2º ano brasil império

467 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
467
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2º ano brasil império

  1. 1. Material Único http://historiaeatualidade.blogspot.com professor.fael@terra.com.br 1 História e Atualidades Professor Rafael Magno Noronha =]
  2. 2. Período Joanino (1808 / 1820/21) “A transferência da Corte portuguesa para o Brasil em 1808 veio dar à nossa emancipação política e, caráter que a singulariza no conjunto do processo histórico da independência das colônias americanas” Caio Prado Júnior
  3. 3. Administração Joanina 1808.1821 1808: Carta Régia – abertura dos portos. 1810: Tratado de Comércio e Navegação com a Inglaterra Brasil apenas mais um satélite na órbita do capitalismo inglês.
  4. 4. 1815 o Brasil se torna Reino Unido à Portugal e Algarves.
  5. 5. 1817 – Revolução Pernambucana Relaciona-se: ideais de liberdade, crise econômica (açúcar e algodão) e desigualdades sociais e raciais.
  6. 6. 1817 – Revolução Pernambucana Propósito: organização e implantação da república em Pernambuco.
  7. 7. 1817 – Revolução Pernambucana Personagens: padres, maçons e senhores de terra.
  8. 8. 1817 – Revolução Pernambucana Resultados: o governo revolucionário foi desfeito e vários participantes executados e outros presos.
  9. 9. O Caminho da Independência Movimento não popular. 1820 : Revolução do Porto D. João VI e toda corte volta para Portugal em 1821. D. Pedro como regente. Evolução de acontecimentos até o dia 7 de Setembro de 1822.
  10. 10. Brasil Império 16
  11. 11. Primeiro Reinado Dom Pedro I: até o ano de 1831, quando este abdica de seu trono 17
  12. 12. Primeiro Reinado  D. Pedro I  “Constituição da Mandioca” 1823  Primeira Constituição – 1824  1825: Guerra da Cisplatina.  Abdicação em 1831. 18
  13. 13. Movimentos Sociais No Primeiro Reinado, os Movimentos Sociais contestaram o Império no Brasil. 19
  14. 14. Confederação do Equador Nordeste, 1824 Motivo: contra a Constituição. Objetivo: República. Resultado: Negativo 20
  15. 15. Confederação do Equador (1824) – Nordeste. Retomou ideias da Revolução de 1817 – mas com cunho nacional! Perfil liberal. Federalismo. Nome importante: FREI CANECA 21
  16. 16. Guerra da Cisplatina Uruguai, 1825 Objetivo: independência da Cisplatina. Resultado: positivo. 22
  17. 17. Período Regencial Regências: até o ano de 1840, com muitos movimentos sociais. 23
  18. 18. Movimentos Sociais No Período Regencial, os Movimentos Sociais são contra o poder central e a favor da liberdade. 24
  19. 19. Período Regencial  Regência Trina Provisória (abril de 1831 a junho de 1831).  Regência Trina Permanente (junho de 1831 a outubro de 1835) - ATO ADICIONAL – instituiu a Regência Una e a votação direta para escolha do regente (0,1% da população votaria – estima-se que o Brasil tinha cinco milhões de habitantes). 25
  20. 20. Período Regencial Regência Una de Feijó (outubro de 1835 a setembro de 1837) – primeira experiência republicana. Regência Una de Araújo Lima (setembro de 1837 a julho de 1840) – determinou a Lei da Maioridade. 26
  21. 21. Correntes Políticas Liberal (Progressistas) Conservadora (Regressistas) 27
  22. 22. AS REVOLTAS A partir de 1835, uma série de movimentos contra o governo central ocorreram em várias regiões do país. 28
  23. 23. AS REVOLTAS Cabanagem (1835-1840) – Pará. Balaiada (1838-1841) – Maranhão. Sabinada (1837-1838) – Bahia. Farroupilha (1835-1845) – Rio Grande do Sul. Revolta dos Malês (1835) – Salvador. 29
  24. 24. AS REVOLTAS ...revelaram a inadequação das instituições políticas que excluíram a maioria esmagadora da população brasileira. 30
  25. 25. Cabanagem, PA, 1835-1836 Motivo: contra o Governo local. Objetivo: melhorar a vida do povo. Realizada por uma elite E o povo. Resultado: Negativo. 31
  26. 26. Cabanagem (1835-1836), Pará. Motivos Isolamento da Província, existência de um forte partido lusitano, oposição ao presidente da província. Bases Ideológicas Antilusitanismo com propostas populares Características Revolta de cunho popular (Cabanos); Único movimento em que as camadas populares conseguem tomar o poder com estabilidade. Principais episódios e lideres 3 governos – Félix Clemente Malcher, Francisco Vinagre e Eduardo Angelim. Movimento reprimido pelo General 32 Soares Andréia.
  27. 27. Balaiada MA, (1838 -1841) Motivos: crise econômica e disputas locais. Objetivo: superação dos problemas. Resultado: negativo. 33
  28. 28. Balaiada(1838-1841), Maranhão Motivos Crise na economia algodoeira e luta entre grupos locais. Bases Ideológicas Liberalismo. Características Revolta de cunho popular. Chegaram a tomar o poder, mas foram reprimidos pelas tropas do Império. Principais lideres Francisco dos Anjos Ferreira (Balaio). Raimundo Gomes Vieira Jutaí (Cara Preta); Cosme Bento das Chagas 34 (Preto Cosme); Lívio Lopes Castelo Branco.
  29. 29. Sabinada, BA, 1837 Motivos: oposição ao centralismo e melhora nos salários para a classe média e militares. Objetivo: proclamar a República. Resultado: Negativo. 35
  30. 30. Sabinada (1837), Bahia Motivos Renúncia de Feijó e oposição ao centralismo. Bases Ideológicas Liberalismo e Separatismo. Características Pretendia proclamar a Republica Baiense enquanto D. Pedro fosse menor de idade. Líder Francisco Sabino Álvares da Rocha Vieira (médico). 36
  31. 31. Farroupilha, RS, 1835-1845 Motivo: crise econômica e oposição ao centralismo do Império. Objetivo: Governador de confiança. 1835 / 1836: independência do Sul. Resultado: negativo. 37
  32. 32. Farroupilha (1835-1845), Rio Grande do Sul Motivos Crise na produção do charque e oposição ao centralismo. Bases Ideológicas Liberalismo e antilusitanismo. Características Movimento contra a imposição de presidentes de Providência pelo Governo Central. Luta entre liberais e conservadores. Também pesou impostos decretados pelo Governo Central. Lideres Bento Gonçalves da Silva; Bento Manoel Ribeiro; contou com 38 a participação do “herói” da unificação
  33. 33. Farroupilha (1835-1845), Rio Grande do Sul Principais Episódios Proclamação da Republica Rio Grandense em 1836. República Catarinense em 1839. Luís Alves de Lima e Silva (CAXIAS) põe fim à revolta, a mais longa de cunho federalista. 39
  34. 34. Revolta dos Malês BA, 1835 Motivo: opressão do escravismo. Objetivo: melhorar a situação do escravo urbano e do negro liberto. Organizada por negros. Resultado: negativo. 40
  35. 35. Revolta dos Malês (1835), Salvador Motivos Opressão do escravismo e a difícil situação do escravo urbano e do negro liberto. Bases Ideológicas Antiescravismo. Características Organização exclusiva de escravos e libertos, muitos de origem árabe. Objetivava libertar os escravos e massacrar os brancos. Grande repercussão nacional e violência do Governo brasileiro para acabar com o movimento. 41 Lideres Manuel Calafate, Aprígio e Pai Inácio.
  36. 36. Segundo Reinado: Jogo de Imagens 42
  37. 37. Segundo Reinado Dom Pedro II: até o ano de 1889, quando foi Proclamada a República 43
  38. 38. Segundo Reinado (1840-1889) Maior estabilidade. Surto do CAFÉ. Ferrovias. Transição da mão-de-obra escrava para liberta. Fim da escravidão em 1888. República em 1889. 44
  39. 39. Movimentos Sociais No Segundo Reinado, os Movimentos Sociais foram importantes para dar força à Proclamação da República em 1889. 45
  40. 40. Revolução Praieira PE - 1848 Motivo: contra o Império. Objetivo: ampliar o poder dos liberais. Resultado: negativo. 46
  41. 41. Revolução Praieira (1848), Pernambuco – última sublevação contra unidade brasileira Motivos Reação contra o centralismo e o parlamentarismo às avessas. Bases Ideológicas Liberalismo e federalismo. Características Rivalidades de grupos ávidos de mando (Liberais e Conservadores). Desejavam o voto livre e universal; liberdade de imprensa; garantia de vida ao trabalhador; liberdade comercial; independências dos poderes; fim do poder moderador; liberdade das províncias; 47 Lideres Nunes Machado (ex-deputado); Pedro
  42. 42. QUESTÃO CHRISTIE Incidente diplomático ocorrido com a Inglaterra. A denominação do episódio deriva do embaixador inglês do Brasil, William Christie, que conseguiu transformar dois pequenos incidentes numa grave questão diplomática. 48
  43. 43. QUESTÃO CHRISTIE  1º incidente foi provocado pelo desaparecimento da carga de um navio inglês, naufragado em 1861 nas costas do Rio Grande do Sul.  Embora as autoridades brasileiras já tivessem tomado providências para apurar a responsabilidade do furto, o embaixador britânico reclamou uma indenização e exigia a presença de um oficial inglês nas investigações feitas pelo governo brasileiro. 49
  44. 44. QUESTÃO CHRISTIE O segundo incidente ocorreu no ano seguinte, no Rio de Janeiro. Três oficiais da marinha inglesa, à paisana e completamente bêbados, promoveram um tumulto no bairro da Tijuca e acabaram sendo detidos e levados ao distrito policial. 50
  45. 45. QUESTÃO CHRISTIE William Christie transformou essa simples ocorrência policial em um sério conflito. Chegou ao ponto de haver um julgamento internacional, que foi favorável ao Brasil, que rompeu com a Inglaterra até 1865. 51
  46. 46. Guerra do Paraguai (1865 – 1870) Motivo: invasão do Paraguai nas saídas para o Oceano Atlântico no Brasil, Argentina e Uruguai para escoar seus produtos. Objetivo: resolver o conflito. 52
  47. 47. Guerra do Paraguai (1865 – 1870) Inglaterra ajudou financeiramente os países contra o Paraguai, porque este estava se desenvolvendo no Mercado Mundial. 1870: O Paraguai perde a Guerra. 53
  48. 48. Guerra do Paraguai (1865 – 1870) Resultado: economia arrasada e grande número de mortos em todos os países. 54
  49. 49. Guerra do Paraguai  A Guerra do Paraguai teve seu início no ano de 1864, a partir da ambição do ditador Francisco Solano Lopes, que tinha como objetivo aumentar o território paraguaio e obter uma saída para o Oceano Atlântico, através dos rios da Bacia do Prata. Ele iniciou o confronto com a criação de inúmeros obstáculos impostos às embarcações brasileiras que se dirigiam a Mato Grosso através da capital paraguaia. 55
  50. 50. Guerra do Paraguai  Decididos a não mais serem ameaçados e dominados pelo ditador Solano Lopes, Argentina, Brasil e Uruguai uniram suas forças em 1° de maio de 1865 através de acordo conhecido como a Tríplice Aliança.  A partir daí, os três países lutaram juntos para deterem o Paraguai, que foi vencido na batalha naval de Riachuelo e também na luta de Uruguaiana (1870).  Papel importante: INGLATERRA. 56
  51. 51. Segundo Reinado Fim da Escravidão 1831 / 1845 : tentativa de acabar com o tráfico negreiro – “para inglês ver”. 1850: Lei Eusébio de Queiroz. 1871: Lei do Ventre Livre. 1885: Lei dos Sexagenários 1888: Lei Áurea. 57
  52. 52. Segundo Reinado REPÚBLICA: Questão Religiosa. Questão Militar. Questão abolicionista. “Não é República que chega, é o Império que se vai” 58

×