FGV – MBA em Gerenciamento de Projetos – GPR-PF 06
TRJP PMO CONSULTING
A TRJP PMO Consulting é uma empresa com ampla experiência na
implementação de PMO’s no setor público e...
NOSSA MISSÃO É PARTICIPAR DA VIDA DAS EMPRESAS, OFERECENDO
SOLUÇÕES EM PMO COM QUALIDADE, INOVAÇÃO E A PREÇOS ACESSÍVEIS, ...
TRJP PMO CONSULTING
• ÉTICA
• RESPONSABILIDADE
• COMPROMETIMENTO
Valores
Benefícios do PMO
• A alta administração tem acesso a informações precisas e úteis para uma boa
tomada de decisão, assim c...
Nível Hierárquico
Com base na pesquisa de maturidade em Gerenciamento de Projetos, fornecido pelo
Ministério do Planejamen...
Função do PMO
Optou-se como função do PMO a adoção de Métodos e Procedimentos.
Devido à ineficiência dos processos existes...
Modelos
Definiu-se a utilização do modelo Torre de Controle, com Estações Meteorológicas.
Parte-se da visão que a Torre de...
Arquitetura do Modelo
Estação
Meteorológica
Estação
Meteorológica
Estação
Meteorológica
(projeto piloto)
Estação
Meteoroló...
As métricas de sucesso
A evolução da implantação do PMO será medida por meio das seguintes
métricas:
• Escopo: Percentual ...
Etapas de implementação do
primeiro PMO
Etapas de implementação do
primeiro PMO
A implementação do PMO será realizado partindo-se pela analise da forma
de atuação...
Identificação dos Projetos
Tendo como base os Objetivos do Planejamento Estratégico de LISARB,
foram identificados os segu...
Categorização dos Projetos
Os projetos foram separados em categorias conforme tabela abaixo, de
forma a possibilitar um me...
Avaliação dos Projetos
A fim de facilitar os processos de avaliação e priorização dos projetos foram
definidos os seguinte...
Seleção e Priorização dos Projetos
Com base nos critérios de avaliação definidos no processo anterior, os
projetos foram s...
Seleção e Priorização dos Projetos
Sequência da Priorização...
SELEÇÃO E
PRIORIZAÇÃO
CRITÉRIOS
SOMA PRIOR.
INVESTIMENTO 15...
Seleção e Priorização dos Projetos
PROJETOS PRIOR. INICIAL PRIOR.FINAL
Educa já 1 1
Energia Limpa 2 2
Valoriza professor 3...
Balanceamento do Portfólio
Através do gráfico de
balanceamento ao lado,
observa-se que os objetivos
2, 8 e 9 não foram
con...
Balanceamento do Portfólio
Para balancear o gráfico e
contemplar projetos que
atendam a todos os
objetivos, observamos as
...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Implantação de PMO em LISARB

228 visualizações

Publicada em

Titulo: Implantação de PMO em LISARB
Alunos:Jonas Werlang,PAULO LUIS DA SILVA ABREU,Renan Spolaor Dal Osto,Tobias Vizzotto,
Cidade: Passo Fundo
Disciplina: PMO
Turma: GP06
Data:20-12-2014
Hora:20:15
Comentarios:
Publico até ápos a correção

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
228
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Implantação de PMO em LISARB

  1. 1. FGV – MBA em Gerenciamento de Projetos – GPR-PF 06
  2. 2. TRJP PMO CONSULTING A TRJP PMO Consulting é uma empresa com ampla experiência na implementação de PMO’s no setor público e privado. Possuímos equipe qualificada e adaptada à cultura Européia, Asiática, Americana e Latino Americana para a realização dos projetos facilitando o desempenho dos mesmos e minimizando deficiências no gerenciamento dos projetos. Empresa com 10 anos de atuação no mercado mundial realizando projetos com a utilização das melhores práticas de gerenciamento de projeto. Engenheiros Associados: Tobias Vizzotto, Renan Dal Osto, Jonas Werlang, Paulo Abreu
  3. 3. NOSSA MISSÃO É PARTICIPAR DA VIDA DAS EMPRESAS, OFERECENDO SOLUÇÕES EM PMO COM QUALIDADE, INOVAÇÃO E A PREÇOS ACESSÍVEIS, EM ESCALA MUNDIAL. TRJP PMO CONSULTING Missão SERMOS UMA DAS MAIORES EMPRESAS DE CONSULTORIA DO MUNDO, ADMIRADA POR SEUS MÉTODOS INOVADORES E RESULTADOS, AUXILIANDO AS MAIS DIVERSAS EMPRESAS E SEGMENTOS DE MERCADO NA IMPLANTAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Visão
  4. 4. TRJP PMO CONSULTING • ÉTICA • RESPONSABILIDADE • COMPROMETIMENTO Valores
  5. 5. Benefícios do PMO • A alta administração tem acesso a informações precisas e úteis para uma boa tomada de decisão, assim como a redução dos atrasos, cancelamentos e estouros nos custos dos projetos. • Comunicação constante com os patrocinadores do projeto e com os principais intervenientes, os quais são mantidos constantemente informados sobre decisões, mudanças e andamento do projeto. • Maior comprometimento com objetivos e resultados, disponibilidade de informação para a tomada de decisões e visível melhoria de qualidade nos resultados dos projetos. • Minimização significativa de riscos em projetos. • Utilização de uma metodologia com eficácia comprovada em todo o mundo.
  6. 6. Nível Hierárquico Com base na pesquisa de maturidade em Gerenciamento de Projetos, fornecido pelo Ministério do Planejamento de LISARB, identificou-se, através dos critérios de pontuação (soma 69) e localização na faixa entre 41 e 80 pontos, o nível de maturidade 2. Tendo como base o modelo de maturidade MMGP – Modelo de Maturidade em Gerenciamento de Projetos recomendamos a implantação do PMO Hierarquia 3. A hierarquia 3 adotada como PMO estratégico, visa a organização como um todo. É tratada de maneira que possa permitir o engajamento das estruturas da organização, devido a ineficiência de metodologia de gestão de projetos e qualificação dos colaboradores, deste modo sendo a mais apropriada para ser utilizada na implantação do PMO com as características encontradas em LISARB.
  7. 7. Função do PMO Optou-se como função do PMO a adoção de Métodos e Procedimentos. Devido à ineficiência dos processos existes em LISARB, necessita-se implantar novos métodos e procedimentos em nível organizacional para estabelecer mudanças culturais na empresa.
  8. 8. Modelos Definiu-se a utilização do modelo Torre de Controle, com Estações Meteorológicas. Parte-se da visão que a Torre de Controle define procedimentos e métodos para serem utilizados pelas Estações Meteorológicas, realizando posteriormente auditorias para verificação da eficácia e aplicabilidade dos procedimentos e métodos implementados, garantindo assim um modelo coeso em toda a organização.
  9. 9. Arquitetura do Modelo Estação Meteorológica Estação Meteorológica Estação Meteorológica (projeto piloto) Estação Meteorológica PMO Torre de Controle Fase 1 Fase 2 Fase 2 Fase 2 Pool de Recursos
  10. 10. As métricas de sucesso A evolução da implantação do PMO será medida por meio das seguintes métricas: • Escopo: Percentual do número de alterações em relação ao número de projetos; • Tempo: Percentual do número de projetos entregues no prazo planejado; • Custo: Percentual de projetos entregues com o orçamento previsto; • Qualidade: Índice de conformidade no gerenciamento da qualidade; • Riscos: Quantidade de riscos identificados por projeto x Quantidade de riscos respondidos por projeto; As métricas de sucesso adotadas para medição da evolução da implantação do escritório de projetos foi definida com base no fato de que escopo, tempo, custo, qualidade e riscos, no entendimento da empresa TRJP, são os principais itens a serem gerenciados em um projeto e indicam a boa qualidade de gerenciamento de um projeto.
  11. 11. Etapas de implementação do primeiro PMO
  12. 12. Etapas de implementação do primeiro PMO A implementação do PMO será realizado partindo-se pela analise da forma de atuação dos Gerentes de Projeto de LISARB, realizando-se um relatório com avaliação do seu desempenho. Na sequência será elaborado o projeto de implementação do PMO em LISARB. Após, serão realizados os treinamentos e acompanhamentos da equipe que irá integrar o PMO (Torre de Controle). Em seguida, será implantado o projeto piloto na Unidade Federativa (Estação Meteorológica). Durante a sua implementação serão realizados os acompanhamentos no projeto piloto, reportando os mesmos à Torre de Controle para verificar a aplicabilidade da metodologia e padronização. Posteriormente a metodologia será implantada nas demais Unidades Federativas de LISARB.
  13. 13. Identificação dos Projetos Tendo como base os Objetivos do Planejamento Estratégico de LISARB, foram identificados os seguintes projetos: OBJETIVO PROJETOS 1 a. Descomplicando a justiça; b. Agiliza; 2 a. Política justa; b. Orelhão; 3 a. Educa já; b. Valoriza professor; 4 a. Energia Limpa; b. Ferrovia já; 5 a. Saúde 10; b. Vovô feliz; 6 a. Viva seguro; b. Integra Comunidade; 7 a. Consciência NOVA; b. Capacita político; 8 a. Tudo em Paz; b. Tamo junto; 9 a. Corrupção NÃO; b. Cadeira elétrica;
  14. 14. Categorização dos Projetos Os projetos foram separados em categorias conforme tabela abaixo, de forma a possibilitar um melhor gerenciamento dos programas. PROJETOS CATEGORIAS EFICIÊNCIA COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO TECNOLOGIA SOCIAL SEGURANÇA Descomplicando a justiça X Agiliza X Política justa X Orelhão X Educa já X Valoriza professor X Energia Limpa X Ferrovia já X Saúde 10 X Vovô feliz X Viva seguro X Integra Comunidade X Consciência NOVA X Capacita político X Tudo em Paz X Tamo junto X Corrupção NÃO X Cadeira elétrica X
  15. 15. Avaliação dos Projetos A fim de facilitar os processos de avaliação e priorização dos projetos foram definidos os seguintes critérios e pesos de avaliação. Definimos a utilização dos critérios acima pela integração do investimento necessário, prazo de execução, indicadores econômicos, educacionais e abrangência da população, pois desta forma podemos implementar os projetos que irão atender o maior numero de pessoas e com impacto direto em suas vidas. Ainda, pretende-se otimizar o máximo dos recursos e o menor prazo para implementação, realizando assim o maior número de projetos no período. CRITÉRIOS PESO LEGENDA PARA NOTA 0 5 10 INVESTIMENTO 15% > 1 (Bi R$) 100 Mi a 1 Bi (R$) < 100 (Mi R$) DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL 30% < 3,5 % (ENAD) 3,5 a 10 % (ENAD) > 10 % (ENAD) DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 25% < 5 % (PIB) 5 a 10 % (PIB) > 10 % (PIB) PRAZO DE EXECUÇÃO 10% > 24 (MESES) 12 a 24 (MESES) < 12 (MESES) ABRANGÊNCIA POPULACIONAL 20% ≤ 20% 21 a 70 % > 70 %
  16. 16. Seleção e Priorização dos Projetos Com base nos critérios de avaliação definidos no processo anterior, os projetos foram selecionados e priorizados conforme tabela abaixo: SELEÇÃO E PRIORIZAÇÃO CRITÉRIOS SOMA PRIOR. INVESTIMENTO 15% EXECUÇÃO (MESES) 10% DESENVOLV. EDUCACIONAL 30% DESENVOLV. ECONÔMICO 25% ABRANGÊNCIA POPULACIONAL 20% PROJETOS 0 5 10 0 5 10 0 5 10 0 5 10 0 5 10 > 1 Bi R$ 100 Mi a 1 BI R$ < 100 Mi R$ > 24 12 a 24 < 12 < 3,5 % 3,5 a 10 % > 10 % < 5% 5 a 10% > 10% ≤ 20% 21 a 70 % > 70 % Descomplicando a justiça NOTA 10 5 0 0 10 4 6 MÉDIA 0 0 1,5 0 0,5 0 0 0 0 0 0 0 0 0 2 Agiliza NOTA 5 5 0 0 10 3,25 8 MÉDIA 0 0,75 0 0 0,5 0 0 0 0 0 0 0 0 0 2 Política justa NOTA 5 0 0 0 5 1,75 17 MÉDIA 0 0,75 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 Orelhão NOTA 10 5 0 0 5 3 13 MÉDIA 0 0 1,5 0 0,5 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 Educa já NOTA 5 0 10 5 5 6 1 MÉDIA 0 0,75 0 0 0 0 0 0 3 0 1,25 0 0 1 0 Valoriza professor NOTA 10 5 5 0 5 4,5 3 MÉDIA 0 0 1,5 0 0,5 0 0 1,5 0 0 0 0 0 1 0 Energia Limpa NOTA 0 5 0 10 10 5 2 MÉDIA 0 0 0 0 0,5 0 0 0 0 0 0 2,5 0 0 2 Ferrovia já NOTA 0 0 0 10 10 4,5 3 MÉDIA 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 2,5 0 0 2 Saúde 10 NOTA 0 0 0 5 10 3,25 8 MÉDIA 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1,25 0 0 0 2 Vovô feliz NOTA 5 5 0 0 0 1,25 18 MÉDIA 0 0,75 0 0 0,5 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
  17. 17. Seleção e Priorização dos Projetos Sequência da Priorização... SELEÇÃO E PRIORIZAÇÃO CRITÉRIOS SOMA PRIOR. INVESTIMENTO 15% EXECUÇÃO (MESES) 10% DESENVOLV. EDUCACIONAL 30% DESENVOLV. ECONÔMICO 25% ABRANGÊNCIA POPULACIONAL 20% PROJETOS 0 5 10 0 5 10 0 5 10 0 5 10 0 5 10 > 1 Bi R$ 100 Mi a 1 BI R$ < 100 Mi R$ > 24 12 a 24 < 12 < 3,5 % 3,5 a 10 % > 10 % < 5% 5 a 10% > 10% ≤ 20% 21 a 70 % > 70 % Viva seguro NOTA 0 5 0 5 10 3,75 7 MÉDIA 0 0 0 0 0,5 0 0 0 0 0 1,25 0 0 0 2 Integra Comunidade NOTA 5 5 0 0 5 2,25 14 MÉDIA 0 0,75 0 0 0,5 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 Consciência NOVA NOTA 5 10 5 0 5 4,25 5 MÉDIA 0 0,75 0 0 0 1 0 1,5 0 0 0 0 0 1 0 Capacita político NOTA 10 5 0 5 0 3,25 8 MÉDIA 0 0 1,5 0 0,5 0 0 0 0 0 1,25 0 0 0 0 Tudo em Paz NOTA 5 5 0 0 10 3,25 8 MÉDIA 0 0,75 0 0 0,5 0 0 0 0 0 0 0 0 0 2 Tamo junto NOTA 0 0 0 0 10 2 16 MÉDIA 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 2 Corrupção NÃO NOTA 5 0 5 0 0 2,25 14 MÉDIA 0 0,75 0 0 0 0 0 1,5 0 0 0 0 0 0 0 Cadeira elétrica NOTA 5 5 0 0 10 3,25 8 MÉDIA 0 0,75 0 0 0,5 0 0 0 0 0 0 0 0 0 2
  18. 18. Seleção e Priorização dos Projetos PROJETOS PRIOR. INICIAL PRIOR.FINAL Educa já 1 1 Energia Limpa 2 2 Valoriza professor 3 3 Ferrovia já 3 4 Consciência NOVA 5 5 Descomplicando a justiça 6 6 Viva seguro 7 7 Saúde 10 8 8 Capacita político 8 9 Agiliza 8 10 Tudo em Paz 8 11 Cadeira elétrica 8 12 Orelhão 13 13 Corrupção NÃO 14 14 Integra Comunidade 14 15 Tamo junto 16 16 Política justa 17 17 Vovô feliz 18 18 OBS: A partir da seleção e priorização dos projetos, evidenciou-se que alguns projetos tiveram a mesma priorização inicial. Como critério de desempate foram utilizados os pesos de cada critério de seleção, resultando assim na priorização Final. 1 - Desenvolvimento Educacional 2 - Desenvolvimento Econômico 3 - Abrangencia 4 - Investimento 5 - Prazo de Execução
  19. 19. Balanceamento do Portfólio Através do gráfico de balanceamento ao lado, observa-se que os objetivos 2, 8 e 9 não foram contemplados na seleção de prioridades. Será necessário incluir alguns projetos nas prioridades que contemplem estas áreas.
  20. 20. Balanceamento do Portfólio Para balancear o gráfico e contemplar projetos que atendam a todos os objetivos, observamos as planilhas de priorização e optamos por incluir os próximos projetos na sequência de prioridade, os quais foram Orelhão, Cadeira Elétrica, Tudo em Paz e Agiliza.

×