O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Carlos Drummond de Andrade
Claro Enigma, 1951,
3.ª fase da poesia
modernista no Brasil,
41 poemas
rafabebum.blogspot.com
rafabebum.blogspot.com
Oposição ao anterior
 Les événements
m’énnuient
 Temas filosóficos
 Formas tradicionais;
soneto
rafabebum.blogspot.com
...
rafabebum.blogspot.com
I – Entre Lobo e Cão
Sá de Miranda
Na meta do meio-dia
andais entre Lobo e Cão
 noite = negativa
 amanhecer =
positivo
 rosa = esperança
rafabebum.blogspot.com
X
Escurece, e não me seduz
tatear sequ...
rafabebum.blogspot.com
Tão delicados (mais que um arbusto) e correm
e correm de um para o outro lado, sempre esquecidos
de...
rafabebum.blogspot.com
II – Notícias Amorosas
Que pode uma criatura senão entre
criaturas, amar?
Amar e esquecer?
Amar e m...
rafabebum.blogspot.com
III – Um Menino e os Homens
rafabebum.blogspot.com
Carlos Drummond de Andrade, Vinícius de
Moraes, Manuel Bandeira, Mario Quintana e
Paulo Mendes Camp...
rafabebum.blogspot.com
o redondo, claro, apolíneo
riso de quem conhece a morte.
O riso, agora "nosso", sugere no final a
e...
rafabebum.blogspot.com
rafabebum.blogspot.com
rafabebum.blogspot.com
IV – Selo de Minas
rafabebum.blogspot.com
rafabebum.blogspot.com
De nossa mente lavamos o ouro como de nossa alma um dia os erros
se lavarão na pia da penitência. E...
9 temas de Drummond
 O indivíduo “retorcido”
 Terra natal
 Família
 “Amigos”
 Choque social
 Amor “amaro”
 Metaling...
rafabebum.blogspot.com
Às duas horas da tarde deste nove de agosto de 1847
nesta fazenda do Tanque e em dez outras casas d...
rafabebum.blogspot.com
rafabebum.blogspot.com
rafabebum.blogspot.com
Parede do quarto de Drummond
V - Os Lábios Cerrados
rafabebum.blogspot.com
(...) ali ao canto da mesa,
não por humilde, talvez
por ser o rei dos vaidosos
e se pelar por incôm...
rafabebum.blogspot.com
rafabebum.blogspot.com
VI - A Máquina do Mundo
rafabebum.blogspot.com
E como eu palmilhasse vagamente
uma estrada de Minas, pedregosa,
(...)
a máquina do mundo se entrea...
rafabebum.blogspot.com
baixei os olhos, incurioso, lasso,
desdenhando colher a coisa oferta
que se abria gratuita a meu en...
rafabebum.blogspot.com
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Claro enigma

219 visualizações

Publicada em

Claro Enigma de Carlos Drummond de Andrade.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Claro enigma

  1. 1. Carlos Drummond de Andrade Claro Enigma, 1951, 3.ª fase da poesia modernista no Brasil, 41 poemas rafabebum.blogspot.com
  2. 2. rafabebum.blogspot.com
  3. 3. Oposição ao anterior  Les événements m’énnuient  Temas filosóficos  Formas tradicionais; soneto rafabebum.blogspot.com 6 partes:
  4. 4. rafabebum.blogspot.com I – Entre Lobo e Cão Sá de Miranda Na meta do meio-dia andais entre Lobo e Cão
  5. 5.  noite = negativa  amanhecer = positivo  rosa = esperança rafabebum.blogspot.com X Escurece, e não me seduz tatear sequer uma lâmpada. Pois que aprouve ao dia findar, aceito a noite. “Dissolução” (...) Esta rosa é definitiva, ainda que pobre.
  6. 6. rafabebum.blogspot.com Tão delicados (mais que um arbusto) e correm e correm de um para o outro lado, sempre esquecidos de alguma coisa. Certamente falta-lhes não sei que atributo essencial (...) (“Um Boi Vê os Homens”)
  7. 7. rafabebum.blogspot.com II – Notícias Amorosas Que pode uma criatura senão entre criaturas, amar? Amar e esquecer? Amar e malamar Amar, desamar e amar Sempre, e até de olhos vidrados, amar? (...) Este é o nosso destino: amor sem conta, distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas, doação ilimitada a uma completa ingratidão, e na concha vazia do amor a procura medrosa, paciente, de mais e mais amor. (“Amar”)
  8. 8. rafabebum.blogspot.com III – Um Menino e os Homens
  9. 9. rafabebum.blogspot.com Carlos Drummond de Andrade, Vinícius de Moraes, Manuel Bandeira, Mario Quintana e Paulo Mendes Campos
  10. 10. rafabebum.blogspot.com o redondo, claro, apolíneo riso de quem conhece a morte. O riso, agora "nosso", sugere no final a expectativa diante do mistério: Se de nosso nada possuímos salvo o apaixonado transporte — vida é paixão —, contigo rimos, expectantes, em frente à Porta! (“Aniversário”)
  11. 11. rafabebum.blogspot.com
  12. 12. rafabebum.blogspot.com
  13. 13. rafabebum.blogspot.com IV – Selo de Minas
  14. 14. rafabebum.blogspot.com
  15. 15. rafabebum.blogspot.com De nossa mente lavamos o ouro como de nossa alma um dia os erros se lavarão na pia da penitência. E filhos netos bisnetos tataranetos despojados dos bens mais sólidos e rutilantes portanto os [mais completos irão tomando a pouco e pouco desapego de toda fortuna e concentrando seu fervor numa riqueza só, abstrata e una. (“Os Bens e o Sangue”)
  16. 16. 9 temas de Drummond  O indivíduo “retorcido”  Terra natal  Família  “Amigos”  Choque social  Amor “amaro”  Metalinguagem  Exercícios lúdicos  Reflexões metafísicas rafabebum.blogspot.com
  17. 17. rafabebum.blogspot.com Às duas horas da tarde deste nove de agosto de 1847 nesta fazenda do Tanque e em dez outras casas de rei, q não de valete, em Itabira Ferros Guanhães Cocais Joanesia Capão diante do estrume em q se movem nossos escravos, e da viração perfumada dos cafezais q trança na palma dos coqueiros (...) (“Os Bens e o Sangue”)
  18. 18. rafabebum.blogspot.com
  19. 19. rafabebum.blogspot.com
  20. 20. rafabebum.blogspot.com Parede do quarto de Drummond V - Os Lábios Cerrados
  21. 21. rafabebum.blogspot.com (...) ali ao canto da mesa, não por humilde, talvez por ser o rei dos vaidosos e se pelar por incômodas posições de tipo gauche, ali me vês tu. Que tal? Fica tranquilo: trabalho. Afinal, a boa vida ficou apenas: a vida (e nem era assim tão boa e nem se fez muito má). Pois ele sou eu. Repara: tenho todos os defeitos que não farejei em ti (...) (“A Mesa”)
  22. 22. rafabebum.blogspot.com
  23. 23. rafabebum.blogspot.com VI - A Máquina do Mundo
  24. 24. rafabebum.blogspot.com E como eu palmilhasse vagamente uma estrada de Minas, pedregosa, (...) a máquina do mundo se entreabriu para quem de a romper já se esquivava e só de o ter pensado se carpia. e a memória dos deuses, e o solene sentimento de morte, que floresce no caule da existência mais gloriosa, tudo se apresentou nesse relance e me chamou para seu reino augusto, afinal submetido à vista humana. (“A Máquina do Mundo”)
  25. 25. rafabebum.blogspot.com baixei os olhos, incurioso, lasso, desdenhando colher a coisa oferta que se abria gratuita a meu engenho. (“A Máquina do Mundo”)
  26. 26. rafabebum.blogspot.com

×