CAVALEIRO DA DINAMARCA – HISTÓRIA DE PÊRO
                    DIAS

                  Diário de Bordo

(20/nov.)

Finalmen...
(...)

(22/nov.)

Estou contente! A minha tripulação foi bem recebida. Vejo-os
todos contentes com a festa de acolhimento ...
Tudo parecia bem até Pêro Dias convidar o negro a visitar o seu
navio.

Numa tentativa de reestabelecimento de confiança, ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Diário de bordo

739 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
739
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Diário de bordo

  1. 1. CAVALEIRO DA DINAMARCA – HISTÓRIA DE PÊRO DIAS Diário de Bordo (20/nov.) Finalmente cá estou eu a navegar por terras desconhecidas com vista à exploração das costas de África. Já dobrámos o cabo bojador! É tempo agora de ancorar o navio e negociar com aqueles homens de pele sombria envolvidos em mantos flutuantes e montados em camelos, que vieram a orla da praia. (...) (21/nov.) Como anda este navio! A brisa a bater nas velas, os mastros e cabos a gemerem e as florestas espessas e verdes a aparcerem. Vejo homens nus e negros a embarcarem em pirogas. Será que nós irão alcançar? Não, não conseguirão. Estamos demasiado longe, por isso resta-nos seguir viagem. E eis aqui um bom lugar para parar!
  2. 2. (...) (22/nov.) Estou contente! A minha tripulação foi bem recebida. Vejo-os todos contentes com a festa de acolhimento que tiveram. Só foi pena não ter havido mais comunicação. Melhores dias virão. (...) (23/nov.) Afinal estava enganado, pois o pior estava para vir. Acabei de perder um grande companheiro, Pêro Dias, um português valente e destemido. Se ao menos eu não tivesse ancorado a caravela nesta bela baía e não tivesse enviado os meus homens a terra para estabelecer contacto com os africanos, nada disto teria acontecido! Pêro Dias, num acto de coragem convenceu os seus companheiros a deixarem-no com um batel para mais facilmente estabelecer contacto com o grupo de negros daquela praia. Depois mostrou presentes e esperou pela reação. O homem que saiu da floresta com a lança, longa e fina examinou a oferta e sorriu-lhe. Caminharam então ao encontro um do outro e tentaram comunicar primeiro por palavras e depois por gestos.
  3. 3. Tudo parecia bem até Pêro Dias convidar o negro a visitar o seu navio. Numa tentativa de reestabelecimento de confiança, o meu amigo começou a cantar e a dançar seguindo-se-lhe o negro. Foi então que Pêro Dias ergueu a sua espada a qual faiscou ao sol, assustando o nativo, que começou a fugir. Pêro Dias tentou agarrá-lo e explicar-lhe o sucedido, mas o negro não entendia. Ao verem o desenrolar da situação, os meus homens ainda tentaram remar para a praia, mas isso ainda foi pior para Pêro Dias, já que o negro se sentiu ameaçado. Por fim, ambos se atacaram e morreram ali mesmo. Ainda fiquei cerca de uma hora naquela praia a chorar o triste combate, mas nada mais podendo fazer, restou-me dar um enterro digno ao meu companheiro. Ana – número 1 DEZEMBRO 2009

×