SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
UMA REFLEXÃO SOB O PONTO DE VISTA DE:
ALINE BUENO | DEUSLENE LEAL |ELI MARTINS |JULIANA ROQUE |NAYARA RAMOS
LÍNGUA,
TEXTO E
ENSINO
Outra escola possível
Irandé Antunes
CAPÍTULO 11
A LEITURA: DE OLHO NAS SUAS FUNÇÕES P. 185-206
Qual é a
condição
primordial para
a leitura?
Decifrar sinais
gráficos
Quais os problemas que
impedem o bom êxito
dessa tarefa?
 Uso de livros
inadequados
 Falta de tempo para
leitura
 Fixação no ensino de
gramática
 Ensino
descontextualizado
 Ser leitor, no Brasil tem sido
privilégio de classes mais
favorecidas.
 Esse déficit pode ter solução e
depende de um conjunto de ações
pelas quais somos todos
responsáveis.
 A falta de ações compromete o
próprio desenvolvimento econômico.
(é histórico)
FUNÇÕES INDIVIDUAIS E SOCIAIS DA LEITURA
Acesso ao conhecimento
Produção de novos
conhecimentos
Continuidade e avanço de
novas descobertas
A LEITURA É FUNDAMENTAL APENAS NAS AULAS DE LÍNGUA ?
As competências em leitura,
compreensão e escrita não
se restringem às aulas de
línguas, pois o professor de
qualquer disciplina apóia suas
aulas em textos.
A QUEM COMPETE AINDA DESENVOLVER O APREÇO À
LEITURA ?
 _Exclusivamente à
escola, mas não se
exclui a intervenção
da família, dos meios
de comunicação e
outras associações.
 _O termo
exclusivamente,
favoreceu a omissão
de muitos, que
poderiam ajudar nessa
tarefa.
 Falta aliança entre
escola e família.
QUE FOCO ESCOLHER PARA OS OBJETIVOS
PEDAGÓGICOS ?
 Ampliação de diferentes competências
 Sírio Possenti sugere:
Convém ao professor, para desenvolver
competências, sondar, para identificar o
que os alunos já sabem, o que ainda
não sabem e o que precisam saber.
Ao contrário, a escola tem se concentrado
no que a criança já sabe e não no que
falta saber.
O QUE PRETENDEMOS COMPREENDER AQUI POR
COMPETÊNCIA ?
COMPETÊNCIA
Aptidão para ligar os
saberes que adquirem ao
longo da vida às situações de
experiência, a fim de, pelo
recurso a esses saberes,
vivenciar essas experiências
de forma gratificante e eficaz.
QUAL O PAPEL DA ESCOLA DIANTE DA BUSCA POR
ESSA APTIDÃO ?
 Ser suporte entre a articulação do saber já
acumulado e as novas situações.
 Desenvolver saberes e competências numa
relação clara de inclusão e não de exclusão.
O resultado seria:
Uma escola que deixaria de estar centrada no
conteúdo para capacitar o professor, que
também deixaria de ser o dono do
conhecimento e passaria a ser um mediador,
motivador e direcionador do processo
pedagógico.
QUE COMPETÊNCIAS SÃO ESPERADAS PELO
EXERCÍCIO DA LEITURA ?
 Por que tanta ênfase na leitura ?
_Para ter acesso à palavra escrita que:
• Superou os limites da fala;
• Possibilitou conhecer fatos, antes só
narrados;
• Permitiu a circulação mundial de ideias;
• LEITURA E ESCRITA SE
COMPLETAM
A LEITURA FAVORECE O ACESSO A NOVAS
INFORMAÇÕES
 Amplia repertórios
de informações;
 Promove o livre
acesso ao
ininterrupto diálogo
empreendido pelo
homem;
 Acesso à partilha do
poder.
QUAIS AS MUDANÇAS QUE DEVEM OCORRER?
 A leitura deve deixar de
ser exclusiva, a aulas de
PORTUGUÊS;
 Saber aproveitar melhor,
todos os textos de
todas as disciplinas,
como fonte de
informação.
NOVA PROPOSTA:
Fazer da leitura e da
escrita interesse de
ensino e pesquisa em
todas as disciplinas.
LEITURA É... A LENHA QUE ALIMENTA O FOGO DE
NOSSAS BUSCAS
 _É uma espécie de porta de entrada, uma
via de acesso à palavra que se tornou
pública, é uma oportunidade de sair do
domínio do privado e de ultrapassar o
mundo da interação face a face. É partilhar,
é o encontro com a alteridade, onde se dá
afirmação do EU.
SIGNO VERBAL É INSUFICIENTE?
 É cada vez maior a
utilização de textos
que conjugam sinais
de diferentes
linguagens que
propiciam
compreensão com
resultados, que
satisfazem.
Quem lê muito, escreve bem
A leitura é uma das condições
que
propiciam o acesso a escrita.
COMO RELACIONAR LEITURA E ESCRITA?
FALA X ESCRITA
1. Uso simultâneo de
dois ou mais
interlocutores.
2. Presença real
daquilo a que nos
referimos.
3. Uso de recursos
não gráficos.
4. Frases soltas sem
prejuízo de
entendimento.
1. A recepção do
material é adiando,
falta a
simultaneidade.
2. Leitor lê e relê. Autor
elabora e reelabora.
3. Há de suprir com
palavras.
4. Usar recursos
coesivos
 Apesar da convivência com textos
escrito formais e pela análise das
especificidades desses textos, é que
alguém pode apreender os modos de
formulação próprios da escrita formal.
 Portanto a competência em escrita
vem de uma prática constante,
persistente, refletida no
aprimoramento.
(ANTUNES,2009 p. 199)
A LEITURA FAVORECE O CONTATO COM
A ARTE DA PALAVRA
DEVE-SE PROPICIAR O CONTATO COM
DIFERENTES GÊNEROS TEXTUAIS
COMO VEM O GOSTO PELA
LEITURA?
 É aprendido por um
estado de sedução,
de fascínio, de
encantamento. Um
estado que precisa
ser estimulado,
exercitado, vivido.
A QUEM COMPETE ESSA
HABILIDADE?
 À escola, que
deve priorizar
sem protelar.
 Ao professor,
que dá
visibilidade ao ato
de ler e
apresenta o livro.
 Aos demais
órgãos e
instituições.
ONDE ESTÁ O SENTIDO DO TEXTO ?
 Compreender os artefatos linguísticos é suficiente para
entender o texto ?
 Saber gramática é suficiente para saber ler com
sucesso ?
É preciso:
 conhecimentos linguísticos;
 conhecimentos textuais;
 conhecimentos de mundo.
O sentido de um texto não está apenas na superfície de
sua estrutura, mas resulta de uma confluência de
elementos que estão dentro e fora dele.
(ANTUNES, 2009 p. 202)
DE QUE LEITURA ESTAMOS FALANDO ?
Leitura interacionista
• Leitura plural
• Leitura de dizer e fazer
• Leitura de encontro
A ESCOLA FRENTE A ESSAS CONCEPÇÕES
Barreiras que encontraremos:
• Concepções pedagógicas
• Definição das prioridades
• Seleção dos objetivos
• Planejamento de leitura
COMO FAZER COM QUE A ESCOLA SEJA O LUGAR DA
LEITURA ?
 Pelo estímulo a cultura de um livro
 Pela diversidade de leituras
 Pelos objetivos em aulas de leitura
 Pelas frequências em leituras e análise de
textos.
 Pelo contato e gosto pela literatura.
A LEITURA É:
 Um projeto social inadiável
 Uma conquista possível
 Uma competência em permanente
construção
Uma porta de entrada para novos mundos,
onde a autêntica e democrática
construção humana pode acontecer com
maior sucesso.
(ANTUNES, 2009 p. 205)
Podemos, ainda adiar esse
projeto?
A vida não gosta de esperar.
Amanhã ninguém sabe
No peito de um cantador
Mais um canto sempre cabe.
(Chico Buarque)
BIBLIOGRAFIA:
 ANTUNES, Irandé. A leitura: de olho nas
suas funções. In: Língua, texto e
ensino: outra escola possível. São Paulo:
Parábola Editorial, 2009.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Unidade 3 2º encontro os conhecimentos sobre o sea (versão final)
Unidade 3 2º encontro   os conhecimentos sobre o sea (versão final)Unidade 3 2º encontro   os conhecimentos sobre o sea (versão final)
Unidade 3 2º encontro os conhecimentos sobre o sea (versão final)Naysa Taboada
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04Lygia Souza
 
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUALCOMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUALnehemiasj
 
Procedimentos de leitura - ppt
Procedimentos de leitura - pptProcedimentos de leitura - ppt
Procedimentos de leitura - pptJane Pereira
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAaulasdejornalismo
 
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIASBNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIASDeusirene Magalhaes
 
O uso dos quadrinhos em sala de aula
O uso dos quadrinhos em sala de aulaO uso dos quadrinhos em sala de aula
O uso dos quadrinhos em sala de aulaSeed Pr
 
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOSlides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOEdna Monteiro
 
Saeb lingua portuguesa
Saeb lingua portuguesaSaeb lingua portuguesa
Saeb lingua portuguesaweleslima
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Adriana Pereira
 

Mais procurados (20)

Unidade 3 2º encontro os conhecimentos sobre o sea (versão final)
Unidade 3 2º encontro   os conhecimentos sobre o sea (versão final)Unidade 3 2º encontro   os conhecimentos sobre o sea (versão final)
Unidade 3 2º encontro os conhecimentos sobre o sea (versão final)
 
Oficinas de leitura3
Oficinas de leitura3Oficinas de leitura3
Oficinas de leitura3
 
Produção e revisão de textos
Produção e revisão de textosProdução e revisão de textos
Produção e revisão de textos
 
Estrategias de leitura 2
Estrategias de leitura 2Estrategias de leitura 2
Estrategias de leitura 2
 
Oficina formação de leitores
Oficina formação de leitoresOficina formação de leitores
Oficina formação de leitores
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
 
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUALCOMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
 
Procedimentos de leitura - ppt
Procedimentos de leitura - pptProcedimentos de leitura - ppt
Procedimentos de leitura - ppt
 
Importância da Leitura
Importância da LeituraImportância da Leitura
Importância da Leitura
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
 
Conceitos De Leitura
Conceitos De LeituraConceitos De Leitura
Conceitos De Leitura
 
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIASBNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS
 
ProduçãO Textual
ProduçãO TextualProduçãO Textual
ProduçãO Textual
 
Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
 
O uso dos quadrinhos em sala de aula
O uso dos quadrinhos em sala de aulaO uso dos quadrinhos em sala de aula
O uso dos quadrinhos em sala de aula
 
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOSlides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
 
Saeb lingua portuguesa
Saeb lingua portuguesaSaeb lingua portuguesa
Saeb lingua portuguesa
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento
 
Leitura e Escrita na Universidade
Leitura e Escrita na UniversidadeLeitura e Escrita na Universidade
Leitura e Escrita na Universidade
 

Semelhante a Apresentação língua texto e ensino

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA
A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITAA IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA
A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITAcefaprodematupa
 
Leitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º BimestreLeitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º Bimestredicasdubr
 
Alfabetização e Leitura
Alfabetização e LeituraAlfabetização e Leitura
Alfabetização e Leituraunieubra
 
Aimport 111221044504-phpapp02
Aimport 111221044504-phpapp02Aimport 111221044504-phpapp02
Aimport 111221044504-phpapp02Janailson Sousa
 
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresRosemary Batista
 
Concepções de leitura e implicações para o ensino
Concepções de leitura e implicações para o ensinoConcepções de leitura e implicações para o ensino
Concepções de leitura e implicações para o ensinoJohnJeffersonAlves1
 
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptxnoadiasilva2
 
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdf
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdfprojeto_ler_e_uma_aventura1.pdf
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdfKelianeCastro3
 
A importância do letramento
A importância do letramentoA importância do letramento
A importância do letramentoCristina Rigolo
 
Cp ativ colaborativa_template competencias profissionais
Cp ativ colaborativa_template competencias profissionaisCp ativ colaborativa_template competencias profissionais
Cp ativ colaborativa_template competencias profissionaismkbariotto
 
Ava competências profissionais
Ava   competências profissionaisAva   competências profissionais
Ava competências profissionaismkbariotto
 
Professor alfabetizador e a Línguistica
Professor alfabetizador e a LínguisticaProfessor alfabetizador e a Línguistica
Professor alfabetizador e a LínguisticaFernanda Moliterno
 
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de BiguaçuEncontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de BiguaçuSoleducador1
 

Semelhante a Apresentação língua texto e ensino (20)

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA
A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITAA IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA
A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA
 
Leitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º BimestreLeitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º Bimestre
 
Letramento e Paralisia cerebral
Letramento e Paralisia cerebralLetramento e Paralisia cerebral
Letramento e Paralisia cerebral
 
Alfabetização e Leitura
Alfabetização e LeituraAlfabetização e Leitura
Alfabetização e Leitura
 
Aimport 111221044504-phpapp02
Aimport 111221044504-phpapp02Aimport 111221044504-phpapp02
Aimport 111221044504-phpapp02
 
Projeto de leitura
Projeto de leituraProjeto de leitura
Projeto de leitura
 
Apresentacão tcc 9 final
Apresentacão tcc 9 finalApresentacão tcc 9 final
Apresentacão tcc 9 final
 
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
 
Concepções de leitura e implicações para o ensino
Concepções de leitura e implicações para o ensinoConcepções de leitura e implicações para o ensino
Concepções de leitura e implicações para o ensino
 
Letramento
LetramentoLetramento
Letramento
 
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
 
La vem leitura
La vem leituraLa vem leitura
La vem leitura
 
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdf
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdfprojeto_ler_e_uma_aventura1.pdf
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdf
 
A importância do letramento
A importância do letramentoA importância do letramento
A importância do letramento
 
Concepções de leitura e implicações pedagógicas
Concepções de leitura e implicações pedagógicasConcepções de leitura e implicações pedagógicas
Concepções de leitura e implicações pedagógicas
 
Cp ativ colaborativa_template competencias profissionais
Cp ativ colaborativa_template competencias profissionaisCp ativ colaborativa_template competencias profissionais
Cp ativ colaborativa_template competencias profissionais
 
Ava competências profissionais
Ava   competências profissionaisAva   competências profissionais
Ava competências profissionais
 
Professor alfabetizador e a Línguistica
Professor alfabetizador e a LínguisticaProfessor alfabetizador e a Línguistica
Professor alfabetizador e a Línguistica
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de BiguaçuEncontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
 

Último

VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfbragamoysesaline
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Centro Jacques Delors
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxLucasFCapistrano
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 

Último (20)

VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 

Apresentação língua texto e ensino

  • 1. UMA REFLEXÃO SOB O PONTO DE VISTA DE: ALINE BUENO | DEUSLENE LEAL |ELI MARTINS |JULIANA ROQUE |NAYARA RAMOS LÍNGUA, TEXTO E ENSINO Outra escola possível Irandé Antunes
  • 2. CAPÍTULO 11 A LEITURA: DE OLHO NAS SUAS FUNÇÕES P. 185-206 Qual é a condição primordial para a leitura? Decifrar sinais gráficos Quais os problemas que impedem o bom êxito dessa tarefa?  Uso de livros inadequados  Falta de tempo para leitura  Fixação no ensino de gramática  Ensino descontextualizado
  • 3.  Ser leitor, no Brasil tem sido privilégio de classes mais favorecidas.  Esse déficit pode ter solução e depende de um conjunto de ações pelas quais somos todos responsáveis.  A falta de ações compromete o próprio desenvolvimento econômico. (é histórico)
  • 4. FUNÇÕES INDIVIDUAIS E SOCIAIS DA LEITURA Acesso ao conhecimento Produção de novos conhecimentos Continuidade e avanço de novas descobertas
  • 5. A LEITURA É FUNDAMENTAL APENAS NAS AULAS DE LÍNGUA ? As competências em leitura, compreensão e escrita não se restringem às aulas de línguas, pois o professor de qualquer disciplina apóia suas aulas em textos.
  • 6. A QUEM COMPETE AINDA DESENVOLVER O APREÇO À LEITURA ?  _Exclusivamente à escola, mas não se exclui a intervenção da família, dos meios de comunicação e outras associações.  _O termo exclusivamente, favoreceu a omissão de muitos, que poderiam ajudar nessa tarefa.  Falta aliança entre escola e família.
  • 7. QUE FOCO ESCOLHER PARA OS OBJETIVOS PEDAGÓGICOS ?  Ampliação de diferentes competências  Sírio Possenti sugere: Convém ao professor, para desenvolver competências, sondar, para identificar o que os alunos já sabem, o que ainda não sabem e o que precisam saber. Ao contrário, a escola tem se concentrado no que a criança já sabe e não no que falta saber.
  • 8. O QUE PRETENDEMOS COMPREENDER AQUI POR COMPETÊNCIA ?
  • 9. COMPETÊNCIA Aptidão para ligar os saberes que adquirem ao longo da vida às situações de experiência, a fim de, pelo recurso a esses saberes, vivenciar essas experiências de forma gratificante e eficaz.
  • 10. QUAL O PAPEL DA ESCOLA DIANTE DA BUSCA POR ESSA APTIDÃO ?  Ser suporte entre a articulação do saber já acumulado e as novas situações.  Desenvolver saberes e competências numa relação clara de inclusão e não de exclusão. O resultado seria: Uma escola que deixaria de estar centrada no conteúdo para capacitar o professor, que também deixaria de ser o dono do conhecimento e passaria a ser um mediador, motivador e direcionador do processo pedagógico.
  • 11. QUE COMPETÊNCIAS SÃO ESPERADAS PELO EXERCÍCIO DA LEITURA ?  Por que tanta ênfase na leitura ? _Para ter acesso à palavra escrita que: • Superou os limites da fala; • Possibilitou conhecer fatos, antes só narrados; • Permitiu a circulação mundial de ideias; • LEITURA E ESCRITA SE COMPLETAM
  • 12. A LEITURA FAVORECE O ACESSO A NOVAS INFORMAÇÕES  Amplia repertórios de informações;  Promove o livre acesso ao ininterrupto diálogo empreendido pelo homem;  Acesso à partilha do poder.
  • 13. QUAIS AS MUDANÇAS QUE DEVEM OCORRER?  A leitura deve deixar de ser exclusiva, a aulas de PORTUGUÊS;  Saber aproveitar melhor, todos os textos de todas as disciplinas, como fonte de informação. NOVA PROPOSTA: Fazer da leitura e da escrita interesse de ensino e pesquisa em todas as disciplinas.
  • 14. LEITURA É... A LENHA QUE ALIMENTA O FOGO DE NOSSAS BUSCAS  _É uma espécie de porta de entrada, uma via de acesso à palavra que se tornou pública, é uma oportunidade de sair do domínio do privado e de ultrapassar o mundo da interação face a face. É partilhar, é o encontro com a alteridade, onde se dá afirmação do EU.
  • 15. SIGNO VERBAL É INSUFICIENTE?  É cada vez maior a utilização de textos que conjugam sinais de diferentes linguagens que propiciam compreensão com resultados, que satisfazem.
  • 16. Quem lê muito, escreve bem A leitura é uma das condições que propiciam o acesso a escrita. COMO RELACIONAR LEITURA E ESCRITA?
  • 17. FALA X ESCRITA 1. Uso simultâneo de dois ou mais interlocutores. 2. Presença real daquilo a que nos referimos. 3. Uso de recursos não gráficos. 4. Frases soltas sem prejuízo de entendimento. 1. A recepção do material é adiando, falta a simultaneidade. 2. Leitor lê e relê. Autor elabora e reelabora. 3. Há de suprir com palavras. 4. Usar recursos coesivos
  • 18.  Apesar da convivência com textos escrito formais e pela análise das especificidades desses textos, é que alguém pode apreender os modos de formulação próprios da escrita formal.  Portanto a competência em escrita vem de uma prática constante, persistente, refletida no aprimoramento. (ANTUNES,2009 p. 199)
  • 19. A LEITURA FAVORECE O CONTATO COM A ARTE DA PALAVRA DEVE-SE PROPICIAR O CONTATO COM DIFERENTES GÊNEROS TEXTUAIS
  • 20. COMO VEM O GOSTO PELA LEITURA?  É aprendido por um estado de sedução, de fascínio, de encantamento. Um estado que precisa ser estimulado, exercitado, vivido. A QUEM COMPETE ESSA HABILIDADE?  À escola, que deve priorizar sem protelar.  Ao professor, que dá visibilidade ao ato de ler e apresenta o livro.  Aos demais órgãos e instituições.
  • 21. ONDE ESTÁ O SENTIDO DO TEXTO ?  Compreender os artefatos linguísticos é suficiente para entender o texto ?  Saber gramática é suficiente para saber ler com sucesso ? É preciso:  conhecimentos linguísticos;  conhecimentos textuais;  conhecimentos de mundo. O sentido de um texto não está apenas na superfície de sua estrutura, mas resulta de uma confluência de elementos que estão dentro e fora dele. (ANTUNES, 2009 p. 202)
  • 22. DE QUE LEITURA ESTAMOS FALANDO ? Leitura interacionista • Leitura plural • Leitura de dizer e fazer • Leitura de encontro
  • 23. A ESCOLA FRENTE A ESSAS CONCEPÇÕES Barreiras que encontraremos: • Concepções pedagógicas • Definição das prioridades • Seleção dos objetivos • Planejamento de leitura
  • 24. COMO FAZER COM QUE A ESCOLA SEJA O LUGAR DA LEITURA ?  Pelo estímulo a cultura de um livro  Pela diversidade de leituras  Pelos objetivos em aulas de leitura  Pelas frequências em leituras e análise de textos.  Pelo contato e gosto pela literatura.
  • 25. A LEITURA É:  Um projeto social inadiável  Uma conquista possível  Uma competência em permanente construção Uma porta de entrada para novos mundos, onde a autêntica e democrática construção humana pode acontecer com maior sucesso. (ANTUNES, 2009 p. 205)
  • 26. Podemos, ainda adiar esse projeto? A vida não gosta de esperar. Amanhã ninguém sabe No peito de um cantador Mais um canto sempre cabe. (Chico Buarque)
  • 27. BIBLIOGRAFIA:  ANTUNES, Irandé. A leitura: de olho nas suas funções. In: Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.