GABARITO                     Caderno do Aluno                   Física – 3a série – Volume 4  SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1  ...
GABARITO                     Caderno do Aluno                  Física – 3a série – Volume 4  •    Leonardo da Vinci (1452 ...
GABARITO                     Caderno do Aluno                      Física – 3a série – Volume 4 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2...
GABARITO                       Caderno do Aluno                    Física – 3a série – Volume 4Página 101. Inicialmente é ...
GABARITO                     Caderno do Aluno                    Física – 3a série – Volume 4  SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3 ...
GABARITO   Caderno do Aluno   Física – 3a série – Volume 4                                                        6
GABARITO                     Caderno do Aluno                  Física – 3a série – Volume 4Páginas 16 - 171. Ao atravessar...
GABARITO                      Caderno do Aluno                   Física – 3a série – Volume 4  isso aconteça é que a partí...
GABARITO                       Caderno do Aluno                   Física – 3a série – Volume 4     SITUAÇÃO DE APRENDIZAGE...
GABARITO                      Caderno do Aluno                  Física – 3a série – Volume 4   b)Página 221. Porque a Físi...
GABARITO                          Caderno do Aluno               Física – 3a série – Volume 4                            ...
GABARITO                       Caderno do Aluno                    Física – 3a série – Volume 4 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 5...
GABARITO                     Caderno do Aluno                    Física – 3a série – Volume 4   quarks não resulta em um m...
GABARITO                      Caderno do Aluno                     Física – 3a série – Volume 4SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 6A...
GABARITO                       Caderno do Aluno                 Física – 3a série – Volume 4Página 32• Os aceleradores lin...
GABARITO                       Caderno do Aluno              Física – 3a série – Volume 4         m.v 2 4 x 10 5 . v 2   E...
GABARITO                       Caderno do Aluno                   Física – 3a série – Volume 4  SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 7...
GABARITO                     Caderno do Aluno                  Física – 3a série – Volume 4Página 391. SOS é o sinal envia...
GABARITO                     Caderno do Aluno                   Física – 3a série – Volume 4SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 8TRAN...
GABARITO                     Caderno do Aluno                     Física – 3a série – Volume 4Página 431. Banda de valênci...
GABARITO                       Caderno do Aluno                        Física – 3a série – Volume 4  SITUAÇÃO DE APRENDIZA...
GABARITO                       Caderno do Aluno                      Física – 3a série – Volume 4   Alguns aspectos das mí...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

2010 volume4 cadernodoaluno_fisica_ensinomedio_3aserie_gabarito (1)

629 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
629
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
93
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2010 volume4 cadernodoaluno_fisica_ensinomedio_3aserie_gabarito (1)

  1. 1. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 A MATÉRIA EM UMA PERSPECTIVA HISTÓRICAPágina 4 Professor, as respostas e orientações relativas a esta atividade estão no Caderno doProfessor, página 11.Páginas 4 - 51. Para alguns filósofos gregos, os elementos fundamentais da natureza são o fogo, a terra, a água e o ar, e cada substância material é composta deles. Um pedaço de madeira contém o elemento terrestre (e por isso é pesado e sólido), o elemento aquoso (e, por isso, ao ser aquecido, expele primeiro a umidade), assim como o ar (fumega) e o fogo (emite chamas quando queima). As proporções desses elementos determinam a espécie de madeira, suas propriedades e, consequentemente, a “intensidade” dos fenômenos de mudança.2. A ideia de átomo teve seu início na Grécia Antiga com os filósofos Leucipo e Demócrito, que ficaram conhecidos como atomistas. Ao longo da idade média a ideia de átomo foi praticamente abandonada no mundo Cristão Ocidental, sendo retomada Na no século XVII por diversos cientistas.Página 61. A ideia é que o aluno faça uma pesquisa identificando nomes de filósofos ou cientistas dos séculos XVI e XVII. Alguns nomes podem ser: • Giordano Bruno (1548 - 1600) • Nicolau Copérnico (1473 - 1543) 1
  2. 2. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4 • Leonardo da Vinci (1452 - 1519) • Galileu Galilei (1564 - 1642 ) • William Gilbert (1544 - 1603) • Francis Bacon (1561 - 1626) • René Descartes (1596 - 1650)2. A ideia é que o aluno identifique em suas pesquisas, nomes de cientistas que fizeram trabalhos relevantes ao longo do século XX, até os nossos dias. Alguns exemplos são: 1. Os transistores - componente eletrônico que são a base de toda a computação atual - inventado por três cientistas: John Bardeen, Walter Houser Brattain e William Bradford Shockley; 2. A estrutura do DNA − James Watson e Francis Crick; 3. pílula anticoncepcional − Luis E. Miramontes. 2
  3. 3. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 A CIÊNCIA NO BRASILCientistas brasileirosPágina 7 Professor, as respostas e orientações relativas a esta atividade estão no Caderno doProfessor, página 15.Páginas 7 - 101. Lattes participou da detecção do píon, utilizando tanto raios cósmicos como aceleradores de partículas. Sua grande contribuição se deu na identificação do composto bórax, que aumentava o tempo de retenção das imagens e viabilizava o uso de filmes para longas exposições, necessárias para detecção da passagem das partículas.2. Lattes foi levado à Universidade de Bristol por Giuseppe Occhialini, que, por sua vez, já havia trabalhado com Powell na instituição inglesa. Occhialini fez a indicação de Lattes a Powell, que o convidou para trabalhar em Bristol.3. É o processo no qual um núcleo instável emite radiação e se transforma possivelmente em outro núcleo.4. O méson π interage com as partículas do ar atmosférico, gerando outras partículas. Por conta da maior altitude, o ar atmosférico é mais rarefeito no topo do Monte Chacaltaya do que nos Pirineus. Dessa forma a probabilidade de um méson π não interagir com outras partículas e pode ser detectado, é maior na Chacaltaya do que nos Pirineus. Isso explica o sucesso do experimento em maiores altitudes .5. MeV é uma unidade de energia − 1 MeV corresponde à energia que um elétron adquire quando passa por uma diferença de potencial de 1 milhão de volts. Dizemos megaelétron-volt e, na linguagem científica, escreve-se 106 eV, que equivale a 1,6 × 10-13 J (joules). 3
  4. 4. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4Página 101. Inicialmente é preciso considerar o fato de Lattes ter trabalhado com Occhiliani no Brasil, e deste último ter reconhecido o potencial do jovem físico. Outro fator importante foi o esforço de guerra inglês, que gerou a necessidade de busca de pesquisadores para a Inglaterra. Finalmente, o contexto de pesquisa dos píons requeria o desenvolvimento de filmes, área de pesquisa na qual Lattes era especialista.2. Os filmes eram utilizados para registrar a trajetória dos raios cósmicos. Lattes desenvolveu outros filmes que permitiram a detecção do méson π − que é uma partícula resultante da interação dos raios cósmicos com a atmosfera.Página 111. a) Padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão nasceu em Santos (SP), em 1685, e ficou famoso por ter inventado o primeiro aeróstato, um tipo de aeroplano mais leve do que o ar. Balões e dirigíveis são modelos de aeróstatos. b) Roberto Landell de Moura nasceu em Porto Alegre (RS), em 1861, e notabilizou-se por ser pioneiro em transmitir a voz humana por radiotransmissão. c) Mario Schenberg nasceu na cidade do Recife (PE), em 1914, e morreu em São Paulo, em 1990. Foi físico, político e crítico de arte. Como físico-teórico publicou trabalhos em diversas áreas da física como Mecânica Quântica, Relatividade, Termodinâmica e Matemática. Foi professor na Universidade de São Paulo e trabalhou com muitos físicos eminentes de sua época, como José Leite Lopes, César Lattes, George Gamow e outros.2. O méson é uma família de partículas que inclui o píon л+, píon л- e píon л0. A massa dessas partículas é de aproximadamente 2,3 × 10-28 kg, e a carga elétrica pode ser +e, -e e zero. Essas partículas só podem existir durante um tempo muito curto, e decaem em múons, depois de, em média, um bilionésimo de segundo. Daí a dificuldade de sua detecção. 4
  5. 5. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3 NOVAS PARTÍCULAS NO CENÁRIO DA FÍSICADescobrindo novas partículasPáginas 12 - 13 Professor, as respostas e orientações relativas a essas atividades estão no Caderno doProfessor, página 18.Páginas 14 - 15 Comparando as trajetórias dos decaimentos com as figuras da página 47 do Caderno,concluí-se o seguinte: 5
  6. 6. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4 6
  7. 7. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4Páginas 16 - 171. Ao atravessar um líquido superaquecido, as partículas transferem parte de sua energia para íons presentes neste líquido, resultando em ebulição e formação de “bolhas”.2. A força magnética resultante da interação da carga da partícula em movimento com o campo magnético é sempre perpendicular à velocidade da mesma. Isso resulta em uma aceleração centrípeta que tende a desviar a partícula. Essa aceleração é inversamente proporcional à massa, devido à expressão: Fmag = m.acent ou acent = Fmag/m. Conforme a partícula perde energia, sua distância em relação ao centro diminui, realizando uma trajetória em espiral.Página 181. Dentro de uma câmara de bolhas, uma partícula faz uma trajetória curva devido à interação com o campo magnético. Como o campo magnético só interage com partículas em movimento e com carga elétrica diferente de zero, a condição para que 7
  8. 8. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4 isso aconteça é que a partícula possua carga elétrica. Para o campo magnético perpendicular à velocidade, a expressão que relaciona o valor do raio de curvatura mv é: r  , onde r é o raio de curvatura; m a massa; v a velocidade; q, a carga; e B, qB o campo magnético.2. Não. Para que as partículas possam ser detectas elas devem ter cargas elétricas para que possam ionizar o ar, deixando atrás de si um rastro. 8
  9. 9. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 TRANSFORMAÇÕES DE PARTÍCULASO mundo das partículas e as leis de conservaçãoPáginas 18 - 19 Professor, as respostas e orientações relativas a essa atividade estão no Caderno doProfessor, página 25.a) A carga total no início da reação é o zero, pois há uma partícula positiva e outra negativa. No final há duas partículas neutras, o que resulta em carga total também nula. Assim, a reação está de acordo com a conservação da carga.b) No início há uma carga positiva e uma carga neutra. No final uma carga negativa e outra neutra. Assim não há conservação.c) No início temos duas cargas neutras e no final uma carga positiva e uma negativa, que dá um total neutro. Então há conservação.d) No início há carga negativa e no final uma carga negativa e uma neutra. Há conservação.e) Há conservação, pois o total de carga é zero em ambos os lados da equação.f) Não há conservação, pois em um dos lados temos carga nula e do outro carga positiva.g) Há conservação, pois em ambos os lados a carga total é nula.Lei da Conservação da Quantidade de MovimentoPáginas 21 - 221. a) A energia de cada raio gama é 0,511 MeV/c2. Para haver conservação da quantidade de movimento é preciso haver produção de dois raios gama. 9
  10. 10. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4 b)Página 221. Porque a Física das Partículas Elementares nos mostra que a massa pode se transformar em a energia e energia pode se transformar em massa. Assim, como a Lei da Conservação da Energia não pode ser aplicada em sua forma original, passa a valer, então, a Lei da Conservação Massa-energia (a massa-energia se conserva).2. Segundo o modelo-padrão, toda partícula tem sua antipartícula. Dada uma partícula, obtém-se a antipartícula aplicando-se uma simetria nomeada conjugação de carga, segundo a qual se inverte o sinal da carga elétrica (e dos números quânticos internos). Outras grandezas, tais como massa e spin, permanecem iguais às da partícula.Página 231. Consultando-se a tabela da página 16 do Caderno do Aluno, vemos que a energia equivalente à massa de repouso das partículas produzidas será igual a: a) E   E    E   E   105,7  105,7  211,4 MeV b)    E p  E n  E  E   938,3  939,6  139,6  2017,5 MeV 10
  11. 11. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4  _ c)                 139,6  493,7  1197,3  938,3  2768,9 MeV Conclui-se que a energia presente no fóton deve ser maior do que os valores calculados acima.2. a) A vantagem de um motor baseado na reação matéria/antimatéria sobre outros tipos de propulsores é que haveria apenas energia como produto da reação de aniquilamento, sem geração de gases poluentes e perda de energia em outros processos. b) A reação de aniquilamento de hidrogênio e anti-hidrogênio pode ser escrito como: p+ + p– → γ + γ c) Como visto na questão anterior, essa reação produz 1 876,6 MeV. d) Considerando que 1 litro de gasolina pode produzir, por meio da combustão, 3,6 × 106 J podemos fazer a seguinte comparação: 1 litro de hidrogênio/anti– hidrogênio (na CNTP) deve ter 2,7 × 1022 núcleos, dessa forma, a energia produzida pode ser calculada: Observação: O valor do poder calorífico da gasolina pode ser consultado em livros didáticos de química. E = nº de reações x energia de reação E = 2,7  10 22 1876,6 MeV  2,53  10 25 MeV 2 Como 1 MeV = 10 –13 J, temos: E  2,53 × 1012 J Comparando, temos: E = hidrogênio/anti-hidrogênio  2,53 × 1012 J E = gasolina  3,6 × 106 J. Dividindo-se as energias, concluímos que o combustível hidrogênio/anti-hidrogênio pode produzir, aproximadamente, 700 mil vezes mais energia do que a gasolina. 11
  12. 12. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 5 O MODELO DOS QUARKSGell – Mann e a ideia de quarkPáginas 23 -251. Porque, nesse caso, a soma das cargas não seria igual a +e (carga do próton), nem a carga de cor poderia ser branca (a soma de duas cores primárias não resulta em branco).2. Entre outros motivos, pela impossibilidade de obter as antipartículas na forma definida por Feynman.3. Não, porque háatração entre prótons ocorre em virtude da interação forte que existe entre os quarks. Como os elétrons são léptons não são sensíveis à interação forte, não são formados por quarks e não poderiam se atrair como ocorre entre um par de prótons.4. Amarelo é complementar ao Azul Magenta é complementar ao Verde Ciano é complementar ao VermelhoMontando partículas com quarksPáginas 25 - 26 Professor, as orientações relativas a estas atividades estão no Caderno do Professor,página 28.1. Não. As partículas devem ter somente cargas elétricas de –2e até 2e, com valores inteiros. Os quarks têm carga de  2 e ou  1 . A soma de qualquer combinação de 4 3 3 12
  13. 13. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4 quarks não resulta em um múltiplo inteiro de e, dessa forma é impossível termos uma partícula formada por 4 quarks.2. Da mesma forma não poderíamos obter uma partícula de carga 3e pois, além de ter carga variando entre –2e e 2e, teríamos que ter carga de cor branca.3. Observe que para obter a carga elétrica é preciso somar os valores das cargas de cada um dos quarks que compõe a partícula.Página 29 De acordo com o princípio da conservação da carga, o “neutrino” deverá ter carganula. 13
  14. 14. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 6ACELERADORES DE PARTÍCULAS: NOVAS PERSPECTIVASPARA O CONHECIMENTONovas descobertas em aceleradores de partículasPáginas 30 - 32 Professor, as respostas e orientações relativas a essas atividades estão no Caderno doProfessor, página 33.1. Em todos os textos fica evidente que o objetivo do acelerador de partículas é investigar a constituição da matéria. As partículas que compõe o modelo padrão serão investigadas por meio de colisões entre partículas com altas energias.2. Um acelerador de partículas é uma máquina construída pelo homem para investigar a natureza da matéria. Por meio da aplicação de campos elétricos e magnéticos de alta intensidade, feixes de partículas subatômicas são acelerados a fim de causar choques entre as mesmas. Como produto dos choques as novas partículas que surgem constituem-se nos objetos de estudo. Existem diversos tipos de aceleradores de partículas, entre eles podemos citar o Tubo de Raios catódicos, os aceleradores lineares e os circulares.3. Como dito na primeira questão, os aceleradores são utilizados para investigar a constituição da matéria. Questões como os tipos de partículas existentes, sua cargas e massas, além das condições necessárias para o surgimento de cada uma delas, são algumas das questões investigadas pelos cientistas.4. O sincrociclotron utilizado por César Lattes e Eugene Gardner acelerava partículas com uma energia de 380 MeV, já o LHC promete conseguir energia da ordem de 14 TeV. Comparando a energia dos dois aceleradores, concluímos que o LHC é quase 37 mil vezes mais potente do que o antigo acelerador utilizado por Lattes. 14
  15. 15. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4Página 32• Os aceleradores lineares são mais fáceis de serem construídos porque não precisam provocar o movimento circular nas partículas através de campos magnéticos (ímãs). Eles precisam apenas dos campos elétricos necessários para aumentar a velocidade linear das partículas.Páginas 33 - 341. Os aceleradores de partículas usam campos elétricos e campos magnéticos para acelerar e guiar feixes de partículas carregadas. Um acelerador linear acelera partículas em linha reta por meio de campos elétricos. - aceleradores de ciclos (circulares), também chamados de ciclotrons, são bem mais eficientes do que os lineares, pois, a cada volta, os campos elétricos instalados em posições estratégicas impulsionam as partículas, aumentando-lhes a energia. Por esse motivo, precisamos saber curvar a trajetória das partículas, o que se obtém por meio dos campos magnéticos que guiam as partículas numa trajetória circular, de modo que sejam aceleradas de novo, na volta seguinte. No entanto, uma das desvantagens dos aceleradores de ciclos é a dificuldade de se construir eletroímas muito grandes e bem controlados, o que não ocorre nos aceleradores lineares.2. Para atingir energias mais elevadas nas colisões e conseguir produzir partículas e condições cada vez mais elementares, desvendando, assim, os mistérios a respeito da origem e constituição mais íntima da matéria.Página 34a) E c  3,0 x 10 . 7,0 x 10 .1,6 x 10 14 12 -19 E c = 3,4 x 10 8 J 15
  16. 16. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4 m.v 2 4 x 10 5 . v 2 EC  =  3,4 x 10 8b) 2 2 v = 10 17 m/s v = 36 17 km/hc) A velocidade dos prótons é praticamente a velocidade da luz. Podemos calcular o período de rotação dos elétrons no acelerador: 27 x 103 T= = 9 x 10-5 s 3 x 108 Podemos também calcular a carga total contida no feixe: Q = 3,0 x 1014 . 1,6 x 10 -19 Q = 4,8 x 10 -5 C Agora podemos calcular a corrente do feixe por: Q 4,8 x 10-5 i = = T 9 x 10-5 i  0,53 A 16
  17. 17. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 7 OS MEIOS DE COMUNICAÇÃOPáginas 35 - 361. O som é uma onda mecânica. Ondas mecânicas necessitam de meios físicos para se propagar. No caso, ele se propaga pelo fio que une os copos.2. O som da voz faz vibrar o ar dentro do copo, este, por sua vez, transmite a vibração para o copo, que a transmite para o fio. Quando a vibração chega no outro copo, ocorre o processo inverso, permitindo que a outra pessoa ouça.3. Como a vibração se transmite do ar para o copo e, deste, para o fio, caso o fio esteja frouxo ele não é capaz de transmitir a vibração. Se o furo não for pequeno o mesmo pode ocorrer, a vibração pode não ser transferida de forma apropriada para o fio.Páginas 37 - 38• Vantagens – a transmissão digital pode reduzir os ruídos de comunicação e ser menos suscetível a interferências, já que certos problemas de transmissão podem ser resolvidos por softwares.• Desvantagens – a transmissão digital transforma a informação original, que era ondulatória, em algo diferente: combinação de (0) e (1). Com isto, perde-se parte da informação.Páginas 38 - 391. A qualidade na informação recebida.2. O uso de um novo tipo de isolante, feito a base de vidro, porcelana, ebonite e que se ajustava ao clima quente dos trópicos. 17
  18. 18. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4Página 391. SOS é o sinal enviado em situações de emergência. Quando enviado em código Morse, consiste em três pontos (correspondentes à letra S), três traços (correspondente à letra O) e novamente três pontos (• • • — — — • • •).A sigla SOS parece não ter um significado em si, na verdade, trata-se de uma combinação de sinais facilmente reconhecível numa transmissão em código morse, mesmo com interferências. Em 1905 o Governo Alemão foi o primeiro país a utilizá-lo. Mais tarde, em 1908, o sinal passou a ser reconhecido e adotado mundialmente. Este tipo de sinal para pedir socorro foi utilizado até 1999, quando deixou de ser reconhecido oficialmente pelos países que agora utilizam outros métodos de comunicação.2. MP3 é uma abreviação de MPEG 1 Layer-3 (camada 3). Trata-se de um padrão de arquivos digitais de áudio estabelecido pelo Moving Picture Experts Group (MPEG), grupo de trabalho de especialistas de Tecnologia da Informação. Após a grandiosa fama na Internet, o MP3 causou grande revolução no mundo do entretenimento. Assim como o LP de vinil, o cassete de áudio e o CD, o MP3 se fortaleceu como um popular meio de distribuição de canções. A questão-chave para entender todo o sucesso do MP3 se baseia no fato de que, antes dele, uma música no computador era armazenada no formato WAV, que é o formato padrão para arquivo de som em PCs, chegando a ocupar dezenas de megabytes. Na média, um minuto de música corresponde a 10 MB para uma gravação de som de 16 bits estéreo com 44,1 KHz, o que resulta numa grande complicação a distribuição de músicas por computadores, principalmente pela internet. Com o surgimento do MP3 essa história mudou, pois o formato permite armazenar músicas no computador sem ocupar muito espaço e mantendo qualidade sonora das canções. Geralmente, um minuto de música corresponde a cerca de 1 MB em MP3. O MP3 (MPEG-1/2 Audio Layer 3) foi um dos primeiros tipos de arquivos a comprimir áudio com perda de dados, com eficiência, de forma quase imperceptível ao ouvido humano. 18
  19. 19. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 8TRANSISTORES: O OUVIDO ELETRÔNICOPágina 42• Consulte exemplo no Caderno do Aluno na própria página 42.Página 421. Existem materiais chamados semicondutores que, exceto quando expostos à luz de certas frequências, não podem transmitir eletricidade, mas passam a poder fazê-lo quando contaminados com certas substâncias. Essa modificação chamamos de dopagem. Há dois tipos de dopagem: o processo pelo qual inserimos um elemento com um elétron a mais, chamado de dopagem tipo N (por ter um elemento a mais negativo), e o processo no qual inserimos um elemento com um elétron a menos, chamado de dopagem tipo P. Um transistor consiste na junção de materiais semicondutores tipo P e tipo N. Para isso devemos fazer um “sanduíche” com esses materiais. Por exemplo, podemos ter uma camada P, depois uma camada N e outra P, chamado de transistor PNP, ou podemos fazer o contrário formando um transistor NPN. É especial neste dispositivo o fato de que por meio deste processo de construção temos um tipo de material no qual controlamos muito bem a corrente que passa por ele. Além disso, o dispositivo constituído de somente duas camadas, PN, permite apenas a passagem de corrente em um sentido, o que permite construir um retificador que transforma uma corrente alternada em contínua.2. Professor, para essa atividade use a sugestão que foi apresentada no Caderno do Professor, página 41, que atribui a cada letra do alfabeto um número. 19
  20. 20. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4Página 431. Banda de valência é a última camada eletrônica dos átomos, onde estão os elétrons menos ligados. Banda de condução é o intervalo de energia superior à da banda de valência. São nestas energias que se dá a condução elétrica.2. Um chip de computador atual pode ter centenas de milhões de transistores. Nos anos 70, os chips tinham até em torno 1000 transistores. Nos anos 80 alcançavam 100.000 e hoje, como dito, chegam a ter centenas de milhões. 20
  21. 21. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 9 A INFORMAÇÃO E A TECNOLOGIA NA VIDA ATUALPáginas 44 - 45 Professor, as respostas e orientações relativas a essa atividade estão no Caderno doProfessor, página 43.Página 461. Um processador de 32 bits é aquele que processa 32 informações paralelamente, enquanto que o de 64 bits o faz de forma mais rápida, processando 64 informações paralelamente por vez. A vantagem do processador de 64 bits em relação ao de 32 bits é sua velocidade de processamento de informações simultâneas.2. Alguns aspectos das mídias digitais são: Vantagens Desvantagens Possibilidade de armazenar grande quantidade Só podem ser acessadas através de máquinas de informação em dispositivos cada vez (computadores, etc). menores. Possibilidade de armazernar vários tipos de São suscetíveis a apresentar problemas, serem informação (textos, imagens, vídeos, sons etc). “apagadas” ou perdidas facilmente, em virtude de falhas nas máquinas ou por serem armazenadas em dispositivos frágeis. Rapidez e facilidade nas pesquisas, criação, São menos acessíveis, ora pelo alto custo dos edição e transmissão. equipamentos, ora pela linguagem técnica cujo domínio é necessário para o seu uso. 21
  22. 22. GABARITO Caderno do Aluno Física – 3a série – Volume 4 Alguns aspectos das mídias em papel são: Vantagens Desvantagens O único código cujo conhecimento é Pesam e ocupam espaço. necessário para o seu uso é o domínio da língua escrita. Não precisam de máquinas e energia elétrica Lentidão e pouca eficiência nos processos de para serem usadas. Não são suscetíveis a pesquisa, divulgação, edição e transmissão. apresentar problemas, serem “apagadas” ou perdidas facilmante. Podem ser a opção mais acessível quanto aos Comparadas às mídias digitais, armazenam recursos necessários para o seu uso (papel). pouca informação.Página 461. Em MP4, uma hora de vídeo é aproximadamente 120 MB (Megabytes) = 0,12 GB (Gigabytes).2. O princípio de armazenamento de dados em um disquete é através de um registro magnético em sua camada magnética. No CD, o laser do gravador de CD cria na superfície lisa do CD gravável microdepressões, que serão lidas como bits de informação pelos aparelhos leitores de CD. No pen drive, o princípio de armazenamento é através de memória flash, que em condições ideais pode armazenar informação durante 10 anos. 22

×