SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
Grécia Antiga
A gênese da cultura ocidental
• A democracia da Grécia Antiga.
• Possibilidade de participação política.
• Os cidadãos devem discutir e decidir sobre
questões de interesse da coletividade.
• Grécia e Roma: ponto de partida da noção de
democracia e de cidadania – direito, filosofia,
arte, modo de pensar do mundo ocidental.
A civilização grega
• Localização da Grécia.
• Descontinuidade entre a Grécia antiga e a
Grécia atual.
• Importância da sociedade grega: serviram de
inspiração para os movimentos que lutaram
por liberdade e igualdade, contra a tirania dos
governantes ou a opressão estrangeira.
Períodos da História da Grécia Antiga
• Pré-Homérico - entre 2000 e 1.100 a.C
• época de ocupação do território da Grécia. Desenvolvimento das
civilizações Micênica e Cretense. Invasão dos Dórios no final deste
período, provocando a dispersão dos povos da região e ruralização.
• Homérico - entre 1.100 e 700 a.C
• conclusão do processo de ruralização das comunidades gentílicas.
Nos genos havia a coletivização da produção e dos bens. No final
deste período, com o crescimento populacional, ocorreu a
desintegração dos genos.
• Arcaico - entre 700 e 500 a.C
• surgimento das pólis (cidades-estados) com a formação de uma elite
social, econômica e militar que passa a governar as cidades. Neste
período ocorreu a divisão do trabalho e o processo de urbanização.
Surge o alfabeto fonético grego e significativo desenvolvimento
literário e artístico.
• Clássico - entre 500 e 338 a.C
• época de grande desenvolvimento econômico, cultural,
social e político da Grécia Antiga. Época de grande
fortalecimento das cidades-estados gregas como, por
exemplo, Esparta, Atenas, Tebas, Corinto e Siracusa. Foi
também uma época marcada por conflitos externos como,
por exemplo, as Guerras Médicas (entre gregos e persas no
século V). Ocorreu também, neste período, a Guerra do
Peloponeso (entre Atenas e Esparta).
• Helenístico - entre 338 e 146 a.C
• fase marcada pelo enfraquecimento militar grego e a
conquista macedônica na região. A cultura grega espalha-
se pela Ásia, fundindo-se com outras (helenismo).
A civilização minoica
• 2200 a. C. – Ilha de Creta: Estados teocráticos cuja
administração estava centrada nos palácios de Creta,
como o de Cnossos.
• Principal atividade econômica: comércio marítimo.
• Século XVI a. C. – território (grego) começou a ser
ocupado pelos micênicos (aqueus): introdução do
uso do carro e do cavalo (elementos guerreiros).
A civilização micênica
• Síntese de elementos culturais.
• Primeiros a compor elementos escritos em língua
próxima à grega (linear B).
• Poder centralizado – reis instalados em seus
palácios.
• 1200 a. C. – crise do mundo micênico: invasão dos
dórios, dificuldades econômicas e ocorrências
naturais.
• Transição entre o poder centralizado e a pólis (século
VIII a. C.) – período homérico.
Testemunhos do Período Homérico
• Ilíada: o foco central é o último ano da famosa
Guerra de Troia.
• Odisseia: narra as façanhas do herói Odisseu (Ulisses)
na sua viagem de retorno a Ítaca após combater na
Guerra de Troia.
• São poemas atribuídos a Homero, mas é mais
provável que representem o ponto culminante de
uma longa e rica tradição da poesia oral.
• Recitados pelos aedos e pelos rapsodos
A virtude guerreira
• Valorização da atividade bélica.
• Individualidade: a vitória resultava das
habilidade individuais do guerreiro e não de
ações coletivas ou estratégias de batalhões
(isso vai mudar no período clássico).
• Atividade guerreira restrita a uma elite.
Comunidade gentílicas
• Organização em gene: comunidades constituídas de
clãs familiares, que se identificavam entre si por
meio de um ancestral comum.
• Oikos: unidade social de produção (pastoreio,
agricultura e artesanato).
• Crise: concentração das propriedades de terras nas
mãos de uma minoria aristocrática.
• Aristocracia X artesãos e camponeses = nova
estrutura social – a pólis grega
Questões da página 103
• Responda-as...
A formação da pólis grega e a invenção da
democracia
• Pólis = cidade-estado + comunidade de cidadãos
responsáveis pelas atividades política e militar.
• Assembleias de guerreiros para tomar as decisões –
debate e discussão. Os cidadãos podiam, portanto,
participar do governo.
• Século VIII ao VI a. C. – pólis aristocrática, com
reduzida participação política.
A colonização grega
• Colonização como válvula de escape para a
crise social que ameaçava as póleis gregas.
• Expansão pelo Mar Negro e pelo Mar
Mediterrâneo (séculos VIII a VI a. C.)
• As colônias não mantinham dependência
política em relação às suas cidades-mães.
As reformas sociais (p. 106)
• A colonização não conseguiu resolver a questão agrária.
• O homem comum passou a contestar os privilégios
tradicionais da aristocracia guerreira.
• Instituição do direito escrito (Licurgo em Esparta, Drácon em
Atenas.
Sólon e a cidade ateniense
• Novas leis para controlar a tensão social que
tomava conta da pólis (Atenas).
1. Abolição da escravidão por dívidas;
2. Organização censitária da sociedade;
3. Criação de um Conselho (Bulé).
• As reformas não conseguiram conter as
agitações sociais: aristocracia descontente
com a perda de privilégios; camadas
populares queriam mais poder de decisão.
• Pisístrato toma o poder em 546 a. C. –
instalação da tirania
A tirania (Pisístrato)
• Confiscou terras e as distribuiu entre os
pequenso proprietários.
• Impulsionou o comércio marítimo financiando
a construção naval.
• Incentivou grandes obras arquitetônicas.
• Promoveu festivais de teatro.
• Ordenou a compilação da Ilíada e da Odisseia.
• Outras cidades-estado também conheceram a
tirania nessa época.
A democracia ateniense
• 509 a. C. – Clístenes aboliu as diferenças baseadas na origem
familiar ou na fortuna pessoal e estabeleceu a igualdade de
todos os cidadãos perante a lei
• Em Atenas: democracia direta – os cidadãos participavam
diretamente do governo, cada um expressando suas posições
(ver doc. 5 na página 108).
• Democracia moderna: é “representativa” – os cidadãos
escolhem, por meio do voto, os seus representantes.
• Divisão social em Atenas (cidadãos, metecos e escravos) –
(ver doc. 4 na página 108).
Esparta: a pólis oligárquica
• Sociedade aristocrática de base agrária.
• A principal atividade era a guerra.
• Governada por dois reis pertencentes a duas famílias distintas:
diarquia.
• Gerúsia: conselho de anciãos formado por dois reis e mais 28
cidadãos maiores de 60 anos – cuidava da política externa.
• Ápela: onde votavam os cidadãos para designar os éforos, que
eram os que de fato governavam a cidade.
• Em Esparta não se manifestou a tendência à livre discussão e à
livre expressão do pensamento, que eram essenciais para a
democracia ateniense.
• Divisões sociais em Esparta: Esparciatas, Periecos e Hilotas (ver
doc. 7 na p. 109).
As guerras médicas
• Independência das cidades gregas na Ásia
Menor – vitória sobre o Império Persa.
• Liga de Delos: aliança militar das cidades
gregas com o objetivo de organizar uma
poderosa frota marítima, financiada por meio
de tributos recolhidos entre as cidades
integrantes.
• Florescimento cultural de Atenas graças aos
tributos recolhidos da Liga.
A Guerra do Peloponeso
• Formação da Liga do Peloponeso (Esparta e outras cidades
gregas): objetivo de frear o crescente poderio ateniense.
• Esparta X Atenas.
• A derrota de Atenas significou a ruína da democracia e a
instalação de regimes oligárquicos nas cidades sob influência
espartana.
• As sucessivas guerras destruíram a economia grega e
provocaram a redução populacional.
• Conquista Macedônica: inicia com Alexandre, o grande, o
período helenístico, no qual houve um grande intercâmbio de
culturas.
• Os reinos helenísticos foram conquistados pelos romanos no
século I a. C.
Jogos olímpicos
Os jogos olímpicos
• Evento religioso pan-helênico.
• proibidos pelo imperador cristão Teodósio
I em 393, por serem uma manifestação de
rituais do paganismo.
Local
• Os Jogos Olímpicos decorriam no santuário de Zeus em Olímpia que era
feito de mármore cristalizado situado na região ocidental do Peloponeso,
a cerca de 15 quilómetros do Mar Jônio, próximo da confluência dos rios
Alfeus e Cladeos. Este santuário retira o seu nome ao Monte Olimpo (que
se situa longe do local, na Tessália, norte da Grécia), ponto mais elevado
da Grécia continental e que era na mitologia grega a residência das
divindades.
• O núcleo de Olímpia era o Áltis, um bosque sagrado. No centro do bosque
existia um templo em estilo dórico dedicado a Zeus, que foi construído
entre 468 e 456 a.C., em cujo interior se encontrava uma estátua colossal
do deus da autoria de Fídias e que era considerada uma das Sete
Maravilhas do Mundo Antigo.
Participantes
• Não poderiam participar nos jogos os estrangeiros (os "bárbaros" segundo
a mentalidade grega), os escravos e as mulheres.
• Os atletas eram de uma forma geral oriundos das classes mais favorecidas
e tinham sido iniciados no desporto desde tenra idade. Não vinham
apenas da Grécia continental, mas de todos os pontos do mundo grego
que na Antiguidade incluía as colónias espalhadas pelas costas do
Mediterrâneo e do Mar Negro.
• Os vencedores eram alvo da homenagem da sua cidade: poderiam
receber alimentação gratuita, terem estátuas erguidas em sua honra e
serem cantados pelos poetas.
• Era proibida a guerra durante o período dos jogos e que visava proteger
os espectadores e atletas durante vinda, estadia e regresso.
As provas
• Corridas pedestres.
• Corridas equestres.
• Luta, pugilato e pancrácio.
• Pentatlo: lançamento do disco, lançamento
do dardo, salto em comprimento, a corrida de
estádio (semelhante aos 200 m) e a luta.
Filosofia
Pré-socráticos
• Surgimento da pólis e de um novo tipo de
conhecimento.
• Voltaram sua atenção para a natureza.
• O conhecimento podia ser debatido por todos
os cidadãos.
• A palavra não era mais privilégio de um rei e a
explicação dos cosmos não ficava mais restrita
ao interior de um palácio .
Sofistas
• Buscavam sistematizar o conhecimento e
aperfeiçoar os instrumentos da razão.
• A persuasão era o instrumento por excelência
do cidadão na pólis democrática.
• Se dedicava ao ensino itinerante, cobrando
pelas aulas que ministravam.
Socráticos
• Assim chamados devido à forte influência exercida pelo
pensamento de Sócrates (470-399 a.c).
• Platão foi o mais importante discípulo de Sócrates: refletiu
sobre a natureza do conhecimento e da política. Escreveu A
República e As leis.
• Aristóteles foi discípulo de Platão, mas criticava a
preocupação quase exclusiva dos socráticos com problemas
morais e políticos, voltando sua atenção também para a
observação da natureza e sua leis.
A morte de Sócrates – Jacques-Louis David
Responda as perguntas abaixo (ler texto das páginas 110 a 113)
- pode fazer em dupla, mas tem que ser entregue individualmente.
- vale como atividade avaliativa complementar à prova
1. Relacione a origem da pólis ao surgimento da filosofia.
2. Como podemos caracterizar o pensamento dos pré-
socráticos, dos socráticos e dos sofistas?
3. Explique, resumidamente, como era a educação de
meninos e meninas em Esparta e em Atenas.
4. Quais eram o gêneros teatrais mais celebrados nos festivais
gregos? Caracterize-os e cite os principais autores de cada
um desses gêneros.
5. Que importantes descobertas matemáticas são atribuídas a
Pitágoras e seus discípulos?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Grecia Antiga
Grecia Antiga Grecia Antiga
Grecia Antiga
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
História (Grécia)
História (Grécia)História (Grécia)
História (Grécia)
 
Grécia
GréciaGrécia
Grécia
 
Grécia Antiga - Aula 2
Grécia Antiga - Aula 2Grécia Antiga - Aula 2
Grécia Antiga - Aula 2
 
Grécia
GréciaGrécia
Grécia
 
Grecia antiga período pré-homérico e homérico
Grecia antiga   período pré-homérico e homéricoGrecia antiga   período pré-homérico e homérico
Grecia antiga período pré-homérico e homérico
 
Grecia antiga
Grecia antigaGrecia antiga
Grecia antiga
 
Grécia antiga.
Grécia antiga.Grécia antiga.
Grécia antiga.
 
A origem dos gregos
A origem dos gregosA origem dos gregos
A origem dos gregos
 
Civilização Grega Antiga - Prof. Medeiros
Civilização Grega Antiga - Prof. MedeirosCivilização Grega Antiga - Prof. Medeiros
Civilização Grega Antiga - Prof. Medeiros
 
3°ano - Grécia Antiga - Antiguidade Clássica - aula 1
3°ano - Grécia Antiga - Antiguidade Clássica  - aula 13°ano - Grécia Antiga - Antiguidade Clássica  - aula 1
3°ano - Grécia Antiga - Antiguidade Clássica - aula 1
 
Grécia antiga sem cabeçalho
Grécia antiga sem cabeçalhoGrécia antiga sem cabeçalho
Grécia antiga sem cabeçalho
 
As pólis gregas
As pólis gregasAs pólis gregas
As pólis gregas
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
A grécia antiga período pré-homérico
A grécia antiga   período pré-homéricoA grécia antiga   período pré-homérico
A grécia antiga período pré-homérico
 
Resumo Unidade II - Cap 4 - Grecia Antiga
Resumo Unidade II - Cap 4 - Grecia AntigaResumo Unidade II - Cap 4 - Grecia Antiga
Resumo Unidade II - Cap 4 - Grecia Antiga
 
Aula de história – 6º ano grecia antiga
Aula de história – 6º ano   grecia antigaAula de história – 6º ano   grecia antiga
Aula de história – 6º ano grecia antiga
 
A Grécia Antiga
A Grécia AntigaA Grécia Antiga
A Grécia Antiga
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 

Destaque (20)

Sociedade e economia na ordem feudal
Sociedade e economia na ordem feudalSociedade e economia na ordem feudal
Sociedade e economia na ordem feudal
 
Aula o feudalismo
Aula o feudalismoAula o feudalismo
Aula o feudalismo
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
 
Grécia slide original
Grécia slide originalGrécia slide original
Grécia slide original
 
Planificação ai 15.16 11º ano
Planificação ai 15.16 11º anoPlanificação ai 15.16 11º ano
Planificação ai 15.16 11º ano
 
Sociologia: gênese e principais abordagens
Sociologia: gênese e principais abordagensSociologia: gênese e principais abordagens
Sociologia: gênese e principais abordagens
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
DEMOCRACIA DIRETA E SUAS IMPLICAÇÕES
DEMOCRACIA DIRETA E SUAS IMPLICAÇÕESDEMOCRACIA DIRETA E SUAS IMPLICAÇÕES
DEMOCRACIA DIRETA E SUAS IMPLICAÇÕES
 
A colonização da América espanhola
A colonização da América espanholaA colonização da América espanhola
A colonização da América espanhola
 
A mesopotâmia
A mesopotâmiaA mesopotâmia
A mesopotâmia
 
Era napoleônica
Era napoleônicaEra napoleônica
Era napoleônica
 
Anos dourados
Anos douradosAnos dourados
Anos dourados
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
A europa da alta idade média
A europa da alta idade médiaA europa da alta idade média
A europa da alta idade média
 
O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado modernoO absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 

Semelhante a Grécia antiga Colégio Anchieta

GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxmylady5
 
Grécia_Antiga.ppt
Grécia_Antiga.pptGrécia_Antiga.ppt
Grécia_Antiga.pptPedroIgor76
 
Grecia
GreciaGrecia
GreciaISJ
 
Conteúdo História da GRÉCIA ANTIGA SLIDES.pptx
Conteúdo História da GRÉCIA ANTIGA SLIDES.pptxConteúdo História da GRÉCIA ANTIGA SLIDES.pptx
Conteúdo História da GRÉCIA ANTIGA SLIDES.pptxVinciusKusma
 
Civilizações do Mundo
Civilizações do MundoCivilizações do Mundo
Civilizações do MundoPanquecasSIAA
 
Revisão de história 3º ano
Revisão de história 3º anoRevisão de história 3º ano
Revisão de história 3º anoeunamahcado
 
Yyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyy
YyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyYyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyy
Yyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyymayques122
 
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade greciaCidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade greciaJonas Araújo
 
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e RomaAntiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e RomaMarilia Pimentel
 
2bimestre-161116215357.pdf
2bimestre-161116215357.pdf2bimestre-161116215357.pdf
2bimestre-161116215357.pdfElizeu filho
 
Antiguidade clássica grécia
Antiguidade clássica   gréciaAntiguidade clássica   grécia
Antiguidade clássica gréciaPrivada
 

Semelhante a Grécia antiga Colégio Anchieta (20)

GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
 
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
Grecia Antiga
 
Grécia_Antiga.ppt
Grécia_Antiga.pptGrécia_Antiga.ppt
Grécia_Antiga.ppt
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
 
Conteúdo História da GRÉCIA ANTIGA SLIDES.pptx
Conteúdo História da GRÉCIA ANTIGA SLIDES.pptxConteúdo História da GRÉCIA ANTIGA SLIDES.pptx
Conteúdo História da GRÉCIA ANTIGA SLIDES.pptx
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
 
Civilizações do Mundo
Civilizações do MundoCivilizações do Mundo
Civilizações do Mundo
 
Grécia antiga revisão
Grécia antiga revisãoGrécia antiga revisão
Grécia antiga revisão
 
A grécia antiga
A grécia antigaA grécia antiga
A grécia antiga
 
Revisão de história 3º ano
Revisão de história 3º anoRevisão de história 3º ano
Revisão de história 3º ano
 
Yyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyy
YyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyYyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyy
Yyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyy
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
 
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade greciaCidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
 
A GRÉCIA ANTIGA
A GRÉCIA ANTIGAA GRÉCIA ANTIGA
A GRÉCIA ANTIGA
 
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e RomaAntiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
 
2bimestre-161116215357.pdf
2bimestre-161116215357.pdf2bimestre-161116215357.pdf
2bimestre-161116215357.pdf
 
História grecia-roma
História   grecia-romaHistória   grecia-roma
História grecia-roma
 
Antiguidade clássica grécia
Antiguidade clássica   gréciaAntiguidade clássica   grécia
Antiguidade clássica grécia
 
Pism
PismPism
Pism
 

Mais de Ramiro Bicca

A guerra dos cem anos e o fim da idade média
A guerra dos cem anos e o fim da idade médiaA guerra dos cem anos e o fim da idade média
A guerra dos cem anos e o fim da idade médiaRamiro Bicca
 
Construção do império marítimo português
Construção do império marítimo portuguêsConstrução do império marítimo português
Construção do império marítimo portuguêsRamiro Bicca
 
A União Ibérica e o Brasil holandês
A União Ibérica e o Brasil holandêsA União Ibérica e o Brasil holandês
A União Ibérica e o Brasil holandêsRamiro Bicca
 
A origem do homem americano
A origem do homem americanoA origem do homem americano
A origem do homem americanoRamiro Bicca
 
O neolítico e a revolução agrícola
O neolítico e a revolução agrícolaO neolítico e a revolução agrícola
O neolítico e a revolução agrícolaRamiro Bicca
 
A civilização egípcia
A civilização egípciaA civilização egípcia
A civilização egípciaRamiro Bicca
 
O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado modernoO absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado modernoRamiro Bicca
 
Idade média e idade moderna
Idade média e idade modernaIdade média e idade moderna
Idade média e idade modernaRamiro Bicca
 

Mais de Ramiro Bicca (13)

Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
O mundo islâmico
O mundo islâmicoO mundo islâmico
O mundo islâmico
 
A guerra dos cem anos e o fim da idade média
A guerra dos cem anos e o fim da idade médiaA guerra dos cem anos e o fim da idade média
A guerra dos cem anos e o fim da idade média
 
Construção do império marítimo português
Construção do império marítimo portuguêsConstrução do império marítimo português
Construção do império marítimo português
 
A União Ibérica e o Brasil holandês
A União Ibérica e o Brasil holandêsA União Ibérica e o Brasil holandês
A União Ibérica e o Brasil holandês
 
Regime militar
Regime militarRegime militar
Regime militar
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
A origem do homem americano
A origem do homem americanoA origem do homem americano
A origem do homem americano
 
O neolítico e a revolução agrícola
O neolítico e a revolução agrícolaO neolítico e a revolução agrícola
O neolítico e a revolução agrícola
 
A civilização egípcia
A civilização egípciaA civilização egípcia
A civilização egípcia
 
Pré colombianos
Pré colombianosPré colombianos
Pré colombianos
 
O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado modernoO absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno
 
Idade média e idade moderna
Idade média e idade modernaIdade média e idade moderna
Idade média e idade moderna
 

Último

Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 

Último (20)

Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 

Grécia antiga Colégio Anchieta

  • 2. A gênese da cultura ocidental • A democracia da Grécia Antiga. • Possibilidade de participação política. • Os cidadãos devem discutir e decidir sobre questões de interesse da coletividade. • Grécia e Roma: ponto de partida da noção de democracia e de cidadania – direito, filosofia, arte, modo de pensar do mundo ocidental.
  • 3. A civilização grega • Localização da Grécia. • Descontinuidade entre a Grécia antiga e a Grécia atual. • Importância da sociedade grega: serviram de inspiração para os movimentos que lutaram por liberdade e igualdade, contra a tirania dos governantes ou a opressão estrangeira.
  • 4.
  • 5.
  • 6. Períodos da História da Grécia Antiga • Pré-Homérico - entre 2000 e 1.100 a.C • época de ocupação do território da Grécia. Desenvolvimento das civilizações Micênica e Cretense. Invasão dos Dórios no final deste período, provocando a dispersão dos povos da região e ruralização. • Homérico - entre 1.100 e 700 a.C • conclusão do processo de ruralização das comunidades gentílicas. Nos genos havia a coletivização da produção e dos bens. No final deste período, com o crescimento populacional, ocorreu a desintegração dos genos. • Arcaico - entre 700 e 500 a.C • surgimento das pólis (cidades-estados) com a formação de uma elite social, econômica e militar que passa a governar as cidades. Neste período ocorreu a divisão do trabalho e o processo de urbanização. Surge o alfabeto fonético grego e significativo desenvolvimento literário e artístico.
  • 7. • Clássico - entre 500 e 338 a.C • época de grande desenvolvimento econômico, cultural, social e político da Grécia Antiga. Época de grande fortalecimento das cidades-estados gregas como, por exemplo, Esparta, Atenas, Tebas, Corinto e Siracusa. Foi também uma época marcada por conflitos externos como, por exemplo, as Guerras Médicas (entre gregos e persas no século V). Ocorreu também, neste período, a Guerra do Peloponeso (entre Atenas e Esparta). • Helenístico - entre 338 e 146 a.C • fase marcada pelo enfraquecimento militar grego e a conquista macedônica na região. A cultura grega espalha- se pela Ásia, fundindo-se com outras (helenismo).
  • 8. A civilização minoica • 2200 a. C. – Ilha de Creta: Estados teocráticos cuja administração estava centrada nos palácios de Creta, como o de Cnossos. • Principal atividade econômica: comércio marítimo. • Século XVI a. C. – território (grego) começou a ser ocupado pelos micênicos (aqueus): introdução do uso do carro e do cavalo (elementos guerreiros).
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17. A civilização micênica • Síntese de elementos culturais. • Primeiros a compor elementos escritos em língua próxima à grega (linear B). • Poder centralizado – reis instalados em seus palácios. • 1200 a. C. – crise do mundo micênico: invasão dos dórios, dificuldades econômicas e ocorrências naturais. • Transição entre o poder centralizado e a pólis (século VIII a. C.) – período homérico.
  • 18. Testemunhos do Período Homérico • Ilíada: o foco central é o último ano da famosa Guerra de Troia. • Odisseia: narra as façanhas do herói Odisseu (Ulisses) na sua viagem de retorno a Ítaca após combater na Guerra de Troia. • São poemas atribuídos a Homero, mas é mais provável que representem o ponto culminante de uma longa e rica tradição da poesia oral. • Recitados pelos aedos e pelos rapsodos
  • 19. A virtude guerreira • Valorização da atividade bélica. • Individualidade: a vitória resultava das habilidade individuais do guerreiro e não de ações coletivas ou estratégias de batalhões (isso vai mudar no período clássico). • Atividade guerreira restrita a uma elite.
  • 20. Comunidade gentílicas • Organização em gene: comunidades constituídas de clãs familiares, que se identificavam entre si por meio de um ancestral comum. • Oikos: unidade social de produção (pastoreio, agricultura e artesanato). • Crise: concentração das propriedades de terras nas mãos de uma minoria aristocrática. • Aristocracia X artesãos e camponeses = nova estrutura social – a pólis grega
  • 21. Questões da página 103 • Responda-as...
  • 22. A formação da pólis grega e a invenção da democracia • Pólis = cidade-estado + comunidade de cidadãos responsáveis pelas atividades política e militar. • Assembleias de guerreiros para tomar as decisões – debate e discussão. Os cidadãos podiam, portanto, participar do governo. • Século VIII ao VI a. C. – pólis aristocrática, com reduzida participação política.
  • 23. A colonização grega • Colonização como válvula de escape para a crise social que ameaçava as póleis gregas. • Expansão pelo Mar Negro e pelo Mar Mediterrâneo (séculos VIII a VI a. C.) • As colônias não mantinham dependência política em relação às suas cidades-mães.
  • 24.
  • 25. As reformas sociais (p. 106) • A colonização não conseguiu resolver a questão agrária. • O homem comum passou a contestar os privilégios tradicionais da aristocracia guerreira. • Instituição do direito escrito (Licurgo em Esparta, Drácon em Atenas.
  • 26. Sólon e a cidade ateniense • Novas leis para controlar a tensão social que tomava conta da pólis (Atenas). 1. Abolição da escravidão por dívidas; 2. Organização censitária da sociedade; 3. Criação de um Conselho (Bulé). • As reformas não conseguiram conter as agitações sociais: aristocracia descontente com a perda de privilégios; camadas populares queriam mais poder de decisão. • Pisístrato toma o poder em 546 a. C. – instalação da tirania
  • 27. A tirania (Pisístrato) • Confiscou terras e as distribuiu entre os pequenso proprietários. • Impulsionou o comércio marítimo financiando a construção naval. • Incentivou grandes obras arquitetônicas. • Promoveu festivais de teatro. • Ordenou a compilação da Ilíada e da Odisseia. • Outras cidades-estado também conheceram a tirania nessa época.
  • 28. A democracia ateniense • 509 a. C. – Clístenes aboliu as diferenças baseadas na origem familiar ou na fortuna pessoal e estabeleceu a igualdade de todos os cidadãos perante a lei • Em Atenas: democracia direta – os cidadãos participavam diretamente do governo, cada um expressando suas posições (ver doc. 5 na página 108). • Democracia moderna: é “representativa” – os cidadãos escolhem, por meio do voto, os seus representantes. • Divisão social em Atenas (cidadãos, metecos e escravos) – (ver doc. 4 na página 108).
  • 29. Esparta: a pólis oligárquica • Sociedade aristocrática de base agrária. • A principal atividade era a guerra. • Governada por dois reis pertencentes a duas famílias distintas: diarquia. • Gerúsia: conselho de anciãos formado por dois reis e mais 28 cidadãos maiores de 60 anos – cuidava da política externa. • Ápela: onde votavam os cidadãos para designar os éforos, que eram os que de fato governavam a cidade. • Em Esparta não se manifestou a tendência à livre discussão e à livre expressão do pensamento, que eram essenciais para a democracia ateniense. • Divisões sociais em Esparta: Esparciatas, Periecos e Hilotas (ver doc. 7 na p. 109).
  • 30. As guerras médicas • Independência das cidades gregas na Ásia Menor – vitória sobre o Império Persa. • Liga de Delos: aliança militar das cidades gregas com o objetivo de organizar uma poderosa frota marítima, financiada por meio de tributos recolhidos entre as cidades integrantes. • Florescimento cultural de Atenas graças aos tributos recolhidos da Liga.
  • 31.
  • 32.
  • 33. A Guerra do Peloponeso • Formação da Liga do Peloponeso (Esparta e outras cidades gregas): objetivo de frear o crescente poderio ateniense. • Esparta X Atenas. • A derrota de Atenas significou a ruína da democracia e a instalação de regimes oligárquicos nas cidades sob influência espartana. • As sucessivas guerras destruíram a economia grega e provocaram a redução populacional. • Conquista Macedônica: inicia com Alexandre, o grande, o período helenístico, no qual houve um grande intercâmbio de culturas. • Os reinos helenísticos foram conquistados pelos romanos no século I a. C.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 44. Os jogos olímpicos • Evento religioso pan-helênico. • proibidos pelo imperador cristão Teodósio I em 393, por serem uma manifestação de rituais do paganismo.
  • 45. Local • Os Jogos Olímpicos decorriam no santuário de Zeus em Olímpia que era feito de mármore cristalizado situado na região ocidental do Peloponeso, a cerca de 15 quilómetros do Mar Jônio, próximo da confluência dos rios Alfeus e Cladeos. Este santuário retira o seu nome ao Monte Olimpo (que se situa longe do local, na Tessália, norte da Grécia), ponto mais elevado da Grécia continental e que era na mitologia grega a residência das divindades. • O núcleo de Olímpia era o Áltis, um bosque sagrado. No centro do bosque existia um templo em estilo dórico dedicado a Zeus, que foi construído entre 468 e 456 a.C., em cujo interior se encontrava uma estátua colossal do deus da autoria de Fídias e que era considerada uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49. Participantes • Não poderiam participar nos jogos os estrangeiros (os "bárbaros" segundo a mentalidade grega), os escravos e as mulheres. • Os atletas eram de uma forma geral oriundos das classes mais favorecidas e tinham sido iniciados no desporto desde tenra idade. Não vinham apenas da Grécia continental, mas de todos os pontos do mundo grego que na Antiguidade incluía as colónias espalhadas pelas costas do Mediterrâneo e do Mar Negro. • Os vencedores eram alvo da homenagem da sua cidade: poderiam receber alimentação gratuita, terem estátuas erguidas em sua honra e serem cantados pelos poetas. • Era proibida a guerra durante o período dos jogos e que visava proteger os espectadores e atletas durante vinda, estadia e regresso.
  • 50. As provas • Corridas pedestres. • Corridas equestres. • Luta, pugilato e pancrácio. • Pentatlo: lançamento do disco, lançamento do dardo, salto em comprimento, a corrida de estádio (semelhante aos 200 m) e a luta.
  • 51.
  • 53. Pré-socráticos • Surgimento da pólis e de um novo tipo de conhecimento. • Voltaram sua atenção para a natureza. • O conhecimento podia ser debatido por todos os cidadãos. • A palavra não era mais privilégio de um rei e a explicação dos cosmos não ficava mais restrita ao interior de um palácio .
  • 54. Sofistas • Buscavam sistematizar o conhecimento e aperfeiçoar os instrumentos da razão. • A persuasão era o instrumento por excelência do cidadão na pólis democrática. • Se dedicava ao ensino itinerante, cobrando pelas aulas que ministravam.
  • 55. Socráticos • Assim chamados devido à forte influência exercida pelo pensamento de Sócrates (470-399 a.c). • Platão foi o mais importante discípulo de Sócrates: refletiu sobre a natureza do conhecimento e da política. Escreveu A República e As leis. • Aristóteles foi discípulo de Platão, mas criticava a preocupação quase exclusiva dos socráticos com problemas morais e políticos, voltando sua atenção também para a observação da natureza e sua leis.
  • 56. A morte de Sócrates – Jacques-Louis David
  • 57. Responda as perguntas abaixo (ler texto das páginas 110 a 113) - pode fazer em dupla, mas tem que ser entregue individualmente. - vale como atividade avaliativa complementar à prova 1. Relacione a origem da pólis ao surgimento da filosofia. 2. Como podemos caracterizar o pensamento dos pré- socráticos, dos socráticos e dos sofistas? 3. Explique, resumidamente, como era a educação de meninos e meninas em Esparta e em Atenas. 4. Quais eram o gêneros teatrais mais celebrados nos festivais gregos? Caracterize-os e cite os principais autores de cada um desses gêneros. 5. Que importantes descobertas matemáticas são atribuídas a Pitágoras e seus discípulos?