A guerra A revolução separatista durou 10 anos no Brasil Imperial do século XIX. O movimento foi deflagrado por causas pol...
Este apelido foi dado aos Rio-Grandense sublevados contra o Império do Brasil, por não disporem de uniformes e de equipame...
Os Imperiais governavam o Rio Grande do Sul, recebendo ordens do Império. Eram também chamados pelos Farrapos, de conserva...
Eram imbatíveis nos combates a cavalo e usavam trabucos, pistolas e espadas.  A cavalaria utilizava principalmente a lança...
Os imperiais tinham o controle das águas, do Guaíba à Lagoa dos Patos (até a Barra de Rio Grande). Os revolucionários farr...
Ocorrem 118 confrontos entre os farrapos e os imperialistas, com 59 vitórias para cada lado. Na verdade, não foi uma guerr...
Os números de mortes em combates não são precisos, mas, em 1881 o Governo Imperial deu publicidade aos fatos, divulgando i...
Personagens desta guerra Bento Gonçalves da Silva Comandou a Revolução Farroupilha (1835 a 1845), tendo sido presidente da...
Giuseppe Garibaldi, o Herói dos Dois Mundos  David Canabarro João Antonio da Silveira
Bento Manoel Ribeiro Luís Alves de Lima e Silva Domingos José de Almeida Souza Netto
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Revoltas Período Regencial - Farrapos

1.770 visualizações

Publicada em

Escola: Colegio Educar

Alunos: Arthur, Daniel, Pedro e Vitor Lucas

Serie: 8 ano

  • Seja o primeiro a comentar

Revoltas Período Regencial - Farrapos

  1. 3. A guerra A revolução separatista durou 10 anos no Brasil Imperial do século XIX. O movimento foi deflagrado por causas político-econômicas como os altos impostos nas charqueadas, A escassez de moeda circulante no Rio Grande durante todo o período colonial, e o pagamento das dívidas do governo central na província. Politicamente, o principal motivo da insatisfação era a centralização do poder decisório na Corte, além da aceitação ampla das ideais liberais.
  2. 4. Este apelido foi dado aos Rio-Grandense sublevados contra o Império do Brasil, por não disporem de uniformes e de equipamentos militares. Maltrapilhos, faltavam armas e botas. Muitos dos soldados, peões de estância e negros, traziam suas garruchas e adagas. Os Farrapos
  3. 5. Os Imperiais governavam o Rio Grande do Sul, recebendo ordens do Império. Eram também chamados pelos Farrapos, de conservadores, restauradores, retrógrados, caramurus e galegos. Ocupavam os principais postos nos órgãos públicos e no exército. Os Imperiais
  4. 6. Eram imbatíveis nos combates a cavalo e usavam trabucos, pistolas e espadas. A cavalaria utilizava principalmente a lança. A artilharia empregava canhões e obuses tomados dos inimigos (ou fornecidos por uruguaios). As armas dos Farrapos Eram imbatíveis nos combates a cavalo e usavam trabucos, pistolas e espadas. A cavalaria utilizava principalmente a lança. A artilharia empregava canhões e obuses tomados dos inimigos (ou fornecidos por uruguaios).
  5. 7. Os imperiais tinham o controle das águas, do Guaíba à Lagoa dos Patos (até a Barra de Rio Grande). Os revolucionários farrapos queriam navegar pelo oceano, tomar Laguna em Santa Catarina e fundar a República Juliana. O atalho dos farroupilhos para o mar
  6. 8. Ocorrem 118 confrontos entre os farrapos e os imperialistas, com 59 vitórias para cada lado. Na verdade, não foi uma guerra nos moldes clássicos, já que o exército rebelde não estava organizado nos moldes convencionais. Suas táticas mais se assemelhavam às guerrilhas. Principais batalhas
  7. 9. Os números de mortes em combates não são precisos, mas, em 1881 o Governo Imperial deu publicidade aos fatos, divulgando informações sobre a Revolução Farroupilha. A estimativa é de que morreram 3.400 homens. Os farrapos perderam quase que o dobro dos legalistas. Número de mortes
  8. 10. Personagens desta guerra Bento Gonçalves da Silva Comandou a Revolução Farroupilha (1835 a 1845), tendo sido presidente da República Rio-grandense. Morreu em Pedras Brancas, no dia 18 de julho de 1847, tendo sido sepultado no cemitério do Cordeiro, no município de Camaquã.
  9. 11. Giuseppe Garibaldi, o Herói dos Dois Mundos David Canabarro João Antonio da Silveira
  10. 12. Bento Manoel Ribeiro Luís Alves de Lima e Silva Domingos José de Almeida Souza Netto

×