Evolução do homem 3 C

278 visualizações

Publicada em

Trabalho de biologia
@ BIO 2015

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
278
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Evolução do homem 3 C

  1. 1. E.E.PROFº LUIZ GONZAGA RIGHINI EVOLUÇÃO HUMANA
  2. 2. INTRODUCAO  A Evolução Humana também conhecida como antropogênese é a origem da evolução do homem. Deve-se entender que o estudo da evolução humana conta com muitas ciências incluindo a antropologia física, arqueologia, linguística, genética, e primatologia.Um dos estudiosos que mais contribuíram para a história da evolução humana foi Charles Darwin com a ideia de seleção natural, observando que os seres vivos sofrem modificações que podem ser repassadas de geração para geração.
  3. 3. Esta ideia de seleção natural não causou muito impacto ao se referir ao mundo animal, mas causou indignação principalmente entre as religiões e a comunidade científica quando Darwin passou a afirmar que o homem e o macaco teriam um parente em comum que vivera há milhões de anos atrás. Posteriormente surgiu a comprovação desta teoria, conforme os pesquisadores iam encontrando esqueletos com características intermediárias entre os humanos e os símios. Em resumo, é importante que todas as pessoas passem a conhecer a origem e evolução humana como maneira de conhecer a fundo como o homem vem se desenvolvendo no decorrer dos séculos
  4. 4. Evolução do Homem Primitivo  A pesquisa relacionada à origem do homem é algo sempre recorrente no mundo científico. Dados de como e onde ele surgiu são alvos de uma ciência chamada de Antropologia. Ela estuda o ser humano a partir de análises de fósseis pré-históricos, do estudo de seus aspectos físicos e por quais etapas atravessou. As teorias que permeiam esse ramo pretendem descrever a evolução do homem primitivo sobre a Terra.  Estima-se que a espécie humana tenha se originado próximo à Etiópia, na África, ou quem sabe na Ásia Central e, a partir daí, tenha migrado para outras regiões da Ásia, África e Europa; logo depois, indo para o Continente Americano. Os dados calculam que esse acontecimento tenha, mais ou menos, 3,5 bilhões de anos.
  5. 5.  Os hominídeos surgiram nessa época. Essas criaturas pertenciam aos australopithecus, grupo de mamíferos que caminhavam sobre os dois pés, e viveram num período de 5 milhões a 1 milhão de anos a.C. Foi então que desapareceram. Seus parentes mais próximos eram os símios. Além de possuírem o mesmo ancestral comum, os ramapithecus, conviveram juntos durante milênios. Segundo estudiosos, as pesquisas e achados correspondentes à origem do homem abrem uma lacuna entre o período em que os seus ancestrais se afastaram dos símios. Dá-se o nome de Elo Perdido a esse paralelo.
  6. 6. Teoria do Evolucionismo  Essa teoria fora citada na obra intitulada “A Origem das Espécies” por Charles Darwin. Esse livro, publicado em 1859, explica a evolução de todos os animais, inclusive a do homem. De acordo com Darwin, os humanos surgiram a partir dos primatas. As modificações físicas começaram a ocorrer por causa do clima, alimentação e lugares por onde passaram.  As transformações físicas em nossos ancestrais se perpetuaram durante milhões de anos. Com grandes dificuldades, percorreram caminhos e sobreviveram ao desconhecido. Eles eram nômades, ou seja, grupos coletores que não possuíam moradia fixa, andavam em bandos e viviam da coleta (frutos e raízes), da caça, da natureza e tudo era comunitário. Com o passar dos tempos, descobriram que manipular e fabricar alimentos variados, além de domesticar os animais.
  7. 7. Ao observar a natureza, descobriram como fazer o fogo. Essa descoberta estabeleceu grandes mudanças em suas vidas, como um aquecedor contra o frio, defesa contra os animais predadores, caça e preparo do alimento Logo em seguida, tornaram-se sedentários, pois aprenderam a semear e, com isso, ocupavam por mais tempo o mesmo pedaço de terra. O que diferencia o homem dos outros animais é a capacidade criadora e pensante. Ao fabricar ferramentas, o homem teve que aprimorar o nível de suas habilidades. Esse foi um fator que serviu para o aumento do tamanho do cérebro. O homem primitivo (Homo habilis) visualizava a pedra como um instrumento e começava a lapidá-la. Essa atividade exigia um alto nível de imaginação e percepção. Com o desenvolvimento dessas técnicas, como o ato de lascar a pedra, a raciocínio do homem primitivo evoluía, permitindo a preparação para outras atividades mais complexas. O surgimento do Homem pode ser dividido entre os seguintes tipos
  8. 8. Sahelanthropus tchadensis
  9. 9.  Há cerca de 5,4 milhões de anos começou nossa separação em relação aos grandes primatas e muitos pesquisadores acreditam que o S. tchadensis seria o “elo inicial” deste processo. Em 2001, foi encontrado no Deserto de Djurab (República do Chade) um crânio fragmentado que supostamente era de um S. tchadensis e, ao analisar a parte do crânio que se conectava ao pescoço, imagina-se que o animal era bípede.  Contudo, há quem acredite que não se tratava de um elo evolutivo, pois a caixa craniana era menor (350 cm³) do que a dos chimpanzés (390 cm³). Outros argumentam que o crânio era distorcido demais para ser de uma espécie mais próxima dos humanos do que dos grandes primatas.
  10. 10. Kenyanthropus platyops (3,5 milhões de anos atrás)
  11. 11. Foi encontrado no Lago Turkana (Quênia) em 1999 um crânio capaz de suportar um cérebro um pouco maior (400 cm³) que o dos chimpanzés, e com dentes que indicavam mastigação dos alimentos. Outra diferença do K. platyops era sua face mais achatada, possível sinal de adaptação a novos ambientes.
  12. 12. Australopithecus afarensis (3 – 3,9 milhões de anos atrás)
  13. 13. Uma descoberta feita em Hadar (Etiópia) em 1974 ganhou destaque em veículos de comunicação do mundo todo: 40% (uma porcentagem considerável) do esqueleto de uma criatura que foi carinhosamente apelidada de “Lucy”. A anatomia sugere que Lucy tinha cerca de 1 metro de altura e pesava 30 kg, era bípede, passava o dia em terra e dormia sobre as árvores. Outro esqueleto de A. afarensis, que ficou conhecido como “Selam”, sugere que a criatura tinha um cérebro de cerca de 440 cm³. Além do tamanho, outro diferencial seria um sulco dividindo o lobo occipital (ligado à visão) do resto do cérebro, presente em chimpanzés, mas não em humanos: o de Selam, de acordo com modelos baseados em seu esqueleto, seria menor do que o dos chimpanzés, um “passo” na escala evolutiva.
  14. 14. Paranthropus boisei (1,4 – 2,3 milhões de anos atrás)
  15. 15.  Criatura bípede e com um cérebro de 500 a 550 cm³ (44% do de um ser humano), o P. boisei ganhou o apelido de “Quebra-nozes” (“Nutcracker Man”) porque seria capaz de comer alimentos duros, como nozes, sementes e tubérculos (dentes grandes e maxilares fortes davam conta do recado). Acredita-se que essa dieta era suficiente para o gasto energético de seu cérebro, maior que o dos seus ancestrais
  16. 16. Homo habilis (1,6 – 2,5 milhões de anos atrás)
  17. 17.  O H. habilis, até onde sabemos, foi o primeiro entre nossos ancestrais a usar pedras como ferramentas, e por isso é também chamado de “Handyman” (em português, algo como “Faz-tudo”). Seus polegares eram relativamente largos, o que garantia uma certa destreza na hora de criar e usar ferramentas. Além disso, ele teria vivido em uma época de intensas mudanças climáticas (em “apenas” alguns milhares de anos, lagos se tornavam desertos, e depois voltavam a ser inundados), algo que o forçou a se adaptar muito para sobreviver.
  18. 18. Homo ergaster (1,5 – 1,8 milhões de anos atrás)
  19. 19.  Em relação ao tamanho do cérebro, o H. ergaster estava “chegando lá” (850 cm³, ou 71% do tamanho do cérebro humano moderno) e pode ter sido a primeira espécie a dominar o fogo, além de criar instrumentos de pedra mais sofisticados. Ao contrário do que ocorria nas espécies anteriores, macho e fêmea não eram muito diferentes (havia menos “dimorfismo sexual”) e há evidências de que o H. ergaster tinha uma forma primitiva de comunicação por símbolos
  20. 20. Homo erectus (0,4 – 1,8 milhões de anos atrás)
  21. 21. Em 1984, foi encontrado próximo ao Lago Turkana (Quênia) o esqueleto de um “menino” (entre 8 e 11 anos de idade) da raça H. erectus, que dominava o fogo, construía ferramentas e vivia em pequenas comunidades – ao abandonar a vida nas árvores, esses ancestrais precisavam manter predadores afastados, algo que seria mais fácil com a vida comunitária.O cérebro do “Menino de Turkana” tinha 900 cm³ (75% do tamanho do cérebro de um ser humano moderno) e há evidências de que possuía uma área de memória e fala altamente desenvolvida. Um cérebro maior demandava mais energia, um problema com o qual o H. erectus podia lidar com certa facilidade: caminhando sobre duas pernas e com menos pelos no corpo, ele era capaz de caçar certos animais de modo eficiente, obtendo na carne a energia de que precisava.
  22. 22. Homo heidelbergensis (0,2 – 0,6 milhões de anos atrás)
  23. 23. Há evidências de que o H. heidelbergensis enterrava seus mortos de modo ritualístico (uma espécie de cemitério no norte da Espanha reúne vários restos mortais da espécie), possivelmente com oferendas para um deus ou para ajudar o morto numa “vida além-túmulo”. Possivelmente, esse ancestral tinha um cérebro maior que o nosso (1.100 a 1.400 cm³), era capaz de planejar, se comunicar de modo simbólico e construir abrigos elaborados. Algumas tribos teriam viajado para o continente europeu (entre 300 mil e 400 mil anos atrás) e evoluído para o Homo neanderthalensis, enquanto as que permaneceram na África deram origem ao Homo Sapiens.
  24. 24. Homo neanderthalensis (0,03 – 0,3 milhões de anos atrás)
  25. 25. Mesmo com um cérebro maior que o do Homo Sapiens, o H. neanderthalensis teria habilidade de manipular objetos, raciocínio e memória menos desenvolvidos. Suas armas (facas e lanças) exigiam que se aproximassem de suas presas, o que explicaria por que tantos esqueletos da espécie foram encontrados com fraturas. Sua dieta era extremamente rica em carne, independentemente do ambiente em que a espécie se encontrava, o que sugere uma baixa capacidade de adaptação.
  26. 26. Homo sapiens (0,2 milhões de anos atrás – presente)
  27. 27. Depois de uma longa caminhada, aqui estamos nós. Embora guerras, preconceitos e outros problemas possam às vezes nos levar a pensar o contrário, o H. sapiens é uma espécie evoluída: com domínio do fogo e uma grande habilidade de se adaptar, sobreviveu a uma grande seca na África há 140 mil anos que quase extinguiu a espécie. Corpos mais esguios exigiam menos calorias, e armas como arco- e-flecha e lanças de arremesso tornavam as caçadas mais seguras. E, naturalmente, cultura falada e escrita ajudaram a passar conhecimentos essenciais para as futuras gerações.
  28. 28. Conclusão  Os seres vivos se transformam ao longo dos séculos. As mutações e a reprodução sexuada, por exemplo, podem alterar as suas características; estas podem ser transmitidas de geração a geração. O ambiente seleciona os seres que nele vivem. Indivíduos de uma determinada espécie, que possuam características favoráveis, tendem a sobreviver e deixar descendentes férteis, enquanto outros que não tem essas características tendem a ser eliminados, pois terão menores chances
  29. 29. FONTES http://www.portaleducacao.com. br/psicologia/artigos/11107/evoluc ao-humana-resumo http://pre-historia.info/evolucao- do-homem-primitivo.html http://hypescience.com/evolucao -humana-ancestrais/
  30. 30. COMPONENTES DO GRUPO  Joyce da S. Santos - Nº 13  Nyla Gabriela F do Nascimento Nº 20  Rafael Felipe da C. Rocha Nº 22,  Kaue Inácio Lopes Nº 37  Daniel Queiroz da Silva Nº 41  3º C

×