Relatório Eficiência Energética - Pedro Victor Gomes

293 visualizações

Publicada em

PROJETO DE EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DO TERMINAL DE CARGAS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SALVADOR – DEPUTADO LUIS EDUARDO MAGALHÃES

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
293
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório Eficiência Energética - Pedro Victor Gomes

  1. 1. 1 ÁREA1 – FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PROJETO DE EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DO TERMINAL DE CARGAS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SALVADOR – DEPUTADO LUIS EDUARDO MAGALHÃES PEDRO VICTOR GOMES CABRAL DE BRITO Salvador 2012
  2. 2. 2 PROJETO DE EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DO TERMINAL DE CARGAS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SALVADOR – DEPUTADO LUIS EDUARDO MAGALHÃES Projeto Acadêmico apresentado como requisito parcial de avaliação da disciplina Eficiência Energética, sob orientação do professor Raimundo Souza Nascimento. Salvador 2012
  3. 3. 3 SUMÁRIO 1 OBJETIVO.......................................................................................................................................... 4 2 DESENVOLVIMENTO ..................................................................................................................... 5 2.1 Configurações do Sistema Elétrico do Terminal de Cargas.......................................................... 5 2.2 Perfil Energético do Terminal de Cargas ...................................................................................... 6 2.3 Análise das contas de Energia....................................................................................................... 6 2.4 Variações das parcelas da fatura de energia elétrica do Terminal de Cargas................................ 7 2.5 Carregamento dos transformadores da Subestação..................................................................... 10 2.6 Levantamento das principais cargas instaladas no Terminal de cargas....................................... 11 2.6.1 Sistema de iluminação do galpão de armazenagem de cargas ............................................. 11 2.6.2 Sistema de Iluminação do Pátio de Aeronaves 03................................................................ 11 2.6.3 Sistema de refrigeração ........................................................................................................ 13 2.6.4 Sistema de iluminação da área externa................................................................................. 13 2.6.5 Sistema de câmaras frigoríficas............................................................................................ 13 2.7 Oportunidades de Eficientização Energética das Instalações Elétricas....................................... 13 2.8 Desenvolvimento das soluções de Eficientização Energética das Instalações Elétricas............. 15 3 REDUÇÃO DO CONSUMO............................................................................................................. 17 4 RELAÇÃO DE MATERIAIS NECESSÁRIOS ................................................................................ 24 5 CÁLCULO DO RETORNO DE INVESTIMENTO ......................................................................... 26 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS............................................................................................................ 27
  4. 4. 4 1 OBJETIVO O presente relatório visa apresentar de maneira sucinta todas as etapas referentes ao estudo que teve como desígnio encontrar oportunidades de eficientização energética das instalações elétricas do Terminal de Logística de Cargas do Aeroporto Internacional de Salvador – Deputado Luis Eduardo Magalhães. Figura 1 – Panorâmica do Aeroporto Deputado Luis Eduardo Magalhães. Fonte: Infraero
  5. 5. 5 2 DESENVOLVIMENTO O Terminal de logística de Carga Internacional é a área do sito aeroportuário onde as cargas vivas e não-vivas passam pelos procedimentos legais antes de serem enviadas ao seu local de destino seja no Brasil ou no exterior. Esta edificação é formada pelo galpão de armazenagem de cargas, área de carga e descarga do lado AR, área de carga e descarga lado terra, Pavimento térreo, Pavimento superior, Subestação do Terminal de cargas e Casa de Máquinas do Terminal de cargas. Esta edificação funciona 24 horas por dia, sete dias por semana sendo que das 08:00h às 17:00h funciona em regime administrativo e no resto do dia funciona com os empregados que trabalham em regime de revezamento, inclusive nos feriados. Figura 2 – Terminal de Cargas lado terra. Fonte: Autoria própria. 2.1 Configurações do Sistema Elétrico do Terminal de Cargas O Sistema elétrico do Terminal de Cargas do Aeroporto Internacional de Salvador é formado por uma subestação alimentada em 11.9 kV, com dois transformadores de potência, a seco, trifásicos, potência de 500 kVA cada, tensão entre fases de 380 V e tensão entre fase e
  6. 6. 6 neutro de 220 V. Além disso, essa subestação possui um grupo gerador potência de 250 kVA. No Terminal de Cargas estão instalados na parte superior, na sala de Telemática, dois No- Breaks trifásicos de 10 kVA. 2.2 Perfil Energético do Terminal de Cargas Como não foi possível instalar um analisador de qualidade de energia elétrica, para traçar o perfil energético do Terminal de cargas foi utilizada a seguinte metodologia: Foram coletados os valores instantâneos de um multimedidor de grandezas elétricas, denominado Power Meter, referência PM-620, instalado no Quadro Geral de Baixa Tensão, conforme descrito abaixo: 29 de Outubro de 2012 às 09h e 00min P (kW ) Q (kVAr) S (kVA) cos φ I R (A) I S (A) I T (A) IN (A) VRS (V) VRT (V) VST (V) VRN (V) VSN (V) VTN (V) 75 -40 85 0, 898 132 141 110 27 394 390 389 226 226 225 29 de Outubro de 2012 às 13h e 00min P (kW ) Q (kVAr) S (kVA) cos φ I R (A) I S (A) I T (A) IN (A) VRS (V) VRT (V) VST (V) VRN (V) VSN (V) VTN (V) 76 -36 84,63 0, 884 129 134 109 24 391 384 385 224 224 221 29 de Outubro de 2012 às 18h e 00min P (kW ) Q (kVAr) S (kVA) cos φ I R (A) I S (A) I T (A) IN (A) VRS (V) VRT (V) VST (V) VRN (V) VSN (V) VTN (V) 152 -52 157 0, 966 259 241 109 71 383 381 379 221 220 223 Tabela 1 - Dada elétricos coletada na subestação do Terminal de Cargas Fonte: Autoria própria. Com base nos resultados obtidos, foi possível traçar um perfil de demanda ao longo do dia desta edificação, conforme mostrado abaixo: Gráfico 1 – Curva de carga Fonte: Autoria própria.
  7. 7. 7 2.3 Análise das contas de Energia A análise das contas de Energia revelou que a estrutura tarifária aplicada para este consumidor é a A4 Convencional. Composição tarifária aplicada para consumidores com tensão de alimentação inferior a 69 kV e demanda inferior a 300 kW, desde que não tenham ocorrido nos onze meses anteriores três registros consecutivos ou seis registros alternados de demanda superior a 300 kW. A fatura de energia elétrica desses consumidores é composta da soma de parcelas referentes ao consumo, demanda e, caso exista, demanda de ultrapassagem: A parcela de consumo é calculada multiplicando-se o consumo medido pela Tarifa de Consumo: Parcela consumo = Tarifa de Consumo x Consumo Medido. A parcela de demanda é calculada multiplicando-se a Tarifa de Demanda pela Demanda Contratada ou pela Demanda Medida (a maior delas), caso esta não ultrapasse em 10% a Demanda Contratada: Parcela demanda = Tarifa de Demanda x Demanda Contratada.A parcela de ultrapassagem é cobrada apenas quando a demanda medida ultrapassa em mais de 10% a Demanda Contratada. Calcula-se multiplicando a Tarifa de Ultrapassagem pelo valor da demanda medida que supera a Demanda Contratada: Parcela ultrapassagem = Tarifa de Ultrapassagem x (Demanda Medida - Demanda Contratada). Na estrutura tarifária Convencional, a Tarifa de Ultrapassagem corresponde a três vezes a Tarifa de Demanda. Para se enquadrar neste tipo de tarifa foi declarado que a subestação do Terminal de cargas seria alimentada em 11.9 kV e contrataria um demanda de 180 kW. Para calcular os valores de demanda e consumo que farão parte da conta de energia são aplicados os seguintes valores: Valor do kWh: R$ 0 235. Valor do kW: R$ 66,81. 2.4 Variações das parcelas da fatura de energia elétrica do Terminal de Cargas Com base nas contas de energia dos últimos 12 meses anteriores a Novembro de 2012, foi possível analisar como variaram as parcelas que formam a fatura de energia elétrica ao longo do período acima referido. As tabelas abaixo mostram a variação do consumo e demanda máximas registradas e fatura.
  8. 8. 8 VARIAÇÃO DE CONSUMO, DEMANDA E CONTAS DE ENERGIA DO TERMINAL DE CARGAS MÊS CONSUMO (kWh) DEMANDA(kW) FATURA (R$) Out/2012 63.504,00 167,00 25.652,40 Set/2012 62.772,00 164,16 26.635,04 Ago/2012 67.632,00 163,20 27.976,80 Jul/2012 58.848,00 146,40 24.402,93 Jun/2012 61.824,00 165,12 26.886,83 Mai/2012 67.332,00 173,28 28.232,57 Abr/2012 64.152,00 164,16 26.038,18 Mar/2012 66.768,00 163,68 25.424,36 Fev/2012 58.596,00 142,08 23.867,37 Jan/2012 65.136,00 153,60 25.793,21 Dez/2011 66.096,00 171,36 28.095,20 Nov/2011 64.068,00 164,16 25540,92 Tabela 2 – Variação do consumo e demanda máxima e fatura. Fonte: Autoria própria. Os gráficos a seguir mostram como variaram o consumo, a demanda e fatura ao longo do período acima mencionado: Gráfico 2 – Variação mensal do consumo de energia ativa do Terminal de Cargas Fonte: Contas de Energia Elétrica fornecidas pela Coelba
  9. 9. 9 Gráfico 3 – Variação mensal da demanda medida X demanda contratada Fonte: Contas de Energia Elétrica fornecidas pela Coelba Gráfico 4 – Variação mensal da fatura de Energia Elétrica do Terminal de Cargas Fonte: Contas de Energia elétrica Fornecidas pela Coelba
  10. 10. 10 Após analisar os gráficos de Demanda, Consumo e Faturas, verificou-se que em Agosto de 2012 foi o mês em que foi registrado o maior valor de consumo, 67.632 kWh, enquanto o mês de Maio de 2012 foi o mês em que foram registrados os maiores valores de demanda, 173,28 kW e fatura R$ 28.232,57. 2.5 Carregamento dos transformadores da Subestação Tomando como base o gráfico de Demanda registrado ao longo dos meses analisados pôde-se concluir que o maior valor de Demanda Máxima registrada no mês foi de 173,28 kW e o menor valor de Demanda: 142,08 kW. Considerando o menor fator de potência registrado, fp = 0, 884, chegou-se a conclusão sobre o carregamento dos transformadores: logo, sendo assim, logo, sendo assim, Dessa forma podemos estimar o seguinte carregamento dos transformadores: logo, sendo assim, ou logo, sendo assim, ou Onde: = Potência aparente, considerando a maior demanda; = Potência aparente, considerando a menor demanda; = Maior demanda registrada entre e novembro de 2011 e outubro de 2012; = Menor demanda registrada entre e novembro de 2011 e outubro de 2012;
  11. 11. 11 = fator de potência médio; = Potência aparente do Transformador; = Carregamento mínimo; = Carregamento máximo; Com base nos dados apresentados para o carregamento do transformador, observa-se que o carregamento está baixo. No entanto, não é recomendável realizar intervenções, pois existe projeto de ampliação do Terminal de Carga para os próximos dois anos. 2.6 Levantamento das principais cargas instaladas no Terminal de cargas. Após o analisar o quadro de cargas elaborado para o Terminal de Cargas, foram designadas como principais cargas instaladas, as citadas abaixo: 2.6.1 Sistema de iluminação do galpão de armazenagem de cargas O sistema de iluminação do galpão do Terminal de cargas é formado por nove circuitos, cada um composto por nove refletores tipo cônicos para lâmpadas de descarga a vapor metálico de 400 W, elipsoidal e reatores eletromagnéticos de alto fator de potência para lâmpadas a vapor metálico de 400W. A potência total instalada correspondente aos 81 refletores é de 32,4 kW. 2.6.2 Sistema de Iluminação do Pátio de Aeronaves 03 O sistema de Iluminação do pátio de aeronaves 03 é formado por oito torres de Iluminação, onde em cada torre foram instalados oito refletores, tipo cônico, com uma lâmpada de vapor metálico de 1000 W e um reator para lâmpadas a vapor metálico de 1000 W. Em cada torre de iluminação foram instalados também, dois refletores, tipo retangular com uma lâmpada incandescente, tipo lapiseira, potência 1500 W. Além disso, foram instaladas duas luminárias sinalizadoras de obstáculos com uma lâmpada incandescente de
  12. 12. 12 100 W cada. O total de potência instalada em cada torre de iluminação é de 9,2 kW e total de potência instalada do sistema de iluminação do pátio de aeronaves 03 é de 81,6 kW. Figura 3 – Vista do Pátio das Aeronaves durante o dia Fonte: Autoria própria. Figura 4 – Vista do Pátio das Aeronaves à noite Fonte: Autoria própria.
  13. 13. 13 2.6.3 Sistema de refrigeração O sistema de refrigeração é formado por seis unidades condensadoras de 15 kW cada, totalizando 90 kW de potência instalada. 2.6.4 Sistema de iluminação da área externa O sistema de Iluminação da área externa do terminal de carga é formado por 162 postes com luminárias para lâmpadas a vapor de sódio de 400 W e reatores eletromagnéticos de alto fator de potência para lâmpadas a vapor de sódio de 400 W totalizando uma potência instalada 64,8 kW. 2.6.5 Sistema de câmaras frigoríficas Sistema de câmaras Frigoríficas é composto por duas câmeras frigoríficas de 7,36 kW e 3,68 kW o que totaliza 11,9 kW de potência instalada. 2.7 Oportunidades de Eficientização Energética das Instalações Elétricas Para eficientizar as instalações elétricas do Terminal de logística de cargas do aeroporto foram encontradas as seguintes oportunidades. Medidas a curto prazo (imediatas): 1. Aperfeiçoar o tempo de acionamento dos circuitos das torres de iluminação do pátio de aeronaves 03; 2. Aperfeiçoar o tempo de acionamento dos circuitos de iluminação do galpão de armazenagem de cargas; 3. Aperfeiçoar o tempo de acionamento dos circuitos das unidades condensadoras do sistema de refrigeração; 4. Substituição das borrachas de vedação e controladores das câmeras frigoríficas; 5. Substituição das resistências dos chuveiros de 4000 W para 3200 W;
  14. 14. 14 6. Colocação de molas nas portas das salas que são climatizadas; 7. Desligamento de 75% do sistema de refrigeração durante o horário de almoço; 8. Redução do consumo de energia elétrica através da conscientização dos usuários das dependências do Terminal de Cargas (criação de fonte de energia virtual). Figura 5 – Detalhe do atual sistema de telhas translúcidas Fonte: Autoria própria. Medidas a médio prazo (no máximo um ano): 1. Revisão da estrutura tarifária aplicada a o Terminal de Cargas; 2. Instalação de Banco de capacitores com controlador de estágios para correção do fator de potência nos horários que o mesmo estiver abaixo do recomendado. Medidas a longo prazo (no máximo 03 anos): 1. Elaboração de estudo luminotécnico para substituição das luminárias com lâmpadas de multivapores metálicos de 400 W por luminárias com lâmpadas LED, desde que não sejam alterados os dados luminotécnicos atuais; 2. Elaboração de estudo luminotécnico para substituição das luminárias com lâmpadas de multivapores metálicos de 1000 W por luminárias com lâmpadas LED, desde que não sejam alterados os dados luminotécnicos atuais;
  15. 15. 15 3. Elaboração de estudo luminotécnico para substituição das luminárias com lâmpadas a vapor de sódio de 400W por luminárias com lâmpadas LED, desde que não sejam alterados os dados luminotécnicos atuais; 2.8 Desenvolvimento das soluções de Eficientização Energética das Instalações Elétricas Para otimizar o tempo de acionamento dos circuitos de iluminação do pátio de aeronaves 03 do Terminal de cargas foi considerado que a iluminância média recomendada para o pátio de aeronaves é de 20/10 Lux com/sem aeronaves. Além disso, foi considerado que das 18:00 às 21:00 não há movimentações de aeronaves. Dessa forma, foi estabelecida a seguinte estratégia para otimizar o tempo de acionamento dos circuitos de iluminação: 1. Medição do nível de Iluminamento do pátio de aeronaves 03; 2. Instalação de um sensor de luminosidade em cada torre de iluminação; 3. Automatização dos horários de acionamento e desacionamento dos circuitos; 4. Desligamento de 50%(cinqüenta porcento) dos refletores com lâmpadas de 1000 W nos horários em que não aconteçam movimentações de aeronaves. Figura 6 – Torre de Iluminação do pátio 03 Fonte: Autoria própria.
  16. 16. 16 Para que os circuitos funcionem automaticamente será utilizada a seguinte lógica de funcionamento: A partir da média das Iluminâncias obtidas dos sensores de luminosidade , o controlador lógico programável acionará ou desligará os circuitos de iluminação de acordo com o nível de iluminamento do pátio de aeronaves. Será criada uma tabela horária para que nos momentos em que não aconteçam movimentações de aeronaves de 50% (cinquenta por cento) dos refletores com lâmpadas de 1000 W. Caso ocorra alguma emergência e alguma aeronave necessite realiza alguma movimentação, os circuitos desligados poderão ser acionados novamente por um operador que este próximo ao local. Para aperfeiçoar o tempo de acionamento dos circuitos de iluminação do Galpão de armazenagem de Cargas do Terminal de cargas foi considerado que a iluminância média recomendada para este ambiente é de 300 Lux, baseado na Norma Brasileira Regulamentadora 5413. Dessa forma, foi estabelecida a seguinte estratégia para otimizar o tempo de acionamento dos circuitos de iluminação: 1. Medição do nível de Iluminamento do Galpão de armazenamento de cargas; 2. Instalação de quatro sensores de luminosidade em locais apropriados do Galpão de armazenamento de cargas; 3. Para que seja feito um melhor aproveitamento da iluminação natural deverão ser adotadas as seguintes medidas: 4. Substituição de algumas telhas translúcidas que compõem o telhado do galpão do Terminal de cargas por telhas translúcidas novas; 5. Substituição das venezianas industriais opacas, fabricadas em PVC por venezianas industriais translúcidas, fabricadas em fibra de vidro; 6. Automatização dos horários de acionamento e desligamento dos circuitos; 7. Para que os circuitos funcionem automaticamente será utilizada a seguinte lógica de funcionamento: 8. A partir da intensidade luminosa obtidas dos sensores de luminosidade, o controlador lógico programável acionará ou desligará os circuitos de iluminação de acordo com o nível de iluminamento do pátio de aeronaves. 9. Caso ocorra alguma emergência, os circuitos desligados poderão ser acionados por um operador que este próximo ao local.
  17. 17. 17 10. Para otimizar o tempo de acionamento dos circuitos das unidades condensadoras da casa de máquinas do Terminal de Cargas foi verificado que já existe toda a infraestrutura para a automatização do sistema de refrigeração desta edificação. Dessa forma, foi estabelecida a seguinte estratégia para otimizar o tempo de acionamento dos circuitos de iluminação: 11. Instalação de sensores de temperatura nas salas que são climatizadas pelas unidades condensadoras da casa de máquinas do Terminal de cargas. 12. Para que os circuitos funcionem automaticamente será utilizada a seguinte lógica de funcionamento: 13. A partir da temperatura dos ambientes medida pelos sensores, o controlador lógico programável fará abertura da saída de ar proporcionalmente à temperatura verificada; 14. À medida que as temperaturas das salas forem se aproximando da temperatura de conforto, as unidades condensadoras serão tiradas de funcionamento. 15. Caso algum funcionário necessite prorrogar o horário de trabalho o mesmo deverá pressionar um botão para que seja acrescida uma hora no horário de funcionamento. 16. Para revisão da estrutura tarifária deverá ser mantida a tarifação A4 Convencional, porem o valor de demanda contratada deverá ser reduzido 160 kW, caso as ações mencionadas acima garantam uma redução de demanda de pelo menos 15 kW. 3 REDUÇÃO DO CONSUMO A situação atual do consumo se enquadra na seguinte tabela: Cálculo da Redução de consumo ativo do Terminal de logística de carga SITUAÇÃO ATUAL Janeiro a dezembro Galpão de armazenagem de cargas Horário de funcionamento Consumo Ativo (kWh) Nº de dias Nº de horas Total de Consumo Ativo do período (kWh) 17h00min às 08h00min 32,4 365 15 177390
  18. 18. 18 Torres de iluminação do pátio de aeronaves 03 Horário de funcionamento Consumo Ativo (kWh) Nº de dias Nº de horas Total de Consumo Ativo do período (kWh) 17h00min às 08h00min 57,6 365 15 315360 Sistema de Refrigeração Horário de funcionamento Consumo Ativo (kWh) Nº de dias Nº de horas Total de Consumo Ativo do período (kWh) 08h00min às 17h00min 60 365 9 197100 Sistema de Câmeras Horário de funcionamento Consumo Ativo (kWh) Nº de dias Nº de horas Total de Consumo Ativo do período (kWh) 00h00min às 23h59min 11,4 365 24 99864 Sistema de Iluminação área externa Horário de funcionamento Consumo Ativo (kWh) Nº de dias Nº de horas Total de Consumo Ativo do período (kWh) 17h00min às 08h00min 64,8 365 15 354780 Total do Consumo Ativo anual (MWh) 1144,5 Após a implementação das ações recomendadas teremos consideráveis reduções no consumo, como podemos observar na tabela seguinte:
  19. 19. 19 Cálculo da Redução de consumo ativo do Terminal de logística de carga SITUAÇÃO ALMEJADA Galpão de armazenagem de cargas Março a junho/setembro a novembro Horário de funcionamento Consumo Ativo (kWh) Nº de dias Nº de horas Total de Consumo Ativo do período (kWh) 17h30min às 07h30min 25,2 183 14 64562,4 Dezembro a fevereiro Horário de funcionamento Consumo Ativo (kWh) Nº de dias Nº de horas Total de Consumo Ativo do período (kWh) 18h00min às 07h00min 25,2 92 13 30139,2 Junho a agosto Horário de funcionamento Consumo Ativo (kWh) Nº de dias Nº de horas Total de Consumo Ativo do período (kWh) 17h00min às 08h00min 25,2 90 15 34020 Torres de iluminação Março a junho e setembro a novembro Horário de funcionamento Consumo Ativo (kWh) Nº de dias Nº de horas Total de Consumo Ativo do período (kWh) 17h30min às 17h59min 21h00min às 07h30min 57,408 183 11 115562,304 Março a junho e setembro a novembro Horário de funcionamento Consumo Ativo (kWh) Nº de dias Nº de horas Total de Consumo Ativo do período (kWh) 18h00min e 20h59min 33,408 183 3 18340,992 Dezembro a fevereiro Horário de funcionamento Consumo Ativo (kWh) Nº de dias Nº de horas Total de Consumo Ativo do período (kWh) 21h00min às 07h00min 57,408 92 10 52815,36
  20. 20. 20 Dezembro a fevereiro Horário de funcionamento Consumo Ativo (kWh) Nº de dias Nº de horas Total de Consumo Ativo do período (kWh) 18h00min e 20h59min 33,408 92 3 9220,608 Junho a agosto Horário de funcionamento Consumo Ativo (kWh) Nº de dias Nº de horas Total de Consumo Ativo do período (kWh) 17h00min às 17h59min 21h00min às 07h30min 57,408 90 11,5 59417,28 Junho a agosto Horário de funcionamento Consumo Ativo (kWh) Nº de dias Nº de horas Total de Consumo Ativo do período (kWh) 18h00min e 20h59min 33,408 90 3 9020,16 Sistema de Refrigeração Janeiro a dezembro Horário de funcionamento Consumo Ativo (kWh) Nº de dias Nº de horas Total de Consumo Ativo do período (kWh) 08h00min às 17h00min 54 365 9 177390 Sistema de Câmeras Janeiro a dezembro Horário de funcionamento Consumo Ativo (kWh) Nº de dias Nº de horas Total de Consumo Ativo do período (kWh) 00h00min às 23h59min 10,26 365 24 89877,6 Sistema de Iluminação área externa Janeiro a dezembro Horário de funcionamento Consumo Ativo (kWh) Nº de dias Nº de horas Total de Consumo Ativo do período (kWh) 17h00min às 08h00min 64,8 365 15 354780 Total do Consumo Ativo anual (MWh) 886,4
  21. 21. 21 Cálculo da Redução de demanda máxima do Terminal de logística de carga SITUAÇÃO ATUAL Galpão de armazenagem de cargas Janeiro a dezembro Horário de funcionamento Demanda máxima(kW) 17:00 às 08:00 32,4 Torres de iluminação do pátio de aeronaves 03 Janeiro a dezembro Horário de funcionamento Demanda máxima(kW) 17h00min às 08h00min 57,6 Sistema de Refrigeração Janeiro a dezembro Horário de funcionamento Demanda máxima(kW) 08h00min às 17h00min 60 Sistema de Câmeras Janeiro a dezembro Horário de funcionamento Demanda máxima(kW) 00h00min às 23h59min 11,4 Sistema de Iluminação área externa Janeiro a dezembro Horário de funcionamento Demanda máxima(kW) 17h00min às 08h00min 64,8 Total de demanda máxima solicitada entre 17h00min e 07h59min (kW) 166,2 Total de demanda máxima solicitada entre 08h00min e 16h59min (kW) 60
  22. 22. 22 Cálculo da Redução de demanda máxima do Terminal de logística de carga SITUAÇÃO ALMEJADA Galpão de armazenagem de cargas Março a junho/setembro a novembro Horário de funcionamento Demanda máxima(kW) 17h30min às 07h30min 25,2 Dezembro a fevereiro Horário de funcionamento Demanda máxima(kW) 18h00min às 07h00min 25,2 Junho a agosto Horário de funcionamento Demanda máxima(kW) 17h00min às 08h00min 25,2 Torres de iluminação Março a junho e setembro a novembro Horário de funcionamento Demanda máxima(kW) 17h30min às 17h59min 21h00min às 07h30min 56,18 Março a junho e setembro a novembro Horário de funcionamento Demanda máxima(kW) 18h00min e 20h59min 32,18
  23. 23. 23 Dezembro a fevereiro Horário de funcionamento Demanda máxima(kW) 21h00min às 07h00min 56,18 Dezembro a fevereiro Horário de funcionamento Demanda máxima(kW) 18h00min e 20h59min 32,18 Junho a agosto Horário de funcionamento Demanda máxima(kW) 17h00min às 17h59min 21h00min às 07h30min 56,18 Junho a agosto Horário de funcionamento Demanda máxima(kW) 18h00min e 20h59min 32,18 Sistema de Refrigeração Janeiro a dezembro Horário de funcionamento Demanda máxima(kW) 08h00min às 17h00min 54 Sistema de Câmeras Janeiro a dezembro Horário de funcionamento Demanda máxima(kW) 00h00min às 23h59min 10,26
  24. 24. 24 4 RELAÇÃO DE MATERIAIS NECESSÁRIOS Para que as ações sejam implementadas deverão ser adquiridos os materiais abaixo listados: 17 Sensores de luminosidade, alimentação 12 VCC; 10 Fontes de Tensão 24 volts, entrada 220volts, corente 15 A 15 Fontes de Tensão 12 volts, entrada 220volts, corente 15 A; 09 Controladores Lógico programáveis, tensão de alimentação 220V, 08 entradas configuráveis(digitais ou analógicas), 04 saídas digitais; 09 Expansões para controlador lógico Programável tensão de alimentação 220V, 04 entradas configuráveis(digitais ou analógicas), 04 saídas digitais; 01 Controladores Lógico programáveis, tensão de alimentação 220V, 08 entradas configuráveis(digitais ou analógicas), 04 saídas digitais; 01 Expansões para controlador lógico Programável tensão de alimentação 220V, 04 entradas configuráveis(digitais ou analógicas), 04 saídas digitais; 20 Sensores de Temperatura, linear, faixa de operação 0 a 100°C; 150 Telhas translúcida, fabricada em fibra de vidro, dimensões 2000mm X 800mm X 2,5mm. 20 Venezianas industriais, translúcidas, fabricadas em fiba de vidro, dimensões 1000mm X 1000mm X 150mm Sistema de Iluminação área externa Janeiro a dezembro Horário de funcionamento Demanda máxima(kW) 17h00min às 08h00min 64,8 Total de demanda máxima solicitada entre 17h00min e 07h59min (kW) 156,44 Total de demanda máxima solicitada entre 08h00min e 16h59min (kW) 54
  25. 25. 25 Orçamento dos Materiais necessários para implementação das melhorias: A tabela abaixo apresenta o orçamento realizado para aquisição dos materiais necessários para a implementação do projeto de eficientização das instalações elétricas do Terminal de Cargas ORÇAMENTO DOS MATERIAIS NECESSÁRIOS PARA IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DO TERMINAL DE CARGAS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SALVADOR Item Descrição UM Qtd. Valor unitário(R$) Valor total (R$) 1 Sensor de luminosidade, alimentação 12 VCC, uma saída NA pç 17 250,00 4.250,00 2 Fonte de Tensão 24 volts, entrada 220volts, corente 15 A pç 10 250,00 2.500,00 3 Fonte de Tensão 12 volts, entrada 220volts, corente 15 A pç 15 250,00 3.750,00 4 Controlador Lógico programável, tensão de alimentação 220V, 08 entradas configuráveis(digitais ou analógicas), 04 saídas digitais pç 9 500,00 4.500,00 5 Expansão para controlador lógico Programável tensão de alimentação 220V, 04 entradas configuráveis(digitais ou analógicas), 04 saídas digitais pç 9 200,00 1.800,00 6 Controlador Lógico programável, tensão de alimentação 220V, 08 entradas configuráveis(digitais ou analógicas), 04 saídas digitais pç 1 1.500,00 1.500,00 7 Expansão para controlador lógico Programável tensão de alimentação 220V, 04 entradas configuráveis(digitais ou analógicas), 04 saídas digitais pç 3 800,00 2.400,00 8 Sensor de Temperatura, linear, faixa de operação 0 a 100°C pç 20 100,00 2.000,00 9 Telha translúcida, fabricada em fibra de vidro, dimensões 2000mm X 800 X 2,5mm Um 150 20,00 3.000,00 10 Veneziana industrial, translúcida, fabricada em fiba de vidro, dimensões 1000mm X 1000mm X 150mm pç 20 65,00 1.300,00 INVESTIMENTO TOTAL R$ 27.000,00 Tabela 3 – Orçamento dos materiais necessários Fonte: Autoria própria.
  26. 26. 26 5 CÁLCULO DO RETORNO DE INVESTIMENTO Galpão de armazenagem de cargas CONSUMO TOTAL ANUAL (MWh) REDUÇÃO DE CONSUMO TOTAL ANUAL(MWh) REDUÇÃO DO CONSUMO(%) ECONOMIA ANUAL(R$) 177390 160524 9,51 3963,51 Torres de iluminação do pátio de aeronaves 03 CONSUMO TOTAL ANUAL (MWh) REDUÇÃO DE CONSUMO TOTAL ANUAL(MWh) REDUÇÃO DO CONSUMO(%) ECONOMIA ANUAL(R$) 315360 264577,1 16,10 11933,9815 Sistema de Refrigeração CONSUMO TOTAL ANUAL (MWh) REDUÇÃO DE CONSUMO TOTAL ANUAL(MWh) REDUÇÃO DO CONSUMO(%) ECONOMIA ANUAL(R$) 197100 177390 10,00 4631,85 Sistema de Câmaras frigoríficas CONSUMO TOTAL ANUAL(MWh) REDUÇÃO DE CONSUMO TOTAL ANUAL(MWh) REDUÇÃO DO CONSUMO(%) ECONOMIA ANUAL(R$) 99864 89877,6 10,00 2346,804 Total da Economia anual 22876,1455 CUSTOS DIVERSOS(R$) INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS(R$) RETORNO SIMPLES (ANOS) 5.000 27000 1,40
  27. 27. 27 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS O estudo acima apresentado demonstrou que existem várias oportunidades de eficientização energética das instalações do Terminal de Logística de Carga Internacional do Aeroporto de Salvador, sejam estas de aplicação a curto, médio ou longo prazo. A economia de pelo menos 20% (vinte por cento) na fatura de energia elétrica justificam que as ações recomendadas para os sistemas analisados sejam implementadas dentro dos prazos estabelecidos. Dessa forma, a energia que estava sendo desperdiçada poderá ser utilizada de maneira mais racional. Recomendamos que este relatório fosse apresentado aos outros aeroportos da rede Infraero, que possuem Terminal de Cargas para seja analisada a sua viabilidade de adaptação de acordo com as instalações existentes em edificação.

×