SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Aula de Química
Profº: Rafilzes
Pensamento do dia

     “O arroto é um peido que subiu na
     vida”.
Reação de esterificação
      • É a reação de produção de um éster.

      • Acontece ao reagir um ácido carboxílico com um
        álcool.
               O                                  O
                                CH3
H3C                +                                             H2O
           OH      H   O
                                      H3C
                                                             +
                                                O
ác. etanóico                                                     água
                       etanol                              CH3
                                       etanoato de etila
• A reação de glicerina (1,2,3 propanotriol) com
  HNO3 concentrado na presença de
  H2SO4, produz a trinitroglicerina.

• Se a trinitroglicerina (TNG) estiver absorvida em
  um material poroso a chamamos de dinamite!!!
Reação de saponificação
• É a reação utilizada para a produção de sabão!

• Ocorre entre um éster e uma base forte
  formando sal um álcool.
• Porém, nem toda reação de saponificação
  produzirá um sabão!

• Para ser considerado sabão o sal formado deve
  ser derivado de um ácido carboxílico de cadeia
  longa.

• Ex:
Simplificando:
Óleo / gordura + base  sabão + álcool

Óleo/gordura = éster de ácido graxo
• Se usarmos NaOH, será produzido um sabão
  “duro”.
• Ex: sabão de coco, sabonete, etc.


• Ao substituirmos o NaOH por
  KOH, produziremos sabões “moles”.
• Ex: creme de barbear.
• Atenção!!!
       O detergente é um derivado (sal) de ácido
       sulfônico ou de amina!




Ácido sulfônico de cadeia longa   Sal do ácido sulfônico (detergente)




  Amina de cadeia longa             Sal da amina (detergente)
• Como funcionam os sabões e detergentes
• Processo de emulsificação
• Impactos ambientais de sabões e detergentes

 ▫ Ao atingirem os esgotos (e posteriomente rios e
   lagos), sabões e detergentes ao serem agitados
   pela correnteza formam espuma na superfície.

 ▫ Essa espuma impede a entrada de oxigênio na
   água, impossibilitando a vida aquática.
• Após muito tempo microrganismos decompõe
  esses resíduos formados na superfície. O nome
  desse processo é biodegradação!


• Todo sabão é biodegradável!


Obs: Porém, comercialmente, chamamos de
Sabão biodegradável aquele que tem
menor tempo de degradação na natureza.
• Já os detergentes sintéticos, podem ou não ser
  biodegradáveis!

• As enzimas que quebram as moléculas de
  detergente não reconhecem estruturas
  ramificadas, sendo assim não-biodegradável.
• Em algumas regiões a água tem grande
  concentração de íons Ca2+ ou Mg2+.

• Chamamos essa água de água dura!

• Os sabões não têm um efeito satisfatório nessa
  água. Pois ocorre uma reação entre esses cátions
  e os ânios do sabão.
• Para resolver esse problema as indústrias
  adicionam um agente sequestrante ao sabão.

• Um agente sequestrante muito usado é o
  Na5P3O10.

• Geralmente, esses agentes sequestrantes são
  nutrientes de algas, proliferando-as nos rios.
  Impedindo assim a absorção de luz pelas plantas
  do fundo.
Reações de esterificação e saponificação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
 
Aula termoquímica
Aula termoquímicaAula termoquímica
Aula termoquímica
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 
Reações orgânicas
Reações orgânicasReações orgânicas
Reações orgânicas
 
Funções orgânicas slide
Funções orgânicas slideFunções orgânicas slide
Funções orgânicas slide
 
Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.
 
Aula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicasAula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicas
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
 
Producao de Sabao e Detergente
Producao de Sabao e Detergente Producao de Sabao e Detergente
Producao de Sabao e Detergente
 
Sabão caracteristicas
Sabão caracteristicasSabão caracteristicas
Sabão caracteristicas
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Equilíbrio Iônico
Equilíbrio IônicoEquilíbrio Iônico
Equilíbrio Iônico
 
Reações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e CetonasReações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e Cetonas
 
Funções inorgânicas
Funções inorgânicasFunções inorgânicas
Funções inorgânicas
 
Ácidos e Bases
Ácidos e BasesÁcidos e Bases
Ácidos e Bases
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Fermentação
FermentaçãoFermentação
Fermentação
 

Semelhante a Reações de esterificação e saponificação

Revisão de BioQuímica - enem 2009
Revisão de BioQuímica - enem 2009Revisão de BioQuímica - enem 2009
Revisão de BioQuímica - enem 2009Vestibular Seriado
 
Power point tipos_de_reacoes_quimicas_p_44
Power point tipos_de_reacoes_quimicas_p_44Power point tipos_de_reacoes_quimicas_p_44
Power point tipos_de_reacoes_quimicas_p_44omeireles
 
Férias com química 2º ano
Férias com química   2º anoFérias com química   2º ano
Férias com química 2º anoprofronaldopompeu
 
Actividade laboratorial 1.2 SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINACOBRE (II) MONO-...
Actividade laboratorial 1.2  SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINACOBRE (II) MONO-...Actividade laboratorial 1.2  SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINACOBRE (II) MONO-...
Actividade laboratorial 1.2 SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINACOBRE (II) MONO-...Rui Oliveira
 
Relatorio da síntese da acetona
Relatorio da síntese da acetonaRelatorio da síntese da acetona
Relatorio da síntese da acetonaDouglas Lício
 

Semelhante a Reações de esterificação e saponificação (12)

21. ácidos e bases
21. ácidos e bases21. ácidos e bases
21. ácidos e bases
 
Revisão de BioQuímica - enem 2009
Revisão de BioQuímica - enem 2009Revisão de BioQuímica - enem 2009
Revisão de BioQuímica - enem 2009
 
Power point tipos_de_reacoes_quimicas_p_44
Power point tipos_de_reacoes_quimicas_p_44Power point tipos_de_reacoes_quimicas_p_44
Power point tipos_de_reacoes_quimicas_p_44
 
Férias com química 2º ano
Férias com química   2º anoFérias com química   2º ano
Férias com química 2º ano
 
exercicios de solucao
exercicios de solucao exercicios de solucao
exercicios de solucao
 
Polaridade e solubilidade atualizada
Polaridade e solubilidade atualizadaPolaridade e solubilidade atualizada
Polaridade e solubilidade atualizada
 
Actividade laboratorial 1.2 SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINACOBRE (II) MONO-...
Actividade laboratorial 1.2  SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINACOBRE (II) MONO-...Actividade laboratorial 1.2  SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINACOBRE (II) MONO-...
Actividade laboratorial 1.2 SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINACOBRE (II) MONO-...
 
Vinho
VinhoVinho
Vinho
 
Vinho.
Vinho.Vinho.
Vinho.
 
Area ll
Area llArea ll
Area ll
 
Relatorio da síntese da acetona
Relatorio da síntese da acetonaRelatorio da síntese da acetona
Relatorio da síntese da acetona
 
Estequiometria simples
Estequiometria simplesEstequiometria simples
Estequiometria simples
 

Mais de Rafael Nishikawa

Balanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicasBalanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicasRafael Nishikawa
 
Reações orgânicas reação de substituição
Reações orgânicas   reação de substituiçãoReações orgânicas   reação de substituição
Reações orgânicas reação de substituiçãoRafael Nishikawa
 
Reações orgânicas reação de adição
Reações orgânicas   reação de adiçãoReações orgânicas   reação de adição
Reações orgânicas reação de adiçãoRafael Nishikawa
 
Funções inorgânicas bases
Funções inorgânicas   basesFunções inorgânicas   bases
Funções inorgânicas basesRafael Nishikawa
 
Funções inorgânicas ácidos
Funções inorgânicas   ácidosFunções inorgânicas   ácidos
Funções inorgânicas ácidosRafael Nishikawa
 

Mais de Rafael Nishikawa (8)

Lipídios e proteínas
Lipídios e proteínasLipídios e proteínas
Lipídios e proteínas
 
Polímeros e o plástico
Polímeros e o plásticoPolímeros e o plástico
Polímeros e o plástico
 
Balanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicasBalanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicas
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
Reações orgânicas reação de substituição
Reações orgânicas   reação de substituiçãoReações orgânicas   reação de substituição
Reações orgânicas reação de substituição
 
Reações orgânicas reação de adição
Reações orgânicas   reação de adiçãoReações orgânicas   reação de adição
Reações orgânicas reação de adição
 
Funções inorgânicas bases
Funções inorgânicas   basesFunções inorgânicas   bases
Funções inorgânicas bases
 
Funções inorgânicas ácidos
Funções inorgânicas   ácidosFunções inorgânicas   ácidos
Funções inorgânicas ácidos
 

Reações de esterificação e saponificação

  • 2. Pensamento do dia “O arroto é um peido que subiu na vida”.
  • 3. Reação de esterificação • É a reação de produção de um éster. • Acontece ao reagir um ácido carboxílico com um álcool. O O CH3 H3C + H2O OH H O H3C + O ác. etanóico água etanol CH3 etanoato de etila
  • 4. • A reação de glicerina (1,2,3 propanotriol) com HNO3 concentrado na presença de H2SO4, produz a trinitroglicerina. • Se a trinitroglicerina (TNG) estiver absorvida em um material poroso a chamamos de dinamite!!!
  • 5.
  • 6. Reação de saponificação • É a reação utilizada para a produção de sabão! • Ocorre entre um éster e uma base forte formando sal um álcool.
  • 7. • Porém, nem toda reação de saponificação produzirá um sabão! • Para ser considerado sabão o sal formado deve ser derivado de um ácido carboxílico de cadeia longa. • Ex:
  • 8.
  • 9. Simplificando: Óleo / gordura + base  sabão + álcool Óleo/gordura = éster de ácido graxo
  • 10. • Se usarmos NaOH, será produzido um sabão “duro”. • Ex: sabão de coco, sabonete, etc. • Ao substituirmos o NaOH por KOH, produziremos sabões “moles”. • Ex: creme de barbear.
  • 11. • Atenção!!! O detergente é um derivado (sal) de ácido sulfônico ou de amina! Ácido sulfônico de cadeia longa Sal do ácido sulfônico (detergente) Amina de cadeia longa Sal da amina (detergente)
  • 12. • Como funcionam os sabões e detergentes
  • 13. • Processo de emulsificação
  • 14. • Impactos ambientais de sabões e detergentes ▫ Ao atingirem os esgotos (e posteriomente rios e lagos), sabões e detergentes ao serem agitados pela correnteza formam espuma na superfície. ▫ Essa espuma impede a entrada de oxigênio na água, impossibilitando a vida aquática.
  • 15.
  • 16. • Após muito tempo microrganismos decompõe esses resíduos formados na superfície. O nome desse processo é biodegradação! • Todo sabão é biodegradável! Obs: Porém, comercialmente, chamamos de Sabão biodegradável aquele que tem menor tempo de degradação na natureza.
  • 17. • Já os detergentes sintéticos, podem ou não ser biodegradáveis! • As enzimas que quebram as moléculas de detergente não reconhecem estruturas ramificadas, sendo assim não-biodegradável.
  • 18. • Em algumas regiões a água tem grande concentração de íons Ca2+ ou Mg2+. • Chamamos essa água de água dura! • Os sabões não têm um efeito satisfatório nessa água. Pois ocorre uma reação entre esses cátions e os ânios do sabão.
  • 19. • Para resolver esse problema as indústrias adicionam um agente sequestrante ao sabão. • Um agente sequestrante muito usado é o Na5P3O10. • Geralmente, esses agentes sequestrantes são nutrientes de algas, proliferando-as nos rios. Impedindo assim a absorção de luz pelas plantas do fundo.