AULA INAUGURAL CORAL BATISTA CENTRAL 12/09/2015

316 visualizações

Publicada em

Primeiro Encontro do Coral. Orientações Básicas.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
316
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

AULA INAUGURAL CORAL BATISTA CENTRAL 12/09/2015

  1. 1. CORAL BATISTA CENTRALCORAL BATISTA CENTRAL BALNEÁRIO CAMBORIÚ/SCBALNEÁRIO CAMBORIÚ/SC ENCONTRO INAUGURAL 12/09/2015 PROF. QUEILA MARTINS
  2. 2. CANTO CORALCANTO CORAL Canto coral é o nome dado ao conjunto de atividades ligadas a um CORAL. ANTIGUIDADE – CAVERNA DE COGUL ESPANHA
  3. 3. CANTO CORALCANTO CORAL Participar de um coral é: 1. Terapia para o corpo, mente e alma. 2. É vida social de qualidade, é refinamento de aptidões nobres. 3. Desenvolve a mente. 4. Eleva a auto-estima. 5. Torna seus praticantes mais sensíveis e integrados socialmente. 6. Não possui contra-indicação e é divertido. 7. O canto coral une a comunidade no sentido amplo, envolvendo não só os coralistas uns com os outros, mas suas famílias e amigos. 8. O canto coral musicaliza seus integrantes de forma envolvente, leve e eficiente.
  4. 4. O CORAL TEM PEÇAS MUSICAISO CORAL TEM PEÇAS MUSICAIS ESPECÍFICASESPECÍFICAS Sob a perspectiva da MÚSICA, o CORAL baseia suas atividades na execução de peças musicais escritas especialmente para coro ou arranjos para coro de canções folclóricas e populares. Com ou sem acompanhamento instrumental.
  5. 5. IDADE MÉDIAIDADE MÉDIA HOMENSHOMENS Na IDADE MÉDIA o canto coral era uma atividade reservada aos homens, portanto, os compositores arranjavam sua peças no formato TBBx (TENOR - BARÍTONO - BAIXO).
  6. 6. REFORMA PROTESTANTEREFORMA PROTESTANTE HOMENS e MULHERESHOMENS e MULHERES Com o advento da REFORMA PROTESTANTE, as mulheres começaram a participar do canto coral e os compositores se adaptaram no sentido de escrever no formato SATB (SOPRANO, CONTRALTO, TENOR e BAIXO).
  7. 7. CANTAR EM CORO É DEIXAR-SECANTAR EM CORO É DEIXAR-SE TOMAR PELA MÚSICATOMAR PELA MÚSICA Sir Georg Solti disse*, "cantar é a base de todo fazer musical". Nesse espírito, “todo aspirante de um coral deve aprender a cantar; quanto melhor você entender sua voz, melhor você irá se preparar para um coro. Cante, aprenda, frequente concertos, ouça gravações, faça tudo para ganhar experiência e aprender como a voz funciona.” ________________________________________________ *Vance George, The Cambridge Companion to Conducting. Cambridge: Cambridge University Press, 2003. p. 45 – 46.
  8. 8. QUE TIPOS DE CORAL EXISTEM?
  9. 9. CORAL DE CÂMARACORAL DE CÂMARA VOZES A CAPELLAVOZES A CAPELLA
  10. 10. CORAL SINFÔNICOCORAL SINFÔNICO VOZES COM ORQUESTRA SINFÔNICAVOZES COM ORQUESTRA SINFÔNICA
  11. 11. CORAL LÍRICOCORAL LÍRICO CANTO POÉTICO E ÓPERASCANTO POÉTICO E ÓPERAS
  12. 12. ENSEMBLEENSEMBLE VOCAL/INSTRUMENTALVOCAL/INSTRUMENTAL TUDO JUNTO E MISTURADOTUDO JUNTO E MISTURADO
  13. 13. CLASSIFICAÇÃO CORALCLASSIFICAÇÃO CORAL EM RELAÇÃO ÀS VOZES Coro misto (pode varias o número de vozes, desde que tenha vozes masculinas e femininas) Coro de vozes iguais (feminino, masculino) Exemplos: I) Cathedral choirs são coros de vozes masculinas, unindo meninos nas vozes agudas e vozes masculinas adultas. II) Um coro de meninas e um coro de mulheres adultas são ambos de vozes iguais, mas podem variar em seus repertórios. III) Os madrigais renascentistas costumam ser a 5 vozes, enquanto as canções do século XX são geralmente a 4 vozes mistas.
  14. 14. CLASSIFICAÇÃO CORALCLASSIFICAÇÃO CORAL EM RELAÇÃO AO REPERTÓRIO  Madrigais: pedem vozes leves, sem muito vibrato, com grande importância para a dicção do texto, bom conhecimento de outros idiomas, sobretudo o italiano, inglês, francês e alemão, e contato com a literatura;  Motettkor: privilegia-se a homogeneidade das vozes, mais do que as capacidades dramáticas, conhecimento fonético, formação em música contemporânea, boa escuta polifônica;  Coro lírico: todos devem ser cantores treinados no repertório operístico, habilidade cênica.
  15. 15. CLASSIFICAÇÃO CORALCLASSIFICAÇÃO CORAL EM RELAÇÃO AO VÍNCULO DOS CORALISTAS  Coro profissional assalariado;  Coro profissional por cachê;  Coros ligados à participação em eventos (festivais, cursos, concursos, coro laboratório);  Coros amadores com quadro fixo (ligados ou não a instituições);  Coros de estudantes ligados à atividade institucional (ex: coros escolares, coros universitários com matrícula);  Coros de estudantes por livre frequência (ligados ou abrigados por instituições, mas sem vínculo de matrícula);  Coros institucionais (de empresas, instituições públicas ou religiosos, em que se pressupõe o vínculo com a instituição);  Coros religiosos (em que a participação no coro faz parte de uma vinculação mais ampla com a instituição);  Coros independentes (em que o próprio grupo gerencia as atividades, sem vínculo institucional ou criando sua própria associação);  Coros de aprendizado (coro como espaço educativo, ligado ou não a um curso específico).
  16. 16. COMO FUNCIONACOMO FUNCIONA UM BOM CORALUM BOM CORAL DEVE SER COMO UM DEPARTAMENTO, TER ORGANIZAÇÃO E DISCIPLINA CORAL BATISTA CENTRAL PASTOR: CIRO BORGES DIRETORIA: QUEILA, TAIS, JACKSON E STEFLEY REGÊNCIA: QUEILA SECRETARIA: TAIS CORALISTAS (AQUI TAMBÉM TEREMOS OS MONITORES DE NAIPES): TAIS, JACKSON, LILIAN, ROSIANE, LÚCIA, DÉBORA, CRISTIAN, GÊ, MOISÉS, CLÁUDIO, DIL, ROSE, VIRGÍNIA, TAYRINI, ABEL, CIRO, SALETE, ISLY, LETÍCIA, PABLO INSTRUMENTISTAS: JAZI, GÊ, STEFLEY, ISAAC, RENATO, E DEMAIS QUE SE DISPUSEREM
  17. 17. DINÂMICA DE ENSAIO CORALDINÂMICA DE ENSAIO CORAL PARA UMA HORA E MEIAPARA UMA HORA E MEIA
  18. 18. USAREMOS SEMPREUSAREMOS SEMPRE SEMI CÍRCULOSEMI CÍRCULO
  19. 19. ROTINAS DEROTINAS DE UM BOM CORALUM BOM CORAL 1. Disciplina e atendimento à Regência (estudos prévios, partituras e músicas); 2. Participação nos ensaios; 3. Leitura de partitura musical; 4. Técnicas de impostação vocal e solfejo; 5. Pronúncia adequada; 6. Postura diante do público; 7. Vestimentas adequadas.
  20. 20. O CORAL EVANGELISTA EO CORAL EVANGELISTA E MULTIPLICADORMULTIPLICADOR CANTATAS NO TEMPLO; CANTATAS DE NATAL E PÁSCOA; CANTATAS EM RUAS; CANTATAS EM SHOPPINGS; CANTATAS EM PRESÍDIOS, ASILOS E HOSPITAIS; Louvarei ao SENHOR em todo o tempo; o seu louvor estará continuamente na minha boca. Salmo 34.1
  21. 21. O CORAL COMO CONVIVÊNCIA, NINHO DEO CORAL COMO CONVIVÊNCIA, NINHO DE AMOR, AMIZADE SINCERA E GERADOR DEAMOR, AMIZADE SINCERA E GERADOR DE VIDA ESPIRITUALVIDA ESPIRITUAL LOUVOR QUE CONTAGIA É RESULTADO INTERNO DE: VIDA DE ADORAÇÃO; ORAÇÃO; AMIZADE SINCERA; ESTENDER A MÃO UNS AOS OUTROS; COMUNHÃO; HARMONIA E UNIÃO NO GRUPO.
  22. 22. O CORAL QUE OBJETIVA SER ADORADORO CORAL QUE OBJETIVA SER ADORADOR ASAPH BORBA, na obra “Adoração - quando a fé se torna amor”*, afirma que Adoração não é um estilo de música e sim um estilo de vida. O que é adoração? E o que é ter vida de adoração?  Adoração é o conjunto de respostas que damos a Deus, através de nossa vida, arte, emoções e diferentes atitudes. ______________________________________________________________ * BORBA, Asaph. Adoração: quando a fé se torna amor. RTM, 2014.
  23. 23. O CORAL QUE OBJETIVA SER ADORADORO CORAL QUE OBJETIVA SER ADORADOR Quando lemos “importa que seus adoradores o adorem em espírito e em verdade, o que significa em espírito e em verdade”? Espírito é a esfera transcendental do homem que não pode ser vista de fora pra dentro e só de dentro para fora pelo próprio Espírito Santo de Deus, e assim, tudo que surge desse enlace de comunhão e amor entre o Espírito de Deus e o espírito do homem é a verdadeira adoração. ______________________________________________________________ * BORBA, Asaph. Adoração: quando a fé se torna amor. RTM, 2014.
  24. 24. O CORAL QUE OBJETIVA SER ADORADORO CORAL QUE OBJETIVA SER ADORADOR "Deus não procura Adoração, pois adoração Ele tem nos céus. (Is. 6:1-3). Deus procura por seus filhos, seus adoradores (Jo 4:23)”. O que de fato está envolto nesta afirmação? Os adoradores são a realidade de Deus no mundo, são pessoas que trazem o céu para a terra, pois a verdadeira adoração que Deus procura não é para o céu e sim para a terra. ______________________________________________________________ * BORBA, Asaph. Adoração: quando a fé se torna amor. RTM, 2014.
  25. 25. O CORAL QUE OBJETIVA SER ADORADORO CORAL QUE OBJETIVA SER ADORADOR Quais as características de um adorador?  Espiritual; Verdadeiro; Submisso a Deus Responsivo ao seu amor. ______________________________________________________________ * BORBA, Asaph. Adoração: quando a fé se torna amor. RTM, 2014.
  26. 26. O CORAL QUE OBJETIVA SER ADORADORO CORAL QUE OBJETIVA SER ADORADOR Quais os conselhos para pastores e líderes sobre a Adoração?  Sejam sensíveis ao Espírito Santo para não apenas termos formas definidas de adoração e sim uma profunda essência de Deus e do Seu reino. Nossa vida deve ser sempre o altar aonde Deus tem o maior prazer de estar, como diz em 2 Crônicas 16:9 - Quanto ao Senhor seus olhos passam por toda a terra para mostrar-se forte para com aqueles cujo coração é totalmente Dele. ______________________________________________________________ * BORBA, Asaph. Adoração: quando a fé se torna amor. RTM, 2014.
  27. 27. MEIOS DE COMUNICAÇÃO CORALMEIOS DE COMUNICAÇÃO CORAL 1) NOSSO SITE COM OS MATERIAIS, AGENDA, REPERTÓRIO ANTECIPADO (DEVE SER CONSULTADO DIARIAMENTE): http://teoriamusical2015.blogspot.com.br/ II) WHATSAPP III) TELEFONES QUEILA E TAIS
  28. 28. ESTILOS INTERESSANTES ...ESTILOS INTERESSANTES ... https://www.youtube.com/watch?v=oRsg7oaqODk https://www.youtube.com/watch?v=bdBFZ6lCCcU

×