História
Profº Mariano Rubio
O ESTADO MODERNO E O
ABSOLUTISMO MONÁRQUICO
No final da Idade Média o feudalismo entrou em uma
profunda crise. A guerra, a fome e a peste
desestruturaram a sociedade...
Características do Estado Moderno
 Centralização administrativa: o rei passou a controlar todas as decisões
importantes d...
Teóricos do Absolutismo
 Nicolau Maquiavel (1469-1527): Sua obra mais conhecida “O Príncipe”, foi escrita para a
educação...
História o estado moderno e o absolutismo monárquico
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

História o estado moderno e o absolutismo monárquico

2.076 visualizações

Publicada em

Publicada em: Meio ambiente
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

História o estado moderno e o absolutismo monárquico

  1. 1. História Profº Mariano Rubio
  2. 2. O ESTADO MODERNO E O ABSOLUTISMO MONÁRQUICO
  3. 3. No final da Idade Média o feudalismo entrou em uma profunda crise. A guerra, a fome e a peste desestruturaram a sociedade e a economia. Nesse contexto, a burguesia, interessada no desenvolvimento do comércio (eliminação dos entraves feudais, unificação da moeda e do sistema de pesos e medidas), apoiou o processo de centralização monárquica financiando os exércitos nacionais. No rastro das guerras surgiram Estados fortes nos quais surgiram soberanos absolutistas. Os principais Estados Nacionais modernos foram França, Inglaterra, Portugal e Espanha.
  4. 4. Características do Estado Moderno  Centralização administrativa: o rei passou a controlar todas as decisões importantes do Estado.  Soberania: o rei é soberano nas atitudes relativas ao Estado que governa,substituindo o conceito feudal de suserania.  Burocracia: o rei era auxiliado na administração do Estado por um amplo funcionalismo.  Exército nacional: veio substituir a cavalaria feudal para impor as vontades do rei e garantir a integridade do território do Estado, assim como fazer guerras contra Estados vizinhos ou senhores insubordinados.  Delimitação fronteiriça: o rei precisava saber até onde poderia exercer o seu poder.  Tributação: somente o Estado poderia cobrar impostos da população.  Exercício da violência: o Estado tomou para si o direito de fazer justiça, reprimindo as formas tradicionais e pessoais de justiçamento (“fazer justiça com as próprias mãos”).  Uniformização do sistema de pesos e medidas: visava facilitar as trocas comerciais, favorecendo o desenvolvimento econômico estatal.  Uniformização linguística: a língua nacional era necessária para que as pessoas se sentissem parte de um todo coeso.
  5. 5. Teóricos do Absolutismo  Nicolau Maquiavel (1469-1527): Sua obra mais conhecida “O Príncipe”, foi escrita para a educação de um futuro soberano. Nela argumentou que “os fins justificam os meios”; esse novo princípio ético separou a condição de moral individual da condição de moral pública. Esse posicionamento lhe deu o título de pai da ciência política moderna. Maquiavel foi conselheiro de muitos governantes poderosos de seu tempo.  Thomas Hobbes (1588-1679): Tem fundamental importância no pensamento político contemporâneo. Seu livro “Leviatã”, é um elogio ao absolutismo, onde o autor destaca o papel do Estado absoluto no aprimoramento social, pois sem Estado “o homem é o lobo do homem”, eternamente dilacerando-se em contendas sangrentas. Ao Estado Leviatã coube a tarefa de impor regras de conduta civilizadas aos súditos, mesmo que para isso tenha de usar de violência (exército ou polícia).  Jean Bodin (1530-1596): Este autor defendeu a tese da autoridade divina do rei na obra “A República”. Assim, o poder real deveria ser total tanto sobre o Estado como sobre os súditos.  Jacques Bossuet (1627-1704): pregava que o Estado deveria se resumir a “ um rei, uma lei, uma fé ”. Na obra “Política Segundo as Sagradas Escrituras”. Defendeu que o poder do rei (predestinado) provém diretamente de Deus. Assim, somente Deus tem o direito de julgar os atos reais.  Hugo Grotius (1583-1645): é considerado o “pai do direito internacional”, pois articulou seu pensamento em torno dos problemas envolvendo as relações entre os Estados absolutistas.

×