Informática Aplicada à Educação

8.864 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
2 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.864
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
401
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
389
Comentários
2
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Informática Aplicada à Educação

  1. 1. Informática Aplicada à Educação
  2. 2. Nossa mente é a melhor tecnologia, infinitamente superior em complexidade ao melhor computador, porque pensa, relaciona, sente, intui e pode surpreender. (Moran, 1997)
  3. 3. O uso do computador na escola como recurso pedagógico
  4. 4. A utilização dos Recursos de Tecnologia Educacional em nossas escolas deve acontecer na ação pedagógica, de forma contextualizada no desenvolvimento de Projetos. Não basta introduzir os recursos na escola, mas faz-se necessário discutir e orientar sobre os métodos e técnicas de sua utilização, do ponto de vista pedagógico.
  5. 5. Os computadores encontram-se auxiliando e influenciando o dia-a-dia de cada um, sendo assim as escolas devem acompanhar e inserir as tecnologias dentro do seu programa educacional, ou senão corre o risco de cair no atraso funcional do ensino obsoleto. O Laboratório de Informática Educativa, se constitui em um lugar de encontro do docente e seus alunos com a tecnologia.
  6. 6. O uso da internet na educação
  7. 7. Pontos Positivos • Acessibilidade a fontes inesgotáveis de assuntos para pesquisas; • Páginas educacionais específicas para a pesquisa escolar; • Páginas para busca de software; • Comunicação e interação com outras escolas; • Estímulo para pesquisar a partir de temas previamente definidos ou a partir da curiosidade dos próprios alunos; • Desenvolvimento de uma nova forma de comunicação e socialização;
  8. 8. Pontos Positivos • Estímulo à escrita e à leitura; • Estímulo à curiosidade; • Estímulo ao raciocínio lógico; • Desenvolvimento da autonomia; • Possibilidade do aprendizado individualizado; • Troca de experiências entre professores/professores, aluno/aluno e professor/aluno.
  9. 9. Pontos Negativos • Muitas informações sem fidedignidade. • Lentidão de acesso quando o serviço da empresa que possibilita a conexão à rede é de baixa qualidade. • Facilidade no acesso a inadequados para o público infanto-juvenil. • Confusão entre informação e conhecimento. O conhecimento não se passa, mas cria-se e constrói-se.
  10. 10. Pontos Negativos • Resistência às mudanças. Alguns alunos e professores não aceitam facilmente a mudança na forma de ensinar e aprender. • Facilidade de dispersão. Muitos alunos perdem-se no emaranhado de possibilidades de navegação e não procuram o que deveriam. • Impaciência. A impaciência de muitos alunos os faz mudar de um endereço para outro, aprofundando pouco as possibilidades de cada página.
  11. 11. Laboratório de Informática
  12. 12. E N I A C <ul><li>Em 1946, surgiu o ENIAC - Eletronic Numerical Interpreter and Calculator, ou seja, &quot;Computador e Integrador Numérico Eletrônico </li></ul>
  13. 13. E N I A C <ul><li>Totalmente eletrônico </li></ul><ul><li>17.468 válvulas </li></ul><ul><li>500.000 conexões de solda </li></ul><ul><li>30 toneladas de peso </li></ul><ul><li>180 m² de área construída </li></ul><ul><li>5,5 m de altura </li></ul><ul><li>25 m de comprimento </li></ul><ul><li>realizava uma soma em 0,0002 s </li></ul><ul><li>realizava uma multiplicação em 0,005 s com números de 10 dígitos </li></ul>
  14. 16. As nossas crianças desde muito pequenas, sabem usar a informática, e esse acelerado crescimento chegou até nossas escolas Trata-se de um maravilhoso recurso didático para as aulas
  15. 17. Cabe a nós, Profissionais da Educação conhecer nossa ferramenta de trabalho e ter controle sobre ela, não só para enriquecer o aprendizado, mas também para evitar que a informática seja usada de forma negativa ou criminosa. A escola precisa exercer seu papel de educar o jovem para a responsabilidade e critério no uso dos recursos tecnológicos.
  16. 18. Software Livre Trata-se de programas de computador gratuitos, sem direito autoral, que podem ser instalados a partir de sites da internet
  17. 19. A responsabilidade do técnico do Laboratório de Informática vai desde o monitoramento das máquinas, verificando a existência de programas, músicas ou jogos instalados clandestinamente, até a perfeita utilização do laboratório no horário de aula.
  18. 20. Atribuições Gerais do Técnico do Laboratório de Informática Educativa <ul><li>Organização e limpeza dos equipamentos do laboratório. </li></ul><ul><li>Atendimento aos alunos nos horários pré estabelecidos. </li></ul><ul><li>Diariamente atualizar e passar o antivírus nas máquinas. </li></ul><ul><li>Acompanhamento dos alunos na execução das atividades no laboratório. </li></ul><ul><li>Efetuar a reserva para o uso dos laboratórios de informática educativa por parte de professores, alunos e comunidade escolar. </li></ul><ul><li>Fazer cumprir o regulamento do laboratório de informática educativa. </li></ul>
  19. 21. Atribuições Gerais do Técnico do Laboratório de Informática Educativa <ul><li>Limpar arquivos temporários. </li></ul><ul><li>Checar e verificar o conteúdo das pastas de alunos, professores, funcionários. </li></ul><ul><li>Checar os sites visitados e bloqueio dos sites pornográficos. </li></ul><ul><li>Efetuar as cópias de CD´s e DVD’s quando devidamente autorizados. </li></ul><ul><li>Conferir a cada final de turno: ar condicionado laboratório (desligado), ar condicionado no servidor, ligado e regulado de acordo com a temperatura, computadores desligados, portas e janelas fechadas, internet funcionando. </li></ul><ul><li>Auxiliar ao suporte técnico quando solicitado para fazer algum reparo nos equipamento. </li></ul>
  20. 22. <ul><li>É imprescindível a determinação de regras para que o uso do ambiente seja otimizado. É vedado aos usuários: </li></ul><ul><li>praticar atividades que afetem ou coloquem em risco as instalações e provoquem desperdício de recursos; </li></ul><ul><li>exercer atividades que coloquem em risco a integridade física das instalações e dos equipamentos dos laboratórios, por exemplo, comer ou beber nessas dependências; </li></ul><ul><li>desmontar quaisquer equipamentos ou acessórios do laboratório, sob qualquer pretexto, assim como remover equipamentos do local a eles destinados (mesmo dentro do recinto); </li></ul><ul><li>usar qualquer equipamento de forma danosa ou agressiva; </li></ul>
  21. 23. <ul><li>exercer atividades não relacionadas ao uso específico de cada laboratório e da atividade proposta; </li></ul><ul><li>usar os laboratórios para atividades eticamente impróprias; </li></ul><ul><li>alterar a configuração de qualquer equipamento disponível; </li></ul><ul><li>instalar ou remover programas, a menos que autorizado e devidamente assistido por um técnico do laboratório; </li></ul><ul><li>desenvolver e/ou disseminar vírus nos equipamentos do laboratório; </li></ul><ul><li>praticar ou facilitar a prática de pirataria de software ou dados de qualquer espécie; </li></ul><ul><li>facilitar o acesso de pessoas estranhas não autorizadas aos laboratórios; </li></ul><ul><li>usar indevidamente os recursos disponíveis na internet. </li></ul>
  22. 24. É necessário, portanto, que o técnico tenha um vasto controle sobre as máquinas, conhecendo a parte física (hardware); tenha noções de redes para dar manutenção diária no laboratório; tenha domínio sobre instalação de softwares e conhecimento para auxiliar os alunos na utilização dos recursos disponíveis durante a aula
  23. 25. Manutenção e Limpeza do Laboratório de Informática
  24. 26. Referências Bibliográficas Informática Aplicada à Educação – Técnicos Multimeios. Profuncionario – UnB – MEC - Brasília – 2007; Laboratório de Informática - Profuncionario – UnB – MEC - Brasília – 2007.

×