Baço e pancreas do jesus

6.983 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Baço e pancreas do jesus

  1. 1. BAÇO E PÂNCREAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA DIAGNÓSTICO POR IMAGEM PROF. CARLOS JESUS
  2. 2. BAÇOREALCE HETEROGÊNEO
  3. 3. BAÇO
  4. 4. BAÇOREALCE HETEROGÊNEO
  5. 5. BAÇOLOBULAÇÃO
  6. 6. BAÇOFENDAS RESIDUAIS
  7. 7. Esplenomegalia
  8. 8. Esplenomegalia• É a mais frequente das manifestações de comprometimento esplênico• Tamanho varia com idade, constituição corporal, estado de hidratação e nutrição• Normalmente diminui de tamanho com a idade
  9. 9. Esplenomegalia
  10. 10. BAÇOLACERAÇÃO
  11. 11. BAÇOHEMATOMA INTRAPAREQNUIMATOSO
  12. 12. BAÇOHEMATOMA SUBCAPSULAR
  13. 13. BAÇOECTÓPICO
  14. 14. BAÇOACESSÓRIO
  15. 15. Asplenia Congênita (Sind. Ivemark)• Associação: mal formações tórax/abdome (pp/ cardiovasculares e T.G.I.)• 1:40.000 nasc./+ masculino.• Etiologia desc./ 80% óbito <1 ano.
  16. 16. Poliesplenia Congênita (Isomerismo Esquerdo)• Combinação anomalias congênitas.• Múltiplos nódulos esplênicos aberrantes (2-16)• Diag.Diferencial: Esplenose (pós trauma).
  17. 17. BAÇOPOLIESPLENIA
  18. 18. Cistos Esplênicos• Hidático (Echinococos ): – 70 % cistos infecciosos. – Calcificação periférica.• Epitelial Congênito ( Epidermóides): – Verdadeiros, solitários e com septos• Pseudocistos pós traumáticos (80%): – Únicos , calcificam >50%. – Estágio final hematoma.
  19. 19. CISTOS ESPLÊNICOS
  20. 20. Cistos – diagnóstico diferencial• Abscesso• Hematoma agudo• Pseudocisto pancreático• Neoplasias císticas (Hemangioma/linfangioma)• Metástases císticas
  21. 21. Tumores Malignos• Linfoma (+ freq.) – Primário:raro / secundário: 1/3 pctes – Associado c/ linfadenopatia(>70%-LNH)
  22. 22. Linfoma• Formas: – Aumento homogêneo (infilt.difusa) – Nodúlos miliares – Lesões multifocais – Massa única solitária – Massas grandes c/ necrose central (císticas irregulares) – Calcificações (agressiva ou pós tto)
  23. 23. BAÇOLINFOMA
  24. 24. BAÇOLINFOMA
  25. 25. BAÇOLINFOMA
  26. 26. BAÇOLINFOMA
  27. 27. Outros tumores malignos• Fibrosarcoma• Leiomiosarcoma• Teratoma maligno• Histiocitoma fibroso maligno• Angiosarcoma (Hemangioendotelioma): – Vascular, 1/3 rotura, Thorotrast
  28. 28. BAÇOANGIOSSARCOMA
  29. 29. Tumores benignos• Hemangiomas (+freq./= à TC)• Linfangiomas(massa multicistica s/realce)• Hamartomas ( Hiperplasia Nodular )• Lipomas/Fibromas• Pseudotumores inflamatórios (granuloma + fibrose / necrose)
  30. 30. BAÇOHEMANGIOMA
  31. 31. BAÇOLIPOMA
  32. 32. Metástases Esplênicas• Incomum, disseminado(+3 órgãos)• Sítio primário: mama ou pulmão. – (calcificação : Adenoca mucinoso ovário)• TC/RM :nódulos múltiplos, hipodensos...
  33. 33. BAÇOMETÁSTASE
  34. 34. BAÇOMETÁSTASE
  35. 35. Infecção esplênica• Disseminação hematogênica (TX,QT,HIV)• Agentes: – S.Aureos, Streptococos (20-30%) – Salmonela, E. Coli (15-27%) – Cândida, P. Carini, Micobacteriose• Aspecto:Único (Bact.) ou múltiplos (fúngicas- miliar)
  36. 36. Infecção esplênica
  37. 37. BAÇOABSCESSO
  38. 38. BAÇOP. CARINI
  39. 39. BAÇOSARCOIDOSE
  40. 40. Infarto esplênico• Etiologia: – Dça embólica ( cardíaca/ aterosclerótica) – Arterite, dça mieloproliferativa – Pancreatite/ massa pancr., hipert.portal – Anemia Falciforme
  41. 41. INFARTO ESPLÊNICO
  42. 42. INFARTO ESPLÊNICO
  43. 43. BAÇOANEMIA FALCIFORME
  44. 44. BAÇOPSEUDOCISTO PANCREÁTICO
  45. 45. Pâncreas
  46. 46. Aspectos Ultrassonográficos• Achados ultrassonográficos variados• 20-30% pâncreas ecograficamente normal• Aumento glandular difuso• Redução da ecogenicidade difusa ou focal do parênquima pancreático• Ducto de Wirsung dilatado (impactação de cálculo/papilite)• Complicações associadas
  47. 47. Pancreatite agudaPâncreas normal •Discreto aumento de dimensão •Hipoecóico •Lobulado
  48. 48. Aspectos TomográficosAlterações Pancreáticas Alterações peripancreáticas• Aumento focal ou difuso do pâncreas • Estrias densas no tecido• Diminuição da adiposo e obliteração densidade devido a dos planos de gordura edema • Espessamento dos• Margens da glândula planos fasciais indistintas devido à retroperitoneais inflamação
  49. 49. Complicações• Coleções líquidas: • Abscessos: – Coleções homogêneas e não – Acúmulo localizado de pus encapsuladas de líquido no leito – Geralmente formam-se 4 semanas pancreático, retroperitôneo e após início da pancreatite frequentemente espalhadas por todo o abdomen• Pseudocistos: • Hemorragias: – Coleções líquidas redondas ou ovais bem definidas, com cápsula fibrosa – Devem-se à erosão de vasos claramente identificável sanguineos ou alças intestinais• Necrose: – Liquefação de partes da glândula • Trombose da veia esplênica ou outros• Ascite pancreática vasos peripancreáticos
  50. 50. Trombose da veia esplênica
  51. 51. Aspectos Ultrassonográficos• Aumento da ecogenicidade em mais de 50% das vezes• Redução das dimensões globais (aumento focal por pancreatite aguda)• Calcificações pancreáticas• Ducto pancreático principal dilatado em até 60% dos casos• Massa focal na cabeça do pâncreas: até 7% – Relacionadas à progressiva formações de cicatrizes com superposição de processos inflamatórios e crônico – Dificuldade em diferenciar de adenocarcinoma (biópsia)
  52. 52. Neoplasias• Exócrinas – Adenocarcinoma ductal – Cistadenoma Seroso• Endócrinas – Insulinoma – Gastrinoma – Glucagonoma – Vipoma• Metástases
  53. 53. Adenocarcinoma Ductal• Representa cerca de 90% de todas neoplasias pancreáticas• É a nona neoplasia maligna mais comum• 75% > 60 anos• 10-15% dos pacientes tem possibilidade cirúrgica, destes somente 3% sobrevivem por 5 anos• 65% ocorrem na cabeça, 35% no corpo e na cauda
  54. 54. LOCALIZAÇÃO http://www.radiologyassistant.nl/en/43848b63def9d
  55. 55. IRRESECABILIDADE http://www.radiologyassistant.nl/en/43848b63def9d
  56. 56. RESECABILIDADE< 180 COM OS VASOS http://www.radiologyassistant.nl/en/43848b63def9d
  57. 57. IRRESSECABILIDADE http://www.radiologyassistant.nl/en/43848b63def9d
  58. 58. IRRESSECABILIDADE http://www.radiologyassistant.nl/en/43848b63def9d
  59. 59. IRRESSECABILIDADE http://www.radiologyassistant.nl/en/43848b63def9d
  60. 60. IRRESECABILIDADE http://www.radiologyassistant.nl/en/43848b63def9d
  61. 61. Achados ultrassonográficos Sinais Diretos Sinais Indiretos• Massa sólida hipoecóica, • Dilatação do ducto homogênea ou heterogênea localizada no pâncreas pancreático: – Pancreatite ducto dilatado em toda• Massa restrita ao pâncreas ou extensão compressão de estruturas – Neoplasia ducto dilata a montante vizinhas• Se neoplasia difusamente • Dilatação das vias biliares: distribuida pode ser confundida com pancreatite • Desproporção das dimensões
  62. 62. Achados tomográficos• Área focal mal delimitada, heterogeneamente hipoatenuante e que se realça menos que o parênquima pancreático normal adjacente• Aumento focal do pâncreas com perda da lobulação superficial• Dilatação do ducto pancreático e/ou ducto biliar comum• Atrofia e pancreatite proximalmente ao tumor
  63. 63. Cirúrgico X Não cirúrgico Cirúrgico Não Cirúrgico• Massa pancreática isolada, • Extensão do tumor além do com ou sem dilatação dos pâncreas ductos biliar e pancreático • Invasão de órgãos adjacentes• Dilatação combinada dos • Linfonodos regionais ductos biliar e pancreático aumentados (> 1,5 cm) sem uma massa pancreatica • Envolvimento do tronco identificável celíaco. MAS, VP, VMS, VE: – Espessamento das paredes dos vasos – Ausência de intensificação dos vasos – Metástase para fígado – Ascite (carcinomatose peritoneal)
  64. 64. Adenocarcinoma Ductal
  65. 65. CIRURGIA - DPT
  66. 66. CIRURGIA- PANCREATECTOMIA DISTAL
  67. 67. Metástase• Sítios mais frequentes: – Mama – Pulmão – Pele – Rins• Não se manifestam até comprometer ducto pancreático• Achados radiológicos depende do tumor primário• Na maioria das vezes, são indistinguíveis dos adenocarcinomas ductais
  68. 68. Calcificações Calcificações podem ocorrer :– Na parede de abcessos e cavitações antigas– Doenças granulomatosas (histoplasmose principal causa de calcificação)– Na AIDS pode ocorrer múltiplas calcificações pequenas– Associada com evento pós-traumático, sendo visto na parede de um hematoma antigo– Condições que predispões ao deposito de cálcio nos tecidos, como insuficiência renal.
  69. 69. Abscessos• Bacterianos são raros • TC demonstra áreas de baixa densidade individual ou• Ocorre com maior múltiplas, com paredes mal frequencia em pacientes definidas, que podem estar imunocomprometidos, espessadas e se intensificam pelo integrando um quadro de contraste (atenuação interna é de 20-40UH) infecção disseminada• Sinais e sintomas clássicos • US apresenta-se inicialmente são febre, calafrios, dor no hipoecogênica e mal definida e HCE e esplenomegalia com evolução do processo, adquire contornos definidos com cápsula hiperecogênica. Pode conter debris e septações, bem como gás de permeio
  70. 70. Abscessos
  71. 71. Cistoshttp://www.radiologyassistant.nl/en/4ec7bb77267de
  72. 72. Cistos Verdadeiros Falsos• Congênitos • Origem pós-traumática• Camada de endotélio no • Constituem 80% dos cistos seu interior esplênicos.• 10% dos cistos não • Calcificação nas paredes de parasitários 30-40%• 2-4 década de vida• Sexo feminino Equinocócicos• Calcificações na parede em • Aparecem como grande 5% cisto mãe, contendo cistos filhos internos
  73. 73. Cistoshttp://www.radiologyassistant.nl/en/4ec7bb77267de
  74. 74. CistosPSEUDOCISTO NEOPLASIA CÍSTICA
  75. 75. Cistos - Neoplasias
  76. 76. Hemangioma• Tumor esplênico benigno mais comum• Bem delimitado• Hiperecóico ao US• Na TC demonstra similaridade com os hemangioma hepático, demonstrando com baixa densidade com hipervascularização periférica, porém, menos frequentemente mostram realce centrípeto
  77. 77. Metástases• É raro o encontro de metástase restrita ao baço• Neoplasia de pulmão/mama/melanoma• Apresentação mais frequente é de lesão hipoecogênica
  78. 78. Infartos• É frequentemente observada após processos oclusivos da artéria esplênica• Pacientes podem se apresentar com dor em QSE, febre, esplenomegalia, elevação da cúpula esquerda e derrame pleural• US, TC e RM demonstram aspectos variados de acordo com o tempo de evolução do infarto• US pode não mostrar a delimitação da zona isquêmica nas primeiras 24 horas, sendo a TC o método que faz o diagnóstico em diferentes fases evolutivas• Defeito cortical focal de enchimento na TC• Redondo, de forma irregular e distribuição aleatória
  79. 79. Infartos
  80. 80. Trauma• Mecanismo: – Contusão – Trauma penetrante• Laceração esplenica é de difícil caracterização no US, particularmente no trauma agudo• Sangue e coágulo com alta densidade no abdomên

×