10/8/09





                                                                            Hospital A.C. Camargo
           ...
10/8/09





                 Pesquisa                                                               LBHC
  Diagnóstico: ...
10/8/09





                                                                     L?HC




         *
      Nota de rodapé...
10/8/09





                                        Para fazer o processo
                                    Cientista ...
10/8/09





         Bioinformática vs TI                                                    LBHC’2004
  Arquitetura de ...
10/8/09





E os prontuários em papel?                                                                              Apoio...
10/8/09





             Pinga Projetos
  Cadastro de projetos de ciência desenvolvidos no
                             ...
10/8/09





      8

10/8/09





        Em implementação                                                  Same2
  Adequação a projetos avali...
10/8/09





                                                                                Request for project and on-de...
10/8/09





                      XUSD                                           Oncotree
  Cadastro de informações clín...
10/8/09





                       Projetos                                 Dados clínicos
          http://www.lbhc.hcan...
10/8/09





       Metadados                                         Como disponibilizar?
                   Quais pacien...
10/8/09





                  Otimizar!                        1ª lei da informática médica
  Não basta ser possível
  ...
10/8/09





djogopatrao@gmail.com




                             15

Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

USPRP_handout

680 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
680
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

USPRP_handout

  1. 1. 10/8/09
 Hospital A.C. Camargo   Bairro da Liberdade, São Informática Médica e Paulo   Centro de referência em Bioinformática Câncer A experiência do Hospital A.C. Camargo   61.000 pacientes atendidos em 2008   11.000 novos casos de câncer   Pós graduação nota 7 Diogo F. C. Patrão CAPES O Câncer Diagnóstico/Tratamento   Neoplasia maligna   Nos EUA, 25% das mortes   Fatores ambientais é causada por câncer   Crescimento, divisão de   Fatores genéticos células no corpo sem   H: Próstata, Pulmão e   Fatores hereditários controle Colorretal   Idade, hábitos   Destruição de tecidos   M: Mama, Pulmão e adjascentes Colorretal   Quimioterapia   Fixação à distância   Completa remissão é rara,   Radioterapia (metástase) sobrevida é curta   Hormonioterapia   Cada tipo de câncer tem características diferentes   Cirurgia   ? 1

  2. 2. 10/8/09
 Pesquisa LBHC   Diagnóstico: quais fatores determinam como o desfecho do caso? Como adiantar o diagnóstico o Laboratório máximo possível? de   Tratamento: qual funciona melhor? É melhor que deixar o paciente sem tratamento? Biotecnologia   Qualidade de vida: como aumentar o conforto do do paciente? Fatores emocionais interferem? Hospital do Câncer Diogo F C. Patrão . Curriculum   Desenvolvedor de software freelancer desde   9 trabalhos publicados em revistas indexadas no 1996 PubMed   Bacharel em física pela USP (2003)   Aulas ministradas sobre bioinformática na pós   Ingresso em 2004 no Instituto Ludwig de graduação da Medicina e Biologia/USP. Pesquisa Sobre o Câncer como Programador Jr.   Membro titular do Comitê de Ética em Pesquisa do   Transferência em 2005 para o Hospital A.C. Hospital A.C. Camargo Camargo como Assessor Estatístico.   Coordenador de Informática Médica em 2007   Participante do projeto INCiTO – Instituto Nacional   Gerente de Informação Científica em 2009 de Ciência e Tecnologia em Oncogenômica 2

  3. 3. 10/8/09
 L?HC * Nota de rodapé Coringa Anonimização   O que é biotecnologia?   Bioinformática?   Ciência ou apoio a ciência?   Pesquisadores ou técnicos? Cadeia de valor na ciência   Dados sobre a amostra   Coleta da amostra   Armazenamento   Preparação   Processamento   Obtenção do resultado   Processamento do resultado   Analise final 3

  4. 4. 10/8/09
 Para fazer o processo   Cientista chefe do laboratório   Técnico biólogo para coletar as amostras e dados, e lidar com os aparelhos   Técnico bioinformata para rodar as análises e gerenciar os dados e resultados parciais   Estatístico / Cientista bioinformata para planejar o experimento e escolher as ferramentas de análise   Técnicos de TI: computador, sistema operacional, rede, impressora, telefone Mais ainda! 1ª. Lei da Bioinformática   Departamento de compras: reagentes, máquinas, servidores   Pessoal: contratação, ∀xBioInfo(x) ∧¬TI(x) salários, aumentos, produtividade, demissão, ∀xTI(x) ∧¬BioInfo(x) processos   Manutenção: ar condicionado, água, luz, no-break, ratos, pia, Bioinformática não é TI, e banheiro € vice-versa. 4

  5. 5. 10/8/09
 Bioinformática vs TI LBHC’2004   Arquitetura de rede   Linguagem de   Banco de tumores (afabri) programação   Cabeamento/Internet   CloneDB e Pipeline (chuck)   Bibliotecas de análise de   Instalar Windows/linux   ArrayManager (luizpcam) dados   Formatar/Configurar   Power!Array (djogo)   Interface com   Escolher e comprar equipamentos de análise computador   Escolher e adaptar Outros integrantes:   Manutenção de software e métodos   Coordenação (helena) equipamento quebrado   Interagir com biólogos, médicos e a TI   Estatístico (ctorres)   Pesquisador (eabrantes) Prontuário Eletrônico Dificuldades   Informação médica é difícil Motivações de modelar   Pesquisa clínica   Não há consenso sobre vocabulário utilizado   Pesquisa biomoléculas (médicos não usam)   Há conceitos em medicina   Administração que tem intersecção de significado   Atendimento médico   É mais fácil escrever por extenso!   Tudo isso complica a busca e reaproveitamento dos dados 5

  6. 6. 10/8/09
 E os prontuários em papel? Apoio à ciência 1953-2007 – mais de 50 mil pacientes! Integração entre sistemas LBHC-DEV divisão de informação médica Alambique   Pinga Projetos – Trâmite e avaliação de projetos de Bancos comuns Informação específica pesquisa no HACC Pinga – amostras Pinga - projetos   Pinga Biobank – Gestão do banco de tumores XUSD congelados, parafina, RNA, DNA e sangue SAME2 Oncotree   Oncotree – Cadastro de estrutura familial integrada a informação clínica Login LBHC   SAME2 – Agendamento de consulta a prontuários   XUSD – Dados clínicos para pesquisa Usuários CID10 CID-O Países ... 6

  7. 7. 10/8/09
 Pinga Projetos   Cadastro de projetos de ciência desenvolvidos no Pinga Projetos Hospital A.C. Camargo Objetivos Empecilhos   Reflete as políticas e regulamentações do CEP   Facilitar a submissão de   Regulamentação não projetos permite entrega de (Comitê de Ética em Pesquisa) e CONEP (Comissão documentos com assinatura Nacional de Ética em Pesquisa)   Melhorar as estatísticas e eletrônica controle da direção   Acessível pela intranet do Hospital   Muita regulamentação interna tem que mudar   Processo de aprovação é regulado por órgão federal Pesquisador Pinga Projetos – características Elaboração do projeto Escritório de Avaliação   Checklist de documentos baseado nos atributos financeira e projetos doc.   Gerador automático de documentos Escolha da   Vínculo com cadastro de pesquisadores comissão competente   Vínculo com pubmed para cadastrar papers CEP Atribuição de relator Solicitação de parecer parcial para outra Cadastro do comissão parecer Cadastro da decisão final Aprovado,
Em
pendência,
 Não
aprovado
 7

  8. 8. 10/8/09
 8

  9. 9. 10/8/09
 Em implementação Same2   Adequação a projetos avaliados pelo CEUA (Comitê   Solicitação de prontuários para pesquisa de Ética em Uso de Animais)   Prontuários em papel ou microfilme   Projetos temáticos e afiliados (sem aprovação)   Autorização de acesso aos documentos pelo Pinga   Cartas-respostas do CEP e outros comitês (toda a Projetos ou Carta de Autorização comunicação entre comissões e pesquisador)   Relatórios de acompanhamento (depois da aprovação)   Integração com Plataforma Brasil – Ministério da Saúde Pinga biobank   Cadastro de tecido congelado, parafinado, sangue, RNAe DNA   Cadastro de informações sobre tecidos e pacientes   Gestão de pedidos e fornecimento de alíquotas de moléculas 9

  10. 10. 10/8/09
 Request for project and on-demand Sample acquisition and storage extraction of RNA/DNA Sample
request
 (no
RNA/DNA
 on
bank)
 Surgery
 Tumor
 Cut
samples
 Preliminary
AP
 Frozen
Ossue
 MicrodissecOon
 diagnosis
 withdraw
 Request
(RNA/ Researcher
 DNA
on
bank)
 RNA/DNA
 extracOon
 DefiniOve
storage
 Store
in
tube
then
 Final
AP
 at
‐160C
 snap
freeze
 diagnosis
 Aliquot
for
 Processes
fully
covered
by
Biobank
 project
 RNA/DNA
 (by
Desktop
or
Mobile
staOon)
 storage
 10

  11. 11. 10/8/09
 XUSD Oncotree   Cadastro de informações clínicas   Cadastro de árvores familiares   Reunir dados para pesquisa científicas   Estudo de síndromes hereditárias   Prioridades: Busca, Flexibilidade, Integração   Em especial, síndromes relacionadas a câncer   Escopo: dados de pacientes interessantes para pesquisa 11

  12. 12. 10/8/09
 Projetos Dados clínicos http://www.lbhc.hcancer.org.br/wiki/   Prontuário, anotações de tratamento, exames suporte@lbhc.hcancer.org.br   Resumos, levantamentos para pesquisa   Legado: papel, microfilmes, fichas   Prontuário familiar   Dados de autoexame Como coletar? Como armazenar?   Qual a interface ideal para   Modelagem tradicional de   Quase totalidade dos o atendimento médico ? banco de dados: rápido de softwares clínicos usa gravar e buscar, mas difícil modelagem tradicional.   Texto livre ou campos de mudar detalhados?   A modelagem XML é mais   Modelagem XML de flexível, mas ainda requer   Como disponibilizar a bancos: não tão rápido um expert para organizar o informação? para gravar, lento para conhecimento médico. buscar, flexível   Arquétipos: iniciativa para   Linguagem médica é de normatizar a modelagem difícil compreensão para do prontuário leigos colaborativamente 12

  13. 13. 10/8/09
 Metadados Como disponibilizar? Quais pacientes tiveram   Quais dados são   Qual a melhor forma de câncer de mama no ano necessários durante organizar o dado? passado?   um atendimento   Como dar conta das   CID10: C50   um exame preferências de cada   um relatório médico médico e especialidade?   CIDO:M8012/2   um resumo de alta   Texto: “CDI” ou “Tu ma” ou   uma internação “CA ma”   uma cirurgia   E para os departamentos de apoio? Quantas perguntas no Quanto dura uma consulta? prontuário ideal? 30 minutos 90-200 13

  14. 14. 10/8/09
 Otimizar! 1ª lei da informática médica   Não basta ser possível   O prontuário tem que ser eficiente ∀xIM(x) ∧¬TI(x)   Prover os dados que o médico (e todo o resto) precisa ∀xTI(x) ∧¬IM(x)   Não dificultar o atendimento   € Oportunidades   Bioinformática e Informática médica   Desenvolvimento de software XP   Gestão de projetos científicos   Finanças e produtividade   Planejamento estratégico 14

  15. 15. 10/8/09
 djogopatrao@gmail.com 15


×