O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Claro enigma

341 visualizações

Publicada em

Claro Enigma de Carlos Drummond de Andrade.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Claro enigma

  1. 1. Carlos Drummond de Andrade Claro Enigma, 1951, 3.ª fase da poesia modernista no Brasil, 41 poemas rafabebum.blogspot.com
  2. 2. rafabebum.blogspot.com
  3. 3. Oposição ao anterior  Les événements m’énnuient  Temas filosóficos  Formas tradicionais; soneto rafabebum.blogspot.com 6 partes:
  4. 4. rafabebum.blogspot.com I – Entre Lobo e Cão Sá de Miranda Na meta do meio-dia andais entre Lobo e Cão
  5. 5.  noite = negativa  amanhecer = positivo  rosa = esperança rafabebum.blogspot.com X Escurece, e não me seduz tatear sequer uma lâmpada. Pois que aprouve ao dia findar, aceito a noite. “Dissolução” (...) Esta rosa é definitiva, ainda que pobre.
  6. 6. rafabebum.blogspot.com Tão delicados (mais que um arbusto) e correm e correm de um para o outro lado, sempre esquecidos de alguma coisa. Certamente falta-lhes não sei que atributo essencial (...) (“Um Boi Vê os Homens”)
  7. 7. rafabebum.blogspot.com II – Notícias Amorosas Que pode uma criatura senão entre criaturas, amar? Amar e esquecer? Amar e malamar Amar, desamar e amar Sempre, e até de olhos vidrados, amar? (...) Este é o nosso destino: amor sem conta, distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas, doação ilimitada a uma completa ingratidão, e na concha vazia do amor a procura medrosa, paciente, de mais e mais amor. (“Amar”)
  8. 8. rafabebum.blogspot.com III – Um Menino e os Homens
  9. 9. rafabebum.blogspot.com Carlos Drummond de Andrade, Vinícius de Moraes, Manuel Bandeira, Mario Quintana e Paulo Mendes Campos
  10. 10. rafabebum.blogspot.com o redondo, claro, apolíneo riso de quem conhece a morte. O riso, agora "nosso", sugere no final a expectativa diante do mistério: Se de nosso nada possuímos salvo o apaixonado transporte — vida é paixão —, contigo rimos, expectantes, em frente à Porta! (“Aniversário”)
  11. 11. rafabebum.blogspot.com
  12. 12. rafabebum.blogspot.com
  13. 13. rafabebum.blogspot.com IV – Selo de Minas
  14. 14. rafabebum.blogspot.com
  15. 15. rafabebum.blogspot.com De nossa mente lavamos o ouro como de nossa alma um dia os erros se lavarão na pia da penitência. E filhos netos bisnetos tataranetos despojados dos bens mais sólidos e rutilantes portanto os [mais completos irão tomando a pouco e pouco desapego de toda fortuna e concentrando seu fervor numa riqueza só, abstrata e una. (“Os Bens e o Sangue”)
  16. 16. 9 temas de Drummond  O indivíduo “retorcido”  Terra natal  Família  “Amigos”  Choque social  Amor “amaro”  Metalinguagem  Exercícios lúdicos  Reflexões metafísicas rafabebum.blogspot.com
  17. 17. rafabebum.blogspot.com Às duas horas da tarde deste nove de agosto de 1847 nesta fazenda do Tanque e em dez outras casas de rei, q não de valete, em Itabira Ferros Guanhães Cocais Joanesia Capão diante do estrume em q se movem nossos escravos, e da viração perfumada dos cafezais q trança na palma dos coqueiros (...) (“Os Bens e o Sangue”)
  18. 18. rafabebum.blogspot.com
  19. 19. rafabebum.blogspot.com
  20. 20. rafabebum.blogspot.com Parede do quarto de Drummond V - Os Lábios Cerrados
  21. 21. rafabebum.blogspot.com (...) ali ao canto da mesa, não por humilde, talvez por ser o rei dos vaidosos e se pelar por incômodas posições de tipo gauche, ali me vês tu. Que tal? Fica tranquilo: trabalho. Afinal, a boa vida ficou apenas: a vida (e nem era assim tão boa e nem se fez muito má). Pois ele sou eu. Repara: tenho todos os defeitos que não farejei em ti (...) (“A Mesa”)
  22. 22. rafabebum.blogspot.com
  23. 23. rafabebum.blogspot.com VI - A Máquina do Mundo
  24. 24. rafabebum.blogspot.com E como eu palmilhasse vagamente uma estrada de Minas, pedregosa, (...) a máquina do mundo se entreabriu para quem de a romper já se esquivava e só de o ter pensado se carpia. e a memória dos deuses, e o solene sentimento de morte, que floresce no caule da existência mais gloriosa, tudo se apresentou nesse relance e me chamou para seu reino augusto, afinal submetido à vista humana. (“A Máquina do Mundo”)
  25. 25. rafabebum.blogspot.com baixei os olhos, incurioso, lasso, desdenhando colher a coisa oferta que se abria gratuita a meu engenho. (“A Máquina do Mundo”)
  26. 26. rafabebum.blogspot.com

×