Pesquisa Social em Campo: desafios para o(a) pesquisador(a)

1.245 visualizações

Publicada em

Minicurso apresentado durante IV ERECS Nordeste, em março de 2013.
Professores:

Fernanda Meira(http://lattes.cnpq.br/0805932533029722),

Francisco Jatobá (http://lattes.cnpq.br/2604274612352251),

Rafael dos Santos (http://lattes.cnpq.br/1684334939130563)

Rayane Andrade(http://lattes.cnpq.br/7190036182698859)

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.245
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pesquisa Social em Campo: desafios para o(a) pesquisador(a)

  1. 1. MINICURSO Pesquisa Social em Campo: desafios para o(a) pesquisador(a) ERECS NE João Pessoa, 30 de março de 2013 Professores: Rayane Andrade Fernanda Meira Francisco Jatobá Rafael dos Santos
  2. 2. Dados construídos de maneira inadequada Constituem “reflexos” distorcidos da realidade  O questionário pode ser considerado como sendo uma forma de entrevista estruturada.  Geralmente, os questionários cumprem pelo menos duas funções: descrever as características e medir determinadas variáveis de um grupo social.  Experiências passadas de pesquisadores podem ser úteis como diretrizes para ajudar a gerar dados úteis.
  3. 3.  Referência a um tipo muito específico de pesquisa social empírica. Geralmente utilizam amostras ou subconjuntos de uma população.  Exemplos de pesquisa survey: ◦ Censos demográficos ◦ Pesquisa de opinião pública ◦ Pesquisa de mercado ◦ Estudos acadêmicos sobre preconceito ◦ Perfis epidemiológicos Pesquisa survey
  4. 4.  Nem só de perguntas vive um questionário, mas também é possível lançar mão de declarações.  Se o pesquisador for capaz de resumir a atitude numa declaração curta, é possível apresentá-la aos respondentes e perguntar se eles concordam ou discordam dela.  Rensis Likert - Escala Likert:  concordar fortemente, concordar, discordar, discordar fortemente...  Pode dar mais flexibilidade ao questionário A Construção do Questionário
  5. 5. Duas das classificações de questionários mais utilizadas são aquelas que distinguem os instrumentos: Pelo modo de aplicação (auto- administrado ou contato direto); Pelo tipo de perguntas (abertas ou fechadas) Características do Questionário
  6. 6. Questionários aplicados por contato direto Partem de uma base mais proativa na busca pela informação, onde pessoas treinadas aplicam o questionário diretamente. É possível ao entrevistador tirar dúvidas, explicar questões e evitar a falta de preenchimento de campos, bem como o preenchimento “errado”. Características do Questionário
  7. 7. Questionário auto-administrado O questionário e as instruções são enviados por correio, email ou disponibilizadas digitalmente para um grupo de pessoas previamente escolhidas. Deve possuir instruções de preenchimento claras, de modo a minimizar as dúvidas do entrevistado na hora do preenchimento. Marcar um “x”, fazer um círculo na resposta, etc. Características do Questionário
  8. 8. Cada tipo possui dinâmicas diferenciadas para a aplicação. Auto-administrado: deve evitar começar com dados sociodemográficos (sexo, cidade, estado), pois pode passar uma ideia de formulário rotineiro. Contato direto: Sugere-se, pelo contrário, começar por aspectos sociodemográficos, a fim de estabelecer a continuidade na comunicação. Evitar questões sensíveis a princípio. Características do Questionário
  9. 9. Perguntas Fechadas Vantagens Os entrevistados devem responder as perguntas numa lista já apresentada. Dão maior uniformidade de respostas São mais facilmente processadas Tipos de Pergunta
  10. 10. Reside na estruturação das respostas, isto é, quando as respostas relevantes a uma questão são claras, a sua estruturação não apresenta problemas. Entretanto, em outros casos, a estruturação pode deixar passar algumas alternativas de respostas que são importantes; Pauta de respostas: os entrevistados podem responder, por exemplo, a primeira alternativa de cada pergunta, com objetivo de terminar o questionário o mais cedo possível. Tipos de Pergunta Perguntas Fechadas Desvantagens
  11. 11. • Devem ser exaustivas, ou seja, incluir todas as respostas possíveis que se pode esperar. Por isso, muitas vezes recorrer a uma categoria “outros” pode ser uma solução. Exaustivas: • Respostas mutuamente excludentes, ou seja, respondentes não devem se sentir forçados a escolher mais de uma resposta. O caso de múltiplas respostas pode gerar dificuldades no processamento. Excludentes: Duas diretrizes para questões fechadas
  12. 12. Perguntas Abertas São perguntas ou afirmações que levam o candidato a responder com frases ou orações. Neste caso, o entrevistador não está interessado em antecipar as respostas, mas deseja uma maior elaboração da opiniões do entrevistado. Tipos de Pergunta
  13. 13. Vantagens Exploração do tema – Capta aspectos e dinâmicas que podem ser levadas a uma outra pesquisa (survey) ou uma nova etapa dentro de uma mesma pesquisa e que não haviam sido pensados anteriormente. Oferece mais liberdade ao entrevistado de expor sua opinião acerca de uma determinada questão, sem as estruturas das alternativas previamente estabelecidas Perguntas Abertas
  14. 14. Desvantagens Dificuldade de classificação e codificação Em situações específicas, o pesquisador precisa estar bem familiarizado com vocabulários, costumes, condições de vida e outras características que o permitam interpretar as respostas, minimizando possíveis distorções no sentido de suas respostas (Exemplo: Pesquisa da Nestlé - diferença entre bolacha e biscoito). Perguntas Abertas
  15. 15. São aquelas que fazem sentido apenas para um determinado subconjunto de respondentes. Questões que se desdobram em outras questões, apenas para um determinado segmento dos entrevistados. Exemplo: 1. você vota em Recife? Sim ( ) Não ( ) {caso a reposta seja “sim", vá para a questão 1.2} 1.2 Se a eleição fosse hoje, Em qual desses candidatos você votaria para prefeito? ( ) Fulano ( ) Ciclano ( ) Beltrano Nesse caso, a segunda pergunta é contingente quanto à resposta à primeira Pode usar setas no questionário, junto com orientações escritas, para indicar o roteiro das perguntas. Questões contingentes
  16. 16.  Os itens do questionário devem ser claros e não ambíguos  Exemplo: “Qual sua opinião sobre o Projovem?” Resposta do entrevistado: “O que é o Projovem?” Outras Características
  17. 17.  Questões matriciais  Várias perguntas com o mesmo tipo de categorias de resposta, a exemplo do uso da escala Likert.  Vantagens: usa o espaço de forma eficiente, é mais fácil de responder a uma sequencia de questões e o formato facilita a comparação entre as respostas dadas.  Desvantagem: perigo do padrão-de-resposta/pauta de resposta nos respondentes. Um padrão de concordância com todas as declarações. Questões Matriciais
  18. 18. Questões Matriciais Ex: Ao lado dos enunciados abaixo, por favor indique se você concorda fortemente, concorda, discorda, discorda fortemente, ou está indeciso. Concorda fortemente Concorda Indeciso Discorda Discorda fortemente O Brasil precisa investir mais em segurança A Guarda Municipal não deve portar arma de fogo O trânsito nas cidades deve ser controlado pela PM
  19. 19. As questões devem ser relevantes  Quando se pede atitudes sobre um tema sobre o qual poucos pensam ou se importam, os resultados têm pouca possibilidade de serem úteis. Os entrevistados também podem expressar atitudes mesmo nunca tendo pensado sobre o assunto, podendo gerar equívoco para o pesquisador. Exemplo: Babbie criou um personagem fictício chamado Tom Sakumoto como exercício metodológico e o colocou numa lista entre 15 figuras políticas locais. 9% respondeu que o conheciam e destes, metade respondeu que já o tinha visto na tv e lido em jornais. Outras Características
  20. 20.  Itens devem ser curtos: A ideia é que um respondente possa ler ou ouvir um item e respondê-lo rapidamente, entendo sua intenção e escolhendo uma resposta sem dificuldade. “Pretinho básico".  Evitar itens negativos: Cuidado com a utilização de itens negativos na elaboração de um item do questionário. ◦ Ex: O Brasil não deve reduzir a emissão de gases poluentes. ◦ ( ) Concorda ( ) Discorda ◦ Ex. 2: Os seguintes tipos de pessoas devem ser proibidos de lecionar em escolas pública: ◦ Padres ( ) sim ( ) não ◦ Juristas ( ) sim ( ) não ◦ Neonazistas ( ) sim ( ) não ◦ Membros do MST ( ) sim ( ) não • A negativa pode gerar confusão ou ser ignorada pelo respondente desatento. Outras características
  21. 21.  Evitando questões duplas: observar se a palavra “e” aparece numa pergunta ou declaração e checar se não há duplicação de questões. ◦ “A Universidade Federal de Pernambuco pode abrir mais vagas para alunos e contratar mais professores" • • Concorda ( ) discorda ( ) • Embora muita gente possa concordar facilmente com essa declaração, outros não conseguirão responder. Alguns podem acreditar que a UFPE pode abrir mais vagas mas não pode contratar mais professores, ou contratar mais professores e não abrir mais vagas. Com o que se está concordando ou discordando afinal? Outras características
  22. 22. Evitando itens e termos tendenciosos: A forma como a pergunta é elaborada, pode influenciar positiva ou negativamente o entrevistado, gerando uma resposta pouco confiável Atenção a forma como a pergunta é elaborada. Utilização de determinados termos com um cunho ideológico explícito (esquerda, direita, liberal, conservador, comunista) ou figuras, na elaboração do item, que possam enviesar as respostas. ◦ Ex: O MST é um dos movimentos mais importantes do Brasil. Qual sua opinião sobre ele? Na pergunta já há uma valoração que direciona o entrevistado. Outras características
  23. 23.  Competência dos entrevistados em responder as questões: Os respondentes são capazes de responder as perguntas de forma confiável? ◦ Ex: Experiência de jovens ao volante. Pergunta aberta: qual o número de km percorridos desde o momento da habilitação?  Atentar para os contextos em que são feitas as perguntas (rural e urbano, por exemplo) e a linguagem que é e empregada. Outras características
  24. 24.  Ordenação das questões no questionário: no caso de questionário aplicado, evitar começar com questões polêmicas, por exemplo;  Numeração/codificação das alternativas de resposta (no caso das perguntas fechadas)  Instruções: todo questionário, seja auto- administrado ou aplicado por um entrevistador, deve conter instruções claras e comentários introdutórios onde apropriado. Outras Características
  25. 25.  Esclarecimento de dúvidas, análise de limites e possibilidades do questionário;  Possibilita uma triangulação entre a questão de pesquisa, hipótese e os dados.  O pré-teste é um momento de extrema importância para a viabilidade e desenvolvimento da pesquisa em questão.  Em última instância, o pré-teste visa assegurar a criação de dados úteis. Pré-teste
  26. 26. • Por ele, podemos observar elementos como:  O tempo do preenchimento do questionário  Se o questionário demonstra atender seu propósito investigativo  Compreensão das perguntas por parte dos entrevistados  Dificuldades do entrevistador  Consistência das respostas  Viabilidade do plano de análise  Inúmeras outras questões. Pré-teste
  27. 27.  Após o pré-teste, procedimentos de reavaliação do questionário devem ser adotados, visando analisar suas inconsistências e pontos a serem aperfeiçoados, visando às dinâmicas posteriores do projeto de pesquisa  O pré-teste oferta insumos para consolidar um treinamento eficiente e apontar questões que precisam de maior atenção no preenchimento do questionário.  Cabe ao procedimento de crítica observar o preenchimento adequado do questionário, de acordo com os parâmetros esperados. Pré-teste
  28. 28.  Níveis diferenciados de complexidade do instrumento de pesquisa exigem níveis diferenciados de qualificação do entrevistador.  As perguntas melhor elaboradas exigem menos capacidade do entrevistador em de explorá-las.  Os comandos do questionário (“estimulada”, “leia para o entrevistado”, única/múltipla) devem ser visualmente perceptíveis ao entrevistador.  Risco do “não sabe” / “não quer responder” / “nem sim, nem não” foram lidas com muita recorrência.  Há uma tendência do pesquisador considerar automaticamente questões sobre as quais o entrevistado deu alguma pista. Desdobramentos para o Pesquisador(a)
  29. 29.  As questões ordinais (Escala Likert) com opções de resposta em número ímpar concentraram as respostas na opção do meio.  Isso ocorreu nas questões com: Ótimo’ ‘bom’ ‘regular’ ‘ ruim’ ‘péssimo’.  A opção de resposta no centro tende a ser a preferida por entrevistados desinteressados ou que ainda não tem uma resposta definida.  Diversos entrevistadores têm aplicado questões distintas como se fossem apenas uma: Desdobramentos para o Pesquisador(a)
  30. 30.  Boa parte dos erros cometidos pelos entrevistadores está relacionada a uma leitura não integral do texto e da frase de cada questão. Em resumo, isso tem implicado em um alto nível de improviso no momento de aplicação do questionário. Dessa maneira, cada pergunta do instrumento de pesquisa (que foi cuidadosamente pensada para medir um aspecto determinado da realidade) se transforma em questões completamente diferentes do que foi proposto e varia por entrevistador e local da coleta.  Alguns termos são de difícil compreensão por parte do entrevistado. O termo “asfixia” pode ser difícil para o entrevistador falar e para o entrevistado entender em várias ocasiões. A explicação terminar tendo que ser improvisada pelo entrevistador. Desdobramentos para o Pesquisador(a)
  31. 31. Dificuldades comuns relativas a Questões sobre renda:  É comum não ficar claro o que se quer: renda total da casa (familiar) ou individual.  Essa questão é sempre foco de constrangimento, por vários motivos. O pesquisador deve ter habilidade e delicadeza ao realizá-la.  Pode-se usar um cartão de renda, desde que as pessoas consigam se localizar facilmente em cada categoria. Caso contrário, não é recomendado. Pessoas que possuem renda inferior a um salário mínimo , por exemplo, geralmente não conseguem localizar a categoria correspondente. As pessoas não percebem/não entendem a opção “até um salário mínimo”. No cartão de renda, os valores chamam mais atenção que o texto. Desdobramentos para o Pesquisador(a)
  32. 32. Dificuldades comuns relativas a Questões sobre renda:  Em residências de estudantes, ou em casas com pessoas que estão passando temporadas, questões como renda familiar, “chefe da família”, não fizeram sentido nesse contexto. O instrumento visa padronizar a interação do entrevistador com o entrevistado, garantido que a ‘mesma’ pergunta seja feita às pessoas. Há uma tendência a improvisação do entrevistados que implicam na aplicação de vários questionários diferentes e que comprometem a comparabilidade dos resultados.  Com o tempo, a utilização do instrumento de pesquisa pelos entrevistadores tende a ser “flexibilizada”. Eles já conhecem as perguntas, as pausas, etc. Isso tanto pode gerar uma maior familiaridade com o questionário e, com isso, uma melhor aplicação, quanto pode aumentar o nível de improvisos e desrespeito ao instrumento. Desdobramentos para o Pesquisador(a)
  33. 33.  Também deve ser considerado que o pesquisador pode (intencionalmente ou não) dar dicas ao entrevistado de como “acelerar” a aplicação do questionário.  Pessoas de outros estados (que se mudaram a menos de 2 anos, mais ou menos) tem dificuldade de responder as perguntas pensando no novo local de moradia.  Os pesquisadores estarem preparados para solicitar privacidade e garantir que a entrevista seja realizada individualmente, sem interferências ou acompanhamentos de familiares e vizinhos. Desdobramentos para o Pesquisador(a)
  34. 34.  Termos excessivamente formais e que não fazem parte do vocabulário cotidiano de certos grupos de pessoas são frequentemente ininteligíveis em um primeiro momento.  O conceitos utilizados devem estar bastante claros. Termos próximos ou relacionados podem confundir o entrevistado. Por exemplo: questões sobre agressões sexuais tendem a ser consideradas muitas vezes como assédio sexual ou mesmo ofensa verbal por questões sexuais. Desdobramentos para o Entrevistado
  35. 35.  Tempo médio adequado de aplicação do questionário. Pesquisas domiciliares interferem no cotidiano das pessoas e muitas vezes ocupam o tempo de outras atividades. Muitas pessoas não têm disponibilidade (ou interesse) de responder durante certa de uma hora uma longa bateria de questões.  Pessoas mais idosas, por exemplo, tem grande dificuldade de dedicar tanto tempo a uma entrevista. Pessoas mais ocupadas se esquivam imediatamente.  Há uma tendência do interesse diminuir consideravelmente após os primeiros trinta minutos, o que compromete a “sinceridade” ou a espontaneidade das respostas. Questões mais delicadas sobre as vítimas, nesse contexto, permanecem inacessíveis ao entrevistador, tendo em vista que exigem um acesso mais cuidadoso. Desdobramentos para o Entrevistado

×