SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Baixar para ler offline
Como montar uma
creche
EMPREENDEDORISMO
Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br
Expediente
Presidente do Conselho Deliberativo
Roberto Simões
Diretor-Presidente
Luiz Eduardo Pereira Barreto Filho
Diretor Técnico
Carlos Alberto dos Santos
Diretor de Administração e Finanças
José Claudio Silva dos Santos
Gerente da Unidade de Capacitação Empresarial
Mirela Malvestiti
Coordenação
Luciana Rodrigues Macedo
Autor
Lauri Tadeu Corrêa Martins
Projeto Gráfico
Staff Art Marketing e Comunicação Ltda.
www.staffart.com.br
Apresentação
1. Apresentação
É considerada instituição educacional, além de responsável pela assistência física,
motora, afetivo-social e intelectual de crianças de até três anos.
Aviso: Antes de conhecer este negócio, vale ressaltar que os tópicos a seguir não
fazem parte de um Plano de Negócio e sim do perfil do ambiente no qual o
empreendedor irá vislumbrar uma oportunidade de negócio como a descrita a seguir. O
objetivo de todos os tópicos a seguir é desmistificar e dar uma visão geral de como um
negócio se posiciona no mercado. Quais as variáveis que mais afetam este tipo de
negócio? Como se comportam essas variáveis de mercado? Como levantar as
informações necessárias para se tomar a iniciativa de empreender?
Com os avanços da vida moderna, muitas famílias têm que deixar seus filhos em
creches. Com isso, abrir uma creche transformou-se em uma opção de negócio
rentável e prazeroso. Como qualquer outro negócio, abrir uma creche demanda
conhecimento do segmento e vontade de crescer e, de modo geral, você deve verificar
o mercado para descobrir se há clientes suficientes para o tipo de serviço oferecido.
Uma vez que houver clientes para os atuais concorrentes e para os possíveis clientes,
já podemos estabelecer a viabilidade e chance de que o negócio pode dar certo.
Normalmente o perfil de clientes que desejam colocar seus filhos em uma creche são
pessoas que tem dificuldade para encontrar babás confiáveis ou buscam por um
serviço mais barato do que este, para que possa exercer outras atividades, como
trabalhar por exemplo. Com o aumento do número de mulheres do mercado de
trabalho, mais frequentemente o serviço de creche se torna necessário para
atendimento dessa demanda. Nesse contexto, as creches exercem hoje importante
papel educacional para crianças de até três anos de idade.
A Câmara de Educação Básica do CNE - Conselho Nacional de Educação, órgão de
assessoramento do Ministro da Educação do Brasil, adota a seguinte nomenclatura
para organização da Educação Básica:
Educação Infantil até cinco anos de idade:
• Creche até três anos de idade
• Pré-escola quatro e cinco anos de idade
Ensino Fundamental até 14 anos de idade:
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 1
Mercado
• Anos iniciais de 6 a 10 anos de idade
• Anos finais de 11 a 14 anos de idade.
Assim, para o Governo, as creches são instituições educacionais, além disso, tem a
responsabilidade de prover assistência física, cognitiva e motora, social e intelectual a
criança.
Este documento não substitui o plano de negócio. Para elaboração deste plano
consulte o Sebrae mais próximo.
2. Mercado
O primeiro passo para abrir uma creche é fazer uma avaliação da quantidade de
concorrentes para o serviço. Busque dados estatísticos que tenha gráficos e índices ou
mesmo um mapa da sua região de atuação e selecione no mesmo os locais de cada
concorrente, com o objetivo de ter uma visão geral da concorrência. Ao analisar o perfil
da concorrência não se esqueça de levar em consideração, escolas, berçários e as
creches disponibilizadas pelos governos estaduais e municipais como concorrentes
também.
Em 2004 o Governo Federal lançou o Proinfância - Programa de construção e reforma
de creches com o objetivo de fortalecer a política de educação infantil nos municípios e
apoiar a sua expansão.
O empresário desse segmento deve fazer uma análise swot (pontos fortes e fracos) do
funcionamento do mercado concorrente e com essa descobrir o maior número de
informações necessárias para abrir e funcionar a creche. Informações como qualidade
do atendimento, preços e qualidade dos serviços são imprescindíveis para conhecer o
perfil dos concorrentes.
Levante e mensure todas as informações, projete um cenário do mercado concorrente
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 2
Localização
atual e avalie se você terá condições de competir. É importante também saber como
se posicionar para ter uma vantagem competitiva em relação à concorrência.
Basicamente seria responder a pergunta: o que eu posso fazer melhor do que a
concorrência? Quais serviços podem oferecer para o público infantil? E a resposta
certa é: Excelência em ensinar, educar e sociabilizar pessoas.
3. Localização
Existe uma lista de fatores que influenciam na escolha da melhor creche para o filho:
higiene, espaço, qualificação dos profissionais, etc. Mas, o fator determinante que
desperta o interesse do cliente em pelo menos conhecer a creche, é a proximidade da
mesma com seu trabalho ou residência. Avalie também itinerários, vias de acesso,
rotas, para ver se a creche fica no caminho casa / trabalho. Assim é muito importante
pesquisar a vizinhança local, seu perfil e poder de consumo.
Pense o quanto é preciso ter cuidado ao comprar ou alugar um imóvel para um novo
negócio, caso contrário poderá estar fadado ao fracasso. É necessário avaliar, além do
local para abrir à creche, as condições favoráveis desse ponto, que são:
estacionamento, segurança e facilidade de acesso.
A promulgação da LDB determina que os Sistemas de Ensino e os Conselhos de
Educação estabeleçam normas e diretrizes que propiciem educação de qualidade nas
creches e pré-escolas, cabendo ao Município a responsabilidade de sua
institucionalização, com o apoio financeiro e técnico das esferas federal e estadual.
Adicionalmente, com base no artigo 182 da Constituição Federal, e no princípio
Constitucional da preponderância do interesse, o Município é o principal ente
federativo responsável em promover a política urbana de modo a ordenar o pleno
desenvolvimento das funções sociais da cidade, de garantir o bem-estar de seus
habitantes e de garantir que a propriedade urbana cumpra sua função social, de
acordo com os princípios e instrumentos regulamentados no Estatuto da Cidade, Lei
Federal 10.257 de 10 de julho de 2001, eleitos e mapeados no seu Plano Diretor, que
é o instrumento básico da política urbana municipal.
O local escolhido por você além de localizado estrategicamente deve atender as
necessidades físicas para abrir a creche; instalações adequadas, banheiros,
salubridade, saneamento e condições de higienização e atender as normas da
vigilância sanitária municipal.
Dentre outros requisitos qualitativos para escolha dos possíveis locais de instalação de
sua creche, destacamos:
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 3
Localização
1 - Em relação ao imóvel onde será instalado o empreendimento, o empreendedor
deverá atentar para os seguintes aspectos:
- Certifique-se de que o imóvel em questão atende as suas necessidades operacionais
quanto à localização, capacidade de instalação, características da vizinhança como
segurança, por exemplo.
- se é atendido por serviços de água, luz, esgoto, telefone etc.
- Cuidado com imóveis situados em locais sem ventilação, úmidos, sujeitos a
inundações ou próximos às zonas de risco. Consulte a vizinhança a respeito.
- Verifique se o imóvel precisará de muitas adaptações, tais como rebaixamento de
degraus, eliminação de escadas, instalação de rampas, elevadores, etc.
- Tratando-se de imóvel alugado, negocie o valor do aluguel, data de pagamento,
prazo de locação e demais cláusulas com o locador, na forma e condições compatíveis
com o empreendimento, considerando o tempo de retorno do investimento.
- Verifique se o imóvel está legalizado e regularizado junto aos órgãos públicos
municipais que possam interferir ou impedir sua futura atividade.
- Confira a planta do imóvel aprovada pela Prefeitura, e veja se não houve nenhuma
obra posterior, aumentando, modificando ou diminuindo as áreas primitivas, que
deverá estar devidamente regularizada.
2 - Em relação à Autorização de Funcionamento concedida pela Secretária Municipal
de Educação, normalmente, os ofícios de solicitação para sua emissão, devem estar
acompanhados de alguns documentos suporte (quitação de impostos, alvarás, etc.)
relacionados à situação do imóvel onde a creche será instalada. Por esta razão é
importante verificar / obter junto a Prefeitura Municipal:
I) se o imóvel está regularizado - se possui o HABITE-SE;
II) se os impostos que recaem sobre o imóvel estão em dia - IPTU, ITR;
III) a legislação municipal que trata da instalação de anúncios.
IV) Alvará de Funcionamento - É um documento que autoriza o exercício de uma
atividade, levando em conta o local, o tipo de atividade, o meio ambiente, a segurança,
a moralidade, o sossego público.
Nenhum imóvel poderá ser ocupado ou utilizado para instalação e funcionamento de
usos não-residenciais sem prévia emissão, pela Prefeitura, da licença correspondente,
sem a qual será considerado em situação irregular.
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 4
ExigênciasLegaiseEspecíficas
4. Exigências Legais e Específicas
Para a abertura de creches e escola infantil é preciso de uma autorização de
funcionamento e supervisão da Secretaria de Estado de Educação. Todas as
instituições de educação infantil devem ser autorizadas pelo menos 120 dias antes da
data prevista para o início da atividade, devendo montar um processo cumprindo
algumas exigências, tais como: plano de educação; propostas pedagógicas; relatório
com prova de habilitação profissional (é exigido que o diretor tenha curso de pedagogia
com habilitação em administração escolar); condições do prédio; alvará de
funcionamento da prefeitura e do corpo de bombeiro, etc.. A Secretaria de Estado de
Educação vai efetuar a fiscalização para verificar se tudo o que foi relatado no
processo, procede. Procedendo a verificação, é encaminhado relatório para o
Conselho Estadual de Educação providenciar a autorização.
A empresa deverá, também, procurar a Vigilância Sanitária da Secretaria Municipal de
Saúde para obter o Alvará de Licença Sanitária.
É necessário contratar um contador profissional para legalizar a empresa nos
seguintes órgãos:
- Junta Comercial;
- Secretaria da Receita Federal (CNPJ);
- Secretaria Estadual de Fazenda;
- Secretaria Municipal de Educação;
- Prefeitura do Município para obter o alvará de funcionamento;
- Enquadramento na Entidade Sindical Patronal (empresa ficará obrigada a recolher
por ocasião da Constituição e até o dia 31 de janeiro de cada ano a Contribuição
Sindical Patronal);
- Cadastramento junto à Caixa Econômica Federal no sistema “Conectividade Social –
INSS/FGTS”.
- Corpo de Bombeiros Militar.
Dentre as leis Federais, disponíveis no site da Presidência da República Federativa do
Brasil, aplicadas a esta atividade destacamos:
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 5
Estrutura
- Lei 9.394/96 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação, de 20 de dezembro de 1996,
que determina a fixação de uma proposta pedagógica fundamentada, visando à
formação de uma criança cidadã.
- Lei nº 11.769, de 18 de agosto de 2008, altera o art. 26 da Lei n.º 9.394, de 20 de
dezembro de 1996, Lei de Diretrizes e Bases da Educação, para dispor sobre a
obrigatoriedade do ensino de música na educação básica.
- Lei 8.069 de 13 de julho de 1990 que institui o Estatuto da Criança e do Adolescente.
- A Lei 9795/99 de 27 de abril de 1999 dispõe sobre a educação ambiental e institui a
Política Nacional de Educação Ambiental
- A Lei 9870/99 de 23 de novembro de 1999 trata sobre o valor das anuidades e
semestralidades escolares.
- A Lei 10.034 de 24 de outubro de 2000 que prevê a autorização para creches, pré-
escolas e estabelecimentos de ensino fundamental fazerem a opção pelo Simples.
O Sebrae local poderá ser consultado para orientação.
5. Estrutura
A abertura das creches, no que se refere às normas e às condições, encontra-se
prevista na Portaria nº 262/2011 de 31 de Agosto de 2011 - Normas Reguladoras das
Condições de Instalação e Funcionamento das Creches. Esta portaria apresenta
algumas alterações ao nível de requisitos estruturais e funcionais em relação à
legislação anterior e não se aplica, em parte, às creches já existentes ou em processo
de licenciamento à data da sua entrada em vigor.
As creches deverão contar, obrigatoriamente, com instalações e equipamentos
adequados, como por exemplo:
- Sala para administração e equipe técnica;
- Berçário com área própria para estimulação de bebês;?
- Sala de atividades múltiplas (recreação, repouso e refeição);?
- Solário ou local de recreação descoberto, preferencialmente com vegetação natural;?
- Sanitários para as crianças;?
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 6
Estrutura
- Cozinha e lactário;?
- Vestiário e sanitários para funcionários.
A legislação é bem clara e rígida dentro de cada município, e estabelece os requisitos
estruturais mínimos para funcionamento de uma creche. Dentre os requisitos mais
comuns destacamos:
I) A exigência de área mínima (normalmente, um metro quadrado por aluno, sendo
permitida a ocupação máxima correspondente a oitenta por cento da área física do
imóvel);
II) paredes pintadas ou revestidas com material lavável;
III) piso de material de fácil limpeza;
IV) mobiliário de dimensões e características que proporcionem conforto e segurança
às crianças atendidas;
V) Boas condições de ventilação e iluminação;
VI) Existência de berçário, de locais para amamentação e higienização, com balcão e
pia, conforme a faixa etária atendida;
VII) instalações sanitárias destinadas a alunos de uso exclusivo destes, adequadas à
faixa etária, e em número suficiente para a quantidade de crianças.
A estrutura de uma creche assim como de uma escola, exige uma série de
características e a divisão de vários ambientes para o seu bom funcionamento, tais
como:
- Hall de Recepção – O hall de recepção deve ser uma área externa ampla e
espaçosa. Deve possuir instalações para proporcionar uma passagem gradativa da
criança, deixada pelos pais aos cuidados da creche; atender visitantes, servir de local
para reunião com pequenos grupos de pais; publicar avisos, exposição de fotos,
desenhos e atividades realizadas pelas crianças. Deve ter uma decoração
aconchegante com cadeiras, bancos ou sofás, além de ter sempre a disposição uma
agenda para anotações e recados que os pais desejem fazer a direção.
- Berçário – O berçário é formado por sete áreas integradas e interligadas: recepção,
dormitório, sala ou local de estimulação, local para banho e higiene do bebê, saleta ou
local para amamentação (opcional), solário e lactário. A recepção é a área próxima à
porta do berçário, onde a mãe deve deixar sua bolsa, objetos de uso pessoal e calçar
as sapatilhas (sapatos não devem ser permitidos em área esterilizada). Os bebês
devem ser estimulados através de atividades de base essencialmente oral-afetiva,
através de contato físico, e deve ocorrer a qualquer momento dentro do berçário, essa
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 7
Pessoal
área pode fazer parte do dormitório.
- Sala de Atividades – A sala de atividades é um espaço destinado a grupos de
crianças, onde terá a seu dispor brinquedos, jogos, papéis, lápis, tintas, etc. Em alguns
momentos a sala de atividades pode ser transformada em sala de refeições, quando
várias crianças fazem as refeições simultaneamente. A creche também deve possuir
um local para atividades especiais, que possibilite a instalação dos equipamentos de
suporte utilizados nas atividades recreativas, educacionais, estimulação psicomotora,
etc. (narrativa de histórias, projeção de filmes e slides, teatrinho de vara, fantoches,
sombras, danças, audição de músicas, brinquedos cantados, atividades típicas de
educação física e atividades sociais).
- Área Externa - A área externa, com parte obrigatoriamente coberta, destina-se à
recreação dirigida, ao lazer e à prática de educação física e jardinagem. Seu piso pode
ser natural ou revestido.
- Administração – O espaço destinado à administração engloba as seguintes
atividades: direção, secretaria, almoxarifado, atendimento médico, psicológico,
pediátrico, nutricionista e assistente social, e geralmente compõe- se pela sala do
assistente social, sala da diretoria, sala da equipe pedagógica, sala do psicólogo, sala
do orientador pedagógico, sala dos professores, secretaria, almoxarifado, sanitário
masculino e feminino para a equipe de direção, sala do médico, sanitário dos
professores e professoras, sala de espera e sala do nutricionista.
- Serviços – A área de serviços compreende: despensa, cozinha, lavanderia, copa,
além do vestiário para serventes.
- Estacionamento – Se não houver disponibilidade permanente de vagas nas
proximidades será necessário realizar convênio com estacionamento próximo. O ideal
é que exista uma área própria para parada rápida na frente da creche, com capacidade
para atender o fluxo nos horários de chegada e saída.
6. Pessoal
O trabalho numa creche deve ser assegurado por profissionais qualificados e em
número suficiente, de acordo com a dimensão da mesma. Além da formação de base
mais diferenciada dos técnicos de educação, existem outros cursos certificados para
Auxiliares de Educação Infantil.
A direção técnica deverá ser assegurada preferencialmente por um educador de
infância, podendo ser, no entanto, assumida por outros profissionais com licenciatura
em Ciências Sociais e Humanas ou em outras áreas das Ciências da Educação.
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 8
Pessoal
Existe a obrigatoriedade de que a direção das creches seja feita por profissionais
técnicos na área de educação, assessorados por uma equipe técnica em que cada
profissional será responsável pela respectiva área de atuação.
É necessário um Diretor Técnico responsável, que poderá exercer a função de
Coordenador Pedagógico desde que possua as qualificações para tal. As creches, em
geral contam com uma equipe técnico-administrativo-pedagógica com a seguinte
configuração:
- Médico-pediatra;
- Técnico ou Auxiliar de Enfermagem;
- Nutricionista;
- Recreadores (deverão ter segundo grau e cursos específicos na área);
- Auxiliares (preferencialmente estagiários do curso de pedagogia);
- Funcionários administrativos;
- Diretor Técnico: Segundo o art. 62 da LDB, a direção da instituição de educação
Infantil será exercida por profissional formado em Curso Normal Superior para o
Magistério em Educação Infantil ou em nível de Pós-Graduação em educação;
- Docentes: Segundo o art. 62 da LDB, deverão possuir formação em “nível superior”,
admitindo-se, como formação mínima, a oferecida em nível médio, na modalidade
“Normal”;
- Educadores Assistentes. Segundo o art. 62 da LDB, deverão possuir formação em
“nível superior”, admitindo-se, como formação mínima, a oferecida em nível médio, na
modalidade “Normal”;
- Merendeiras e Auxiliares de serviços gerais (Serviços de Cozinha, Serviço de
Limpeza, segurança).
Para as funções de Médico e Nutricionista a legislação brasileira prevê para estes
profissionais, jornada reduzida, ou seja, eles podem ser contratados como autônomos.
Contudo, a responsabilidade nestes casos deve ser individual, vedado a intermediação
empresarial. Profissionais especializados como fonoaudiólogos, psicólogos, dentistas
podem ser contratados por meio de convênios com instituições de saúde.
Os profissionais que atuam na creche e que têm contato direto com as crianças,
precisam não só de um programa de aperfeiçoamento profissional contínuo, como
também de treinamentos adequados. Eles precisam ter conhecimento da atividade,
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 9
Equipamentos
criatividade, paciência e habilidade no trato com os educandos, além de saber lidar
com os pais, informando sobre o desenvolvimento dos filhos, ouvindo e respondendo
de forma equilibrada quando interpelado a respeito das crianças.
Com vistas à emissão da Autorização de Funcionamento e posterior fiscalização da
atividade, as Secretarias Municipais de Educação estabelecem os requisitos
profissionais para o exercício do cargo de Diretor Técnico e da titulação e quantitativos
mínimos de cada função dos membros da equipe técnico- administrativo- pedagógica,
das creches na sua área de jurisdição, com base na Política Nacional de Educação
Infantil.
O Sebrae da localidade poderá ser consultado para aprofundar as orientações sobre o
perfil do pessoal e treinamentos adequados.
7. Equipamentos
São necessários os seguintes móveis e equipamentos:
- microcomputadores e impressoras de acordo com a estrutura da creche;
- linha telefônica;
- uma impressora de cupom fiscal;
- gaveteiro para guardar dinheiro, cheques e tickets de cartões de débito e crédito;
- equipamento para recebimento através de cartões de débito e crédito – decisão do
empreendedor;
- móveis e equipamentos para o refeitório apropriados para crianças pequenas;
- cadeiras e mesas escolares, armários e estantes, de acordo com o dimensionamento
das instalações;
- estantes, mesas, cadeiras, livros infantis e equipamentos para a sala multimeios;
- jogos e brinquedos pedagógicos, softwares educativos e material didático;
- TV e aparelho de DVD ou blu ray;
- Higienizadores de mamadeiras;
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 10
MatériaPrima/Mercadoria
- Esterilizadores e umidificadores de ar;
- berços, colchões e colchonetes;
- Tela de proteção para janelas;
- equipamentos para cozinha;
- equipamentos, móveis e utensílios para a secretaria, etc.
8. Matéria Prima/Mercadoria
A gestão de estoques no varejo é a procura do constante equilíbrio entre a oferta e a
demanda. Este equilíbrio deve ser sistematicamente aferido através de, entre outros,
os seguintes três importantes indicadores de desempenho:
Giro dos estoques: o giro dos estoques é um indicador do número de vezes em que o
capital investido em estoques é recuperado através das vendas. Usualmente é medido
em base anual e tem a característica de representar o que aconteceu no passado.
Obs.: Quanto maior for a freqüência de entregas dos fornecedores, logicamente em
menores lotes, maior será o índice de giro dos estoques, também chamado de índice
de rotação de estoques.
Cobertura dos estoques: o índice de cobertura dos estoques é a indicação do período
de tempo que o estoque, em determinado momento, consegue cobrir as vendas
futuras, sem que haja suprimento.
Nível de serviço ao cliente: o indicador de nível de serviço ao cliente para o ambiente
do varejo de pronta entrega, isto é, aquele segmento de negócio em que o cliente quer
receber a mercadoria, ou serviço, imediatamente após a escolha; demonstra o número
de oportunidades de venda que podem ter sido perdidas, pelo fato de não existir a
mercadoria em estoque ou não se poder executar o serviço com prontidão.
Portanto, o estoque dos produtos deve ser mínimo, visando gerar o menor impacto na
alocação de capital de giro. O estoque mínimo deve ser calculado levando-se em conta
o número de dias entre o pedido de compra e a entrega dos produtos na sede da
empresa.
Trata-se de uma prestação de serviços, não envolvendo a manufatura ou comércio de
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 11
OrganizaçãodoProcessoProdutivo
bens. Contudo, o preparo da alimentação das crianças, as atividades administrativas e
a higiene das instalações exigem a compra, de alimentos, materiais de limpeza e
outros insumos que devem ser adquiridos pelo estabelecimento para complementar a
prestação do serviço.
9. Organização do Processo Produtivo
O processo produtivo de uma creche pode ser dividido da seguinte forma:
1. Atendimento ao Responsável – é o processo responsável pelo ingresso das crianças
na escola e pelo atendimento aos pais e/ou responsáveis.
2. Serviços pedagógicos e lazer – Compreendem as atividades relacionadas à
elaboração e execução do Plano Pedagógico da creche.
3. Serviços administrativos – responsáveis pelas atividades de apoio administrativo,
financeiro, marketing e de Recursos Humanos da creche. É realizado pela secretaria e
pelo responsável pela administração geral.
4. Serviços de preparação de alimento – responsável pela preparação dos alimentos e
da rotina alimentar.
5. Serviços de higiene e saúde – responsável pelas atividades de higiene e cuidados
especiais na promoção da saúde física e mental das crianças atendidas pela escola.
6. Outros serviços de Apoio – Incluem as atividades de limpeza e higiene das
instalações, cuidados com a horta, segurança, manutenção das instalações elétricas,
hidráulicas, e demais atividades de apoio necessárias ao bom funcionamento da
creche.
Ainda fazendo parte do processo produtivo, é preciso saber que, em uma creche as
crianças podem ficar em período integral ou meio período.
É importante estabelecer critérios flexíveis na divisão dos grupos, que são feitos por
idade ou faixa etária, já que cada criança tem um estilo e um ritmo próprio de
desenvolvimento.? Alguns exemplos de atividades que podem ser desenvolvidas na
creche:?
- repouso (principalmente dos menores);?
- alimentação;?
- música;?
- leitura de histórias;
- atividades ao ar livre;
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 12
Automação/CanaisdeDistribuição
10. Automação
Existe no mercado sistemas para gerenciamento administrativo de creches. Os
softwares possibilitam o acompanhamento pedagógico, controle automático e
impressão de boletos de cobrança de mensalidades, cadastro de clientes, serviço de
mala direta para clientes e potenciais clientes, cadastro de móveis e equipamentos,
controle de contas a pagar e a receber, fornecedores, folha de pagamento, fluxo de
caixa e movimento do caixa.
Esses softwares podem ser encontrados em empresas especializadas que dão
assessoria desde sua instalação até treinamentos para os usuários.
Vale lembrar que é preciso fazer uma pesquisa de avaliação não só de preços dos
softwares, mas do que ele oferece e o suporte que a empresa irá proporcionar a sua
empresa.
11. Canais de Distribuição
O canal de distribuição deste serviço é a própria creche. É na propriedade que a
creche está instalada que o serviço é realizado. Assim, os pais ou responsáveis levam
as crianças até a creche e voltam para buscar.
A creche pode oferecer o serviço de transporte das crianças, que pode ser acrescido a
parte no valor da mensalidade. Assim, um transporte com uma cuidadora busca a
criança e a entrega ao final do período. Este transporte pode ser próprio ou
terceirizado.
Além disso, a creche pode disponibilizar um site com informações a respeito das
atividades que realiza, com fotos do ambiente, formas de contato (emails, chats,
telefone). Um grande diferencial é disponibilizar câmeras nas salas de atividades onde
os pais podem acompanhar seu filhos através de vídeos online em tempo real.
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 13
Investimento/CapitaldeGiro
12. Investimento
De posse de uma pré-avaliação do mercado é hora de partir para a análise financeira
para abrir a creche. Você deverá levantar o valor do investimento inicial (Levante todos
os materiais, equipamentos, capital de giro necessário), os custos fixos mensais e a
previsão de faturamento após abrir a creche.
Lembre-se de ter uma boa avaliação financeira ao abrir uma creche, você precisará
manter reserva de fundos.
De acordo com a previsão de quantas crianças que se matricularão na creche, seus
custos e preço dos serviços oferecidos você terá condições de descobrir qual será a
previsão de lucro mensal e a partir daí saber em quanto tempo seu investimento total
terá retorno.
Para referência do empreendedor, relacionamos abaixo alguns componentes do
orçamento de investimento necessário à instalação de uma pequena creche cujos
valores estimados somam cerca de R$ 214.000,00:
- Abertura da empresa – R$ 5.000,00
- Capital de giro inicial - R$ 12.000,00
- Equipamentos diversos – R$ 36.000,00
- Letreiro - R$ 1.500,00
- Mão de obra para adaptação do imóvel – R$ 50.000,00
- Marketing inicial - R$ 2.500,00
- Materiais para reforma e instalações – R$ 80.000,00
- Mobiliário - R$ 20.000,00
- Projeto arquitetônico – R$ 7.000,00
O Sebrae da localidade poderá ser consultado para mais orientações sobre
investimentos e para a elaboração adequada do plano de negócio.
13. Capital de Giro
Capital de giro é o montante de recursos financeiros que a empresa precisa manter
para garantir fluidez dos ciclos de caixa. O capital de giro funciona com uma quantia
imobilizada no caixa (inclusive banco) da empresa para suportar as oscilações de
caixa.
O capital de giro é regulado pelos prazos praticados pela empresa, são eles: prazos
médios recebidos de fornecedores (PMF); prazos médios de estocagem (PME) e
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 14
CapitaldeGiro
prazos médios concedidos a clientes (PMCC).
Quanto maior o prazo concedido aos clientes e quanto maior o prazo de estocagem,
maior será sua necessidade de capital de giro. Portanto, manter estoques mínimos
regulados e saber o limite de prazo a conceder ao cliente pode melhorar muito a
necessidade de imobilização de dinheiro em caixa.
Se o prazo médio recebido dos fornecedores de matéria-prima, mão- de-obra, aluguel,
impostos e outros forem maiores que os prazos médios de estocagem somada ao
prazo médio concedido ao cliente para pagamento dos produtos, a necessidade de
capital de giro será positiva, ou seja, é necessária a manutenção de dinheiro disponível
para suportar as oscilações de caixa. Neste caso um aumento de vendas implica
também em um aumento de encaixe em capital de giro. Para tanto, o lucro apurado da
empresa deve ser ao menos parcialmente reservado para complementar esta
necessidade do caixa.
Se ocorrer o contrário, ou seja, os prazos recebidos dos fornecedores forem maiores
que os prazos médios de estocagem e os prazos concedidos aos clientes para
pagamento, a necessidade de capital de giro é negativa. Neste caso, deve-se atentar
para quanto do dinheiro disponível em caixa é necessário para honrar compromissos
de pagamentos futuros (fornecedores, impostos).
Portanto, retiradas e imobilizações excessivas poderão fazer com que a empresa
venha a ter problemas com seus pagamentos futuros.
Um fluxo de caixa, com previsão de saldos futuros de caixa deve ser implantado na
empresa para a gestão competente da necessidade de capital de giro. Só assim as
variações nas vendas e nos prazos praticados no mercado poderão ser geridas com
precisão.
O capital de giro que mantém seu negócio, para tanto é importante saber um pouco
sobre as despesas básicas do setor:
- Despesas legais
As despesas legais iniciais para a abertura de uma creche incluem licenças exigidas
pelo estado em que você está operando, bem como taxas de licenciamento. Você
pode ser obrigado a ter seguro de responsabilidade civil. Também é uma boa idéia
assegurar contra incêndio e roubo. Verifique com seu departamento de licenciamento
estadual para as necessidades do seu próprio estado. Além disso, as inspeções
estaduais devem ser conduzidas para uma creche licenciado, cada um com suas
próprias taxas associadas. Inspeções estaduais necessárias incluem incêndio, saúde,
playground e inspeções aquecedor de água quente, bem como uma avaliação de risco
de chumbo. Inspeções exigidas variam de estado para estado.
- Despesas Operacionais
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 15
Custos
Pode levar algum tempo antes de você obter lucro de um negócio como uma creche
nova. Você deve ter algum capital de arranque para pagar as despesas operacionais,
incluindo salários de funcionários, aluguel, serviços públicos e suprimentos de
acolhimento, tais como alimentos, roupas e suprimentos de primeiros socorros.
Você deve investir 25% do capital em alguns equipamentos para iniciar a sua creche.
Equipamentos e materiais necessários incluirão mobiliário, equipamento de escritório e
suprimentos, cadeiras, brinquedos, livros, áreas de dormir, materiais escolares, fraldas
descartáveis e almofadas, e outros suprimentos essenciais acolhimento de crianças.
O Sebrae da localidade poderá ser consultado para aprofundar as orientações sobre
despesas e plano de negócio.
14. Custos
Custos são todos os gastos que estão diretamente relacionados à produção de um
bem ou serviço e que serão incorporados posteriormente ao preço dos produtos ou
serviços prestados, como: aluguel, água, luz, salários, honorários profissional, material
de higiene e limpeza, etc.
A administração deve estar atenta a contenção de todos os custos envolvidos nas
atividades que compõem o negócio.
É fundamental à redução de desperdícios, a compra de insumos pelo melhor preço e o
controle de todas as despesas internas. Sem comprometer a qualidade dos serviços
prestados, as reduções de custos aumentam as chances de melhorar o resultado do
final do negócio.
Em relação a uma creche mantida pela iniciativa privada estes valores poderão oscilar
bastante, por vários motivos dentre eles o público-alvo, localização e serviços
oferecidos pela creche.
Abaixo relacionamos os custos mensais estimados por meio de pesquisa online em
vários empreendimentos do segmento (valores referentes à média geral), de uma
creche particular com cerca de 50 alunos e 15 empregados no quadro permanente,
sendo que desses 15: 5 são educadores fixos e 5 estagiários auxiliares (que enquadra
nos custos abaixo referente a honorários de profissionais contratados), 2
administrativos, 2 para serviços gerais e 1 para cozinha.
Segue relação de custos:
1. Salários, comissões e encargos: R$ 10.380,00;
2. Tributos, impostos, contribuições e taxas: R$ 1.760,00;
3. Aluguel, taxa de condomínio, segurança: R$ 3.200,00;
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 16
Diversificação/AgregaçãodeValor
4. Água, luz, gás, telefone e acesso à Internet: R$ 2.100,00;
5. Serviços de limpeza, higiene, manutenção e segurança: R$ 1.970,00;
6. Assessoria contábil: R$ 700,00;
7. Alimentação: R$ 8.200,00;
8. Materiais utilizados no processo pedagógico: R$ 730,00;
9. Materiais de consumo na área administrativa: R$ 375,00;
10. Propaganda e publicidade da empresa: R$ 700,00;
11. Honorários de profissionais contratados: R$ 2.980,00.
15. Diversificação/Agregação de Valor
Oferecer produtos e serviços complementares ao produto principal é o que define
agregar valor, diferenciando-se da concorrência e atraindo o público- alvo.
É necessário criar um algo mais que seja reconhecido pelo cliente como uma
vantagem competitiva e aumente o seu nível de satisfação com o produto ou serviço
prestado.
Estes diferenciais dependem da relação entre os negócios, e podem estar
fundamentados em ofertas de serviço distintas da maioria dos concorrentes, como por
exemplo: flexibilidade na forma de pagamento, capacidade para realização de serviços
especializados, serviços de entrega em domicílio, entre outras opções. Neste contexto,
uma creche pode agregar valor mediante a oferta de serviços complementares como:
transporte escolar, aulas de idiomas, informática, balé, atividades ao ar livre, música e
horários flexíveis.
Para identificar quais os fatores que agregam mais valor ao negócio, é importante uma
avaliação detalhada dos estabelecimentos concorrentes. Ao avaliar quesitos como
conforto do ambiente, instalações, horário de atendimento, qualidade da mão-de-obra,
entre outros, é possível relacionar uma série de elementos que podem vir a auxiliá-lo a
criar diferenciais. Conversar com os pais dos alunos matriculados para identificar suas
expectativas é muito importante para o desenvolvimento de novos serviços ou
produtos personalizados, o que amplia as possibilidades de fidelização com os atuais
clientes e despertar o interesse de novos.
Um grande agregador de valor nos dias atuais é o acompanhamento das crianças
pelos pais remotamente, através de câmeras na creche que os pais podem acessar
online.
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 17
Divulgação
16. Divulgação
Os meios para divulgação de uma creche variam de acordo com o porte e o público-
alvo escolhido. Para um empreendimento de pequeno porte, a mala direta é um
sistema barato e simples, no qual pode ser utilizado o cadastro de clientes, obtido de
forma rápida e sem maiores custos, por meio do banco de dados dos pais dos alunos,
ou uma relação de conhecidos do proprietário, ou da compra de listagens vendidas no
mercado por empresas de marketing direto.
Neste negócio a imagem e reputação da escola são fundamentais, pois a principal
forma de divulgação é através da propaganda boca a boca.
Na medida do interesse e das possibilidades, poderão ser utilizados anúncios em
jornais de grande circulação, rádio, apresentação de painéis fotográficos em feiras,
festas e centro de compras, outdoor e Internet. A propaganda no período da matrícula
é extremamente importante, com a distribuição de panfletos, colocação de faixas de
boa qualidade na fachada da escola e montagem de stand em shoppings centers e
centros comerciais. No entanto, não se deve concentrar a divulgação somente nesse
período. É importante montar um cronograma de marketing cobrindo várias datas
importantes, onde haja concentração de possíveis clientes.
A divulgação através de website próprio na Internet é uma possibilidade muito
interessante, pois permitem a exposição das instalações, serviços oferecidos, e
depoimentos de pais de alunos. Também é aconselhável uma página da creche em
redes socias para promoção de datas comemorativas, recados rápidos, informações
importantes etc, para os pais acompanharem de maneira rápida.
Outros recursos poderão ser utilizados e, se for de interesse do empreendedor, um
profissional de marketing e comunicação poderá ser contratado para desenvolver
campanha específica.
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 18
InformaçõesFiscaiseTributárias
17. Informações Fiscais e Tributárias
O segmento de CRECHE, assim entendido pela CNAE/IBGE (Classificação Nacional
de Atividades Econômicas) 8511-2/00 como a atividade de instituições de ensino que
se destinam ao desenvolvimento integral da criança, em geral, de até 3 anos de idade,
poderá optar pelo SIMPLES Nacional - Regime Especial Unificado de Arrecadação de
Tributos e Contribuições devidos pelas ME (Microempresas) e EPP (Empresas de
Pequeno Porte), instituído pela Lei Complementar nº 123/2006, desde que a receita
bruta anual de sua atividade não ultrapasse a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil
reais) para micro empresa R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais) para
empresa de pequeno porte e respeitando os demais requisitos previstos na Lei.
Nesse regime, o empreendedor poderá recolher os seguintes tributos e contribuições,
por meio de apenas um documento fiscal – o DAS (Documento de Arrecadação do
Simples Nacional), que é gerado no Portal do SIMPLES Nacional (http://www8.receita.f
azenda.gov.br/SimplesNacional/):
• IRPJ (imposto de renda da pessoa jurídica);
• CSLL (contribuição social sobre o lucro);
• PIS (programa de integração social);
• COFINS (contribuição para o financiamento da seguridade social);
• ISSQN (imposto sobre serviços de qualquer natureza);
• INSS (contribuição para a Seguridade Social relativa a parte patronal).
Conforme a Lei Complementar nº 123/2006, as alíquotas do SIMPLES Nacional, para
esse ramo de atividade, variam de 6% a 17,42%, dependendo da receita bruta auferida
pelo negócio. No caso de início de atividade no próprio ano-calendário da opção pelo
SIMPLES Nacional, para efeito de determinação da alíquota no primeiro mês de
atividade, os valores de receita bruta acumulada devem ser proporcionais ao número
de meses de atividade no período.
Se o Estado em que o empreendedor estiver exercendo a atividade conceder
benefícios tributários para o ICMS (desde que a atividade seja tributada por esse
imposto), a alíquota poderá ser reduzida conforme o caso. Na esfera Federal poderá
ocorrer redução quando se tratar de PIS e/ou COFINS.
Se a receita bruta anual não ultrapassar a R$ 60.000,00 (sessenta mil reais), o
empreendedor, desde que não possua e não seja sócio de outra empresa, poderá
optar pelo regime denominado de MEI (Microempreendedor Individual) . Para se
enquadrar no MEI o CNAE de sua atividade deve constar e ser tributado conforme a
tabela da Resolução CGSN nº 94/2011 - Anexo XIII
(http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/resolucao/2011/CGSN/Resol94.htm ).
Neste caso, os recolhimentos dos tributos e contribuições serão efetuados em valores
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 19
Eventos
I) Sem empregado
• 5% do salário mínimo vigente - a título de contribuição previdenciária do
empreendedor;
• R$ 5,00 a título de ISS - Imposto sobre serviço de qualquer natureza.
II) Com um empregado: (o MEI poderá ter um empregado, desde que o salário seja de
um salário mínimo ou piso da categoria)
O empreendedor recolherá mensalmente, além dos valores acima, os seguintes
percentuais:
• Retém do empregado 8% de INSS sobre a remuneração;
• Desembolsa 3% de INSS patronal sobre a remuneração do empregado.
Havendo receita excedente ao limite permitido superior a 20% o MEI terá seu
empreendimento incluído no sistema SIMPLES NACIONAL.
Para este segmento, tanto ME, EPP ou MEI, a opção pelo SIMPLES Nacional sempre
será muito vantajosa sob o aspecto tributário, bem como nas facilidades de abertura do
estabelecimento e para cumprimento das obrigações acessórias.
Fundamentos Legais: Leis Complementares 123/2006 (com as alterações das Leis
Complementares nºs 127/2007, 128/2008 e 139/2011) e Resolução CGSN - Comitê
Gestor do Simples Nacional nº 94/2011.
18. Eventos
A participação em feiras e eventos do setor proporcionará maior conhecimento e
ampliará seus contatos, sendo também um meio de se atualizar e buscar tudo de mais
recente e eficaz para o seu segmento.
Por se tratar de um empreendimento da área de educação é de suma importância que
o aprendizado e a busca pelo conhecimento seja constante.
Segue alguns dos principais eventos do setor:
Congresso da Escola Particular - SINEPE
Website: http://www.sinepe-rs.org.br
Educar – Feira Internacional de Educação,
Educador – Congresso Internacional de Educação e
Educador Management – Seminário de Gestão em Educação.
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 20
EntidadesemGeral
Tel: (41) 3033-8100
Website: www.educador.com.br
Escolar – Feira Internacional de Produtos, Serviços e Tecnologia para Escolas,
Escritórios e Papelarias.
Evento anual
Local: São Paulo-SP
(11) 6226-3100
Website: www.feiraescolar.com.br
19. Entidades em Geral
Entidades para eventuais consultas:
ASBREI – Associação Brasileira de Educação Infantil
Rua Conde Lages, 44/619 – Glória – Rio de Janeiro–RJ
CEP: 20241-900
(21) 2224-1804
abrei@asbrei.org.br
www.asbrei.org.br
Agência Nacional de Vigilância Sanitária
Website: www.anvisa.gov.br
MEC – Ministério da Educação e Cultura
Secretaria de Educação Básica
Website: www.mec.gov.br
Procurar na localidade:
Conselho Municipal de Educação
Secretaria Municipal de Educação
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 21
NormasTécnicas
20. Normas Técnicas
Norma técnica é um documento, estabelecido por consenso e aprovado por um
organismo reconhecido que fornece para um uso comum e repetitivo regras, diretrizes
ou características para atividades ou seus resultados, visando a obtenção de um grau
ótimo de ordenação em um dado contexto. (ABNT NBR ISO/IEC Guia 2).
Participam da elaboração de uma norma técnica a sociedade, em geral, representada
por: fabricantes, consumidores e organismos neutros (governo, instituto de pesquisa,
universidade e pessoa física).
Toda norma técnica é publicada exclusivamente pela ABNT – Associação Brasileira de
Normas Técnicas, por ser o foro único de normalização do País.
1. Normas específicas para uma Creche
Não existem normas específicas para este negócio.
2. Normas aplicáveis na execução de uma Creche
ABNT NBR 15860-1:2010 - Móveis – Berços e berços dobráveis infantis tipo doméstico
- Parte 1: Requisitos de segurança
Esta Norma especifica os requisitos de segurança de berços infantis para uso
doméstico com um comprimento interno superior a 900 mm, porém não superior a
1400 mm.
ABNT NBR 16067-1:2012 - Móveis — Berços, berços de balanço ou pendular de até
900 mm para uso doméstico - Parte 1: Requisitos de segurança
Esta parte da ABNT NBR 16067 estabelece requisitos de segurança para berços,
berços de balanço ou de movimento pendular medindo internamente até 900 mm,
visando à prevenção de acidentes com crianças e bebês.
ABNT NBR 15991-1:2011 - Cadeiras altas para crianças - Parte 1: Requisitos de
segurança
Esta parte da ABNT NBR 15991 estabelece os requisitos mínimos relativos à
segurança de cadeiras altas do tipo doméstico para crianças com até 15 kg, capazes
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 22
NormasTécnicas
de manter a criança em uma posição sentada devido à sua própria coordenação, com
o objetivo de minimizar acidentes resultantes do uso normal.
ABNT NBR 10334:2003 – Segurança de chupetas.
Esta Norma fixa os requisitos exigíveis para a fabricação de chupetas, incluindo formas
de embalagem e recomendações de uso, em função da segurança, com exceção das
chupetas para uso terapêutico, tais como as que contêm termômetros, as que se
destinam a aplicar medicamentos, entre outras.
ABNT NBR 15260:2005 - Artigos de puericultura - Prendedor de chupeta - Requisitos
de segurança e métodos de ensaio.
Esta Norma especifica os requisitos de segurança relativos aos materiais, construção,
desempenho, embalagem e rotulagem dos prendedores de chupeta.
ABNT NBR 13793:2012 – Segurança de mamadeiras e de bicos de mamadeiras.
Esta Norma fixa os requisitos exigíveis para a fabricação e comercialização de
mamadeiras e de bicos de mamadeiras, incluindo recomendações de uso.
ABNT NBR 15842:2010 - Qualidade de serviço para pequeno comércio – Requisitos
gerais.
Esta Norma estabelece os requisitos de qualidade para as atividades de venda e
serviços adicionais nos estabelecimentos de pequeno comércio, que permitam
satisfazer as expectativas do cliente.
ABNT NBR 15859:2010 - Brinquedos infláveis de grande porte — Requisitos de
segurança e métodos de ensaio
Esta Norma especifica os requisitos de segurança para os brinquedos infláveis nos
quais as atividades principais são destinadas ao lazer, como, por exemplo, pular,
brincar, jogar e deslizar.
ABNT NBR 16071-2:2012 Versão Corrigida:2012 – Playgrounds - Parte 2: Requisitos
de segurança
Esta Parte da ABNT NBR 16071 especifica os requisitos de segurança para os
equipamentos de playground. Esses requisitos foram desenvolvidos considerando os
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 23
NormasTécnicas
fatores de risco baseados em dados disponíveis. Esta Parte da ABNT NBR 16071
especifi ca os requisitos que reduzam os riscos aos usuários de danos que não sejam
capazes de prever quando usarem o equipamento, conforme previsto ou de forma que
possam ser razoavelmente antecipados. Esta Parte da ABNT NBR 16071 aplica-se
aos seguintes equipamentos, para uso em escolas, creches, áreas de lazer públicas
(praças, parques e áreas verdes), restaurantes, buffets infantis, shopping centers,
condomínios, hotéis e outros espaços coletivos similares: balanços, escorregadores,
gangorras, carrosséis, paredes de escalada, playgrounds, plataformas multifuncionais,
“brinquedão” (kid play) e redes espaciais. Esta Parte não se aplica aos produtos de uso
doméstico e familiar, como: ? equipamentos de ginástica com função esportiva, que
estão independentes das estruturas dos equipamentos listados anteriormente, ?
equipamentos para uso doméstico e familiar inclusos na ABNT NBR NM 300; ?
produtos como, camas e mobiliário infantil, cercado para bebê (“chiqueirinho”), mesas
de piquenique e produtos para uso terapêutico infantil, ? pistas de skate. Esta Parte da
ABNT NBR 16071 não trata da qualidade do playground.
ABNT NBR 16071-3:2012 Versão Corrigida:2012 – Playgrounds - Parte 3: Requisitos
de segurança para pisos absorventes de impacto
Esta Parte da ABNT NBR 16071 especifica os requisitos de segurança para pisos a
serem utilizados em playgrounds e em áreas onde é necessária a atenuação do
impacto. Esta Parte da ABNT NBR 16071 também especifica os fatores que devem ser
considerados ao ser selecionado o piso do playground, bem como o método do ensaio
pelo qual a atenuação do impacto pode ser determinada.
ABNT NBR 16071-7:2012 Versão Corrigida:2012 – Playgrounds - Parte 7: Inspeção,
manutenção e utilização
Esta Parte da ABNT NBR 16071 contém os requisitos para inspeção, manutenção e
utilização dos equipamentos de playground. Esta Parte da ABNT NBR 16071 aplica-se
aos seguintes equipamentos, para uso em escolas, creches, áreas de lazer públicas
(praças, parques e áreas verdes), restaurantes, buffets infantis, shopping centers,
condomínios, hotéis e outros espaços coletivos similares: balanços, escorregadores,
gangorras, carrosséis, paredes de escalada, playgrounds, plataformas multifuncionais,
“brinquedão” (kid play) e redes espaciais. Esta Parte não se aplica aos produtos de uso
doméstico e familiar, como: — equipamentos de ginástica com função esportiva, que
estão independentes das estruturas dos equipamentos listados anteriormente; —
equipamentos para uso doméstico e familiar inclusos na ABNT NBR NM 300; —
produtos como camas e mobiliário infantil, cercado para bebê (“chiqueirinho”), mesas
de piquenique e produtos para uso terapêutico infantil; — pistas de skate.
ABNT NBR 16046-3:2012 – Redes de Proteção para Edificações - Parte 3: Instalação.
Esta Norma especifica os requisitos mínimos para instalação de redes de proteção
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 24
Glossário
para edificações, fabricadas de acordo com a ABNT NBR 16046-1.
ABNT NBR 12693:2010 – Sistemas de proteção por extintores de incêndio.
Esta Norma estabelece os requisitos exigíveis para projeto, seleção e instalação de
extintores de incêndio portáteis e sobre rodas, em edificações e áreas de risco, para
combate a princípio de incêndio.
ABNT NBR IEC 60839-1-1:2010 - Sistemas de alarme - Parte 1: Requisitos gerais -
Seção 1: Geral.
Esta Norma especifica os requisitos gerais para o projeto, instalação, comissionamento
(controle após instalação), operação, ensaio de manutenção e registros de sistemas de
alarme manual e automático empregados para a proteção de pessoas, de propriedade
e do ambiente.
ABNT NBR 9050:2004 Versão Corrigida:2005 - Acessibilidade a edificações,
mobiliário, espaços e equipamentos urbanos.
Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do
projeto, construção, instalação e adaptação de edificações, mobiliário, espaços e
equipamentos urbanos às condições de acessibilidade.
21. Glossário
Atividades complementares: atividades de livre escolha de cada escola, que se
enquadram como complementares ao currículo obrigatório, tais como: atividades
recreativas, artesanais, artísticas, de esporte, lazer, culturais, de acompanhamento e
reforço ao conteúdo escolar, aulas de informática, línguas estrangeiras, educação para
a cidadania e direitos humanos, entre outras.
Capacidade de atendimento: capacidade de um estabelecimento de ensino, em termos
de instalações, material e pessoal, para acolher um determinado número de alunos.
Caracterização física da escola: infra-estrutura do estabelecimento de ensino, incluindo
o perfil físico – número de salas e capacidade de atendimento, existência ou não de
biblioteca, laboratórios, salas com TV/Vídeo, microcomputadores, conexão à Internet,
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 25
DicasdeNegócio
quadras de esportes etc. –, bem como dados sobre abastecimento de água, energia
elétrica, esgoto sanitário, entre outros.
Educação Básica: Primeiro nível da Educação Escolar regular que compreende a
Educação Infantil, o Ensino Fundamental e o Ensino Médio, e tem por finalidade
desenvolver o educando, assegurar lhe a formação comum indispensável para o
exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos
posteriores; a Educação Básica pode organizar-se em séries anuais, períodos
semestrais, ciclos, alternância regular de períodos de estudos, grupos são seriados,
tendo por base a idade, a competência e outros critérios, ou de forma diversa, sempre
que o interesse do processo de aprendizagem assim o recomendar.
Educação Infantil: primeira etapa da Educação Básica regular, oferecida em creche e
pré-escola, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança em seus
aspectos físico, psicológico, intelectual e social, completando a ação da família e da
comunidade; de acordo com a LDB, a Educação Infantil atende crianças de até 6 anos
de idade, mas, com a publicação da Lei n.º 11.274, de 6 de fevereiro de 2006, a
Educação Infantil passa a atender crianças de até cinco anos de idade.
Escolaridade do professor: o mais alto nível de ensino concluído pelo professor.
Sistema de ensino: conjunto de órgãos, instituições e atividades de educação e ensino
organizado de acordo com normas legalmente estabelecidas.
Fonte: Glossário de Olho na Educação do INEP - Instituto Nacional de Estudos e
Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.
22. Dicas de Negócio
Faça um planejamento para o negócio visando o desenvolvimento e crescimento
deste, para isso destacamos os seguintes pontos a serem trabalhados:
- Filosofia do projeto (o que é, missão, visão e valores, a quem se dirige), análise de
concorrência, projeções de lucro e orçamento, obras necessárias, perfil de gestão,
necessidades de recursos humanos e remodelações (dado que há várias
especificações legais que devem ser atendidas na criação de uma creche).
- Invista na qualidade do atendimento ao cliente, ou seja: qualidade do serviço,
ambiente agradável, profissionais atenciosos, respeitosos e interessados pelo cliente,
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 26
Características
além de comodidades adicionais com respeito a estacionamento no clima de conforto
que deve estar presente no ambiente da escola.
- Procure fidelizar o cliente com ações de pós-venda, como: remessa de cartões de
aniversário, comunicação de novos serviços e novos produtos ofertados, contato
telefônico para lembrar os eventos e atividades pedagógicas.
- A presença do proprietário em tempo integral é fundamental para o sucesso do
empreendimento.
- O empreendedor deve estar sintonizado com a evolução do setor, pois esse é um
negócio que requer inovação e adaptação constantes, em face das novas tendências
que surgem dia-a-dia.
- Os empregados devem participar de cursos de aperfeiçoamento, congressos e
seminários, para garantir a atualização da escola.
- Mesmo que aposte numa creche pequena, vale sempre a pena apostar em uma boa
estratégia de marketing que inclua análise diagnóstico, análise SWOT, definição de
objetivos, opções estratégicas, marketing-mix e plano financeiro.
23. Características
O empreendedor que deseja administrar uma creche precisa possuir características
relacionadas às funções de educador e de gestor educacional. Dentre estas
características destacamos:
- Ter equilíbrio pessoal e experiência anterior.
- Ser ético
- Identificar-se com o projeto político-pedagógico da escola, tanto na estrutura de
funcionamento quanto na cultura organizacional.
- Ter projeto pessoal de auto-formação profissional.
- Capacidade de liderar e de trabalhar em equipe.
- Ter capacidade para planejar e gerenciar as atividades pedagógicas e administrativas
da creche, garantindo um clima propício à aprendizagem, ter fortes compromissos com
as dificuldades dos alunos e desenvolver empatia com a faixa etária de crianças até
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 27
Bibliografia
três anos de idade.
- Capacidade de estabelecer vínculos afetivos e de trabalho, buscando coerência entre
o discurso e a prática.
- Saber ensinar de modo coerente, de acordo com a demanda da instituição: ter
carisma pessoal, comunicar-se com clareza, demonstrar preocupação com as
questões educacionais, saber agrupar os alunos, interagir com as características do
grupo-classe e favorecer a produtividade entre eles.
- Capacidade de cumprir compromissos funcionais, como: assiduidade, pontualidade,
compromisso com os prazos de tarefas, disponibilidade de tempo para reuniões,
disposição para documentar seus trabalhos, saber elaborar planos de estudo e
relatórios.
-Ser cordial com os pais dos alunos e manter uma parceria constante, visando ao
melhor desenvolvimento do aluno.
24. Bibliografia
BRASIL, Ministério da Saúde. Manual para instalação e funcionamento de creches:
Normas e padrões mínimos para construção e instalação. Brasília, 1986.
BLUMENAU/SEMED. Creches Domiciliares: na Secretaria de Educação, desde
quando? In: Cadernos da Educação Infantil – Retratos da Rede: organização, tempos,
espaços, fazeres. SEMED: Blumenau, vol. 1, novembro/2002, p. 49 – 58.
BLUMENAU/SEMED. Projeto Creche Domiciliar. SEMED: Blumenau, 2001.
BONDIOLI, A.; MANTOVANI, S. Manual de Educação Infantil: de 0 a 3 anos. 9. ed.
Artmed: Porto Alegre, 1998.
BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Critérios para um
Atendimento em Creches que Respeite os Direitos Fundamentais das Crianças. 2009.
Disponível emhttp://portal.mec.gov.br/dmdocuments/direitosfundamentais.pdf. Acesso
em 15 jul 2014.
BRASIL. Ministério da Educação e Cultura.Secretaria de Educação Básica. Política
Nacional de Educação Infantil: Pelo direito das crianças de zero a seis anos à
Educação. 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 28
Fonte/PlanejamentoFinanceiro/SoluçõesSebrae/SitesÚteis
br/seb/arquivos/pdf/Educinf/eduinfpolit2006.pdf . Acesso em 15 jul 2014.
RIZZO, Gilda. Creche: Organização, Currículo, Montagens e Funcionamento. Rio de
Janeiro: Ed Bertrand Brasil, 2006.
SEBRAE-ES. Como Montar Creche: Série Idéias de negócios. Vitória: SEBRAE-ES.
25. Fonte
Não há informações disponíveis para este campo.
26. Planejamento Financeiro
Não há informações disponíveis para este campo.
27. Soluções Sebrae
Não há informações disponíveis para este campo.
28. Sites Úteis
Não há informações disponíveis para este campo.
TEXTO NOVO
Sites Úteis
Segue sites importantes e de uso continuo:
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 29
URL
Associação Brasileira de Educação Infantil
http://www.creche.com.br/
Ministério da Educação
http://www.mec.gov.br/
29. URL
http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ideias/Como-montar-uma-creche
Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 30
URL
Sumário
11. Apresentação .........................................................................................
22. Mercado .................................................................................................
33. Localização ............................................................................................
54. Exigências Legais e Específicas ............................................................
65. Estrutura ................................................................................................
86. Pessoal ..................................................................................................
107. Equipamentos ........................................................................................
118. Matéria Prima/Mercadoria ......................................................................
129. Organização do Processo Produtivo .....................................................
1310. Automação ...........................................................................................
1311. Canais de Distribuição .........................................................................
1412. Investimento .........................................................................................
1413. Capital de Giro .....................................................................................
1614. Custos ..................................................................................................
1715. Diversificação/Agregação de Valor ......................................................
1816. Divulgação ...........................................................................................
1917. Informações Fiscais e Tributárias ........................................................
2018. Eventos ................................................................................................
2119. Entidades em Geral .............................................................................
2220. Normas Técnicas .................................................................................
2521. Glossário ..............................................................................................
2622. Dicas de Negócio .................................................................................
2723. Características .....................................................................................
2824. Bibliografia ...........................................................................................
2925. Fonte ....................................................................................................
2926. Planejamento Financeiro .....................................................................
2927. Soluções Sebrae ..................................................................................
URL
Sumário
2928. Sites Úteis ............................................................................................
3029. URL ......................................................................................................

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Região Centro-Oeste
Região Centro-OesteRegião Centro-Oeste
Região Centro-OesteBianca Toledo
 
CRAS e CREAS- Quem faz o que.
CRAS e CREAS- Quem faz o que.CRAS e CREAS- Quem faz o que.
CRAS e CREAS- Quem faz o que.Rosane Domingues
 
Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida1
Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida1Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida1
Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida1Edivonaldo Costa
 
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAJAÍ - AÇU
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAJAÍ - AÇUBACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAJAÍ - AÇU
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAJAÍ - AÇUConceição Fontolan
 
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Edenilson Morais
 
Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Alinebrauna Brauna
 
História de Rondonópolis para alunos de ensino fundamental
História de Rondonópolis para alunos de ensino fundamentalHistória de Rondonópolis para alunos de ensino fundamental
História de Rondonópolis para alunos de ensino fundamentalBruna Carla Martins Ribeiro
 
Geografia de santa catarina
Geografia de santa catarinaGeografia de santa catarina
Geografia de santa catarinaMoacir E Nalin
 
Cartilha Quilombola - Prof. Eliane
Cartilha Quilombola - Prof. ElianeCartilha Quilombola - Prof. Eliane
Cartilha Quilombola - Prof. ElianeAlexandre da Rosa
 
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer Social
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer SocialOficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer Social
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer SocialRosane Domingues
 
Projeto afrodescendente
Projeto afrodescendenteProjeto afrodescendente
Projeto afrodescendentenogcaritas
 
Reordenamento do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos PASSO A ...
Reordenamento do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos PASSO A ...Reordenamento do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos PASSO A ...
Reordenamento do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos PASSO A ...Rosane Domingues
 
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)Edenilson Morais
 

Mais procurados (20)

Região Centro-Oeste
Região Centro-OesteRegião Centro-Oeste
Região Centro-Oeste
 
CRAS e CREAS- Quem faz o que.
CRAS e CREAS- Quem faz o que.CRAS e CREAS- Quem faz o que.
CRAS e CREAS- Quem faz o que.
 
História de sergipe para concursos em geral
História de sergipe para concursos em  geralHistória de sergipe para concursos em  geral
História de sergipe para concursos em geral
 
Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida1
Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida1Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida1
Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida1
 
Aula polos industriais sc
Aula polos industriais scAula polos industriais sc
Aula polos industriais sc
 
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAJAÍ - AÇU
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAJAÍ - AÇUBACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAJAÍ - AÇU
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAJAÍ - AÇU
 
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
 
Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2
 
História de Rondonópolis para alunos de ensino fundamental
História de Rondonópolis para alunos de ensino fundamentalHistória de Rondonópolis para alunos de ensino fundamental
História de Rondonópolis para alunos de ensino fundamental
 
Geografia de santa catarina
Geografia de santa catarinaGeografia de santa catarina
Geografia de santa catarina
 
Histórico sobre o eca
Histórico sobre o ecaHistórico sobre o eca
Histórico sobre o eca
 
Cartilha Quilombola - Prof. Eliane
Cartilha Quilombola - Prof. ElianeCartilha Quilombola - Prof. Eliane
Cartilha Quilombola - Prof. Eliane
 
BICENTENÁRIO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
BICENTENÁRIO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASILBICENTENÁRIO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
BICENTENÁRIO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
 
Lutas e desafios quilombolas no brasil
Lutas e desafios quilombolas no brasilLutas e desafios quilombolas no brasil
Lutas e desafios quilombolas no brasil
 
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer Social
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer SocialOficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer Social
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer Social
 
Projeto afrodescendente
Projeto afrodescendenteProjeto afrodescendente
Projeto afrodescendente
 
Ficha de-anamnese
Ficha de-anamneseFicha de-anamnese
Ficha de-anamnese
 
Reordenamento do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos PASSO A ...
Reordenamento do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos PASSO A ...Reordenamento do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos PASSO A ...
Reordenamento do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos PASSO A ...
 
Plano de desenvolvimento
Plano de desenvolvimentoPlano de desenvolvimento
Plano de desenvolvimento
 
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
 

Destaque

ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILCreche Segura
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILLetícia Spina Tapia
 
Proformacon
ProformaconProformacon
Proformaconsemecti
 
Contexto físico de creche e jardim de infância
Contexto físico de creche e jardim de infânciaContexto físico de creche e jardim de infância
Contexto físico de creche e jardim de infânciaRita Brito
 
Tcc ASPECTOS RELEVANTES DAS INFECÇÕES HOSPITALARES
Tcc   ASPECTOS RELEVANTES DAS  INFECÇÕES HOSPITALARES Tcc   ASPECTOS RELEVANTES DAS  INFECÇÕES HOSPITALARES
Tcc ASPECTOS RELEVANTES DAS INFECÇÕES HOSPITALARES Giovanni Oliveira
 
Projeto Construção de uma Creche
Projeto Construção de uma CrecheProjeto Construção de uma Creche
Projeto Construção de uma CrecheMarco Coghi
 
Quais os objectivos de uma creches
Quais os objectivos de uma crechesQuais os objectivos de uma creches
Quais os objectivos de uma crechesMekinho20
 
Apresentação projecto educativo creche
Apresentação projecto educativo crecheApresentação projecto educativo creche
Apresentação projecto educativo crecheGuida Sousa
 
Jardim de infância como espaço educativo..........
Jardim de infância como espaço educativo..........Jardim de infância como espaço educativo..........
Jardim de infância como espaço educativo..........Sara Fonseca
 
Pensando o dia a-dia numa creche-1
Pensando o dia a-dia numa creche-1Pensando o dia a-dia numa creche-1
Pensando o dia a-dia numa creche-1saletebia
 
Creche e ji, rotinas e espaço
Creche e ji, rotinas e espaçoCreche e ji, rotinas e espaço
Creche e ji, rotinas e espaçoRita Brito
 
Relatório Clinica Nutrição
Relatório Clinica NutriçãoRelatório Clinica Nutrição
Relatório Clinica Nutriçãocristiane1981
 
Inserçao da criança na creche
Inserçao da criança na crecheInserçao da criança na creche
Inserçao da criança na crecheFatinha Bretas
 
Manual de boas práticas 3 capitulos
Manual de boas práticas   3 capitulosManual de boas práticas   3 capitulos
Manual de boas práticas 3 capitulossemecti
 

Destaque (14)

ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Proformacon
ProformaconProformacon
Proformacon
 
Contexto físico de creche e jardim de infância
Contexto físico de creche e jardim de infânciaContexto físico de creche e jardim de infância
Contexto físico de creche e jardim de infância
 
Tcc ASPECTOS RELEVANTES DAS INFECÇÕES HOSPITALARES
Tcc   ASPECTOS RELEVANTES DAS  INFECÇÕES HOSPITALARES Tcc   ASPECTOS RELEVANTES DAS  INFECÇÕES HOSPITALARES
Tcc ASPECTOS RELEVANTES DAS INFECÇÕES HOSPITALARES
 
Projeto Construção de uma Creche
Projeto Construção de uma CrecheProjeto Construção de uma Creche
Projeto Construção de uma Creche
 
Quais os objectivos de uma creches
Quais os objectivos de uma crechesQuais os objectivos de uma creches
Quais os objectivos de uma creches
 
Apresentação projecto educativo creche
Apresentação projecto educativo crecheApresentação projecto educativo creche
Apresentação projecto educativo creche
 
Jardim de infância como espaço educativo..........
Jardim de infância como espaço educativo..........Jardim de infância como espaço educativo..........
Jardim de infância como espaço educativo..........
 
Pensando o dia a-dia numa creche-1
Pensando o dia a-dia numa creche-1Pensando o dia a-dia numa creche-1
Pensando o dia a-dia numa creche-1
 
Creche e ji, rotinas e espaço
Creche e ji, rotinas e espaçoCreche e ji, rotinas e espaço
Creche e ji, rotinas e espaço
 
Relatório Clinica Nutrição
Relatório Clinica NutriçãoRelatório Clinica Nutrição
Relatório Clinica Nutrição
 
Inserçao da criança na creche
Inserçao da criança na crecheInserçao da criança na creche
Inserçao da criança na creche
 
Manual de boas práticas 3 capitulos
Manual de boas práticas   3 capitulosManual de boas práticas   3 capitulos
Manual de boas práticas 3 capitulos
 

Semelhante a Como montar uma creche

Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario juniorPalestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario juniorUniversidade de Pernambuco
 
Como abrir seu próprio negócio
Como abrir seu próprio negócioComo abrir seu próprio negócio
Como abrir seu próprio negócioanderson barbosa
 
Técnico em administração empreendedorismo
Técnico em administração empreendedorismoTécnico em administração empreendedorismo
Técnico em administração empreendedorismoLuís Roberto de Toledo
 
Ação Integradora ASSISTENTE ADMINISTRATIVO SENAC
Ação Integradora ASSISTENTE ADMINISTRATIVO SENACAção Integradora ASSISTENTE ADMINISTRATIVO SENAC
Ação Integradora ASSISTENTE ADMINISTRATIVO SENACFlávia Maria
 
Palestra freemind.ruy
Palestra freemind.ruyPalestra freemind.ruy
Palestra freemind.ruyoficinamkt
 
PDDE - PRESTANDO CONTAS - Prof. Noe Assunção
PDDE - PRESTANDO CONTAS - Prof. Noe AssunçãoPDDE - PRESTANDO CONTAS - Prof. Noe Assunção
PDDE - PRESTANDO CONTAS - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Empreender com E maiúsculo! Serviços e oportunidades para as empresas do Gove...
Empreender com E maiúsculo! Serviços e oportunidades para as empresas do Gove...Empreender com E maiúsculo! Serviços e oportunidades para as empresas do Gove...
Empreender com E maiúsculo! Serviços e oportunidades para as empresas do Gove...Maria Betania Alves
 
Empreendedorismo teleaula 5_temas_6e7
Empreendedorismo teleaula 5_temas_6e7Empreendedorismo teleaula 5_temas_6e7
Empreendedorismo teleaula 5_temas_6e7Elizabeth Custodio
 
Material desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)
Material   desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)Material   desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)
Material desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)jujufr
 
8 passos para acelerar o seu projeto
8 passos para acelerar o seu projeto8 passos para acelerar o seu projeto
8 passos para acelerar o seu projetoPaulo Carneiro
 
Apostila sebrae cultivo de bonsai
Apostila sebrae cultivo de bonsaiApostila sebrae cultivo de bonsai
Apostila sebrae cultivo de bonsaiOkutagawa
 
FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O SUCESSOS DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMÉRC...
FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O SUCESSOS DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMÉRC...FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O SUCESSOS DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMÉRC...
FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O SUCESSOS DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMÉRC...Adriano Alves de Aquino
 
Escritorio de arquitetura
Escritorio de arquiteturaEscritorio de arquitetura
Escritorio de arquiteturaGeorge Wallace
 

Semelhante a Como montar uma creche (20)

Apresenta1
Apresenta1Apresenta1
Apresenta1
 
Pontode partidaescolainfantil
Pontode partidaescolainfantilPontode partidaescolainfantil
Pontode partidaescolainfantil
 
Pontode partidaescolainfantil
Pontode partidaescolainfantilPontode partidaescolainfantil
Pontode partidaescolainfantil
 
Lei do aprendiz
Lei do aprendizLei do aprendiz
Lei do aprendiz
 
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario juniorPalestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
 
Como abrir seu próprio negócio
Como abrir seu próprio negócioComo abrir seu próprio negócio
Como abrir seu próprio negócio
 
Técnico em administração empreendedorismo
Técnico em administração empreendedorismoTécnico em administração empreendedorismo
Técnico em administração empreendedorismo
 
Ação Integradora ASSISTENTE ADMINISTRATIVO SENAC
Ação Integradora ASSISTENTE ADMINISTRATIVO SENACAção Integradora ASSISTENTE ADMINISTRATIVO SENAC
Ação Integradora ASSISTENTE ADMINISTRATIVO SENAC
 
Palestra freemind.ruy
Palestra freemind.ruyPalestra freemind.ruy
Palestra freemind.ruy
 
Cultivo dcogumelo
Cultivo dcogumeloCultivo dcogumelo
Cultivo dcogumelo
 
PDDE - PRESTANDO CONTAS - Prof. Noe Assunção
PDDE - PRESTANDO CONTAS - Prof. Noe AssunçãoPDDE - PRESTANDO CONTAS - Prof. Noe Assunção
PDDE - PRESTANDO CONTAS - Prof. Noe Assunção
 
Divulgação
DivulgaçãoDivulgação
Divulgação
 
Empreender com E maiúsculo! Serviços e oportunidades para as empresas do Gove...
Empreender com E maiúsculo! Serviços e oportunidades para as empresas do Gove...Empreender com E maiúsculo! Serviços e oportunidades para as empresas do Gove...
Empreender com E maiúsculo! Serviços e oportunidades para as empresas do Gove...
 
Empreendedorismo teleaula 5_temas_6e7
Empreendedorismo teleaula 5_temas_6e7Empreendedorismo teleaula 5_temas_6e7
Empreendedorismo teleaula 5_temas_6e7
 
Material desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)
Material   desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)Material   desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)
Material desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)
 
8 passos para acelerar o seu projeto
8 passos para acelerar o seu projeto8 passos para acelerar o seu projeto
8 passos para acelerar o seu projeto
 
Apostila sebrae cultivo de bonsai
Apostila sebrae cultivo de bonsaiApostila sebrae cultivo de bonsai
Apostila sebrae cultivo de bonsai
 
FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O SUCESSOS DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMÉRC...
FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O SUCESSOS DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMÉRC...FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O SUCESSOS DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMÉRC...
FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O SUCESSOS DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMÉRC...
 
Nao abra uma clinica odontologica sem ler esse artigo
Nao abra uma clinica odontologica sem ler esse artigoNao abra uma clinica odontologica sem ler esse artigo
Nao abra uma clinica odontologica sem ler esse artigo
 
Escritorio de arquitetura
Escritorio de arquiteturaEscritorio de arquitetura
Escritorio de arquitetura
 

Mais de Creche Segura

Números importantes e de emergência para escolas
Números importantes e de emergência para escolasNúmeros importantes e de emergência para escolas
Números importantes e de emergência para escolasCreche Segura
 
Cartilha Shantala - Unimed
Cartilha Shantala - UnimedCartilha Shantala - Unimed
Cartilha Shantala - UnimedCreche Segura
 
Shantala - a arte de dar e receber amor
Shantala - a arte de dar e receber amorShantala - a arte de dar e receber amor
Shantala - a arte de dar e receber amorCreche Segura
 
Guia Prático de Vacinas 2016/2017
Guia Prático de Vacinas 2016/2017Guia Prático de Vacinas 2016/2017
Guia Prático de Vacinas 2016/2017Creche Segura
 
Como atender o engasgo de uma criança
Como atender o engasgo de uma criançaComo atender o engasgo de uma criança
Como atender o engasgo de uma criançaCreche Segura
 
Cartilha sobre o sistema respiratório e a asma
Cartilha sobre o sistema respiratório e a asmaCartilha sobre o sistema respiratório e a asma
Cartilha sobre o sistema respiratório e a asmaCreche Segura
 
Criança em idade escolar com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)
Criança em idade escolar com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)Criança em idade escolar com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)
Criança em idade escolar com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)Creche Segura
 
Alimentando o bebe com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)
Alimentando o bebe com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)Alimentando o bebe com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)
Alimentando o bebe com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)Creche Segura
 
MANUAL DE CONTAGEM DE CARBOIDRATOS PARA PESSOAS COM DIABETES
MANUAL DE CONTAGEM DE CARBOIDRATOS PARA PESSOAS COM DIABETESMANUAL DE CONTAGEM DE CARBOIDRATOS PARA PESSOAS COM DIABETES
MANUAL DE CONTAGEM DE CARBOIDRATOS PARA PESSOAS COM DIABETESCreche Segura
 
Um pacote educativo para informar sobre diabetes nas escolas
Um pacote educativo para informar sobre diabetes nas escolasUm pacote educativo para informar sobre diabetes nas escolas
Um pacote educativo para informar sobre diabetes nas escolasCreche Segura
 
Manual de orientações educador infantil - 2010
Manual de orientações educador infantil - 2010Manual de orientações educador infantil - 2010
Manual de orientações educador infantil - 2010Creche Segura
 
Higiene e seguranca na escola - 2009
Higiene e seguranca na escola - 2009Higiene e seguranca na escola - 2009
Higiene e seguranca na escola - 2009Creche Segura
 
Atenção a saúde do recém nascido volume 1
Atenção a saúde do recém nascido volume 1Atenção a saúde do recém nascido volume 1
Atenção a saúde do recém nascido volume 1Creche Segura
 
ESTRATÉGIAS EDUCATIVAS DIRECIONADAS À PREVENÇÃO E CONTROLE DA DENGUE EM ESCOL...
ESTRATÉGIAS EDUCATIVAS DIRECIONADAS À PREVENÇÃO E CONTROLE DA DENGUE EM ESCOL...ESTRATÉGIAS EDUCATIVAS DIRECIONADAS À PREVENÇÃO E CONTROLE DA DENGUE EM ESCOL...
ESTRATÉGIAS EDUCATIVAS DIRECIONADAS À PREVENÇÃO E CONTROLE DA DENGUE EM ESCOL...Creche Segura
 
O CONTROLE DE DENGUE A PARTIR DA ESCOLA
O CONTROLE DE DENGUE A PARTIR DA ESCOLAO CONTROLE DE DENGUE A PARTIR DA ESCOLA
O CONTROLE DE DENGUE A PARTIR DA ESCOLACreche Segura
 
Novas Diretrizes American Heart Association - 2015
Novas Diretrizes American Heart Association - 2015Novas Diretrizes American Heart Association - 2015
Novas Diretrizes American Heart Association - 2015Creche Segura
 
Livro comida que cuida 2 - o prazer na mesa e na vida de quem tem diabetes
Livro comida que cuida 2 - o prazer na mesa e na vida de quem tem diabetesLivro comida que cuida 2 - o prazer na mesa e na vida de quem tem diabetes
Livro comida que cuida 2 - o prazer na mesa e na vida de quem tem diabetesCreche Segura
 
Manual de nutricao sociedade brasileira de diabetes
Manual de nutricao sociedade brasileira de diabetesManual de nutricao sociedade brasileira de diabetes
Manual de nutricao sociedade brasileira de diabetesCreche Segura
 
Manual da criança com diabetes
Manual da criança com diabetesManual da criança com diabetes
Manual da criança com diabetesCreche Segura
 
Como Montar uma Creche - Apostila Sebrae
Como Montar uma Creche - Apostila SebraeComo Montar uma Creche - Apostila Sebrae
Como Montar uma Creche - Apostila SebraeCreche Segura
 

Mais de Creche Segura (20)

Números importantes e de emergência para escolas
Números importantes e de emergência para escolasNúmeros importantes e de emergência para escolas
Números importantes e de emergência para escolas
 
Cartilha Shantala - Unimed
Cartilha Shantala - UnimedCartilha Shantala - Unimed
Cartilha Shantala - Unimed
 
Shantala - a arte de dar e receber amor
Shantala - a arte de dar e receber amorShantala - a arte de dar e receber amor
Shantala - a arte de dar e receber amor
 
Guia Prático de Vacinas 2016/2017
Guia Prático de Vacinas 2016/2017Guia Prático de Vacinas 2016/2017
Guia Prático de Vacinas 2016/2017
 
Como atender o engasgo de uma criança
Como atender o engasgo de uma criançaComo atender o engasgo de uma criança
Como atender o engasgo de uma criança
 
Cartilha sobre o sistema respiratório e a asma
Cartilha sobre o sistema respiratório e a asmaCartilha sobre o sistema respiratório e a asma
Cartilha sobre o sistema respiratório e a asma
 
Criança em idade escolar com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)
Criança em idade escolar com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)Criança em idade escolar com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)
Criança em idade escolar com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)
 
Alimentando o bebe com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)
Alimentando o bebe com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)Alimentando o bebe com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)
Alimentando o bebe com fissura labial ou fenda palatina (espanhol)
 
MANUAL DE CONTAGEM DE CARBOIDRATOS PARA PESSOAS COM DIABETES
MANUAL DE CONTAGEM DE CARBOIDRATOS PARA PESSOAS COM DIABETESMANUAL DE CONTAGEM DE CARBOIDRATOS PARA PESSOAS COM DIABETES
MANUAL DE CONTAGEM DE CARBOIDRATOS PARA PESSOAS COM DIABETES
 
Um pacote educativo para informar sobre diabetes nas escolas
Um pacote educativo para informar sobre diabetes nas escolasUm pacote educativo para informar sobre diabetes nas escolas
Um pacote educativo para informar sobre diabetes nas escolas
 
Manual de orientações educador infantil - 2010
Manual de orientações educador infantil - 2010Manual de orientações educador infantil - 2010
Manual de orientações educador infantil - 2010
 
Higiene e seguranca na escola - 2009
Higiene e seguranca na escola - 2009Higiene e seguranca na escola - 2009
Higiene e seguranca na escola - 2009
 
Atenção a saúde do recém nascido volume 1
Atenção a saúde do recém nascido volume 1Atenção a saúde do recém nascido volume 1
Atenção a saúde do recém nascido volume 1
 
ESTRATÉGIAS EDUCATIVAS DIRECIONADAS À PREVENÇÃO E CONTROLE DA DENGUE EM ESCOL...
ESTRATÉGIAS EDUCATIVAS DIRECIONADAS À PREVENÇÃO E CONTROLE DA DENGUE EM ESCOL...ESTRATÉGIAS EDUCATIVAS DIRECIONADAS À PREVENÇÃO E CONTROLE DA DENGUE EM ESCOL...
ESTRATÉGIAS EDUCATIVAS DIRECIONADAS À PREVENÇÃO E CONTROLE DA DENGUE EM ESCOL...
 
O CONTROLE DE DENGUE A PARTIR DA ESCOLA
O CONTROLE DE DENGUE A PARTIR DA ESCOLAO CONTROLE DE DENGUE A PARTIR DA ESCOLA
O CONTROLE DE DENGUE A PARTIR DA ESCOLA
 
Novas Diretrizes American Heart Association - 2015
Novas Diretrizes American Heart Association - 2015Novas Diretrizes American Heart Association - 2015
Novas Diretrizes American Heart Association - 2015
 
Livro comida que cuida 2 - o prazer na mesa e na vida de quem tem diabetes
Livro comida que cuida 2 - o prazer na mesa e na vida de quem tem diabetesLivro comida que cuida 2 - o prazer na mesa e na vida de quem tem diabetes
Livro comida que cuida 2 - o prazer na mesa e na vida de quem tem diabetes
 
Manual de nutricao sociedade brasileira de diabetes
Manual de nutricao sociedade brasileira de diabetesManual de nutricao sociedade brasileira de diabetes
Manual de nutricao sociedade brasileira de diabetes
 
Manual da criança com diabetes
Manual da criança com diabetesManual da criança com diabetes
Manual da criança com diabetes
 
Como Montar uma Creche - Apostila Sebrae
Como Montar uma Creche - Apostila SebraeComo Montar uma Creche - Apostila Sebrae
Como Montar uma Creche - Apostila Sebrae
 

Último

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 

Último (20)

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 

Como montar uma creche

  • 1. Como montar uma creche EMPREENDEDORISMO Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br
  • 2. Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Roberto Simões Diretor-Presidente Luiz Eduardo Pereira Barreto Filho Diretor Técnico Carlos Alberto dos Santos Diretor de Administração e Finanças José Claudio Silva dos Santos Gerente da Unidade de Capacitação Empresarial Mirela Malvestiti Coordenação Luciana Rodrigues Macedo Autor Lauri Tadeu Corrêa Martins Projeto Gráfico Staff Art Marketing e Comunicação Ltda. www.staffart.com.br
  • 3. Apresentação 1. Apresentação É considerada instituição educacional, além de responsável pela assistência física, motora, afetivo-social e intelectual de crianças de até três anos. Aviso: Antes de conhecer este negócio, vale ressaltar que os tópicos a seguir não fazem parte de um Plano de Negócio e sim do perfil do ambiente no qual o empreendedor irá vislumbrar uma oportunidade de negócio como a descrita a seguir. O objetivo de todos os tópicos a seguir é desmistificar e dar uma visão geral de como um negócio se posiciona no mercado. Quais as variáveis que mais afetam este tipo de negócio? Como se comportam essas variáveis de mercado? Como levantar as informações necessárias para se tomar a iniciativa de empreender? Com os avanços da vida moderna, muitas famílias têm que deixar seus filhos em creches. Com isso, abrir uma creche transformou-se em uma opção de negócio rentável e prazeroso. Como qualquer outro negócio, abrir uma creche demanda conhecimento do segmento e vontade de crescer e, de modo geral, você deve verificar o mercado para descobrir se há clientes suficientes para o tipo de serviço oferecido. Uma vez que houver clientes para os atuais concorrentes e para os possíveis clientes, já podemos estabelecer a viabilidade e chance de que o negócio pode dar certo. Normalmente o perfil de clientes que desejam colocar seus filhos em uma creche são pessoas que tem dificuldade para encontrar babás confiáveis ou buscam por um serviço mais barato do que este, para que possa exercer outras atividades, como trabalhar por exemplo. Com o aumento do número de mulheres do mercado de trabalho, mais frequentemente o serviço de creche se torna necessário para atendimento dessa demanda. Nesse contexto, as creches exercem hoje importante papel educacional para crianças de até três anos de idade. A Câmara de Educação Básica do CNE - Conselho Nacional de Educação, órgão de assessoramento do Ministro da Educação do Brasil, adota a seguinte nomenclatura para organização da Educação Básica: Educação Infantil até cinco anos de idade: • Creche até três anos de idade • Pré-escola quatro e cinco anos de idade Ensino Fundamental até 14 anos de idade: Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 1
  • 4. Mercado • Anos iniciais de 6 a 10 anos de idade • Anos finais de 11 a 14 anos de idade. Assim, para o Governo, as creches são instituições educacionais, além disso, tem a responsabilidade de prover assistência física, cognitiva e motora, social e intelectual a criança. Este documento não substitui o plano de negócio. Para elaboração deste plano consulte o Sebrae mais próximo. 2. Mercado O primeiro passo para abrir uma creche é fazer uma avaliação da quantidade de concorrentes para o serviço. Busque dados estatísticos que tenha gráficos e índices ou mesmo um mapa da sua região de atuação e selecione no mesmo os locais de cada concorrente, com o objetivo de ter uma visão geral da concorrência. Ao analisar o perfil da concorrência não se esqueça de levar em consideração, escolas, berçários e as creches disponibilizadas pelos governos estaduais e municipais como concorrentes também. Em 2004 o Governo Federal lançou o Proinfância - Programa de construção e reforma de creches com o objetivo de fortalecer a política de educação infantil nos municípios e apoiar a sua expansão. O empresário desse segmento deve fazer uma análise swot (pontos fortes e fracos) do funcionamento do mercado concorrente e com essa descobrir o maior número de informações necessárias para abrir e funcionar a creche. Informações como qualidade do atendimento, preços e qualidade dos serviços são imprescindíveis para conhecer o perfil dos concorrentes. Levante e mensure todas as informações, projete um cenário do mercado concorrente Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 2
  • 5. Localização atual e avalie se você terá condições de competir. É importante também saber como se posicionar para ter uma vantagem competitiva em relação à concorrência. Basicamente seria responder a pergunta: o que eu posso fazer melhor do que a concorrência? Quais serviços podem oferecer para o público infantil? E a resposta certa é: Excelência em ensinar, educar e sociabilizar pessoas. 3. Localização Existe uma lista de fatores que influenciam na escolha da melhor creche para o filho: higiene, espaço, qualificação dos profissionais, etc. Mas, o fator determinante que desperta o interesse do cliente em pelo menos conhecer a creche, é a proximidade da mesma com seu trabalho ou residência. Avalie também itinerários, vias de acesso, rotas, para ver se a creche fica no caminho casa / trabalho. Assim é muito importante pesquisar a vizinhança local, seu perfil e poder de consumo. Pense o quanto é preciso ter cuidado ao comprar ou alugar um imóvel para um novo negócio, caso contrário poderá estar fadado ao fracasso. É necessário avaliar, além do local para abrir à creche, as condições favoráveis desse ponto, que são: estacionamento, segurança e facilidade de acesso. A promulgação da LDB determina que os Sistemas de Ensino e os Conselhos de Educação estabeleçam normas e diretrizes que propiciem educação de qualidade nas creches e pré-escolas, cabendo ao Município a responsabilidade de sua institucionalização, com o apoio financeiro e técnico das esferas federal e estadual. Adicionalmente, com base no artigo 182 da Constituição Federal, e no princípio Constitucional da preponderância do interesse, o Município é o principal ente federativo responsável em promover a política urbana de modo a ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade, de garantir o bem-estar de seus habitantes e de garantir que a propriedade urbana cumpra sua função social, de acordo com os princípios e instrumentos regulamentados no Estatuto da Cidade, Lei Federal 10.257 de 10 de julho de 2001, eleitos e mapeados no seu Plano Diretor, que é o instrumento básico da política urbana municipal. O local escolhido por você além de localizado estrategicamente deve atender as necessidades físicas para abrir a creche; instalações adequadas, banheiros, salubridade, saneamento e condições de higienização e atender as normas da vigilância sanitária municipal. Dentre outros requisitos qualitativos para escolha dos possíveis locais de instalação de sua creche, destacamos: Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 3
  • 6. Localização 1 - Em relação ao imóvel onde será instalado o empreendimento, o empreendedor deverá atentar para os seguintes aspectos: - Certifique-se de que o imóvel em questão atende as suas necessidades operacionais quanto à localização, capacidade de instalação, características da vizinhança como segurança, por exemplo. - se é atendido por serviços de água, luz, esgoto, telefone etc. - Cuidado com imóveis situados em locais sem ventilação, úmidos, sujeitos a inundações ou próximos às zonas de risco. Consulte a vizinhança a respeito. - Verifique se o imóvel precisará de muitas adaptações, tais como rebaixamento de degraus, eliminação de escadas, instalação de rampas, elevadores, etc. - Tratando-se de imóvel alugado, negocie o valor do aluguel, data de pagamento, prazo de locação e demais cláusulas com o locador, na forma e condições compatíveis com o empreendimento, considerando o tempo de retorno do investimento. - Verifique se o imóvel está legalizado e regularizado junto aos órgãos públicos municipais que possam interferir ou impedir sua futura atividade. - Confira a planta do imóvel aprovada pela Prefeitura, e veja se não houve nenhuma obra posterior, aumentando, modificando ou diminuindo as áreas primitivas, que deverá estar devidamente regularizada. 2 - Em relação à Autorização de Funcionamento concedida pela Secretária Municipal de Educação, normalmente, os ofícios de solicitação para sua emissão, devem estar acompanhados de alguns documentos suporte (quitação de impostos, alvarás, etc.) relacionados à situação do imóvel onde a creche será instalada. Por esta razão é importante verificar / obter junto a Prefeitura Municipal: I) se o imóvel está regularizado - se possui o HABITE-SE; II) se os impostos que recaem sobre o imóvel estão em dia - IPTU, ITR; III) a legislação municipal que trata da instalação de anúncios. IV) Alvará de Funcionamento - É um documento que autoriza o exercício de uma atividade, levando em conta o local, o tipo de atividade, o meio ambiente, a segurança, a moralidade, o sossego público. Nenhum imóvel poderá ser ocupado ou utilizado para instalação e funcionamento de usos não-residenciais sem prévia emissão, pela Prefeitura, da licença correspondente, sem a qual será considerado em situação irregular. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 4
  • 7. ExigênciasLegaiseEspecíficas 4. Exigências Legais e Específicas Para a abertura de creches e escola infantil é preciso de uma autorização de funcionamento e supervisão da Secretaria de Estado de Educação. Todas as instituições de educação infantil devem ser autorizadas pelo menos 120 dias antes da data prevista para o início da atividade, devendo montar um processo cumprindo algumas exigências, tais como: plano de educação; propostas pedagógicas; relatório com prova de habilitação profissional (é exigido que o diretor tenha curso de pedagogia com habilitação em administração escolar); condições do prédio; alvará de funcionamento da prefeitura e do corpo de bombeiro, etc.. A Secretaria de Estado de Educação vai efetuar a fiscalização para verificar se tudo o que foi relatado no processo, procede. Procedendo a verificação, é encaminhado relatório para o Conselho Estadual de Educação providenciar a autorização. A empresa deverá, também, procurar a Vigilância Sanitária da Secretaria Municipal de Saúde para obter o Alvará de Licença Sanitária. É necessário contratar um contador profissional para legalizar a empresa nos seguintes órgãos: - Junta Comercial; - Secretaria da Receita Federal (CNPJ); - Secretaria Estadual de Fazenda; - Secretaria Municipal de Educação; - Prefeitura do Município para obter o alvará de funcionamento; - Enquadramento na Entidade Sindical Patronal (empresa ficará obrigada a recolher por ocasião da Constituição e até o dia 31 de janeiro de cada ano a Contribuição Sindical Patronal); - Cadastramento junto à Caixa Econômica Federal no sistema “Conectividade Social – INSS/FGTS”. - Corpo de Bombeiros Militar. Dentre as leis Federais, disponíveis no site da Presidência da República Federativa do Brasil, aplicadas a esta atividade destacamos: Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 5
  • 8. Estrutura - Lei 9.394/96 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação, de 20 de dezembro de 1996, que determina a fixação de uma proposta pedagógica fundamentada, visando à formação de uma criança cidadã. - Lei nº 11.769, de 18 de agosto de 2008, altera o art. 26 da Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, Lei de Diretrizes e Bases da Educação, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino de música na educação básica. - Lei 8.069 de 13 de julho de 1990 que institui o Estatuto da Criança e do Adolescente. - A Lei 9795/99 de 27 de abril de 1999 dispõe sobre a educação ambiental e institui a Política Nacional de Educação Ambiental - A Lei 9870/99 de 23 de novembro de 1999 trata sobre o valor das anuidades e semestralidades escolares. - A Lei 10.034 de 24 de outubro de 2000 que prevê a autorização para creches, pré- escolas e estabelecimentos de ensino fundamental fazerem a opção pelo Simples. O Sebrae local poderá ser consultado para orientação. 5. Estrutura A abertura das creches, no que se refere às normas e às condições, encontra-se prevista na Portaria nº 262/2011 de 31 de Agosto de 2011 - Normas Reguladoras das Condições de Instalação e Funcionamento das Creches. Esta portaria apresenta algumas alterações ao nível de requisitos estruturais e funcionais em relação à legislação anterior e não se aplica, em parte, às creches já existentes ou em processo de licenciamento à data da sua entrada em vigor. As creches deverão contar, obrigatoriamente, com instalações e equipamentos adequados, como por exemplo: - Sala para administração e equipe técnica; - Berçário com área própria para estimulação de bebês;? - Sala de atividades múltiplas (recreação, repouso e refeição);? - Solário ou local de recreação descoberto, preferencialmente com vegetação natural;? - Sanitários para as crianças;? Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 6
  • 9. Estrutura - Cozinha e lactário;? - Vestiário e sanitários para funcionários. A legislação é bem clara e rígida dentro de cada município, e estabelece os requisitos estruturais mínimos para funcionamento de uma creche. Dentre os requisitos mais comuns destacamos: I) A exigência de área mínima (normalmente, um metro quadrado por aluno, sendo permitida a ocupação máxima correspondente a oitenta por cento da área física do imóvel); II) paredes pintadas ou revestidas com material lavável; III) piso de material de fácil limpeza; IV) mobiliário de dimensões e características que proporcionem conforto e segurança às crianças atendidas; V) Boas condições de ventilação e iluminação; VI) Existência de berçário, de locais para amamentação e higienização, com balcão e pia, conforme a faixa etária atendida; VII) instalações sanitárias destinadas a alunos de uso exclusivo destes, adequadas à faixa etária, e em número suficiente para a quantidade de crianças. A estrutura de uma creche assim como de uma escola, exige uma série de características e a divisão de vários ambientes para o seu bom funcionamento, tais como: - Hall de Recepção – O hall de recepção deve ser uma área externa ampla e espaçosa. Deve possuir instalações para proporcionar uma passagem gradativa da criança, deixada pelos pais aos cuidados da creche; atender visitantes, servir de local para reunião com pequenos grupos de pais; publicar avisos, exposição de fotos, desenhos e atividades realizadas pelas crianças. Deve ter uma decoração aconchegante com cadeiras, bancos ou sofás, além de ter sempre a disposição uma agenda para anotações e recados que os pais desejem fazer a direção. - Berçário – O berçário é formado por sete áreas integradas e interligadas: recepção, dormitório, sala ou local de estimulação, local para banho e higiene do bebê, saleta ou local para amamentação (opcional), solário e lactário. A recepção é a área próxima à porta do berçário, onde a mãe deve deixar sua bolsa, objetos de uso pessoal e calçar as sapatilhas (sapatos não devem ser permitidos em área esterilizada). Os bebês devem ser estimulados através de atividades de base essencialmente oral-afetiva, através de contato físico, e deve ocorrer a qualquer momento dentro do berçário, essa Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 7
  • 10. Pessoal área pode fazer parte do dormitório. - Sala de Atividades – A sala de atividades é um espaço destinado a grupos de crianças, onde terá a seu dispor brinquedos, jogos, papéis, lápis, tintas, etc. Em alguns momentos a sala de atividades pode ser transformada em sala de refeições, quando várias crianças fazem as refeições simultaneamente. A creche também deve possuir um local para atividades especiais, que possibilite a instalação dos equipamentos de suporte utilizados nas atividades recreativas, educacionais, estimulação psicomotora, etc. (narrativa de histórias, projeção de filmes e slides, teatrinho de vara, fantoches, sombras, danças, audição de músicas, brinquedos cantados, atividades típicas de educação física e atividades sociais). - Área Externa - A área externa, com parte obrigatoriamente coberta, destina-se à recreação dirigida, ao lazer e à prática de educação física e jardinagem. Seu piso pode ser natural ou revestido. - Administração – O espaço destinado à administração engloba as seguintes atividades: direção, secretaria, almoxarifado, atendimento médico, psicológico, pediátrico, nutricionista e assistente social, e geralmente compõe- se pela sala do assistente social, sala da diretoria, sala da equipe pedagógica, sala do psicólogo, sala do orientador pedagógico, sala dos professores, secretaria, almoxarifado, sanitário masculino e feminino para a equipe de direção, sala do médico, sanitário dos professores e professoras, sala de espera e sala do nutricionista. - Serviços – A área de serviços compreende: despensa, cozinha, lavanderia, copa, além do vestiário para serventes. - Estacionamento – Se não houver disponibilidade permanente de vagas nas proximidades será necessário realizar convênio com estacionamento próximo. O ideal é que exista uma área própria para parada rápida na frente da creche, com capacidade para atender o fluxo nos horários de chegada e saída. 6. Pessoal O trabalho numa creche deve ser assegurado por profissionais qualificados e em número suficiente, de acordo com a dimensão da mesma. Além da formação de base mais diferenciada dos técnicos de educação, existem outros cursos certificados para Auxiliares de Educação Infantil. A direção técnica deverá ser assegurada preferencialmente por um educador de infância, podendo ser, no entanto, assumida por outros profissionais com licenciatura em Ciências Sociais e Humanas ou em outras áreas das Ciências da Educação. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 8
  • 11. Pessoal Existe a obrigatoriedade de que a direção das creches seja feita por profissionais técnicos na área de educação, assessorados por uma equipe técnica em que cada profissional será responsável pela respectiva área de atuação. É necessário um Diretor Técnico responsável, que poderá exercer a função de Coordenador Pedagógico desde que possua as qualificações para tal. As creches, em geral contam com uma equipe técnico-administrativo-pedagógica com a seguinte configuração: - Médico-pediatra; - Técnico ou Auxiliar de Enfermagem; - Nutricionista; - Recreadores (deverão ter segundo grau e cursos específicos na área); - Auxiliares (preferencialmente estagiários do curso de pedagogia); - Funcionários administrativos; - Diretor Técnico: Segundo o art. 62 da LDB, a direção da instituição de educação Infantil será exercida por profissional formado em Curso Normal Superior para o Magistério em Educação Infantil ou em nível de Pós-Graduação em educação; - Docentes: Segundo o art. 62 da LDB, deverão possuir formação em “nível superior”, admitindo-se, como formação mínima, a oferecida em nível médio, na modalidade “Normal”; - Educadores Assistentes. Segundo o art. 62 da LDB, deverão possuir formação em “nível superior”, admitindo-se, como formação mínima, a oferecida em nível médio, na modalidade “Normal”; - Merendeiras e Auxiliares de serviços gerais (Serviços de Cozinha, Serviço de Limpeza, segurança). Para as funções de Médico e Nutricionista a legislação brasileira prevê para estes profissionais, jornada reduzida, ou seja, eles podem ser contratados como autônomos. Contudo, a responsabilidade nestes casos deve ser individual, vedado a intermediação empresarial. Profissionais especializados como fonoaudiólogos, psicólogos, dentistas podem ser contratados por meio de convênios com instituições de saúde. Os profissionais que atuam na creche e que têm contato direto com as crianças, precisam não só de um programa de aperfeiçoamento profissional contínuo, como também de treinamentos adequados. Eles precisam ter conhecimento da atividade, Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 9
  • 12. Equipamentos criatividade, paciência e habilidade no trato com os educandos, além de saber lidar com os pais, informando sobre o desenvolvimento dos filhos, ouvindo e respondendo de forma equilibrada quando interpelado a respeito das crianças. Com vistas à emissão da Autorização de Funcionamento e posterior fiscalização da atividade, as Secretarias Municipais de Educação estabelecem os requisitos profissionais para o exercício do cargo de Diretor Técnico e da titulação e quantitativos mínimos de cada função dos membros da equipe técnico- administrativo- pedagógica, das creches na sua área de jurisdição, com base na Política Nacional de Educação Infantil. O Sebrae da localidade poderá ser consultado para aprofundar as orientações sobre o perfil do pessoal e treinamentos adequados. 7. Equipamentos São necessários os seguintes móveis e equipamentos: - microcomputadores e impressoras de acordo com a estrutura da creche; - linha telefônica; - uma impressora de cupom fiscal; - gaveteiro para guardar dinheiro, cheques e tickets de cartões de débito e crédito; - equipamento para recebimento através de cartões de débito e crédito – decisão do empreendedor; - móveis e equipamentos para o refeitório apropriados para crianças pequenas; - cadeiras e mesas escolares, armários e estantes, de acordo com o dimensionamento das instalações; - estantes, mesas, cadeiras, livros infantis e equipamentos para a sala multimeios; - jogos e brinquedos pedagógicos, softwares educativos e material didático; - TV e aparelho de DVD ou blu ray; - Higienizadores de mamadeiras; Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 10
  • 13. MatériaPrima/Mercadoria - Esterilizadores e umidificadores de ar; - berços, colchões e colchonetes; - Tela de proteção para janelas; - equipamentos para cozinha; - equipamentos, móveis e utensílios para a secretaria, etc. 8. Matéria Prima/Mercadoria A gestão de estoques no varejo é a procura do constante equilíbrio entre a oferta e a demanda. Este equilíbrio deve ser sistematicamente aferido através de, entre outros, os seguintes três importantes indicadores de desempenho: Giro dos estoques: o giro dos estoques é um indicador do número de vezes em que o capital investido em estoques é recuperado através das vendas. Usualmente é medido em base anual e tem a característica de representar o que aconteceu no passado. Obs.: Quanto maior for a freqüência de entregas dos fornecedores, logicamente em menores lotes, maior será o índice de giro dos estoques, também chamado de índice de rotação de estoques. Cobertura dos estoques: o índice de cobertura dos estoques é a indicação do período de tempo que o estoque, em determinado momento, consegue cobrir as vendas futuras, sem que haja suprimento. Nível de serviço ao cliente: o indicador de nível de serviço ao cliente para o ambiente do varejo de pronta entrega, isto é, aquele segmento de negócio em que o cliente quer receber a mercadoria, ou serviço, imediatamente após a escolha; demonstra o número de oportunidades de venda que podem ter sido perdidas, pelo fato de não existir a mercadoria em estoque ou não se poder executar o serviço com prontidão. Portanto, o estoque dos produtos deve ser mínimo, visando gerar o menor impacto na alocação de capital de giro. O estoque mínimo deve ser calculado levando-se em conta o número de dias entre o pedido de compra e a entrega dos produtos na sede da empresa. Trata-se de uma prestação de serviços, não envolvendo a manufatura ou comércio de Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 11
  • 14. OrganizaçãodoProcessoProdutivo bens. Contudo, o preparo da alimentação das crianças, as atividades administrativas e a higiene das instalações exigem a compra, de alimentos, materiais de limpeza e outros insumos que devem ser adquiridos pelo estabelecimento para complementar a prestação do serviço. 9. Organização do Processo Produtivo O processo produtivo de uma creche pode ser dividido da seguinte forma: 1. Atendimento ao Responsável – é o processo responsável pelo ingresso das crianças na escola e pelo atendimento aos pais e/ou responsáveis. 2. Serviços pedagógicos e lazer – Compreendem as atividades relacionadas à elaboração e execução do Plano Pedagógico da creche. 3. Serviços administrativos – responsáveis pelas atividades de apoio administrativo, financeiro, marketing e de Recursos Humanos da creche. É realizado pela secretaria e pelo responsável pela administração geral. 4. Serviços de preparação de alimento – responsável pela preparação dos alimentos e da rotina alimentar. 5. Serviços de higiene e saúde – responsável pelas atividades de higiene e cuidados especiais na promoção da saúde física e mental das crianças atendidas pela escola. 6. Outros serviços de Apoio – Incluem as atividades de limpeza e higiene das instalações, cuidados com a horta, segurança, manutenção das instalações elétricas, hidráulicas, e demais atividades de apoio necessárias ao bom funcionamento da creche. Ainda fazendo parte do processo produtivo, é preciso saber que, em uma creche as crianças podem ficar em período integral ou meio período. É importante estabelecer critérios flexíveis na divisão dos grupos, que são feitos por idade ou faixa etária, já que cada criança tem um estilo e um ritmo próprio de desenvolvimento.? Alguns exemplos de atividades que podem ser desenvolvidas na creche:? - repouso (principalmente dos menores);? - alimentação;? - música;? - leitura de histórias; - atividades ao ar livre; Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 12
  • 15. Automação/CanaisdeDistribuição 10. Automação Existe no mercado sistemas para gerenciamento administrativo de creches. Os softwares possibilitam o acompanhamento pedagógico, controle automático e impressão de boletos de cobrança de mensalidades, cadastro de clientes, serviço de mala direta para clientes e potenciais clientes, cadastro de móveis e equipamentos, controle de contas a pagar e a receber, fornecedores, folha de pagamento, fluxo de caixa e movimento do caixa. Esses softwares podem ser encontrados em empresas especializadas que dão assessoria desde sua instalação até treinamentos para os usuários. Vale lembrar que é preciso fazer uma pesquisa de avaliação não só de preços dos softwares, mas do que ele oferece e o suporte que a empresa irá proporcionar a sua empresa. 11. Canais de Distribuição O canal de distribuição deste serviço é a própria creche. É na propriedade que a creche está instalada que o serviço é realizado. Assim, os pais ou responsáveis levam as crianças até a creche e voltam para buscar. A creche pode oferecer o serviço de transporte das crianças, que pode ser acrescido a parte no valor da mensalidade. Assim, um transporte com uma cuidadora busca a criança e a entrega ao final do período. Este transporte pode ser próprio ou terceirizado. Além disso, a creche pode disponibilizar um site com informações a respeito das atividades que realiza, com fotos do ambiente, formas de contato (emails, chats, telefone). Um grande diferencial é disponibilizar câmeras nas salas de atividades onde os pais podem acompanhar seu filhos através de vídeos online em tempo real. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 13
  • 16. Investimento/CapitaldeGiro 12. Investimento De posse de uma pré-avaliação do mercado é hora de partir para a análise financeira para abrir a creche. Você deverá levantar o valor do investimento inicial (Levante todos os materiais, equipamentos, capital de giro necessário), os custos fixos mensais e a previsão de faturamento após abrir a creche. Lembre-se de ter uma boa avaliação financeira ao abrir uma creche, você precisará manter reserva de fundos. De acordo com a previsão de quantas crianças que se matricularão na creche, seus custos e preço dos serviços oferecidos você terá condições de descobrir qual será a previsão de lucro mensal e a partir daí saber em quanto tempo seu investimento total terá retorno. Para referência do empreendedor, relacionamos abaixo alguns componentes do orçamento de investimento necessário à instalação de uma pequena creche cujos valores estimados somam cerca de R$ 214.000,00: - Abertura da empresa – R$ 5.000,00 - Capital de giro inicial - R$ 12.000,00 - Equipamentos diversos – R$ 36.000,00 - Letreiro - R$ 1.500,00 - Mão de obra para adaptação do imóvel – R$ 50.000,00 - Marketing inicial - R$ 2.500,00 - Materiais para reforma e instalações – R$ 80.000,00 - Mobiliário - R$ 20.000,00 - Projeto arquitetônico – R$ 7.000,00 O Sebrae da localidade poderá ser consultado para mais orientações sobre investimentos e para a elaboração adequada do plano de negócio. 13. Capital de Giro Capital de giro é o montante de recursos financeiros que a empresa precisa manter para garantir fluidez dos ciclos de caixa. O capital de giro funciona com uma quantia imobilizada no caixa (inclusive banco) da empresa para suportar as oscilações de caixa. O capital de giro é regulado pelos prazos praticados pela empresa, são eles: prazos médios recebidos de fornecedores (PMF); prazos médios de estocagem (PME) e Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 14
  • 17. CapitaldeGiro prazos médios concedidos a clientes (PMCC). Quanto maior o prazo concedido aos clientes e quanto maior o prazo de estocagem, maior será sua necessidade de capital de giro. Portanto, manter estoques mínimos regulados e saber o limite de prazo a conceder ao cliente pode melhorar muito a necessidade de imobilização de dinheiro em caixa. Se o prazo médio recebido dos fornecedores de matéria-prima, mão- de-obra, aluguel, impostos e outros forem maiores que os prazos médios de estocagem somada ao prazo médio concedido ao cliente para pagamento dos produtos, a necessidade de capital de giro será positiva, ou seja, é necessária a manutenção de dinheiro disponível para suportar as oscilações de caixa. Neste caso um aumento de vendas implica também em um aumento de encaixe em capital de giro. Para tanto, o lucro apurado da empresa deve ser ao menos parcialmente reservado para complementar esta necessidade do caixa. Se ocorrer o contrário, ou seja, os prazos recebidos dos fornecedores forem maiores que os prazos médios de estocagem e os prazos concedidos aos clientes para pagamento, a necessidade de capital de giro é negativa. Neste caso, deve-se atentar para quanto do dinheiro disponível em caixa é necessário para honrar compromissos de pagamentos futuros (fornecedores, impostos). Portanto, retiradas e imobilizações excessivas poderão fazer com que a empresa venha a ter problemas com seus pagamentos futuros. Um fluxo de caixa, com previsão de saldos futuros de caixa deve ser implantado na empresa para a gestão competente da necessidade de capital de giro. Só assim as variações nas vendas e nos prazos praticados no mercado poderão ser geridas com precisão. O capital de giro que mantém seu negócio, para tanto é importante saber um pouco sobre as despesas básicas do setor: - Despesas legais As despesas legais iniciais para a abertura de uma creche incluem licenças exigidas pelo estado em que você está operando, bem como taxas de licenciamento. Você pode ser obrigado a ter seguro de responsabilidade civil. Também é uma boa idéia assegurar contra incêndio e roubo. Verifique com seu departamento de licenciamento estadual para as necessidades do seu próprio estado. Além disso, as inspeções estaduais devem ser conduzidas para uma creche licenciado, cada um com suas próprias taxas associadas. Inspeções estaduais necessárias incluem incêndio, saúde, playground e inspeções aquecedor de água quente, bem como uma avaliação de risco de chumbo. Inspeções exigidas variam de estado para estado. - Despesas Operacionais Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 15
  • 18. Custos Pode levar algum tempo antes de você obter lucro de um negócio como uma creche nova. Você deve ter algum capital de arranque para pagar as despesas operacionais, incluindo salários de funcionários, aluguel, serviços públicos e suprimentos de acolhimento, tais como alimentos, roupas e suprimentos de primeiros socorros. Você deve investir 25% do capital em alguns equipamentos para iniciar a sua creche. Equipamentos e materiais necessários incluirão mobiliário, equipamento de escritório e suprimentos, cadeiras, brinquedos, livros, áreas de dormir, materiais escolares, fraldas descartáveis e almofadas, e outros suprimentos essenciais acolhimento de crianças. O Sebrae da localidade poderá ser consultado para aprofundar as orientações sobre despesas e plano de negócio. 14. Custos Custos são todos os gastos que estão diretamente relacionados à produção de um bem ou serviço e que serão incorporados posteriormente ao preço dos produtos ou serviços prestados, como: aluguel, água, luz, salários, honorários profissional, material de higiene e limpeza, etc. A administração deve estar atenta a contenção de todos os custos envolvidos nas atividades que compõem o negócio. É fundamental à redução de desperdícios, a compra de insumos pelo melhor preço e o controle de todas as despesas internas. Sem comprometer a qualidade dos serviços prestados, as reduções de custos aumentam as chances de melhorar o resultado do final do negócio. Em relação a uma creche mantida pela iniciativa privada estes valores poderão oscilar bastante, por vários motivos dentre eles o público-alvo, localização e serviços oferecidos pela creche. Abaixo relacionamos os custos mensais estimados por meio de pesquisa online em vários empreendimentos do segmento (valores referentes à média geral), de uma creche particular com cerca de 50 alunos e 15 empregados no quadro permanente, sendo que desses 15: 5 são educadores fixos e 5 estagiários auxiliares (que enquadra nos custos abaixo referente a honorários de profissionais contratados), 2 administrativos, 2 para serviços gerais e 1 para cozinha. Segue relação de custos: 1. Salários, comissões e encargos: R$ 10.380,00; 2. Tributos, impostos, contribuições e taxas: R$ 1.760,00; 3. Aluguel, taxa de condomínio, segurança: R$ 3.200,00; Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 16
  • 19. Diversificação/AgregaçãodeValor 4. Água, luz, gás, telefone e acesso à Internet: R$ 2.100,00; 5. Serviços de limpeza, higiene, manutenção e segurança: R$ 1.970,00; 6. Assessoria contábil: R$ 700,00; 7. Alimentação: R$ 8.200,00; 8. Materiais utilizados no processo pedagógico: R$ 730,00; 9. Materiais de consumo na área administrativa: R$ 375,00; 10. Propaganda e publicidade da empresa: R$ 700,00; 11. Honorários de profissionais contratados: R$ 2.980,00. 15. Diversificação/Agregação de Valor Oferecer produtos e serviços complementares ao produto principal é o que define agregar valor, diferenciando-se da concorrência e atraindo o público- alvo. É necessário criar um algo mais que seja reconhecido pelo cliente como uma vantagem competitiva e aumente o seu nível de satisfação com o produto ou serviço prestado. Estes diferenciais dependem da relação entre os negócios, e podem estar fundamentados em ofertas de serviço distintas da maioria dos concorrentes, como por exemplo: flexibilidade na forma de pagamento, capacidade para realização de serviços especializados, serviços de entrega em domicílio, entre outras opções. Neste contexto, uma creche pode agregar valor mediante a oferta de serviços complementares como: transporte escolar, aulas de idiomas, informática, balé, atividades ao ar livre, música e horários flexíveis. Para identificar quais os fatores que agregam mais valor ao negócio, é importante uma avaliação detalhada dos estabelecimentos concorrentes. Ao avaliar quesitos como conforto do ambiente, instalações, horário de atendimento, qualidade da mão-de-obra, entre outros, é possível relacionar uma série de elementos que podem vir a auxiliá-lo a criar diferenciais. Conversar com os pais dos alunos matriculados para identificar suas expectativas é muito importante para o desenvolvimento de novos serviços ou produtos personalizados, o que amplia as possibilidades de fidelização com os atuais clientes e despertar o interesse de novos. Um grande agregador de valor nos dias atuais é o acompanhamento das crianças pelos pais remotamente, através de câmeras na creche que os pais podem acessar online. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 17
  • 20. Divulgação 16. Divulgação Os meios para divulgação de uma creche variam de acordo com o porte e o público- alvo escolhido. Para um empreendimento de pequeno porte, a mala direta é um sistema barato e simples, no qual pode ser utilizado o cadastro de clientes, obtido de forma rápida e sem maiores custos, por meio do banco de dados dos pais dos alunos, ou uma relação de conhecidos do proprietário, ou da compra de listagens vendidas no mercado por empresas de marketing direto. Neste negócio a imagem e reputação da escola são fundamentais, pois a principal forma de divulgação é através da propaganda boca a boca. Na medida do interesse e das possibilidades, poderão ser utilizados anúncios em jornais de grande circulação, rádio, apresentação de painéis fotográficos em feiras, festas e centro de compras, outdoor e Internet. A propaganda no período da matrícula é extremamente importante, com a distribuição de panfletos, colocação de faixas de boa qualidade na fachada da escola e montagem de stand em shoppings centers e centros comerciais. No entanto, não se deve concentrar a divulgação somente nesse período. É importante montar um cronograma de marketing cobrindo várias datas importantes, onde haja concentração de possíveis clientes. A divulgação através de website próprio na Internet é uma possibilidade muito interessante, pois permitem a exposição das instalações, serviços oferecidos, e depoimentos de pais de alunos. Também é aconselhável uma página da creche em redes socias para promoção de datas comemorativas, recados rápidos, informações importantes etc, para os pais acompanharem de maneira rápida. Outros recursos poderão ser utilizados e, se for de interesse do empreendedor, um profissional de marketing e comunicação poderá ser contratado para desenvolver campanha específica. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 18
  • 21. InformaçõesFiscaiseTributárias 17. Informações Fiscais e Tributárias O segmento de CRECHE, assim entendido pela CNAE/IBGE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) 8511-2/00 como a atividade de instituições de ensino que se destinam ao desenvolvimento integral da criança, em geral, de até 3 anos de idade, poderá optar pelo SIMPLES Nacional - Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas ME (Microempresas) e EPP (Empresas de Pequeno Porte), instituído pela Lei Complementar nº 123/2006, desde que a receita bruta anual de sua atividade não ultrapasse a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) para micro empresa R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais) para empresa de pequeno porte e respeitando os demais requisitos previstos na Lei. Nesse regime, o empreendedor poderá recolher os seguintes tributos e contribuições, por meio de apenas um documento fiscal – o DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional), que é gerado no Portal do SIMPLES Nacional (http://www8.receita.f azenda.gov.br/SimplesNacional/): • IRPJ (imposto de renda da pessoa jurídica); • CSLL (contribuição social sobre o lucro); • PIS (programa de integração social); • COFINS (contribuição para o financiamento da seguridade social); • ISSQN (imposto sobre serviços de qualquer natureza); • INSS (contribuição para a Seguridade Social relativa a parte patronal). Conforme a Lei Complementar nº 123/2006, as alíquotas do SIMPLES Nacional, para esse ramo de atividade, variam de 6% a 17,42%, dependendo da receita bruta auferida pelo negócio. No caso de início de atividade no próprio ano-calendário da opção pelo SIMPLES Nacional, para efeito de determinação da alíquota no primeiro mês de atividade, os valores de receita bruta acumulada devem ser proporcionais ao número de meses de atividade no período. Se o Estado em que o empreendedor estiver exercendo a atividade conceder benefícios tributários para o ICMS (desde que a atividade seja tributada por esse imposto), a alíquota poderá ser reduzida conforme o caso. Na esfera Federal poderá ocorrer redução quando se tratar de PIS e/ou COFINS. Se a receita bruta anual não ultrapassar a R$ 60.000,00 (sessenta mil reais), o empreendedor, desde que não possua e não seja sócio de outra empresa, poderá optar pelo regime denominado de MEI (Microempreendedor Individual) . Para se enquadrar no MEI o CNAE de sua atividade deve constar e ser tributado conforme a tabela da Resolução CGSN nº 94/2011 - Anexo XIII (http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/resolucao/2011/CGSN/Resol94.htm ). Neste caso, os recolhimentos dos tributos e contribuições serão efetuados em valores Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 19
  • 22. Eventos I) Sem empregado • 5% do salário mínimo vigente - a título de contribuição previdenciária do empreendedor; • R$ 5,00 a título de ISS - Imposto sobre serviço de qualquer natureza. II) Com um empregado: (o MEI poderá ter um empregado, desde que o salário seja de um salário mínimo ou piso da categoria) O empreendedor recolherá mensalmente, além dos valores acima, os seguintes percentuais: • Retém do empregado 8% de INSS sobre a remuneração; • Desembolsa 3% de INSS patronal sobre a remuneração do empregado. Havendo receita excedente ao limite permitido superior a 20% o MEI terá seu empreendimento incluído no sistema SIMPLES NACIONAL. Para este segmento, tanto ME, EPP ou MEI, a opção pelo SIMPLES Nacional sempre será muito vantajosa sob o aspecto tributário, bem como nas facilidades de abertura do estabelecimento e para cumprimento das obrigações acessórias. Fundamentos Legais: Leis Complementares 123/2006 (com as alterações das Leis Complementares nºs 127/2007, 128/2008 e 139/2011) e Resolução CGSN - Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94/2011. 18. Eventos A participação em feiras e eventos do setor proporcionará maior conhecimento e ampliará seus contatos, sendo também um meio de se atualizar e buscar tudo de mais recente e eficaz para o seu segmento. Por se tratar de um empreendimento da área de educação é de suma importância que o aprendizado e a busca pelo conhecimento seja constante. Segue alguns dos principais eventos do setor: Congresso da Escola Particular - SINEPE Website: http://www.sinepe-rs.org.br Educar – Feira Internacional de Educação, Educador – Congresso Internacional de Educação e Educador Management – Seminário de Gestão em Educação. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 20
  • 23. EntidadesemGeral Tel: (41) 3033-8100 Website: www.educador.com.br Escolar – Feira Internacional de Produtos, Serviços e Tecnologia para Escolas, Escritórios e Papelarias. Evento anual Local: São Paulo-SP (11) 6226-3100 Website: www.feiraescolar.com.br 19. Entidades em Geral Entidades para eventuais consultas: ASBREI – Associação Brasileira de Educação Infantil Rua Conde Lages, 44/619 – Glória – Rio de Janeiro–RJ CEP: 20241-900 (21) 2224-1804 abrei@asbrei.org.br www.asbrei.org.br Agência Nacional de Vigilância Sanitária Website: www.anvisa.gov.br MEC – Ministério da Educação e Cultura Secretaria de Educação Básica Website: www.mec.gov.br Procurar na localidade: Conselho Municipal de Educação Secretaria Municipal de Educação Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 21
  • 24. NormasTécnicas 20. Normas Técnicas Norma técnica é um documento, estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido que fornece para um uso comum e repetitivo regras, diretrizes ou características para atividades ou seus resultados, visando a obtenção de um grau ótimo de ordenação em um dado contexto. (ABNT NBR ISO/IEC Guia 2). Participam da elaboração de uma norma técnica a sociedade, em geral, representada por: fabricantes, consumidores e organismos neutros (governo, instituto de pesquisa, universidade e pessoa física). Toda norma técnica é publicada exclusivamente pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, por ser o foro único de normalização do País. 1. Normas específicas para uma Creche Não existem normas específicas para este negócio. 2. Normas aplicáveis na execução de uma Creche ABNT NBR 15860-1:2010 - Móveis – Berços e berços dobráveis infantis tipo doméstico - Parte 1: Requisitos de segurança Esta Norma especifica os requisitos de segurança de berços infantis para uso doméstico com um comprimento interno superior a 900 mm, porém não superior a 1400 mm. ABNT NBR 16067-1:2012 - Móveis — Berços, berços de balanço ou pendular de até 900 mm para uso doméstico - Parte 1: Requisitos de segurança Esta parte da ABNT NBR 16067 estabelece requisitos de segurança para berços, berços de balanço ou de movimento pendular medindo internamente até 900 mm, visando à prevenção de acidentes com crianças e bebês. ABNT NBR 15991-1:2011 - Cadeiras altas para crianças - Parte 1: Requisitos de segurança Esta parte da ABNT NBR 15991 estabelece os requisitos mínimos relativos à segurança de cadeiras altas do tipo doméstico para crianças com até 15 kg, capazes Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 22
  • 25. NormasTécnicas de manter a criança em uma posição sentada devido à sua própria coordenação, com o objetivo de minimizar acidentes resultantes do uso normal. ABNT NBR 10334:2003 – Segurança de chupetas. Esta Norma fixa os requisitos exigíveis para a fabricação de chupetas, incluindo formas de embalagem e recomendações de uso, em função da segurança, com exceção das chupetas para uso terapêutico, tais como as que contêm termômetros, as que se destinam a aplicar medicamentos, entre outras. ABNT NBR 15260:2005 - Artigos de puericultura - Prendedor de chupeta - Requisitos de segurança e métodos de ensaio. Esta Norma especifica os requisitos de segurança relativos aos materiais, construção, desempenho, embalagem e rotulagem dos prendedores de chupeta. ABNT NBR 13793:2012 – Segurança de mamadeiras e de bicos de mamadeiras. Esta Norma fixa os requisitos exigíveis para a fabricação e comercialização de mamadeiras e de bicos de mamadeiras, incluindo recomendações de uso. ABNT NBR 15842:2010 - Qualidade de serviço para pequeno comércio – Requisitos gerais. Esta Norma estabelece os requisitos de qualidade para as atividades de venda e serviços adicionais nos estabelecimentos de pequeno comércio, que permitam satisfazer as expectativas do cliente. ABNT NBR 15859:2010 - Brinquedos infláveis de grande porte — Requisitos de segurança e métodos de ensaio Esta Norma especifica os requisitos de segurança para os brinquedos infláveis nos quais as atividades principais são destinadas ao lazer, como, por exemplo, pular, brincar, jogar e deslizar. ABNT NBR 16071-2:2012 Versão Corrigida:2012 – Playgrounds - Parte 2: Requisitos de segurança Esta Parte da ABNT NBR 16071 especifica os requisitos de segurança para os equipamentos de playground. Esses requisitos foram desenvolvidos considerando os Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 23
  • 26. NormasTécnicas fatores de risco baseados em dados disponíveis. Esta Parte da ABNT NBR 16071 especifi ca os requisitos que reduzam os riscos aos usuários de danos que não sejam capazes de prever quando usarem o equipamento, conforme previsto ou de forma que possam ser razoavelmente antecipados. Esta Parte da ABNT NBR 16071 aplica-se aos seguintes equipamentos, para uso em escolas, creches, áreas de lazer públicas (praças, parques e áreas verdes), restaurantes, buffets infantis, shopping centers, condomínios, hotéis e outros espaços coletivos similares: balanços, escorregadores, gangorras, carrosséis, paredes de escalada, playgrounds, plataformas multifuncionais, “brinquedão” (kid play) e redes espaciais. Esta Parte não se aplica aos produtos de uso doméstico e familiar, como: ? equipamentos de ginástica com função esportiva, que estão independentes das estruturas dos equipamentos listados anteriormente, ? equipamentos para uso doméstico e familiar inclusos na ABNT NBR NM 300; ? produtos como, camas e mobiliário infantil, cercado para bebê (“chiqueirinho”), mesas de piquenique e produtos para uso terapêutico infantil, ? pistas de skate. Esta Parte da ABNT NBR 16071 não trata da qualidade do playground. ABNT NBR 16071-3:2012 Versão Corrigida:2012 – Playgrounds - Parte 3: Requisitos de segurança para pisos absorventes de impacto Esta Parte da ABNT NBR 16071 especifica os requisitos de segurança para pisos a serem utilizados em playgrounds e em áreas onde é necessária a atenuação do impacto. Esta Parte da ABNT NBR 16071 também especifica os fatores que devem ser considerados ao ser selecionado o piso do playground, bem como o método do ensaio pelo qual a atenuação do impacto pode ser determinada. ABNT NBR 16071-7:2012 Versão Corrigida:2012 – Playgrounds - Parte 7: Inspeção, manutenção e utilização Esta Parte da ABNT NBR 16071 contém os requisitos para inspeção, manutenção e utilização dos equipamentos de playground. Esta Parte da ABNT NBR 16071 aplica-se aos seguintes equipamentos, para uso em escolas, creches, áreas de lazer públicas (praças, parques e áreas verdes), restaurantes, buffets infantis, shopping centers, condomínios, hotéis e outros espaços coletivos similares: balanços, escorregadores, gangorras, carrosséis, paredes de escalada, playgrounds, plataformas multifuncionais, “brinquedão” (kid play) e redes espaciais. Esta Parte não se aplica aos produtos de uso doméstico e familiar, como: — equipamentos de ginástica com função esportiva, que estão independentes das estruturas dos equipamentos listados anteriormente; — equipamentos para uso doméstico e familiar inclusos na ABNT NBR NM 300; — produtos como camas e mobiliário infantil, cercado para bebê (“chiqueirinho”), mesas de piquenique e produtos para uso terapêutico infantil; — pistas de skate. ABNT NBR 16046-3:2012 – Redes de Proteção para Edificações - Parte 3: Instalação. Esta Norma especifica os requisitos mínimos para instalação de redes de proteção Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 24
  • 27. Glossário para edificações, fabricadas de acordo com a ABNT NBR 16046-1. ABNT NBR 12693:2010 – Sistemas de proteção por extintores de incêndio. Esta Norma estabelece os requisitos exigíveis para projeto, seleção e instalação de extintores de incêndio portáteis e sobre rodas, em edificações e áreas de risco, para combate a princípio de incêndio. ABNT NBR IEC 60839-1-1:2010 - Sistemas de alarme - Parte 1: Requisitos gerais - Seção 1: Geral. Esta Norma especifica os requisitos gerais para o projeto, instalação, comissionamento (controle após instalação), operação, ensaio de manutenção e registros de sistemas de alarme manual e automático empregados para a proteção de pessoas, de propriedade e do ambiente. ABNT NBR 9050:2004 Versão Corrigida:2005 - Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto, construção, instalação e adaptação de edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos às condições de acessibilidade. 21. Glossário Atividades complementares: atividades de livre escolha de cada escola, que se enquadram como complementares ao currículo obrigatório, tais como: atividades recreativas, artesanais, artísticas, de esporte, lazer, culturais, de acompanhamento e reforço ao conteúdo escolar, aulas de informática, línguas estrangeiras, educação para a cidadania e direitos humanos, entre outras. Capacidade de atendimento: capacidade de um estabelecimento de ensino, em termos de instalações, material e pessoal, para acolher um determinado número de alunos. Caracterização física da escola: infra-estrutura do estabelecimento de ensino, incluindo o perfil físico – número de salas e capacidade de atendimento, existência ou não de biblioteca, laboratórios, salas com TV/Vídeo, microcomputadores, conexão à Internet, Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 25
  • 28. DicasdeNegócio quadras de esportes etc. –, bem como dados sobre abastecimento de água, energia elétrica, esgoto sanitário, entre outros. Educação Básica: Primeiro nível da Educação Escolar regular que compreende a Educação Infantil, o Ensino Fundamental e o Ensino Médio, e tem por finalidade desenvolver o educando, assegurar lhe a formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores; a Educação Básica pode organizar-se em séries anuais, períodos semestrais, ciclos, alternância regular de períodos de estudos, grupos são seriados, tendo por base a idade, a competência e outros critérios, ou de forma diversa, sempre que o interesse do processo de aprendizagem assim o recomendar. Educação Infantil: primeira etapa da Educação Básica regular, oferecida em creche e pré-escola, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, completando a ação da família e da comunidade; de acordo com a LDB, a Educação Infantil atende crianças de até 6 anos de idade, mas, com a publicação da Lei n.º 11.274, de 6 de fevereiro de 2006, a Educação Infantil passa a atender crianças de até cinco anos de idade. Escolaridade do professor: o mais alto nível de ensino concluído pelo professor. Sistema de ensino: conjunto de órgãos, instituições e atividades de educação e ensino organizado de acordo com normas legalmente estabelecidas. Fonte: Glossário de Olho na Educação do INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. 22. Dicas de Negócio Faça um planejamento para o negócio visando o desenvolvimento e crescimento deste, para isso destacamos os seguintes pontos a serem trabalhados: - Filosofia do projeto (o que é, missão, visão e valores, a quem se dirige), análise de concorrência, projeções de lucro e orçamento, obras necessárias, perfil de gestão, necessidades de recursos humanos e remodelações (dado que há várias especificações legais que devem ser atendidas na criação de uma creche). - Invista na qualidade do atendimento ao cliente, ou seja: qualidade do serviço, ambiente agradável, profissionais atenciosos, respeitosos e interessados pelo cliente, Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 26
  • 29. Características além de comodidades adicionais com respeito a estacionamento no clima de conforto que deve estar presente no ambiente da escola. - Procure fidelizar o cliente com ações de pós-venda, como: remessa de cartões de aniversário, comunicação de novos serviços e novos produtos ofertados, contato telefônico para lembrar os eventos e atividades pedagógicas. - A presença do proprietário em tempo integral é fundamental para o sucesso do empreendimento. - O empreendedor deve estar sintonizado com a evolução do setor, pois esse é um negócio que requer inovação e adaptação constantes, em face das novas tendências que surgem dia-a-dia. - Os empregados devem participar de cursos de aperfeiçoamento, congressos e seminários, para garantir a atualização da escola. - Mesmo que aposte numa creche pequena, vale sempre a pena apostar em uma boa estratégia de marketing que inclua análise diagnóstico, análise SWOT, definição de objetivos, opções estratégicas, marketing-mix e plano financeiro. 23. Características O empreendedor que deseja administrar uma creche precisa possuir características relacionadas às funções de educador e de gestor educacional. Dentre estas características destacamos: - Ter equilíbrio pessoal e experiência anterior. - Ser ético - Identificar-se com o projeto político-pedagógico da escola, tanto na estrutura de funcionamento quanto na cultura organizacional. - Ter projeto pessoal de auto-formação profissional. - Capacidade de liderar e de trabalhar em equipe. - Ter capacidade para planejar e gerenciar as atividades pedagógicas e administrativas da creche, garantindo um clima propício à aprendizagem, ter fortes compromissos com as dificuldades dos alunos e desenvolver empatia com a faixa etária de crianças até Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 27
  • 30. Bibliografia três anos de idade. - Capacidade de estabelecer vínculos afetivos e de trabalho, buscando coerência entre o discurso e a prática. - Saber ensinar de modo coerente, de acordo com a demanda da instituição: ter carisma pessoal, comunicar-se com clareza, demonstrar preocupação com as questões educacionais, saber agrupar os alunos, interagir com as características do grupo-classe e favorecer a produtividade entre eles. - Capacidade de cumprir compromissos funcionais, como: assiduidade, pontualidade, compromisso com os prazos de tarefas, disponibilidade de tempo para reuniões, disposição para documentar seus trabalhos, saber elaborar planos de estudo e relatórios. -Ser cordial com os pais dos alunos e manter uma parceria constante, visando ao melhor desenvolvimento do aluno. 24. Bibliografia BRASIL, Ministério da Saúde. Manual para instalação e funcionamento de creches: Normas e padrões mínimos para construção e instalação. Brasília, 1986. BLUMENAU/SEMED. Creches Domiciliares: na Secretaria de Educação, desde quando? In: Cadernos da Educação Infantil – Retratos da Rede: organização, tempos, espaços, fazeres. SEMED: Blumenau, vol. 1, novembro/2002, p. 49 – 58. BLUMENAU/SEMED. Projeto Creche Domiciliar. SEMED: Blumenau, 2001. BONDIOLI, A.; MANTOVANI, S. Manual de Educação Infantil: de 0 a 3 anos. 9. ed. Artmed: Porto Alegre, 1998. BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Critérios para um Atendimento em Creches que Respeite os Direitos Fundamentais das Crianças. 2009. Disponível emhttp://portal.mec.gov.br/dmdocuments/direitosfundamentais.pdf. Acesso em 15 jul 2014. BRASIL. Ministério da Educação e Cultura.Secretaria de Educação Básica. Política Nacional de Educação Infantil: Pelo direito das crianças de zero a seis anos à Educação. 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 28
  • 31. Fonte/PlanejamentoFinanceiro/SoluçõesSebrae/SitesÚteis br/seb/arquivos/pdf/Educinf/eduinfpolit2006.pdf . Acesso em 15 jul 2014. RIZZO, Gilda. Creche: Organização, Currículo, Montagens e Funcionamento. Rio de Janeiro: Ed Bertrand Brasil, 2006. SEBRAE-ES. Como Montar Creche: Série Idéias de negócios. Vitória: SEBRAE-ES. 25. Fonte Não há informações disponíveis para este campo. 26. Planejamento Financeiro Não há informações disponíveis para este campo. 27. Soluções Sebrae Não há informações disponíveis para este campo. 28. Sites Úteis Não há informações disponíveis para este campo. TEXTO NOVO Sites Úteis Segue sites importantes e de uso continuo: Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 29
  • 32. URL Associação Brasileira de Educação Infantil http://www.creche.com.br/ Ministério da Educação http://www.mec.gov.br/ 29. URL http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ideias/Como-montar-uma-creche Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 30
  • 33. URL Sumário 11. Apresentação ......................................................................................... 22. Mercado ................................................................................................. 33. Localização ............................................................................................ 54. Exigências Legais e Específicas ............................................................ 65. Estrutura ................................................................................................ 86. Pessoal .................................................................................................. 107. Equipamentos ........................................................................................ 118. Matéria Prima/Mercadoria ...................................................................... 129. Organização do Processo Produtivo ..................................................... 1310. Automação ........................................................................................... 1311. Canais de Distribuição ......................................................................... 1412. Investimento ......................................................................................... 1413. Capital de Giro ..................................................................................... 1614. Custos .................................................................................................. 1715. Diversificação/Agregação de Valor ...................................................... 1816. Divulgação ........................................................................................... 1917. Informações Fiscais e Tributárias ........................................................ 2018. Eventos ................................................................................................ 2119. Entidades em Geral ............................................................................. 2220. Normas Técnicas ................................................................................. 2521. Glossário .............................................................................................. 2622. Dicas de Negócio ................................................................................. 2723. Características ..................................................................................... 2824. Bibliografia ........................................................................................... 2925. Fonte .................................................................................................... 2926. Planejamento Financeiro ..................................................................... 2927. Soluções Sebrae ..................................................................................
  • 34. URL Sumário 2928. Sites Úteis ............................................................................................ 3029. URL ......................................................................................................