SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Ricardo Luiz de Souza



   Caipirinha, ou
   seja, cachaça,
   limão e açúcar:
   Breve história de um relacionamento




                            C
                                     achaça, limão e açúcar. Quando conta-
                                     mos a história da caipirinha, referimo-
                                     nos à história do relacionamento entre
                            os três produtos, um relacionamento que é bem-
                            sucedido, duradouro e que tem uma legião de
                            admiradores. E, para fazermos essa narração,
                            vamos voltar no tempo e contar, sucintamente, a
                            história da cachaça e do açúcar.
                                   De onde eles vieram? A cana surgiu no
                            Pacífico Sul, seguindo, então, um roteiro que a
                            levaria até à Índia, onde, pela primeira vez, cinco
                            séculos antes de Cristo, o açúcar dela seria ex-
                            traído. Da Índia, migrou para o Oriente Médio,
                            região na qual foram criadas as primeiras rotas
                            ligadas ao produto. Dali, a cana chegou ao Me-
                            diterrâneo, sendo cultivada, mais de mil anos


Sabores do Brasil                                                                 139
A cachaça, por sua                           mentar o líquido, na medida em que, ao subir,
                                                           se condensava no teto e pingava. E a pinga doía
              vez, foi concebida,                          quando caía nos escravos, o que teria gerado ou-
                                                           tro vocábulo: aguardente. Hipótese controversa,
             ainda nas primeiras
                                                           porém, pois a bebida proveniente da destilação
           décadas da colonização,                         já era chamada pelos alquimistas europeus, no
                                                           século XII, de aqua ardens.
            na Capitania de São
                                                                  Ainda no período colonial, surgiu uma di-
            Vicente, onde hoje é o                         ferenciação entre a bebida importada e a nacio-
                                                           nal. Denominava-se bagaceira a bebida destilada
             estado de São Paulo.
                                                           importada de Portugal, enquanto se conhecia por
               No final do século                          cachaça a proveniente do Rio de Janeiro e de Mi-
                                                           nas Gerais. O cachaceiro, que posteriormente seria
              XVI, registrava-se                           a denominação dada ao alcoólatra, significava, na
              a existência de oito                         época, apenas o comerciante da bebida. O termo
                                                           cachaça, aliás, é especificamente brasileiro. Um
             engenhos dedicados à                          profundo conhecedor do assunto, como Câmara
                 sua produção.                             Cascudo, não apenas asseverou a inexistência do
                                                           vocábulo no Brasil, mas também afirmou nunca
      depois, nas Ilhas Canárias, situadas no Atlânti-     ter ouvido tal palavra em Portugal. Em espanhol,
      co. Dessas ilhas, foi transportada para o Brasil,    por sua vez, cachaça é uma espécie de vinho de
      transformando o Nordeste em seu reino e trans-       borras.
      formando-se, já a partir do século XVI, no princi-          A bebida caiu rapidamente no gosto popu-
      pal produto colonial de exportação.                  lar e espalhou-se pelo Brasil à medida que o País
             A cachaça, por sua vez, foi concebida,        ia sendo povoado. Em Minas Gerais, terra de ouro,
      ainda nas primeiras décadas da colonização, na       de diamante, e de frio, a cachaça encontrou terreno
      Capitania de São Vicente, onde hoje é o estado       fértil para produção e consumo. Os inconfiden-
      de São Paulo. No final do século XVI, registra-      tes chegaram a elegê-la uma espécie de bebida
      va-se a existência de oito engenhos dedicados à      nacional, símbolo dos brasileiros, a ser consumi-
      sua produção. Inicialmente, a bebida não possuía     da de preferência ao vinho produzido pelos por-
      grande valor comercial e era feita pelos escravos    tugueses, considerado a bebida dos opressores.
      às escondidas, pois seus senhores não gostavam       Domingos Xavier, por exemplo, um dos líderes
      de vê-los consumindo-a. Foi assim até que ela        da Revolta, era dono de um alambique e saciava
      caiu, de vez, no gosto popular – inclusive dos se-   os participantes das reuniões com a cachaça por
      nhores – e virou, enfim, produto de exportação,      ele mesmo produzida. E, adiantando um pouco
      entrando nas rotas comerciais que envolviam o        mais no tempo, é bom lembrar que os revolu-
      tráfico negreiro, uma vez que encontrava enorme      cionários de 1817, em Pernambuco, almejaram,
      aceitação na África.                                 também, a transformação da cachaça em símbolo
             O termo “pinga” surgiu do vapor pro-          nacional, em resposta a mais uma tentativa de
      duzido pelo lento processo necessário para fer-      proibição por parte dos renitentes portugueses.

140                                                                                       Textos do Brasil . Nº 13
Caipirinha.
                    Fonte: Rio Convention & Visitors Bureau (Embratur)


Sabores do Brasil                                                     141
A cachaça                              colonial. Em Minas Gerais, por exemplo, a gran-
                                                      de produção de aguardente, no século XVIII, de-
             era produzida,                           veu-se ao mercado consumidor constituído pe-
                                                      las comunidades auríferas, mas teve como fator
          normalmente, em
                                                      determinante, igualmente, a posição peculiar dos
       pequenos engenhos – as                         engenhos mineiros: sem acesso ao mercado ex-
                                                      terno, especializaram sua produção no comércio
        chamadas engenhocas
                                                      local e em pequena escala.
       –, e seu consumo estava                               Depois da Independência, manteve-se um
                                                      ciclo produtivo ininterrupto, logrando Minas
         predominantemente
                                                      manter-se, ainda hoje, como centro produtor por
       vinculado às camadas                           excelência. Assim, a existência de engenhocas no
                                                      interior mineiro é atestada ao longo do século XIX
            mais baixas da                            por diversos viajantes que percorreram a região
         população colonial.                          no período. Richard Burton aludiu à presença de
                                                      uma delas em Jaboticatubas, e o Conde de Cas-
        Nesse ritmo, a bebida chegou a batizar o      telnau, à de outra próxima a Juiz de Fora. Saint-
  porto de Parati, que virou sinônimo de pinga. Ou    Hilaire, por sua vez, definiu a cachaça como “a
  foi Parati que batizou a cachaça? A ordem dos fa-   aguardente do País”.
  tores não é de grande importância, mas o fato é            Portanto, como o fumo, a cachaça tornou-se
  que alambiques construídos pelos portugueses        moeda de troca no tráfico de escravos, inserindo
  surgiram em volta do porto ali construído. O        o produto em um circuito econômico que ultra-
  Caminho Novo, ligação entre Minas e o mar, fa-      passou o âmbito doméstico e colocando muitos
  cilitou a subida da cachaça para as montanhas,      proprietários de engenhocas voltadas para a pro-
  as quais já eram providas, contudo, de diversos     dução de aguardente em contato com o comércio
  alambiques e engenhocas que proliferavam, em-       externo.
  bora como símbolo de cachaças mais sofisticadas.           Criou-se, contudo, uma dicotomia com os
  A produção logo espalhou-se pela província do       grandes engenhos, dedicando-se prioritariamen-
  Rio de Janeiro, chegando até Campos dos Goi-        te ao açúcar e tendo em vista o mercado externo,
  tacases, tradicional produtor açucareiro. E tão     e as engenhocas – na maioria das vezes clandes-
  importante era a bebida, que a região terminou      tinas e sem a aparelhagem necessária à produção
  por protagonizar, em 1660, a Revolta da Cacha-      de açúcar e muito menos o capital para adquiri-
  ça, quando os insurretos tomaram e governaram       lo, dedicando-se, de modo exclusivo, à produção
  a cidade do Rio de Janeiro durante cinco meses,     de rapadura e cachaça, produtos destinados, ma-
  contra as proibições de fabricação e venda de       joritariamente, ao mercado interno.
  aguardente.                                                Convém ressaltar que nem só de cachaça e
         A cachaça era produzida, normalmente,        vinho compunham-se os hábitos etílicos no pe-
  em pequenos engenhos – as chamadas engenho-         ríodo colonial. Popularizou-se, por exemplo, o
  cas –, e seu consumo estava predominantemente       aluá, nome africano dado à bebida fermentada de
  vinculado às camadas mais baixas da população       milho, de origem indígena. E mesmo o consumo

142                                                                                 Textos do Brasil . Nº 13
da cachaça ganhou variantes, como o cachimbo,               Quanto à caipirinha,
   ou meladinha, cachaça com mel de abelhas.
          O consumo de bebidas alcóolicas era com-              ela surgiu quando os
   preendido, também, do ponto de vista de remé-
                                                               escravos, esses grandes
   dio a ser utilizados em diferentes ocasiões. Po-
   deria servir tanto como fortificante, tomado pela             experimentadores e
   manhã ou em situações que exigiam grande es-
                                                               criadores da culinária
   forço físico -, quanto como proteção ao organis-
   mo, em situações específicas.                               brasileira, resolveram
          Economicamente, a cachaça era considera-
                                                                misturar à cachaça
   da um produto menos nobre que o açúcar, pois
   destinava-se, predominantemente, ao consumo                   sucos de frutas que,
   local e, quando exportada, seu destino era a Áfri-
   ca, não alcançando o cobiçado mercado europeu.
                                                                 como o limão, eram
   Embora pouco nobre, resistiu no mercado e tor-                 tradicionalmente
   nou-se cada vez mais popular.
          Quanto à relação entre a cachaça e o vinho,
                                                                 ignorados pela elite
   criou-se, no período colonial, outra dicotomia                      branca.
   que ainda hoje se mantém nos hábitos etílicos
   do brasileiro. O vinho esteve presente em festas            A bebida passou a ser vista, com o tempo,
   e tradições, como o coreto, reuniões festivas nas    como fortificante e, mais do que isso, como ali-
   quais as saudações, acompanhadas pela bebida,        mento imprescindível para os escravos, o que foi
   eram cantadas. Permaneceu, assim, uma bebida         reconhecido inclusive em relatórios escritos por
   tradicionalmente associada a ocasiões solenes e      funcionários da Coroa. Aliás, a cachaça e suas
   à elite, ao contrário da cachaça; vinho de missa     variantes, como a pinga com limão e mel, foram
   tornou-se, nesse sentido, expressão proverbial.      vistas, desde cedo, como santo remédio para gri-
          A partir de então, a cachaça passou a ser     pes e resfriados, seguindo costume arraigado no
   uma concorrente incômoda para os vinhos por-         imaginário e na farmacopéia popular que, desde
   tugueses, o que levou a Coroa a proibir sua fa-      o início, atribui à bebida – consumida, é claro, em
   bricação. A primeira medida proibitiva data de       doses adequadas – funções terapêuticas.
   1639, indício claro do sucesso já obtido pela be-           Quanto à caipirinha, ela surgiu quando os
   bida. Todavia, nunca se conseguiu alcançar, nem      escravos, esses grandes experimentadores e cria-
   de longe, tal objetivo. Percebendo que a proibi-     dores da culinária brasileira, resolveram mistu-
   ção jamais seria bem-sucedida, a Coroa preferiu      rar à cachaça sucos de frutas que, como o limão,
   render-se ao inimigo e explorá-lo a partir de di-    eram tradicionalmente ignorados pela elite bran-
   versos impostos, como a taxa instituída para au-     ca. A bebida teve como antecedente a batida-de-
   xiliar na reconstrução de Lisboa, destruída por      limão, de origem também escrava, e tornou-se
   um terremoto em 1765, e o subsídio literário, ins-   completa quando a ela foram adicionados açúcar
   tituído, em Minas, para financiar o pagamento        e casca de limão. A origem do termo “caipirinha”
   de professores régios.                               permanece, todavia, obscura, uma vez que não

Sabores do Brasil                                                                                         143
Pingas curtidas. Foto: Christian Knepper (Embratur)
144                       Textos do Brasil . Nº 13
há nenhuma ligação histórica entre seu consumo                 Nascida das mãos e
   e a figura do caipira, habitante do interior bra-
   sileiro, tradicionalmente associado às regiões de              da criatividade dos
   Minas e São Paulo.
                                                                escravos, a caipirinha
          Tampouco se sabe como surgiu o hábito
   de fazer batidas com cachaça, sendo a caipirinha             adquiriu, com o tempo,
   apenas uma entre tantas, ainda que a mais famo-
                                                                status internacional.
   sa e, certamente, a mais caracteristicamente bra-
   sileira. O coco, o caju e o maracujá também são             A caipirinha, porém, permanece como uma
   utilizados, além de outras variantes como o leite-    bebida de fabricação essencialmente doméstica,
   de-onça, feito à base de cachaça e creme de ca-       embora já tenha sido consolidado um mercado
   cau. Todas essas bebidas possuem antecedentes,        de caipirinhas industrializadas. Mas manda a
   como a jinjibirra, feita à base de garapa e frutas,   tradição, ainda, que cada um fabrique a sua, para
   apelidada de “cerveja dos pobres” e encontrada        consumo próprio ou para os amigos, ou que, em
   no Nordeste até início do século XIX. Em Minas        bares e restaurantes, o barman prepare a dose de
   Gerais, da mesma forma, tornou-se comum o             cada cliente. A bebida é, ademais, associada a
   consumo de um ponche feito com cachaça, laran-        ocasiões festivas, especiais, não sendo ligada ao
   ja azeda e açúcar.                                    consumo cotidiano, como é o caso da cachaça.
          O que é, afinal, a caipirinha? Segundo a de-   Preparar a caipirinha é, assim, um ritual festivo,
   finição presente no Decreto n° 4.800, de 2003, é      embora não acessível a todos: cumpre saber pre-
   uma “bebida típica brasileira, com graduação al-      pará-la, e é sempre alguém tido como expert no
   coólica de quinze a trinta e seis por cento em vo-    assunto que é incumbido da tarefa. Tradicional-
   lume, a vinte graus Celsius, batida exclusivamen-     mente, a bebida é vista como mais fraca e mais
   te com cachaça, acrescida de limão e açúcar”.         aceitável socialmente, o que gera uma situação
          Nascida das mãos e da criatividade dos es-     curiosa: o apreciador de caipirinha nem sempre
   cravos, a caipirinha adquiriu, com o tempo, sta-      é um apreciador de cachaça, considerada muito
   tus internacional. Nos dias de hoje, ela já foi in-   forte. Caipirinhas e batidas, de forma geral, são,
   cluída pela Associação Internacional de Barmen        então, variantes mais festivas da cachaça; assim
   entre os sete clássicos da coquetelaria mundial,      são vistas, assim são consumidas.
   transformando-se em bebida muito apreciada
   em países como a Alemanha e os Estados Uni-
   dos, com considerável potencial consumidor e                              Ricardo Luiz de Souza
   tradição etílica.                                     Doutor em História pela UFMG. Professor da UNIFEMM
          Nesse mercado consumidor, o Brasil busca               - Centro Universitário de Sete Lagoas. Autor de
   ocupar seu lugar, possuindo, hoje, cerca de 30 mil     “Identidade nacional e modernidade na historiografia
                                                            brasileira: o diálogo entre Silvio Romero, Euclides da
   produtores de cachaça e cerca de cinco mil mar-
                                                              Cunha, Câmara Cascudo e Gilberto Freyre” ( Belo
   cas. A produção anual alcança 1,3 bilhão de litros,
                                                            Horizonte, Editora Autêntica, 2007 ) e de dezenas de
   dos quais 900 mil são industrializados e 400 mil           artigos publicados em revistas acadêmicas, entre os
   de alambique. As exportações chegam aos 70 mi-          quais “Cachaça, vinho, cerveja: da colônia ao século
   lhões de litros, destinados a mais de 70 países.      XX. Estudos Históricos, nº 33- Rio de Janeiro - FGV, 2004


Sabores do Brasil                                                                                                145

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (19)

Parana simulado
Parana   simuladoParana   simulado
Parana simulado
 
HISTÓRIA DAS REGIÕES DO PARANÁ
HISTÓRIA DAS REGIÕES DO PARANÁHISTÓRIA DAS REGIÕES DO PARANÁ
HISTÓRIA DAS REGIÕES DO PARANÁ
 
Paraná
ParanáParaná
Paraná
 
Logo (1)
Logo (1)Logo (1)
Logo (1)
 
Opinião 18 fev 1
Opinião 18 fev 1Opinião 18 fev 1
Opinião 18 fev 1
 
História do paraná
História do paranáHistória do paraná
História do paraná
 
1 érico veríssimo - o continente vol. 2
1   érico veríssimo - o continente vol. 21   érico veríssimo - o continente vol. 2
1 érico veríssimo - o continente vol. 2
 
Metrô 2
Metrô 2Metrô 2
Metrô 2
 
Paraty 2009 Dados E InformaçõEs
Paraty 2009   Dados E InformaçõEsParaty 2009   Dados E InformaçõEs
Paraty 2009 Dados E InformaçõEs
 
HP
HPHP
HP
 
HC Turquel - 50 anos
HC Turquel - 50 anosHC Turquel - 50 anos
HC Turquel - 50 anos
 
Santa teresa
Santa teresaSanta teresa
Santa teresa
 
AGRISÊNIOR NOTÍCIAS Nº°620 an 16 maio 2017
AGRISÊNIOR NOTÍCIAS Nº°620 an 16 maio 2017AGRISÊNIOR NOTÍCIAS Nº°620 an 16 maio 2017
AGRISÊNIOR NOTÍCIAS Nº°620 an 16 maio 2017
 
Resumo de História do Paraná.
Resumo de História do Paraná.Resumo de História do Paraná.
Resumo de História do Paraná.
 
RELENDO MACAHÉ - TRATADO DESCRITIVO DO BRASIL
RELENDO MACAHÉ - TRATADO DESCRITIVO DO BRASILRELENDO MACAHÉ - TRATADO DESCRITIVO DO BRASIL
RELENDO MACAHÉ - TRATADO DESCRITIVO DO BRASIL
 
História do Paraná
História do ParanáHistória do Paraná
História do Paraná
 
Destaque31
Destaque31  Destaque31
Destaque31
 
21272 modulos exposicao nucleo 02
21272 modulos exposicao nucleo 0221272 modulos exposicao nucleo 02
21272 modulos exposicao nucleo 02
 
História da cidade e dos monumentos portuenses igreja ramalde e ramalde Pro...
História da cidade e dos monumentos portuenses   igreja ramalde e ramalde Pro...História da cidade e dos monumentos portuenses   igreja ramalde e ramalde Pro...
História da cidade e dos monumentos portuenses igreja ramalde e ramalde Pro...
 

Destaque

Tecnologia e aprendizagem no ensino de línguas
Tecnologia e aprendizagem no ensino de línguasTecnologia e aprendizagem no ensino de línguas
Tecnologia e aprendizagem no ensino de línguasFaculdade Eniac
 
Monografia Glaycon análise cinemática da natação de iniciantes
Monografia Glaycon análise cinemática da natação de iniciantesMonografia Glaycon análise cinemática da natação de iniciantes
Monografia Glaycon análise cinemática da natação de iniciantesMário Campos
 
ApresentaçãO16
ApresentaçãO16ApresentaçãO16
ApresentaçãO16fabricio
 
Teste01
Teste01Teste01
Teste01Renato
 

Destaque (8)

Documento
DocumentoDocumento
Documento
 
Arion
ArionArion
Arion
 
Tecnologia e aprendizagem no ensino de línguas
Tecnologia e aprendizagem no ensino de línguasTecnologia e aprendizagem no ensino de línguas
Tecnologia e aprendizagem no ensino de línguas
 
Silabo madera 2013 2014
Silabo madera 2013 2014Silabo madera 2013 2014
Silabo madera 2013 2014
 
Monografia Glaycon análise cinemática da natação de iniciantes
Monografia Glaycon análise cinemática da natação de iniciantesMonografia Glaycon análise cinemática da natação de iniciantes
Monografia Glaycon análise cinemática da natação de iniciantes
 
O café receitas 03
O café receitas 03O café receitas 03
O café receitas 03
 
ApresentaçãO16
ApresentaçãO16ApresentaçãO16
ApresentaçãO16
 
Teste01
Teste01Teste01
Teste01
 

Semelhante a Brasilidades caipirinha

A Economia do 2º Reinado
A Economia do 2º ReinadoA Economia do 2º Reinado
A Economia do 2º Reinadoquintoanond
 
Rota Do Açúcar
Rota Do AçúcarRota Do Açúcar
Rota Do Açúcarriscas
 
Rota Do AçUcar (1).Pps
Rota Do AçUcar (1).PpsRota Do AçUcar (1).Pps
Rota Do AçUcar (1).Ppscab3032
 
História da cerveja e principais mercados v2 [Revisada e editada]
História da cerveja e principais mercados v2 [Revisada e editada]História da cerveja e principais mercados v2 [Revisada e editada]
História da cerveja e principais mercados v2 [Revisada e editada]Leonardo Couto
 
Curso de Drinks para Leigos
Curso de Drinks para Leigos Curso de Drinks para Leigos
Curso de Drinks para Leigos Mauricio Campos
 
Trabalho de cana_de_açucar
Trabalho de cana_de_açucarTrabalho de cana_de_açucar
Trabalho de cana_de_açucarCynthia Candida
 
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasil
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasilantonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasil
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no BrasilANTONIO INACIO FERRAZ
 
História do Paraná
História do ParanáHistória do Paraná
História do Paranásissapb
 
Expansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialExpansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialPatrícia Sanches
 
O ciclo do Açucar
O ciclo do AçucarO ciclo do Açucar
O ciclo do AçucarThaysvrl
 
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional Maira Teixeira
 
Ana Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
Ana Paula AjksjihduihuihjdsaidjAna Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
Ana Paula AjksjihduihuihjdsaidjMara Sandra
 
Ciclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez Oliveira
Ciclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez OliveiraCiclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez Oliveira
Ciclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez OliveiraErnandez Oliveira
 

Semelhante a Brasilidades caipirinha (20)

A Economia do 2º Reinado
A Economia do 2º ReinadoA Economia do 2º Reinado
A Economia do 2º Reinado
 
Aveiro
AveiroAveiro
Aveiro
 
Rota Do Açúcar
Rota Do AçúcarRota Do Açúcar
Rota Do Açúcar
 
Rota Do AçUcar (1).Pps
Rota Do AçUcar (1).PpsRota Do AçUcar (1).Pps
Rota Do AçUcar (1).Pps
 
A evolução do açúcar.
A evolução do açúcar.A evolução do açúcar.
A evolução do açúcar.
 
Açucar, rota do aveiro
Açucar, rota do   aveiroAçucar, rota do   aveiro
Açucar, rota do aveiro
 
Açucar, rota do aveiro
Açucar, rota do   aveiroAçucar, rota do   aveiro
Açucar, rota do aveiro
 
História da cerveja e principais mercados v2 [Revisada e editada]
História da cerveja e principais mercados v2 [Revisada e editada]História da cerveja e principais mercados v2 [Revisada e editada]
História da cerveja e principais mercados v2 [Revisada e editada]
 
Ciclos econômicos
Ciclos econômicosCiclos econômicos
Ciclos econômicos
 
Curso de Drinks para Leigos
Curso de Drinks para Leigos Curso de Drinks para Leigos
Curso de Drinks para Leigos
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
 
Trabalho de cana_de_açucar
Trabalho de cana_de_açucarTrabalho de cana_de_açucar
Trabalho de cana_de_açucar
 
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasil
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasilantonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasil
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasil
 
História do Paraná
História do ParanáHistória do Paraná
História do Paraná
 
Expansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialExpansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorial
 
O ciclo do Açucar
O ciclo do AçucarO ciclo do Açucar
O ciclo do Açucar
 
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
 
Ana Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
Ana Paula AjksjihduihuihjdsaidjAna Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
Ana Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
 
Mestiçagem dos alimentos
Mestiçagem dos alimentosMestiçagem dos alimentos
Mestiçagem dos alimentos
 
Ciclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez Oliveira
Ciclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez OliveiraCiclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez Oliveira
Ciclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez Oliveira
 

Mais de quituteira quitutes

Receita Pudim De Mandioca E Torta Garotada
Receita Pudim De Mandioca E Torta GarotadaReceita Pudim De Mandioca E Torta Garotada
Receita Pudim De Mandioca E Torta Garotadaquituteira quitutes
 
Receita Crepes Ao Creme De Goiaba Com Cassis
Receita Crepes Ao Creme De Goiaba Com CassisReceita Crepes Ao Creme De Goiaba Com Cassis
Receita Crepes Ao Creme De Goiaba Com Cassisquituteira quitutes
 
Receita Bife à Milanesa Recheado
Receita Bife à Milanesa RecheadoReceita Bife à Milanesa Recheado
Receita Bife à Milanesa Recheadoquituteira quitutes
 
Livro De Receitas Cocina Melhores Receitas
Livro De  Receitas  Cocina  Melhores  ReceitasLivro De  Receitas  Cocina  Melhores  Receitas
Livro De Receitas Cocina Melhores Receitasquituteira quitutes
 
Guia De Alimentos Naturais Vale Das Flores
Guia De Alimentos Naturais Vale Das FloresGuia De Alimentos Naturais Vale Das Flores
Guia De Alimentos Naturais Vale Das Floresquituteira quitutes
 
Frutas E Legumes Alimentos Poderosos
Frutas E Legumes Alimentos PoderososFrutas E Legumes Alimentos Poderosos
Frutas E Legumes Alimentos Poderososquituteira quitutes
 
Receitas E Dicas Colonial Med Spa
Receitas E Dicas Colonial Med SpaReceitas E Dicas Colonial Med Spa
Receitas E Dicas Colonial Med Spaquituteira quitutes
 

Mais de quituteira quitutes (20)

Receitas Soja
Receitas SojaReceitas Soja
Receitas Soja
 
Receitas Drinks
Receitas DrinksReceitas Drinks
Receitas Drinks
 
Receita Pudim De Mandioca E Torta Garotada
Receita Pudim De Mandioca E Torta GarotadaReceita Pudim De Mandioca E Torta Garotada
Receita Pudim De Mandioca E Torta Garotada
 
Receita GeléIa De Jabuticaba
Receita GeléIa De JabuticabaReceita GeléIa De Jabuticaba
Receita GeléIa De Jabuticaba
 
Receita Crepes Ao Creme De Goiaba Com Cassis
Receita Crepes Ao Creme De Goiaba Com CassisReceita Crepes Ao Creme De Goiaba Com Cassis
Receita Crepes Ao Creme De Goiaba Com Cassis
 
Receita Costela Poncho Verde
Receita Costela Poncho VerdeReceita Costela Poncho Verde
Receita Costela Poncho Verde
 
Receita Bife à Milanesa Recheado
Receita Bife à Milanesa RecheadoReceita Bife à Milanesa Recheado
Receita Bife à Milanesa Recheado
 
Livro De Receitas Naturais 02
Livro De Receitas Naturais 02Livro De Receitas Naturais 02
Livro De Receitas Naturais 02
 
Livro De Receitas Mundiais 02
Livro De Receitas Mundiais 02Livro De Receitas Mundiais 02
Livro De Receitas Mundiais 02
 
Comida Mineira
Comida MineiraComida Mineira
Comida Mineira
 
Receitas Walita
Receitas WalitaReceitas Walita
Receitas Walita
 
Receitas Holiday Christmas
Receitas  Holiday  ChristmasReceitas  Holiday  Christmas
Receitas Holiday Christmas
 
Livro De Receitas Cocina Melhores Receitas
Livro De  Receitas  Cocina  Melhores  ReceitasLivro De  Receitas  Cocina  Melhores  Receitas
Livro De Receitas Cocina Melhores Receitas
 
Receitas Chocolate Orkut
Receitas Chocolate OrkutReceitas Chocolate Orkut
Receitas Chocolate Orkut
 
Guia De Alimentos Naturais Vale Das Flores
Guia De Alimentos Naturais Vale Das FloresGuia De Alimentos Naturais Vale Das Flores
Guia De Alimentos Naturais Vale Das Flores
 
Frutas E Legumes Alimentos Poderosos
Frutas E Legumes Alimentos PoderososFrutas E Legumes Alimentos Poderosos
Frutas E Legumes Alimentos Poderosos
 
Receita Bolo De Iogurte
Receita Bolo De IogurteReceita Bolo De Iogurte
Receita Bolo De Iogurte
 
LinhaçA
LinhaçALinhaçA
LinhaçA
 
Receitas E Dicas Colonial Med Spa
Receitas E Dicas Colonial Med SpaReceitas E Dicas Colonial Med Spa
Receitas E Dicas Colonial Med Spa
 
Menu Chef Vol 20
Menu Chef Vol 20Menu Chef Vol 20
Menu Chef Vol 20
 

Último

Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 

Último (20)

Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 

Brasilidades caipirinha

  • 1. Ricardo Luiz de Souza Caipirinha, ou seja, cachaça, limão e açúcar: Breve história de um relacionamento C achaça, limão e açúcar. Quando conta- mos a história da caipirinha, referimo- nos à história do relacionamento entre os três produtos, um relacionamento que é bem- sucedido, duradouro e que tem uma legião de admiradores. E, para fazermos essa narração, vamos voltar no tempo e contar, sucintamente, a história da cachaça e do açúcar. De onde eles vieram? A cana surgiu no Pacífico Sul, seguindo, então, um roteiro que a levaria até à Índia, onde, pela primeira vez, cinco séculos antes de Cristo, o açúcar dela seria ex- traído. Da Índia, migrou para o Oriente Médio, região na qual foram criadas as primeiras rotas ligadas ao produto. Dali, a cana chegou ao Me- diterrâneo, sendo cultivada, mais de mil anos Sabores do Brasil 139
  • 2. A cachaça, por sua mentar o líquido, na medida em que, ao subir, se condensava no teto e pingava. E a pinga doía vez, foi concebida, quando caía nos escravos, o que teria gerado ou- tro vocábulo: aguardente. Hipótese controversa, ainda nas primeiras porém, pois a bebida proveniente da destilação décadas da colonização, já era chamada pelos alquimistas europeus, no século XII, de aqua ardens. na Capitania de São Ainda no período colonial, surgiu uma di- Vicente, onde hoje é o ferenciação entre a bebida importada e a nacio- nal. Denominava-se bagaceira a bebida destilada estado de São Paulo. importada de Portugal, enquanto se conhecia por No final do século cachaça a proveniente do Rio de Janeiro e de Mi- nas Gerais. O cachaceiro, que posteriormente seria XVI, registrava-se a denominação dada ao alcoólatra, significava, na a existência de oito época, apenas o comerciante da bebida. O termo cachaça, aliás, é especificamente brasileiro. Um engenhos dedicados à profundo conhecedor do assunto, como Câmara sua produção. Cascudo, não apenas asseverou a inexistência do vocábulo no Brasil, mas também afirmou nunca depois, nas Ilhas Canárias, situadas no Atlânti- ter ouvido tal palavra em Portugal. Em espanhol, co. Dessas ilhas, foi transportada para o Brasil, por sua vez, cachaça é uma espécie de vinho de transformando o Nordeste em seu reino e trans- borras. formando-se, já a partir do século XVI, no princi- A bebida caiu rapidamente no gosto popu- pal produto colonial de exportação. lar e espalhou-se pelo Brasil à medida que o País A cachaça, por sua vez, foi concebida, ia sendo povoado. Em Minas Gerais, terra de ouro, ainda nas primeiras décadas da colonização, na de diamante, e de frio, a cachaça encontrou terreno Capitania de São Vicente, onde hoje é o estado fértil para produção e consumo. Os inconfiden- de São Paulo. No final do século XVI, registra- tes chegaram a elegê-la uma espécie de bebida va-se a existência de oito engenhos dedicados à nacional, símbolo dos brasileiros, a ser consumi- sua produção. Inicialmente, a bebida não possuía da de preferência ao vinho produzido pelos por- grande valor comercial e era feita pelos escravos tugueses, considerado a bebida dos opressores. às escondidas, pois seus senhores não gostavam Domingos Xavier, por exemplo, um dos líderes de vê-los consumindo-a. Foi assim até que ela da Revolta, era dono de um alambique e saciava caiu, de vez, no gosto popular – inclusive dos se- os participantes das reuniões com a cachaça por nhores – e virou, enfim, produto de exportação, ele mesmo produzida. E, adiantando um pouco entrando nas rotas comerciais que envolviam o mais no tempo, é bom lembrar que os revolu- tráfico negreiro, uma vez que encontrava enorme cionários de 1817, em Pernambuco, almejaram, aceitação na África. também, a transformação da cachaça em símbolo O termo “pinga” surgiu do vapor pro- nacional, em resposta a mais uma tentativa de duzido pelo lento processo necessário para fer- proibição por parte dos renitentes portugueses. 140 Textos do Brasil . Nº 13
  • 3. Caipirinha. Fonte: Rio Convention & Visitors Bureau (Embratur) Sabores do Brasil 141
  • 4. A cachaça colonial. Em Minas Gerais, por exemplo, a gran- de produção de aguardente, no século XVIII, de- era produzida, veu-se ao mercado consumidor constituído pe- las comunidades auríferas, mas teve como fator normalmente, em determinante, igualmente, a posição peculiar dos pequenos engenhos – as engenhos mineiros: sem acesso ao mercado ex- terno, especializaram sua produção no comércio chamadas engenhocas local e em pequena escala. –, e seu consumo estava Depois da Independência, manteve-se um ciclo produtivo ininterrupto, logrando Minas predominantemente manter-se, ainda hoje, como centro produtor por vinculado às camadas excelência. Assim, a existência de engenhocas no interior mineiro é atestada ao longo do século XIX mais baixas da por diversos viajantes que percorreram a região população colonial. no período. Richard Burton aludiu à presença de uma delas em Jaboticatubas, e o Conde de Cas- Nesse ritmo, a bebida chegou a batizar o telnau, à de outra próxima a Juiz de Fora. Saint- porto de Parati, que virou sinônimo de pinga. Ou Hilaire, por sua vez, definiu a cachaça como “a foi Parati que batizou a cachaça? A ordem dos fa- aguardente do País”. tores não é de grande importância, mas o fato é Portanto, como o fumo, a cachaça tornou-se que alambiques construídos pelos portugueses moeda de troca no tráfico de escravos, inserindo surgiram em volta do porto ali construído. O o produto em um circuito econômico que ultra- Caminho Novo, ligação entre Minas e o mar, fa- passou o âmbito doméstico e colocando muitos cilitou a subida da cachaça para as montanhas, proprietários de engenhocas voltadas para a pro- as quais já eram providas, contudo, de diversos dução de aguardente em contato com o comércio alambiques e engenhocas que proliferavam, em- externo. bora como símbolo de cachaças mais sofisticadas. Criou-se, contudo, uma dicotomia com os A produção logo espalhou-se pela província do grandes engenhos, dedicando-se prioritariamen- Rio de Janeiro, chegando até Campos dos Goi- te ao açúcar e tendo em vista o mercado externo, tacases, tradicional produtor açucareiro. E tão e as engenhocas – na maioria das vezes clandes- importante era a bebida, que a região terminou tinas e sem a aparelhagem necessária à produção por protagonizar, em 1660, a Revolta da Cacha- de açúcar e muito menos o capital para adquiri- ça, quando os insurretos tomaram e governaram lo, dedicando-se, de modo exclusivo, à produção a cidade do Rio de Janeiro durante cinco meses, de rapadura e cachaça, produtos destinados, ma- contra as proibições de fabricação e venda de joritariamente, ao mercado interno. aguardente. Convém ressaltar que nem só de cachaça e A cachaça era produzida, normalmente, vinho compunham-se os hábitos etílicos no pe- em pequenos engenhos – as chamadas engenho- ríodo colonial. Popularizou-se, por exemplo, o cas –, e seu consumo estava predominantemente aluá, nome africano dado à bebida fermentada de vinculado às camadas mais baixas da população milho, de origem indígena. E mesmo o consumo 142 Textos do Brasil . Nº 13
  • 5. da cachaça ganhou variantes, como o cachimbo, Quanto à caipirinha, ou meladinha, cachaça com mel de abelhas. O consumo de bebidas alcóolicas era com- ela surgiu quando os preendido, também, do ponto de vista de remé- escravos, esses grandes dio a ser utilizados em diferentes ocasiões. Po- deria servir tanto como fortificante, tomado pela experimentadores e manhã ou em situações que exigiam grande es- criadores da culinária forço físico -, quanto como proteção ao organis- mo, em situações específicas. brasileira, resolveram Economicamente, a cachaça era considera- misturar à cachaça da um produto menos nobre que o açúcar, pois destinava-se, predominantemente, ao consumo sucos de frutas que, local e, quando exportada, seu destino era a Áfri- ca, não alcançando o cobiçado mercado europeu. como o limão, eram Embora pouco nobre, resistiu no mercado e tor- tradicionalmente nou-se cada vez mais popular. Quanto à relação entre a cachaça e o vinho, ignorados pela elite criou-se, no período colonial, outra dicotomia branca. que ainda hoje se mantém nos hábitos etílicos do brasileiro. O vinho esteve presente em festas A bebida passou a ser vista, com o tempo, e tradições, como o coreto, reuniões festivas nas como fortificante e, mais do que isso, como ali- quais as saudações, acompanhadas pela bebida, mento imprescindível para os escravos, o que foi eram cantadas. Permaneceu, assim, uma bebida reconhecido inclusive em relatórios escritos por tradicionalmente associada a ocasiões solenes e funcionários da Coroa. Aliás, a cachaça e suas à elite, ao contrário da cachaça; vinho de missa variantes, como a pinga com limão e mel, foram tornou-se, nesse sentido, expressão proverbial. vistas, desde cedo, como santo remédio para gri- A partir de então, a cachaça passou a ser pes e resfriados, seguindo costume arraigado no uma concorrente incômoda para os vinhos por- imaginário e na farmacopéia popular que, desde tugueses, o que levou a Coroa a proibir sua fa- o início, atribui à bebida – consumida, é claro, em bricação. A primeira medida proibitiva data de doses adequadas – funções terapêuticas. 1639, indício claro do sucesso já obtido pela be- Quanto à caipirinha, ela surgiu quando os bida. Todavia, nunca se conseguiu alcançar, nem escravos, esses grandes experimentadores e cria- de longe, tal objetivo. Percebendo que a proibi- dores da culinária brasileira, resolveram mistu- ção jamais seria bem-sucedida, a Coroa preferiu rar à cachaça sucos de frutas que, como o limão, render-se ao inimigo e explorá-lo a partir de di- eram tradicionalmente ignorados pela elite bran- versos impostos, como a taxa instituída para au- ca. A bebida teve como antecedente a batida-de- xiliar na reconstrução de Lisboa, destruída por limão, de origem também escrava, e tornou-se um terremoto em 1765, e o subsídio literário, ins- completa quando a ela foram adicionados açúcar tituído, em Minas, para financiar o pagamento e casca de limão. A origem do termo “caipirinha” de professores régios. permanece, todavia, obscura, uma vez que não Sabores do Brasil 143
  • 6. Pingas curtidas. Foto: Christian Knepper (Embratur) 144 Textos do Brasil . Nº 13
  • 7. há nenhuma ligação histórica entre seu consumo Nascida das mãos e e a figura do caipira, habitante do interior bra- sileiro, tradicionalmente associado às regiões de da criatividade dos Minas e São Paulo. escravos, a caipirinha Tampouco se sabe como surgiu o hábito de fazer batidas com cachaça, sendo a caipirinha adquiriu, com o tempo, apenas uma entre tantas, ainda que a mais famo- status internacional. sa e, certamente, a mais caracteristicamente bra- sileira. O coco, o caju e o maracujá também são A caipirinha, porém, permanece como uma utilizados, além de outras variantes como o leite- bebida de fabricação essencialmente doméstica, de-onça, feito à base de cachaça e creme de ca- embora já tenha sido consolidado um mercado cau. Todas essas bebidas possuem antecedentes, de caipirinhas industrializadas. Mas manda a como a jinjibirra, feita à base de garapa e frutas, tradição, ainda, que cada um fabrique a sua, para apelidada de “cerveja dos pobres” e encontrada consumo próprio ou para os amigos, ou que, em no Nordeste até início do século XIX. Em Minas bares e restaurantes, o barman prepare a dose de Gerais, da mesma forma, tornou-se comum o cada cliente. A bebida é, ademais, associada a consumo de um ponche feito com cachaça, laran- ocasiões festivas, especiais, não sendo ligada ao ja azeda e açúcar. consumo cotidiano, como é o caso da cachaça. O que é, afinal, a caipirinha? Segundo a de- Preparar a caipirinha é, assim, um ritual festivo, finição presente no Decreto n° 4.800, de 2003, é embora não acessível a todos: cumpre saber pre- uma “bebida típica brasileira, com graduação al- pará-la, e é sempre alguém tido como expert no coólica de quinze a trinta e seis por cento em vo- assunto que é incumbido da tarefa. Tradicional- lume, a vinte graus Celsius, batida exclusivamen- mente, a bebida é vista como mais fraca e mais te com cachaça, acrescida de limão e açúcar”. aceitável socialmente, o que gera uma situação Nascida das mãos e da criatividade dos es- curiosa: o apreciador de caipirinha nem sempre cravos, a caipirinha adquiriu, com o tempo, sta- é um apreciador de cachaça, considerada muito tus internacional. Nos dias de hoje, ela já foi in- forte. Caipirinhas e batidas, de forma geral, são, cluída pela Associação Internacional de Barmen então, variantes mais festivas da cachaça; assim entre os sete clássicos da coquetelaria mundial, são vistas, assim são consumidas. transformando-se em bebida muito apreciada em países como a Alemanha e os Estados Uni- dos, com considerável potencial consumidor e Ricardo Luiz de Souza tradição etílica. Doutor em História pela UFMG. Professor da UNIFEMM Nesse mercado consumidor, o Brasil busca - Centro Universitário de Sete Lagoas. Autor de ocupar seu lugar, possuindo, hoje, cerca de 30 mil “Identidade nacional e modernidade na historiografia brasileira: o diálogo entre Silvio Romero, Euclides da produtores de cachaça e cerca de cinco mil mar- Cunha, Câmara Cascudo e Gilberto Freyre” ( Belo cas. A produção anual alcança 1,3 bilhão de litros, Horizonte, Editora Autêntica, 2007 ) e de dezenas de dos quais 900 mil são industrializados e 400 mil artigos publicados em revistas acadêmicas, entre os de alambique. As exportações chegam aos 70 mi- quais “Cachaça, vinho, cerveja: da colônia ao século lhões de litros, destinados a mais de 70 países. XX. Estudos Históricos, nº 33- Rio de Janeiro - FGV, 2004 Sabores do Brasil 145