Coberto Vegetal Semeado numa vinha

1.764 visualizações

Publicada em

Aspectos a ter em consideração na sementeira de um coberto vegetal.

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.764
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
31
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Coberto Vegetal Semeado numa vinha

  1. 1. Coberto Vegetal Semeado em Vinha<br />Pedro Tereso<br />Solos, Instalação e Manutenção<br />
  2. 2. Factores a ter em conta…….<br /><ul><li> Clima.
  3. 3. Topografia.
  4. 4. Características do solo.
  5. 5. Estratégia adoptar com o coberto.
  6. 6. Características das espécies a semear.
  7. 7. Desvantagem do coberto. </li></li></ul><li>Leguminosas <br />
  8. 8. Trifoliumsubterraneum<br /><ul><li> Adaptado às condições mediterrânicas.
  9. 9. Apresenta sementes duras.
  10. 10. Não tolera solos arenosos.
  11. 11. Apresenta 2 sub espécies:
  12. 12. T. yanninicum(adaptado a solos encharcados).
  13. 13. T. brachycalcycinum(adaptado a solos alcalinos).</li></li></ul><li>Trifoliumsubterraneum<br /><ul><li> Nec. hídricas: 350 – 1200 mm.
  14. 14. pH: 5,5 – 7,5.
  15. 15. Temp. óptima germinação: 15º - 25ºC.
  16. 16. Densidades: 10 a 15 kg/ha. (monocultura)</li></ul> 3 a 6 kg/ha. (c/ graminea)<br /><ul><li> Fixa: 50 a 188 kg/ha. (Austrália)</li></ul> 104 a 206 kg/ha. (E.U.A.)<br /><ul><li> Sensibilidade: Oídio.</li></li></ul><li>Trifolium subterraneum<br />
  17. 17. Ornithopuscompressus(Serradela)<br /><ul><li> Adaptado às condições mediterrânicas.
  18. 18. Apresenta sementes duras.
  19. 19. Prefere solos ácidos e profundos (+ 60 cm) .
  20. 20. Tolera altos níveis de Al+3 (+ 35% no complexo).</li></li></ul><li><ul><li> Nec. hídricas mínimas: 300 mm.
  21. 21. Tolera solos com 4 e 5 de pH.
  22. 22. Densidade: 10 kg/ha.
  23. 23. Fixa: 15 a 40 kg/ha.
  24. 24. Não lhe são conhecidas sensibilidades.</li></ul>Ornithopuscompressus(Serradela)<br />
  25. 25. Ornithopus compressus<br />
  26. 26. Medicagopolymorpha(Luzerna anual)<br /><ul><li> Indígena da região mediterrânica.
  27. 27. Apresenta sementes duras.
  28. 28. Solos ácidos reduzem a fixação.
  29. 29. Tolera a secura e muito sensível ao encharcamento.
  30. 30. Prefere a monocultura.</li></li></ul><li><ul><li> Prefere solos neutros a alcalinos.
  31. 31. Nec. hídricas: 200 – 600 mm.
  32. 32. Profundidade sementeira: 2 cm.
  33. 33. Densidade: 8 a 12 Kg/ha.
  34. 34. Sensível a afideos.
  35. 35. Fixa: 85 a 360 Kg/ha.</li></ul>Medicagopolymorpha(Luzerna anual)<br />
  36. 36. Medicagopolymorpha(Luzerna anual)<br />
  37. 37. Trifoliumglanduliferum<br /><ul><li> Nativa da zona mediterrânica.
  38. 38. Sementes duras.
  39. 39. Nec. hídricas: 350 – 600 mm.
  40. 40. Prefere solos pesados de neutros a ácidos.
  41. 41. Profundidade: 1 cm.
  42. 42. Densidade: 1 – 3 Kg/ha.
  43. 43. Elevada competição à instalação. (semente pequena)</li></li></ul><li>Trifoliumbalansae<br /><ul><li> Proveniente da Ásia Menor.
  44. 44. Elevada proporção de sementes duras.
  45. 45. Nec. hídricas: acima dos 450 mm.
  46. 46. Suporta o encharcamento. (repiração anaeróbia)
  47. 47. Muito utilizado em mistura.
  48. 48. Profundidade: 1,5 cm.
  49. 49. Densidade: 3 a 5 kg/ha.
  50. 50. Prefere solos pesados com pH 5,4 a 8,2.</li></li></ul><li>Vicia spp(Ervilhaca)<br /><ul><li> Originária do Sul da Europa.
  51. 51. Nec. hídricas: 200 – 400 mm.
  52. 52. Prefere solos de textura fina com pH 6 – 7.
  53. 53. Profundidade sementeira: 3 -5 cm.
  54. 54. Densidades: 50 – 150 kg/ha. (monocultura)</li></ul> 20 – 70 kg/ha. (em mistura) <br /><ul><li> Sensibilidade ao oídio.
  55. 55. Boa hospedeira de Tetranychus. </li></li></ul><li>Lupinusluteus(Tremocilha)<br /><ul><li> Originária da Península Ibérica.
  56. 56. Não forma sementes duras.
  57. 57. Sistema radicular profundante.
  58. 58. Tolera encharcamento temporário.
  59. 59. Nec. hídricas mínimas 300 mm.
  60. 60. Tolera solos 4,5 a 8,5 pH e alta % de Al+3 no CTC.</li></li></ul><li>Lupinusluteus(Tremocilha)<br /><ul><li> Densidade de sementeira: 45 – 80 kg/ha.
  61. 61. Profundidade 1,5 cm
  62. 62. Fixa 18 a 34 Kg/ha.
  63. 63. A incorporação pode fornecer 147 a 160 Kg de N.</li></li></ul><li>Trifoliumincarnatum<br /><ul><li> Nativa do Sul da Europa.
  64. 64. Não produz sementes duras.
  65. 65. Prefere pH 6 a 7.
  66. 66. Não tolera solos encharcados.
  67. 67. Pode fixar 155 kg de N/ha.
  68. 68. Incorporação fornece 70 kg/ha N.
  69. 69. Evitar cortes invernais. </li></li></ul><li>Gramíneas <br />
  70. 70. Lolliummultiflorum(Azevém anual)<br /><ul><li> Originária da bacia mediterrânica.
  71. 71. Necessidades hídricas 240 mm.
  72. 72. Adaptado a diversos tipos de solos.
  73. 73. Prefere pH 6 – 7.
  74. 74. Densidade de sementeira: 15 – 30 kg/ha.
  75. 75. Profundidade máxima: 1,5 cm. </li></li></ul><li>Dactylisglomerata(Panasco)<br /><ul><li> Originária do Norte de África.
  76. 76. Elevada densidade radicular.
  77. 77. Necessidades hídricas mínima 320 mm.
  78. 78. Prefere pH 5,8 a 7,5 tolerando o 8,5.
  79. 79. Não tolera o encharcamento.
  80. 80. Densidade 15 a 20 kg/ha. </li></li></ul><li>Festucamegalura<br /><ul><li> Originária da Europa.
  81. 81. Prefere solos de baixa fertilidade e elevada acidez.
  82. 82. Necessidades hídricas mínimas 250 mm.
  83. 83. Densidades 20 a 24 kg/ha.
  84. 84. Cortes superiores a 2 cm essenciais para reduzir a competição.</li></li></ul><li>Phalaris aquática<br /><ul><li> Originária da bacia mediterrânica.
  85. 85. Necessidades hídricas mínimas 240 mm.
  86. 86. Implementação lenta e difícil.
  87. 87. Densidades 10 a 12 kg/ha.
  88. 88. 30 mm para germinar. </li></li></ul><li>Poapratensis<br /><ul><li> Originária da Europa.
  89. 89. Prefere solos com 5,8 a 8,2 de pH
  90. 90. Muito exigente em N.
  91. 91. Difícil instalação, evitar mistura com espécies de crescimento rápido.
  92. 92. Densidades 10 kg/ha.
  93. 93. Difunde-se através de rizomas.</li></li></ul><li>
  94. 94.
  95. 95. Efeitos do Coberto Vegetal<br />
  96. 96. Fertilidade do Solo<br />Apresenta efeitos directos e indirectos sobre a fertilidade e nutrição da vinha.<br />As leguminosas além de fixarem o Azoto atmosférico, quando incorporadas em diversas fases do ciclo, aumentam o teor de Azoto Orgânico no solo.<br />
  97. 97. Fertilidade do Solo<br />FCV – Forte Crescimento Vegetativo; AF – Antes da Floração; DF – Depois da Floração; SM – Semente Madura<br />
  98. 98. Fertilidade do Solo<br />As gramíneas devido ao seu rápido crescimento, à sua profundidade radicular e elevada produção de biomassa aumentam o teor de M.O. <br />O coberto compete com a vinha mas podem ser úteis em casos de excesso de vigor.<br />
  99. 99. Biodiversidade<br />A cobertura física da superfície do solo aumenta a temperatura e humidade do solo criando um meio mais favorável ao desenvolvimento de μorganismos. <br />A maior parte encontra nas raízes do coberto, o carbono e os nutrientes necessários ao seu desenvolvimento. <br />
  100. 100. Erosão<br />Essencial a protecção da superfície do solo do impacto da gota de chuva controlando a perda por escorrência superficial. <br />O aumento da permeabilidade evita a escorrência reduzindo o fenómeno. <br />
  101. 101. Infiltração do solo<br />A taxa de infiltração é influenciada pela vulnerabilidade do solo formar “crosta superficial”. <br />Minimizar a ruptura dos agregados do solo para reduzir o encrostamento aumentando a taxa de infiltração. <br />
  102. 102. Infiltração do solo<br />
  103. 103. Limitação natural<br />O coberto cria condições favoráveis à actividade dos diversos auxiliares associados à cultura da vinha.<br />
  104. 104. Limitação natural<br />
  105. 105. Qualidade à vindima<br />A competição exercida pelo coberto na entrelinha pode apresentar a vantagem de reduzir o vigor excessivo, induzindo um melhor equilíbrio entre Source/Sink, melhorando o microclima na zona dos cachos.<br />
  106. 106. Qualidade à vindima<br />
  107. 107. Qualidade à vindima<br />
  108. 108. Instalação e manutenção<br /> Sementeira:<br /><ul><li> Deve ser feita antes das primeiras chuvas.
  109. 109. Temperatura ideal do solo 21 a 27ºC.
  110. 110. Cama com 6 a 30 cm de profundidade.
  111. 111. Profundidade 1 a 2 cm.
  112. 112. Passagem de rolo seccionado para aumentar aperto.
  113. 113. Densidades dependem do coberto. </li></li></ul><li>Instalação e manutenção<br /> Fertilização:<br /><ul><li> Leguminosas exigentes em fósforo e o Azoto é de evitar.
  114. 114. P e K mais de 80 ppm no solo.
  115. 115. Gramíneas exigem 28 Kg N/ha.
  116. 116. Manutenção: 30 Un de P e K.</li></li></ul><li>Instalação e manutenção<br />1º Corte<br />(1ª flores)<br />2º Corte <br />(semente madura)<br /> Facilita a auto-sementeira <br /> Elimina competição.<br /> Promove afilhamento.<br />Para incorporação em verde, o corte deve ser feito durante a floração<br />

×