brasil, realizada pela última Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF 2008 - 2009). Para chegar a esses resultados, o estudo focou as cinco grandes regiões do país estimando a média de consumo dos alimentos, energia e nutrientes, segundo sexo e faixa de idade. Gorduras A recomendação é de até 30% das calorias diárias ou no máximo 66,6 gramas para uma dieta de 2.000. Entretanto, a POF mostra que os brasileiros andam abusando dos tipos gordurosos menos apropriados, aqueles das carnes, da banha e de outros itens. Proteínas A recomendação é de 15% das calorias diárias ou 75 gramas para uma dieta de 2.000. O brasileiro precisa ficar atento para não escolher as piores opções, ou seja, aquelas que, além de carregar proteína, trazem doses generosas de gorduras embutidas, caso de certos cortes de carne, como a popular picanha.
  21. 21. O consumo calórico e nutricional nas regiões brasileiras Carboidratos A recomendação é de 55% das calorias diárias ou 275 gramas para uma dieta de 2.000. Segundo os nutricionistas, um dos piores erros de nós, brasileiros, é abrir espaço no menu somente para as opções feitas com a farinha refinada. Fibras A recomendação é de 25 gramas diárias para um adulto saudável. Essa substância é festejada por ajudar a controlar o apetite, melhorar o trânsito intestinal e diminuir o risco para o aparecimento de tumores. Açúcar A recomendação é de até 10% das calorias diárias ou, no máximo, 50 gramas para uma dieta de 2.000. Infelizmente, a POF mostra que, em todas as regiões do país, há um verdadeiro abuso no consumo do alimento. O excesso açucarado serve de estopim para diversas encrencas, entre as quais, as cáries e a obesidade.
  22. 22. Taxa de Desnutrição Pesquisa da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP revela que o índice de desnutrição infantil no Nordeste brasileiro caiu de 33,9% em 2005 para 5,9% em 2008. Os principais fatores associados à redução apontados pelo estudo são o aumento do poder aquisitivo familiar e a ampliação da escolaridade média das mães. Segundo a nutricionista Ana Lucia Lovadino de Lima, uma das autoras do trabalho, a queda se acentuou depois de 2002 e poderá atingir índices ainda menores nos próximos anos se forem mantidas as políticas de transferência de renda e o acesso a serviços básicos como saúde, educação e saneamento básico for ampliado. O estudo se baseou nas Pesquisas Nacionais de Demografia e Saúde (PNDS) realizadas no Brasil nos anos de 2002, 2005 e 2008. “A partir das informações sobre crianças menores de cinco anos e de suas mães, a variação nos índices foi avaliada com base em cinco determinantes essenciais na questão da desnutrição Infantil.” Os fatores analisados como determinantes foram a assistência à saúde, a presença de esgoto e água canalizada no domicílio, a escolaridade da mãe, o poder aquisitivo familiar e os antecedentes reprodutivos da criança.
  23. 23. Taxa de Desnutrição Entre 2002 e 2005, o nível de desnutrição caiu de 33,9% para 22,2%, devido principalmente a melhoria da escolaridade materna e do acesso ao saneamento básico (rede de água e esgoto). “A assistência à saúde e os antecedentes reprodutivos tiveram menor influência”, diz a nutricionista, “e o poder aquisitivo familiar foi o fator menos importante nessa redução devido a realidade econômica observada no período.” Aceleração A queda da desnutrição se acelerou entre 2005 e 2008, e o índice chegou a 5,9%, sendo que as melhorias observadas no poder aquisitivo familiar e na escolaridade materna foram os fatores que mais contribuíram. “Nesse período foram implantadas políticas de estabilidade econômica, de transferência de renda e de acesso à educação que contribuíram de forma muito importante para a redução da prevalência da desnutrição infantil na região Nordeste”, afirma Ana Lúcia. De acordo com a nutricionista, se a queda da desnutrição infantil no Nordeste brasileiro mantiver o mesmo ritmo acelerado, dentro de aproximadamente dez anos o índice chegará ao nível considerado aceitável para uma população saudável, que é de 2,3%. “Para que essa tendência se mantenha, é necessária a continuidade das políticas públicas de aumento da renda da população mais pobre, além de maiores investimentos em saúde, educação e em saneamento”, conclui. No Nordeste, a desnutrição afeta 27,3% da população. Em todo o Brasil há 30,7% de crianças de até 5 anos desnutridas.
  24. 24. O papel da Enfermagem na desnutrição infantil  Orientar a família sobre o que é desnutrição e quais são as possíveis consequências para a criança.  Orientar a cuidadora da necessidade da estimulação neuropsicomotorada criança.  Orientar a cuidadora para que exponha a criança ao sol, iniciando com5min no primeiro dia, 10min no segundo e do terceiro em diante 15min. Não esquecendo de reforçar os horários nocivos de exposição, antes das 10h e depois da16h.  Orientar a família quanto aos cuidados de higiene básicos.
  25. 25. O papel da Enfermagem na desnutrição infantil  Orientar a cuidadora a realizar a troca de fraldas sempre que a criança evacuar e urinar, mantendo a região pubiana sempre limpa e livre da umidade.  Orientar sobre importância da vacinação, verificar cartão vacinal da criança e encaminhar para vacinação, caso o esquema vacinal esteja atrasado.  Orientar e estimular uma dieta completa e saudável, abrangendo todos os grupos de alimento que a criança necessita, considerando sua realidades ócio-econômica.  Discutir com a cuidadora suas percepções sobre as alternativas alimentares, uso e opções de manejo e orientar quanto à adequação da dieta e correção de possíveis erros.
  26. 26. Bibliografia  http://saude.abril.com.br/emagrece-brasil/consumo- calorico-nutricional-pof-brasil.shtml  http://culinaria.culturamix.com/comida/tipica/culinaria- nordestina  https://www.google.com.br/search?q=desnutri%C3%A7 %C3%A3o+e+obesidade+infantil+no+nordeste+brasil& source=lnms&tbm=isch&sa=X&ei=t5CoUvKuOLPIsAT-- 4HwDQ&ved=0CAcQ_AUoAQ&biw=1440&bih=798  http://www.grupoescolar.com/pesquisa/regiao-nordeste- do-brasil.html  Todas as imagens foram tiradas do Google.

×