Aula 08 - Extremidades inferiores

42.883 visualizações

Publicada em

Cia Etc - Projeto de pesquisa pele ossos

3 comentários
12 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
42.883
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
593
Comentários
3
Gostaram
12
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 08 - Extremidades inferiores

  1. 1. 21/1/2011 Anatomia As Extremidades Inferiores Cia. Etc. Projeto: Pele e ossos Aula N. 08 Conteúdo• Ossos da cintura pélvica, articulação coxofemoral, joelho e do pé;• Estrutura das articulações e movimentos da pélvis;• Estrutura das articulações e movimentos do quadril;• Estrutura das articulações e movimentos do joelho;• Estrutura das articulações e movimentos do pé;• Descrição e função dos músculos do quadril, joelho e pé;• Alinhamento e desvios das articulações do quadril, joelho e pé;• Mecânica da pélvis, do quadril, do joelho e do pé;• Análise muscular dos movimentos do quadril, do joelho e do pé;• Considerações chaves para o quadril, joelho e pé, em relação ao movimento do corpo como um todo;• Considerações especiais do quadril, joelho e pé relacionados à dança;• Lesões do quadril, joelho e pé em bailarinos; 1
  2. 2. 21/1/2011 Ossos da cintura pélvica coxa• Os lados da pélvis são chamados de osso do quadril.• Formado por três ossos que se fundem: o ísquio, o púbis e o ílio.• A cintura pélvica como uma unidade apóia e liga de forma dinâmica a coluna vertebral e os membros inferiores. 2
  3. 3. 21/1/2011 Ílio Ísquio PúbisOsso doquadril Crista púbica• Crista ilíaca• Espinha ilíaca póstero-superior• Espinha ilíaca póstero-inferior• Acetábulo• forame obturado• Tuberosidade isquial 3
  4. 4. 21/1/2011 Espinha Fossa ilíaca ilíaca Antero-superior Espinha ilíaca Antero-inferior O Fêmur• O fêmur é o osso mais longo e mais volumoso do corpo humano, e localiza-se na coxa.• Se articula com a cintura pélvica.• Constitui, isoladamente, o esqueleto da coxa humana.• O fêmur – na sua extremidade superior – articula-se com o osso ilíaco; e, na sua extremidade inferior, com a tíbia.• Além disso, dá inserção a vários músculos, principalmente no bordo posterior (ou linha rugosa).• Sua extremidade superior compreende a cabeça do fêmur, que é a saliência esférica, de caráter articular, que se une ao corpo do osso pelo colo do fêmur e pelos pequenos e grandes trocanteres.• A extremidade inferior do fêmur se subdivide em duas eminências articulares laterais – os côndilos. 4
  5. 5. 21/1/2011 Cabeça do fêmur Fêmur Colo do fêmur Trocanter maior Linha intertrocantérica Trocanter menor Linha áspera Côndilo medial Côndilo lateral Ossos da perna• A estrutura da perna é formada por dois ossos, a tíbia e a fíbula.• A tíbia é o osso mais forte, garantindo sozinha a união entre o fêmur e o esqueleto do pé.• A fíbula não está em contato com o fêmur, apenas com a tíbia. 5
  6. 6. 21/1/2011Ossos da pernaA. Maléolo lateralB. Articulação tibio-fibular distalC. FíbulaD. Membrana interósseaE. Articulação tibio-fibular proximalF. Cabeça da fíbulaG. Côndilo lateralH. Eminência intercondilarI. Côndilo medialJ. Tuberosidade tibialK. Margem anteriorL. TibiaM. Maléolo medial Vista anterior Superficie articular Superficie articular Eminência intercondilar do côndilo medial do côndilo lateral CôndiloOssos da perna lateral Cabeça da Côndilo medial Côndilo lateral fíbula Tuberosidade tibial Linha poplítea fíbula Margem medial da fíbula Côndilo medial Côndilo Côndilo lateral lateral Superficie articular do maléolo medial 6
  7. 7. 21/1/2011 Ossos do pé• O esqueleto do pé dividi-se em: tarso, metatarso e dedos;• São ao todo 26 ossos compostos de : 7 tarsos, 5 metatarsos e 14 falanges (artelhos);• Estes ossos juntamente com os músculos formam 2 arcos: 1 transverso e 1 longitudinal.Ossos do pé• Calcâneo• Tálus• Navicular• Cubóide• Cuneiforme medial• Cuneiforme intermédio• Cuneiforme lateral• Metatarsos• Falanges proximais• Falanges mediais• Falanges distais Visão dorsal 7
  8. 8. 21/1/2011Ossos do pé• Calcâneo• Tálus• Navicular• Cubóide• Cuneiforme medial• Cuneiforme intermédio• Cuneiforme lateral• Metatarsos• Falanges proximais• Falanges mediais• Falanges distais Visão plantar Vista medial Vista lateral 8
  9. 9. 21/1/2011 Estrutura das articulações e movimentos da cintura pélvica• O osso do quadril esta firmemente conectado ao osso sacro posteriormente (articulação sacrilíaca) e anteriormente através da sínfise púbica para formar uma sólida estrutura: a cintura pélvica.• Sínfise púbica: articulação cartilaginosa, reinforçada através de fortes ligamentos de todos os lados; movimentos mínimos; função de absorção de impacto.• Articulação sacrilíaca: formada pelas duas faces côncavas em forma de C do sacro e as suavemente convexas superfícies articulares do ílium.• A espinha ilíaca póstero-superior estão no mesmo nível da segunda vértebra sacral.• Estabilidade através de fortes ligamentos• A articulação sacrilíaca é um lugar onde comumente acontecem lesões e dor crônica em bailarinos, particularmente em bailarinos mais velhos. Movimentos da cintura pélvica• Movimentos limitados = estabilidade• Proteção e suporte• Antero-versão, retroversão, látero-versão e rotação 9
  10. 10. 21/1/2011 Estrutura das articulações e movimentos da articulação coxofemoral• Na postura ereta e em movimentos como andar e correr, o peso da parte superior do corpo é transmitido para baixo através da coluna e pélvis para os membros inferiores através da articulação do quadril e vice versa.• Transmissão de forças  priorisa estabilidade e força.• Mobilidade necessária  arquitetura e disposição dos músculos e ligamentos.Classificação e movimentos associados• A articulação coxofemoral é sinovial esferóide.• O acetábulo se direciona Antero-lateralmente e suavemente inferiormente.• Cabeça do fêmur = 2/3 de uma bola• Coberta por cartilagem articular, exceto no topo da cabeça  fóvea• Aproximadamente 70% da cabeça do fêmur articula-se com o acetábulo. (cabeça do úmero = 25%)‫‏‬• Três graus de liberdade de movimento: flexão/extensão, abdução/adução, rotação interna e externa.• O colo do fêmur tem a importante função de aumentar o braço da alavanca para os músculos que se inserem na trocanter maior (glúteos máximo, médio e mínimo e os rotadores externos profundos 10
  11. 11. 21/1/2011Tendão do reto do fêmur fóvea Articulação do quadril e ligamentos chave• Capsula densa: da margem do acetábulo, dirigi-se distalmente encapsulando o colo do fêmur como um tubo.• A cápsula com 3 ligamentos grossos que formam uma espiral em torno do colo do fêmur (ligamento iliofemoral, pubofemoral e isquiofemoral).• Tanto a capsula quantos os ligamentos supracitados são tensionados com extensão do quadril e retroversão da pélvis. (estabilidade em pé).• Todos os três ligamentos afrouxam com a flexão do quadril. 11
  12. 12. 21/1/2011 Lig. pubofemoral posterior Lig. isquiofemoral Lig. iliofemoralanterior m. reto do fêmur Lig. iliofemoral Ligamento iliofemoral • Localizado a frente da articulação coxofemoral  espinha ilíaca antero-inferior  linha inter- trocantérica (forma de Y invertido). • Um dos ligamentos mais fortes do corpo. • Previne extensão quando em pé  geralmente o centro de gravidade passa atrás do eixo de rotação do quadril e tende a extendê-lo • Tandu, arabesque. • Fibras laterais também limitam rotação externa e abdução (bailarinos tendem a anteroverter a pélvis para conseguir mais “en dehor”. 12
  13. 13. 21/1/2011 Ligamento pubofemoral• Localizado na porção anterior e inferior da cápsula, vai do ramo púbico superior até a porção inferior do colo do fêmur (trocanter menor)‫‏‬• Limita abdução e ajuda o lig. iliofemoral a limitar extensão e rotação externa. ligamento isquiofemoral• É o menor dos três, estendendo-se da borda posterior do ísquio até o colo do fêmur, sendo um estabilizador do quadril em extensão.• Protege o fêmur de deslocar-se posteriormente.• Limita rotação interna e adução horizontal. 13
  14. 14. 21/1/2011 Estruturas especializadas do quadril• Lábio acetabular  anel de fibrocartilagem que aumenta a profundidade do acetábulo e protege contra forças compressivas.• Sucção  pressão negativa da articulação um fator importante na estabilidade  puxa a cabeça do fêmur para dentro do acetábulo• Bolsas sinoviais (bursas)  duas delas inflamam com maior frequência em bailarinos: a bursa trocanteriana maior e a que fica entre o m. iliopsoas e a cápsula articular (Bursa Ilíopectínea ).• Músculos  efeito estabilizador; mais massivos e fortes que os das EESS. Músculos que atuam no quadril• 22 músculos atuam na articulação coxofemoral.• Grupo anterior  flexores• Grupo posterior  extensores (exceção dos rotadores externos profundos• Grupo lateral  abdutores• Grupo medial  adutores• A ação dos músculos podem diferir com mudanças no ângulo da articulação devido ao desvio da linha de força relativa ao eixo de rotação. 14
  15. 15. 21/1/2011 Músculos anteriores• M. Iliopsoas• Inervação: Nervo Femural (L1, L2 e L3)• Psoas maior• Inserção prox. - processo transverso, corpos e discos intervertebrais de T12-L5• Inserção distal – trocanter menor do fêmur• Ação: flexão, abdução (amplitudes altas), postural• Ilíaco• Inserção prox. – fossa ilíaca, crista ilíaca, parte interna e lateral do os. sacro• Inserção distal – trocanter menor do fêmur• Ação: flexão e abdução (amplitudes altas)‫‏‬• Rotação externa?M. Iliopsoas 15
  16. 16. 21/1/2011 Músculos anteriores• M. reto femoral• inserção proximal: Espinha ilíaca anterior inferior• Inserção distal: Patela e, através do ligamento patelar, na tuberosidade anterior da tíbia• Inervação: Nervo Femoral (L2 - L4)• Ação: Extensão do joelho e o reto femural realiza flexão do quadril. O vasto medial realiza rotação medial e o vasto lateral, rotação lateralM. Reto femoral 16
  17. 17. 21/1/2011 Músculos anteriores• M. Sartório• Coxa - Região antero-lateral• Inserção Proximal: Espinha ilíaca anterior- superior• Inserção Distal: Superfície medial da tuberosidade da tíbia (pata de ganso)• Inervação: Nervo Femoral (L2 - L3)• Ação: Flexão, abdução e rotação lateral da coxa e flexão e rotação medial do joelhoM. sartórios 17
  18. 18. 21/1/2011 Músculos posteriores• Incluem: glúteo máximo, isquiotibiais (semibremanáceo, semitendíneo e bíceps femoral), rotatores externos profundos do quadril;• Todos os três grupos cruzam o o quadril posterior ao eixo de rotação para flexão/extensão. Os rotatores têm sua linha de ação mais horizontal, sendo mais funcionais em rotação externa e abdução horizontal.• Os extensores do quadril atuam em atividades propulsivas, tais como o salto e a corrida.• Posturalmente, produzem a retroversão da pélvis. Músculos posteriores• M. Glúteo máximo• Inserção Medial: Linha glútea posterior do íleo, sacro, cóccix e ligamento sacrotuberoso• Inserção Lateral: Trato íleotibial da fáscia lata e tuberosidade glútea do fêmur• Inervação: Nervo Glúteo Inferior (L5 - S2)‫‏‬• Ação: Extensão e rotação lateral do quadril• Extensor mais potente; importante para movimentos que requeram muita força (subir escada, ladeira, correr e pular)‫‏‬• Devido a sua inserção distal no trato iliotibial ele é sinergista em abdução 18
  19. 19. 21/1/2011 M. Glúteo máximo Músculos posteriores• Isquiotibiais - M. Bíceps femoral• Inserção Proximal: – Cabeça Longa: Tuberosidade isquiática e ligamento sacro- tuberoso – Cabeça Curta: Lábio lateral da linha áspera• Inserção Distal: Cabeça da fíbula e côndilo lateral da tíbia• Inervação: Nervo Isquiático (L5 - S2), exceto L5 para a cabeça longa• Ação: Extensão do quadril, flexão do joelho e rotação lateral da coxa 19
  20. 20. 21/1/2011 Bíceps femoral cabeça curta cabeça longa Músculos posteriores• Isquiotibiais - M. Semibremanáceo• Inserção Proximal: Tuberosidade isquiática• Inserção Distal: Côndilo medial da tíbia• Inervação: Nervo Isquiático (L5 – S2)‫‏‬• Ação: Extensão do quadril, flexão e rotação medial do joelho• Mais profundo que o semitendíneo. 20
  21. 21. 21/1/2011 M. Semibremanáceo Músculos posteriores• Isquiotibiais - M. Semitendíneo• Inserção Proximal: Tuberosidade isquiática• Inserção Distal: Superfície medial da tuberosidade da tíbia (pata de ganso)‫‏‬• Inervação: Nervo Isquiático (L5 – S2)‫‏‬• Ação: Extensão do quadril, flexão e rotação medial do joelho 21
  22. 22. 21/1/2011 M. Semitendíneo Músculos posteriores• Rotatores laterais (ou externos) profundos são compostos pelos mm. piriforme, obturatório interno e externo, gêmeo inferior e superior e quadrado femoral.• Abaixo dos glúteos, suas fibras correm primariamente na horizontal.• O mais superior é o piriforme e o mais inferior é o quadrado femoral.• Funcionam como o grupo para manter a cabeça do fêmur dentro do acetábulo.• A habilidade destes músculos de produzir rotação lateral sem outros movimentos acessórios faz deles de grande importância para a dança clássica na produção e manutenção do “en dehor”.• Quando o quadril passa dos 90° alguns destes músculos ajudam com a abdução horizontal (passé, rond de jambe en láir em 90°)‫‏‬ 22
  23. 23. 21/1/2011 Músculos posteriores• M. Piriforme• Inserção Medial: Superfície pélvica do sacro e margem da incisura isquiática maior• Inserção Lateral: Trocânter maior• Inervação: Nervo para o músculo piriforme (S2)‫‏‬• Ação: Abdução e rotação lateral da coxaM. Piriforme 23
  24. 24. 21/1/2011 Músculos posteriores• M. Obturatório interno - Quadril (Região Glútea)• Inserção Medial: Face interna da membrana obturatória e ísquio• Inserção Lateral: Trocânter maior e fossa trocantérica do fêmur• Inervação: Nervo para o músculo obturatório interno (L5 - S2)‫‏‬• Ação: Rotação lateral da coxa Músculos posteriores• M. Gêmeo inferior - Quadril (Região Glútea)• Inserção Medial: Tuberosidade isquiática• Inserção Lateral: Trocânter maior• Inervação: Nervo para o músculo gêmeo inferior e quadrado femural (L4 - S1)‫‏‬• Ação: Rotação lateral da coxa 24
  25. 25. 21/1/2011 Músculos posteriores• M. Gêmeo superior - Quadril (Região Glútea)‫‏‬• Inserção Medial: Espinha isquiática• Inserção Lateral: Trocânter maior• Inervação: Nervo para o músculo gêmeo superior (L5 - S2)‫‏‬• Ação: Rotação lateral da coxa Músculos posteriores• M. Obturatório externo - Quadril (Região Glútea)‫‏‬• Inserção Medial: Ramos do púbis e ísquio e face externa da membrana obturatória• Inserção Lateral: Fossa trocantérica do fêmur• Inervação: Nervo para o músculo obturatório externo (L3 - L4)‫‏‬• Ação: Rotação lateral da coxa 25
  26. 26. 21/1/2011 Músculos posteriores• M. Quadrado femoral - Quadril (Região Glútea)‫‏‬• Inserção Medial: Tuberosidade isquiática• Inserção Lateral: Crista intertrocantérica• Inervação: Nervo para o músculo quadrado femural e gêmeo inferior (L4 - S1)‫‏‬• Ação: Rotação lateral e adução da coxa Músculos laterais• Os mm. laterais do quadril incluem os glúteo médio, glúteo mínimo e o tensor da fáscia lata.• Em dança são usados no tendu paralelo lateral ou degagé. (abdução do quadril)‫‏‬• Estes mm. também tem um papel importante de estabilização quando em pé e locomoção.• Quando o peso está sobre uma perna estes mm. atuam prevenindo a pélvis de cair para o lado oposto. 26
  27. 27. 21/1/2011 Músculos laterais• M. Glúteo médio - Quadril (Região Glútea)• Inserção Superior: Face externa do íleo entre a crista ilíaca, linha glútea posterior e anterior• Inserção Inferior: Trocânter maior• Inervação: Nervo Glúteo Superior (L4 - S1)‫‏‬• Ação: Abdução e rotação medial da coxa• Mais importante abdutor do quadril e rotator interno. Músculos laterais• M. Glúteo mínimo - Quadril (Região Glútea)• Inserção Superior: Asa ilíaca (entre linha glútea anterior e inferior)‫‏‬• Inserção Inferior: Trocânter maior• Inervação: Nervo Glúteo Superior (L4 - S1)‫‏‬• Ação: Abdução e rotação medial da coxa. As fibras anteriores realizam flexão do quadril 27
  28. 28. 21/1/2011 Músculos laterais• M. Tensor da fáscia lata - Coxa - Região Ântero- Lateral• Inserção Proximal: Crista ilíaca e EIAS• Inserção Distal: Trato íleo-tibial• Inervação: Nervo do Glúteo Superior (L4 - S1)‫‏‬• Ação: Flexão, abdução e rotação medial do quadril e rotação lateral do joelho• Sua ação tensiona a fascia provendo importante suporte lateral para o joelho. Trato íleo-tibial 28
  29. 29. 21/1/2011 Músculos mediais• Os mm. mediais do quadril ou internos da coxa incluem o adutor breve, adutor longo, adutor magno, pectíneo e gracil.• Compartilham a função de trazer a perna para próximo do centro de gravidade durante o caminhar e quando fechamos a quinta posição do ballet.• Quando estamos sob uma perna, estes mm. co- contream com os abdutores para ajudar a estabilizar a pélvis. Músculos mediais• M. Adutor longo - Coxa - Região Póstero-Medial• Inserção Proximal: Superfície anterior do púbis e sínfise púbica• Inserção Distal: Linha áspera• Inervação: Nervo Obturatório (L2 - L4)‫‏‬• Ação: Adução da coxa 29
  30. 30. 21/1/2011 Músculos mediais• M. Adutor curto - Coxa - Região Póstero-Medial• Inserção Proximal: Ramo inferior do púbis• Inserção Distal: Linha áspera• Inervação: Nervo Obturatório (L2 - L4)‫‏‬• Ação: Adução da coxa Músculos mediais• M. Adutor magno - Coxa - Região Póstero- Medial• Inserção Proximal: Tuberosidade isquiática, ramo do púbis e do ísquio• Inserção Distal: Linha áspera e tubérculo adutório• Inervação: Nervo Obturatório (L2 - L4) e Nervo Isquiático (L4 à S1)‫‏‬• Ação: Adução da coxa 30
  31. 31. 21/1/2011 Músculos mediais• M. Pectíneo - Coxa - Região Póstero-Medial• Inserção Proximal: Eminência ílo-pectínea, tubérculo púbico e ramo superior do púbis• Inserção Distal: Linha pectínea do fêmur• Inervação: Nervo Femoral (L2 - L4)‫‏‬• Ação: Flexão do quadril e adução da coxa Músculos mediais• M. Grácil - Coxa - Região Póstero-Medial• Inserção Proximal: Sínfise púbica e ramo inferior do púbis• Inserção Distal: Superfície medial da tuberosidade da tíbia (pata de ganso)‫‏‬• Inervação: Nervo Obturatório (L2 – L3)‫‏‬• Ação: Adução da coxa, flexão e rotação medial do joelho• Coberto parcialmente pelo reto da coxa e sartório 31
  32. 32. 21/1/2011 A pelve• Posição neutra  inclinação da pelve (60 graus)‫‏‬• Inclinação posterior  > 60 graus• Inclinação anterior  < 60 graus• Inclinação lateral• Rotação pélvica Ângulo de inclinação femoral•O ângulo de inclinação femoral é o ângulo entre o pescoço e ocorpo do fêmur quando visto de frente (ângulo colo-corpo).•O ângulo de inclinação tem uma importante influência na mobilidadee estabilidade do fêmur, assim como do joelho e alinhamento da perna.•Influi na posição do corpo do Fêmur com relação a linha de sustentação domembro inferior. Ângulo colo-corpo Coxa vara Coxa valga normal 32
  33. 33. 21/1/2011 Ângulo de rotação femoral• É o ângulo da cabeça e pescoço do fêmur relativa ao corpo do fêmur e dos côndilos fmorais quando vistos de cima (cranial).• Este ângulo pode influenciar a amplitude de rotação externa permitida no quadril e por isto, é importante para o bailarino, entendê-la. Mecânica da pelve e quadril• Movimentos conjuntos da pelve, fêmur e coluna lombar.• Movimentos podem ser iniciados pela coluna, pelve ou fêmur e tenderá a produzir movimentos previsíveis nos outros dois segmentos.• Os movimentos conjuntos que tendem a ocorrer serão influenciados pelas extremidades da corrente cinética (fechada ou aberta), se a cabeça está livre ou se a perna/pé estão livres para se mover. 33
  34. 34. 21/1/2011 Mecânica da pelve e quadril• Movimentos pélvicos em cadeia cinética fechada.Movimento da cintura Movimentos associados Movimentos associaodspélvica da coluna do quadrilAnteroversão pélvica Hiperextensão lombar FlexãoRetroversão pélvica Flexão lombar ExtensãoTorção lateral p/ direita Flexão lateral para Abdução do quadril direito esquerda Adução do quadril esquerdoRotação p/ direita Rotação p/ esquerda Rotação interna do quadril direito Rotação externa do quaril esquerdo Mecânica da pelve e quadril• Ritmo pélvico-lombar• Enrolar para baixo (Roll-down)  após do limite de flexão da coluna (50 – 70 graus)  anteroversão pélvica  flexão do quadril.• Ao fim do movimento o suporte para o peso do corpo conta com o suporte passivo.• Ao voltar (enrolar para cima) a mesma sequência deve ser seguida para evitar lesões na coluna lombar. 34
  35. 35. 21/1/2011 Mecânica da pelve e quadril• Ritmo pévico-femoral• Quando amplitudes extremas precisam ser atingidas com o quadril, movimentos com a cintura pélvica acontecem em direção oposta  colocar o acetábulo numa posição favorável para aumentar a ampitude do movimento com a perna.• Em vocabulário de dança o sincronismo e a extensão destes movimentos associados são ditados frequentemente pelo estilo de dança. A tendência é tentat minimizar estes movimentos. Mecânica da pelve e quadrilMovimento do quadril Movimentos associados da cintura pélvicaFlexão RetroversãoHiperextensão AnteroversãoAbdução quadril esquerdo Queda lateral para direitaAbdução quadril direito Queda lateral para direitaRotação externa quadril Rotação pélvica p/ esquerdaesquerdoRotação interna quadril Rotação pélvica p/ esquerdadireito 35
  36. 36. 21/1/2011 Mecânica da pelve e quadril• Estabilização pélvica• É o processo de manter a pelve parada durante movimentos e pode ser considarado como componente da “estabilidade central”.• Estabilidade central pode ser conseguida através da co-contração dos mm. abdominais e extensores da coluna;• Outra estrategia quando em pé é a co-contração dos abdominais e isquiotibiais. Análise muscular dos movimentos fundamentais do quadrilMovimento do Músculos Músculos secundáriosquadril primáriosFlexão •Ilipsoas •Tensor da fáscia lata •Reto femoral •Adutor longo e curto •sartório (início da flexão)‫‏‬ •Gracil •pectíneoExtensão •Glúteo máximo •Adutor magno (fibras •isquitibiais inferiores)‫‏‬ 36
  37. 37. 21/1/2011 Análise muscular dos movimentos fundamentais do quadrilMovimento do Músculos Músculos secundáriosquadril primáriosAbdução •Glúteo médio •Tensor da fáscia lata •Glúteo mínimo •Sartório •Iliopsoas (amplitudes altas)‫‏‬Adução •Adutor longo •Pectíneo •Adutor curto •Adutor magno •Gracil Análise muscular dos movimentos fundamentais do quadrilMovimento do quadril Músculos primários Músculos secundáriosRotação externa •Rotatores externos •Sartório profundos •Bíceps femoral •Glúteo máximoRotação interna •Gluteo médio (fibras •Tensor da fáscia lata anteriores)‫‏‬ •Semitendíneo •Glúteo mínimo (fibras •semimembranáceo anteriores)‫‏‬ 37
  38. 38. 21/1/2011 Considerações chaves para o quadril em movimentos com todo o corpo• Ação de músculos multiarticulares.• Muitos músculos do quadril são multiarticulares: psoas maior, reto femoral, gracil, sartório, tensor da fáscia lata, bíceps femoral, semitendíneo e semimembranáceo.• Mm. multiarticulares têm a tendência de causar movimento em todas as srticulações que cruzam, a menos que uma das articulações esteja fixada por outros músculos ou forças externas;• Movimento em uma das articulações altera o comprimento do m. e em consequência afeta a sua capacidade de gerar força ou de ser alongadoatravés da outra articulação (reto femoral: flexão do quadril X extensão do joelho  insuficiência passiva e ativa)• Mm. multiarticulares não exercem força igualmente em todas as articulações que cruzam. Considerações chaves para o quadril em movimentos com todo o corpo• Carga compressiva no quadril.• Em pé  50% do peso em cada perna;• Passé  85 % do peso do corpo;• Durante movimento a carga aumenta (força muscular);• Caminhada e corrida  3 – 5 x o peso do corpo;• Subindo escada  até 7 x o peso do corpo;• Dança a dois aumenta ainda mais a carga;• Cuidado deve ser tomado. 38
  39. 39. 21/1/2011Considerações especiais para o quadril en dança• Enrolar para baixo  usar o ritmo pélvico-lombar;• Flexão do quadril com costas retas  cuidado com os isquiotibiais  fortifique-os;• Rotação externa (en dehor) determinado por estruturas ósseas, ligamentares e musculares (forma do acetábulo, ângulo do corpo do fêmor em relação ao colo, a capsula articular, o lig. Iliofemoral);• Influência da rotação externa na ativação muscular  plié na segunda posição  ativação dos adutores e DRE. (exercício na parede) Lesões do quadril em bailarinos• Incidência baixa devido a estabilidade desta articulação;• Denomina-se "fratura por estresse" todas as fraturas ósseas ocorridas em conseqüência de uma sobrecarga de exercícios repetitivos, com a mesma intensidade, no mesmo local, promovendo um desgaste ósseo.• Fraturas por estresse: ramo púbico, colo do fêmur, corpo do fêmur  treinamento de alta intensidade, mudança para um chão duro, nutrição deficiente, osteoporose, rotação externa acima de 65 graus, coxa vara, fadiga muscular gerando perda de absorção de impacto.• Sintomas: dor na virilha, coxa ou joelho que piora com carga de peso; a dor pode aumentar no inicio da aula, melhorar um pouco no meio da aula e intensificar no final da uala. A dor aumenta com o passé e com pulos sobre a perna afetada;• De dois a 6 meses para recuperação.• Se não for tratada pode levar a uma fratura completa 39
  40. 40. 21/1/2011 Lesões do quadril em bailarinos• Fratura do quadril  colo do fêmur  em bailarinas mais velhas (>45 anos);• Osteoartrite: sobrecarga pode danificar a cartilagem articular. Osteoartrite consiste em afinamento progressivo e desgaste da cartilagem articular do quadril associado com quadro inflamatório.• Sintromas: dor na virilha, parte lateral da coxa ou nádegas que é pior pela manhã e melhora com movimentos suaves. A dor aumenta significativamente com atividade vigorosa e melhora com descanço. Perca de amplitude de movimento, principalmente rotação interna. Encurtamento dos flexores do quadril (contraturas) pode acontecer. Lesões do quadril em bailarinos• Distenção muscular• É uma das lesões esportivas mais comuns;• Os mm. mais comunmente envolvidos são: isquiotibiais, adutor longo, gracil, sartório, reto do fêmur e iliopsoas;• Mm. multiarticulares parecem ter uma predisposição à distensão (alongamento passivo, contração excentrica);• A area envolvida tende a estar dolorida, e em alguns casos, edematosa; dor é geralmente provocada por alongamento ou contração forçada do m. envolvido.• Descanço, anti-inflamatório,fisioterapia, modificação das atividades, extra aquecimento, usar amplitude não dolorosa;• Em casos graves  interromper atividades 40
  41. 41. 21/1/2011 Lesões do quadril em bailarinos• Tendinite  iliopsoas• Síndrome do estalido do quadril  estalido interno do quadril (tendão do iliopsoas sobre a cabeça do fêmur) ou estalido externo do quadril trato iliotibial sobre a trocanter maior do fêmur);• Bursite trocantérica;• Síndrome do piriforme;• Disfunção e inflamação sacriliaca. •estalido interno do quadril •(tendão do iliopsoas sobre a cabeça do fêmur) ou •estalido externo do quadril •(trato iliotibial sobre a trocanter maior do fêmur) 41
  42. 42. 21/1/2011Prevenção de lesões do quadril em bailarinos• Fortalecimento e alongamento regular dos mm. do quadril assim como treinamento específico para dança com exercícios em grandes amplitudes;• Aquecimento adequado antes do alongamento, ensaio, e performance;• Aumento da temperatura interna do corpo permite ao m. alongar mais e absorver cargas maiores antes de ser lesionado. Estrutura das articulações e movimentos do joelho• O joelho é uma articulação muito complexa, tanto a sua estrutura quanto a sua funcionalidade.• Alguns autores considera-na um complexo de três articulações: 1. Côndilo femoral medial  platô medial da tibia 2. Côndilo femoral lateral  platô lateral da tibia 3. Superfície articular da patela  42
  43. 43. 21/1/2011 Estrutura das articulações e movimentos do joelho• Rodeado por uma membrana espessa e irregualar;• Possui a membrana sinovial mais extensa do corpo;• Estabilidade é adicionada através de vários ligamentos bastante fortes;• Alguns ligametos estão tensos quando joelho está extendido, para proteção, enquanto outros estão frouxos para favorecer mobilidade quando o joelho está flexionado• Ligamentos mais importantes são: ligs. Colaterais (medial e lateral) e os ligs. Cruzados (anterior e posterior). Estrutura das articulações e movimentos do joelho• Ligamento colateral medial ou lig. Colateral tibial  triangular; chato; embutido na membrana fibrosa da cápsula articular e fixado no menisco medial; recoberto parcialmente pele a pata anserina; fica tenso quando joelho está extendido e a tibia rodada externamente; resiste ao estresse valgo (ex. joelho vira para dentro em plié mal feito);• Ligamento colateral lateral ou lig. Colateral fibular  arredondado, não se insere nem na cápsula nem no menisco lateral (epicôndilo lateral  cabeça da fíbula); é tensionado com a extensão do joelho; responsável por estabilidade lateral; resiste estresse varo; 43
  44. 44. 21/1/2011 Vista medialJoelho Vista anterior Estrutura das articulações e movimentos do joelho• Ligamento cruzado anterior – previne deslocamento anterior da tíbia em relação ao fêmur; função secundária  previnir rotação do joelho, estresse valgo e varo e hiperextensão; papel importante na estabilização em movimentos desaceleração (pular, baixar o corpo ao chão e mudanças rápidas de direção encontradas na dança 44
  45. 45. 21/1/2011 Estrutura das articulações e movimentos do joelho• Ligamento cruzado posterior – previne deslocamento posterior da tíbia em relação ao fêmur, tensiona com flexão do joelho; alguns autores advocam ser ele um dos estabilizadores chave quando o joelho está flexionado; grande carga é aplicada durante agachamento paralelo; lesionado com menor frequência que LCA. Joelho - anterior 45
  46. 46. 21/1/2011Joelho - posterior 46
  47. 47. 21/1/2011 Estrutura das articulações e movimentos do joelho• Os meniscos  medial e lateral• Discos de fibrocartilagem sentados no platô tibial; mais grossos na porção exterior e superior, aumentando a profundidade dos côndilos tibiais; ajuda na absorção de impacto, diminuir atrito e facilitar movimentação do joelho;• Menisco medial  forma de C, ligado ao LCM, menos mobilidade devido a fixação• Menisco lateral  forma de O, mais móvel• Ligados antriormente pelo ligamento transverso do joelho 47
  48. 48. 21/1/2011 48
  49. 49. 21/1/2011 Estrutura das articulações e movimentos do joelho• Bolsas (bursas) são comumente mais de 20 na articulação do joelho. – Bursa da pata anserina – Bursa pré-patelar – Bursa infra-patelar profunda e superficial• Trato iliotibial  faixa de fáscia que insere-se proximalmente ao ilio e distalmente ao côndilo lateraldo fêmur, ao fêmur posterior, à patela e ao côndilo lateral da tíbia.• Funciona como ligamento dinâmico do joelho;• Extende o joelho (0 – 30°) e flexiona (>40°)ç• Única em humanos. Músculos que atuam no joelho• 12 mm. cruzam o joelho;• Suporte muscular mais importante  quadríceps femoral (anteriormente) e isquiotibiais (posteriormete);• Suporte lateral  bíceps femoral;• Suporte medial  semitendíneo (pata anserina); 49
  50. 50. 21/1/2011 Músculos que atuam no joelho• Grupo anterior  quadríceps: reto femoral, vasto medial, vasto lateral e vaasto intermédio;• Grupo posterior  isquitibiais: semitendíneo, semimebranáceo, bíceps femoral, poplíteo, gastrocnêmio e plantar;• Grupo secundário  sartório, gracil, semitendíneo (pata anserina)mm. quadrícepsInserção Proximal:• Reto Anterior: Espinha ilíaca ântero-inferior• Vasto Lateral: Trocânter maior, linha áspera, linha intertrocantérica e tuberosidade glútea• Vasto Medial: Linha áspera e linha intertrocantérica• Vasto Intermédio: 2/3 proximais da face anterior e lateral do fêmur e ½ distal da linha ásperaInserção Distal: Patela e, através do ligamento patelar, na tuberosidade anterior da tíbiaInervação: Nervo Femoral (L2 - L4)Ação: Extensão do joelho e o reto femural realiza flexão do quadril. O vasto medial realiza rotação medial e o vasto lateral, rotação lateral 50
  51. 51. 21/1/2011mm. isquiotibiaisBÍCEPS FEMORALInserção Proximal:Cabeça Longa: Tuberosidade isquiática e ligamento sacro-tuberosoCabeça Curta: Lábio lateral da linha ásperaInserção Distal: Cabeça da fíbula e côndilo lateral da tíbiaInervação: Nervo Isquiático (L5 - S2), exceto L5 para a cabeça longaAção: Extensão do quadril, flexão do joelho e rotação lateral da coxaSEMITENDÍNEOnserção Proximal: Tuberosidade isquiáticaInserção Distal: Superfície medial da tuberosidade da tíbia (pata de ganso)Inervação: Nervo Isquiático (L5 – S2)Ação: Extensão do quadril, flexão e rotação medial do joelhoSEMIMEMBRANÁCEOInserção Proximal: Tuberosidade isquiáticaInserção Distal: Côndilo medial da tíbiaInervação: Nervo Isquiático (L5 – S2)Ação: Extensão do quadril, flexão e rotação medial do joelho m. poplíteo• Inserção Proximal: Côndilo lateral do fêmur• Inserção Distal: Linha solear da face posterior da tíbia• Inervação: Nervo Tibial (L4 - S1)• Ação: Flexão e rotação medial do joelho 51
  52. 52. 21/1/2011mm. gastrocnêmio• medial - Inserção Proximal: Côndilo medial do fêmur• lateral - Inserção Proximal: Côndilo lateral do fêmur• Inserção Distal: Calcâneo• Inervação: Nervo Tibial (S1 - S2)• Ação: Flexão do joelho e flexão plantar do tornozelom. plantar delgado• Inserção Proximal: Côndilo lateral do fêmur• Inserção Distal: Calcâneo• Inervação: Nervo Tibial (L4 - S1)• Ação: Auxilia o tríceps sural 52
  53. 53. 21/1/2011 Alinhamento do joelho• Joelho reto• Joelho valgo• Joelho varo• Joelho recurvado/flexo• Torsão tibial interna/externa Mecânica do joelho• A mecânica do joelho é mais complexa que as outras articulações tipo gínglimo principalmente por dois fatores:• Flexão e extensão na articulação tibiofemoral não envolve movimentos simples a volta de um eixo, mas incorpora rolamento e deslizamento com um eixo que se desloca no diferentes degraus de flexão.• Pequenas porções de rotação transversa também acompanham flexão e extensão. 53
  54. 54. 21/1/2011Mecânica dojoelho• 1. Rolamento ou Balanço;• 2. Deslizamento ou Escorregamento;• 3. Rotação ou Giro. Mecânica do joelho• Flexão e extensão  plano sagital 54
  55. 55. 21/1/2011 delizamento rolamento giro Mecânica do joelho• Rotação: côndilos com diferentes forma e tamanho , gera suave rotação no plano transverso.• Extensão: ligamentos estão relativamente tensos e a congruência da articulação está ao máximo  rotação da tíbia em relação ao fêmur não ocorre.• Flexão: ligamentos frouxos  20 a 30 degraus de rotação interna e 30 a 45 graus de rotação externa.• Mecanismo de trava do joelho. 55
  56. 56. 21/1/2011 Posição de Ajuste Máximo e Ajuste Frouxo• Ajuste Máximo: as superfícies articulares ajustam-se perfeitamente em apenas uma posição da articulação.• Máximo contato entre as superfícies; os ligg estão sob > tensão; as estruturas articulares estão esticadas e a articulação está mecanicamente comprimida e é difícil tracionar.• Ajuste Frouxo: todas as outras posições Articulação patelofemoral• Movimentos da patela  para cima/extensão; para baixo/flexão.• Aumentar o braço da alavanca  aumentar força do quadríceps (T = f x d)• Ângulo Q (8-15º em homens e 10-19º para mulheres)• Lei do valgo  predisposição para movimento lateral da patela.• Cargas compressivas  força do quadríceps + ângulo de flexão• Movimentos de dança que aumentam a carga compressiva: grand plié, fondu, levantar-se do chão, grandes saltos (20 x peso do corpo) 56
  57. 57. 21/1/2011 Movimentos do joelho e músculosMovimentos do joelho Músculos primários Músculos secundáriosFlexão Isquiotibiais Popliteo Grácil Sartório GastrocnemioExtensão Quadríceps femoral Tensor da fáscia lataRotação externa Bíceps femoral Tensor da fáscia lataRotação interna Semitendíneo Grácil Semimembranáceo Sartório Popliteo (quando pé esta livre)Considerações chave para o joelho em relação a movimentos com todo o corpo• Músculos biarticulares• Paradoxo de Lombardi 57
  58. 58. 21/1/2011 Considerações especiais para o joelho em dança• O grand Plié• Movimento de dobradiça• Forçar o en dehor (rotação externa)• Estresse valgo  4ª posição no chão• Hiperextensão do joelho• Força excessiva do quadríceps Lesões do joelho em bailarinos• Articulação entre dois ossos longos, larga, e rasa  vulnerabilidade ao estresse valgo e varo  possibilidade de lesão dos ligamentos e meniscos.• Alta incidência de lesões em bailarinos – 16.1% - 17.3% = bailarinos de ballet clássico – 14.5% - 18% = universitários de dança – 21.1% - bailarinos de moderno 58
  59. 59. 21/1/2011 Prevenção de lesões do joelho em bailarinos• Dado que força do quadríceps em muitos bailarinos está abaixo do necessário e que este fator está fortemente ligado a incidência de lesões nas EEII, muitos bailarinos se beneficiariam com a inclusão de exercícios de força para o quadríceps e isquiotibiais nos seus programas de exercício.• Exercícios deveriam ser o mais funcional possível.• Equilíbrio adequado entre força e alongamento aliados a uma boa técnica. Prevenção de lesões do joelho em bailarinos• No âmbito da técnica: devido ao aumento do risco de lesões, as situações abaixo devem ser evitadas – Rotação excessiva da tibia em relação ao fêmur (en dehor do pé); – Estabilização inadequada do “en dehor” (rotação externa do quadril); – Deixar o joelho cair para dentro em relação aos pés; – Uso excessivo do quadríceps (hiperextensão do joelho); – Excessiva pronação dos pés 59
  60. 60. 21/1/2011 Lesões do joelho em bailarinos• Lesões ligamentares  ligs. São importantes para a estabilidade do joelho. Os lig. Mais lesionados em bailarinos são LCM e o LCA. Hiperflexibilidade generalizada predispõe lesões ligamentares. – Lesão do ligamento colateral medial – Lesão do ligamento cruzado anterior – Lesão do menisco – A tríade infeliz• Lesões do mecanismo extensor – Síndrome da dor patelo-femoral (Condromalácia patelar) – Joelho saltador – Doença de Osgood Schlatter Lesões do joelho em bailarinos• Lesão do ligamento colateral medial : resultam de uma força medial direta contra a parte lateral do joelho (força de deformação valga) que tende a abrir a parte interior do joelho  em dança: o bailarino cai sobre o outro; contato improvisação; desaceleração de pirueta; en dehor forçado do joelho em relação ao pé, rotação externa da tíbia• Sintomas: dor no aspecto medial do joelho; palpação local dolorosa, e edema.• Evitar 5ª posição, fortalecer quadríceps, evitar estresse valgo. 60
  61. 61. 21/1/2011 Lesões do joelho em bailarinos• Lesão do ligamento cruzado anterior: lesão grave; acontece com mais frequência em esportes que envolvam desaceleração, torção, giro, e saltos. Mais frequente em mulheres.• Pancada direta no aspecto lateral do joelho adicionado de rotação externa da perna, cair de um salto com joelho hiperextendido• Sintomas: joelho instável; sente-se um pop no momento da lesão; formação rápida de edema;• Lesões não graves: imobilização inicial, compressão, gelo, elevação do joelho e fortalecimento dos extensores e flexores do joelho (isométrico); reabilitação demorada. Lesões do joelho em bailarinos• Lesão do menisco: os meniscos foram desenhados para se mover com a tíbia em relação ao fêmur de forma coordenada. Se este mecanismo é comprometido o menisco pode ficar preso entre as superfícies articulares opostas provocando lesão por torque, compressão ou tração. O menisco pode ser separado, partido em pedaços ou afrouxado através ruptura de seu ponto de incersão.• Lesão do menisco medial ocorre 10 a 20 mais frequentemente que no menisco lateral.• Um dos mecanismos de lesão meniscal mais frequente é quando há extensão do joelho de uma posição flexionada, abduzida (estresse valgo) enquanto a perna está rodada externamente com o pé fixo no chão.• Em dança, acredita-se que o mecanismo opera cronicamente através de repetidos “en dhors “ forçados, desgastando ou separando o menisco. 61
  62. 62. 21/1/2011 Lesões do joelho em bailarinos• Lesão do menisco:• Em casos de lesão meniscal aguda, uma sensação de “poping”ou ruptura é experienciada, seguida de dor intensa.• É comum sentir dor no aspecto medial do joelho, edema acontece geralmente devagar.• Grand pliés podem ser dolorosos; amplitude de movimento fica restrita. Apreensão diante do agachamento está geralmente presente.• Em dias ou semanas após a lesão inicial , travamento doloroso e instabilidade são sentidos em movimentos de giro, flexão, torção. Atrofia do quadríceps geralmente procede rapidamente. Lesões do joelho em bailarinos• Lesão do menisco:• Tratamento inicial recomendado: limitar atividade, gelo, compressão, elevação e anti- inflamatório seguidos de fortalecimento do quadríceps.• Em casos graves procedimento cirurgico é necessário (artroscopia). 62
  63. 63. 21/1/2011 Lesões do joelho em bailarinos• A tríade infeliz : (lig. Cruzado anterior + lig. Colateral medial + menisco medial)  O mecanismo para esta lesão ocorre quando uma força lateral (fora) é aplicada ao joelho quando o pé for fixo na terra e em rotação externa.• Lesão grave que exige atendimento especializado imediato Lesões do joelho em bailarinos• Lesões do mecanismo extensor  incluem o quadríceps, o tendão do quad. ou a patela. – Síndrome da dor patelo-femoral (Condromalácia patelar) – Joelho saltador – Doença de Osgood Schlatter 63
  64. 64. 21/1/2011 Lesões do joelho em bailarinos• Síndrome da dor patelo-femoral : se refere a dor no aspecto anterior do joelho relacionada com a patela ou os retináculos associados a ele. Mais frequente em homens que em mulheres.• Em casos onde o desgaste da grossa cartilagem da parte posterior da patela é a causa da dor, o problema é classificado de condromalácia patelar.• Dor patelo-femoral é mais frequente em atividades que envolve alto impacto e flexão repetitiva.• Survey com 362 bailarinos pré-profissionais e profissionais mostrou 38% dos participantes com pelo menos 3 ou mais dos sintomas clássicos de dor patelo-femoral associado à bailarinos em algum período do seu teiamento. Lesões do joelho em bailarinos• Síndrome da dor patelo-femoral :• Fatores que tendem a aumentar a instabilidade da patela: genu recurvado, vasto medial fraco.• Fatores que tendem a interferir no alinhamento da patela: genu valgo, aumento do ângulo Q, trato iliotibial curto.• Sintomas: dor generalizada atrás e ao redor da patela e principalmente, medial à patela; dor ao flexionar o joelho (grand plié); dor após longos períodos sentado; dor ao descer escadas; fraquesa; edema e dor durante ou depois de atividades. 64
  65. 65. 21/1/2011 Lesões do joelho em bailarinos• Síndrome da dor patelo-femoral :• Tratamento inicial recomendado  fisioterapia, gelo após atividades, modificação das atividades, anti-inflamatório, fortalecimento do quadriceps, principalmente do vasto medial.• Movimentos de dança com alta carga compressiva tais como pliés, saltos, descidas, devem ser evitados ou modificados para a amplitude não dolorosa. Lesões do joelho em bailarinos• Joelho saltador: é a ruptura ou inflamação dolorosa do tendão patelar (tendinite). É muito comum afetar pessoas que praticam esportes em geral, principalmente os atletas que saltam muito: saltadores (distância, altura, triplo), jogadores de basquetebol e voleibol, praticantes de aeróbica de alto impacto. É muito comum também nos períodos de crescimento (puberdade e pós- puberdade).• A tendinite vem acompanhada simultaneamente de inflamação da bainha (capa) que protege o tendão (tenossinovite) e comprometimento articular. Geralmente a inflamação da bainha é mais intensa que a dos tendões propriamente. 65
  66. 66. 21/1/2011 Lesões do joelho em bailarinos• Joelho saltador:• Sinais e sintomas: Dores durante os exercícios, pouco abaixo da patela; Dor e rigidez depois de práticas esportivas; Sensibilidade a toque e edema pouco abaixo da patela; Postura antálgica para se locomover; dor aparece ao começo da atividade , desaparece ou diminui sensilvemte com o aquecimento e reaparece depois das atividades. Dor aumenta com saltos e pode ser reproduzida com extensão do joelho contra resistência. Sensação de fraquesa pode estar presente.• Possíveis causas: Aumento excessivo da carga de exercícios; Mudanças bruscas de estilo; Trabalhar em pisos duros; Fraquesa do quadriceps• Tratamento: calor ou extra aquecimento antes das atividades, gelo depois das atividades, anti-inflamatório e fisioterapia. Lesões do joelho em bailarinos• Doença de Osgood Schlatter : Osgood-Schlatter (OS) constitui uma doença osteo-muscular (e extra – articular), comum em adolescentes. Caracterizada por uma patologia inflamatória que ocorre na cartilagem e no osso da tíbia, devido ao esforço excessivo sobre o tendão patelar.• Tendo predomínio, no sexo masculino da faixa etária dos 10 aos 15 anos, praticantes de esportes especialmente os que incluem: grand-pliés, chutes, saltos e corridas.• Caracterizado por edema e dor sobre a tuberosidade tibial.• Recomenda-se gelo após as atividades e anti-inflamatórios. Os movimentos de dança devem ser modificados para sobrecarga no tendão (grand-pliés, fondu, e saltos). 66
  67. 67. 21/1/2011 Estrutura das articulações e movimentos do calcanhar e pé• O calcanhar serve de conexão entre a perna e o pé, vital o translado de forças e movimento do pé relativo a perna e da perna relativa ao pé.• Estrutura complexa que evoluiu de um órgão flexível para agarrar para uma relativa rígida estrutura, que permite tanto as demandas de carga de peso como locomoção.• A presença de vários arcos e a relativa posição das articulações desempenha dois papeis , o de alavanca rígida para propulsão e o de uma estrutura flexível para absorção de impacto.• Com todas esta grandes cargas de força sendo gerada e absorvida pelo “complexo pé-calcanhar”, não uma surpresa que este seja o local mais comum de lesões em bailarinos. Os ossos do calcanhar e do pé• 26 ossos + tíbia e fíbula• Tarso, metatarso e dedos• Retro-pé, médio-pé e ante-pé• Parte posterior, mediana e anterior 67
  68. 68. 21/1/2011 68
  69. 69. 21/1/2011Os ossos do calcanhar e do pé Vista plantar ou palmar Vista dorsalOs ossos do calcanhar e do pé Vista lateral Vista medial 69
  70. 70. 21/1/2011 Os ossos do calcanhar e do pé Estrutura das articulações e movimentos do calcanhar e pé• 34 articulações – Articulação talocrural – Articulação talocalcânea – Articulação talocalcaneonavicular – Articulação cuneonavicular – Articulação calcaneocubóidea – Articulação cuneocubóidea – Articulações intercuneiformes – Articulações tarsometatarsais – Articulações intermetatarsais – Articulações metatarsofalângicas – Articulações interfalângicas 70
  71. 71. 21/1/2011 Estrutura das articulações e movimentos do calcanhar e pé •Movimentos do pé: •Flexão plantar  extensão  articulação talocrural •Flexão dorsal  flexão  articulação talocrural •Abdução •Adução •Pronação •Supinação •Eversão  abdução + pronação + flexão dorsal  articulação subtalar •Inversão  adução + supinação + flexão plantar  articulação subtalar Estrutura das articulações e movimentos do calcanhar e pé• Lig colateral medial  Lig deltóide (tibiocalcâneo, tibiotalar ant. e post., tibionavicular )• Lig. Colateral lateral  lig. Talofibular ant. e post., lig. Calcâneofibular• O lig. Talofibular anterior é particularmente predisposto a lesões em bailarinos  geralmente torna-se crônico.• Aponeurose plantar  Membrana de tecido conjuntivo fibroso que reveste os músculos da sola do pé. 71
  72. 72. 21/1/2011 Estrutura das articulações emovimentos do calcanhar e pé Estrutura das articulações emovimentos do calcanhar e pé 72
  73. 73. 21/1/2011Estrutura das articulações emovimentos do calcanhar e pé• Aponeurose plantar ou fáscia plantar  proteção dos músculos e suporte do arco medial longitudinal Estrutura das articulações e movimentos do calcanhar e pé 73
  74. 74. 21/1/2011 Estrutura das articulações e movimentos do calcanhar e pé• Estruturas especiais do calcanhar e do pé:• Fascia plantar  manter arco longitudinal• Fascia profunda e septo intermuscular  compartimento posterior (profundo - tibial posterior, flexor longo dos dedos, flexor longo do hálux; e superficial - soleo e gastrocnemio), compartimento anterior – tibial anterior, extensor longo dos dedos, extensor longo do hálux; compartimento lateral – fibular longo e curto• Retináculo – faixas de tecido conjuntivo  manter tendões no lugar• Bainha tendínea – cobre os tendões• Bolsa de gordura do calcanhar  proteção e absorção de choque• Ossos sesamóides  alavanca e proteção• Bursas  proteção• Músculos Músculos do calcanhar e pé• 24 músculos  12 intrínsecos e 12 extrínsecos• Extrínsecos  músculos que se originam na perna e se inserem no pé (grupo anterior, grupo lateral, grupo posterior profundo e grupo posterior superficial)• Intrínsecos  inserção proximal e distal no pé. (Dorsais, plantares) 74
  75. 75. 21/1/2011 Músculos do calcanhar e pé• Grupo anterior (crural) – Tibial anterior – Extensor longo dos dedos – Extensor longo do hálux – Fibular terceiro 75
  76. 76. 21/1/2011Músculos do calcanhar e pé -Grupo anterior (crural)• Tibial anterior• Inserção Proximal: Côndilo lateral da tíbia e ½ proximal da face lateral da tíbia e membrana interóssea• Inserção Distal: Cuneiforme medial e base do 1º metatarsal• Inervação: Nervo Fibular Profundo (L4 - S1)• Ação: Flexão dorsal e inversão do péMúsculos do calcanhar e pé -Grupo anterior (crural)• Extensor longo dos dedos• Inserção Proximal: Côndilo lateral da tíbia, ¾ proximais da fíbula e membrana interóssea• Inserção Distal: Falange média e distal do 2º ao 5º dedos• Inervação: Nervo Fibular Profundo (L4 - S1)• Ação: Extensão da MF, IFP e IFD do 2º ao 5º dedos 76
  77. 77. 21/1/2011Músculos do calcanhar e pé -Grupo anterior (crural)• Extensor longo do hálux• Inserção Proximal: 2/4 intermediários da fíbula e membrana interóssea• Inserção Distal: Falange distal do hálux• Inervação: Nervo Fibular Profundo (L4 - S1)• Ação: Extensão do hálux, flexão dorsal e inversão do péMúsculos do calcanhar e pé -Grupo anterior (crural)• Peroneo (Fibular) terceiro• Inserção Proximal: 1/3 distal da face anterior da fíbula• Inserção Distal: Base do 5º metatarsal• Inervação: Nervo Fibular Profundo (L5 - S1)• Ação: Eversão do pé• Considaerado como parte do extensor longo dos dedos. 77
  78. 78. 21/1/2011 Músculos do calcanhar e pé• Grupo Lateral – Fibular longo – Fibular curtoMúsculos do calcanhare pé - Grupo lateral• Fibular longo• Inserção Proximal: Cabeça, 2/3 proximais da superfície lateral da fíbula e côndilo lateral da tíbia• Inserção Distal: 1º metatarsal e cuneiforme medial• Inervação: Nervo Fibular Superficial (L4 - S1)• Ação: Flexão plantar e eversão do pé 78
  79. 79. 21/1/2011Músculos do calcanhare pé - Grupo lateral• Fibular curto• Inserção Proximal: 2/3 distais da face lateral da fíbula• Inserção Distal: Base do 5º metatarsal• Inervação: Nervo Fibular Superficial (L4 - S1)• Ação: Flexão plantar e eversão do pé Músculos do calcanhar e pé• Grupo posterior superficial – Gastrocnêmio – Soleo – Plantar delgado• Grupo posterior profundo – Flexor Longo dos Dedos – Flexor Longo do Hálux – Tibial Posterior o posterior superficial 79
  80. 80. 21/1/2011Músculos do calcanhar e pé -Grupo posterior superficial• Gastrocnêmio• Inserção Proximal: Côndilo medial do fêmur• Inserção Proximal: Côndilo lateral do fêmur• Inserção Distal: Calcâneo• Inervação: Nervo Tibial (S1 - S2)• Ação: Flexão do joelho e flexão plantar do tornozeloMúsculos do calcanhar e pé -Grupo posterior superficial• Sóleo• Inserção Proximal: 1/3 intermédio da face medial da tíbia e cabeça da fíbula Inserção Distal: Calcâneo (tendão dos gastrocnêmios) Inervação: Nervo Tibial ( L5 - S1) Ação: Flexão plantar do tornozelo 80
  81. 81. 21/1/2011Músculos do calcanhar e pé -Grupo posterior superficial• Plantar• Inserção Proximal: Côndilo lateral do fêmur Inserção Distal: Calcâneo Inervação: Nervo Tibial (L4 - S1) Ação: Auxilia o tríceps suralMúsculos do calcanhar e pé -Grupo posterior profundo• Flexor longo dos dedos• Inserção Proximal: Face posterior da tíbia• Inserção Distal: Falanges distais do 2º ao 5º dedo• Inervação: Nervo Tibial (L5 - S1)• Ação: Flexão plantar e inversão do tornozelo, flexão da MF, IFP e IFD do 2º ao 5º dedos 81
  82. 82. 21/1/2011Músculos do calcanhar e pé –Grupo posterior profundo• Flexor longo do hálux• Inserção Proximal: 2/3 distais da face posterior da fíbula e membrana interóssea• Inserção Distal: Falange distal do hálux• Inervação: Nervo Tibial (L5 - S2)• Ação: Flexão do hálux, flexão plantar e inversão do tornozeloMúsculos do calcanhar e pé –Grupo posterior profundo• Tibial posterior• Inserção Proximal: Face posterior da tíbia e 2/3 proximais da fíbula e membrana interóssea• Inserção Distal: 3 cuneiformes (medial , médio e lateral), cubóide, navicular e base do 2º ao 4º metatarsais• Inervação: Nervo Tibial (L5 e S1)• Ação: Flexão plantar e inversão do pé 82
  83. 83. 21/1/2011 83
  84. 84. 21/1/2011 84
  85. 85. 21/1/2011 85
  86. 86. 21/1/2011 Músculos intrínsecos• Região Plantar Medial • Região Dorsal – Abdutor do Hálux – Extensor Curto dos Dedos – Flexor Curto do Hálux – Extensor Curto do Hálux – Adutor do Hálux • Região Plantar Média• Região Plantar Lateral – Flexor Curto (Plantar) dos Dedos – Abdutor do Mínimo – Quadrado Plantar – Flexor Curto do Mínimo – Lumbricais – Interósseos Plantares – Interósseos DorsaisMúsculos intrínsecosRegião Plantar Medial• Abdutor do Hálux• Inserção Proximal: Calcâneo• Inserção Distal: Falange proximal do hálux• Inervação: Nervo Plantar Medial (L5 – S1)• Ação: Flexão e abdução do hálux 86
  87. 87. 21/1/2011Músculos intrínsecosRegião Plantar Medial• Flexor curto do hálux• Inserção Proximal: Cubóide e cuneiforme lateral• Inserção Distal: Falange proximal do hálux• Inervação: Nervo Plantar Medial e Lateral (L5 – S1)• Ação: Flexão da MF do háluxMúsculos intrínsecosRegião Plantar Medial• Dutor do hálux• Inserção Proximal: 2º, 3º e 4º metatarsal• Inserção Distal: Falange proximal do hálux• Inervação: Nervo Plantar Lateral (S2 – S3)• Ação: Adução do hálux 87
  88. 88. 21/1/2011Músculos intrínsecosRegião Plantar lateral• Abdutor do mínimo• Inserção Proximal: Calcâneo• Inserção Distal: Falange proximal do 5º dedo• Inervação: Nervo Plantar Lateral (S2 – S3)• Ação: Abdução do 5º dedoMúsculos intrínsecosRegião Plantar lateral• Flexor curto do mínimo• Inserção Proximal: Cubóide• Inserção Distal: Falange proximal do 5º dedo• Inervação: Nervo Plantar Lateral (S2 – S3)• Ação: Abdução do 5º dedo 88
  89. 89. 21/1/2011Músculos intrínsecosRegião plantar media• Flexor Curto (Plantar) dos Dedos• Inserção Proximal: Calcâneo• Inserção Distal: Falange proximal do 5º dedo• Inervação: Nervo Plantar Lateral (S2 – S3)• Ação: Abdução do 5º dedoMúsculos intrínsecosRegião plantar media• Quadrado Plantar• Inserção Proximal: Calcâneo• Inserção Distal: Falange proximal do 5º dedo• Inervação: Nervo Plantar Lateral (S2 – S3)• Ação: Abdução do 5º dedo 89
  90. 90. 21/1/2011Músculos intrínsecosRegião plantar media• Lumbricais• Inserção Proximal: Calcâneo• Inserção Distal: Falange proximal do 5º dedo• Inervação: Nervo Plantar Lateral (S2 – S3)• Ação: Abdução do 5º dedoMúsculos intrínsecosRegião plantar media• Interósseos Plantares• Inserção Proximal: Calcâneo• Inserção Distal: Falange proximal do 5º dedo• Inervação: Nervo Plantar Lateral (S2 – S3)• Ação: Abdução do 5º dedo 90
  91. 91. 21/1/2011Músculos intrínsecosRegião plantar media• Interósseos Dorsais• Inserção Proximal: Calcâneo• Inserção Distal: Falange proximal do 5º dedo• Inervação: Nervo Plantar Lateral (S2 – S3)• Ação: Abdução do 5º dedoMúsculos intrínsecosRegião dorsal• Extensor curto dos dedos• Inserção Proximal: Calcâneo• Inserção Distal: Falange proximal do 5º dedo• Inervação: Nervo Plantar Lateral (S2 – S3)• Ação: Abdução do 5º dedo 91
  92. 92. 21/1/2011Músculos intrínsecosRegião dorsal• Extensor curto do Hálux• Inserção Proximal: Calcâneo• Inserção Distal: Falange proximal do 5º dedo• Inervação: Nervo Plantar Lateral (S2 – S3)• Ação: Abdução do 5º dedo Alinhamento e desvios das articulações do calcanhar e pé• Torsão tibial (interna ou externa)• Arcos do pé  longitudinal medial (tib. Post., Flex. Hal. Long., tib. Ant., lig. Calcaneonavicular plantar, aponeurose plantar, ligs. Platar longo e curto) , longitudinal lateral e arco transversal• Pé plano e pé cavo  arcos do pé• Pé vago pronação excessiva) e pé varo (supinação excessiva)  relação calcanhar tibia.• Dedos em garra e dedos em martelo• Hallux valgo (joanete) 92
  93. 93. 21/1/2011 Alinhamento e desvios dasarticulações do calcanhar e pé 93
  94. 94. 21/1/2011 Mecânica do calcanhar e do pé• Distribuição do peso sobre o pé durante a posição vertical  durante a postura ereta sobre os pés - 50% no calcanhar e 50% distribuídos entre os 5 metatarsos• Influencia da flexão plantar e dorsal sobre a estabilidade  forquilha maleolar e forma do talus (face anterior + larga que posterior) estabilidade durante flexão dorsal e mobilidade durante flexão plantar.• Influência da pronação e supinação sobre a mecânica do pé  supinação = estabilidade = arco longitudinal lateral = alavanca rígida para propulsão / pronação = mobilidade = arco longitudinal medial = absorção de choque e acomodação a terrenos irregulares. 94
  95. 95. 21/1/2011 Análise muscular dos movimentos do calcanhar e do péMovimento Músculos primários Músculos secundáriosTornozelo – péFlexão plantar Tríceps sural: Tibial posterior gastrocnemio, sóleo Flexor longo do hálux Flexor longo dos dedos Peroneo longo Peroneo curtoFlexão dorsal Tibial anterior Extensor longo do hálux Extensor longo dos Peroneo terceiro dedos Análise muscular dos movimentos do calcanhar e do péMovimento Músculos primários Músculos secundáriosPéInversão Tibial posterior Flexor longo do hálux Tibial anterior Flexor longo dos dedos Extensor longo do háluxEversão Peroneo logo Extensor longo dos Peroneo curto dedos Peroneo terceiro 95
  96. 96. 21/1/2011 Análise muscular dos movimentos do calcanhar e do pé Movimento Músculos primários Músculos secundários Dedos (músculos extrínsecos) Flexão Hálux - dedão Flexor longo do hálux Dedos 2-5 Flexor longo dos dedos Extensão Hálux - dedão Extensor longo do hálux Dedos 2-5 Extensor longo dos dedos Considerações chaves para o calcanhar e do pé, em relação ao movimento do corpo como um todo • Pronação e supinação durante a marcha • Fases da marchaFase de apoio Fase de balanço1o duplo apoio Apoio simples 2o duplo apoio Balanço inicial balanço medio Balanço terminalContato Resposta à apoio Apoio Pré-balançoinicial carga medio terminalpronação supinação 96
  97. 97. 21/1/2011 Considerações chaves para o calcanhar e do pé, em relação ao movimento do corpo como um todo• Relação entre perna e pé  eixo oblíquo da articulação subtalar + pé sob carga do corpo = acoplamento de movimentos (supinação  rotação externa da perna; pronação  rotação interna da perna) Considerações especiais do calcanhar e do pé relacionados à dança• Meia-ponta, ponta e os músculos de estribo.• Flexor longo dos dedos e do hálux tem o efeito de produzir e acentuar o arco do pé na ponta (empurram o pé para frente) 97
  98. 98. 21/1/2011 Considerações especiais do calcanhar e do pé relacionados à dança• Músculos do estribo – tibial posterior, tibial anterior e peroneo longo  funcionam em conjunto para elevar o arco do pé e manter o equilibrio durante a meia-ponta e a ponta.• Extentendo o pé em cadeia cinemática aberta  tendu: lumbricais e interósseos mantém os dedos estendidos Considerações especiais do calcanhar e do pé relacionados à dança• Alinhamento joelho-pé  linha passando pelo centro da patela e pelo segundo dedo quando em pé ou dobrando os joelhos (plié)  atenção deve ser dada para não pronar o pé, rodar a tíbia internamente como compensação a pouca rotação externa do quadril.• Começo do trabalho com pontas  10/11 anos de idade e em caso de pelo menos bom treinamento por 3 ou 4 anos antes, e exibirem força suficiente e técnica adequada. Pelo menos para começar o trabalho na barra. 3 a 4 meses de preparação muscular são fortemente aconselhados• Muitos bailarinos exibem fraqueza nos evertores relativo aos inversores. 98
  99. 99. 21/1/2011 Lesões do calcanhar e do pé em bailarinos• O complexo calcanhar-pé é lugar de lesões mais frequente em bailarinos.• Ballet clássico - 38%, 42.4% e 48.5%; dança moderna 26.6%, 36%, e 38% de todas as lesões acontecem neste complexo.• Prevenção: Executar exercícios suplementares para fortalecer os músculos do calcanhar-pé, alongar frequentemente os flexores dorsais para melhorar absorção de choque e evitar pronação excessiva; posicionar o peso do corpo sobre o eixo do pé e evitar excessiva inversão/eversão, manter rotação externa no quadril para prevenir pronação do pé, usar profundidade adequada no plié para diminuir impacto proveniente de saltos. Lesões do calcanhar e do pé em bailarinos• Reabilitação de lesões do calcanhar-pé: – Recomendação inicial  gelo e anti-inflamatório; – Uso repetitivo de esteróides tem sido relacionado com enfraquecimento e ruptura dos tecidos moles; – Banhos de contraste, massagem, ultra-som, fonoforese, são geralmente usados para reduzir a dor e aumentar amplitude de movimento; – Tão logo os sintomas permitam, alongamento e exercícios para amplitude de movimento em amplitude não dolorosa devem ser iniciados. – Da mesma forma, tão logo sintomas permitam os exercícios para fortalecimento muscular serão adicionados, desenvolvendo de esercícios isolados para exercícios funcionais e exercícios proprioceptivos. – Hidroginástica e exercícios no reformer (pilates) podem ser usados enquanto o pé não poder receber carga de força compressiva total. – Exercícios proprioceptivos são de vital importaância na reabilitação. – Por último, assim que sintomas permitam, movimentos de dança devem ser reintroduzidos no plano de exercícios. 99
  100. 100. 21/1/2011 Lesões do calcanhar e do pé em bailarinos• Entorce do tornozelo  lesão mais comum em bailarinos  envolve ligamentos no calcanhar e articulação subtalar  cerca de 85% dos entorces envolvem inversão do pé.• Tendem a correr em posição instável de relativa flaxão plantar, durante carga ou descarga do pé tais como retornando de um salto, caindo de um giro ou um passo mal calculado.• Grau I  torção leve envolvendo ruptura parcial do lig. Talofibular anterior e ocasionalmente o lig. Tibiofibular anterior com pouca ou nenhuma instabilidade resultante.• Grau II  geralmente ruptura completa do lig. Talofibular anterior com dano minimal do lig. Calcaneofibular. (mais comum em bailarinos)• Grau III  raros, ruptura completa dos ligamentos laterais resultando em compleat instabilidade do calcanhar.• Edema ocorre imediatamente (maléolo lateral)• Descanso, gelo, compressão, elevação Lesões do calcanhar e do pé em bailarinos• Fascite plantar: processo inflamatório que envolve a fascia plantar. É ela que impede que o pé desabe durante o marcha e, por suportar forças muito grandes, freqüentemente é acometida por pequenas rupturas junto à sua inserção no osso do calcanhar.• O sintoma principal é a dor, que caracteristicamente é pior nos primeiros passos, pela manhã ou após um curto período de repouso.• Causas: atividade por tempo prolongado envolvendo salto.• Gelo, alongamento do flexores plantar do pé, repouso, sola alcochoada, fortalecimento dos músculos intrínsecos e extrínsecos.• Um programa dos exercícios em casa para alongar o tendão de Aquiles e a fascia plantar são essenciais para a recuperação da lesão e diminuir a possibilidade do retorno. 100
  101. 101. 21/1/2011 Lesões do calcanhar e do pé em bailarinos• Tendinite  A tendinite é uma síndrome de excesso de uso em resposta a inflamação local devido a microtraumas repetidos que podem ocorrer devido a desequilíbrios musculares ou fadiga, alterações nos exercícios ou nas rotinas funcionais, erros de treinamento ou uma combinação de vários desses fatores.• O tendão de aquiles é coberto por um paratendão ao invés de bainha tendínea.• Estudo: (em corredores) pé cavo, pronação exacerbada, flexores plantar fracos e curtos (McCrory et al, 1999)• Solos duros aumentam a incidencia.• Sintomas: dor e inchaço na area logo acima do calcanhar, rigidez pela manhã, amplitude de movimento diminuida. Dor aumenta com relevés e saltos Lesões do calcanhar e do pé em bailarinos• Tratamento: reduzir a dor e inflamação com descanso, compressão, elevação e antiinflamatórios. Gelo também pode ser usado em lesões agudas. ultra-som para aquecer tecidos mais profundos e melhorar o fluxo sanguíneo. Iontoforese também pode ser usada. Alongamento suave e exercícios de fortalecimento são adicionados gradualmente. Massagem do tecido mole também pode ajudar.• Para prevenir a inflamação e reduzir sua gravidade e recorrência recomenda-se: – Realizar aquecimento e alongamento antes de atividades físicas. – Fortalecer a musculatura ao redor da articulação. – Fazer paradas freqüentes ao realizar atividades repetitivas. – Praticar boa postura corporal ao realizar atividades diárias. – Começar novos exercícios físicos lentamente. – Aumentar gradualmente a demanda física depois de várias sessões de exercícios bem tolerados. 101
  102. 102. 21/1/2011 Lesões do calcanhar e do pé em bailarinos• Tendinite do flexor longo do hálux (alta prevalência em bailarinos clássicos)  papel estabilizador contra eversão excessiva em ponta e meia-ponta.• Tendão passa trás do maleolo medial, região que pode inchar e ficar dolorida. Agrava-se com meia ponta (extensão/flexão do dedão)• Anti-inflamatório, massagem transversa profunda, massagem com gelo, alongamento e fortalecimento do FLH.• Evitar temporariamente o relevé ou trabalho de ponta. Lesões do calcanhar e do pé em bailarinos• Síndrome do Estresse Tibial Medial (Canelite)  é um distúrbio complexo e controverso que pode afetar qualquer atleta corredor. Ela é definida como uma dor e desconforto na perna causada por corrida repetitiva numa superfície dura ou por uso excessivo dos flexores do pé.• Causas - A STTM é periostite causada por tensão excessiva na borda medial da tíbia por fatores múltiplos: – Alterações biomecânicas – Aumentos súbitos na intensidade do treinamento e duração – Alterações no calçado e superfície de treinamento – Lesões de partes moles – Falta de alongamento (inelasticidade muscular) – Anormalidades na inserção muscular – Pronação anormal 102
  103. 103. 21/1/2011 Lesões do calcanhar e do pé em bailarinos• Apresentação clínica: Dor contínua, progressiva e prolongada na metade distal na região póstero medial da tíbia. A dor é aliviada com o repouso e piora com a atividade física. Queda do desempenho como conseqüência ou limitação. Dor na tíbia distal com ou sem leve edema (a área é mais difusa que a fratura por stress) Pode haver dor com elevação dos dedos do pé ou pela flexão plantar resistida Tratamento - A maioria STTM é de tratamento conservador. Faz-se necessário repouso relativo (dois a quatro meses), mantendo o condicionamento físico com atividades sem impacto e indolores como bicicleta e natação. Medidas gerais devem ser tomadas como a diminuição da intensidade e duração do treino, além de mudar a superfície do terreno da corrida. Pode ser usado: antiinflamatórios, gelo, fisioterapia analgésica e alongamento do Aquiles. Alguns casos são necessários à utilização de órteses ou palmilha para correção da pronação. O retorno as atividades deve ser gradual não se esquecendo do alongamento e condicionamento progressivo. Lesões do calcanhar e do pé em bailarinos• Síndrome compartimental crônica (perna)  A síndrome compartimental é caracterizada por dor na região anterior da perna durante e após a prática esportiva. Geralmente, a dor é bilateral, pode aumentar de acordo com a intensidade do exercício e cessar no repouso. Pode haver parestesia. Durante o exercício o volume muscular pode aumentar até 20% e isso pode contribuir com a elevação da pressão intra-compartimental. Com isso, o fluxo sangüíneo para a musculatura é reduzido e o atleta tem dor. O diagnóstico pode ser feito através da medida da pressão intra- compartimental com um cateter. 103

×