SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
PROCESSOS
MOTIVACIONAIS
Psicologia – Ensino Profissional
Professora: Isaura Silva
Motivação
Em psicologia, motivação é a força
propulsora (desejo) por trás de todas as
ações de um organismo.
Conjunto de impulsos que
orientam o comportamento
de uma pessoa em direção a
um fim ou objetivo.
Comportamento Motivado
 Comportamento orientado
para um objetivo;
 Ativado e controlado por
forças internas (biológicas)
ou externas (sociais).
 A fome e o sono são
desencadeadas por uma
força interna;
 O desejo de sucesso é
orientado por uma força
externa
Se o objetivo é alcançado, a
motivação desaparece.
O CICLO
MOTIVACIONAL
O ciclo motivacional é o processo desencadeado por uma necessidade
que gera um impulso que orienta e organiza a ação em direção ao
objetivo que faz desaparecer a necessidade inicial. O ciclo
motivacional é constituído pelas seguintes etapas:
1. A necessidade que resulta de
um desequilíbrio provocado por
uma carência, uma privação. A
necessidade dá origem a um
impulso;
2. O impulso ou pulsão é o estado
energético que ativa e orienta o
comportamento para uma meta,
um objetivo e organiza a ação, a
resposta. Os impulsos podem ser
conscientes ou inconscientes e
variam de pessoa para pessoa.
Além disso, na mesma pessoa
variam segundo a situação e o
momento em que ocorrem.
3.A resposta é constituída pelas
atividades desenvolvidas e
desencadeadas pelo impulso
para se obter o que se
necessita;
4.A saciedade ocorre se o
objetivo é atingido. O impulso
desaparece ou é reduzido. O
equilíbrio é restabelecido.
Saciedade
1 Necessidade
2 Impulso
3 Comportamento
Tipos de
motivação
Motivações inatas biológicas/ primárias
 As motivações inatas,
biológicas, fisiológicas ou
primárias são inerentes à
estrutura do organismo,
sendo, por isso, comuns a
todos os seres humanos.
 Visam a manutenção do
estado de equilíbrio interno -
homeostasia -, assegurando a
sobrevivência do organismo.
 Manifestam-se desde o nascimento,
independentemente de qualquer
aprendizagem – -não se aprende a
ter fome, sede ou sono.
 Contudo, a sua expressão e
satisfação são determinadas por
normas e regras sociais, por
padrões de cultura. Assim, as horas
a que comemos e dormimos são
reguladas socialmente. Por outro
lado, muitas vezes comemos e
bebemos sem ter fome ou sede só
para manter um convívio
Motivações aprendidas/sociais/secundárias
 As motivações aprendidas, sociais ou secundárias são adquiridas
no processo de socialização em diferentes contextos sociais e
culturais.
 Variam de pessoa para pessoa, porque são aprendidas no
contexto social, no contacto com os outros membros dos grupos
sociais a que a pessoa pertence.
 De entre os vários tipos de motivações sociais, podemos destacar
as necessidades de afiliação, de prestígio e de sucesso.
Motivações combinadas
 Apesar de dependerem de
mecanismos fisiológicos, as
motivações combinadas não são
homeostáticas, isto é, não visam a
manutenção do equilíbrio interno.
Apresentam características das
motivações biológicas e das
motivações sociais. Tal como as
motivações inatas têm uma base
fisiológica, mas a sua satisfação
não é decisiva para a sobrevivência
do organismo.
Assim como as motivações
sociais, a sua manifestação
depende da aprendizagem,
dos padrões de cultura
vigentes numa determinada
sociedade. Depende do
processo de socialização, do
modo como o indivíduo
integra, interioriza os
padrões culturais da
sociedade em que vive.
 As motivações combinadas dependem de
fatores biológicos e da aprendizagem.
 Combinam, portanto, características das
motivações fisiológicas e sociais.
 O comportamento sexual e o comportamento
maternal são dois exemplos de motivações
combinadas
Maslow:
a teoria da pirâmide das
necessidades
A teoria proposta por Maslow defende:
 Hierarquização de necessidades;
 Grau de importância
 Nível mais baixo: necessidades fisiológicas;
 Nível mais elevado: necessidades de auto-
realização
Pirâmide de Maslow
 Segundo Maslow, as necessidades humanas
estariam organizadas numa hierarquia.
 Representou esta concepção através de
uma pirâmide em que, na base, estariam as
necessidade fisiológicas e, no cume, as
necessidades mais elevadas: as da auto-
realização
As necessidades
fundamentais seriam as
básicas:
as fisiológicas e as de
segurança.
Só depois de estas
necessidades estarem
satisfeitas se ascende na
hierarquia para a
satisfação de outras mais
complexas e mais
elevadas. No decurso da
sua existência, se não
houvesse obstáculos o ser
humano progrediria na
hierarquia até ao topo.
MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades.
Necessidades fisiológicas
Necessidades Fisiológicas (fome, sede, sono, o evitamento da dor e o desejo sexual);
MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades.
Necessidades fisiológicas
Necessidades de Segurança
2- Necessidades de segurança (abrigo, vestuário);
MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades.
Necessidades de Afecto e de Pertença
Necessidades fisiológicas
Necessidades de Segurança
3- Necessidades de afecto e de pertença
(desejo de associação, participação e aceitação por parte dos outros)
MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades.
Necessidades de Estima
Necessidades Afecto e de Pertença
Necessidades fisiológicas
Necessidades de Segurança
Necessidades de Estima
( o desejo de realização e de competência e o estatuto e desejo de reconhecimento)
MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades.
Nec.
de auto-
realização
Necessidades de Estima
Necessidades de Afecto e de Pertença
Necessidades fisiológicas
Necessidades de Segurança
5- Necessidades de auto-realização
(concretização das capacidades pessoais)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
 
Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
 
Impressões e Expectativas
Impressões e ExpectativasImpressões e Expectativas
Impressões e Expectativas
 
Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memória
 
Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1
 
A aprendizagem
A aprendizagem A aprendizagem
A aprendizagem
 
Sensação e Percepção
Sensação e PercepçãoSensação e Percepção
Sensação e Percepção
 
Donald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissionalDonald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissional
 
O esquecimento
O esquecimentoO esquecimento
O esquecimento
 
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
 
Processos motivacionais
Processos motivacionaisProcessos motivacionais
Processos motivacionais
 
Psicologia-Genética
Psicologia-GenéticaPsicologia-Genética
Psicologia-Genética
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
 
Influência social
Influência socialInfluência social
Influência social
 
Watson e o Behaviorismo
Watson e o BehaviorismoWatson e o Behaviorismo
Watson e o Behaviorismo
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
 
Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Processos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoProcessos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - Resumo
 

Destaque (20)

Conceito motivacional e_ciclo_motivacional
Conceito motivacional e_ciclo_motivacionalConceito motivacional e_ciclo_motivacional
Conceito motivacional e_ciclo_motivacional
 
Ciclo motivacional
Ciclo motivacionalCiclo motivacional
Ciclo motivacional
 
Processos Motivacionais
Processos MotivacionaisProcessos Motivacionais
Processos Motivacionais
 
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos BásicosMotivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
 
TEORIAS DA MOTIVAÇÃO
TEORIAS DA MOTIVAÇÃOTEORIAS DA MOTIVAÇÃO
TEORIAS DA MOTIVAÇÃO
 
Motivação..
Motivação..Motivação..
Motivação..
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Conação (2)
Conação (2)Conação (2)
Conação (2)
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Processos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos ConativosProcessos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos Conativos
 
Desenvolvimento prénatal
Desenvolvimento prénatalDesenvolvimento prénatal
Desenvolvimento prénatal
 
Desenvolvimento infância
Desenvolvimento infânciaDesenvolvimento infância
Desenvolvimento infância
 
Pirâmide de Maslow
Pirâmide de MaslowPirâmide de Maslow
Pirâmide de Maslow
 
Teorias da Motivação
Teorias da MotivaçãoTeorias da Motivação
Teorias da Motivação
 
Desenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescênciaDesenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescência
 
Palestra Motivação - Vix
Palestra Motivação - VixPalestra Motivação - Vix
Palestra Motivação - Vix
 
Ficha conação
Ficha conaçãoFicha conação
Ficha conação
 

Semelhante a PROCESSOS MOTIVACIONAIS

Curso de chefia e liderança parte 4/6
Curso de chefia e liderança   parte 4/6Curso de chefia e liderança   parte 4/6
Curso de chefia e liderança parte 4/6ABCursos OnLine
 
6 a teoria de maslow sobre motivacao
6 a teoria de maslow sobre motivacao6 a teoria de maslow sobre motivacao
6 a teoria de maslow sobre motivacaoAna Genesy
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
MotivaçãoSenac
 
O Consumidor No Diva Estudo Do Consumidor
O Consumidor No Diva   Estudo Do ConsumidorO Consumidor No Diva   Estudo Do Consumidor
O Consumidor No Diva Estudo Do ConsumidorFabiano Damiati
 
Necessidades Humanas Básicas (1).pdf
Necessidades Humanas Básicas (1).pdfNecessidades Humanas Básicas (1).pdf
Necessidades Humanas Básicas (1).pdfMuryelleBatista1
 
Teoria motivacional
Teoria motivacionalTeoria motivacional
Teoria motivacionalAriely Sousa
 
Voce_quer_ter_motivacao.docx.pdf
Voce_quer_ter_motivacao.docx.pdfVoce_quer_ter_motivacao.docx.pdf
Voce_quer_ter_motivacao.docx.pdfJpCordeiro1
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivaçãoMarcelo Anjos
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeAroldo Gavioli
 

Semelhante a PROCESSOS MOTIVACIONAIS (20)

Amotivao
AmotivaoAmotivao
Amotivao
 
Curso de chefia e liderança parte 4/6
Curso de chefia e liderança   parte 4/6Curso de chefia e liderança   parte 4/6
Curso de chefia e liderança parte 4/6
 
6 a teoria de maslow sobre motivacao
6 a teoria de maslow sobre motivacao6 a teoria de maslow sobre motivacao
6 a teoria de maslow sobre motivacao
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Sandra Godoi - BM04 - 6 semana
Sandra Godoi - BM04 -  6 semanaSandra Godoi - BM04 -  6 semana
Sandra Godoi - BM04 - 6 semana
 
PPB - Motivação.ppsx
PPB - Motivação.ppsxPPB - Motivação.ppsx
PPB - Motivação.ppsx
 
06p motivacao -
06p   motivacao -06p   motivacao -
06p motivacao -
 
O Consumidor No Diva Estudo Do Consumidor
O Consumidor No Diva   Estudo Do ConsumidorO Consumidor No Diva   Estudo Do Consumidor
O Consumidor No Diva Estudo Do Consumidor
 
Necessidades Humanas Básicas (1).pdf
Necessidades Humanas Básicas (1).pdfNecessidades Humanas Básicas (1).pdf
Necessidades Humanas Básicas (1).pdf
 
Apresewedwenta.
Apresewedwenta.Apresewedwenta.
Apresewedwenta.
 
tipos_de_motivacao
tipos_de_motivacaotipos_de_motivacao
tipos_de_motivacao
 
Introducao
IntroducaoIntroducao
Introducao
 
Teoria motivacional
Teoria motivacionalTeoria motivacional
Teoria motivacional
 
Voce_quer_ter_motivacao.docx.pdf
Voce_quer_ter_motivacao.docx.pdfVoce_quer_ter_motivacao.docx.pdf
Voce_quer_ter_motivacao.docx.pdf
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivação
 
Conceito motivaçao
Conceito motivaçaoConceito motivaçao
Conceito motivaçao
 
Atividade 10
Atividade 10Atividade 10
Atividade 10
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
 

Mais de psicologiaazambuja (20)

Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
Processos cognitivos a inteligência
Processos cognitivos  a inteligênciaProcessos cognitivos  a inteligência
Processos cognitivos a inteligência
 
Processos cognitivos o pensamento
Processos cognitivos  o pensamentoProcessos cognitivos  o pensamento
Processos cognitivos o pensamento
 
Memória a longo prazo
Memória a longo prazoMemória a longo prazo
Memória a longo prazo
 
Memória1
Memória1Memória1
Memória1
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
 
Perceção
PerceçãoPerceção
Perceção
 
Desenvolvimento velhice
Desenvolvimento velhiceDesenvolvimento velhice
Desenvolvimento velhice
 
Desenvolvimento idade adulta
Desenvolvimento idade adultaDesenvolvimento idade adulta
Desenvolvimento idade adulta
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
Freud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimentoFreud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimento
 
Life span piaget
Life span piagetLife span piaget
Life span piaget
 
Trabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçaoTrabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçao
 
Integração das dimensões cognitiva e afetiva do comportamento
Integração das dimensões cognitiva e afetiva do comportamentoIntegração das dimensões cognitiva e afetiva do comportamento
Integração das dimensões cognitiva e afetiva do comportamento
 
Resgate do conceito de mente
Resgate do conceito de menteResgate do conceito de mente
Resgate do conceito de mente
 
Psic doc5 m1
Psic doc5 m1Psic doc5 m1
Psic doc5 m1
 
Psic doc4 m1
Psic doc4 m1Psic doc4 m1
Psic doc4 m1
 
Psic doc3 m1
Psic doc3 m1Psic doc3 m1
Psic doc3 m1
 
Freud e o inconsciente
Freud e o inconscienteFreud e o inconsciente
Freud e o inconsciente
 
Psic doc2 m1
Psic doc2 m1Psic doc2 m1
Psic doc2 m1
 

Último

POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 

Último (20)

POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 

PROCESSOS MOTIVACIONAIS

  • 1. PROCESSOS MOTIVACIONAIS Psicologia – Ensino Profissional Professora: Isaura Silva
  • 2. Motivação Em psicologia, motivação é a força propulsora (desejo) por trás de todas as ações de um organismo. Conjunto de impulsos que orientam o comportamento de uma pessoa em direção a um fim ou objetivo.
  • 3. Comportamento Motivado  Comportamento orientado para um objetivo;  Ativado e controlado por forças internas (biológicas) ou externas (sociais).  A fome e o sono são desencadeadas por uma força interna;  O desejo de sucesso é orientado por uma força externa Se o objetivo é alcançado, a motivação desaparece.
  • 5. O ciclo motivacional é o processo desencadeado por uma necessidade que gera um impulso que orienta e organiza a ação em direção ao objetivo que faz desaparecer a necessidade inicial. O ciclo motivacional é constituído pelas seguintes etapas: 1. A necessidade que resulta de um desequilíbrio provocado por uma carência, uma privação. A necessidade dá origem a um impulso; 2. O impulso ou pulsão é o estado energético que ativa e orienta o comportamento para uma meta, um objetivo e organiza a ação, a resposta. Os impulsos podem ser conscientes ou inconscientes e variam de pessoa para pessoa. Além disso, na mesma pessoa variam segundo a situação e o momento em que ocorrem. 3.A resposta é constituída pelas atividades desenvolvidas e desencadeadas pelo impulso para se obter o que se necessita; 4.A saciedade ocorre se o objetivo é atingido. O impulso desaparece ou é reduzido. O equilíbrio é restabelecido.
  • 8. Motivações inatas biológicas/ primárias  As motivações inatas, biológicas, fisiológicas ou primárias são inerentes à estrutura do organismo, sendo, por isso, comuns a todos os seres humanos.  Visam a manutenção do estado de equilíbrio interno - homeostasia -, assegurando a sobrevivência do organismo.  Manifestam-se desde o nascimento, independentemente de qualquer aprendizagem – -não se aprende a ter fome, sede ou sono.  Contudo, a sua expressão e satisfação são determinadas por normas e regras sociais, por padrões de cultura. Assim, as horas a que comemos e dormimos são reguladas socialmente. Por outro lado, muitas vezes comemos e bebemos sem ter fome ou sede só para manter um convívio
  • 9. Motivações aprendidas/sociais/secundárias  As motivações aprendidas, sociais ou secundárias são adquiridas no processo de socialização em diferentes contextos sociais e culturais.  Variam de pessoa para pessoa, porque são aprendidas no contexto social, no contacto com os outros membros dos grupos sociais a que a pessoa pertence.  De entre os vários tipos de motivações sociais, podemos destacar as necessidades de afiliação, de prestígio e de sucesso.
  • 10. Motivações combinadas  Apesar de dependerem de mecanismos fisiológicos, as motivações combinadas não são homeostáticas, isto é, não visam a manutenção do equilíbrio interno. Apresentam características das motivações biológicas e das motivações sociais. Tal como as motivações inatas têm uma base fisiológica, mas a sua satisfação não é decisiva para a sobrevivência do organismo. Assim como as motivações sociais, a sua manifestação depende da aprendizagem, dos padrões de cultura vigentes numa determinada sociedade. Depende do processo de socialização, do modo como o indivíduo integra, interioriza os padrões culturais da sociedade em que vive.
  • 11.  As motivações combinadas dependem de fatores biológicos e da aprendizagem.  Combinam, portanto, características das motivações fisiológicas e sociais.  O comportamento sexual e o comportamento maternal são dois exemplos de motivações combinadas
  • 12.
  • 13. Maslow: a teoria da pirâmide das necessidades
  • 14. A teoria proposta por Maslow defende:  Hierarquização de necessidades;  Grau de importância  Nível mais baixo: necessidades fisiológicas;  Nível mais elevado: necessidades de auto- realização
  • 15. Pirâmide de Maslow  Segundo Maslow, as necessidades humanas estariam organizadas numa hierarquia.  Representou esta concepção através de uma pirâmide em que, na base, estariam as necessidade fisiológicas e, no cume, as necessidades mais elevadas: as da auto- realização
  • 16. As necessidades fundamentais seriam as básicas: as fisiológicas e as de segurança. Só depois de estas necessidades estarem satisfeitas se ascende na hierarquia para a satisfação de outras mais complexas e mais elevadas. No decurso da sua existência, se não houvesse obstáculos o ser humano progrediria na hierarquia até ao topo.
  • 17. MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades. Necessidades fisiológicas Necessidades Fisiológicas (fome, sede, sono, o evitamento da dor e o desejo sexual);
  • 18. MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades. Necessidades fisiológicas Necessidades de Segurança 2- Necessidades de segurança (abrigo, vestuário);
  • 19. MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades. Necessidades de Afecto e de Pertença Necessidades fisiológicas Necessidades de Segurança 3- Necessidades de afecto e de pertença (desejo de associação, participação e aceitação por parte dos outros)
  • 20. MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades. Necessidades de Estima Necessidades Afecto e de Pertença Necessidades fisiológicas Necessidades de Segurança Necessidades de Estima ( o desejo de realização e de competência e o estatuto e desejo de reconhecimento)
  • 21. MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades. Nec. de auto- realização Necessidades de Estima Necessidades de Afecto e de Pertença Necessidades fisiológicas Necessidades de Segurança 5- Necessidades de auto-realização (concretização das capacidades pessoais)