A crise do sistema colonial

448 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
448
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A crise do sistema colonial

  1. 1. A crise do sistema colonialRevoltas NativistasRevolta dos Irmãos BeckMan (1684) Companhia do Comércio de Maranhão se comprometera a cumprirdeterminado acordo em troca do monopólio do comércio da região do Maranhão,porém, sequer comprava parte da produção local, e ainda assim, a preços baixos. Diante dessas dificuldades, os grandes proprietários do Maranhão, lideradospelos irmãos BeckMan (Tomás e Manuel), rebelaram-se contra os abusos daCompanhia em 1684. Seus objetivos eram o fim do monopólio comercial e a liberdade deescravizar os índios. Os irmãos BeckMan foramenforcados e o movimento aniquilado. Seu objetivo principal, no entanto, acabou sendoatingido, pois o contrato comercial com a Companhia foi anulado.Guerra dos Emboabas (1707-1708)  Os habitantes da capitania de São Vicente, tendo sido os primeiros a descobrir a região das Minas Gerais, opunham-se à presença de estrangeiros na área, alegando seu direito de posse.  Para os paulistas, emboabas era um termo pejorativo para todos que não fossem da capitania vicentina.
  2. 2.  Os incidentes começaram em 1707, com o linchamento de um chefe paulista por estrangeiros. Um ano depois, os emboabas já haviam dominado grande parte da região das Minas.  Finalmente, a Coroa interviu, preocupada com a possível queda de produção aurífera devido aos conflitos, criando a capitania de São Paulo e das Minas do Ouro, distribuindo perdão geral. Guerra dos Mascastes (1710)  No início do século XVII, os senhores de engenho sofriam com a concorrência interna (Rio de Janeiro) e externa na produção de cana-de- açúcar. Além disso, o aumento do preço dos escravos. A consequência imediata foi o endividamento dos senhores de engenho com os comerciantes.  Tal endividamento, incorporado na rivalidade entre Olinda e Recife, acabou gerando o conflito entre comerciantes (em sua maioria, portugueses) e senhores de engenho. Os senhores de engenho exigiam a anulação do decreto de elevação de Recife a vila, o tabelamento dos escravos africanos, a não hipoteca das terras dos proprietários aos comerciantes e a permissão de comércio direto com ingleses e franceses.  No entanto, a Coroa portuguesa interviu e aniquilou a revolta, não só determinando, por fim, o status de vila a Recife, como a elevando a capital de Pernambuco.A Revolta de Vila Rica (1720)  A partir de 1710, a Coroa portuguesa passou a aumentar os impostos, o que corroborou com o aumento de contrabandos e maneiras de enganar a fiscalização.  Conscientes disso, os portugueses passaram a designar funcionários para fiscalizar as Câmaras e criou as Casas de Fundição para arrecadar os quintos.  Em 1720, um levante comandado por Filipe dos Santos tomou Vila Rica e apresentou as seguintes reivindicações: fechamento das Casas de Fundição, extinção do monopólio da Coroa sobre o sal e perdão aos rebeldes.  O governador da capitania comandou uma repressão violenta à revolta, que culminou no enforcamento de Filipe dos Santos.Guerras Guaraníticas (1752 a 1757)  Reação dos padres jesuítas espanhóis que não concordaram com o Tratado de Madri que cedia aos portugueses a região dos Sete Povos das Missões.  Após um combate sangrento entre índios, comandados pelos jesuítas, e portugueses, o Tratado de Santo Ildefonso e o Tratado de Badajoz reafirmarão a
  3. 3. configuração do Tratado de Madri, com a colônia de Sacramento sob controle daEspanha e Sete Povos das Missões sob controle de Portugal.

×