Casa Moliner

5.576 visualizações

Publicada em

Apresentação realizada para a turma de Estudos de Ambientes 2 - 2010/01

Publicada em: Educação

Casa Moliner

  1. 1. CASA MOLINER Uma casa para um poeta Análise de composição
  2. 2. 03 04 05 07 FICHA UMA CASA TÉCNICA PARA UM POETA LOCALIZAÇÃO BAIRRO 09 12 31 ANÁLISE PRINCÍPIO CASA MOLINER ORDENADOR BIBLIOGRAFIA 30 SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO ESPACIAL
  3. 3. Ficha técnica CASA MOLINER Arquiteto: Alberto Campo Baeza http://www.campobaeza.com Ano do projeto: 2006 Ano da construção: 2008 Área do projeto: 216 m2
  4. 4. UMA CASA PARA UM POETA “Construir uma casa para um poeta. Fazer uma casa para sonhar, viver e morrer. Uma casa se ler, escrever e pensar.” Utilizando linhas simples e clean, Baeza criou um mundo próprio para o poeta. Através de altas paredes, cria-se uma caixa para o céu, uma espécie de jardim metafísico cru com paredes e chão de concreto. Uma tabula rasa para o poeta.
  5. 5. 1º andar Térreo Subsolo SONHAR LAZER DORMIR O mais alto ponto da No nível do jardim, o arquiteto No mais baixo nível estão os edificação, com grandes janelas unificou todo o lazer da equipamentos vitais, como banhadas pela luz difusa do residência, projetando uma banheiros, cozinha, quarto e norte, criando uma biblioteca e grande sala de vidro, ao centro closet. escritório nas nuvens para do terreno. Ao lado, uma piscina leitura e escrita, pensamento e para acompanhar as linhas da sentimento. casa.
  6. 6. Localização: Av. Ilustración Saragossa - Espanha
  7. 7. Mas antes de visitarmos a casa, vejamos um dos mais novos bairros residenciais de Saragossa
  8. 8. Bairro Princípio Ordenador EIXO O bairro residencial é cortado por dois grandes eixos, rematados por rótulas viárias. O eixo norte-sul interliga áreas do mesmo baixo, enquanto o eixo leste-oeste realiza a ligação com as demais áreas da cidade, através de uma grande avenida.
  9. 9. Bairro Sistema de organização espacial RADIAL No ponto central do eixo, é possível notar a disposição das ruas e residências através de uma organização radial.
  10. 10. Analisando a Casa Moliner
  11. 11. Casa Moliner Princípio Ordenador GEOMETRIA 20m A Casa Moliner está localizada em um terreno de esquina, de 17m de frente 17m 24m de fundos, 20m de profundidade. 24m Centralizada em meio ao terreno, a residência possui muros altos (4m de altura) e 3 andares, sendo cada um dos andares temático. N
  12. 12. Casa Moliner Princípio Ordenador GEOMETRIA Imediatamente, em todos os pavimentos da residência, nota-se a utilização geométrica básica de um retângulo, definindo as linhas simples e cruas da residência.
  13. 13. Casa Moliner Princípio Ordenador EIXO Analisando a planta baixa do térreo, percebe-se a utilização de dois eixos principais: O eixo transversal interliga as aberturas e as paredes externas, proporcionando uma visão limitada da paisagem que cerca a residência, porém completa de todos os elementos dentro dela. Já o eixo longitudinal interliga dois grandes recortes no terreno que comunicam o térreo com o subsolo e organizam a disposição do pequeno mobiliário.
  14. 14. Localizada no ponto central da residência a escada que interliga todos os andares é o ponto de encontro dos dois eixos. O resultado é uma sala que proporciona uma visão 360º interna do terreno, criando um conceito de caixa, onde a única abertura é o céu,
  15. 15. Casa Moliner Princípio Ordenador SIMETRIA Juntamente com os eixos, nota-se uma incrível simetria bilateral entre pequenas colunas que sustentar o pavimento superior, as paredes que limitam a visão para o exterior, o alinhamento da piscina e o alinhamento dentre os dois recortes no terreno
  16. 16. Simetria
  17. 17. Casa Moliner Princípio Ordenador SIMETRIA Já no andar superior, a simetria bilateral continua a existir, onde temos o espelhamento das paredes do mesmo pavimento.
  18. 18. Simetria
  19. 19. Casa Moliner Princípio Ordenador HIERARQUIA De forma que só visualiza-se o céu no nível térreo e a paisagem somente no pavimento superior, o arquiteto projetou o elemento central, destacando-se pela altura e volume, criando uma relação de progressão hierárquica com os demais itens da edificação.
  20. 20. Hierarquia Ok.. foi somente a dupla aqui que viu um rosto nesta fachada?
  21. 21. Hierarquia Configuração com progressão hierárquica
  22. 22. Hierarquia
  23. 23. Casa Moliner Princípio Ordenador 01 RITMO Sutil, mas há bastante ritmo nesta edificação. Se olharmos atentamente a planta baixa do térreo, é passível a visualização de um ritmo latitudinal, 02 composto pelos itens 1, 2 e 3 em conjunto com as duas linhas de 03 colunas. O outro ritmo está no próprio, dado pela repetição das colunas que sustentam o andar superior.
  24. 24. 02 01 03 03 02 Em uma visão ortogonal, é possível visualizarmos o ritmo entre as paredes e a linha de colunas, assim 01 como no corte transversal.
  25. 25. O ritmo continua e também é visto nas janelas do pavimento superior e inferior da edificação.
  26. 26. Casa Moliner Princípio Ordenador PAUTA Ao distribuirmos uma malha sobre a residência, percebe-se que há uma pauta de linha para todos os elementos. A distância entre o muro lateral com a parede é x, assim como a distância entre o volume central, a parede externa e a piscina. Porém, no volume central, utiliza- se 2x para definir a área interna. x
  27. 27. Outra demonstração de corte desta residência está em sua vista transversal. Nela, é identificável uma pauta de plano onde termina o andar inferior (vetando a visão para o mundo eterno) e o início do sonho, o andar superior.
  28. 28. Casa Moliner Princípio Ordenador SUBTRAÇÃO A subtração de volumes está claramente demonstrada nas clarabóias do subsolo e na garagem.
  29. 29. Casa Moliner Princípio Ordenador ADIÇÃO POR SOBREPOSIÇÃO Talvez uma situação criada pelo próprio formado do terreno, mas explorada na lateral da rua, onde houve a subtração e posteriomente a subtração de blocos, criando o formato incomum do muro que cerca a casa. Adição Subtração
  30. 30. Casa Moliner Sistemas de organização espacial CENTRAL Atuando como um espaço unificador da organização espacial da edificação, a sala centraliza toda circulação entre cômodos, equipamentos e espaços secundários, como as clarabóias do subsolo. Ainda dentro da sala, a escada atua como elemento centralizador de toda a organização, podendo ser vista como ponto vital de circulação.
  31. 31. BIBLIOGRAFIA BAKER, Geoffrey H. - Le Corbusier. São Paulo - Martins Fontes, 1998 CHING, Francis D. K. - Arquitetura: Forma, espaço e ordem. São Paulo - Martins Fontes, 1998 REIS, Antônio T. - Repertório, análise e síntese: Uma introdução ao projeto arquitetônico. Porto Alegre - UFRGS, 2002 Moliner House / Alberto Campos Baeza | ArchDaily http://www.archdaily.com/53984/moliner-house- alberto-campo-baeza/ (disponível em 14 de abril de 2010)
  32. 32. ALUNOS Rafael Bennett Giovanni Nejar Bocchi

×