Trabalho feminino

25.948 visualizações

Publicada em

TRABALHO FEMININO ANTES E PÓS REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
25.948
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
602
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
208
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho feminino

  1. 1. Escola Estadual “José Alves Ribeiro” Disciplina: Sociologia Professora: Fátima Freitas Rochedo, 25 de Junho de 2012
  2. 2. TrabalhoFeminino!!!
  3. 3. A revolução industrial incorporou o trabalho da mulher nomundo da fábrica, separou o trabalho doméstico do trabalhoremunerado fora do lar. A mulher foi incorporadasubalternamente ao trabalho fabril. Em fases de ampliação daprodução se incorporava a mão de obra feminina junto àmasculina, nas fases de crise substituía-se o trabalho masculinopelo trabalho da mulher, porque o trabalho da mulher era maisbarato. As lutas entre homens e mulheres trabalhadoras estãopresentes em todo o processo da revolução industrial. Os homenssubstituídos pelas mulheres na produção fabril acusavam-nas deroubarem seus postos de trabalho.
  4. 4. A luta contra o sistema capitalista de produção apareciapermeada pela questão de gênero. A questão de gênero colocava-secomo um ponto de impasse na consciência de classe do trabalhador. Assim, nasceu a luta das mulheres por melhores condições detrabalho. Já no século XIX havia movimento de mulheresreivindicando direitos trabalhistas, igualdade de jornada de trabalhopara homens e mulheres e o direito de voto.
  5. 5. Ao ser incorporada ao mundo do trabalho fabril amulher passou a ter uma dupla jornada de trabalho. A elacabia cuidar da prole, dos afazeres domésticos e também dotrabalho remunerado. As mulheres pobres sempre trabalharam. A remuneraçãodo trabalho da mulher sempre foi inferior ao do homem. A dificuldade de cuidar da prole levou as mulheres areivindicarem por escolas, creches e pelo direito damaternidade.
  6. 6. O trabalho feminino após a SegundaGuerra Mundial !
  7. 7. Após a Segunda Guerra Mundial, as mulherescomeçaram a ocupar os lugares de trabalho deixados vagospelos homens. Houve uma expansão da economia, o que melhorou, demaneira considerável, o trabalho feminino. Algunsestudiosos consideram que, com o fim da Segunda Guerra,a presença da mulher, no mercado de trabalho, aumentou. Nos países socialistas, esse crescimento chegou a atingir46% do total da mão de obra que estava disponível nomercado de trabalho.
  8. 8. As mulheres se concentraram, em maior parte, nos setores emque já haviam trabalhado, como as indústrias. Devido à mecanização do setor primário, ou seja, da agricultura,ocorreu uma diminuição do trabalho feminino no setor agrícola. E com as transformações na vida privada, diminuiu, também, ataxa de mulheres que trabalhavam como domésticas. O número de mulheres presentes na indústria se manteve estável,porém, algumas áreas sofreram alterações. No setor têxtil, por exemplo, houve uma queda da taxa demulheres trabalhadoras devido à substituição das operárias por“operários qualificados”. No ramo da confecção e da alimentação, entretanto, as mulherescontinuaram dominando.
  9. 9. No final dos anos 60, o setor industrial ganhou umamaior participação de “operárias qualificadas”. Na Europa Ocidental, havia mais mulheres no setor deadministração do que homens. Porém, por conta dessa “feminização”, esse tipo detrabalho foi perdendo seu prestígio social e começou a sermal-remunerado. Os empregos de enfermeira, telefonista, cabeleireira,tintureira, etc. foram também dominados pelas mulheres.Na área do ensino, houve forte presença feminina,principalmente no nível fundamental.
  10. 10. A segregação sexual não desapareceu do mercadode trabalho. As mulheres ainda ocupavam categorias inferiores. O que ocorreu após a Segunda Guerra Mundialfoi uma redefinição da divisão do trabalho entremulheres e homens.
  11. 11. Trabalhoatual !!!
  12. 12. Antigamente mulher era apenas vista como um mero sercujo papel era basicamente o de geradora de filhos. Para isso, tinha de se desprender do papel de esposa e,então, exercer a função de cuidadora das pessoas e do lar emque estava inserida. Hoje, a sociedade exige da mulher vários papéis. Cuidar dacasa deixou de ser o único afazer de quem, hoje, precisa dividiro tempo entre o ser mãe e ser profissional. Todas as atividades, entretanto, precisam ser executadas comperfeição - coisa que quase não é reconhecida diariamente porquem está ao seu redor, sobretudo os filhos.
  13. 13. Duração e condições do trabalho da mulher !
  14. 14. O artigo 5º da Constituição preceitua que todos são iguaisperante a lei e que não deve haver distinção de qualquer natureza. O inciso XXX do artigo 7º proíbe diferença de exercício defunções, de critérios de admissão e de salários, por motivo de sexo.    Diante disso, a legislação ou o poder executivo não pode criarrestrições ao trabalho da mulher. Neste sentido, em relação a jornada de trabalho, considerandoa hora extra, a compensação de horas ou o trabalhonoturno as regras são as mesmas aplicadas ao homens, comexceção do trabalho da gestante e da lactante como será visto maisadiante.
  15. 15.  Salário
  16. 16.  O salário deve ser o mesmo para funções de mesmacomplexidade e extensão exercidas por homens oumulheres.  Os direitos iguais em relação ao salário de homens emulheres que a constituição garante são: saláriomínimo, piso salarial, salário irredutível(salvo acordo ou convenção coletiva),garantia da salário nunca inferior ao mínimopara os que percebem remuneração variável.
  17. 17. Jornada
  18. 18. Duração máxima do trabalho de 8 horas diárias e 44horas semanais, podendo a jornada ser diminuída,mediante acordo individual ou coletivo, ou aumentada, paraefeito de prorrogação (hora extra) ou compensação. A hora extra poderá ser prorrogada por no máximo 2(duas) horas por jornada, com acréscimo de, nomínimo 50% (cinquenta por cento) sobre a horanormal. A exceção a esta regra é a hora extra trabalhada por motivode força maior (catástrofe, por exemplo) onde não há limite deprorrogação; outra possibilidade de exceção é o trabalho emserviços inadiáveis onde a jornada de trabalho pode serprolongada por até 4 (quatro) horas.
  19. 19. Quanto ao trabalho noturno, a partir das 22 horasaté às 05 horas do dia seguinte a jornada trabalhadadeverá ser acrescida de 25% (vinte e cinco por cento)sobre a hora normal, considerando, neste período, 01(uma) hora como de 52 minutos e trintasegundos.
  20. 20. Em suma, os itens em que o trabalho da mulher passou a ter o mesmo tratamento do masculino:• Horas extras• Trabalho Noturno• Serviços inadiáveis• Força maior
  21. 21. 0.o
  22. 22. Alunos:Carlos Henrique Izabela Mariano Jefiter Werington Leonardo RezendeLarissa Lucena Weslley Lucas 3º Ano “A”

×