A geopolítica durante o período da ordem bipolar

3.673 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.673
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.110
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A geopolítica durante o período da ordem bipolar

  1. 1. A GEOPOLÍTICA DURANTE O PERÍODO DA ORDEM BIPOLAR- (9º anos) Os antecedentes históricos: Após a Segunda Guerra Mundial, conflito que ocorreu entre os anos de 1939 a 1945, os países envolvidos, principalmente os europeus (Alemanha, França, Itália, Reino Unido, Áustria, etc.) demandaram grandes investimentos para alimentar o conflito, sofreram pesadas baixas nos setores econômico, populacional, de infraestrutura, entre outros, fato que contribuiu para agravar a crise econômica logo depois à guerra. A União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), apesar dos prejuízos econômicos gerados pela participação ativa na Guerra, conseguiu sair vitoriosa do conflito e manteve uma estabilidade financeira, que as outras nações do continente não conquistaram. Os Estados Unidos da América (EUA), que já vinham apresentando crescimento econômico acelerado desde a segunda metade do século XIX, conseguiram manter sua estabilidade econômica após a participação na Segunda Guerra Mundial e aproveitaram da debilidade das outras nações para estabelecer o controle da sua hegemonia militar, financeira e comercial na Europa. Antes mesmo do fim da 2º Guerra, os EUA já havia estabelecido por intermédio do Acordo de Bretton Woods em 1944, estabelecer um sistema monetário único, tendo o dólar como moeda padrão para as transações financeiras e comerciais. Portanto, com o fim da Segunda Guerra Mundial (1945), apenas Estados Unidos e União Soviética (URSS) se encontravam em boas condições econômicas, militares e tecnológicas, foram justamente as nações que eliminaram a resistência Nazista na Alemanha e ocupando o seu território. Esse fato fez com que essas duas nações ficassem conhecidas como superpotências, sobretudo em razão do desenvolvimento de tecnologia para a fabricação de armas nucleares. A Partilha da Alemanha A Alemanha nazista foi a grande derrotada da Segunda Guerra Mundial e, com isso, teve o seu território dominado e controlado pelos países que formavam a base aliada durante o conflito: EUA, URSS, França e Inglaterra. Esses países, na Conferência de Potsdam, em 1945, dividiram o espaço alemão em duas principais partes: de um lado, a Alemanha Ocidental, dominada pelas nações capitalistas; de outro, a Alemanha Oriental, dominada pela União Soviética. A capital Berlim também ficou igualmente dividida, fato que posteriormente forçou as autoridades a construir um muro dividindo a cidade e por consequência o país. Observe o mapa abaixo:
  2. 2. O que foi então a Ordem Bipolar? Ao final da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), no espaço de tempo entre a 2º metade da década de 40 até o fim dos anos 80, o cenário político mundial testemunhava o período de maior tensão de sua história. De um lado, os Estados Unidos (EUA), uma potência capitalista; de outro, a União Soviética (URSS), uma potência socialista. Estes dois países se tornaram as superpotências hegemônicas ao fim do conflito, dividindo o controle das ações geopolíticas em diversas frentes: militar, tecnológica, espacial, econômica e até mesmo no esporte. O confronto entre as duas superpotências ficou apenas no campo ideológico e na ideia de expansão das zonas de influência, disseminando várias possibilidades de guerras em ambos os lados, armamentos com tecnologia nuclear que poderiam causar sérios danos a toda humanidade. Portanto, podemos dizer que a Ordem Bipolar, também chamada de Guerra Fria foi uma espécie de guerra não declarada entre as duas superpotências, ao final, nenhum tiro, bomba ou míssil foi disparado entre os dois lados conflitantes, justificando o termo citado destacado acima. Acontecendo na verdade disputas de interesses. Afinal, quais foram estes interesses? Para responder a essa pergunta podemos citar vários acontecimentos geopolíticos que motivaram o acirramento entre EUA e URSS:     Por exemplo, a ocorrência de vários conflitos regionais como a Guerra que dividiu as Coreias (anos 50), conflitos armados na América Central (anos 80), a Guerra Irã X Iraque (anos 80), a tentativa de invasão soviética no Afegãnistão (1979) e a guerra no Vietnã (anos 60 e 70); A corrida espacial travada pelas superpotências, como por exemplo, o lançamento de satélites, missões tripuladas ao espaço (a exemplo da missão à Lua em 1969 pelos EUA) e a construção de estações espaciais; Ajuda financeira, cooperação militar e tecnológica aos países satélites (aliados), com objetivo de estabelecer e fortificar as regiões e áreas de influência (no caso dos EUA através da DoutrinaTruman Plano Marshall) a URSS (Plano Molotov); Pactos de defesa militar como a criação da OTAN e Pacto de Varsóvia.
  3. 3. A disputa entre EUA e URSS não ocorria apenas no plano territorial, político e econômico mundial. O principal elemento em disputa era a hegemonia militar e tecnológica. Nesse sentido, os dois países envolveram-se em uma cega corrida para decidir qual das duas potências possuía maior quantidade de armamentos e tecnologias nucleares, bem como os melhores programas e conquistas espaciais. Dada à impossibilidade da resolução do confronto no plano estratégico, pela via tradicional da guerra aberta e direta que envolveria um confronto nuclear; as duas superpotências passaram a disputar poder de influência política, econômica e ideológica em todo o mundo. Este processo se caracterizou pelo envolvimento dos Estados Unidos e União Soviética em diversas guerras regionais, onde cada potência apoiava um dos lados em guerra. Estados Unidos e União Soviética não apenas financiavam lados opostos no confronto, disputando influência político-ideológica, mas também para mostrar o seu poder de fogo e reforçar as alianças regionais. As Doutrinas de Contenção Na tentativa de barrar um possível avanço do socialismo na Europa, especialmente em antigos aliados, dado a grande fragilidade econômica e social provocada pela guerra mundial, os EUA lançaram mão da Doutrina de Contenção, que teve como principal instrumento o Plano Marshall, no qual o país concedeu ajuda financeira e empréstimos para a reconstrução do continente. Com isso, os Estados Unidos consolidaram a sua base de influência naquilo que foi denominado de “Oeste Europeu” ou “Europa Ocidental”. Essa postura era uma estratégia norte-americana para evitar que as nações europeias, em função de suas relativas fraquezas, sofressem intervenções dos soviéticos, além de ser uma ação para conter possíveis movimentos e revoluções socialistas internas. Em resposta ao Plano Marshall, a União Soviética elaborou o chamado Plano Molotov, com o igual objetivo de realizar uma ampla ajuda econômica aos seus aliados do “leste europeu” a fim de ampliar o seu espaço de influência no continente e outras partes do mundo. Essa ajuda financeira envolveu praticamente todos os países de influência socialista, como a Alemanha Oriental, Polônia, Bulgária, Cuba e muitos outros. Com tal medida a URSS consolidou seu espaço ou área de influência, que logo ficou conhecida como “Cortina de Ferro”. Veja no Mapa:
  4. 4. A Propaganda durante a Guerra Fria: Durante o período da Guerra Fria, a disputa ideológica entre os dois blocos foi acirrada. As duas superpotências fizeram grandes esforços de propaganda política no intuito de conquistar o apoio mundial. Tanto Estados Unidos quanto União Soviética concentrava sua propaganda política-ideológica em duas frentes: desacreditar a ideologia e as ações do adversário e, ao mesmo tempo, convencer a opinião internacional de que seu sistema político, econômico e sócio-cultural era superior. Setores como tecnologia (ver: Programa espacial dos Estados Unidos e Programa espacial soviético) e mesmo esporte (ver: Boicote aos Jogos Olímpicos de Verão de 1980 e Jogos Olímpicos de Verão de 1984), eram usados para fins de propaganda. No final de 1979, como protesto contra a invasão soviética do Afeganistão, o presidente norte-americano Jimmy Carter anunciou o boicote de sua nação aos Jogos Olímpicos de Moscou - 1980, convocando seus aliados pelo mundo a darem o mesmo exemplo, 69 países se recusaram a participar dos jogos. Alguns aliados dos americanos não aderiram o boicote como o Brasil. Os jogos da XXIII Olimpíada realizados na cidade de Los Angeles, EUA, entre 28 de julho e 12 de agosto de 1984. Esta edição, assim como a anterior, também sofreu com um boicote, mas desta vez dos países do antigo bloco socialista, em retaliação ao boicote liderado pelos norte-americanos aos Jogos de Moscou, realizados quatro anos antes. Dos países do antigo bloco socialista somente a Roménia e as então neutras República Popular da China e Iugoslávia participaram dos Jogos. Portanto, até mesmo nos esportes e em outras atividades culturais as disputas ideológicas entre as superpotências do pós guerra se tornaram fatos importantes para entender a geopolítica durante os anos 1945 a 1990. ATIVIDADES DE SONDAGEM DO TEXTO: 01 – Explique o cenário econômico europeu durante os primeiros anos do pós guerra ? 02 – Explique o que foi determinado no Acordo de Bretton Woods em 1944 ? 03 – Faça uma abordagem da divisão do território alemão logo após a 2º Guerra ? (0bserve o mapa ilustrativo) 04 - Após a leitura atenta do texto, faça uma abordagem do período denominado Ordem Bipolar. 05 - Cite alguns acontecimentos geopolíticos que contribuíram para o acirramento das disputas entre EUA e URSS durante a Guerra Fria. 06 – Explique os objetivos estabelecidos tanto no Plano Marshall e no Plano Molotov. 07 – Cite os países que ficaram sob a esfera de influência soviética na formação da Cortina de Ferro ? 08 - Faça um comentário sobre os impactos da Guerra Fria nos esportes, especialmente nos Jogos Olímpicos de 1980 e 1984 ?

×