SlideShare uma empresa Scribd logo
FINANÇAS E ORÇAMENTO
PÚBLICO
PROF. ADRIANO TRINDADE
CLASSIFICAÇÃO DA DESPESA
ORÇAMENTÁRIA
As despesas orçamentárias devem ser
classificadas em conformidade com os
anexos da Lei Federal nº 4.320/1964
que, após várias atualizações, estão
consolidados nos critérios definidos a
seguir:
institucional;
funcional;
programática;
natureza das despesas
CLASSIFICAÇÃO
INSTITUCIONAL
No detalhamento da despesa
orçamentária, a primeira preocupação
deve ser a sua distribuição por
Instituições ou Departamentos, que pode
ser em dois ou três níveis, dependendo
da conveniência.
Os níveis aqui reportados
encontram-se enumerados a seguir:
ÓRGÃO
Corresponde ao maior nível de
agregação de serviços ou
atribuições dos Poderes
Constituídos, dos Ministérios
Públicos e Cortes de Contas.
Exemplos: Assembleia Legislativa;
Tribunal de Justiça;
Procuradoria Geral da República;
UNIDADE ORÇAMENTÁRIA
Unidade Orçamentária – corresponde ao
nível intermediário e/ou final de
agregação de serviços afins, a cargo de
cada órgão.
Exemplos: Governadoria do Estado;
Gabinete do Governador;
Gabinete do Vice-Governador;
UNIDADE ADMINISTRATIVA OU
EXECUTIVA
Unidade Administrativa ou Executiva
– dependendo da complexidade da estrutura da
unidade orçamentária, esta poderá ser
subdividida em unidades menores, para
execução de seus programas, através da gestão
orçamentário-financeira.
Exemplos: Secretaria da Administração
•• Gabinete do Secretário;
•• Unidade de Recursos Materiais;
CLASSIFICAÇÃO
INSTITUCIONAL
O código da Classificação Institucional compõe-se
de 05 (cinco) algarismos, sendo os dois primeiros
reservados à identificação do Órgão e os demais, à
Unidade Orçamentária.
Exemplos:
01000 – CÂMARA DOS DEPUTADOS
01101 – Câmara dos Deputados
01901 – Fundo Rotativo da Câmara dos Deputados
CLASSIFICAÇÃO
FUNCIONAL
A classificação funcional, composta
de um rol de funções e subfunções
prefixadas atualmente pela Portaria
MPGO nº 42/1999), servirá como
agregador dos gastos públicos por
área de ação governamental, nas três
esferas. Trata-se de uma
classificação independente dos
CLASSIFICAÇÃO
FUNCIONAL
Por ser de aplicação comum e
obrigatória no âmbito dos
Municípios, dos Estados e da União, a
classificação funcional permitirá a
consolidação nacional dos gastos do
setor público.
CLASSIFICAÇÃO
FUNCIONAL
a) Funções
São as ações desenvolvidas pelo Governo,
direta ou indiretamente reunidas em seus
grupos maiores, por meio das quais o
Governo procura alcançar os objetivos
nacionais, ou seja, a função representa o
maior nível de agregação das diversas áreas
de despesa que competem ao setor público.
Por exemplo: Legislativo, Agricultura,
Administração, Transporte etc.
CLASSIFICAÇÃO
FUNCIONAL
b) Subfunção
A subfunção representa uma
partição da função, a fim de agregar
determinado subconjunto de
despesas no setor público. Na nova
classificação a subfunção identifica a
natureza básica das ações que se
aglutinam em torno das funções.
CLASSIFICAÇÃO
FUNCIONAL
b) Subfunção
Exemplo: uma atividade de pesquisa
na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz),
do Ministério da Saúde, deve ser
classificada – de acordo com sua
característica – na subfunção nº 571,
“Desenvolvimento Científico”, e na
função nº 10, “Saúde”.
ESTRUTURA
PROGRAMÁTICA
A partir da Portaria STN/SOF nº
42, de 14 de abril de 1999, os
programas deixaram de ter o
caráter de classificador e cada
nível de governo passou a ter a
sua estrutura própria, adequada à
solução de seus problemas e
originária do processo de
planejamento desenvolvido
durante a formulação do PPA.
ESTRUTURA
PROGRAMÁTICA
Programa é o instrumento de
organização da atuação
governamental. Articula um
conjunto de ações que concorrem
para um objetivo comum
preestabelecido, mensurado por
indicadores estabelecidos no Plano
Plurianual, para obter-se a solução
de um problema ou o atendimento
a uma necessidade ou demanda da
ESTRUTURA
PROGRAMÁTICA
São dois os tipos de programas previstos (na
esfera federal):
1. Programas Finalísticos: são programas que
resultam em bens e serviços ofertados
diretamente à sociedade.
Seus atributos básicos são: denominação,
objetivo, público-alvo, indicador(es), fórmulas de
cálculo do índice, órgão(s), Unidades
Orçamentárias e unidade responsável pelo
programa. O indicador quantifica a situação que o
programa tenha por fim modificar, de modo a
ESTRUTURA
PROGRAMÁTICA
São dois os tipos de programas previstos (na
esfera federal):
2. Programas de apoio às Políticas Públicas e áreas
especiais: os programas de gestão de políticas
públicas assumirão denominação específica de
acordo com a missão institucional de cada órgão.
Portanto, haverá apenas um programa dessa
natureza por órgão. Exemplo: “Gestão da Política
de Saúde”.
Seus atributos básicos são: denominação,
objetivo, órgão(s), Unidades Orçamentárias e
RECEITAS ORIGINÁRIAS E
RECEITAS DERIVADAS
A doutrina classifica as receitas públicas,
quanto à procedência, em originárias e
derivadas. Essa classificação possui uso
acadêmico e não é normatizada; portanto,
não é utilizada como classificador oficial da
receita pelo poder público.
RECEITAS ORIGINÁRIAS E
RECEITAS DERIVADAS
Receitas públicas originárias, segundo a
doutrina, são as arrecadadas por meio da
exploração de atividades econômicas pela
Administração Pública. Resultam,
principalmente, de rendas do patrimônio
mobiliário e imobiliário do Estado (receita
de aluguel), de preços públicos , de
prestação de serviços comerciais e de venda
de produtos industriais ou agropecuários.
RECEITAS ORIGINÁRIAS E
RECEITAS DERIVADAS
Receitas públicas derivadas, segundo a
doutrina, são as obtidas pelo poder público
por meio da soberania estatal.
Decorrem de norma constitucional ou legal
e, por isso, são auferidas de forma
impositiva, como, por exemplo, as receitas
tributárias e as de contribuições especiais.
CLASSIFICAÇÕES DA RECEITA
ORÇAMENTÁRIA
A classificação orçamentária por natureza de
receita é estabelecida pelo § 4o do art. 11 da
Lei no 4.320, de 1964.
No âmbito da União, sua codificação é
normatizada por meio de Portaria da SOF,
órgão do Ministério do Planejamento,
Orçamento e Gestão.
A normatização da codificação válida para
Estados e Municípios é feita por meio de
Portaria Interministerial (SOF e STN).
CLASSIFICAÇÕES DA RECEITA
ORÇAMENTÁRIA
Importante destacar que a classificação da
receita por natureza é utilizada por todos os
entes da Federação e visa identificar a origem
do recurso segundo o fato gerador:
acontecimento real que ocasionou o ingresso
da receita nos cofres públicos.
CLASSIFICAÇÕES DA RECEITA
ORÇAMENTÁRIA
A fim de possibilitar a identificação
detalhada dos recursos que ingressam nos
cofres públicos, esta codificação é formada
por uma sequência numérica de 8 dígitos que
se subdivide em seis níveis: categoria
econômica (1o dígito), origem (2o dígito),
espécie (3o dígito), rubrica (4o dígito), alínea
(5o e 6o dígitos) e subalínea (7o e 8o
dígitos).
CLASSIFICAÇÕES DA RECEITA
ORÇAMENTÁRIA
A classificação da receita orçamentária, a
exemplo do que ocorre na despesa, é de
utilização obrigatória por todos os entes da
Federação, sendo facultado o seu
desdobramento para atendimento das
respectivas necessidades. Sobre o assunto, as
receitas orçamentárias são classificadas
segundo os seguintes critérios:
1. natureza de receita; 2. indicador de resultado
primário; 3. fonte/destinação de recursos; e 4.
Receitas publicas aula 7
CATEGORIA ECONÔMICA
ORIGEM
A origem é o detalhamento das categorias econômicas Receitas
Correntes e Receitas de Capital, com vistas a identificar a procedência
das receitas no momento em que ingressam nos cofres públicos. Os
códigos da origem para as Receitas Correntes e de Capital, de acordo
com o § 4o do art. 11 da Lei no 4.320, de 1964, são:
ORIGENS QUE COMPÕEM AS
RECEITAS CORRENTES:
Receitas Tributárias: são decorrentes da arrecadação
de impostos, taxas e contribuições de melhoria,
previstos no art. 145 da CF. Receitas de Contribuições:
são oriundas das contribuições sociais, de intervenção
no domínio econômico e de interesse das categorias
profissionais ou econômicas, conforme preceitua o art.
149 da CF.
Receitas Patrimoniais: são provenientes da fruição de
patrimônio pertencente ao ente público, tais como as
decorrentes de compensações financeiras/royalties ,
concessões e permissões, entre outras.
ORIGENS QUE COMPÕEM AS
RECEITAS CORRENTES:
Receitas Agropecuárias: resultam da exploração
econômica, por parte do ente público, de atividades
agropecuárias, tais como a venda de produtos agrícolas
(grãos, tecnologias, insumos etc.), pecuários (semens,
técnicas em inseminação, matrizes etc.), para
reflorestamentos etc. Receitas Industriais: são
provenientes de atividades industriais exercidas pelo ente
público, tais como: indústria de extração mineral, de
transformação, de construção, entre outras.
Receitas de Serviços: decorrem da prestação de serviços
por parte do ente público, tais como comércio, transporte,
comunicação, serviços hospitalares, armazenagem,
serviços recreativos, culturais etc. Tais serviços são
remunerados mediante preço público, também chamado
de tarifa.
ORIGENS QUE COMPÕEM AS
RECEITAS CORRENTES:
Transferências Correntes: são provenientes do
recebimento de recursos financeiros de outras pessoas
de direito público ou privado destinados a atender
despesas de manutenção ou funcionamento que não
impliquem contraprestação direta em bens e serviços
a quem efetuou essa transferência.
Por outro lado, a utilização dos recursos recebidos
vincula-se à determinação constitucional ou legal, ou
ao objeto pactuado. Tais transferências ocorrem entre
entidades públicas de diferentes esferas ou entre
entidades públicas e instituições privadas.
ORIGENS QUE COMPÕEM AS
RECEITAS CORRENTES:
Outras Receitas Correntes: constituem-se pelas
receitas cujas características não permitam o
enquadramento nas demais classificações da
receita corrente, tais como: multas, juros de
mora, indenizações, restituições, receitas da
dívida ativa, entre outras.
CLASSIFICAÇÃO POR
IDENTIFICADOR DE RESULTADO
PRIMÁRIOConforme esta classificação, as receitas do
Governo Federal podem ser divididas em:
a) primárias (P), quando seus valores são
incluídos no cálculo do resultado primário; e
b) financeiras (F), quando não são incluídas no
citado cálculo.
CLASSIFICAÇÃO POR FONTE /
DESTINAÇÃO DE RECURSOS
Instrumento criado para assegurar que receitas
vinculadas por lei a finalidade específica sejam
exclusivamente aplicadas em programas e
ações que visem a consecução de despesas ou
políticas públicas associadas a esse objetivo
legal.
CLASSIFICAÇÃO POR FONTE /
DESTINAÇÃO DE RECURSOS
A classificação de fonte/destinação consiste em
um código de três dígitos.
O 1o dígito representa o grupo de fonte,
enquanto o 2o e o 3o representam a
especificação da fonte.
Receitas publicas aula 7

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A nova contabilidade pública
A nova contabilidade públicaA nova contabilidade pública
A nova contabilidade pública
Aline E Alex
 
CONTABILIDADE PÚBLICA PARA CONCURSOS DEBORA DE ARAUJO MARINHO
CONTABILIDADE PÚBLICA PARA CONCURSOS DEBORA DE ARAUJO MARINHOCONTABILIDADE PÚBLICA PARA CONCURSOS DEBORA DE ARAUJO MARINHO
CONTABILIDADE PÚBLICA PARA CONCURSOS DEBORA DE ARAUJO MARINHO
Helena Andrade
 
Aula06 despesa pública
Aula06   despesa públicaAula06   despesa pública
Aula06 despesa pública
carolinamedeiros08
 
Contabilidade publica
Contabilidade publicaContabilidade publica
Contabilidade publica
Suelen Rocha
 
RESUMO da apostila de Contabilidade Pública
RESUMO da apostila de Contabilidade PúblicaRESUMO da apostila de Contabilidade Pública
RESUMO da apostila de Contabilidade Pública
Valmir
 
Contabilidade publica demonstrações contabeis aplicada ao setor publico
Contabilidade publica   demonstrações contabeis aplicada ao setor publicoContabilidade publica   demonstrações contabeis aplicada ao setor publico
Contabilidade publica demonstrações contabeis aplicada ao setor publico
Rafael Marky
 
Manual contabilidade setor público
Manual contabilidade setor públicoManual contabilidade setor público
Manual contabilidade setor público
nilde
 
Contabilidade publica
Contabilidade publicaContabilidade publica
Contabilidade publica
Felipe Fortuna Gomes Corrêa
 
Aula de contabilidade pública concurso ANS
Aula de contabilidade pública concurso ANSAula de contabilidade pública concurso ANS
Aula de contabilidade pública concurso ANS
Paulinha_Ana
 
Noções de contabilidade 2014 agente-pf
Noções de contabilidade 2014   agente-pfNoções de contabilidade 2014   agente-pf
Noções de contabilidade 2014 agente-pf
Neon Online
 
Aula 04 nocoes de administracao afo receita publica
Aula 04   nocoes de administracao afo receita publicaAula 04   nocoes de administracao afo receita publica
Aula 04 nocoes de administracao afo receita publica
Neon Online
 
Comentários Prova Contabilidade Pública - AFCE TCU 2015
Comentários Prova Contabilidade Pública - AFCE TCU 2015Comentários Prova Contabilidade Pública - AFCE TCU 2015
Comentários Prova Contabilidade Pública - AFCE TCU 2015
Estratégia Concursos
 
Contabilidade pública. Plano de contas e sistemas da Contabilidade Pública.
Contabilidade pública. Plano de contas e sistemas da Contabilidade Pública.Contabilidade pública. Plano de contas e sistemas da Contabilidade Pública.
Contabilidade pública. Plano de contas e sistemas da Contabilidade Pública.
Fábio Rodrigues
 
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
Ricardo Bulgari
 
Trabalho de Contabilidade na Gestão Pública
Trabalho de Contabilidade na Gestão PúblicaTrabalho de Contabilidade na Gestão Pública
Trabalho de Contabilidade na Gestão Pública
João Silva
 
Despesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicasDespesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicas
rene-de-jesus
 
Artigo científico contabilidade pública
Artigo científico contabilidade públicaArtigo científico contabilidade pública
Artigo científico contabilidade pública
Isabel Castilho
 
Prova comentada Contabilidade Pública TCM-SP
Prova comentada Contabilidade Pública TCM-SPProva comentada Contabilidade Pública TCM-SP
Prova comentada Contabilidade Pública TCM-SP
Estratégia Concursos
 
Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
pcm1nd
 
Receita publica (Gustavo)
Receita publica (Gustavo)Receita publica (Gustavo)
Receita publica (Gustavo)
refugiodosanjos
 

Mais procurados (20)

A nova contabilidade pública
A nova contabilidade públicaA nova contabilidade pública
A nova contabilidade pública
 
CONTABILIDADE PÚBLICA PARA CONCURSOS DEBORA DE ARAUJO MARINHO
CONTABILIDADE PÚBLICA PARA CONCURSOS DEBORA DE ARAUJO MARINHOCONTABILIDADE PÚBLICA PARA CONCURSOS DEBORA DE ARAUJO MARINHO
CONTABILIDADE PÚBLICA PARA CONCURSOS DEBORA DE ARAUJO MARINHO
 
Aula06 despesa pública
Aula06   despesa públicaAula06   despesa pública
Aula06 despesa pública
 
Contabilidade publica
Contabilidade publicaContabilidade publica
Contabilidade publica
 
RESUMO da apostila de Contabilidade Pública
RESUMO da apostila de Contabilidade PúblicaRESUMO da apostila de Contabilidade Pública
RESUMO da apostila de Contabilidade Pública
 
Contabilidade publica demonstrações contabeis aplicada ao setor publico
Contabilidade publica   demonstrações contabeis aplicada ao setor publicoContabilidade publica   demonstrações contabeis aplicada ao setor publico
Contabilidade publica demonstrações contabeis aplicada ao setor publico
 
Manual contabilidade setor público
Manual contabilidade setor públicoManual contabilidade setor público
Manual contabilidade setor público
 
Contabilidade publica
Contabilidade publicaContabilidade publica
Contabilidade publica
 
Aula de contabilidade pública concurso ANS
Aula de contabilidade pública concurso ANSAula de contabilidade pública concurso ANS
Aula de contabilidade pública concurso ANS
 
Noções de contabilidade 2014 agente-pf
Noções de contabilidade 2014   agente-pfNoções de contabilidade 2014   agente-pf
Noções de contabilidade 2014 agente-pf
 
Aula 04 nocoes de administracao afo receita publica
Aula 04   nocoes de administracao afo receita publicaAula 04   nocoes de administracao afo receita publica
Aula 04 nocoes de administracao afo receita publica
 
Comentários Prova Contabilidade Pública - AFCE TCU 2015
Comentários Prova Contabilidade Pública - AFCE TCU 2015Comentários Prova Contabilidade Pública - AFCE TCU 2015
Comentários Prova Contabilidade Pública - AFCE TCU 2015
 
Contabilidade pública. Plano de contas e sistemas da Contabilidade Pública.
Contabilidade pública. Plano de contas e sistemas da Contabilidade Pública.Contabilidade pública. Plano de contas e sistemas da Contabilidade Pública.
Contabilidade pública. Plano de contas e sistemas da Contabilidade Pública.
 
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
 
Trabalho de Contabilidade na Gestão Pública
Trabalho de Contabilidade na Gestão PúblicaTrabalho de Contabilidade na Gestão Pública
Trabalho de Contabilidade na Gestão Pública
 
Despesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicasDespesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicas
 
Artigo científico contabilidade pública
Artigo científico contabilidade públicaArtigo científico contabilidade pública
Artigo científico contabilidade pública
 
Prova comentada Contabilidade Pública TCM-SP
Prova comentada Contabilidade Pública TCM-SPProva comentada Contabilidade Pública TCM-SP
Prova comentada Contabilidade Pública TCM-SP
 
Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
 
Receita publica (Gustavo)
Receita publica (Gustavo)Receita publica (Gustavo)
Receita publica (Gustavo)
 

Semelhante a Receitas publicas aula 7

Afo - despesa publica
Afo - despesa publicaAfo - despesa publica
Afo - despesa publica
Neon Online
 
CN S7 CAP 7 AS APU.ppt
CN S7 CAP 7 AS APU.pptCN S7 CAP 7 AS APU.ppt
CN S7 CAP 7 AS APU.ppt
DaianaBritez2
 
CN S7 CAP 7 AS APU.ppt
CN S7 CAP 7 AS APU.pptCN S7 CAP 7 AS APU.ppt
CN S7 CAP 7 AS APU.ppt
Diego Palmiere
 
10 pratica planejamento 2013
10 pratica planejamento 201310 pratica planejamento 2013
10 pratica planejamento 2013
Clever Oliveira
 
Curso Regular de AFO em Exercícios - Aula 06
Curso Regular de AFO em Exercícios - Aula 06Curso Regular de AFO em Exercícios - Aula 06
Curso Regular de AFO em Exercícios - Aula 06
Iolar Demartini Junior
 
03 -as_receitas_e_as_despesas_públicas
03  -as_receitas_e_as_despesas_públicas03  -as_receitas_e_as_despesas_públicas
03 -as_receitas_e_as_despesas_públicas
izidoriosilva
 
126066113 aula-04 despesa
126066113 aula-04 despesa126066113 aula-04 despesa
126066113 aula-04 despesa
Olivia Carioca
 
Aula 1 - Módulo III
Aula 1 - Módulo IIIAula 1 - Módulo III
Aula 1 - Módulo III
CETUR
 
Principais instrumentos da política fiscal
Principais instrumentos da política fiscalPrincipais instrumentos da política fiscal
Principais instrumentos da política fiscal
refugiodosanjos
 
Livro pdf gestão pública em saúde-4.2
Livro pdf gestão pública em saúde-4.2Livro pdf gestão pública em saúde-4.2
Livro pdf gestão pública em saúde-4.2
Eloi Menezes
 
Aula 1 orç.público iii
Aula 1 orç.público iiiAula 1 orç.público iii
Aula 1 orç.público iii
queenbianca
 
2ªapresentação
2ªapresentação2ªapresentação
2ªapresentação
batistapaulo7
 
Receita publica(gustavo)
Receita publica(gustavo)Receita publica(gustavo)
Receita publica(gustavo)
alfa6370
 
Apostila deadministracaofinanceiraorcamentaria
Apostila deadministracaofinanceiraorcamentariaApostila deadministracaofinanceiraorcamentaria
Apostila deadministracaofinanceiraorcamentaria
23011986
 
Apostila aulas 3 e 4 (4)
Apostila aulas 3 e 4 (4)Apostila aulas 3 e 4 (4)
Apostila aulas 3 e 4 (4)
Clécio Batista
 
Sector Público
 Sector Público Sector Público
Sector Público
9373
 
AULA 1 e 2.pdf
AULA 1 e 2.pdfAULA 1 e 2.pdf
AULA 1 e 2.pdf
GibrildeAmilay
 
Sector Público - Manual Reduzido
Sector Público - Manual ReduzidoSector Público - Manual Reduzido
Sector Público - Manual Reduzido
batistapaulo7
 
Orçamento da união
Orçamento da uniãoOrçamento da união
Orçamento da união
Patrick Franz
 
SUAS - 2015
SUAS -   2015SUAS -   2015

Semelhante a Receitas publicas aula 7 (20)

Afo - despesa publica
Afo - despesa publicaAfo - despesa publica
Afo - despesa publica
 
CN S7 CAP 7 AS APU.ppt
CN S7 CAP 7 AS APU.pptCN S7 CAP 7 AS APU.ppt
CN S7 CAP 7 AS APU.ppt
 
CN S7 CAP 7 AS APU.ppt
CN S7 CAP 7 AS APU.pptCN S7 CAP 7 AS APU.ppt
CN S7 CAP 7 AS APU.ppt
 
10 pratica planejamento 2013
10 pratica planejamento 201310 pratica planejamento 2013
10 pratica planejamento 2013
 
Curso Regular de AFO em Exercícios - Aula 06
Curso Regular de AFO em Exercícios - Aula 06Curso Regular de AFO em Exercícios - Aula 06
Curso Regular de AFO em Exercícios - Aula 06
 
03 -as_receitas_e_as_despesas_públicas
03  -as_receitas_e_as_despesas_públicas03  -as_receitas_e_as_despesas_públicas
03 -as_receitas_e_as_despesas_públicas
 
126066113 aula-04 despesa
126066113 aula-04 despesa126066113 aula-04 despesa
126066113 aula-04 despesa
 
Aula 1 - Módulo III
Aula 1 - Módulo IIIAula 1 - Módulo III
Aula 1 - Módulo III
 
Principais instrumentos da política fiscal
Principais instrumentos da política fiscalPrincipais instrumentos da política fiscal
Principais instrumentos da política fiscal
 
Livro pdf gestão pública em saúde-4.2
Livro pdf gestão pública em saúde-4.2Livro pdf gestão pública em saúde-4.2
Livro pdf gestão pública em saúde-4.2
 
Aula 1 orç.público iii
Aula 1 orç.público iiiAula 1 orç.público iii
Aula 1 orç.público iii
 
2ªapresentação
2ªapresentação2ªapresentação
2ªapresentação
 
Receita publica(gustavo)
Receita publica(gustavo)Receita publica(gustavo)
Receita publica(gustavo)
 
Apostila deadministracaofinanceiraorcamentaria
Apostila deadministracaofinanceiraorcamentariaApostila deadministracaofinanceiraorcamentaria
Apostila deadministracaofinanceiraorcamentaria
 
Apostila aulas 3 e 4 (4)
Apostila aulas 3 e 4 (4)Apostila aulas 3 e 4 (4)
Apostila aulas 3 e 4 (4)
 
Sector Público
 Sector Público Sector Público
Sector Público
 
AULA 1 e 2.pdf
AULA 1 e 2.pdfAULA 1 e 2.pdf
AULA 1 e 2.pdf
 
Sector Público - Manual Reduzido
Sector Público - Manual ReduzidoSector Público - Manual Reduzido
Sector Público - Manual Reduzido
 
Orçamento da união
Orçamento da uniãoOrçamento da união
Orçamento da união
 
SUAS - 2015
SUAS -   2015SUAS -   2015
SUAS - 2015
 

Último

Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Dantas
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Carlos Eduardo Coan Junior
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
AlfeuBuriti1
 
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Renan Batista Bitcoin
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
InsttLcioEvangelista
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 

Último (8)

Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
 
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 

Receitas publicas aula 7

  • 2. CLASSIFICAÇÃO DA DESPESA ORÇAMENTÁRIA As despesas orçamentárias devem ser classificadas em conformidade com os anexos da Lei Federal nº 4.320/1964 que, após várias atualizações, estão consolidados nos critérios definidos a seguir:
  • 4. CLASSIFICAÇÃO INSTITUCIONAL No detalhamento da despesa orçamentária, a primeira preocupação deve ser a sua distribuição por Instituições ou Departamentos, que pode ser em dois ou três níveis, dependendo da conveniência. Os níveis aqui reportados encontram-se enumerados a seguir:
  • 5. ÓRGÃO Corresponde ao maior nível de agregação de serviços ou atribuições dos Poderes Constituídos, dos Ministérios Públicos e Cortes de Contas. Exemplos: Assembleia Legislativa; Tribunal de Justiça; Procuradoria Geral da República;
  • 6. UNIDADE ORÇAMENTÁRIA Unidade Orçamentária – corresponde ao nível intermediário e/ou final de agregação de serviços afins, a cargo de cada órgão. Exemplos: Governadoria do Estado; Gabinete do Governador; Gabinete do Vice-Governador;
  • 7. UNIDADE ADMINISTRATIVA OU EXECUTIVA Unidade Administrativa ou Executiva – dependendo da complexidade da estrutura da unidade orçamentária, esta poderá ser subdividida em unidades menores, para execução de seus programas, através da gestão orçamentário-financeira. Exemplos: Secretaria da Administração •• Gabinete do Secretário; •• Unidade de Recursos Materiais;
  • 8. CLASSIFICAÇÃO INSTITUCIONAL O código da Classificação Institucional compõe-se de 05 (cinco) algarismos, sendo os dois primeiros reservados à identificação do Órgão e os demais, à Unidade Orçamentária. Exemplos: 01000 – CÂMARA DOS DEPUTADOS 01101 – Câmara dos Deputados 01901 – Fundo Rotativo da Câmara dos Deputados
  • 9. CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL A classificação funcional, composta de um rol de funções e subfunções prefixadas atualmente pela Portaria MPGO nº 42/1999), servirá como agregador dos gastos públicos por área de ação governamental, nas três esferas. Trata-se de uma classificação independente dos
  • 10. CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL Por ser de aplicação comum e obrigatória no âmbito dos Municípios, dos Estados e da União, a classificação funcional permitirá a consolidação nacional dos gastos do setor público.
  • 11. CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL a) Funções São as ações desenvolvidas pelo Governo, direta ou indiretamente reunidas em seus grupos maiores, por meio das quais o Governo procura alcançar os objetivos nacionais, ou seja, a função representa o maior nível de agregação das diversas áreas de despesa que competem ao setor público. Por exemplo: Legislativo, Agricultura, Administração, Transporte etc.
  • 12. CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL b) Subfunção A subfunção representa uma partição da função, a fim de agregar determinado subconjunto de despesas no setor público. Na nova classificação a subfunção identifica a natureza básica das ações que se aglutinam em torno das funções.
  • 13. CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL b) Subfunção Exemplo: uma atividade de pesquisa na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Ministério da Saúde, deve ser classificada – de acordo com sua característica – na subfunção nº 571, “Desenvolvimento Científico”, e na função nº 10, “Saúde”.
  • 14. ESTRUTURA PROGRAMÁTICA A partir da Portaria STN/SOF nº 42, de 14 de abril de 1999, os programas deixaram de ter o caráter de classificador e cada nível de governo passou a ter a sua estrutura própria, adequada à solução de seus problemas e originária do processo de planejamento desenvolvido durante a formulação do PPA.
  • 15. ESTRUTURA PROGRAMÁTICA Programa é o instrumento de organização da atuação governamental. Articula um conjunto de ações que concorrem para um objetivo comum preestabelecido, mensurado por indicadores estabelecidos no Plano Plurianual, para obter-se a solução de um problema ou o atendimento a uma necessidade ou demanda da
  • 16. ESTRUTURA PROGRAMÁTICA São dois os tipos de programas previstos (na esfera federal): 1. Programas Finalísticos: são programas que resultam em bens e serviços ofertados diretamente à sociedade. Seus atributos básicos são: denominação, objetivo, público-alvo, indicador(es), fórmulas de cálculo do índice, órgão(s), Unidades Orçamentárias e unidade responsável pelo programa. O indicador quantifica a situação que o programa tenha por fim modificar, de modo a
  • 17. ESTRUTURA PROGRAMÁTICA São dois os tipos de programas previstos (na esfera federal): 2. Programas de apoio às Políticas Públicas e áreas especiais: os programas de gestão de políticas públicas assumirão denominação específica de acordo com a missão institucional de cada órgão. Portanto, haverá apenas um programa dessa natureza por órgão. Exemplo: “Gestão da Política de Saúde”. Seus atributos básicos são: denominação, objetivo, órgão(s), Unidades Orçamentárias e
  • 18. RECEITAS ORIGINÁRIAS E RECEITAS DERIVADAS A doutrina classifica as receitas públicas, quanto à procedência, em originárias e derivadas. Essa classificação possui uso acadêmico e não é normatizada; portanto, não é utilizada como classificador oficial da receita pelo poder público.
  • 19. RECEITAS ORIGINÁRIAS E RECEITAS DERIVADAS Receitas públicas originárias, segundo a doutrina, são as arrecadadas por meio da exploração de atividades econômicas pela Administração Pública. Resultam, principalmente, de rendas do patrimônio mobiliário e imobiliário do Estado (receita de aluguel), de preços públicos , de prestação de serviços comerciais e de venda de produtos industriais ou agropecuários.
  • 20. RECEITAS ORIGINÁRIAS E RECEITAS DERIVADAS Receitas públicas derivadas, segundo a doutrina, são as obtidas pelo poder público por meio da soberania estatal. Decorrem de norma constitucional ou legal e, por isso, são auferidas de forma impositiva, como, por exemplo, as receitas tributárias e as de contribuições especiais.
  • 21. CLASSIFICAÇÕES DA RECEITA ORÇAMENTÁRIA A classificação orçamentária por natureza de receita é estabelecida pelo § 4o do art. 11 da Lei no 4.320, de 1964. No âmbito da União, sua codificação é normatizada por meio de Portaria da SOF, órgão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. A normatização da codificação válida para Estados e Municípios é feita por meio de Portaria Interministerial (SOF e STN).
  • 22. CLASSIFICAÇÕES DA RECEITA ORÇAMENTÁRIA Importante destacar que a classificação da receita por natureza é utilizada por todos os entes da Federação e visa identificar a origem do recurso segundo o fato gerador: acontecimento real que ocasionou o ingresso da receita nos cofres públicos.
  • 23. CLASSIFICAÇÕES DA RECEITA ORÇAMENTÁRIA A fim de possibilitar a identificação detalhada dos recursos que ingressam nos cofres públicos, esta codificação é formada por uma sequência numérica de 8 dígitos que se subdivide em seis níveis: categoria econômica (1o dígito), origem (2o dígito), espécie (3o dígito), rubrica (4o dígito), alínea (5o e 6o dígitos) e subalínea (7o e 8o dígitos).
  • 24. CLASSIFICAÇÕES DA RECEITA ORÇAMENTÁRIA A classificação da receita orçamentária, a exemplo do que ocorre na despesa, é de utilização obrigatória por todos os entes da Federação, sendo facultado o seu desdobramento para atendimento das respectivas necessidades. Sobre o assunto, as receitas orçamentárias são classificadas segundo os seguintes critérios: 1. natureza de receita; 2. indicador de resultado primário; 3. fonte/destinação de recursos; e 4.
  • 27. ORIGEM A origem é o detalhamento das categorias econômicas Receitas Correntes e Receitas de Capital, com vistas a identificar a procedência das receitas no momento em que ingressam nos cofres públicos. Os códigos da origem para as Receitas Correntes e de Capital, de acordo com o § 4o do art. 11 da Lei no 4.320, de 1964, são:
  • 28. ORIGENS QUE COMPÕEM AS RECEITAS CORRENTES: Receitas Tributárias: são decorrentes da arrecadação de impostos, taxas e contribuições de melhoria, previstos no art. 145 da CF. Receitas de Contribuições: são oriundas das contribuições sociais, de intervenção no domínio econômico e de interesse das categorias profissionais ou econômicas, conforme preceitua o art. 149 da CF. Receitas Patrimoniais: são provenientes da fruição de patrimônio pertencente ao ente público, tais como as decorrentes de compensações financeiras/royalties , concessões e permissões, entre outras.
  • 29. ORIGENS QUE COMPÕEM AS RECEITAS CORRENTES: Receitas Agropecuárias: resultam da exploração econômica, por parte do ente público, de atividades agropecuárias, tais como a venda de produtos agrícolas (grãos, tecnologias, insumos etc.), pecuários (semens, técnicas em inseminação, matrizes etc.), para reflorestamentos etc. Receitas Industriais: são provenientes de atividades industriais exercidas pelo ente público, tais como: indústria de extração mineral, de transformação, de construção, entre outras. Receitas de Serviços: decorrem da prestação de serviços por parte do ente público, tais como comércio, transporte, comunicação, serviços hospitalares, armazenagem, serviços recreativos, culturais etc. Tais serviços são remunerados mediante preço público, também chamado de tarifa.
  • 30. ORIGENS QUE COMPÕEM AS RECEITAS CORRENTES: Transferências Correntes: são provenientes do recebimento de recursos financeiros de outras pessoas de direito público ou privado destinados a atender despesas de manutenção ou funcionamento que não impliquem contraprestação direta em bens e serviços a quem efetuou essa transferência. Por outro lado, a utilização dos recursos recebidos vincula-se à determinação constitucional ou legal, ou ao objeto pactuado. Tais transferências ocorrem entre entidades públicas de diferentes esferas ou entre entidades públicas e instituições privadas.
  • 31. ORIGENS QUE COMPÕEM AS RECEITAS CORRENTES: Outras Receitas Correntes: constituem-se pelas receitas cujas características não permitam o enquadramento nas demais classificações da receita corrente, tais como: multas, juros de mora, indenizações, restituições, receitas da dívida ativa, entre outras.
  • 32. CLASSIFICAÇÃO POR IDENTIFICADOR DE RESULTADO PRIMÁRIOConforme esta classificação, as receitas do Governo Federal podem ser divididas em: a) primárias (P), quando seus valores são incluídos no cálculo do resultado primário; e b) financeiras (F), quando não são incluídas no citado cálculo.
  • 33. CLASSIFICAÇÃO POR FONTE / DESTINAÇÃO DE RECURSOS Instrumento criado para assegurar que receitas vinculadas por lei a finalidade específica sejam exclusivamente aplicadas em programas e ações que visem a consecução de despesas ou políticas públicas associadas a esse objetivo legal.
  • 34. CLASSIFICAÇÃO POR FONTE / DESTINAÇÃO DE RECURSOS A classificação de fonte/destinação consiste em um código de três dígitos. O 1o dígito representa o grupo de fonte, enquanto o 2o e o 3o representam a especificação da fonte.