SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
Por que os petroleiros votam em
Dilma? A resposta, certamente, soa
óbvia para a grande maioria dos tra-
balhadores que viveram no gover-
no FHC/Serra o desmonte da Petro-
brás, a quebra do monopólio, os es-
cândalos das privatizações, demis-
sões, desemprego, arrocho salarial,
perda de direitos e tantos outros ata-
ques. José Serra foi um dos princi-
pais articuladores e executores da
política privatista e neoliberal do go-
verno dos tucanos, que mergulhou
o Brasil em uma das mais profundas
crises sociais do país. Desregula-
mentaram setores estratégicos, en-
fraqueceram e reduziram o Estado.
Aprofundaram a concentração de
renda e a exclusão social.
O governo FHC/Serra também
reeditou o autoritarismo, com argu-
mentos e expedientes que lembra-
vam a ditadura militar. Criminalizou
os movimentos sociais, invadiu re-
finarias da Petrobrás com tanques
do Exército, demitiu e perseguiu
trabalhadores, tentou calar os sin-
dicatos com multas milionárias.
Todos estes motivos já seriam
mais do que suficientes para definir
o voto dos petroleiros em Dilma.
Mas, a principal questão que está
xeque nesta eleição é escolhermos
nas urnas se queremos ou não dar
continuidade a um projeto popular
e democrático de reconstrução do
Brasil, onde a Petrobrás e o pré-sal
são o passaporte do país para um
futuro sem miséria, com mais e me-
lhores empregos, educação, saúde
e desenvolvimento para todos. Os
petroleiros dizem SIM.
Edição 962 23 a 30/10/2010
PETROLEIROS COM D I L M A
APetrobrás (com acento, como era
grafada até o início da década de
90, antes das mudanças neoliberais que
sofreu) pela qual os trabalhadores lutam –
100% pública e estatal – está em processo
contínuo de disputa. Tanto na relação capi-
tal X trabalho, quanto na geopolítica que
move a indústria de petróleo. A Petrobrás
sempre foi alvo dos entreguistas. Por isso,
quase virou Petrobrax no apagar das luzes
de 2000, quando José Serra era ministro
de FHC. Seu governo quebrou o monopólio
Serra e FHC iniciaram a privatização da
Petrobrás, fragmentando a empresa em
unidades autônomas de negócio e entregando
30% da Refap à multinacional Repsol, que já
havia abocanhado a estatal argentina YPF. Os
tucanos também criaram a Transpetro e pre-
pararam a venda de parte da Reduc , das FA-
FENs e de outras refinarias. No E&P, os in-
vestimentos foram reduzidos; o CENPES e a
Engenharia, desmantelados; navios e platafor-
mas encomendados no exterior. O governo
Lula interrompeu drasticamente este processo
de desmonte e transformou a Petrobrás em
uma das maiores empresas de energia do
mundo. Em 2002, os investimentos do governo
FHC/Serra no setor de exploração não passa-
ram de US$ 500 milhões. O governo Lula/Dil-
ma elevou este montante para U$ 4 bilhões!
Por isso, o Brasil tornou-se autossuficiente na
produção de petróleo e descobriu o pré-sal.
O CENPES foi fortalecido com investimen-
estatal da Petrobrás, entregou ao mercado e
à Bolsa de Nova Iorque mais de 30% de suas
ações, sucateou e fragmentou a empresa, pre-
parando-a para a privatização, leiloou blo-
cos de petróleo estratégicos para o país, en-
tre outros crimes de lesa pátria.
O governo Lula resgatou a Petrobrás do pro-
jeto privatista dos tucanos, fortalecendo-a para
assumir o papel de locomotiva do Brasil, rumo
ao desenvolvimento. A Petrobrás voltou a cres-
cer e fez também o país crescer. Nacionalizou
suas encomendas, dobrou o número de traba-
lhadores, transformou o Brasil em autossufi-
ciente na produção de petróleo, descobriu o
pré-sal e será na próxima década uma das
maiores petrolíferas do mundo. A Petrobrax,
que afundou a P-36, causou os maiores de-
sastres ambientais do país e matou centenas
de trabalhadores, é símbolo do retrocesso,
de um passado que não permitiremos que se
repita. A Petrobrás, com acento, fortalecida,
mais estatal e mais nacional, é a reafirmação
do projeto político iniciado pelo governo Lula
e que terá continuidade com Dilma.
Petrobrás Petrobrax
tos estratégicos, dobrou suas instalações, fez
convênios com centros de pesquisas de cerca
de 100 universidades pelo país afora. O par-
que de refino da Petrobrás, sucateado no go-
verno FHC/Serra, foi ampliado, aumentando
em mais de 15% sua capacidade. Cinco novas
refinarias estão em andamento, no Maranhão,
Pernambuco, Rio Grande do Norte e no Com-
Do desmonte à autossuficiência
perj. Duas novas plantas de fertilizantes ni-
trogenados também estão em construção, se-
pultando o projeto tucano de privatização das
FAFENs. Soma-se a estes investimentos a
entrada da Petrobrás no setor de bioener-
gia, onde já é referência mundial. A empresa
é hoje uma das maiores produtoras do pla-
neta de biodiesel e etanol.
x
A Petrobrás trans-
formou-se nestes
oito últimos anos em
alavanca da econo-
mia brasileira, ge-
rando emprego, distribuindo renda e desen-
volvendo estados que antes eram margi-
nalizados, como as regiões Norte e Nor-
deste. A empresa, sozinha, responde por
mais de 20% de todos os investimentos do
país. Suas atividades, de forma direta e
indireta, geram uma riqueza que represen-
ta cerca de 12% do PIB. A renda que a Pe-
trobrás cria para o Brasil é reinvestida no
país através da maioria dos projetos do
PAC. O Comperj é um dos principais exem-
plos e será responsável por pelo menos
212 mil empregos diretos e indiretos.
A indústria naval, que foi destruída no
governo FHC/Serra, gera atualmente
“Os petroleiros são a pátria de capacete e macacão.
Vocês são a prova viva do que o Brasil é capaz”.
Dilma Rousseff, durante sua participação na II Plenafup.
cerca de 78 mil postos de trabalho dire-
tos e mais de 200 mil empregos indire-
tos. Só as embarcações da Transpetro
deverão impulsionar nos próximos anos
mais 40 mil novos postos de trabalho di-
retos no setor naval e outros 120 mil in-
diretos. Em função da decisão governa-
mental de nacionalização das encomen-
das da Petrobrás, o Brasil tem hoje o
maior programa de investimentos offsho-
re do mundo. O oposto do que acontecia
no governo FHC/Serra.
Nos oito anos do governo Lula/
Dilma, os petroleiros recuperaram
a maior parte dos direitos usurpa-
dos por FHC/Serra. Aliando mobili-
zação e negociação, a categoria
conseguiu corrigir uma série de dis-
torções, consolidar direitos e avan-
çar em pleitos históricos, como
anistia, fim das discriminações con-
tra os trabalhadores admitidos após
1997, recomposição dos efetivos,
mudanças na política de remunera-
ção (que garantiram até 14% de gan-
hos reais nos últimos quatro anos), entre
outras conquistas. Se no governo FHC/
Serra, o efetivo próprio da Petrobrás foi
reduzido de 51 mil para 37 mil trabalha-
Anistia, recuperação de direitos,
novas conquistas e ganhos reais
dores, no governo Lula/Dilma, mais de 40
mil petroleiros ingressaram na empresa
através de concursos públicos. Hoje são
mais de 76 mil trabalhadores no Sistema
Retomada da indústria nacional, geração
de empregos e distribuição de renda
Retomada da indústria nacional, geração
de empregos e distribuição de renda
Petrobrás, todos com direitos equi-
parados, inclusive os companhei-
ros da TBG e das termoelétricas.
Outra grande conquista dos petro-
leiros no governo Lula/Dilma foi a
anistia de 88 trabalhadores arbitra-
riamente demitidos por participação
nas greves de 1994 e 1995. Soma-
se a esta conquista, o cancelamen-
to de 450 advertências, 270 sus-
pensões e mais de 700 punições
ocorridas em função destes movi-
mentos grevistas, incluindo a anis-
tia dos dias parados. Além disso, trouxe-
mos de volta aos quadros da Petrobrás
mais de 1.100 anistiados da Interbrás, Pe-
tromisa, Petroflex e Nitriflex.
Nesse contexto de disputa, contra a volta das políticas neoliberais de privatização,
retirada de direitos e precarização do trabalho, os petroleiros têm lado. Estão a favor dos
avanços nas políticas estruturais do governo Lula, que vêm promovendo a cidadania para
milhões de brasileiros e brasileiras, antes relegados à exclusão social e à miséria, e
colocando o Brasil como um dos principais atores no cenário internacional, reafirmando
sua soberania e independência. Sabemos que não podemos dar espaço para aqueles que
atacam um projeto político que está mudando para melhor as condições de vida de milhões
de brasileiros e brasileiras. É necessário muito cuidado para evitar retrocessos, pois
somos testemunhas vivas dos bons resultados da nossa luta e sabemos que devemos
continuar fazendo muito mais.
Os petroleiros, portanto, entendem que é essencial seguir reconstruindo o Estado,
para garantirmos o desenvolvimento sustentável, com justiça social e soberania nacio-
nal. Por isso, a categoria aprovou na II PLENAFUP, realizada em junho deste ano, em
Brasília, o apoio à candidata Dilma Rousseff. Desde então, os petroleiros têm estado
alerta e em luta constante para eleger a sucessora do projeto iniciado pelo governo
Lula. Estamos com Dilma e iremos às urnas no dia 31 de outubro de 2010 ratificar o
apoio em massa da categoria à continuidade de uma sociedade justa, solidária e sobe-
rana. Vamos eleger a primeira mulher a presidir o Brasil.
Ao mudar o curso da Petrobrás, o governo Lula/Dilma fortaleceu a empresa, retomou as pesquisas
e projetos exploratórios que foram interrompidos ou impedidos pelos tucanos/demos, recuperou a
auto-estima de seus trabalhadores e garantiu a descoberta da maior província petrolífera do país. O
pré-sal é tão estratégico para o Brasil que motivou o governo a alterar o modelo de concessão,
herdado de FHC e que Serra quer manter. Estamos falando de uma riqueza que pode representar U$
9 trilhões! É a maior descoberta petrolífera do planeta dos últimos 30 anos. O pré-sal não só fará do
Brasil um dos principais produtores mundiais de petróleo, como transformará o país em uma nação
desenvolvida e sem miséria. Os petroleiros, mais do que ninguém, sabem o risco que representará
para a soberania nacional, José Serra se apossar deste bilhete premiado.
Após oito anos de governo Lula/Dilma, o Brasil começa a recupera parte do patrimônio público que
os tucanos e demos dilapidaram. No final de 2001, a participação do Estado no controle da Petrobrás
já havia sido reduzida para 55,7%. A União tinha 32,53% de participação no capital total da empresa.
Até 1985, o Estado controlava 85,72% das ações votantes da companhia e 78,58% do seu capital
total. Ao final do governo FHC/Serra, após um contínuo processo de sucateamento, a mais estratégi-
ca empresa brasileira estava dilacerada. A Petrobrás só não chegou a ser completamente privatiza-
da, devido à resistência dos trabalhadores, principalmente os petroleiros, que fizeram uma greve de
32 dias em maio de 1995 contra as políticas neoliberais do PSDB e PFL (atual DEM).
No governo Lula/Dilma, o Estado brasileiro aumentou para 64% sua participação nas ações da
Petrobrás com direito a voto e elevou para 48% sua participação no capital total da empresa. A partici-
pação acionária dos investidores internacionais foi reduzida de 37,8% para 26%. Seu atual valor de
mercado está em torno de R$ 378 bilhões. Em 2002, no final do governo FHC/Serra, a empresa valia R$
54 bilhões. O fortalecimento da Petrobrás tornou a empresa mais estatal, mais nacional e economica-
mente preparada para ser a operadora única do pré-sal.
Descoberta do pré-sal e alteração
do modelo entreguista de concessão
Fortalecimento da Petrobrás:
mais estatal e mais nacional
Com Dilma, para o Brasil seguir em frente!
Edição Especial Petroleiros com Dilma – Boletim da FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS Filiada à CUT www.fup.org.br
Av.Rio Branco, 133/21º andar, Centro, Rio de Janeiro - (21) 3852-5002 imprensa@fup.org.br Edição: Alessandra Murteira - MTb 16763 Projeto
gráfico e diagramação: Cláudio Camillo MTB 20478 Estagiária de jornalismo: Carol Cavassa Diretoria responsável por esta edição:
Anselmo, Caetano, Chicão, Daniel, Divanilton, Estér, Leopoldino, Machado, Marlúzio, Moraes, Paulo César, Silva, Simão, Sinvale Ubiraney

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Desafios da participação social no agronegócio sucroalcooleiro
Desafios da participação social no agronegócio sucroalcooleiroDesafios da participação social no agronegócio sucroalcooleiro
Desafios da participação social no agronegócio sucroalcooleiroGabriel Pereira
 
Panfleto jornal a4
Panfleto jornal a4Panfleto jornal a4
Panfleto jornal a4comiteiv
 
Geo he 8ano_cap4_site
Geo he 8ano_cap4_siteGeo he 8ano_cap4_site
Geo he 8ano_cap4_siterdbtava
 
Luta pela base nº 13
Luta pela base nº 13Luta pela base nº 13
Luta pela base nº 13comiteiv
 
Luta pela base nº 10
Luta pela base nº 10Luta pela base nº 10
Luta pela base nº 10comiteiv
 
Vivemos um dejà vu - Guilherme Cavarlho
Vivemos um dejà vu - Guilherme CavarlhoVivemos um dejà vu - Guilherme Cavarlho
Vivemos um dejà vu - Guilherme CavarlhoFabricio Rocha
 
Youblisher.com 1243861-terra cia-edi_o_200
Youblisher.com 1243861-terra cia-edi_o_200Youblisher.com 1243861-terra cia-edi_o_200
Youblisher.com 1243861-terra cia-edi_o_200Lela Gomes
 
Tese Reconquistar a UNE 49-CONUNE
Tese Reconquistar a UNE 49-CONUNETese Reconquistar a UNE 49-CONUNE
Tese Reconquistar a UNE 49-CONUNEGuilherme Ribeiro
 
Boletim N°6.
Boletim N°6.Boletim N°6.
Boletim N°6.comiteiv
 
As 100 personalidades mais influentes do agronegócio_Dinheiro Rural_ Ediçã…
As 100 personalidades mais influentes do agronegócio_Dinheiro Rural_ Ediçã…As 100 personalidades mais influentes do agronegócio_Dinheiro Rural_ Ediçã…
As 100 personalidades mais influentes do agronegócio_Dinheiro Rural_ Ediçã…ANCP Ribeirão Preto
 

Mais procurados (15)

Geo ea 2009
Geo ea 2009Geo ea 2009
Geo ea 2009
 
Desafios da participação social no agronegócio sucroalcooleiro
Desafios da participação social no agronegócio sucroalcooleiroDesafios da participação social no agronegócio sucroalcooleiro
Desafios da participação social no agronegócio sucroalcooleiro
 
Panfleto jornal a4
Panfleto jornal a4Panfleto jornal a4
Panfleto jornal a4
 
Geo he 8ano_cap4_site
Geo he 8ano_cap4_siteGeo he 8ano_cap4_site
Geo he 8ano_cap4_site
 
Luta pela base nº 13
Luta pela base nº 13Luta pela base nº 13
Luta pela base nº 13
 
Luta pela base nº 10
Luta pela base nº 10Luta pela base nº 10
Luta pela base nº 10
 
Vivemos um dejà vu - Guilherme Cavarlho
Vivemos um dejà vu - Guilherme CavarlhoVivemos um dejà vu - Guilherme Cavarlho
Vivemos um dejà vu - Guilherme Cavarlho
 
Youblisher.com 1243861-terra cia-edi_o_200
Youblisher.com 1243861-terra cia-edi_o_200Youblisher.com 1243861-terra cia-edi_o_200
Youblisher.com 1243861-terra cia-edi_o_200
 
Tese Reconquistar a UNE 49-CONUNE
Tese Reconquistar a UNE 49-CONUNETese Reconquistar a UNE 49-CONUNE
Tese Reconquistar a UNE 49-CONUNE
 
B 2
B 2B 2
B 2
 
Geo46
Geo46Geo46
Geo46
 
Boletim N°6.
Boletim N°6.Boletim N°6.
Boletim N°6.
 
B 2
B 2B 2
B 2
 
As 100 personalidades mais influentes do agronegócio_Dinheiro Rural_ Ediçã…
As 100 personalidades mais influentes do agronegócio_Dinheiro Rural_ Ediçã…As 100 personalidades mais influentes do agronegócio_Dinheiro Rural_ Ediçã…
As 100 personalidades mais influentes do agronegócio_Dinheiro Rural_ Ediçã…
 
Geo40
Geo40Geo40
Geo40
 

Destaque

NRT 2011: Market Leadership for Rural Banks in Microfinance
NRT 2011: Market Leadership for Rural Banks in MicrofinanceNRT 2011: Market Leadership for Rural Banks in Microfinance
NRT 2011: Market Leadership for Rural Banks in MicrofinanceMABSIV
 
11º F T Apresentaçã F O T O G R A F I A
11º  F T  Apresentaçã F O T O G R A F I A11º  F T  Apresentaçã F O T O G R A F I A
11º F T Apresentaçã F O T O G R A F I ABibJoseRegio
 
10secretosvivirmejor
10secretosvivirmejor10secretosvivirmejor
10secretosvivirmejoraleah
 
¿Cuál eres tu?
¿Cuál eres tu?¿Cuál eres tu?
¿Cuál eres tu?pacheco
 
Communication with our_clients
Communication with our_clientsCommunication with our_clients
Communication with our_clientsmartincabrera
 
Eva Secaba Rebiun
Eva Secaba RebiunEva Secaba Rebiun
Eva Secaba Rebiunranganatha2
 
Imperios
ImperiosImperios
Imperiosnhgyg
 
Ad crafting updated, the basics of transmedia planning
Ad crafting updated, the basics of transmedia planningAd crafting updated, the basics of transmedia planning
Ad crafting updated, the basics of transmedia planningIsabelle Quevilly
 
Social Media and MPD--Orlando 2011
Social Media and MPD--Orlando 2011Social Media and MPD--Orlando 2011
Social Media and MPD--Orlando 2011Brian Barela
 
Windows 8, een flop of een hit
Windows 8, een flop of een hitWindows 8, een flop of een hit
Windows 8, een flop of een hitGene Vangampelaere
 

Destaque (20)

NRT 2011: Market Leadership for Rural Banks in Microfinance
NRT 2011: Market Leadership for Rural Banks in MicrofinanceNRT 2011: Market Leadership for Rural Banks in Microfinance
NRT 2011: Market Leadership for Rural Banks in Microfinance
 
11º F T Apresentaçã F O T O G R A F I A
11º  F T  Apresentaçã F O T O G R A F I A11º  F T  Apresentaçã F O T O G R A F I A
11º F T Apresentaçã F O T O G R A F I A
 
Tp6
Tp6Tp6
Tp6
 
10secretosvivirmejor
10secretosvivirmejor10secretosvivirmejor
10secretosvivirmejor
 
¿Cuál eres tu?
¿Cuál eres tu?¿Cuál eres tu?
¿Cuál eres tu?
 
Communication with our_clients
Communication with our_clientsCommunication with our_clients
Communication with our_clients
 
Eva Secaba Rebiun
Eva Secaba RebiunEva Secaba Rebiun
Eva Secaba Rebiun
 
Imperios
ImperiosImperios
Imperios
 
Ad crafting updated, the basics of transmedia planning
Ad crafting updated, the basics of transmedia planningAd crafting updated, the basics of transmedia planning
Ad crafting updated, the basics of transmedia planning
 
Alg
AlgAlg
Alg
 
Pengaruh sertifikasi guru terhdap kualitas pembelajaran
Pengaruh sertifikasi guru terhdap kualitas pembelajaranPengaruh sertifikasi guru terhdap kualitas pembelajaran
Pengaruh sertifikasi guru terhdap kualitas pembelajaran
 
Social Media and MPD--Orlando 2011
Social Media and MPD--Orlando 2011Social Media and MPD--Orlando 2011
Social Media and MPD--Orlando 2011
 
Revista josete balanco
Revista josete balancoRevista josete balanco
Revista josete balanco
 
Huthwaite SPIN Selling Skills
Huthwaite SPIN Selling SkillsHuthwaite SPIN Selling Skills
Huthwaite SPIN Selling Skills
 
Acces
AccesAcces
Acces
 
Windows 8, een flop of een hit
Windows 8, een flop of een hitWindows 8, een flop of een hit
Windows 8, een flop of een hit
 
Management of change
Management of changeManagement of change
Management of change
 
Pemberian tanggapan terhadap peraturan perundang undangan
Pemberian tanggapan terhadap peraturan perundang undanganPemberian tanggapan terhadap peraturan perundang undangan
Pemberian tanggapan terhadap peraturan perundang undangan
 
Reference Letter UHN
Reference Letter UHNReference Letter UHN
Reference Letter UHN
 
Passe Fácil
Passe FácilPasse Fácil
Passe Fácil
 

Semelhante a Por que os petroleiros votam em Dilma? O desmonte e a reconstrução da Petrobrás

Conluio do governo dilma roussef com setores conservadores do brasil para evi...
Conluio do governo dilma roussef com setores conservadores do brasil para evi...Conluio do governo dilma roussef com setores conservadores do brasil para evi...
Conluio do governo dilma roussef com setores conservadores do brasil para evi...Fernando Alcoforado
 
Boletim 34 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 34 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 34 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 34 - Grupo de conjuntura econômica da UFESeconomiaufes
 
Em defesa da etica na politica e da petrobras
Em defesa da etica na politica e da petrobrasEm defesa da etica na politica e da petrobras
Em defesa da etica na politica e da petrobrasRoberto Rabat Chame
 
Em defesa da ética na política e da petrobras
Em defesa da ética na política e da petrobrasEm defesa da ética na política e da petrobras
Em defesa da ética na política e da petrobrasFernando Alcoforado
 
Brasil em Debate - volume 3: Governo Lula e o Novo Papel do Estado Brasileiro, O
Brasil em Debate - volume 3: Governo Lula e o Novo Papel do Estado Brasileiro, OBrasil em Debate - volume 3: Governo Lula e o Novo Papel do Estado Brasileiro, O
Brasil em Debate - volume 3: Governo Lula e o Novo Papel do Estado Brasileiro, OEdinho Silva
 
Privatização do campo de libra do pré sal é crime de lesa pátria (1)
Privatização do campo de libra do pré sal é crime de lesa pátria (1)Privatização do campo de libra do pré sal é crime de lesa pátria (1)
Privatização do campo de libra do pré sal é crime de lesa pátria (1)Roberto Rabat Chame
 
Privatização do campo de libra do pré sal é crime de lesa pátria
Privatização do campo de libra do pré sal é crime de lesa pátriaPrivatização do campo de libra do pré sal é crime de lesa pátria
Privatização do campo de libra do pré sal é crime de lesa pátriaFernando Alcoforado
 
Jornal da FETAEP edição 108 - Maio de 2013
Jornal da FETAEP edição 108 - Maio de 2013Jornal da FETAEP edição 108 - Maio de 2013
Jornal da FETAEP edição 108 - Maio de 2013FETAEP
 

Semelhante a Por que os petroleiros votam em Dilma? O desmonte e a reconstrução da Petrobrás (11)

Conluio do governo dilma roussef com setores conservadores do brasil para evi...
Conluio do governo dilma roussef com setores conservadores do brasil para evi...Conluio do governo dilma roussef com setores conservadores do brasil para evi...
Conluio do governo dilma roussef com setores conservadores do brasil para evi...
 
Boletim 34 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 34 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 34 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 34 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Em defesa da etica na politica e da petrobras
Em defesa da etica na politica e da petrobrasEm defesa da etica na politica e da petrobras
Em defesa da etica na politica e da petrobras
 
Em defesa da ética na política e da petrobras
Em defesa da ética na política e da petrobrasEm defesa da ética na política e da petrobras
Em defesa da ética na política e da petrobras
 
Rumo ao lixo da história
Rumo ao lixo da históriaRumo ao lixo da história
Rumo ao lixo da história
 
Brasil em Debate - volume 3: Governo Lula e o Novo Papel do Estado Brasileiro, O
Brasil em Debate - volume 3: Governo Lula e o Novo Papel do Estado Brasileiro, OBrasil em Debate - volume 3: Governo Lula e o Novo Papel do Estado Brasileiro, O
Brasil em Debate - volume 3: Governo Lula e o Novo Papel do Estado Brasileiro, O
 
Privatização do campo de libra do pré sal é crime de lesa pátria (1)
Privatização do campo de libra do pré sal é crime de lesa pátria (1)Privatização do campo de libra do pré sal é crime de lesa pátria (1)
Privatização do campo de libra do pré sal é crime de lesa pátria (1)
 
Privatização do campo de libra do pré sal é crime de lesa pátria
Privatização do campo de libra do pré sal é crime de lesa pátriaPrivatização do campo de libra do pré sal é crime de lesa pátria
Privatização do campo de libra do pré sal é crime de lesa pátria
 
Brasil
BrasilBrasil
Brasil
 
GOVERNO LULA (2002-2010)
GOVERNO LULA (2002-2010)GOVERNO LULA (2002-2010)
GOVERNO LULA (2002-2010)
 
Jornal da FETAEP edição 108 - Maio de 2013
Jornal da FETAEP edição 108 - Maio de 2013Jornal da FETAEP edição 108 - Maio de 2013
Jornal da FETAEP edição 108 - Maio de 2013
 

Mais de Professora Josete (20)

TRABALHO, EMPREGO E ECONOMIA SOLIDÁRIA
TRABALHO, EMPREGO E ECONOMIA SOLIDÁRIATRABALHO, EMPREGO E ECONOMIA SOLIDÁRIA
TRABALHO, EMPREGO E ECONOMIA SOLIDÁRIA
 
SERVIDORES MUNICIPAIS
SERVIDORES MUNICIPAISSERVIDORES MUNICIPAIS
SERVIDORES MUNICIPAIS
 
SAÚDE PÚBLICA
SAÚDE PÚBLICASAÚDE PÚBLICA
SAÚDE PÚBLICA
 
POLÍTICAS PARA MULHERES
POLÍTICAS PARA MULHERESPOLÍTICAS PARA MULHERES
POLÍTICAS PARA MULHERES
 
ORÇAMENTO PÚBLICO E PARTICIPAÇÃO POPULAR
ORÇAMENTO PÚBLICO E PARTICIPAÇÃO POPULARORÇAMENTO PÚBLICO E PARTICIPAÇÃO POPULAR
ORÇAMENTO PÚBLICO E PARTICIPAÇÃO POPULAR
 
MOBILIDADE URBANA
MOBILIDADE URBANAMOBILIDADE URBANA
MOBILIDADE URBANA
 
MEIO AMBIENTE
MEIO AMBIENTEMEIO AMBIENTE
MEIO AMBIENTE
 
JUVENTUDE
JUVENTUDEJUVENTUDE
JUVENTUDE
 
FISCALIZAÇÃO
FISCALIZAÇÃOFISCALIZAÇÃO
FISCALIZAÇÃO
 
EDUCAÇÃO
EDUCAÇÃOEDUCAÇÃO
EDUCAÇÃO
 
ASSISTÊNCIA SOCIAL
ASSISTÊNCIA SOCIALASSISTÊNCIA SOCIAL
ASSISTÊNCIA SOCIAL
 
Fiscais
FiscaisFiscais
Fiscais
 
Função dos fiscais
Função dos fiscaisFunção dos fiscais
Função dos fiscais
 
Realocação xaxim
Realocação xaximRealocação xaxim
Realocação xaxim
 
Dia contra a homofobia
Dia contra a homofobiaDia contra a homofobia
Dia contra a homofobia
 
Cotrans
CotransCotrans
Cotrans
 
Hospital do idoso
Hospital do idosoHospital do idoso
Hospital do idoso
 
Proposicao 062.00086.2011
Proposicao 062.00086.2011Proposicao 062.00086.2011
Proposicao 062.00086.2011
 
Pedido de informação refic
Pedido de informação reficPedido de informação refic
Pedido de informação refic
 
Seminário gestão democratica 2011 formatado
Seminário gestão democratica 2011 formatadoSeminário gestão democratica 2011 formatado
Seminário gestão democratica 2011 formatado
 

Por que os petroleiros votam em Dilma? O desmonte e a reconstrução da Petrobrás

  • 1. Por que os petroleiros votam em Dilma? A resposta, certamente, soa óbvia para a grande maioria dos tra- balhadores que viveram no gover- no FHC/Serra o desmonte da Petro- brás, a quebra do monopólio, os es- cândalos das privatizações, demis- sões, desemprego, arrocho salarial, perda de direitos e tantos outros ata- ques. José Serra foi um dos princi- pais articuladores e executores da política privatista e neoliberal do go- verno dos tucanos, que mergulhou o Brasil em uma das mais profundas crises sociais do país. Desregula- mentaram setores estratégicos, en- fraqueceram e reduziram o Estado. Aprofundaram a concentração de renda e a exclusão social. O governo FHC/Serra também reeditou o autoritarismo, com argu- mentos e expedientes que lembra- vam a ditadura militar. Criminalizou os movimentos sociais, invadiu re- finarias da Petrobrás com tanques do Exército, demitiu e perseguiu trabalhadores, tentou calar os sin- dicatos com multas milionárias. Todos estes motivos já seriam mais do que suficientes para definir o voto dos petroleiros em Dilma. Mas, a principal questão que está xeque nesta eleição é escolhermos nas urnas se queremos ou não dar continuidade a um projeto popular e democrático de reconstrução do Brasil, onde a Petrobrás e o pré-sal são o passaporte do país para um futuro sem miséria, com mais e me- lhores empregos, educação, saúde e desenvolvimento para todos. Os petroleiros dizem SIM. Edição 962 23 a 30/10/2010 PETROLEIROS COM D I L M A
  • 2. APetrobrás (com acento, como era grafada até o início da década de 90, antes das mudanças neoliberais que sofreu) pela qual os trabalhadores lutam – 100% pública e estatal – está em processo contínuo de disputa. Tanto na relação capi- tal X trabalho, quanto na geopolítica que move a indústria de petróleo. A Petrobrás sempre foi alvo dos entreguistas. Por isso, quase virou Petrobrax no apagar das luzes de 2000, quando José Serra era ministro de FHC. Seu governo quebrou o monopólio Serra e FHC iniciaram a privatização da Petrobrás, fragmentando a empresa em unidades autônomas de negócio e entregando 30% da Refap à multinacional Repsol, que já havia abocanhado a estatal argentina YPF. Os tucanos também criaram a Transpetro e pre- pararam a venda de parte da Reduc , das FA- FENs e de outras refinarias. No E&P, os in- vestimentos foram reduzidos; o CENPES e a Engenharia, desmantelados; navios e platafor- mas encomendados no exterior. O governo Lula interrompeu drasticamente este processo de desmonte e transformou a Petrobrás em uma das maiores empresas de energia do mundo. Em 2002, os investimentos do governo FHC/Serra no setor de exploração não passa- ram de US$ 500 milhões. O governo Lula/Dil- ma elevou este montante para U$ 4 bilhões! Por isso, o Brasil tornou-se autossuficiente na produção de petróleo e descobriu o pré-sal. O CENPES foi fortalecido com investimen- estatal da Petrobrás, entregou ao mercado e à Bolsa de Nova Iorque mais de 30% de suas ações, sucateou e fragmentou a empresa, pre- parando-a para a privatização, leiloou blo- cos de petróleo estratégicos para o país, en- tre outros crimes de lesa pátria. O governo Lula resgatou a Petrobrás do pro- jeto privatista dos tucanos, fortalecendo-a para assumir o papel de locomotiva do Brasil, rumo ao desenvolvimento. A Petrobrás voltou a cres- cer e fez também o país crescer. Nacionalizou suas encomendas, dobrou o número de traba- lhadores, transformou o Brasil em autossufi- ciente na produção de petróleo, descobriu o pré-sal e será na próxima década uma das maiores petrolíferas do mundo. A Petrobrax, que afundou a P-36, causou os maiores de- sastres ambientais do país e matou centenas de trabalhadores, é símbolo do retrocesso, de um passado que não permitiremos que se repita. A Petrobrás, com acento, fortalecida, mais estatal e mais nacional, é a reafirmação do projeto político iniciado pelo governo Lula e que terá continuidade com Dilma. Petrobrás Petrobrax tos estratégicos, dobrou suas instalações, fez convênios com centros de pesquisas de cerca de 100 universidades pelo país afora. O par- que de refino da Petrobrás, sucateado no go- verno FHC/Serra, foi ampliado, aumentando em mais de 15% sua capacidade. Cinco novas refinarias estão em andamento, no Maranhão, Pernambuco, Rio Grande do Norte e no Com- Do desmonte à autossuficiência perj. Duas novas plantas de fertilizantes ni- trogenados também estão em construção, se- pultando o projeto tucano de privatização das FAFENs. Soma-se a estes investimentos a entrada da Petrobrás no setor de bioener- gia, onde já é referência mundial. A empresa é hoje uma das maiores produtoras do pla- neta de biodiesel e etanol. x
  • 3. A Petrobrás trans- formou-se nestes oito últimos anos em alavanca da econo- mia brasileira, ge- rando emprego, distribuindo renda e desen- volvendo estados que antes eram margi- nalizados, como as regiões Norte e Nor- deste. A empresa, sozinha, responde por mais de 20% de todos os investimentos do país. Suas atividades, de forma direta e indireta, geram uma riqueza que represen- ta cerca de 12% do PIB. A renda que a Pe- trobrás cria para o Brasil é reinvestida no país através da maioria dos projetos do PAC. O Comperj é um dos principais exem- plos e será responsável por pelo menos 212 mil empregos diretos e indiretos. A indústria naval, que foi destruída no governo FHC/Serra, gera atualmente “Os petroleiros são a pátria de capacete e macacão. Vocês são a prova viva do que o Brasil é capaz”. Dilma Rousseff, durante sua participação na II Plenafup. cerca de 78 mil postos de trabalho dire- tos e mais de 200 mil empregos indire- tos. Só as embarcações da Transpetro deverão impulsionar nos próximos anos mais 40 mil novos postos de trabalho di- retos no setor naval e outros 120 mil in- diretos. Em função da decisão governa- mental de nacionalização das encomen- das da Petrobrás, o Brasil tem hoje o maior programa de investimentos offsho- re do mundo. O oposto do que acontecia no governo FHC/Serra. Nos oito anos do governo Lula/ Dilma, os petroleiros recuperaram a maior parte dos direitos usurpa- dos por FHC/Serra. Aliando mobili- zação e negociação, a categoria conseguiu corrigir uma série de dis- torções, consolidar direitos e avan- çar em pleitos históricos, como anistia, fim das discriminações con- tra os trabalhadores admitidos após 1997, recomposição dos efetivos, mudanças na política de remunera- ção (que garantiram até 14% de gan- hos reais nos últimos quatro anos), entre outras conquistas. Se no governo FHC/ Serra, o efetivo próprio da Petrobrás foi reduzido de 51 mil para 37 mil trabalha- Anistia, recuperação de direitos, novas conquistas e ganhos reais dores, no governo Lula/Dilma, mais de 40 mil petroleiros ingressaram na empresa através de concursos públicos. Hoje são mais de 76 mil trabalhadores no Sistema Retomada da indústria nacional, geração de empregos e distribuição de renda Retomada da indústria nacional, geração de empregos e distribuição de renda Petrobrás, todos com direitos equi- parados, inclusive os companhei- ros da TBG e das termoelétricas. Outra grande conquista dos petro- leiros no governo Lula/Dilma foi a anistia de 88 trabalhadores arbitra- riamente demitidos por participação nas greves de 1994 e 1995. Soma- se a esta conquista, o cancelamen- to de 450 advertências, 270 sus- pensões e mais de 700 punições ocorridas em função destes movi- mentos grevistas, incluindo a anis- tia dos dias parados. Além disso, trouxe- mos de volta aos quadros da Petrobrás mais de 1.100 anistiados da Interbrás, Pe- tromisa, Petroflex e Nitriflex.
  • 4. Nesse contexto de disputa, contra a volta das políticas neoliberais de privatização, retirada de direitos e precarização do trabalho, os petroleiros têm lado. Estão a favor dos avanços nas políticas estruturais do governo Lula, que vêm promovendo a cidadania para milhões de brasileiros e brasileiras, antes relegados à exclusão social e à miséria, e colocando o Brasil como um dos principais atores no cenário internacional, reafirmando sua soberania e independência. Sabemos que não podemos dar espaço para aqueles que atacam um projeto político que está mudando para melhor as condições de vida de milhões de brasileiros e brasileiras. É necessário muito cuidado para evitar retrocessos, pois somos testemunhas vivas dos bons resultados da nossa luta e sabemos que devemos continuar fazendo muito mais. Os petroleiros, portanto, entendem que é essencial seguir reconstruindo o Estado, para garantirmos o desenvolvimento sustentável, com justiça social e soberania nacio- nal. Por isso, a categoria aprovou na II PLENAFUP, realizada em junho deste ano, em Brasília, o apoio à candidata Dilma Rousseff. Desde então, os petroleiros têm estado alerta e em luta constante para eleger a sucessora do projeto iniciado pelo governo Lula. Estamos com Dilma e iremos às urnas no dia 31 de outubro de 2010 ratificar o apoio em massa da categoria à continuidade de uma sociedade justa, solidária e sobe- rana. Vamos eleger a primeira mulher a presidir o Brasil. Ao mudar o curso da Petrobrás, o governo Lula/Dilma fortaleceu a empresa, retomou as pesquisas e projetos exploratórios que foram interrompidos ou impedidos pelos tucanos/demos, recuperou a auto-estima de seus trabalhadores e garantiu a descoberta da maior província petrolífera do país. O pré-sal é tão estratégico para o Brasil que motivou o governo a alterar o modelo de concessão, herdado de FHC e que Serra quer manter. Estamos falando de uma riqueza que pode representar U$ 9 trilhões! É a maior descoberta petrolífera do planeta dos últimos 30 anos. O pré-sal não só fará do Brasil um dos principais produtores mundiais de petróleo, como transformará o país em uma nação desenvolvida e sem miséria. Os petroleiros, mais do que ninguém, sabem o risco que representará para a soberania nacional, José Serra se apossar deste bilhete premiado. Após oito anos de governo Lula/Dilma, o Brasil começa a recupera parte do patrimônio público que os tucanos e demos dilapidaram. No final de 2001, a participação do Estado no controle da Petrobrás já havia sido reduzida para 55,7%. A União tinha 32,53% de participação no capital total da empresa. Até 1985, o Estado controlava 85,72% das ações votantes da companhia e 78,58% do seu capital total. Ao final do governo FHC/Serra, após um contínuo processo de sucateamento, a mais estratégi- ca empresa brasileira estava dilacerada. A Petrobrás só não chegou a ser completamente privatiza- da, devido à resistência dos trabalhadores, principalmente os petroleiros, que fizeram uma greve de 32 dias em maio de 1995 contra as políticas neoliberais do PSDB e PFL (atual DEM). No governo Lula/Dilma, o Estado brasileiro aumentou para 64% sua participação nas ações da Petrobrás com direito a voto e elevou para 48% sua participação no capital total da empresa. A partici- pação acionária dos investidores internacionais foi reduzida de 37,8% para 26%. Seu atual valor de mercado está em torno de R$ 378 bilhões. Em 2002, no final do governo FHC/Serra, a empresa valia R$ 54 bilhões. O fortalecimento da Petrobrás tornou a empresa mais estatal, mais nacional e economica- mente preparada para ser a operadora única do pré-sal. Descoberta do pré-sal e alteração do modelo entreguista de concessão Fortalecimento da Petrobrás: mais estatal e mais nacional Com Dilma, para o Brasil seguir em frente! Edição Especial Petroleiros com Dilma – Boletim da FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS Filiada à CUT www.fup.org.br Av.Rio Branco, 133/21º andar, Centro, Rio de Janeiro - (21) 3852-5002 imprensa@fup.org.br Edição: Alessandra Murteira - MTb 16763 Projeto gráfico e diagramação: Cláudio Camillo MTB 20478 Estagiária de jornalismo: Carol Cavassa Diretoria responsável por esta edição: Anselmo, Caetano, Chicão, Daniel, Divanilton, Estér, Leopoldino, Machado, Marlúzio, Moraes, Paulo César, Silva, Simão, Sinvale Ubiraney