TRABALHO DE BIOLOGIA 2014
Prof° Maria Teresa
06/05/2014
Tema: Calopsitas
A CALOPSITA
Um dos itens que mais chama a atenção dos amantes
destas aves é a possibilidade de amansá-las. Desta
forma as ...
A CALOPSITA
A ORIGEM DA CALOPSITA
Originária da Austrália onde podem ser vistas na natureza, a
Calopsita é a menor da família das Caca...
A ALIMENTAÇÃO DE FILHOTES
Normalmente os pais conseguem cuidar sozinhos de seus
filhotes, sendo suficiente oferecer os ali...
A ALIMENTAÇÃO DE FILHOTES
REPRODUÇÃO
Sua postura varia de 4 a 10 ovos, com intervalos entre eles
de cerca de dois dias. A incubação vai de 17 a 22 d...
REPRODUÇÃO
SAÚDE NA CALOPSITA
Frequentemente as pessoas levam seus animais ao veterinário com a afirmativa
“Meu bichinho estava bem a...
AVES DOENTES
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Calopsita noturno 3 e

707 visualizações

Publicada em

Projeto @ BIO
Profª Maria Teresa Iannaco Grego

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Calopsita noturno 3 e

  1. 1. TRABALHO DE BIOLOGIA 2014 Prof° Maria Teresa 06/05/2014 Tema: Calopsitas
  2. 2. A CALOPSITA Um dos itens que mais chama a atenção dos amantes destas aves é a possibilidade de amansá-las. Desta forma as calopsitas passam a ser, nestes casos, aves de estimação. Atualmente este segmento de aves é conhecido como aves de toque pelo fato de que elas e outras aves poderem ser tocadas, acariciadas e responderem a estes estímulos. Uma vez que criam vínculos com seu criador acabam sendo criadas como animais de estimação. Este talvez seja um dos fatores que mais tenha difundido para sua expansão nos lares. Embora possam ser criadas em gaiolas – a exemplo de outras aves – podem ser criadas soltas nos acompanhando pela casa enquanto vemos filmes ou lemos um livro. Por vezes parece que acabam por apreciar mais a companhia humana do que a da própria espécie. Ou pensam que são seres humanos pequenos ou que nós somos enormes calopsitas. Seu criador ou dono acaba fazendo parte de seu „bando‟ e desta forma, as famílias acabam por ganhar mais um membro.
  3. 3. A CALOPSITA
  4. 4. A ORIGEM DA CALOPSITA Originária da Austrália onde podem ser vistas na natureza, a Calopsita é a menor da família das Cacatuas. Seu nome científico é Nynphicus hollandicus que significa „Deusa da Nova Holanda” nome da Austrália até 1804. Em 1838, John Gould, ornitólogo inglês, autor bem sucedido de livros sobre história natural, visitou a Austrália objetivando conhecer sua fauna, até então pouco conhecida e realizar ilustrações de aves. Foi a partir de seu retorno em 1840, através dos livros e ilustrações divulgadas, que o público teve sua atenção chamada para a beleza das aves daquele continente, especialmente a Calopsita. Ainda é creditado a este pesquisador o fato de ter sido a primeira pessoa a levar Calopsitas para fora da Austrália, contribuindo decisivamente para a divulgação da espécie. Por volta de 1884, a Calopsita já se encontrava bem estabelecida nos aviários europeus, entretanto, como na natureza só existia um padrão de cor, a disseminação maciça dessa ave somente ocorreu a partir da primeira mutação, era o Arlequim, pouco antes de 1950. A partir daí, outros padrões de cores foram surgindo, ganhando então a Calopsita, enorme popularidade, sendo hoje um dos pássaros mais criados do mundo. É o pássaro perfeito e o mais indicado para quem quer uma relação mais íntima com uma ave. São divertidos e leais ao bando, do qual o dono passa a fazer parte.
  5. 5. A ALIMENTAÇÃO DE FILHOTES Normalmente os pais conseguem cuidar sozinhos de seus filhotes, sendo suficiente oferecer os alimentos adequados, porém, às vezes isto não acontece. Então você mesmo poderá alimentá-los. Isto requer paciência e carinho, mas traz resultados bastante gratificantes e é justamente por isso que você deverá ficar atento se os pais estão ou não os alimentando. Um filhote não alimentado poderá facilmente morrer! A alimentação dos filhotes é feita com uma papinha industrializada encontrada facilmente em qualquer aviário. Siga as instruções do fabricante quanto ao preparo da mesma. Você pode servir a papinha com uma colher adaptada ou uma seringa descartável de 10 ml (sem a agulha) e sempre com muito cuidado para não afogar a ave, remova a parte externa que protege o bico da seringa, e os alimente com papinha sempre tomando cuidado para não servi-la muito quente pois você pode queimar o papo da sua ave e até causar a morte. Recomenda-se servir a papinha com temperatura em torno de 38 ºC.
  6. 6. A ALIMENTAÇÃO DE FILHOTES
  7. 7. REPRODUÇÃO Sua postura varia de 4 a 10 ovos, com intervalos entre eles de cerca de dois dias. A incubação vai de 17 a 22 dias e os ovos medem de 2 a 3 cm. O macho ajuda a fêmea no processo todo, desde o choco até cuidar dos filhotes. Nem sempre todos os ovos estão galados, após alguns é possível descobrir quais estão fertilizados e quais não estão com uma ovoscopia, que basicamente é colocar o ovo contra a luz para ver se a luz transpassa o ovo. O ritual de acasalamento é outro ponto muito interessante, pois começa com o macho se exibindo para a fêmea, levantando e abaixando a crista, abrindo as asas e cantando. Então ele entra no ninho e a fêmea o segue, durante cinco ou dez minutos o macho esfrega a cloaca na da fêmea, que emite um som continuo e baixo. Este ritual costuma prosseguir por vários dias e a postura costuma se iniciar de uma a duas semanas após a união do casal.
  8. 8. REPRODUÇÃO
  9. 9. SAÚDE NA CALOPSITA Frequentemente as pessoas levam seus animais ao veterinário com a afirmativa “Meu bichinho estava bem até ontem.”. Na verdade provavelmente o animal demonstrou alguns sinais sutis de doença que acabaram passando desapercebidos pelo dono. A capacidade de reconhecer estes sinais e como lidar com problemas de saúde emergenciais são abordados neste site. SINAIS CLÍNICOS MAIS DIFÍCEIS DE SEREM PERCEBIDOS Muitas aves continuam a se alimentar e a ingerir água mesmo estando doentes. Alguns sinais importantes como penas do corpo eriçadas ou mudanças bruscas de comportamento, como por exemplo, a ave que nunca foi mansa repentinamente tornar-se mais quieta e amigável. As aves escondem o máximo possível os sinais de doença, pois na vida selvagem, uma ave que se comporta como se estivesse doente acaba tornando-se um alvo fácil para os predadores naturais, sendo morta facilmente. Por este motivo, aves tentam não revelar sua doença, comportando-se de forma normal o maior tempo possível. É necessária muita perspicácia e atenção por parte do proprietário para reconhecer um problema de saúde através de modificações sutis do comportamento. Converse com seu veterinário especialista em medicina de aves sobre estes sinais. Aumento no apetite: Aumento no gasto de calorias tais como – exercícios, postura de ovos, filhotes, aumentam a necessidade de ingestão de comida, especialmente proteínas. Aumento de apetite sem razões aparentes podem indicar diabetes, vermes, problemas no pâncreas ou intestino. Em qualquer caso, havendo sinais de doença, procure um veterinário. Fezes: As fezes deverão ser sólidas e tubulares, enroladas ou não, particionadas ou não. Elas não devem cheirar mal; quando isso ocorre, pode ser sinal de infecções bacterianas.
  10. 10. AVES DOENTES

×