SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 52
Baixar para ler offline
SE VIREM NOS 40  http://profmariodemori.blogspot.com/
01 : FATORES DOS CLIMAS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
02: MASSAS DE AR NO BRASIL
MASSAS DE AR ATUANTES NO BRASIL  Denominação Centro de origem Características ou qualidades Área de atuação mEc Equatorial continental Noroeste da Amazônia Quente e úmida Amazônia ocidental e, no verão as demais regiões do Brasil; provoca chuvas. mEa Equatorial atlântica Atlântico norte no anticiclone dos Açores Quente e úmida Forma os ventos alisios de nordeste; atua principalmente no litoral das regiões N e NE, na primavera e verão. mTa Tropical atlântica Atlântico sul, próximo ao Trópico de Capricórnio, no anticiclone de Sta. Helena Quente e  úmida Forma os ventos alísios de sudeste. Atua nos litorais do NE, SE e S; provoca chuvas frontais de inverno, pois aí se encontra com a mPa; no SE, chuvas de relevo, em contato com a Serra do Mar; atua o ano todo.
MASSAS DE AR QUE ATUAM NO BRASIL  Denominação Centro de origem Características ou qualidades Área de atuação mTc Tropical continental Depressão do Chaco (prolongamento do Pantanal em território Boliviano e paraguaio) Quente e seca Na primavera-verão encontra-se com a mEc, provocando chuvas; no outono inverno, encontra-se com a mPa, ocorrendo baixo índice pluviométrico. mPa Polar atlântica Atlântico sul, não longe do litoral da Patagônia (Argentina) Fria e seca (no início é  fria e úmida) Regiões S e Se com maior intensidade. Atinge o litoral do NE, onde, encontrando-se com mTa, provoca chuvas no inverno; atinge a Amazônia, provocando quedas de temperaturas.
03: VENTOS PLANETÁRIOS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
04: VENTOS PERIÓDICOS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
05: AÇÕES EL NINO
06: LA NINA
07: TIPOS DE CLIMA NO MUNDO
08: DOMÍNIOS CLIMÁTICOS  ,[object Object]
09: DOMÍNIOS CLIMÁTICOS ,[object Object]
10. CLIMA POLAR # Invernos extremamente frios e bastante longos  # Inexistência de Verão # Amplitudes térmicas anuais elevadíssimas  # só existe, na prática, uma estação: a fria  # o recorde da temperatura mais baixa registrada - na Antártida - é de quase -90C
 
11. CLIMA SUBPOLAR - Este tipo de clima também é conhecido por clima frio continental;  - Invernos muito frios e longos, com temperaturas médias mensais negativas, podendo atingir, nos meses mais frios, valores inferiores a -20C (no exemplo, existem 7 meses com temperaturas médias abaixo de 0C , e a temperatura média anual é de aproximadamente -5C); - Verões muito curtos e pouco quentes, com temperaturas médias mensais que raramente atingem os 18C; - Amplitudes térmicas anuais muito elevadas (no exemplo, a amplitude térmica ultrapassa os 30C); - Poucas precipitações e concentradas, em grande parte, no curto período de Verão.
 
12. CLIMA TEMPERADO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Temperado Marítimo
13. Temperado Continental ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
14. CLIMA MEDITERRÂNEO - Verões quentes, longos, secos e luminosos e Invernos suaves;  - Amplitudes térmicas anuais moderadas, fica próxima dos 15ºC. A média do mês mais quente é superior a 20ºC, por sua vez, a média do mês mais frio nunca é inferior a 0ºC. A Temperatura Média Anual também é próxima dos 15ºC;  - Chuvas relativamente escassas e irregulares, concentradas sobretudo no Outono e no Inverno sendo a precipitação de origem frontal (associada à passagem das frentes);  - Quatro estações bem marcadas e distintas (Primavera, Verão, Outono e Inverno);  raca nebulosidade. Mesmo no Inverno, registam-se longos períodos de céu limpo e brilhante;  - Tem período seco no Verão.
15. CLIMA TROPICAL
16. CLIMA EQUATORIAL ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
CLIMA EQUATORIAL
17. CLIMA DESÉRTICO ,[object Object],[object Object],[object Object]
 
18. CLIMA  SEMI-ÁRIDO
19. CLIMA DE ALTITUDE - Está presente nas regiões de altas montanhas e de planaltos elevados  - Precipitação abundante, ocorrendo em todos os meses do ano, normalmente, sob a forma de neve; - Invernos muito frios. A temperatura, durante o Inverno, regista valores negativos; - Verão: curto e fresco. A temperatura raramente vai além dos 12ºC; - Amplitude térmica anual pode ir de fraca a moderada.
 
20. BRASIL
21. CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA DE KOPPEN  A classificação de  Köppen  baseia-se fundamentalmente na temperatura, na precipitação e na distribuição de valores de temperatura e precipitação durante as estações do ano. Significado das letras:   1 a  letra 2 a  letra 3 a  letra A  = clima quente e úmido f  = sempre úmido h  = quente B  = clima árido ou semi-árido m  = monçonico (com pequena estação seca) a  = verões quentes C  = clima subtropical ou temperado s  = chuvas de inverno b  = verões brandos   w  = chuvas de verão  
22. KOPPEN E O BRASIL    Denominação Área de Ocorrência Características Am  (equatorial) Maior parte da Amazônia Temperaturas elevadas: médias entre 25ºC e 27ºC. Pluviosidade elevada: médias de 1.500 a 2.500 mm/ano. Aw  (tropical) Brasil Central; parte de Minas Gerais e da Bahia Temperatura média entre 19ºC e 28ºC, pluviosidade média inferior a 2000 mm/ano. Duas estações bem definidas: o verão (chuvoso) e o inverno (seco). Bsh  (semi-árido) Sertão do Nordeste Médias anuais térmicas superiores a 25ºC. Pluviosidade média anual inferior a 1000 mm/ano com chuvas irregulares.  Cwa  (tropical de altitude) Partes do Sudeste e sul do Mato Grosso do Sul. Médias térmicas entre 19ºC e 27ºC.  Pluviosidade média de 1500 mm/ano; chuvas de verão. Cf  (subtropical) Sul do País Médias térmicas entre 17ºC e 19ºC. Pluviosidade média de 1500 mm/ano; chuvas bem distribuídas.
23. BIOMAS
Regiões polares Tundra Taiga Florestas temperadas Pradaria  Desertos  Savana  Mediterrâneo  Florestas tropicais 24. OS BIOMAS TERRESTRES
[object Object]
26 . Tundra ,[object Object]
Tundra Pólo ártico (norte): norte do Canadá, da Europa e da Ásia.
Tundra Vegetação de musgos e líquens ao norte e  de pequenos arbustos ao sul. Há neve todo o ano com exceção de 3 meses,  nos quais a temperatura não se eleva acima dos 10° C. Clima polar. O solo mais profundo permanece congelado todo o ano. A água aproveitável pelas plantas é fator limitante. É um bioma relativamente recente.
27 . Taiga Presente na América do Norte, na Europa e na Ásia.
28 . Taiga (Florestas de Coníferas) ,[object Object]
29. Florestas temperadas  É uma floresta constituída por árvores de  folha caduca , como os carvalhos, castanheiros e faias. É conhecida pela  floresta caducifólica. As raposas e as corujas são animais característicos destas zonas. No Verão ocorre algumas chuvas e o Inverno, pouco frio mas com chuva abundante.
29 . Floresta temperada caducifólia ,[object Object]
[object Object]
30 . Floresta Tropical  ,[object Object],[object Object]
As elevadas temperaturas, a forte umidade do ar e a abundância de precipitações, explicam o extraordinário desenvolvimento da vegetação nas regiões equatoriais.  É uma floresta muito densa e as plantas crescem umas por cima das outras existindo entre elas uma grande competição pela luz, pois é-lhes indispensável para a fotossíntese. A vegetação é estratificada,  Ou seja há vários estratos ou  andares, e em cada um deles  determinadas espécies  predominam. As árvores têm normalmente  cerca de 40 metros de altura,  mas podem chegar até aos  60 metros. 31 . FLORESTA EQUATORIAL  www.geocities.com
[object Object],[object Object]
32 . Savana ,[object Object]
[object Object]
33 . Pradaria  ,[object Object]
34 . Deserto ,[object Object]
O clima de altitude é muito peculiar. De um modo geral, as plantas e os animais, necessitam de adaptação a este tipo de clima.  No clima de altitude, se encontram espécies adaptadas a temperaturas baixas, a pouca pressão atmosférica, a pouca quantidade de oxigênio e de CO2 (que é indispensável à fotossíntese) e a pouca proteção de raios UV. a vegetação dos climas de altitude, independentemente da região do Mundo, vai rareando conforma a altitude vai aumentando, de modo que em locais de "neves perpétuas", não se encontram praticamente nenhum ser vivo (tal como nas latitudes muito elevadas - perto dos 900). 35 . Vegetação de altitude www.geocities.com
A floresta mediterrânea é uma formação vegetal predominantemente de folha persistente e, por isso, sempre verde.  É constituída por árvores mais ou menos espaçadas entre si, que permite entre esses espaços, o desenvolvimento de um estrato arbustivo mais ou menos denso e também de folha persistente.  36 . Floresta Mediterrânea A distribuição do clima mediterrâneo e do seu bioma não se confina exclusivamente à área mediterrânea, sendo as principais áreas abrangidas, não só toda a bacia do Mediterrâneo, como também a Califórnia, o centro do Chile, o Sul da África do Sul e o sul da Austrália  www.geocities.com
37 À 40 . DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

A Diversidade Dos Climas No Nosso Planeta
A Diversidade Dos Climas No Nosso PlanetaA Diversidade Dos Climas No Nosso Planeta
A Diversidade Dos Climas No Nosso Planeta
 
Aula sobre climas do Brasil concurso IBGE - Prof Rafael Gatto
Aula sobre climas do Brasil concurso IBGE - Prof Rafael GattoAula sobre climas do Brasil concurso IBGE - Prof Rafael Gatto
Aula sobre climas do Brasil concurso IBGE - Prof Rafael Gatto
 
Tipos de clima
Tipos de clima  Tipos de clima
Tipos de clima
 
Clima Em Portugal
Clima Em PortugalClima Em Portugal
Clima Em Portugal
 
Geografia do Brasil - Climas - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - Climas - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gondim.net]Geografia do Brasil - Climas - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - Climas - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gondim.net]
 
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - Clima
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Climas do mundo
Climas do mundoClimas do mundo
Climas do mundo
 
Brasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e climaBrasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e clima
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Climas do mundo
Climas do mundoClimas do mundo
Climas do mundo
 
Tipos de clima
Tipos de climaTipos de clima
Tipos de clima
 
Tipos de clima
Tipos de climaTipos de clima
Tipos de clima
 
Brasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e climaBrasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e clima
 
Atmosfera clima (parte 2)
Atmosfera   clima (parte 2)Atmosfera   clima (parte 2)
Atmosfera clima (parte 2)
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
 
O CLIMA DO BRASIL 2018
O CLIMA DO BRASIL 2018O CLIMA DO BRASIL 2018
O CLIMA DO BRASIL 2018
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Os climas da terra
Os climas da terraOs climas da terra
Os climas da terra
 

Destaque

Racismo da torcida peruana contra o Tinga do cruzeiro.pptx
Racismo da torcida peruana contra o Tinga do cruzeiro.pptxRacismo da torcida peruana contra o Tinga do cruzeiro.pptx
Racismo da torcida peruana contra o Tinga do cruzeiro.pptxJeferson S. J.
 
Séries de pagamentos 3.pdf
Séries de pagamentos 3.pdfSéries de pagamentos 3.pdf
Séries de pagamentos 3.pdfJeferson S. J.
 
Unae cuadro comparativo
Unae cuadro comparativoUnae cuadro comparativo
Unae cuadro comparativoKaren Yagual
 
E learning africa version 23.05.2013
E learning africa version 23.05.2013E learning africa version 23.05.2013
E learning africa version 23.05.2013Mehmet Korkmaz
 
Prova internet-pss-ii-2010
Prova internet-pss-ii-2010Prova internet-pss-ii-2010
Prova internet-pss-ii-2010Lucas Ferreira
 
GEOGRAFIA - CADERNO DE PROVAS
GEOGRAFIA - CADERNO DE PROVASGEOGRAFIA - CADERNO DE PROVAS
GEOGRAFIA - CADERNO DE PROVASPortal NE10
 
Aula europa 10-08-2012_europa_oceanica
Aula europa 10-08-2012_europa_oceanicaAula europa 10-08-2012_europa_oceanica
Aula europa 10-08-2012_europa_oceanicaAntonio Pessoa
 
Aula oriente médio_30-05-2012_parte-3
Aula oriente médio_30-05-2012_parte-3Aula oriente médio_30-05-2012_parte-3
Aula oriente médio_30-05-2012_parte-3Antonio Pessoa
 
8º ano (cap. 5). áfrica do norte
8º ano (cap. 5). áfrica do norte8º ano (cap. 5). áfrica do norte
8º ano (cap. 5). áfrica do norteAlexandre Alves
 
4ºESO La primavera árabe
4ºESO La primavera árabe4ºESO La primavera árabe
4ºESO La primavera árabeGeohistoria23
 
Norte de áfrica
Norte de áfricaNorte de áfrica
Norte de áfricadaniela159
 
Aula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabeAula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabeNilberte Correia
 
Primavera arabe
Primavera arabePrimavera arabe
Primavera arabeAthos
 

Destaque (20)

Racismo da torcida peruana contra o Tinga do cruzeiro.pptx
Racismo da torcida peruana contra o Tinga do cruzeiro.pptxRacismo da torcida peruana contra o Tinga do cruzeiro.pptx
Racismo da torcida peruana contra o Tinga do cruzeiro.pptx
 
Séries de pagamentos 3.pdf
Séries de pagamentos 3.pdfSéries de pagamentos 3.pdf
Séries de pagamentos 3.pdf
 
Unae cuadro comparativo
Unae cuadro comparativoUnae cuadro comparativo
Unae cuadro comparativo
 
Primavera árabe 2013
Primavera árabe 2013Primavera árabe 2013
Primavera árabe 2013
 
E learning africa version 23.05.2013
E learning africa version 23.05.2013E learning africa version 23.05.2013
E learning africa version 23.05.2013
 
Primavera árabe.PDF
Primavera árabe.PDFPrimavera árabe.PDF
Primavera árabe.PDF
 
Prova internet-pss-ii-2010
Prova internet-pss-ii-2010Prova internet-pss-ii-2010
Prova internet-pss-ii-2010
 
Primavera árabe
Primavera árabePrimavera árabe
Primavera árabe
 
Primavera Árabe
Primavera ÁrabePrimavera Árabe
Primavera Árabe
 
Primavera arabe
Primavera arabePrimavera arabe
Primavera arabe
 
GEOGRAFIA - CADERNO DE PROVAS
GEOGRAFIA - CADERNO DE PROVASGEOGRAFIA - CADERNO DE PROVAS
GEOGRAFIA - CADERNO DE PROVAS
 
Aula europa 10-08-2012_europa_oceanica
Aula europa 10-08-2012_europa_oceanicaAula europa 10-08-2012_europa_oceanica
Aula europa 10-08-2012_europa_oceanica
 
Monções asiáticas
Monções asiáticasMonções asiáticas
Monções asiáticas
 
aSia de monções
aSia de monçõesaSia de monções
aSia de monções
 
Aula oriente médio_30-05-2012_parte-3
Aula oriente médio_30-05-2012_parte-3Aula oriente médio_30-05-2012_parte-3
Aula oriente médio_30-05-2012_parte-3
 
8º ano (cap. 5). áfrica do norte
8º ano (cap. 5). áfrica do norte8º ano (cap. 5). áfrica do norte
8º ano (cap. 5). áfrica do norte
 
4ºESO La primavera árabe
4ºESO La primavera árabe4ºESO La primavera árabe
4ºESO La primavera árabe
 
Norte de áfrica
Norte de áfricaNorte de áfrica
Norte de áfrica
 
Aula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabeAula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabe
 
Primavera arabe
Primavera arabePrimavera arabe
Primavera arabe
 

Semelhante a Fatores dos Climas e suas Massas de Ar

Semelhante a Fatores dos Climas e suas Massas de Ar (20)

1 biomas
1   biomas1   biomas
1 biomas
 
Tipos de Clima
Tipos de ClimaTipos de Clima
Tipos de Clima
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Massa de ar
Massa de arMassa de ar
Massa de ar
 
CLIMARE
CLIMARECLIMARE
CLIMARE
 
Climatologia do brasil
Climatologia do brasilClimatologia do brasil
Climatologia do brasil
 
Climatologia do brasil
Climatologia do brasilClimatologia do brasil
Climatologia do brasil
 
Características dos Climas Mundiais
Características dos Climas MundiaisCaracterísticas dos Climas Mundiais
Características dos Climas Mundiais
 
Brasil massas de ar e clima
Brasil massas de ar e climaBrasil massas de ar e clima
Brasil massas de ar e clima
 
Clima brasileiro
Clima brasileiroClima brasileiro
Clima brasileiro
 
Brasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e climaBrasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e clima
 
climas do brasil e seus respectivos biomas
climas do brasil e seus respectivos biomasclimas do brasil e seus respectivos biomas
climas do brasil e seus respectivos biomas
 
Clima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetaçãoClima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetação
 
Clima e regioes subtropical e outros
Clima e regioes subtropical e outrosClima e regioes subtropical e outros
Clima e regioes subtropical e outros
 
Trabalho sobre os climas temperados e frios
Trabalho sobre os climas temperados e friosTrabalho sobre os climas temperados e frios
Trabalho sobre os climas temperados e frios
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Tipos de Clima
Tipos de ClimaTipos de Clima
Tipos de Clima
 
Climas do planeta.pptx
Climas do planeta.pptxClimas do planeta.pptx
Climas do planeta.pptx
 
Análise Projetual: Casa em Maiorca
Análise Projetual: Casa em MaiorcaAnálise Projetual: Casa em Maiorca
Análise Projetual: Casa em Maiorca
 

Mais de ProfMario De Mori

100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM
100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM
100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEMProfMario De Mori
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS ProfMario De Mori
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS ProfMario De Mori
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS ProfMario De Mori
 
Aula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anosAula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anosProfMario De Mori
 
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE ProfMario De Mori
 
Aula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosAula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosProfMario De Mori
 
Aula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosAula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosProfMario De Mori
 
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE ProfMario De Mori
 

Mais de ProfMario De Mori (20)

100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM
100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM
100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS
 
100 DICAS ENEM PARTE 11
100 DICAS ENEM PARTE 11100 DICAS ENEM PARTE 11
100 DICAS ENEM PARTE 11
 
100 DICAS ENEM PARTE 10
100 DICAS ENEM PARTE 10100 DICAS ENEM PARTE 10
100 DICAS ENEM PARTE 10
 
100 DICAS ENEM PARTE 09
100 DICAS ENEM PARTE 09100 DICAS ENEM PARTE 09
100 DICAS ENEM PARTE 09
 
100 DICAS ENEM PARTE 08
100 DICAS ENEM PARTE 08100 DICAS ENEM PARTE 08
100 DICAS ENEM PARTE 08
 
100 DICAS ENEM PARTE 07
100 DICAS ENEM PARTE 07100 DICAS ENEM PARTE 07
100 DICAS ENEM PARTE 07
 
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
 
100 DICAS ENEM PARTE 05
100 DICAS ENEM PARTE 05100 DICAS ENEM PARTE 05
100 DICAS ENEM PARTE 05
 
100 DICAS ENEM PARTE 04
100 DICAS ENEM PARTE 04100 DICAS ENEM PARTE 04
100 DICAS ENEM PARTE 04
 
100 DICAS ENEM PARTE 03
100 DICAS ENEM PARTE 03100 DICAS ENEM PARTE 03
100 DICAS ENEM PARTE 03
 
100 DICAS ENEM PARTE 02
100 DICAS ENEM PARTE 02100 DICAS ENEM PARTE 02
100 DICAS ENEM PARTE 02
 
100 DICAS ENEM PARTE 01
100 DICAS ENEM PARTE 01100 DICAS ENEM PARTE 01
100 DICAS ENEM PARTE 01
 
Aula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anosAula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anos
 
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE
 
Aula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosAula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anos
 
Aula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosAula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anos
 
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE
 

Último

Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 

Último (20)

Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 

Fatores dos Climas e suas Massas de Ar

  • 1. SE VIREM NOS 40 http://profmariodemori.blogspot.com/
  • 2.
  • 3. 02: MASSAS DE AR NO BRASIL
  • 4. MASSAS DE AR ATUANTES NO BRASIL Denominação Centro de origem Características ou qualidades Área de atuação mEc Equatorial continental Noroeste da Amazônia Quente e úmida Amazônia ocidental e, no verão as demais regiões do Brasil; provoca chuvas. mEa Equatorial atlântica Atlântico norte no anticiclone dos Açores Quente e úmida Forma os ventos alisios de nordeste; atua principalmente no litoral das regiões N e NE, na primavera e verão. mTa Tropical atlântica Atlântico sul, próximo ao Trópico de Capricórnio, no anticiclone de Sta. Helena Quente e úmida Forma os ventos alísios de sudeste. Atua nos litorais do NE, SE e S; provoca chuvas frontais de inverno, pois aí se encontra com a mPa; no SE, chuvas de relevo, em contato com a Serra do Mar; atua o ano todo.
  • 5. MASSAS DE AR QUE ATUAM NO BRASIL Denominação Centro de origem Características ou qualidades Área de atuação mTc Tropical continental Depressão do Chaco (prolongamento do Pantanal em território Boliviano e paraguaio) Quente e seca Na primavera-verão encontra-se com a mEc, provocando chuvas; no outono inverno, encontra-se com a mPa, ocorrendo baixo índice pluviométrico. mPa Polar atlântica Atlântico sul, não longe do litoral da Patagônia (Argentina) Fria e seca (no início é fria e úmida) Regiões S e Se com maior intensidade. Atinge o litoral do NE, onde, encontrando-se com mTa, provoca chuvas no inverno; atinge a Amazônia, provocando quedas de temperaturas.
  • 6.
  • 7.
  • 10. 07: TIPOS DE CLIMA NO MUNDO
  • 11.
  • 12.
  • 13. 10. CLIMA POLAR # Invernos extremamente frios e bastante longos # Inexistência de Verão # Amplitudes térmicas anuais elevadíssimas # só existe, na prática, uma estação: a fria # o recorde da temperatura mais baixa registrada - na Antártida - é de quase -90C
  • 14.  
  • 15. 11. CLIMA SUBPOLAR - Este tipo de clima também é conhecido por clima frio continental; - Invernos muito frios e longos, com temperaturas médias mensais negativas, podendo atingir, nos meses mais frios, valores inferiores a -20C (no exemplo, existem 7 meses com temperaturas médias abaixo de 0C , e a temperatura média anual é de aproximadamente -5C); - Verões muito curtos e pouco quentes, com temperaturas médias mensais que raramente atingem os 18C; - Amplitudes térmicas anuais muito elevadas (no exemplo, a amplitude térmica ultrapassa os 30C); - Poucas precipitações e concentradas, em grande parte, no curto período de Verão.
  • 16.  
  • 17.
  • 18.
  • 19. 14. CLIMA MEDITERRÂNEO - Verões quentes, longos, secos e luminosos e Invernos suaves; - Amplitudes térmicas anuais moderadas, fica próxima dos 15ºC. A média do mês mais quente é superior a 20ºC, por sua vez, a média do mês mais frio nunca é inferior a 0ºC. A Temperatura Média Anual também é próxima dos 15ºC; - Chuvas relativamente escassas e irregulares, concentradas sobretudo no Outono e no Inverno sendo a precipitação de origem frontal (associada à passagem das frentes); - Quatro estações bem marcadas e distintas (Primavera, Verão, Outono e Inverno); raca nebulosidade. Mesmo no Inverno, registam-se longos períodos de céu limpo e brilhante; - Tem período seco no Verão.
  • 21.
  • 23.
  • 24.  
  • 25. 18. CLIMA SEMI-ÁRIDO
  • 26. 19. CLIMA DE ALTITUDE - Está presente nas regiões de altas montanhas e de planaltos elevados - Precipitação abundante, ocorrendo em todos os meses do ano, normalmente, sob a forma de neve; - Invernos muito frios. A temperatura, durante o Inverno, regista valores negativos; - Verão: curto e fresco. A temperatura raramente vai além dos 12ºC; - Amplitude térmica anual pode ir de fraca a moderada.
  • 27.  
  • 29. 21. CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA DE KOPPEN A classificação de Köppen baseia-se fundamentalmente na temperatura, na precipitação e na distribuição de valores de temperatura e precipitação durante as estações do ano. Significado das letras:   1 a letra 2 a letra 3 a letra A = clima quente e úmido f = sempre úmido h = quente B = clima árido ou semi-árido m = monçonico (com pequena estação seca) a = verões quentes C = clima subtropical ou temperado s = chuvas de inverno b = verões brandos   w = chuvas de verão  
  • 30. 22. KOPPEN E O BRASIL   Denominação Área de Ocorrência Características Am (equatorial) Maior parte da Amazônia Temperaturas elevadas: médias entre 25ºC e 27ºC. Pluviosidade elevada: médias de 1.500 a 2.500 mm/ano. Aw (tropical) Brasil Central; parte de Minas Gerais e da Bahia Temperatura média entre 19ºC e 28ºC, pluviosidade média inferior a 2000 mm/ano. Duas estações bem definidas: o verão (chuvoso) e o inverno (seco). Bsh (semi-árido) Sertão do Nordeste Médias anuais térmicas superiores a 25ºC. Pluviosidade média anual inferior a 1000 mm/ano com chuvas irregulares. Cwa (tropical de altitude) Partes do Sudeste e sul do Mato Grosso do Sul. Médias térmicas entre 19ºC e 27ºC. Pluviosidade média de 1500 mm/ano; chuvas de verão. Cf (subtropical) Sul do País Médias térmicas entre 17ºC e 19ºC. Pluviosidade média de 1500 mm/ano; chuvas bem distribuídas.
  • 32. Regiões polares Tundra Taiga Florestas temperadas Pradaria Desertos Savana Mediterrâneo Florestas tropicais 24. OS BIOMAS TERRESTRES
  • 33.
  • 34.
  • 35. Tundra Pólo ártico (norte): norte do Canadá, da Europa e da Ásia.
  • 36. Tundra Vegetação de musgos e líquens ao norte e de pequenos arbustos ao sul. Há neve todo o ano com exceção de 3 meses, nos quais a temperatura não se eleva acima dos 10° C. Clima polar. O solo mais profundo permanece congelado todo o ano. A água aproveitável pelas plantas é fator limitante. É um bioma relativamente recente.
  • 37. 27 . Taiga Presente na América do Norte, na Europa e na Ásia.
  • 38.
  • 39. 29. Florestas temperadas É uma floresta constituída por árvores de folha caduca , como os carvalhos, castanheiros e faias. É conhecida pela floresta caducifólica. As raposas e as corujas são animais característicos destas zonas. No Verão ocorre algumas chuvas e o Inverno, pouco frio mas com chuva abundante.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43. As elevadas temperaturas, a forte umidade do ar e a abundância de precipitações, explicam o extraordinário desenvolvimento da vegetação nas regiões equatoriais. É uma floresta muito densa e as plantas crescem umas por cima das outras existindo entre elas uma grande competição pela luz, pois é-lhes indispensável para a fotossíntese. A vegetação é estratificada, Ou seja há vários estratos ou andares, e em cada um deles determinadas espécies predominam. As árvores têm normalmente cerca de 40 metros de altura, mas podem chegar até aos 60 metros. 31 . FLORESTA EQUATORIAL www.geocities.com
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49. O clima de altitude é muito peculiar. De um modo geral, as plantas e os animais, necessitam de adaptação a este tipo de clima. No clima de altitude, se encontram espécies adaptadas a temperaturas baixas, a pouca pressão atmosférica, a pouca quantidade de oxigênio e de CO2 (que é indispensável à fotossíntese) e a pouca proteção de raios UV. a vegetação dos climas de altitude, independentemente da região do Mundo, vai rareando conforma a altitude vai aumentando, de modo que em locais de "neves perpétuas", não se encontram praticamente nenhum ser vivo (tal como nas latitudes muito elevadas - perto dos 900). 35 . Vegetação de altitude www.geocities.com
  • 50. A floresta mediterrânea é uma formação vegetal predominantemente de folha persistente e, por isso, sempre verde. É constituída por árvores mais ou menos espaçadas entre si, que permite entre esses espaços, o desenvolvimento de um estrato arbustivo mais ou menos denso e também de folha persistente. 36 . Floresta Mediterrânea A distribuição do clima mediterrâneo e do seu bioma não se confina exclusivamente à área mediterrânea, sendo as principais áreas abrangidas, não só toda a bacia do Mediterrâneo, como também a Califórnia, o centro do Chile, o Sul da África do Sul e o sul da Austrália www.geocities.com
  • 51. 37 À 40 . DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL
  • 52.