Relatório Novembro 2012

207 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
207
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório Novembro 2012

  1. 1. Relatório Técnico de Atividades Referente ao período de Novembro/2012 Cliente: CHESF – Companhia Hidroelétrica do São Francisco Convênio CV - I – 92.2011.7100.00 Recife 2012 Av. Sport Clube do Recife, 252 – Madalena – Recife/PE - CEP: 50750.500 (FCAP/UPE) Fone/Fax: (081) 3445-4469 CNPJ: 35.328.913/0001-16 - E-mail: admtec@admtec.org.br - www.admtec.org.br
  2. 2. CLIENTE Companhia Hidroelétrica do São Francisco - CHESF ASSUNTO Relatório Técnico de Atividades Referente ao período de Novembro/2012. Convênio CV - I – 92.2011.7100.00 OBJETIVOS Apresentar, de forma organizada e sucinta, a descrição das atividades realizadas no mês de novembro, bem como as articulações e encaminhamentos do Projeto de Responsabilidade Social no entorno da Usina Eólica de Casa Nova, Ventos da Mudança. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PERÍODO Apresentamos a seguir as principais atividades desenvolvidas pela equipe técnica deste Instituto no período: 1) Articulação e Estruturação de suporte comercial aos empreendedores e grupos produtivos em atividades no território da AID. Tais ações se consubstanciaram pelas atividades específicas a seguir: ASSESSORIA TÉCNICA Descrição Levantamento das necessidades de insumos e serviços • • • Elaboração do Comercialização Plano de • • Atividades Reunião com representantes da CHESF e empresas do consórcio para discutirem a viabilidade das jazidas existentes na AID Elaboração, por parte da empresa MRS de um documento em que os proprietários justifiquem o interesse na reutilização das jazidas Visita do técnico da COELBA, José Nilton, para a localização da instalação da rede trifásica e das bombas elétricas nos pontos marcados anteriormente Visita técnica do Engenheiro de Pesca da CHESF, Miguel Arcanjo, onde foi apresentado o projeto Ventos da Mudança e foram feitas visitas à associação de pescadores, colônia de pescadores, e propriedades que já desenvolvem a piscicultura Reunião com representantes da CHESF, ADMTEC e EMBRAPA para ajustes finais de implantação do CAT de piscicultura Av. Sport Clube do Recife, 252 – Madalena – Recife/PE - CEP: 50750.500 (FCAP/UPE) Fone/Fax: (081) 3445-4469 CNPJ: 35.328.913/0001-16 - E-mail: admtec@admtec.org.br - www.admtec.org.br
  3. 3. ANEXOS Descrição Fotos Visita da Equipe do ADM&TEC e Engenheiro de Pesca da CHESF na Associação de Pescadores em Casa Nova. Participaram da reunião o Presidente da Associação, Secretária e um dos membros da Diretoria. Data: 19.11.2012 Visita da Equipe Técnica da ADM&TEC e Engenheiro de Pesca da CHESF na localidade vizinha a AID, denominada a Ilha. Data: 19.11.2012 Visita da Equipe Técnica da ADM&TEC e Engenheiro de Pesca da CHESF na localidade de São Luiz. Data: 19.11.2012 Av. Sport Clube do Recife, 252 – Madalena – Recife/PE - CEP: 50750.500 (FCAP/UPE) Fone/Fax: (081) 3445-4469 CNPJ: 35.328.913/0001-16 - E-mail: admtec@admtec.org.br - www.admtec.org.br
  4. 4. Visita da Equipe Técnica da ADM&TEC e Engenheiro de Pesca da CHESF nas propriedades dos beneficiários da AID. Data: 20.11.2012 Av. Sport Clube do Recife, 252 – Madalena – Recife/PE - CEP: 50750.500 (FCAP/UPE) Fone/Fax: (081) 3445-4469 CNPJ: 35.328.913/0001-16 - E-mail: admtec@admtec.org.br - www.admtec.org.br
  5. 5. RELATÓRIO TÉCNICO DE VISITA APRESENTADO PELO ENG. DE PESCA MIGUEL ARCANJO 1. Objetivo: Este relatório procura descrever as atividades realizadas no período de 20 a 22/11/12, na cidade de Casa Nova, Bahia, relativas as potencialidades e entraves à implantação de um polo de produção de peixes no entorno da área de influência do Parque Eólico de Casa Nova, como mais uma linha de ação do Projeto “Ventos Da Mudança” (VDM). 2. Equipe: Esta visita foi realiza pelo técnico Miguel Arcanjo (Chesf/GRP-EPPA), acompanhado pelo coordenador do projeto, Luciano Góes e os técnicos Venâncio Silva e Ianne Castro, todos do ADM&TEC. 3. Dos aspectos considerados na visita técnica: 3.1. Iniciativa local Apesar de não contarem com um apoio técnico regular e eficaz (extensão), podemos conhecer três iniciativas de cultivo que pode ser o ponto de partida para a implantação da cadeia produtiva do peixe no Projeto VDM: Assentamento Luiz Nunes (viveiro escavado); Tanques-rede no Povoado São Luiz (Foto 01) e a localidade conhecida como a Ilha (Foto 02), onde alguns pescadores construíram alguns viveiros de terra. Além destas estruturas de produção, há uma unidade de beneficiamento de pescado administrada pela Colônia de Pescadores e uma outra aprovada, que será administrada por uma das associações de pescadores existente em Casa Nova, e em fase de implantação. Foto 01 Foto 02 Av. Sport Clube do Recife, 252 – Madalena – Recife/PE - CEP: 50750.500 (FCAP/UPE) Fone/Fax: (081) 3445-4469 CNPJ: 35.328.913/0001-16 - E-mail: admtec@admtec.org.br - www.admtec.org.br
  6. 6. 3.2. Das espécies de peixes cultivadas Atualmente, foram três as espécies de peixes cultivadas nas três iniciativas mencionadas acima: tilápia, nos tanques-redes e nos viveiros; tambaqui e carpa comum apenas nos viveiros. Parte dos peixes são fornecidos pela Codevasf / Bebedouro, Petrolina-PE, e outra parte é adquirida de particulares, como alguns produtores de peixes da região de PropriáAL. 3.3. Da infra-estrutura para a atividade A infra-estrutura é deficiente, ou inexistente. O deplecionamento do lago provoca um recuo significativo, que prejudica tanto o cultivo em tanques-rede, exigindo a transferência destas estruturas, assim enchimento/renova como dos atrapalha viveiros a captação escavados d´água (Foto 03). por bombeamento Onerando o custo para de produção(diesel/gasolina/energia) e a necessidade constante de manejo (mão-de-obra). A aquisição de alevinos é feita em outras praças. Existe a doação por parte da Codevasf, mas é preciso pensar em uma atividade sustentável, e isto passa pela aquisição regular dos insumos básicos, como os alevinos. A ração é adquirida no comércio varejista e armazenadas de forma precária (Foto 04). Os piscicultores de tanques-rede às vezes conseguem adquirir a ração em grosso, quando se associam a outros produtores da região. Todos eles se queixam do alto custo da ração no cultivo, e tende a ter um maior impacto no custo da produção quando não se dispõe de uma assistência técnica efetiva. Foto 03 Foto 04 Av. Sport Clube do Recife, 252 – Madalena – Recife/PE - CEP: 50750.500 (FCAP/UPE) Fone/Fax: (081) 3445-4469 CNPJ: 35.328.913/0001-16 - E-mail: admtec@admtec.org.br - www.admtec.org.br
  7. 7. 3.4. Do tipo de solo da região O solo da região mostra-se bastante pedregoso e arenoso (Fotos 05 e 06), o que indica uma grande permeabilidade, conforme depoimento dos produtores. Esta característica onera significativamente o custo de construção, pois necessitaria a importação de terra argilosa para compactação e impermeabilização dos taludes e fundo dos viveiros. . Foto 05 Foto 06 3.5. Do mercador consumidor Segundo os produtores, o peixe tem boa aceitação no mercado, podendo ser vendido de R$ 8,00 a 10 o kilograma na feira livre. Os atravessadores pagam em torno de R$5,00 para adquirir o produto na propriedade. Ainda existe a possibilidade de a produção ser direcionada às unidades de beneficiamento, para agregar valor e poder ser oferecida, inclusive, na merenda escolar. Segundo estes mesmos produtores, os peixes não apresentam “off flavour” (o popular “gosto de barro”), tanto os peixes cultivados em tanquesrede, como os de viveiro. 3.6. Da assistência técnica aos produtores Um ponto crucial na implantação de uma nova atividade produtiva é a extensão rural. No caso específico da piscicultura no município de Casa Nova, não há um especialista da área realizando este trabalho. Apenas os produtores de tanques-rede do distrito de São Luiz contam com o apoio da Embrapa, em uma parceria. Os demais produtores realizam a atividade de forma intuitiva, ocasionando como relataram, situação de super adensamento de alevinos nos viveiros, ou a qualidade da água deteriorada. Além dos aspectos do cultivo em si, há a questão da comercialização, da sanidade, do licenciamento, do beneficiamento e aporte de novas técnicas de cultivo. Desta forma, é imprescindível incluir um profissional quando da implantação desta nova atividade produtiva. Av. Sport Clube do Recife, 252 – Madalena – Recife/PE - CEP: 50750.500 (FCAP/UPE) Fone/Fax: (081) 3445-4469 CNPJ: 35.328.913/0001-16 - E-mail: admtec@admtec.org.br - www.admtec.org.br
  8. 8. 3.7. Do uso de defensivos agrícolas nas lavouras. O local no lago de Sobradinho onde está situado o município de Casa Nova além de apresentar um grande recuo de suas margens acompanhando o deplecionamento do lago, também favorece uma renovação pequena das águas que ali se acumulam. A atividade agrícola é intensa, predominando o cultivo da cebola, melão, melancia. Há ainda o cultivo de goiaba, mamão, maracujá etc. Conforme relato dos próprios produtores, o uso de defensivos agrícolas é grande. Estes produtos alcançam o corpo d´água carreados pela água das chuvas, ou no cultivo direto na área de vazante. Acumulam-se na água e no sedimento, podendo contaminar o lençol freático. Os peixes e invertebrados podem acumular os agrotóxicos em concentrações muito acima daquelas encontradas nas águas nos quais eles vivem. Este processo é chamado bioacumulação (www.portalsaofrancisco.com.br). Quando da estruturação de uma cadeia produtiva de peixes, visando inclusive mercados exigentes que realizam testes de qualidade específicos, é preciso considerar este ponto. Fica o registro de um potencial problema de saúde pública, independentemente do cultivo de peixes na região. 4. Conclusões: • A implementação do cultivo de peixe estruturado em uma cadeia produtiva é possível desde que sejam feitos os investimentos para solucionar os entraves de infraestrutura; • A assistência técnica é vital na manutenção da atividade nos primeiros anos, de forma competitiva e baixo custo de produção; • É necessário um estudo técnico mais rigoroso para definir os custos de implantação dos viveiros em cada localidade (propriedade), pois a distancia dos possíveis locais de construção dos viveiros e o ponto de captação de água são distintos. Isto requer plantas topográficas e delimitação das áreas de APP’s; • É preciso conhecer se há contaminação das águas e dos sedimentos por agrotóxicos; • Definição das linhas de crédito e das parcerias. Paulo Afonso, 27/11/2012 Miguel Arcanjo dos Santos Neto GRP-EPPA ] Av. Sport Clube do Recife, 252 – Madalena – Recife/PE - CEP: 50750.500 (FCAP/UPE) Fone/Fax: (081) 3445-4469 CNPJ: 35.328.913/0001-16 - E-mail: admtec@admtec.org.br - www.admtec.org.br
  9. 9. EQUIPE TÉCNICA Diretor Técnico Prof. Luiz Ribeiro Alves Coordenação Geral Luciano Mauro Porto de Barros Góes Coordenação Técnica Paula Mellissa de Farias Campina Equipe ADM&TEC em Casa Nova 1. Ianne Castro 2. Tiago Ribeiro 3. Venâncio Silva Recife, 14 de dezembro de 2012 Prof. Luiz Ribeiro Alves Diretor Técnico Av. Sport Clube do Recife, 252 – Madalena – Recife/PE - CEP: 50750.500 (FCAP/UPE) Fone/Fax: (081) 3445-4469 CNPJ: 35.328.913/0001-16 - E-mail: admtec@admtec.org.br - www.admtec.org.br

×