Por quê Bola de Neve?         O nome "Bola de Neve" vem da            proposta dos fundadores       que tinham por objetiv...
História                             A Igreja Bola de Neve “Church”                      éum segmento da religião evangéli...
Considerada a igreja dos surfistas e “skatista”, do      seu nascimento até os dias atuais.Em decorrência da dessacralizaç...
Os primeiros cultos ocorreram bem como à ideologia da eternano auditório de uma empresa de juventude.artigos de surfwear, ...
Além de praticar esportes radicais, os jovens participam de torneios esportivos promovidos pela própria igreja, fazem  chu...
A Igreja Bola de Neve não regulamenta nem padroniza a aparência dosjovens. Isso não quer dizer, no entanto, que esse grupo...
Ap bola de neve
Ap bola de neve
Ap bola de neve
Ap bola de neve
Ap bola de neve
Ap bola de neve
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ap bola de neve

1.046 visualizações

Publicada em

Trabalho de FCR.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.046
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ap bola de neve

  1. 1. Por quê Bola de Neve? O nome "Bola de Neve" vem da proposta dos fundadores que tinham por objetivo propagar o trabalho como uma bola de neve, aumentando de tamanho e alcance ao longo do tempo.
  2. 2. História A Igreja Bola de Neve “Church” éum segmento da religião evangélica neopentecostal. Ela surgiu na cidade de São Paulo, mas já é possível encontrá-la em várias cidades brasileiras.Foi fundada pelo Pastor Rinaldo Luiz deSeixas Pereira. Antes de criar a Bola deNeve, em 1994 o Pastor Rinaldodesempenhava um trabalho na IgrejaRenascer em Cristo no bairro de Perdizesem São Paulo.
  3. 3. Considerada a igreja dos surfistas e “skatista”, do seu nascimento até os dias atuais.Em decorrência da dessacralização do Estado e do fim do monopólio católico,desenvolveu-se no Brasil um campo de disputa entre diferentes práticas e confissões religiosas, que estãodispostas a oferecer novos serviços para cativar segmentos ainda não contemplados em suas demandas pelos empreendimentos religiosos.
  4. 4. Os primeiros cultos ocorreram bem como à ideologia da eternano auditório de uma empresa de juventude.artigos de surfwear, com Não tendo onde apoiar acapacidade para 130 pessoas. bíblia, em uma dasMesmo não sendo um localadequado à realização de reuniões Rina avistou aocelebrações religiosas, o pastor longe uma pranchaaprpara construir a imagem da longboard que pertencia ànova organização que loja e teve a idéia desurgia, associando-a convertê-la emà prática de púlpito, o que seesportes radicais, à tornou a marca valorização da saúdefísica e do corpo perfeito da congregação.
  5. 5. Além de praticar esportes radicais, os jovens participam de torneios esportivos promovidos pela própria igreja, fazem churrasco, saem para passear, vão regularmente à praia eassistem a shows de bandas gospel, cujos ritmos e melodiasmusicais são tão semelhantes à música secular que fica difícil distingue-los. Na “igreja surfista”, expressão empregada pela mídia, há espaço para os mais diversificados e modernos estilosmusicais. Os mais variados ritmos são tocados, desde o rock até o funk.
  6. 6. A Igreja Bola de Neve não regulamenta nem padroniza a aparência dosjovens. Isso não quer dizer, no entanto, que esse grupo religiosonão possua identidade estética. Os fiéis assim como o apóstolo Rina – que usa calça jeans, camiseta e tênis – parecem interessados em construir uma identidade estética moderna emoposição à imagem estereotipada do “crente evangélico”. Dessa forma, procuram secularizar a imagem dos fiéis a fim de que sejam semelhantes, pelo menos na aparência, ao público externo, considerado cliente em potencial. Esse processo de secularização envolve a liberalização dos costumes de santidade e a flexibilização dos códigos de conduta.

×