SlideShare uma empresa Scribd logo

6. Ajude seu filho a entender o que você diz

Ajude seu filho a entender o que você diz

1 de 12
Baixar para ler offline
190 Capítulo 6 Ajude seu filho a entender o que você diz 191 
Imagine-se como um turista perdido em um país estrangeiro, pedindo informações para 
alguém. Se a pessoa responder na língua local, você provavelmente não vai entendê-la 
Mas assim que perceber sua total incompreensão, ela ajustará automaticamente sua 
linguagem. Pode ajudá-lo a entender o caminho falando menos – trocando suas frases 
longas e complexas por outras curtas e simples, e também enfatizando somente as pala-vras- 
chave para a compreensão. Também pode diminuir a velocidade da fala, mostrar-lhe 
o caminho em um mapa, e apontar a direção correta. E se ainda assim você não entender, 
ela pode repetir as palavras e os gestos importantes até que entenda. Depois de tudo isso, 
você acha o caminho e até aprende uma palavra ou outra em uma nova língua! 
Roberto parece entender o 
significado de “Vamos para 
a escola” 
Em outra situação, as 
palavras “vamos para” 
não significam nada 
para Roberto. 
Parece que Roberto 
entendeu a frase da 
sua mãe quando o car-ro 
parou na frente da 
escola, mas é provável 
que tenha entendido por 
já ter feito a mesma coisa 
muitas vezes. Os pais de Roberto 
ajudaram-no a compreender a situação, 
introduzindo repetições e previsibilidade na sua vida. Agora eles devem ajudá-lo a en-tender 
também as palavras relacionadas à situação. 
Neste capítulo, você aprenderá como ajustar sua maneira de falar para melho-rar 
a compreensão do seu filho sobre o que as pessoas fazem e dizem para ele. 
De[ij|ckob[`ei 
Z[ZedZ[[ijWcei$ 
Kij[Zj_[d[gk[_h 
^WijW[b_dWbZ[bWYWbb[ 
obk[]el[h|bWfbWoW 
^WY_WbWZ[h[Y^W$ 
?iie 
WYedj[Y[[c 
jeZWiWil_W][di$ 
HeX[hje 
Y^[]Wcei$LWcei 
fWhWW[iYebW$ 
HeX[hje[ij| 
h_e$LWcei 
fWhWYWiW$ 
FehWlehedZ[ 
_YWWfhW_W5 
Esse homem fala 
muito rápido com 
os turistas, usando 
sentenças longas. 
Eles têm dificuldade 
para entendê-lo. 
FbWoW$;i[ 
YWc_de$ 
FbWoW 
FehWleh 
edZ[_YW 
Agora o homem mudou WfhW_W5 
a maneira de falar com 
os turistas. Ele os ajuda a 
entender suas informações 
falando menos, repetindo 
e enfatizando poucas 
palavras-chave, diminuindo a 
velocidade da fala e mostra-lhes 
o caminho apontando e 
usando o mapa. 
7Y^egk[[b[[ij| 
deiZ_p[dZegk[ 
Y^[]Wh[cei}ÇfbWoWÈ 
fehWgk[bW[ijhWZW
192 Capítulo 6 
Seu filho pode sentir a mesma frustração de alguém tentando entender uma língua 
estrangeira. No Capítulo 1, discutimos como a maioria das crianças com atrasos de 
linguagem tem dificuldade em assimilar o que ouvem. Isso quer dizer que elas têm 
dificuldade para: 
 Entender o que você diz 
 Ouvi-lo quando há outros sons e visões 
 Organizar o que ouvem 
Juliano não entende 
o que sua mãe disse. 
Mesmo que seu filho saiba 
o significado de uma determinada palavra em uma situação, ele pode não entender 
o que ela significa em outro contexto. Isto acontece porque seu filho tende a asso-ciar 
um único significado a cada palavra. 
Para ajudar seu filho a entender o que você diz, faça os mesmos tipos de ajuste que 
faria para alguém aprendendo uma nova língua. 
A mãe de Juliano faz os mesmos ajustes que o mexicano fez para os turistas. Fala 
menos, dá instruções precisas e troca a sentença “guardar aquelas coisas” pelo nome 
das coisas (“brinquedos”) e o nome do lugar para onde elas devem ir (“na caixa”). 
Quando ela repete e enfatiza essas palavras-chave várias vezes, enquanto aponta para 
os brinquedos e para a caixa, Juliano finalmente consegue entender a mensagem! 
_b^elW_ 
Y^WcWhe 
[b[lWZeh$ 
;b[lWZeh 
O menino aprendeu 
que “chamar” significa 
“dizer em voz alta o 
nome de alguém”. Ele 
pensa que “chamar” só 
tem esse significado. 
Fale pouco e enfatizando, 
Devagar e demonstrando! 
8h_dgk[Zei$ 
9W_nW$DWYW_nW$ 
8h_dgk[ZeidWYW_nW$ 
@kb_WdeW]ehWleY…fh[Y_iW 
]kWhZWhWgk[bWiYe_iWi[ 
Z[fe_ifeZ[jecWhbWdY^[$
194 Capítulo 6 Ajude seu filho a entender o que você diz 195 
Para ajudar a lembrar de como ajustar o que você diz para facilitar a compreensão 
do seu filho, use a seguinte rima: Fale pouco 
 Simplifique o que você diz 
 Use sentenças e nomes curtos e claros 
Simplifique o que diz 
“Fale pouco” significa que você deve falar com seu filho no nível de entendimento 
dele, o que depende do estágio de comunicação em que se encontra. Dê todas as 
instruções em palavras claras e simples. Na maioria das vezes você precisa dar uma 
dica visual ao mesmo tempo em que dá as instruções. Por exemplo, quando está na 
hora de dormir, diga “Hora de dormir” e mostre-lhe seu pijama. 
Use sentenças e nomes curtos e claros 
Como regra geral, use nomes e sentenças curtos e claros, dando para seu filho so-mente 
a informação essencial. Se ele está começando a entender a fala, use palavras 
simples para nomear os objetos, pessoas e ações pelas quais demonstre interesse. 
Tente não demorar antes de nomear. Se você disser “Suco” depois que a atenção do 
seu filho mudou para outra coisa, sua palavra perde o sentido. Para crianças com 
melhor compreensão, diga sentenças, mas nunca longas, complexas ou ambíguas. 
Fale pouco e Enfatizando 
Devagar e Demonstrando 
Repetindo e Repisando! 
BkYWiZ[ib_]W 
WJL 
BkYWiWY^e 
gk[leY…`|l_k 
ck_jWJL$ 
Lucas não consegue entender o 
que o seu pai está dizendo. 
Quando o pai usa uma frase simples e mostra 
para Lucas sobre o que está falando, ele 
consegue entender exatamente o que fazer.
196 Capítulo 6 Ajude seu filho a entender o que você diz 197 
Enfatize 
 Exagere as palavras-chave 
 Ponha as palavras-chave no fim das sentenças 
 Use palavras DIVERTIDAS 
Exagere as palavras-chave 
Enfatizando as palavras-chave, você consegue a atenção do seu filho e as torna 
mais evidentes. Para enfatizar certas palavras, diga-as em voz mais alta ou use um 
tom exagerado. Use a maneira mais natural possível. 
Cada criança reage de maneira diferente a níveis altos de animação. Uma crian-ça 
mais passiva, que parece não ligar para o que você fala, normalmente responde 
melhor a uma voz mais alta e animada. No entanto, também há crianças passivas 
que vão retrair-se ou ficar estressadas se você “forçar” muito a voz. Pelas reações 
do seu filho, você saberá o que é mais adequado para ele. 
Ponha a palavra-chave no fim das sentenças 
Como o seu filho relembra a última coisa que ouve, se você colocar as palavras 
importantes ou chave no fim das sentenças, vai chamar sua atenção para essas pa-lavras 
e torná-las mais fáceis de serem lembradas. Fazendo seu filho prestar atenção 
às palavras importantes, você também o ajuda a entendê-las. 
Quando seu filho tiver entendido as palavras-chave, não será mais necessário 
colocá-las no fim das sentenças. O objetivo é que seu filho entenda o sentido das 
palavras independente do lugar em que elas se encontram na sentença. Para mais 
informações sobre a ordem das palavras, veja o Capítulo 2, página 82. 
Devagar 
 Faça pausas entre palavras e frases 
 Seja natural 
Pausas entre palavras e frases 
Se você faz pausas entre palavras ou frases, dá tempo ao seu filho tanto para processar as 
coisas que ouve como para apresentar uma resposta. Para ter certeza de que ele entendeu 
o que você disse, primeiro diga a sentença inteira como faria normalmente e, então, repi-ta 
a mesma sentença com pausas que ressaltem as palavras-chave. Você pode fazer isso 
usando montagens e desmontagens, que serão discutidas mais tarde neste capítulo. 
Seja natural 
Tente falar o mais naturalmente possível, para ajudar seu filho a entender o significado 
do que você está falando. Seu objetivo é evitar perder os ritmos e entonações naturais 
que ajudam seu filho a entender a fala. Se você fala muito devagar ou separa as pala-vras 
que funcionam como uma só, tais como “Vem aqui”, “Muito bem”, ou “Eu quero”, 
seu filho pode achar mais difícil entender, não mais fácil. Se você exagerar na “roboti-zação”, 
ele pode falar da mesma maneira quando finalmente imitar seu modelo. 
Demonstre 
 Demonstre com objetos reais 
 Demonstre com ações e gestos 
 Demonstre com figuras 
 Demonstre com palavras escritas 
Como seu filho aprende melhor se puder visualizar o que está ouvindo, se você com-binar 
o que você diz com dicas visuais – objetos reais, ações, gestos, figuras ou pala-vras 
escritas – aumenta a capacidade do seu filho para entender suas palavras. Essas 
dicas visuais permanecem na cabeça dele depois que as palavras faladas vão embora. 
(Veja o Capítulo 7 para saber mais sobre dicas visuais). 
Demonstre com objetos reais 
No começo, seu filho pode precisar ver objetos reais para fazer a ligação entre palavras 
e coisas. Por exemplo, quando você lhe diz que está na hora de entrar no carro, mostre-lhe 
as chaves do carro. Quando for hora de ir para cama, mostre-lhe seu pijama. 
Demonstre com ações e gestos 
Se o seu filho não entende suas palavras, ações e gestos mostrarão exatamente o que você 
quer dizer. Por exemplo, quando pergunta a ele se quer beber alguma coisa, finja que está 
segurando um copo. Então, traga sua mão à boca como se estivesse bebendo. Outra forma 
de ajudá-lo a entender o mundo é apontando objetos, pessoas ou lugares quando fala 
sobre eles. Será mais fácil de entender se usar gestos, tais como balançar a cabeça ver-ticalmente 
ao dizer “sim”, balançar de um 
lado para o outro quando disser “não”, além 
de exagerar suas expressões faciais, particu-larmente 
quando sorrir e fizer cara de bravo. 
Seu filho perceberá melhor suas expressões 
se vocês estiverem frente a frente. 
Diga “não” e demonstre isso
198 Capítulo 6 Ajude seu filho a entender o que você diz 199 
Demonstre com figuras (fotos, ilustrações) 
Quando não tiver as coisas reais à mão, as figuras podem ajudar seu filho a en-tender 
o que você está falando. Por exemplo, uma figura do suco na porta do 
refrigerador mostra para ele o que tem lá dentro. As figuras também mostram o 
que ele fará durante o dia (sua agenda para o dia). Podem mostrar-lhe, inclusive, 
como deve se comportar em determinadas situações. 
Demonstre com palavras escritas 
Algumas crianças se interessam pelas 
palavras escritas desde muito pequenas. 
A leitura dá a seu filho uma nova ma-neira 
de conseguir informação e depois 
pode ajudá-lo a se expressar. Mesmo 
que ele ainda não possa ler, mostre 
palavras escritas junto com as figu-ras 
correspondentes, de forma que 
possa começar a fazer ligação en-tre 
as duas formas de linguagem. 
Repetindo e repisando 
Crie oportunidades para que seu filho ouça as novas palavras usadas sempre que pos-sível 
e em muitas situações diferentes durante o dia. Por exemplo, se ele aprendeu a 
entender “Sobe” em uma Brincadeira com Gente, tente usar essa palavra outras vezes, 
como “Vamos subir” quando estiver subindo escadas, ou em canções, como “Dona 
Aranha” e “Cobra no pé de limão” (Veja Capítulo 9). 
A próxima seção descreve como adaptar as recomendações “Fale pouco e en-fatizando/ 
Sem pressa e demonstrando/Repetindo e repisando!” para o estágio de 
comunicação do seu filho. 
Como ajustar o que você diz aos estágios 
de Interesses Próprios e de Pedidos 
Fale pouco 
 Nomeie objetos, pessoas, ações e acontecimentos 
 Use nomes específicos para pessoas, objetos e ações 
 Use o nome do seu filho quando falar com ele 
Enfatizando 
 Use palavras DIVERTIDAS 
Devagar 
 Faça pausas entre as palavras 
 Seja natural 
Demonstrando 
 Demonstre com objetos reais 
 Demonstre com ações, gestos e expressões faciais exageradas 
 Demonstre com figuras (fotos, ilustrações) 
Nomeie objetos, pessoas, ações e acontecimentos 
Nomeie o que seu filho olha ou faz com uma ou duas palavras simples. Nomear não 
o ajuda somente a fazer ligação entre as palavras e as coisas, mas também lhe dá 
modelos verbais que pode depois usar. Quando você nomeia, elimine palavras como 
“um, uma, uns, umas” e “o, a, os, as”. 
Se o seu filho vê nomes escritos sobre 
as fotos de um álbum de família, pode 
começar a reconhecer os nomes e “lê-los”.
200 Capítulo 6 Ajude seu filho a entender o que você diz 201 
Use os nomes específicos das 
pessoas, objetos e ações. 
Evite palavras como “isto”, “ela/ele”, “este” 
e “lá”, porque são imprecisas. Nomeie as 
coisas pelas quais seu filho demonstrar 
interesse usando seus próprios nomes. As 
palavras “biscoito”, “livros” e “Caio” dão 
ao seu filho mais informações do que as 
palavras “isto”, “deles” e “ele”. 
Use o nome do seu filho quando falar com ele 
As palavras “você” ou “tu” podem confundir seu filho, 
porque se referem a muitas pessoas diferentes. Chamar 
seu filho pelo seu próprio nome evita que ele se con-funda 
e o ajuda a aprender seu próprio nome. Em vez 
de dizer “Mamãe ama você” ou “Mamãe te ama”, diga 
“Mamãe ama Mateus”. 
Use palavras DIVERTIDAS 
Palavras DIVERTIDAS, assim como os sons de animais, como “muu” e “miau” e a tão 
usada palavra “Oi” são muito atrativas para todas as crianças. Muitas das palavras 
DIVERTIDAS são fáceis de serem lembradas e entendidas, porque estão associadas a 
objetos, ações e padrões de entonação específicos. As palavras DIVERTIDAS ficam 
ainda mais fáceis de entender se você 
exagerar o que disser e fizer. Por exem-plo, 
se você disser “Êêêê!” e movimentar 
as mãos como se estivesse escorregando 
cada vez que seu filho desce em um es-corregador, 
ele pode associar a palavra 
DIVERTIDA “Êêêê” com brincar em um 
escorregador. 
Aqui estão algumas outras palavras 
DIVERTIDAS e as ações associadas que 
seu filho pode gostar: 
 Tchau! (acene) 
 Opa! (ponha a mão na cabeça) 
 Ai! Ui! (exagere a cara de dor; esfregue a parte do corpo que você 
ou seu filho machucou) 
 Eca! (exagere a cara de nojo) 
 Hummmm! (esfregue a barriga) 
 “Êêê” (movimente as mãos como se estivesse escorregando) 
Em algumas situações, você pode conseguir a atenção do 
seu filho repetindo bem depressa a mesma palavra vá-rias 
vezes. É muito mais divertido para seu filho se 
disser “Corre! Corre! Corre!” ou “Sobe! Sobe! 
Sobe!” com muita animação na voz, do 
que se disser as mesmas palavras ape-nas 
uma vez. Repita as palavras 
rapidamente para enfatizá-las e 
motivar seu filho. 
O pai da Taís deixa-a entusiasmada 
repetindo “sobe” várias vezes. 
[_d5 
Em vez de dizer o nome do que Caio está 
olhando (pizza), a mãe de Caio fala do 
suco. Isto é confuso para ele. 
F_ppW$Cccc 
F_ppW 
Quando a mãe do Caio fala sobre o 
que ele está interessado, ela o ajuda a 
entender o que “pizza” significa. 
7Xh[$ 
FehjW$7Xh[$ 
A mãe fala com a Renata usando poucas 
palavras e enfatiza o “abre”, por que 
descreve o que a filha quer. 
IkYe$ 
CWc€[WcW 
CWj[ki IeX[IeX[ 
IeX[IeX[ 
EfW 
Palavras DIVERTIDAS como “opa” são gostosas de 
ouvir, fáceis de entender e fáceis de repetir.

Recomendados

3. Deixe-se conduzir pelo seu filho
 3. Deixe-se conduzir pelo seu filho 3. Deixe-se conduzir pelo seu filho
3. Deixe-se conduzir pelo seu filhoRaquel Crisóstomo
 
1. Saiba mais sobre a Comunicação de seu filho
1. Saiba mais sobre a Comunicação de seu filho1. Saiba mais sobre a Comunicação de seu filho
1. Saiba mais sobre a Comunicação de seu filhoRaquel Crisóstomo
 
5. Promova interações usando Brincadeiras com Gente
 5. Promova interações usando Brincadeiras com Gente 5. Promova interações usando Brincadeiras com Gente
5. Promova interações usando Brincadeiras com GenteRaquel Crisóstomo
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

11 mais do que palavras - e-book autismo - fern sussman.pdf
11   mais do que palavras - e-book autismo - fern sussman.pdf11   mais do que palavras - e-book autismo - fern sussman.pdf
11 mais do que palavras - e-book autismo - fern sussman.pdfDébora Oliveira
 
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filhoLeandro Rodrigues
 
101 ideias para brincar e ensinar autistas di casto
101 ideias para brincar e ensinar autistas   di casto101 ideias para brincar e ensinar autistas   di casto
101 ideias para brincar e ensinar autistas di castoLucianaCarvalho154
 
Criar crianças criativas é mais fácil e divertido do que se imagina e saber p...
Criar crianças criativas é mais fácil e divertido do que se imagina e saber p...Criar crianças criativas é mais fácil e divertido do que se imagina e saber p...
Criar crianças criativas é mais fácil e divertido do que se imagina e saber p...SimoneHelenDrumond
 
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhos
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhosUma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhos
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhosSimoneHelenDrumond
 
Trabalho sindrome de down
Trabalho sindrome de downTrabalho sindrome de down
Trabalho sindrome de downCintia Sena
 
Autismo 50-dicas-para-admininistrar-o-deficit-de-atencao-em-sala-de-aula
Autismo 50-dicas-para-admininistrar-o-deficit-de-atencao-em-sala-de-aulaAutismo 50-dicas-para-admininistrar-o-deficit-de-atencao-em-sala-de-aula
Autismo 50-dicas-para-admininistrar-o-deficit-de-atencao-em-sala-de-aulaSA Asperger
 
Cemepe formarrede cantos_diversificados_kidsmart
Cemepe formarrede cantos_diversificados_kidsmartCemepe formarrede cantos_diversificados_kidsmart
Cemepe formarrede cantos_diversificados_kidsmartErica Frau
 
O problema não é disciplina
O problema não é disciplinaO problema não é disciplina
O problema não é disciplinaSirley
 

Mais procurados (17)

11 mais do que palavras - e-book autismo - fern sussman.pdf
11   mais do que palavras - e-book autismo - fern sussman.pdf11   mais do que palavras - e-book autismo - fern sussman.pdf
11 mais do que palavras - e-book autismo - fern sussman.pdf
 
09. Que venham os livros
09. Que venham os livros09. Que venham os livros
09. Que venham os livros
 
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho
 
Livro4
Livro4Livro4
Livro4
 
Dicas práticas para crianças
Dicas práticas para criançasDicas práticas para crianças
Dicas práticas para crianças
 
Lição de Casa
Lição de CasaLição de Casa
Lição de Casa
 
101 ideias para brincar e ensinar autistas di casto
101 ideias para brincar e ensinar autistas   di casto101 ideias para brincar e ensinar autistas   di casto
101 ideias para brincar e ensinar autistas di casto
 
E book aulas online.docx
E book aulas online.docxE book aulas online.docx
E book aulas online.docx
 
Dicas
DicasDicas
Dicas
 
Criar crianças criativas é mais fácil e divertido do que se imagina e saber p...
Criar crianças criativas é mais fácil e divertido do que se imagina e saber p...Criar crianças criativas é mais fácil e divertido do que se imagina e saber p...
Criar crianças criativas é mais fácil e divertido do que se imagina e saber p...
 
10dicas
10dicas10dicas
10dicas
 
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhos
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhosUma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhos
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhos
 
Os tipos de educando
Os tipos de educandoOs tipos de educando
Os tipos de educando
 
Trabalho sindrome de down
Trabalho sindrome de downTrabalho sindrome de down
Trabalho sindrome de down
 
Autismo 50-dicas-para-admininistrar-o-deficit-de-atencao-em-sala-de-aula
Autismo 50-dicas-para-admininistrar-o-deficit-de-atencao-em-sala-de-aulaAutismo 50-dicas-para-admininistrar-o-deficit-de-atencao-em-sala-de-aula
Autismo 50-dicas-para-admininistrar-o-deficit-de-atencao-em-sala-de-aula
 
Cemepe formarrede cantos_diversificados_kidsmart
Cemepe formarrede cantos_diversificados_kidsmartCemepe formarrede cantos_diversificados_kidsmart
Cemepe formarrede cantos_diversificados_kidsmart
 
O problema não é disciplina
O problema não é disciplinaO problema não é disciplina
O problema não é disciplina
 

Semelhante a 6. Ajude seu filho a entender o que você diz

2. Deixe-se conduzir pelo seu filho
 2. Deixe-se conduzir pelo seu filho 2. Deixe-se conduzir pelo seu filho
2. Deixe-se conduzir pelo seu filhoRaquel Crisóstomo
 
Tea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativosTea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativoscraeditgd
 
Ajudando seu filho a aprender
Ajudando seu filho a aprenderAjudando seu filho a aprender
Ajudando seu filho a aprenderTania Garrido
 
Gagueira até onde é normal
Gagueira   até onde é normalGagueira   até onde é normal
Gagueira até onde é normaladrianomedico
 
Mais do que palavras - Fern Sussman - cap 09 a 12.pdf
Mais do que palavras - Fern Sussman - cap 09 a 12.pdfMais do que palavras - Fern Sussman - cap 09 a 12.pdf
Mais do que palavras - Fern Sussman - cap 09 a 12.pdfTaynaraLeal5
 
Alfabetização meu filho já sabe o nome das letras e agora- parte 2
Alfabetização  meu filho já sabe o nome das letras e agora- parte 2Alfabetização  meu filho já sabe o nome das letras e agora- parte 2
Alfabetização meu filho já sabe o nome das letras e agora- parte 2Leitor Adiantado
 
Reunião de pais 2º bim
Reunião de pais 2º bimReunião de pais 2º bim
Reunião de pais 2º bimValeriacamolesi
 
Sindrome de asperger - Guia para professores
Sindrome de asperger - Guia para professoresSindrome de asperger - Guia para professores
Sindrome de asperger - Guia para professoresAlexandre Salvador
 
A40e249ff5ec147c74448d366914a301
A40e249ff5ec147c74448d366914a301A40e249ff5ec147c74448d366914a301
A40e249ff5ec147c74448d366914a301daiana fernandes
 
O que tem a ver ensinar meu filho a ler e uma Geladeira?
O que tem a ver ensinar meu filho a ler e uma Geladeira?O que tem a ver ensinar meu filho a ler e uma Geladeira?
O que tem a ver ensinar meu filho a ler e uma Geladeira?Leitor Adiantado
 
Desenvolvimento vocabulario1
Desenvolvimento vocabulario1Desenvolvimento vocabulario1
Desenvolvimento vocabulario1JoelGomes55
 
Dicas de Ortografia
Dicas de OrtografiaDicas de Ortografia
Dicas de OrtografiaJulianeSR
 
Gagueira - Colônia de Educação
Gagueira - Colônia de EducaçãoGagueira - Colônia de Educação
Gagueira - Colônia de EducaçãoArthur Veiga
 
Gagueira - Projeto Colônia de Educação
Gagueira - Projeto Colônia de EducaçãoGagueira - Projeto Colônia de Educação
Gagueira - Projeto Colônia de EducaçãoArthur Veiga
 

Semelhante a 6. Ajude seu filho a entender o que você diz (20)

Cartilha06
Cartilha06Cartilha06
Cartilha06
 
2. Deixe-se conduzir pelo seu filho
 2. Deixe-se conduzir pelo seu filho 2. Deixe-se conduzir pelo seu filho
2. Deixe-se conduzir pelo seu filho
 
Tea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativosTea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativos
 
Ajudando seu filho a aprender
Ajudando seu filho a aprenderAjudando seu filho a aprender
Ajudando seu filho a aprender
 
Ajudando seu filho a aprender
Ajudando seu filho a aprenderAjudando seu filho a aprender
Ajudando seu filho a aprender
 
Gagueira até onde é normal
Gagueira   até onde é normalGagueira   até onde é normal
Gagueira até onde é normal
 
Mais do que palavras - Fern Sussman - cap 09 a 12.pdf
Mais do que palavras - Fern Sussman - cap 09 a 12.pdfMais do que palavras - Fern Sussman - cap 09 a 12.pdf
Mais do que palavras - Fern Sussman - cap 09 a 12.pdf
 
Alfabetização meu filho já sabe o nome das letras e agora- parte 2
Alfabetização  meu filho já sabe o nome das letras e agora- parte 2Alfabetização  meu filho já sabe o nome das letras e agora- parte 2
Alfabetização meu filho já sabe o nome das letras e agora- parte 2
 
Dislexia guia
Dislexia   guiaDislexia   guia
Dislexia guia
 
11. Traga os brinquedos
11. Traga os brinquedos11. Traga os brinquedos
11. Traga os brinquedos
 
Reunião de pais 2º bim
Reunião de pais 2º bimReunião de pais 2º bim
Reunião de pais 2º bim
 
Sindrome de asperger - Guia para professores
Sindrome de asperger - Guia para professoresSindrome de asperger - Guia para professores
Sindrome de asperger - Guia para professores
 
MOF.pdf
MOF.pdfMOF.pdf
MOF.pdf
 
A40e249ff5ec147c74448d366914a301
A40e249ff5ec147c74448d366914a301A40e249ff5ec147c74448d366914a301
A40e249ff5ec147c74448d366914a301
 
O que tem a ver ensinar meu filho a ler e uma Geladeira?
O que tem a ver ensinar meu filho a ler e uma Geladeira?O que tem a ver ensinar meu filho a ler e uma Geladeira?
O que tem a ver ensinar meu filho a ler e uma Geladeira?
 
Desenvolvimento vocabulario1
Desenvolvimento vocabulario1Desenvolvimento vocabulario1
Desenvolvimento vocabulario1
 
Dicas de Ortografia
Dicas de OrtografiaDicas de Ortografia
Dicas de Ortografia
 
Parte Especial Verb To Be
Parte Especial Verb To BeParte Especial Verb To Be
Parte Especial Verb To Be
 
Gagueira - Colônia de Educação
Gagueira - Colônia de EducaçãoGagueira - Colônia de Educação
Gagueira - Colônia de Educação
 
Gagueira - Projeto Colônia de Educação
Gagueira - Projeto Colônia de EducaçãoGagueira - Projeto Colônia de Educação
Gagueira - Projeto Colônia de Educação
 

Último

2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...manoelaarmani
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...manoelaarmani
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfRuannSolza
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIAHisrelBlog
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 

6. Ajude seu filho a entender o que você diz

  • 1. 190 Capítulo 6 Ajude seu filho a entender o que você diz 191 Imagine-se como um turista perdido em um país estrangeiro, pedindo informações para alguém. Se a pessoa responder na língua local, você provavelmente não vai entendê-la Mas assim que perceber sua total incompreensão, ela ajustará automaticamente sua linguagem. Pode ajudá-lo a entender o caminho falando menos – trocando suas frases longas e complexas por outras curtas e simples, e também enfatizando somente as pala-vras- chave para a compreensão. Também pode diminuir a velocidade da fala, mostrar-lhe o caminho em um mapa, e apontar a direção correta. E se ainda assim você não entender, ela pode repetir as palavras e os gestos importantes até que entenda. Depois de tudo isso, você acha o caminho e até aprende uma palavra ou outra em uma nova língua! Roberto parece entender o significado de “Vamos para a escola” Em outra situação, as palavras “vamos para” não significam nada para Roberto. Parece que Roberto entendeu a frase da sua mãe quando o car-ro parou na frente da escola, mas é provável que tenha entendido por já ter feito a mesma coisa muitas vezes. Os pais de Roberto ajudaram-no a compreender a situação, introduzindo repetições e previsibilidade na sua vida. Agora eles devem ajudá-lo a en-tender também as palavras relacionadas à situação. Neste capítulo, você aprenderá como ajustar sua maneira de falar para melho-rar a compreensão do seu filho sobre o que as pessoas fazem e dizem para ele. De[ij|ckob[`ei Z[ZedZ[[ijWcei$ Kij[Zj_[d[gk[_h ^WijW[b_dWbZ[bWYWbb[ obk[]el[h|bWfbWoW ^WY_WbWZ[h[Y^W$ ?iie WYedj[Y[[c jeZWiWil_W][di$ HeX[hje Y^[]Wcei$LWcei fWhWW[iYebW$ HeX[hje[ij| h_e$LWcei fWhWYWiW$ FehWlehedZ[ _YWWfhW_W5 Esse homem fala muito rápido com os turistas, usando sentenças longas. Eles têm dificuldade para entendê-lo. FbWoW$;i[ YWc_de$ FbWoW FehWleh edZ[_YW Agora o homem mudou WfhW_W5 a maneira de falar com os turistas. Ele os ajuda a entender suas informações falando menos, repetindo e enfatizando poucas palavras-chave, diminuindo a velocidade da fala e mostra-lhes o caminho apontando e usando o mapa. 7Y^egk[[b[[ij| deiZ_p[dZegk[ Y^[]Wh[cei}ÇfbWoWÈ fehWgk[bW[ijhWZW
  • 2. 192 Capítulo 6 Seu filho pode sentir a mesma frustração de alguém tentando entender uma língua estrangeira. No Capítulo 1, discutimos como a maioria das crianças com atrasos de linguagem tem dificuldade em assimilar o que ouvem. Isso quer dizer que elas têm dificuldade para:  Entender o que você diz  Ouvi-lo quando há outros sons e visões  Organizar o que ouvem Juliano não entende o que sua mãe disse. Mesmo que seu filho saiba o significado de uma determinada palavra em uma situação, ele pode não entender o que ela significa em outro contexto. Isto acontece porque seu filho tende a asso-ciar um único significado a cada palavra. Para ajudar seu filho a entender o que você diz, faça os mesmos tipos de ajuste que faria para alguém aprendendo uma nova língua. A mãe de Juliano faz os mesmos ajustes que o mexicano fez para os turistas. Fala menos, dá instruções precisas e troca a sentença “guardar aquelas coisas” pelo nome das coisas (“brinquedos”) e o nome do lugar para onde elas devem ir (“na caixa”). Quando ela repete e enfatiza essas palavras-chave várias vezes, enquanto aponta para os brinquedos e para a caixa, Juliano finalmente consegue entender a mensagem! _b^elW_ Y^WcWhe [b[lWZeh$ ;b[lWZeh O menino aprendeu que “chamar” significa “dizer em voz alta o nome de alguém”. Ele pensa que “chamar” só tem esse significado. Fale pouco e enfatizando, Devagar e demonstrando! 8h_dgk[Zei$ 9W_nW$DWYW_nW$ 8h_dgk[ZeidWYW_nW$ @kb_WdeW]ehWleY…fh[Y_iW ]kWhZWhWgk[bWiYe_iWi[ Z[fe_ifeZ[jecWhbWdY^[$
  • 3. 194 Capítulo 6 Ajude seu filho a entender o que você diz 195 Para ajudar a lembrar de como ajustar o que você diz para facilitar a compreensão do seu filho, use a seguinte rima: Fale pouco  Simplifique o que você diz  Use sentenças e nomes curtos e claros Simplifique o que diz “Fale pouco” significa que você deve falar com seu filho no nível de entendimento dele, o que depende do estágio de comunicação em que se encontra. Dê todas as instruções em palavras claras e simples. Na maioria das vezes você precisa dar uma dica visual ao mesmo tempo em que dá as instruções. Por exemplo, quando está na hora de dormir, diga “Hora de dormir” e mostre-lhe seu pijama. Use sentenças e nomes curtos e claros Como regra geral, use nomes e sentenças curtos e claros, dando para seu filho so-mente a informação essencial. Se ele está começando a entender a fala, use palavras simples para nomear os objetos, pessoas e ações pelas quais demonstre interesse. Tente não demorar antes de nomear. Se você disser “Suco” depois que a atenção do seu filho mudou para outra coisa, sua palavra perde o sentido. Para crianças com melhor compreensão, diga sentenças, mas nunca longas, complexas ou ambíguas. Fale pouco e Enfatizando Devagar e Demonstrando Repetindo e Repisando! BkYWiZ[ib_]W WJL BkYWiWY^e gk[leY…`|l_k ck_jWJL$ Lucas não consegue entender o que o seu pai está dizendo. Quando o pai usa uma frase simples e mostra para Lucas sobre o que está falando, ele consegue entender exatamente o que fazer.
  • 4. 196 Capítulo 6 Ajude seu filho a entender o que você diz 197 Enfatize  Exagere as palavras-chave  Ponha as palavras-chave no fim das sentenças  Use palavras DIVERTIDAS Exagere as palavras-chave Enfatizando as palavras-chave, você consegue a atenção do seu filho e as torna mais evidentes. Para enfatizar certas palavras, diga-as em voz mais alta ou use um tom exagerado. Use a maneira mais natural possível. Cada criança reage de maneira diferente a níveis altos de animação. Uma crian-ça mais passiva, que parece não ligar para o que você fala, normalmente responde melhor a uma voz mais alta e animada. No entanto, também há crianças passivas que vão retrair-se ou ficar estressadas se você “forçar” muito a voz. Pelas reações do seu filho, você saberá o que é mais adequado para ele. Ponha a palavra-chave no fim das sentenças Como o seu filho relembra a última coisa que ouve, se você colocar as palavras importantes ou chave no fim das sentenças, vai chamar sua atenção para essas pa-lavras e torná-las mais fáceis de serem lembradas. Fazendo seu filho prestar atenção às palavras importantes, você também o ajuda a entendê-las. Quando seu filho tiver entendido as palavras-chave, não será mais necessário colocá-las no fim das sentenças. O objetivo é que seu filho entenda o sentido das palavras independente do lugar em que elas se encontram na sentença. Para mais informações sobre a ordem das palavras, veja o Capítulo 2, página 82. Devagar  Faça pausas entre palavras e frases  Seja natural Pausas entre palavras e frases Se você faz pausas entre palavras ou frases, dá tempo ao seu filho tanto para processar as coisas que ouve como para apresentar uma resposta. Para ter certeza de que ele entendeu o que você disse, primeiro diga a sentença inteira como faria normalmente e, então, repi-ta a mesma sentença com pausas que ressaltem as palavras-chave. Você pode fazer isso usando montagens e desmontagens, que serão discutidas mais tarde neste capítulo. Seja natural Tente falar o mais naturalmente possível, para ajudar seu filho a entender o significado do que você está falando. Seu objetivo é evitar perder os ritmos e entonações naturais que ajudam seu filho a entender a fala. Se você fala muito devagar ou separa as pala-vras que funcionam como uma só, tais como “Vem aqui”, “Muito bem”, ou “Eu quero”, seu filho pode achar mais difícil entender, não mais fácil. Se você exagerar na “roboti-zação”, ele pode falar da mesma maneira quando finalmente imitar seu modelo. Demonstre  Demonstre com objetos reais  Demonstre com ações e gestos  Demonstre com figuras  Demonstre com palavras escritas Como seu filho aprende melhor se puder visualizar o que está ouvindo, se você com-binar o que você diz com dicas visuais – objetos reais, ações, gestos, figuras ou pala-vras escritas – aumenta a capacidade do seu filho para entender suas palavras. Essas dicas visuais permanecem na cabeça dele depois que as palavras faladas vão embora. (Veja o Capítulo 7 para saber mais sobre dicas visuais). Demonstre com objetos reais No começo, seu filho pode precisar ver objetos reais para fazer a ligação entre palavras e coisas. Por exemplo, quando você lhe diz que está na hora de entrar no carro, mostre-lhe as chaves do carro. Quando for hora de ir para cama, mostre-lhe seu pijama. Demonstre com ações e gestos Se o seu filho não entende suas palavras, ações e gestos mostrarão exatamente o que você quer dizer. Por exemplo, quando pergunta a ele se quer beber alguma coisa, finja que está segurando um copo. Então, traga sua mão à boca como se estivesse bebendo. Outra forma de ajudá-lo a entender o mundo é apontando objetos, pessoas ou lugares quando fala sobre eles. Será mais fácil de entender se usar gestos, tais como balançar a cabeça ver-ticalmente ao dizer “sim”, balançar de um lado para o outro quando disser “não”, além de exagerar suas expressões faciais, particu-larmente quando sorrir e fizer cara de bravo. Seu filho perceberá melhor suas expressões se vocês estiverem frente a frente. Diga “não” e demonstre isso
  • 5. 198 Capítulo 6 Ajude seu filho a entender o que você diz 199 Demonstre com figuras (fotos, ilustrações) Quando não tiver as coisas reais à mão, as figuras podem ajudar seu filho a en-tender o que você está falando. Por exemplo, uma figura do suco na porta do refrigerador mostra para ele o que tem lá dentro. As figuras também mostram o que ele fará durante o dia (sua agenda para o dia). Podem mostrar-lhe, inclusive, como deve se comportar em determinadas situações. Demonstre com palavras escritas Algumas crianças se interessam pelas palavras escritas desde muito pequenas. A leitura dá a seu filho uma nova ma-neira de conseguir informação e depois pode ajudá-lo a se expressar. Mesmo que ele ainda não possa ler, mostre palavras escritas junto com as figu-ras correspondentes, de forma que possa começar a fazer ligação en-tre as duas formas de linguagem. Repetindo e repisando Crie oportunidades para que seu filho ouça as novas palavras usadas sempre que pos-sível e em muitas situações diferentes durante o dia. Por exemplo, se ele aprendeu a entender “Sobe” em uma Brincadeira com Gente, tente usar essa palavra outras vezes, como “Vamos subir” quando estiver subindo escadas, ou em canções, como “Dona Aranha” e “Cobra no pé de limão” (Veja Capítulo 9). A próxima seção descreve como adaptar as recomendações “Fale pouco e en-fatizando/ Sem pressa e demonstrando/Repetindo e repisando!” para o estágio de comunicação do seu filho. Como ajustar o que você diz aos estágios de Interesses Próprios e de Pedidos Fale pouco  Nomeie objetos, pessoas, ações e acontecimentos  Use nomes específicos para pessoas, objetos e ações  Use o nome do seu filho quando falar com ele Enfatizando  Use palavras DIVERTIDAS Devagar  Faça pausas entre as palavras  Seja natural Demonstrando  Demonstre com objetos reais  Demonstre com ações, gestos e expressões faciais exageradas  Demonstre com figuras (fotos, ilustrações) Nomeie objetos, pessoas, ações e acontecimentos Nomeie o que seu filho olha ou faz com uma ou duas palavras simples. Nomear não o ajuda somente a fazer ligação entre as palavras e as coisas, mas também lhe dá modelos verbais que pode depois usar. Quando você nomeia, elimine palavras como “um, uma, uns, umas” e “o, a, os, as”. Se o seu filho vê nomes escritos sobre as fotos de um álbum de família, pode começar a reconhecer os nomes e “lê-los”.
  • 6. 200 Capítulo 6 Ajude seu filho a entender o que você diz 201 Use os nomes específicos das pessoas, objetos e ações. Evite palavras como “isto”, “ela/ele”, “este” e “lá”, porque são imprecisas. Nomeie as coisas pelas quais seu filho demonstrar interesse usando seus próprios nomes. As palavras “biscoito”, “livros” e “Caio” dão ao seu filho mais informações do que as palavras “isto”, “deles” e “ele”. Use o nome do seu filho quando falar com ele As palavras “você” ou “tu” podem confundir seu filho, porque se referem a muitas pessoas diferentes. Chamar seu filho pelo seu próprio nome evita que ele se con-funda e o ajuda a aprender seu próprio nome. Em vez de dizer “Mamãe ama você” ou “Mamãe te ama”, diga “Mamãe ama Mateus”. Use palavras DIVERTIDAS Palavras DIVERTIDAS, assim como os sons de animais, como “muu” e “miau” e a tão usada palavra “Oi” são muito atrativas para todas as crianças. Muitas das palavras DIVERTIDAS são fáceis de serem lembradas e entendidas, porque estão associadas a objetos, ações e padrões de entonação específicos. As palavras DIVERTIDAS ficam ainda mais fáceis de entender se você exagerar o que disser e fizer. Por exem-plo, se você disser “Êêêê!” e movimentar as mãos como se estivesse escorregando cada vez que seu filho desce em um es-corregador, ele pode associar a palavra DIVERTIDA “Êêêê” com brincar em um escorregador. Aqui estão algumas outras palavras DIVERTIDAS e as ações associadas que seu filho pode gostar:  Tchau! (acene)  Opa! (ponha a mão na cabeça)  Ai! Ui! (exagere a cara de dor; esfregue a parte do corpo que você ou seu filho machucou)  Eca! (exagere a cara de nojo)  Hummmm! (esfregue a barriga)  “Êêê” (movimente as mãos como se estivesse escorregando) Em algumas situações, você pode conseguir a atenção do seu filho repetindo bem depressa a mesma palavra vá-rias vezes. É muito mais divertido para seu filho se disser “Corre! Corre! Corre!” ou “Sobe! Sobe! Sobe!” com muita animação na voz, do que se disser as mesmas palavras ape-nas uma vez. Repita as palavras rapidamente para enfatizá-las e motivar seu filho. O pai da Taís deixa-a entusiasmada repetindo “sobe” várias vezes. [_d5 Em vez de dizer o nome do que Caio está olhando (pizza), a mãe de Caio fala do suco. Isto é confuso para ele. F_ppW$Cccc F_ppW Quando a mãe do Caio fala sobre o que ele está interessado, ela o ajuda a entender o que “pizza” significa. 7Xh[$ FehjW$7Xh[$ A mãe fala com a Renata usando poucas palavras e enfatiza o “abre”, por que descreve o que a filha quer. IkYe$ CWc€[WcW CWj[ki IeX[IeX[ IeX[IeX[ EfW Palavras DIVERTIDAS como “opa” são gostosas de ouvir, fáceis de entender e fáceis de repetir.
  • 7. 202 Capítulo 6 Ajude seu filho a entender o que você diz 203 Demonstre com objetos reais Enquanto diz nomes das coisas importantes para o seu filho, mostre-lhe os objetos reais que se referem às palavras. Por exemplo, segure seu livro, mostre-lhe e diga “livro” ou levante seu pijama enquanto diz “pijama”. Se ele for um “aprendiz mão na massa”, faça com que toque e segure o objeto. Depois de um tempo, você pode parar de mostrar os objetos e esperar para ver se ele entende o que diz sem a dica visual. Quando não precisar mais ver o objeto para entender, você pode apenas falar. A mãe mostra o livro a Carlos para ajudá-lo a entender o que está dizendo. Demonstre com ações, gestos e expressões faciais exageradas Junte ações, gestos e expressões faciais exageradas às suas palavras para mostrar para seu filho o que você quer dizer. Ações e gestos incluem encenar; fazer mímica do significado das palavras, usar sinais manuais e apontar para as coisas. Encene ações grandiosas e óbvias, de maneira que ele preste atenção. Fique frente a frente quando encenar as ações para que ele possa vê-lo. Alguns sinais e gestos que aju-dam as crianças nesses estágios a compreender estão ilustrados abaixo. 9Whbeib_lhe$ Sim e Não Movimentos exagerados de cabeça para baixo e para cima no “sim” e de um lado para o outro em “não”. Oi e Tchau Acene com a mão. Para cima/Sobe Aponte o dedo para cima. Para baixo/Desce Aponte para baixo. Pronto / Acabou Deslize batendo a palma da mão sobre a palma da outra mão como se estives-se limpando-as. Mais Forme um “O” com as mãos, com as palmas e as pontas dos dedos frente a frente. Vem (para mim) Braço, mão e dedos acenando em sua direção.
  • 8. 204 Capítulo 6 Ajude seu filho a entender o que você diz 205 Aponte para lugares e objetos que chamem a atenção do seu filho, para ajudá-lo a associar suas palavras a coisas reais. Você também pode pôr a mão dele sobre o que está olhando, para garantir que ele veja o objeto ao qual se refere. Esta técnica funciona melhor se você seguir os interesses dele, em vez de seguir os seus. Além de apontar para as coisas sobre as quais fala, apontar para sua própria boca pode ajudar seu filho a entender mais sobre linguagem falada. Apontar para a boca e exagerar a maneira de fazer certos sons chama a atenção para a maneira de falar e, então, perceber como ele mesmo poderia dizer. Demonstre com figuras (fotos e ilustrações) Tire algumas fotos dos alimentos, brinque-dos e pessoas preferidas e mostre-as para seu filho quando falar sobre eles. Se ele gosta de vídeos, mostre-lhe a figura ou foto na caixa do vídeo e diga o nome do vídeo antes de colocá-lo no aparelho. Desta ma-neira, seu filho vai começar a entender que as figuras podem representar coisas e que a coisa e a figura têm o mesmo nome. Como ajustar o que você fala no estágio de Comunicação Básica Fale menos  Use sentenças simples, em Português gramaticalmente correto  Nomeie objetos, pessoas, ações e acontecimentos  Diga os nomes das pessoas após dizer os pronomes Enfatizando  Use montagens e desmontagens  Use palavras DIVERTIDAS Devagar  Fale com seu filho de duas maneiras: • de maneira a ajudar que ele entenda • de maneira a ajudar que ele fale Demonstrando  Demonstre com objetos, gestos e figuras/imagens (fotos/ilustrações) Use sentenças simples, em Português gramaticalmente correto. Manter artigos como “um/uma/uns/umas” e “o/a/os/as” permite ao seu filho ouvir os ritmos naturais da fala, ajudando a transmitir o significado das sentenças. Por exemplo, quando falar com seu filho, diga: “Você é um menino engraçado!” em vez de “Você menino engraçado!”. Nomeie objetos, pessoas, ações e acontecimentos. Nomear o que seu filho olha ou faz, ajuda a fazer a ligação entre palavras e coisas e fornece um modelo verbal que ele mesmo pode usar mais tarde. FWiiWh_d^e IkYe Quando sua mãe mostra a figura do suco, Mariana começa a entender o que está dentro da geladeira.
  • 9. 206 Capítulo 6 Ajude seu filho a entender o que você diz 207 Diga os nomes das pessoas depois de usar pronomes Pronomes, em especial as palavras “eu”, “me/mim” e “você/tu”, podem ser bem complicados. Seu filho pode repetir esses pronomes da maneira como os ouve, sem entender o que significam. Você pode ter notado que quando pede um suco, ele diz: “Você quer água” em vez de “Eu quero água”. Nós já vimos que você pode ajudar seu filho a aprender quais pronomes usar fornecendo um modelo a partir do ponto de vista dele, ou dizendo algo “como ele faria se pudesse”. Mas ele também precisa aprender o que os pronomes significam. Para ajudar a esclarecer o sentido de palavras como “eu”, “me/mim” e “você/tu”, use o pronome correto e então adicione o nome de seu filho ou o nome da pessoa a quem você está falando. Por exemplo, diga: “Você, Adam, está indo para a escola”. Para evi-tar confusão entre fornecer um modelo do que o seu filho deveria dizer e esclarecer o significado dos pronomes, tente escolher um momento especial para trabalhar a com-preensão dessas palavras. As refeições são momentos ideais, porque seu filho pode ver como você usa pronomes enquanto fala com os outros membros da família. Use montagens e desmontagens Lembre-se que seu filho é um “aprendiz gestalt” (veja o Capítulo 1, página 15). Isso significa que pode entender uma sentença inteira como um todo, mas não as palavras que a compõem individualmente. Duas técnicas – chamadas montagens e desmontagens – podem ajudá-lo a entender o que cada palavra da sentença signi-fica e como as palavras se combinam.  Em uma montagem, comece dizendo cada parte da sentença e então “monte” as partes e forme a sentença completa. Por exemplo: “Gorro (aponte para o gorro). Vista (faça o gesto). Vista o gorro.”. ;kfWfW_ gk[heXebe$ LeY…fWfW_ gk[hXebe5 Os pais de Fábio ajudam-no a entender o significado de “você” e “eu”, usando nomes depois dos pronomes. =ehhe$L_ijW$ L_ijWe]ehhe$ Para ajudar seu filho a entender cada palavra, comece com uma palavra e a seguir monte sentenças curtas.
  • 10. 208 Capítulo 6 Ajude seu filho a entender o que você diz 209 ÊÊÊUma desmontagem começa com a sentença inteira que depois é dividida em partes. Por exemplo, “Pegue sua colher e coma o cereal. Pegue colher. Colher (aponte para a colher). Coma cereal. (aponte para a tigela de cereal). Cereal (gesto ou apontando para a tigela)”. Na maior parte do tempo, você usa uma combinação de montagens e desmontagens. A mãe do Danilo começa dizendo a sentença inteira e depois a desmonta em partes menores, apontando para o objeto sobre o qual está falando. Então, monta a última parte da sentença de novo. (“Coma o cereal”). Fale com seu filho de duas maneiras Você deve sempre falar as coisas “como seu filho falaria se pudesse” quando ele está motivado para falar, mas não acha as palavras certas. Mas e todas aquelas vezes nas quais não conta que o seu filho diga algo? Nelas, precisa falar de uma segunda maneira – para ajudá-lo a entender o que as palavras significam. Quando estiver ajudando seu filho a entender o que você diz, use comentários e nomes que lhe dêem informações, mas não aqueles que você escolheu para que ele repita. Agora, a mãe do João está ajudando-o a pedir suco, enfatizando as palavras que ele pode usar para solicitar algo. Demonstre com objetos, gestos e figuras À medida que seu filho se desenvolve, você pode usar cada vez mais dicas visuais para ajudá-lo a entender o mundo. Figuras - sejam fotografias, desenhos ou mesmo símbolos - podem ajudar a explicar o que está sendo dito quando os objetos reais não estiverem à vista. As figuras também podem explicar os acontecimentos do dia e o que as pessoas sentem (veja o Capítulo 7). Apontar também pode chamar a atenção do seu filho para o que você está dizendo. Além de apontar para objetos e pessoas próximas, tente apontar para ob-jetos, pessoas e acontecimentos um pouco mais distantes. Embora apontar seja mais efetivo quando acompanha o interesse do seu filho, nesse estágio você também pode apontar para coisas que ele não notou por conta própria. F[]k[ikWYeb^[h [YecWeY[h[Wb$ F[]k[Yeb^[h$9ecW$ 9ecWeY[h[Wb$ IkYeZ[ cW‚€$ A mãe de João o ajuda a entender que as coisas têm nomes. ;kgk[he ikYe ;kgk[he ikYe
  • 11. 210 Capítulo 6 Ajude seu filho a entender o que você diz 211 Como ajustar o que você diz no estágio de parceria  Converse com seu filho de duas maneiras: • uma para ajudá-lo a entender • outra para ajudá-lo a falar  Use montagens e desmontagens  Repita o que seu filho disser, corrigindo os erros  Apresente seus próprios comentários e idéias  Demonstre com Agendas de Figuras, Painel de Opções e Histórias Pessoais Converse com seu filho de duas maneiras:  Converse com seu filho para ajudá-lo a entender. Uma criança no estágio de Parceria entende muitos tipos de palavras em uma série de sentenças. A não ser que tenha uma grande dificuldade com a produção da fala propriamente dita, ele fala e pode ter pequenos diálogos. No entanto, essas conversas podem se romper se ele não entender você. Se o seu filho não entende o que você diz, pense em uma maneira mais simples de expressar sua mensagem ou perguntar-lhe alguma coisa. Lembre-se de como o pai de Fábio ajudou-o a entender o que a garota do parque disse.  Converse com seu filho de maneira a ajudá-lo a falar. Lembre-se: mesmo os Parceiros ainda dependem muitas vezes dos seus modelos verbais para se expressar. Quando seu filho não consegue achar as palavras certas ou comete erros, você precisa ajudá-lo a dizer as palavras a partir do ponto de vista dele – dizendo-as “como ele faria se pudesse”! Egk[leY…WY^WZ[ _hb|Xh_dYWhYec_]e5 |X_egk[h O pai ajuda Fábio a entender o que foi dito, simplificando a frase da garota. XWbWd‚Wh5 ;kgk[he XWbWd‚Wh$ BkYWiWY^egk[ leY…`|l_kJL eik_Y_[dj[$ O Lucas não entende o que seu pai quer... BkYWiZ[ib_]W WJL ... então, seu pai diz novamente o que quer e assim Lucas consegue entender – de maneira clara e específica.
  • 12. 212 Capítulo 6 Use montagens e desmontagens Embora seu filho já entenda sentenças mais longas, ainda pode estar usando trechos inteiros que memorizou sem entender o significado. Então, você precisa desmontar as sentenças e então montá-las novamente para mostrar-lhe como as palavras se jun-tam. (Veja detalhes no Estágio de Comuni-cação Básica, na pág. 205). À medida que seu filho for progredin-do, use as montagens e desmontagens tam-bém para ajudá-lo a entender mais palavras abstratas: palavras de ligação (porque, p.ex.), preposições (p.ex. depois) e algumas palavras usadas em perguntas (p.ex. como e por que). Fed^Wi[kYWiWYe$ ;ij|h_eb|ehW$Fed^W i[kYWiWYefehgk[ [ij|h_eb|ehW$ O pai de Breno usa uma montagem para ajudá-lo a entender a palavra “Porque”. Primeiro diz o que fazer (“Ponha seu casaco”); então diz por que deve fazer isso (“Está frio lá fora”). Depois, mostra como a palavra “porque” liga as duas sentenças. Demonstre com Agendas de Figuras, Painéis de Opções e Histórias Pessoais. Seu filho pode beneficiar-se de todos os tipos de dicas visuais, como Agendas de Figuras, Painéis de Opções e Histórias Pessoais (veja no Capítulo 7). As Agendas de Figuras e os Painéis de Opções são ferramentas feitas de figuras que ajudarão seu filho a entender o que ele pode fazer durante o dia e em suas atividades. As figuras também podem repre-sentar conceitos abstratos, como passado, futuro e emoções humanas, mais concretas para o seu filho. As Histórias Pessoais podem ajudá-lo a entender situações confusas. Resumo A maioria das crianças com Transtorno do Espectro do Autismo tem dificuldade para entender o que as pessoas dizem. Você pode ajudá-las a compreender as pala-vras ajustando a sua maneira de falar. Fale pouco ao se dirigir a elas. Use sentenças curtas descrevendo o que acontece a sua volta. Chame a atenção para as palavras a serem entendidas (ou até faladas) por elas, diminuindo o ritmo antes de dizê-las ou exagerando sua pronúncia. Finalmente, use os pontos fortes do seu filho – seu interesse pelas coisas visuais – para ajudá-lo a compreender e organizar aconteci-mentos, além de entender as pessoas (tanto o que elas dizem como o que fazem). Ajudas Visuais Eu ouço e esqueço. Eu vejo e memorizo. Eu faço e compreendo. - Provérbio chinês 7 A maioria das crianças com TEA são aprendizes visuais – aprendem melhor olhando. A maioria deles gosta de brinquedos como quebra-cabeças e de encaixe porque podem ver como usá-los. Gostam de assistir vídeo e TV, especialmente desenhos animados. Alguns aprendizes visuais também são fascinados por letras e números e podem surpreender, lendo algumas palavras que não foram ensinadas.