SlideShare uma empresa Scribd logo
ENERGIAS RENOVÁVEIS
@BIO 2016
 Entender o que são energias renováveis
e sua importância para o ambiente.
Podemos definir como energia renovável aquela energia
que é obtida de fontes naturais capazes de se regenerar, e,
portanto virtualmente inesgotáveis, ao contrário dos
recursos não-renováveis. São conhecidas pela imensa
quantidade de energia que contêm, e porque são capazes
de se regenerar por meios naturais.
Ressalta-se que, desde o início do século XX, o mundo
sofre com a exploração de seus recursos naturais, com a
poluição da atmosfera e com a degradação do solo.
Considerado uma fonte de energia, o petróleo, por
exemplo, foi tão vorazmente extraído que a tendência de
esgotamento de seus poços figura como uma veemente
realidade.
Um recurso ainda mais antigo, o carvão, também é
considerado esgotável, assim como a energia nuclear, que
traz o alerta para o perigo dos resíduos radioativos.
Nesta questão, as fontes tradicionais de energia conflitam-
se com as fontes alternativas, já que as primeiras, em
declínio, aparecem como verdadeiras ameaças ao meio
ambiente. As fontes alternativas entram em pauta, uma
vez que têm como ponto positivo serem renováveis e não
prejudicarem o meio ambiente. Exemplos de fontes
renováveis incluem a energia solar (painel solar, célula
fotovoltaica), a energia eólica (turbina eólica, cata-vento),
a energia hídrica (roda d’água, turbina aquática) e a
biomassa (matéria de origem vegetal).
Nota-se também que a utilização de energias alternativas
não pressupõe o abandono imediato dos recursos
tradicionais, mas sua capacidade não deve ser
subestimada. A Alemanha, por exemplo, provou como o
uso das fontes renováveis pode ser útil ao Estado, à
população e ao meio-ambiente. O país é responsável por
cerca de um terço de toda a energia eólica instalada no
mundo, representando metade da potência gerada em
toda a Europa. O investimento em tecnologia também
permitiu aos germânicos se destacarem na utilização de
combustíveis de origem vegetal (biomassa)
 A energia solar pode ser considerada inesgotável, lembrando a
sua utilização para a produção de eletricidade através de painéis
solares e células fotovoltaicas. O sol é fonte de energia renovável e
o aproveitamento desta energia, tanto como fonte de calor quanto
de luz, é uma das alternativas energéticas mais promissoras para
que seja possível enfrentar os desafios ambientais que aparecem a
cada instante.
 A energia solar, renovável a cada dia, é abundante e permanente,
não polui e nem prejudica o ecossistema. Ainda, soma pontos
positivos para o sistema ambiental, já que o sol, trabalhando como
um imenso reator à fusão, irradia na Terra todos os dias um
potencial energético extremamente elevado e incomparável a
qualquer outro sistema de energia, sendo a fonte básica e
indispensável para praticamente todas as fontes energéticas
utilizadas pelo homem.
 O grande astro é capaz de irradiar anualmente o equivalente
a 10.000 vezes a energia consumida pela população mundial
neste mesmo período. Para medir a potência é usada uma
unidade chamada quilowatt. O sol produz continuamente
390 sextilhões (390×1021) de quilowatts de potência. Como o
sol emite energia em todas as direções, um pouco desta
energia é desprendida, mas mesmo assim, a Terra recebe
mais de 1.500 quatrilhões (1,5×1018) de quilowatts-hora de
potência por ano.
 Para o meio ambiente, a energia solar tem suma importância
em relação à sua preservação, pois não é poluente, não influi
no efeito estufa e não necessita de turbinas ou geradores
para sua produção. A desvantagem fica por conta dos altos
investimentos exigidos para o seu aproveitamento.
 A energia eólica é a energia gerada pelo vento. Utilizada há anos
sob a forma de moinhos de vento, pode ser canalizada pelas
modernas turbinas eólicas ou pelo tradicional cata-vento.
Especialistas explicam que no Brasil há ventos favoráveis para a
ampliação dos instrumentos eólicos.
 Entre as vantagens oriundas da energia eólica estão o fato de ser
inesgotável, não emitir gases poluentes nem gerar resíduos e
diminuir a emissão de gases de efeito estufa.
 No Brasil, a energia eólica é bastante utilizada para o
bombeamento de água na irrigação, no entanto, praticamente não
existem usinas eólicas produtoras de energia elétrica. O primeiro
projeto de geração no país foi desenvolvido em Pernambuco, na
ilha de Fernando de Noronha, para garantir o fornecimento de
energia para a ilha que antes só contava com um gerador movido
a diesel.
 No tocante à investimentos em energia eólica nos países da América
Latina, o Brasil desponta na liderança do ranking na região, de acordo
com a Associação Latino-Americana do setor (Lewea, na sigla em inglês).
Os dados de 2008 mostram que o país lidera tanto em relação ao potencial
eólico (regiões adequadas para a instalação), como em capacidade de
potência instalada (volume de Megawatts atuais) – 140 mil MW e 247
MW, respectivamente.
 Ainda, segundo a referida associação, a América Latina é privilegiada
para o desenvolvimento da energia eólica. No entanto, os países latino-
americanos só geram 1.000 MW em suas instalações, sendo que a potência
possível em toda a região é de 200 mil MW (0,5% de aproveitamento). Na
classificação das nações latino-americanas que contam com os maiores
potenciais nesse segmento estão o Brasil (140 mil MW); México (40 mil
MW); Colômbia (20 mil MW); Argentina e Venezuela (10 mil MW); e
Chile (5.000 MW). Já em relação ao potencial instalado, o Brasil (247 MW)
é seguido por México (88 MW); Colômbia e Chile (20 MW); Uruguai (5
MW); Equador (2,5 MW); e Peru (1 MW)
 A energia hídrica utiliza a força cinética das águas de um rio e a converte em energia
elétrica. A forma na qual ela se manifesta na natureza é nos fluxos de água, como rios e
lagos e pode ser aproveitada por meio de um desnível ou queda d’água. Tambem, pode
ser convertida na forma de energia mecânica (rotação de um eixo) através de turbinas
hidráulicas ou moinhos de água. As turbinas, por sua vez, podem ser usadas como
acionamento de um equipamento industrial, como um compressor, ou de um gerador
elétrico, com a finalidade de prover energia elétrica para uma rede de energia.
 Vale ressaltar a necessidade de haver um fluxo de água para que a energia seja gerada de
forma contínua no tempo, por isto, embora seja possível usar qualquer reservatório de
água, como um lago, deve haver um suprimento de água ao lago, caso contrário haverá
redução do nível e, com o tempo, a diminuição da potência gerada. As represas
(barragens) são nada mais que lagos artificiais, construídos num rio, permitindo a
geração contínua.
 No Brasil, devido à sua enorme quantidade de rios, a maior parte da energia elétrica
disponível é proveniente de grandes usinas hidrelétricas. A energia primária de uma
hidrelétrica é a energia potencial gravitacional da água contida numa represa elevada.
Antes de se tornar energia elétrica, a energia primária deve ser convertida em energia
cinética de rotação. O dispositivo que realiza essa transformação é a turbina. Ela consiste
basicamente em uma roda dotada de pás, que é posta em rápida rotação ao receber a
massa de água. O último elemento dessa cadeia de transformações é o gerador, que
converte o movimento rotatório da turbina em energia elétrica.
 É a energia do ciclo da vida. Biomassa é um material constituído por substâncias de
origem orgânica (vegetal, animal e microrganismos). Assim, plantas, animais e seus
derivados são biomassa. A utilização como combustível pode ser feita a partir de sua
forma bruta, como madeira, produtos e resíduos agrícolas, resíduos florestais, resíduos
pecuários, excrementos de animais e lixo. Ao contrário das fontes fósseis de energia,
como o petróleo e o carvão mineral, a biomassa é renovável em curto intervalo de tempo.
 Destaca-se que a renovação da biomassa ocorre através do ciclo do carbono, sendo que a
decomposição ou a queima de matéria orgânica ou seus derivados provoca a liberação
de CO2 na atmosfera. As plantas, através da fotossíntese, transformam o CO2 e água em
hidratos de carbono, liberando oxigênio. Dessa forma, o uso adequado da biomassa não
altera a composição média da atmosfera ao longo do tempo.
 A biomassa tem a vantagem de ser uma boa opção energética, pois é renovável e gera
baixas quantidades de poluentes. Numa usina de álcool, por exemplo, os resíduos de
cana-de-açúcar (bagaço) podem ser utilizados para produzir biomassa e energia. Ainda,
a geração de energia através da biomassa pode contribuir para a diminuição do efeito
estufa e do aquecimento global.
 http://revistaecoturismo.com.br/turismo-
sustentabilidade/o-que-e-energia-
renovavel/
Gabriel Serpejante
Alessandro Lima
Gabriel Vieira
Matheus
3ºC
Profª Maria Teresa Iannaco Grego

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Energia fontes e formas de energia
Energia   fontes e formas de energiaEnergia   fontes e formas de energia
Energia fontes e formas de energia
Kelly Cristina Araujo
 
Fontes E Formas De Energia Energia 7ª SéRie
Fontes  E Formas De Energia  Energia 7ª SéRieFontes  E Formas De Energia  Energia 7ª SéRie
Fontes E Formas De Energia Energia 7ª SéRie
guest65df5d
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
Vitor Pereira Rodrigues
 
Apresentação+energias+renováveis
Apresentação+energias+renováveisApresentação+energias+renováveis
Apresentação+energias+renováveis
Weliton Araújo
 
Aula energia
Aula energiaAula energia
Aula energia
Clécio Bubela
 
Energias Alternativas
Energias AlternativasEnergias Alternativas
Energias Alternativas
Dália Pereira
 
Energias Renováveis
Energias RenováveisEnergias Renováveis
Energias Renováveis
dulcemarr
 
Energias Renováveis
Energias RenováveisEnergias Renováveis
Energias Renováveis
mafaldamane97
 
Energias Alternativas
Energias AlternativasEnergias Alternativas
Energias Alternativas
Pedro Henriques
 
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Energia
 www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia -  Energia www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia -  Energia
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Energia
Aulas De Geografia Apoio
 
As Energias RenováVeis
As Energias RenováVeisAs Energias RenováVeis
As Energias RenováVeis
Leomark7
 
Energias Renováveis
Energias RenováveisEnergias Renováveis
Energias Renováveis
Daniel Lucas
 
Energias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não RenováveisEnergias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não Renováveis
LuisMagina
 
Energias renováveis e desenvolvimento sustentável
Energias renováveis e desenvolvimento sustentávelEnergias renováveis e desenvolvimento sustentável
Energias renováveis e desenvolvimento sustentável
António Matias
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
anacarolina05
 
Slideshare energia
Slideshare energiaSlideshare energia
Slideshare energia
vilmara-teixeira
 
Fontes de energias renováveis
Fontes de energias renováveisFontes de energias renováveis
Fontes de energias renováveis
Ana Ritaa
 
ENERGIA ( FONTES RENOVAVEIS e NAO RENOVAVEIS)
ENERGIA ( FONTES RENOVAVEIS e NAO RENOVAVEIS)ENERGIA ( FONTES RENOVAVEIS e NAO RENOVAVEIS)
ENERGIA ( FONTES RENOVAVEIS e NAO RENOVAVEIS)
Universidade Pedagogica
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
Suely Takahashi
 
Energias renováveis e não renováveis
Energias renováveis e não renováveisEnergias renováveis e não renováveis
Energias renováveis e não renováveis
patriciaqqq
 

Mais procurados (20)

Energia fontes e formas de energia
Energia   fontes e formas de energiaEnergia   fontes e formas de energia
Energia fontes e formas de energia
 
Fontes E Formas De Energia Energia 7ª SéRie
Fontes  E Formas De Energia  Energia 7ª SéRieFontes  E Formas De Energia  Energia 7ª SéRie
Fontes E Formas De Energia Energia 7ª SéRie
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
Apresentação+energias+renováveis
Apresentação+energias+renováveisApresentação+energias+renováveis
Apresentação+energias+renováveis
 
Aula energia
Aula energiaAula energia
Aula energia
 
Energias Alternativas
Energias AlternativasEnergias Alternativas
Energias Alternativas
 
Energias Renováveis
Energias RenováveisEnergias Renováveis
Energias Renováveis
 
Energias Renováveis
Energias RenováveisEnergias Renováveis
Energias Renováveis
 
Energias Alternativas
Energias AlternativasEnergias Alternativas
Energias Alternativas
 
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Energia
 www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia -  Energia www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia -  Energia
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Energia
 
As Energias RenováVeis
As Energias RenováVeisAs Energias RenováVeis
As Energias RenováVeis
 
Energias Renováveis
Energias RenováveisEnergias Renováveis
Energias Renováveis
 
Energias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não RenováveisEnergias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não Renováveis
 
Energias renováveis e desenvolvimento sustentável
Energias renováveis e desenvolvimento sustentávelEnergias renováveis e desenvolvimento sustentável
Energias renováveis e desenvolvimento sustentável
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
Slideshare energia
Slideshare energiaSlideshare energia
Slideshare energia
 
Fontes de energias renováveis
Fontes de energias renováveisFontes de energias renováveis
Fontes de energias renováveis
 
ENERGIA ( FONTES RENOVAVEIS e NAO RENOVAVEIS)
ENERGIA ( FONTES RENOVAVEIS e NAO RENOVAVEIS)ENERGIA ( FONTES RENOVAVEIS e NAO RENOVAVEIS)
ENERGIA ( FONTES RENOVAVEIS e NAO RENOVAVEIS)
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
Energias renováveis e não renováveis
Energias renováveis e não renováveisEnergias renováveis e não renováveis
Energias renováveis e não renováveis
 

Destaque

Energías Renovables
Energías Renovables Energías Renovables
Energías Renovables
Eco Lógica S.A.S Constructores
 
Energía y sostenibilidad
Energía y sostenibilidadEnergía y sostenibilidad
Energía y sostenibilidad
Giuliana Lauck
 
"Somos Físicos" Fontes de Energias
"Somos Físicos" Fontes de Energias"Somos Físicos" Fontes de Energias
"Somos Físicos" Fontes de Energias
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Energias renováveis 3 A
Energias renováveis  3 AEnergias renováveis  3 A
Energias renováveis 3 A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Palestra Magna – Setor Energético Brasileiro
Palestra Magna – Setor Energético BrasileiroPalestra Magna – Setor Energético Brasileiro
Palestra Magna – Setor Energético Brasileiro
UKinBrazilNetwork
 
Energía
EnergíaEnergía
Energias alternativas
Energias alternativasEnergias alternativas
Energias alternativas
Maria Figueiredo
 
Materiales
Materiales Materiales
Norma Internacional de Sistemas de Gestão de Energia - ISO 50001, Pedro Fonse...
Norma Internacional de Sistemas de Gestão de Energia - ISO 50001, Pedro Fonse...Norma Internacional de Sistemas de Gestão de Energia - ISO 50001, Pedro Fonse...
Norma Internacional de Sistemas de Gestão de Energia - ISO 50001, Pedro Fonse...
Pedro Santos
 
100% Renewable Energy by 2050: Fact or Fantasy
100% Renewable Energy by 2050: Fact or Fantasy100% Renewable Energy by 2050: Fact or Fantasy
100% Renewable Energy by 2050: Fact or Fantasy
John Farrell
 
Unidad 1 energías renovables
Unidad 1 energías renovablesUnidad 1 energías renovables
Unidad 1 energías renovables
Kleber Hurtado Castellanos
 
SlideShare 101
SlideShare 101SlideShare 101
SlideShare 101
Amit Ranjan
 
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
SlideShare
 
What to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareWhat to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShare
SlideShare
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
SlideShare
 

Destaque (15)

Energías Renovables
Energías Renovables Energías Renovables
Energías Renovables
 
Energía y sostenibilidad
Energía y sostenibilidadEnergía y sostenibilidad
Energía y sostenibilidad
 
"Somos Físicos" Fontes de Energias
"Somos Físicos" Fontes de Energias"Somos Físicos" Fontes de Energias
"Somos Físicos" Fontes de Energias
 
Energias renováveis 3 A
Energias renováveis  3 AEnergias renováveis  3 A
Energias renováveis 3 A
 
Palestra Magna – Setor Energético Brasileiro
Palestra Magna – Setor Energético BrasileiroPalestra Magna – Setor Energético Brasileiro
Palestra Magna – Setor Energético Brasileiro
 
Energía
EnergíaEnergía
Energía
 
Energias alternativas
Energias alternativasEnergias alternativas
Energias alternativas
 
Materiales
Materiales Materiales
Materiales
 
Norma Internacional de Sistemas de Gestão de Energia - ISO 50001, Pedro Fonse...
Norma Internacional de Sistemas de Gestão de Energia - ISO 50001, Pedro Fonse...Norma Internacional de Sistemas de Gestão de Energia - ISO 50001, Pedro Fonse...
Norma Internacional de Sistemas de Gestão de Energia - ISO 50001, Pedro Fonse...
 
100% Renewable Energy by 2050: Fact or Fantasy
100% Renewable Energy by 2050: Fact or Fantasy100% Renewable Energy by 2050: Fact or Fantasy
100% Renewable Energy by 2050: Fact or Fantasy
 
Unidad 1 energías renovables
Unidad 1 energías renovablesUnidad 1 energías renovables
Unidad 1 energías renovables
 
SlideShare 101
SlideShare 101SlideShare 101
SlideShare 101
 
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
 
What to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareWhat to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShare
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
 

Semelhante a Energias renováveis 3 C

Energias alternativas
Energias alternativasEnergias alternativas
Energias alternativas
Espa Cn 8
 
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série CTrabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
luisfernandobevilacqua
 
ENERGIA RENOVAVEIS (3).pptx
ENERGIA RENOVAVEIS (3).pptxENERGIA RENOVAVEIS (3).pptx
ENERGIA RENOVAVEIS (3).pptx
JosephAntoineLavoisi
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia - Energia
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Energiawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Energia
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia - Energia
AulasEnsinoMedio
 
Objeto De Aprendizagem
Objeto De AprendizagemObjeto De Aprendizagem
Objeto De Aprendizagem
Italo Cardoso Campos
 
Ppt Energias
Ppt EnergiasPpt Energias
Ppt Energias
Vanda
 
Energias Renováveis
Energias RenováveisEnergias Renováveis
Energias Renováveis
vallmachado
 
Atividade geografia
Atividade geografiaAtividade geografia
Atividade geografia
Núbia Maciel
 
Seminário fontes de energia
Seminário   fontes de energiaSeminário   fontes de energia
Seminário fontes de energia
LUIS ABREU
 
Energia limpa uma questão de necessidade
Energia limpa   uma questão de necessidadeEnergia limpa   uma questão de necessidade
Energia limpa uma questão de necessidade
Nataliana Cabral
 
Aula fontes de energi1
Aula fontes de energi1Aula fontes de energi1
Aula fontes de energi1
lgreggio10
 
Artigo Científico sobre "A Evolução da Energia Eólica"
Artigo Científico sobre "A Evolução da Energia Eólica"Artigo Científico sobre "A Evolução da Energia Eólica"
Artigo Científico sobre "A Evolução da Energia Eólica"
Klayton Clemente
 
Fontes de Energia
Fontes de EnergiaFontes de Energia
Fontes de Energia
leoaguiar46
 
Usos da energia e suas fontes
Usos da energia e suas fontesUsos da energia e suas fontes
Usos da energia e suas fontes
José Karllos
 
Cap 26 energia
Cap 26 energiaCap 26 energia
Cap 26 energia
Ana Paula Bezerra
 
2 energiastrabalho-110504040402-phpapp02
2 energiastrabalho-110504040402-phpapp022 energiastrabalho-110504040402-phpapp02
2 energiastrabalho-110504040402-phpapp02
Catiusa Alves
 
11 Fontes de energia: eólica, solar, hidráulica, gás petróleo, nuclear
11 Fontes de energia: eólica, solar, hidráulica, gás petróleo, nuclear11 Fontes de energia: eólica, solar, hidráulica, gás petróleo, nuclear
11 Fontes de energia: eólica, solar, hidráulica, gás petróleo, nuclear
ProfessorAldirCleyto
 
Energias renováveis
Energias renováveisEnergias renováveis
Energias renováveis
lisirocha
 
Energias Renováveis: Éolica
Energias Renováveis: ÉolicaEnergias Renováveis: Éolica
Energias Renováveis: Éolica
Sara Catarina
 
1VC TAILAN ENERGIA
1VC TAILAN ENERGIA1VC TAILAN ENERGIA
1VC TAILAN ENERGIA
CETEP RECÔNCAVO SAJ/BAHIA
 

Semelhante a Energias renováveis 3 C (20)

Energias alternativas
Energias alternativasEnergias alternativas
Energias alternativas
 
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série CTrabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
 
ENERGIA RENOVAVEIS (3).pptx
ENERGIA RENOVAVEIS (3).pptxENERGIA RENOVAVEIS (3).pptx
ENERGIA RENOVAVEIS (3).pptx
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia - Energia
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Energiawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Energia
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia - Energia
 
Objeto De Aprendizagem
Objeto De AprendizagemObjeto De Aprendizagem
Objeto De Aprendizagem
 
Ppt Energias
Ppt EnergiasPpt Energias
Ppt Energias
 
Energias Renováveis
Energias RenováveisEnergias Renováveis
Energias Renováveis
 
Atividade geografia
Atividade geografiaAtividade geografia
Atividade geografia
 
Seminário fontes de energia
Seminário   fontes de energiaSeminário   fontes de energia
Seminário fontes de energia
 
Energia limpa uma questão de necessidade
Energia limpa   uma questão de necessidadeEnergia limpa   uma questão de necessidade
Energia limpa uma questão de necessidade
 
Aula fontes de energi1
Aula fontes de energi1Aula fontes de energi1
Aula fontes de energi1
 
Artigo Científico sobre "A Evolução da Energia Eólica"
Artigo Científico sobre "A Evolução da Energia Eólica"Artigo Científico sobre "A Evolução da Energia Eólica"
Artigo Científico sobre "A Evolução da Energia Eólica"
 
Fontes de Energia
Fontes de EnergiaFontes de Energia
Fontes de Energia
 
Usos da energia e suas fontes
Usos da energia e suas fontesUsos da energia e suas fontes
Usos da energia e suas fontes
 
Cap 26 energia
Cap 26 energiaCap 26 energia
Cap 26 energia
 
2 energiastrabalho-110504040402-phpapp02
2 energiastrabalho-110504040402-phpapp022 energiastrabalho-110504040402-phpapp02
2 energiastrabalho-110504040402-phpapp02
 
11 Fontes de energia: eólica, solar, hidráulica, gás petróleo, nuclear
11 Fontes de energia: eólica, solar, hidráulica, gás petróleo, nuclear11 Fontes de energia: eólica, solar, hidráulica, gás petróleo, nuclear
11 Fontes de energia: eólica, solar, hidráulica, gás petróleo, nuclear
 
Energias renováveis
Energias renováveisEnergias renováveis
Energias renováveis
 
Energias Renováveis: Éolica
Energias Renováveis: ÉolicaEnergias Renováveis: Éolica
Energias Renováveis: Éolica
 
1VC TAILAN ENERGIA
1VC TAILAN ENERGIA1VC TAILAN ENERGIA
1VC TAILAN ENERGIA
 

Mais de Maria Teresa Iannaco Grego

Abelha azul 2º A
Abelha azul 2º AAbelha azul 2º A
Abelha azul 2º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Morsa 3ºB
Morsa 3ºBMorsa 3ºB
Desastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º ADesastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Tubarão 2º c II
Tubarão 2º c IITubarão 2º c II
Tubarão 2º c II
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Foca 1º C
Foca  1º CFoca  1º C
Aquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º AAquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Baleias 3º A
Baleias 3º ABaleias 3º A
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°BEfeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Pinguins-2º C
Pinguins-2º CPinguins-2º C
A vila socó 2º c
A vila socó 2º cA vila socó 2º c
A vila socó 2º c
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Lixo nas grandes cidades 1º D
Lixo nas grandes cidades  1º DLixo nas grandes cidades  1º D
Lixo nas grandes cidades 1º D
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Plantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 CPlantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 C
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Desastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º ADesastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Desastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 ADesastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Pinguins2ºC
Pinguins2ºCPinguins2ºC
Leão 1 B
Leão 1 BLeão 1 B
Panda 1 C
Panda 1 CPanda 1 C
Girafas 1 C
Girafas  1 CGirafas  1 C
ÁGuia 1 A
ÁGuia 1 AÁGuia 1 A
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico  e meio ambiente -3ºAAgrotoxico  e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
Maria Teresa Iannaco Grego
 

Mais de Maria Teresa Iannaco Grego (20)

Abelha azul 2º A
Abelha azul 2º AAbelha azul 2º A
Abelha azul 2º A
 
Morsa 3ºB
Morsa 3ºBMorsa 3ºB
Morsa 3ºB
 
Desastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º ADesastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º A
 
Tubarão 2º c II
Tubarão 2º c IITubarão 2º c II
Tubarão 2º c II
 
Foca 1º C
Foca  1º CFoca  1º C
Foca 1º C
 
Aquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º AAquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º A
 
Baleias 3º A
Baleias 3º ABaleias 3º A
Baleias 3º A
 
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°BEfeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
 
Pinguins-2º C
Pinguins-2º CPinguins-2º C
Pinguins-2º C
 
A vila socó 2º c
A vila socó 2º cA vila socó 2º c
A vila socó 2º c
 
Lixo nas grandes cidades 1º D
Lixo nas grandes cidades  1º DLixo nas grandes cidades  1º D
Lixo nas grandes cidades 1º D
 
Plantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 CPlantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 C
 
Desastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º ADesastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º A
 
Desastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 ADesastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 A
 
Pinguins2ºC
Pinguins2ºCPinguins2ºC
Pinguins2ºC
 
Leão 1 B
Leão 1 BLeão 1 B
Leão 1 B
 
Panda 1 C
Panda 1 CPanda 1 C
Panda 1 C
 
Girafas 1 C
Girafas  1 CGirafas  1 C
Girafas 1 C
 
ÁGuia 1 A
ÁGuia 1 AÁGuia 1 A
ÁGuia 1 A
 
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico  e meio ambiente -3ºAAgrotoxico  e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
 

Último

PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
MiriamCamily
 
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
eltinhorg
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 

Último (20)

PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
 
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 

Energias renováveis 3 C

  • 2.  Entender o que são energias renováveis e sua importância para o ambiente.
  • 3. Podemos definir como energia renovável aquela energia que é obtida de fontes naturais capazes de se regenerar, e, portanto virtualmente inesgotáveis, ao contrário dos recursos não-renováveis. São conhecidas pela imensa quantidade de energia que contêm, e porque são capazes de se regenerar por meios naturais.
  • 4. Ressalta-se que, desde o início do século XX, o mundo sofre com a exploração de seus recursos naturais, com a poluição da atmosfera e com a degradação do solo. Considerado uma fonte de energia, o petróleo, por exemplo, foi tão vorazmente extraído que a tendência de esgotamento de seus poços figura como uma veemente realidade.
  • 5. Um recurso ainda mais antigo, o carvão, também é considerado esgotável, assim como a energia nuclear, que traz o alerta para o perigo dos resíduos radioativos. Nesta questão, as fontes tradicionais de energia conflitam- se com as fontes alternativas, já que as primeiras, em declínio, aparecem como verdadeiras ameaças ao meio ambiente. As fontes alternativas entram em pauta, uma vez que têm como ponto positivo serem renováveis e não prejudicarem o meio ambiente. Exemplos de fontes renováveis incluem a energia solar (painel solar, célula fotovoltaica), a energia eólica (turbina eólica, cata-vento), a energia hídrica (roda d’água, turbina aquática) e a biomassa (matéria de origem vegetal).
  • 6. Nota-se também que a utilização de energias alternativas não pressupõe o abandono imediato dos recursos tradicionais, mas sua capacidade não deve ser subestimada. A Alemanha, por exemplo, provou como o uso das fontes renováveis pode ser útil ao Estado, à população e ao meio-ambiente. O país é responsável por cerca de um terço de toda a energia eólica instalada no mundo, representando metade da potência gerada em toda a Europa. O investimento em tecnologia também permitiu aos germânicos se destacarem na utilização de combustíveis de origem vegetal (biomassa)
  • 7.  A energia solar pode ser considerada inesgotável, lembrando a sua utilização para a produção de eletricidade através de painéis solares e células fotovoltaicas. O sol é fonte de energia renovável e o aproveitamento desta energia, tanto como fonte de calor quanto de luz, é uma das alternativas energéticas mais promissoras para que seja possível enfrentar os desafios ambientais que aparecem a cada instante.  A energia solar, renovável a cada dia, é abundante e permanente, não polui e nem prejudica o ecossistema. Ainda, soma pontos positivos para o sistema ambiental, já que o sol, trabalhando como um imenso reator à fusão, irradia na Terra todos os dias um potencial energético extremamente elevado e incomparável a qualquer outro sistema de energia, sendo a fonte básica e indispensável para praticamente todas as fontes energéticas utilizadas pelo homem.
  • 8.  O grande astro é capaz de irradiar anualmente o equivalente a 10.000 vezes a energia consumida pela população mundial neste mesmo período. Para medir a potência é usada uma unidade chamada quilowatt. O sol produz continuamente 390 sextilhões (390×1021) de quilowatts de potência. Como o sol emite energia em todas as direções, um pouco desta energia é desprendida, mas mesmo assim, a Terra recebe mais de 1.500 quatrilhões (1,5×1018) de quilowatts-hora de potência por ano.  Para o meio ambiente, a energia solar tem suma importância em relação à sua preservação, pois não é poluente, não influi no efeito estufa e não necessita de turbinas ou geradores para sua produção. A desvantagem fica por conta dos altos investimentos exigidos para o seu aproveitamento.
  • 9.
  • 10.  A energia eólica é a energia gerada pelo vento. Utilizada há anos sob a forma de moinhos de vento, pode ser canalizada pelas modernas turbinas eólicas ou pelo tradicional cata-vento. Especialistas explicam que no Brasil há ventos favoráveis para a ampliação dos instrumentos eólicos.  Entre as vantagens oriundas da energia eólica estão o fato de ser inesgotável, não emitir gases poluentes nem gerar resíduos e diminuir a emissão de gases de efeito estufa.  No Brasil, a energia eólica é bastante utilizada para o bombeamento de água na irrigação, no entanto, praticamente não existem usinas eólicas produtoras de energia elétrica. O primeiro projeto de geração no país foi desenvolvido em Pernambuco, na ilha de Fernando de Noronha, para garantir o fornecimento de energia para a ilha que antes só contava com um gerador movido a diesel.
  • 11.  No tocante à investimentos em energia eólica nos países da América Latina, o Brasil desponta na liderança do ranking na região, de acordo com a Associação Latino-Americana do setor (Lewea, na sigla em inglês). Os dados de 2008 mostram que o país lidera tanto em relação ao potencial eólico (regiões adequadas para a instalação), como em capacidade de potência instalada (volume de Megawatts atuais) – 140 mil MW e 247 MW, respectivamente.  Ainda, segundo a referida associação, a América Latina é privilegiada para o desenvolvimento da energia eólica. No entanto, os países latino- americanos só geram 1.000 MW em suas instalações, sendo que a potência possível em toda a região é de 200 mil MW (0,5% de aproveitamento). Na classificação das nações latino-americanas que contam com os maiores potenciais nesse segmento estão o Brasil (140 mil MW); México (40 mil MW); Colômbia (20 mil MW); Argentina e Venezuela (10 mil MW); e Chile (5.000 MW). Já em relação ao potencial instalado, o Brasil (247 MW) é seguido por México (88 MW); Colômbia e Chile (20 MW); Uruguai (5 MW); Equador (2,5 MW); e Peru (1 MW)
  • 12.
  • 13.  A energia hídrica utiliza a força cinética das águas de um rio e a converte em energia elétrica. A forma na qual ela se manifesta na natureza é nos fluxos de água, como rios e lagos e pode ser aproveitada por meio de um desnível ou queda d’água. Tambem, pode ser convertida na forma de energia mecânica (rotação de um eixo) através de turbinas hidráulicas ou moinhos de água. As turbinas, por sua vez, podem ser usadas como acionamento de um equipamento industrial, como um compressor, ou de um gerador elétrico, com a finalidade de prover energia elétrica para uma rede de energia.  Vale ressaltar a necessidade de haver um fluxo de água para que a energia seja gerada de forma contínua no tempo, por isto, embora seja possível usar qualquer reservatório de água, como um lago, deve haver um suprimento de água ao lago, caso contrário haverá redução do nível e, com o tempo, a diminuição da potência gerada. As represas (barragens) são nada mais que lagos artificiais, construídos num rio, permitindo a geração contínua.  No Brasil, devido à sua enorme quantidade de rios, a maior parte da energia elétrica disponível é proveniente de grandes usinas hidrelétricas. A energia primária de uma hidrelétrica é a energia potencial gravitacional da água contida numa represa elevada. Antes de se tornar energia elétrica, a energia primária deve ser convertida em energia cinética de rotação. O dispositivo que realiza essa transformação é a turbina. Ela consiste basicamente em uma roda dotada de pás, que é posta em rápida rotação ao receber a massa de água. O último elemento dessa cadeia de transformações é o gerador, que converte o movimento rotatório da turbina em energia elétrica.
  • 14.
  • 15.  É a energia do ciclo da vida. Biomassa é um material constituído por substâncias de origem orgânica (vegetal, animal e microrganismos). Assim, plantas, animais e seus derivados são biomassa. A utilização como combustível pode ser feita a partir de sua forma bruta, como madeira, produtos e resíduos agrícolas, resíduos florestais, resíduos pecuários, excrementos de animais e lixo. Ao contrário das fontes fósseis de energia, como o petróleo e o carvão mineral, a biomassa é renovável em curto intervalo de tempo.  Destaca-se que a renovação da biomassa ocorre através do ciclo do carbono, sendo que a decomposição ou a queima de matéria orgânica ou seus derivados provoca a liberação de CO2 na atmosfera. As plantas, através da fotossíntese, transformam o CO2 e água em hidratos de carbono, liberando oxigênio. Dessa forma, o uso adequado da biomassa não altera a composição média da atmosfera ao longo do tempo.  A biomassa tem a vantagem de ser uma boa opção energética, pois é renovável e gera baixas quantidades de poluentes. Numa usina de álcool, por exemplo, os resíduos de cana-de-açúcar (bagaço) podem ser utilizados para produzir biomassa e energia. Ainda, a geração de energia através da biomassa pode contribuir para a diminuição do efeito estufa e do aquecimento global.
  • 16.
  • 18. Gabriel Serpejante Alessandro Lima Gabriel Vieira Matheus 3ºC Profª Maria Teresa Iannaco Grego