Verificab..

2.377 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.377
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
764
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
65
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Verificab..

  1. 1. Ficha Informativa – 11º Ano FILOSOFIA Tema: VALIDADE E VERIFICALIDADE DAS HIPÓTESES É na terceira etape do método hipotético-dedutivo - experimentação – que se coloca a questão da validação dahipótese. Como validar as hipóteses? Que critério para que a hipótese tenha maior cientificidade?Há duas teorias que procuram responder a esta problemática:A – Verificacionismo (defendida pelos pensadores do Círculo de Viena)- O conhecimento científico resulta do método indutivo – este método é usado em ciências como a Física e aBiologia (Observação, hipótese e generalização)- as experiências servem para verificar ou confirmar as hipóteses;- a hipótese só é válida se a observação natural ou laboratorial dos factos estiver de acordo com essa mesmahipótese.- A verificação e a confirmação experimental são o critério para distinguir o que é científico e o que não é.Podemos colocar alguns problemas em relação a esta perspectiva:Sendo a hipótese geral e os factos observados particulares, verificada a consequência, estará verificada ahipótese?David Huma defendia o carácter ilusório do método indutivo; A repetição e o hábito podem não ser garantia degeneralização;B – Falsificacionismo (defendida por Karl Popper)- Não concorda com o método indutivo e defende o método hipotético-dedutivo (conjectural) – ler texto dosalmão, p.190 do manual.(Observação, hipótese ou conjecrura, experimentação e lei);- As experiências não servem para confirmar as hipóteses mas para as refutar – falsificação;- As teorias ou hipóteses têm de ser refutáveis ou falsificaveis;- As teorias que resistem à falsificação, são cientificamente válidas - é a experiência que testa a resistência dahipótese à sua falsificação;Ex. Todos os cisnes são brancos – basta encontrar um cisne preto para ser falsificável e esta a missão docientista: falsificar (encontrar um cisne de outra cor) e não confirmar (encontrando mais cisnes brancos)- A hipótese é uma mera conjectura, ou seja, um quadro de intelegibilidade válido – se não se confirmar, oumelhor, se resistir à falsificação o cientista terá de abandonar e reformular a hipótese.- Segundo esta perspectiva do ponto de vista lógico uma teoria nunca é comprovada mas pode ser ou nãorefutada – o 5700º cisne branco a aparecer não prova que todos os cisnes sejam brancos, mas o primeiro cisnepreto prova que nem todos os cisnes são brancos;KARL POPPER defende que:- A ciência está em revolução permanente;- As hipóteses podem ser falsificáveis e substituidas;
  2. 2. - A ciência avança por conjecturas e refutações;- A ciência é um conjunto de hipóteses provisórias que serão substituidas por outras mais válidas. Porém estasubstituição não se dá ao acaso: acontece se a teoria é insuficiente para explicar os problemas ou se surgemnovos problemas que essa teoria não consegue explicar.Tema: A RACIONALIDADE CIENTIFICA E A QUESTÃO DA OBJECTIVIDADESerá a Ciência objectiva? Poder-se-á afastar o sujeito da investigação científica?- A ciência é o esforço racional de compreensão, clarificação e visão do essencial dos fenómenos – daquilo queé objectivo;- O cientista terá de se esquecer da sua subjectividade para fazer ciência com objectividade;- Para afastar o acessório e o acidental na ciência, Bachelard defende a “psicanálise do conhecimento objectivo”que é um processo mental para purificar a mente do cientista de todos os obstáculos;-A ciência moderna: Galileu aliou a racionalidade à objectividade usando a linguagem matemática, valorizandoas qualidades objectivas pois só essas podem ser quantificáveis (altura, peso); Descartes, no sèc. XVII valorizaas qualidades primárias porque só estas são objectivas - A objectividade liga-se à quantificação.A objectividade científica segundo o:1- Positivismo (Círculo de Viena) - a ciência é um conhecimento verdadeiro, certo, descritivo e objectivo, os factos podem ser descritos com rigor e exactidão, podem ser medidos.O cientista é um ser neutro. Este é o paradigma da modernidade ou o mito do cientismo.2- Karl Popper – critica o positivismo defendendo que a ciência não não é a descrição objectiva, certa do fenómeno em si. Não há factos puros e o cientista não é neutro mas sim um sujeito activo que tem um quadro teórico de referência (ideias, valores e princípios). É criativo e crítico. A verdade é aproximada e as teorias têm de ser cada vez melhores. As teorias não são verdadeiras mas verosimeis. Conceitos centrais da epistemologia de Popper são: conjectura, falsificabilidade e verosimilhança.3- Thomas Khun – o cientista não é neutro mas condicionado e contextualizado. A investigação científica depende da época (factos, conhecimentos, regras e técnicas). Uma teoria científica ou paradigma científico é válido numa determinada época e reina numa comunidade científica pois só nestas se faz ciência.Com base nos paradigmas que toda a comunidade cientifica aceita vive-se aquilo que Khun chama ciência normal. Se surgem anomalias (factos não explicados pelo paradigma) a ciência torna-se ciência extraordinária e dá-se uma revolução científica com o surgimento de um novo paradigma mais amplo e que é oposto ao paradima anterior. Entre o velho e o novo paradigma há uma incomensurabilidade ou um conflito. A mudança do velho paradigma não cumulativa mas é um modo qualitativamente diferente de olhar o real. A verdade e objectividade ligam-se ao paradigma e, claro, na época. O método científico exige experimentação e argumentação (metáforas, analogias e exemplos). Sujeito e objecto não são puros – há sempre subjectividade quer na descoberta de novas teorias quer na sua justificação. Mais do que objectividade deve falar-se de intersubjectividade. E se dois cientistas investigam o mesmo fenómeno e têm teorias explicativas opostas?
  3. 3. Para concluir...- A ciência moderna de Galileu e Descartes evoluiu para a ciência pós-moderna de Einstein e Heisenberg – jánão é uma concepção de ciência certa, objectiva e verdadeira.A objectividade na ciência não depende só do uso de instrumentos técnicos - ao estudar um fenómeno ocientista intervem nele, altera-o);- A objectividade não é, na ciência, nem definitiva nem absoluta – é antes um resultado incerto que resulta de umesforço intersubjectivo de vários cientistas que formam sa comunidades científicas.- Embora os cientistas lutem pela objectividade, eles são influenciados por factores ideológicos porque estudarum fenómeno e não outro?), económicos( o financiamento dos governos e as descobertas que podem fazer subiras acções das empresas) e estéticos (critérios do belo de uma determinada época,- A ciência é, por isso, contextualizada, histórica, cultural, é situada e interessadaA RACIONALIDADE CIENTÍFICA – Como entendê-la?- Tradicionalmente, entendia-se a ciência como: objectiva, neutra, certa, necessária, universal e demonstrativa.O cientista era visto como um ser puramente racional e imparcial.- Hoje, a objectividade foi substituida pela intersubjectividade, a sua racionalidade é condicionada e relativa, averdade é verosímil e plausível e é demontrativa e argumentativa.A CIÊNCIA É UM DOS MODOS POSSÍVEIS DE LER O REAL – é uma interpretação tal como a pintura, apoesia e a filosofia.Indicações para o teste.- Definir Epistemologia;- Definir e caracterizar o senso comum;- Definir e caracterizar a ciência;- Karl Popper e a continuidade epistemológica: ideias gerais;- Gaston Bachelard e a descontinuidade epistemológica: ideias gerais;- O verificacionismo e o falsificacionismo- As epistemologias de Karl Popper e Thomas Khun;- Qual o sentido de objectividade da ciência? Qual o sentido de racinalidade da ciência?O teste constará de quatro temas para desenvolver, com a cotação de 50 pontos cada.O dia será à vossa escolha...previamente avisada a professora, claro! Rosa Sousa

×