001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015

1.831 visualizações

Publicada em

= ]

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.831
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.053
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015

  1. 1. Material Único http://historiaeatualidade.blogspot.com 1 História e Atualidades Professor Rafael Magno Noronha =]
  2. 2. América Portuguesa 2
  3. 3. 3
  4. 4. 4
  5. 5. 5
  6. 6. 6
  7. 7. Sem achar metais preciosos e sem interesse em colonizar as terras descobertas, os portugueses resolveram extrair o pau-brasil. Entre 1500 – 30: sem colonização, apenas feitorias. 1º momento 7
  8. 8. Escambo Feitorias sem colonização Extrativismo – escambo – mercado externo – monopólio. Pau Brasil
  9. 9. 9
  10. 10. Escravidão indígena • Os fatores que mais contribuíram para a diminuição da população indígena: as epidemias introduzidas pelo invasor europeu e a escravidão dos índios.
  11. 11. Choque cultural • Não havia nenhuma preocupação por parte do europeu em entender a cultura indígena.
  12. 12. Martin Afonso fundou a 1ª vila do Brasil – São Vicente (no atual Estado de São Paulo). Fundou também o primeiro engenho de açúcar do Brasil, iniciando a plantação de cana-de- açúcar. Início da Colonização 12
  13. 13. Martin Afonso iniciou a prática das sesmarias antes da capitanias hereditárias, para povoar o território, porém sem sucesso. Em 1534 – Capitanias Hereditárias Início da Colonização 13
  14. 14. Donatário Carta de Doação e Foral: aplicação da Justiça, de impostos e doação de sesmarias. Destaque para Pernambuco e São Vicente Capitanias Hereditárias
  15. 15. A partir de 1548 Governador Geral dividia o seu poder, na prática, com as câmaras municipais. 1º Governador Geral: Tomé de Souza 2º Governador Geral: Duarte de Souza 3º Governador Geral: Mem de Sá Governo Geral
  16. 16. Governo Geral: • Organizar a administração da Colônia, mas não conseguiu promover a defesa da costa.
  17. 17. Fundou 1ª cidade: Salvador Sistematizou a administração com cargos e com criação da Câmara Municipal (poder local). Trouxe os primeiros jesuítas, sob a chefia de Manuel da Nóbrega. Tomé de Souza (1549-1553) 17
  18. 18. Trouxe mais jesuítas, entre eles José de Anchieta, que fundou o colégio de São Paulo, que deu origem ao povoado de São Paulo, hoje cidade de São Paulo. Houve a invasão francesa na Baía de Guanabara (1555) Duarte de Souza (1553-1557) 18
  19. 19. Expulsou os franceses do RJ Fundou a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro Mem de Sá (1557-1572) 19
  20. 20. O quarto governador, Luís Vasconcelos, nem sequer chegou ao Brasil, pois seu navio foi atacado e destruídos por corsários franceses. Com isso o Brasil foi dividido em NORTE e SUL para facilitar a adminitração. O 4º Governador Geral 20
  21. 21. 21 Norte Sul
  22. 22. • A Base do Sistema Colonial:A Base do Sistema Colonial: A ESCRAVIDÃO: • Indígena • Negra: a principal e mais duradoura (até 1888). BRASIL COLONIAL
  23. 23. Economia Colonial • Lavoura de produtos tropicais • Atividades extrativas • Pecuária  expansão do interior • latifúndio, mão-de-obra escrava, monocultura;
  24. 24. Ocupação do território • No vale amazônico, o extrativismo vegetal – as drogas do sertão – e a captura de índios. • O planalto central, nas áreas correspondentes aos atuais estados de Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso, foi um dos principais alvos do bandeirismo  mineração. • A zona missioneira no Sul do Brasil representava um obstáculo tanto aos colonos, interessados na escravização dos indígenas, quanto a Portugal, dificultando a demarcação das fronteiras.
  25. 25. 25
  26. 26. Os padres jesuítas tiveram um papel importante no processo de colonização do Brasil, pois um dos objetivos da corte portuguesa era a expansão da fé católica pela catequização dos indígenas. Doutrinação religiosa na América Ibérica ( não rolou na Inglesa). Jesuítas 26
  27. 27. • Busca por índios por meio de:Busca por índios por meio de: • EscamboEscambo • Prisioneiros de GuerraPrisioneiros de Guerra • Economia marcada peloEconomia marcada pelo Mercantilismo.Mercantilismo. América PortuguesaAmérica Portuguesa
  28. 28. • Capitalismo Comercial.Capitalismo Comercial. • Entre os séc. XVI e XVIII.Entre os séc. XVI e XVIII.  Baseia-se:Baseia-se: • Acumulo de metais (metalismo).Acumulo de metais (metalismo). • Impostos (protecionismo).Impostos (protecionismo). • Sistema Colonial.Sistema Colonial. • Comércio Favorável (vender mais do que comprar).Comércio Favorável (vender mais do que comprar). MercantilismoMercantilismo
  29. 29. • Cana-de-açúcar:Cana-de-açúcar: litorallitoral • Pecuária:Pecuária: interiorinterior • Mineração:Mineração: interior de SP e Minas Geraisinterior de SP e Minas Gerais • Drogas do Sertão:Drogas do Sertão: região norte.região norte. Economia Brasileira no Século XVII / XVIIIEconomia Brasileira no Século XVII / XVIII
  30. 30. Brasil Colônia 1500 – 1530 à 1808 – 1822 Dominação Portuguesa Pacto Colonial Relações Comercias Brasil (Colônia) Portugal (Metrópole) ESCRAVIDÃO AgriculturaAgricultura
  31. 31. No ano de 1578, durante a batalha contra os mouros marroquinos em Alcácer-Quibir, o rei português dom Sebastião desapareceu. Sem herdeiros, assumiu nos dois anos seguintes, o cardeal dom Henrique, seu tio-avô, mas logo morreu sem também deixar herdeiros. União Ibérica 31
  32. 32. • Filipe II, rei da Espanha e neto do falecido rei português D. Manuel I, se candidatou a assumir a vaga deixada na nação vizinha e ameaçou os portugueses com seus exércitos. • Com isso, observamos o estabelecimento da União Ibérica, que marca a centralização dos governos espanhol e português sob um mesmo governo. União Ibérica 32
  33. 33. • Mudanças: com a junção das coroas, as nações inimigas da Espanha passam a ver na invasão do espaço colonial lusitano uma forma de prejudicar o rei Filipe II. • Desta maneira, no tempo em que a União Ibérica foi vigente, ingleses, holandeses e franceses tentaram invadir o Brasil. União Ibérica 33
  34. 34.  Invasões Estrangeiras no Brasil  FATOR IMPORTANTE: marginalização da Inglaterra, França e Holanda em relação à partilha das terras recém conquistadas.  Inglaterra  1530: contrabando – piratas  Presença Francesa  França Antártica (RJ – 1555/1567) / França Equinocial (MA – 1612-1615)
  35. 35. Invasões Holandesas  Bahia (1624)/ Pernambuco (1630) Administração de Maurício de Nassau Relações comerciais complicadas CANA-DE-AÇÚCAR  Expulsão dos Holandeses (1648) - 1661 (Paz de Haia)  Expulsão contribuiu para a crise do complexo açucareiro nordestino.
  36. 36. Maurício de Nassau 36
  37. 37. Expansão Colonial 37
  38. 38.  AS BANDEIRAS  Expedições particulares, que ajudaram a triplicar a extensão territorial do país.  Bandeirismo Apresador – bandeira de caça ao índio  Bandeirismo ou Sertanismo de Contrato – Capturar Escravos Fugidos  Bandeirismo Prospector – procura de jazidas de ouro.  1693: encontradas as primeiras jazidas de ouro
  39. 39. O movimento dos bandeirantes paulistas expandiram os domínios de Portugal para além dos limites estabelecidos pelo Tratado de Tordesilhas, de 1494, e a descoberta não nas Minas Gerais como também, em 1719, das minas de ouro no Centro Oeste. As Bandeiras 39
  40. 40. 40
  41. 41. • Começa em 1530 com a introdução da cana-de-açúcar • Não deu certo pois... 1)A escravidão negra gerava mais lucro 2)Não adaptação dos indígenas 3)Facilidade das fugas indígenas 4)Papel dos Jesuítas Escravidão com os Índios
  42. 42. 42
  43. 43. Começa em 1693 em Minas Gerais Crescimento urbano Decadência a partir de 1800 Mineração
  44. 44. Mineração • a mineração contribuiu para interligar as várias regiões do Brasil e foi fator de diferenciação da sociedade. • sociedade urbanizada e heterogênea, formada por comerciantes, funcionários reais, artesãos, profissionais liberais e escravos. • Sociedade desigual
  45. 45.  A GUERRA DOS EMBOABAS  Disputa das MINAS de ouro entre Paulistas (que se julgavam os donos das minas) e os Emboabas (forasteiros – baianos e portugueses).  O conflito durou de 1708 à 1709.  Os paulistas foram expulsos e a Portugal fundou a Capitania de São Paulo e das Minas de Ouro.  Em 1711, a vila de São Paulo foi elevada à categoria de cidade.
  46. 46. 46
  47. 47. 47
  48. 48. 48
  49. 49. 49
  50. 50. 50
  51. 51.  MOVIMENTOS NATIVISTAS  Contra os abusos do fiscalismo português e por interesses locais e não emancipacionista.  Revolta do Rio de Janeiro (1660-6)  contra a forte política fiscalista.  Revolta de Felipe Santos (1720) – Vila Rica  contra a elevação dos impostos, contra o monopólio e extinção das casas de Fundição, mas que reforçou os mecanismos de controle sobre os vassalos.  Guerra dos Mascates (1710-12) – Pernambuco Senhores de Engenho de Pernambuco X Comerciantes Portugueses (Mascates), após elevação de Recife à Vila.  Revolta de Beckman (1684)  Maranhão  contra os abusos da Companhia Geral de Comércio e introdução de escravos africanos.
  52. 52. Mineração: • A Guerra dos Emboabas, a dos Mascates e a Revolta de Vila Rica: • manifestações de rebeldia locais • contestavam aspectos da economia • E a dominação do governo português
  53. 53. Mineração • Mais controle: • ao aumento da carga fiscal e as casas de fundição  a revolta dos proprietários das minas.
  54. 54.  ECONOMIA MINERADORA  Época (auge): entre 1693 e 1750  Fiscalização: intensificação do Pacto Colonial – rigorosa vigilância – criação das Casas de Fundição.  Regiões de Exploração: Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás.  Regiões de abastecimento: Sul e Nordeste  Tributos da Mineração  1700: Quinto  1713: Finta (trinta arrobas anuais = 441 kg)  1725: Casas de Fundição (ouro em barras, sendo proibido circular ouro em pó)  1735: Capitação (17g de ouro por cabeça de escravo utilizado na atividade)  1750: cota fixa de 1000 arrobas anuais (1.470 Kg de ouro)  1765: Derrama (exigia-se 596 arrobas – 761, 2 Kg) – quando não havia essa quantidade de ouro, os moradores deveriam pagar com bens pessoais.  Uma arroba = 14.7 Kg
  55. 55. Mineração 55 Vilas, Cidades Sem influênci a urbana Sem influênci a urbana
  56. 56. 56
  57. 57. O falso herói 57
  58. 58.  Reformas Pombalinas (Marquês de Pombal – ministro de Estado do rei D. José I – de 1750 -1777): tentou diminuir Portugal à dominação inglesa; fomentou o desenvolvimento econômico de Portugal; tentou racionalizar a administração portuguesa, diminuindo a influência do clero e da nobreza; expulsão dos jesuítas de Portugal (1759) e do Brasil (1760); extinção das capitanias hereditárias; abolição da escravidão indígena; criação de Companhias do Comércio.
  59. 59.  Consequências da Mineração  Grande imigração portuguesa  Desenvolvimento de um mercado interno de escravos  Povoamento do interior do Brasil  Mudança da capital do Brasil, de Salvador para o Rio de Janeiro (1763)  Desenvolvimento Urbano  Mobilidade social  Movimentos Sociais, como a INCONFIDÊNCIA MINEIRA em 1789.  Esta faz parte dos chamados Movimentos Emancipacionistas, que causaram as primeiras rachaduras no Pacto Colonial, causando mais tarde a independência do Brasil (1822).
  60. 60. 60

×