PODER JUDICIÁRIO                          TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO                                                ...
PODER JUDICIÁRIO                 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO                            11 a Câmara de Dire...
PODER JUDICIÁRIO                       TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO                                    11 a ...
PODER JUDICIÁRIO                        TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO                                      11...
PODER JUDICIÁRIO                        TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO                                     11 ...
PODER JUDICIÁRIO                           TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO                                     ...
PODER JUDICIÁRIO                          TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO                                      ...
PODER JUDICIÁRIO                 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO                          11 a Câmara de Direit...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Tjsp des moura ribeiro 11ª câmara - 2

1.580 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.580
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
49
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tjsp des moura ribeiro 11ª câmara - 2

  1. 1. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA2 9 7 REGISTRADO(A) SOB N° ACÓRDÃO i mm um mu mu um um um um m mi *03213241* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n° 991.06.058825-0, da Comarca de Cruzeiro, em que é apelante BANCO DO BRASIL S/A sendo apelado ANDRÉA BITTENCOURT NICOLI SAMPAIO. ACORDAM, em 11 a Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: "NEGARAM PROVIMENTO AO RECURSO. V. U.", de conformidade com o voto do Relator, que integra este acórdão. O julgamento teve a participação dos Desembargadores VIEIRA DE MORAES (Presidente sem voto), GILBERTO DOS SANTOS E GIL COELHO. São Paulo, 16 de setembro de 2010. MOURA RIBEIRO RELATOR •
  2. 2. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 11 a Câmara de Direito PrivadoAPELAÇÃO COM REVISÃO N° 991.06.058825-0COMARCA: CRUZEIRO - 1 a Vara CívelAPELANTE(S): BANCO DO BRASIL S.A.APELADO/A(S): ANDRÉA BITTENCOURT NICOLI SAMPAIOJUÍZA DE 1 a INSTÂNCIA: Dra. VANESSA RIBEIRO MATEUS VOTO N° 17.103 EMENTA: Anulatória de cheques (rectius; inexigibilidade) com pedido de antecipação de tutela julgada parcialmente procedente — Apelação do endossatário buscando a reforma da sentença firme nas teses de que (1) o protesto é imprescindível para garantir o seu direito; (2) o cheque é título cambiariforme, não causai; e, (3) é terceiro portador de boa-fé e por isso não lhe podem ser opostas exceções pessoais do emitente e endossante - Não acolhimento - Autora emitente que comprovou o resgate do cheque e ostenta quitação da endossante - Oposição de exceção geral — Banco que recebeu o cheque por endosso translativo e a título pro solvenáo — Responsabilidade pelo pagamento que deve ser imputada à endossante que recebeu duas vezes pelo mesmo título — Inteligência do art. 21, da Lei n° 7.357/85 - Sentença mantida - Recurso não provido. O princípio de que o cheque encerra um direito abstrato não pode ser entendido com extremado rigor, sob pena de se compelir alguém a pagar o que já não deve mais, como na hipótese em que o beneficiário outorgou quitação ao sacador porque recebeu seu valor antes do vencimento. lòt-
  3. 3. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 11 a Câmara de Direito PrivadoAPELAÇÃO COM REVISÃO N° 991.06.058825-0 Da sentença que julgou parcialmente procedente a açãoanulatória de cheques (rectius: inexigibilidade), com pedido deantecipação de tutela ajuizada pela emitente do título, sobreveioapelação do endossatário buscando reforma, firme nas teses de que(1) o protesto é imprescindível para garantir o seu direito; (2) o chequeé título cambiariforme, não causai; e, (3) é terceiro portador de boa-fé e porisso não lhe podem ser opostas exceções pessoais do emitente eendossante. Recurso preparado, recebido, processado e respondido. É o relatório. O recurso não merece provimento. A autora, emitente do cheque, ajuizou a presente açãosustentando que tendo resgatado antecipadamente e ostentandoquitação que lhe foi passada pela endossante, não pode serresponsabilizada pelo título que honrou. Informou que sustou o cheque porque quando dopagamento antecipado não obteve sua devolução, embora tenharecebido quitação (fl. 09). A ação foi julgada parcialmente procedente para o fimde ser determinado o cancelamento definitivo do protesto do cheque,razão do inconformism.o do endossatário que não merece acolhimento. -2- W/l
  4. 4. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 11 a Câmara de Direito PrivadoAPELAÇÃO COM REVISÃO N° 991.06.058825-0 O cheque emitido e posteriormente pago de formaantecipada circulou livremente por endosso translativo do seubeneficiário para o banco endossatário com a conseqüente transmissãodos direitos de crédito que dali decorreu 1 . Ou seja, se o banco endossatário recebeu o cheque emgarantia de operação de desconto, tornou-se titular do direito creditício,surgindo para ele a obrigação de investigar a existência e regularidade donegócio subjacente que permitiu o saque daquele título. Em casos como o presente, o endossatário tem o deverde examinar a regularidade do negócio jurídico de que participou aendossante, ainda mais tendo em conta que desenvolve atividadefinanceira de modo organizado para auferir lucros. Se essa é suaatividade empresarial primordial, deve responder pelos atos danososque praticar e pelos riscos do seu negócio.1 "O endosso, como já verificamos usualmente, isto é, em sua forma normal, transmite apropriedade do título, vinculando o endossante à obrigação cambial". (Amador Paes deAlmeida. Teoria e Prática dos Títulos de Crédito, Ed. Saraiva, 17a Ed., pág. 40)."O endosso transmite o título (documento) e, com ele, todos os direitos emergentes domesmo. Esses direitos são os de receber, junto ao sacado, a importância mencionada nocheque e de agir contra o sacador e endossantes anteriores para receber dita importância,caso o sacado não a pague, já que adquirindo o título, pelo endosso, com os direitosincorporados no mesmo, o endossatário se torna credor do sacador, garantido quanto aopagamento pelos endossantes anteriores". (Fran Martins. Títulos de Crédito, atualizada porJoaquim Penalva Santos, Ed. Forense, 14a Ed., pág. 320). -3-
  5. 5. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 11 a Câmara de Direito PrivadoAPELAÇÃO COM REVISÃO N° 991.06.058825-0 Por essa razão, não pode ser considerada simplesmandatária, terceira de boa-fé alheia aos fatos e distante da discussãosobre sua responsabilidade pelos protestos realizados. Em suma: não pode querer o melhor dos dois mundos,livre de responsabilidades. Esqueceu-se que no ordenamento jurídicobrasileiro brilha a regra do art. 927, parágrafo único, do CC/02. Se houve o esquecimento, então vale a pena lembrarantiga regra do Direito Romano segundo a qual quem aufere oscômodos (lucros), que suporte os incômodos (riscos). Nesse sentido, aliás, de forma análoga ao caso, temseassentado a jurisprudência do Col. STJ 2 .2 "PROTESTO DE DUPLICATA SEM CAUSA. ENDOSSO TRANSLATIVO. LEGITIMIDADEPASSIVA DO BANCO. ÔNUS SUCUMBENCIAIS DEVIDOS. RECURSO NÃOCONHECIDO.1. O banco que procedeu a protesto de duplicata sem aceite, recebida mediante endossotranslativo, tem evidente legitimidade passiva para a ação declaratoria de inexigibilidade dotítulo. 2. Reconhecido pelas instâncias ordinárias a responsabilidade do Banco, que levou aprotesto o título recebido, sem as devidas cautelas, impõe-se-lhe os ônus sucumbenciais. 3.Recurso especial não conhecido." (REsp 204377 / SP, Ministro LUÍS FELIPE SALOMÃO, j .em 07.10.08)."CIVIL E PROCESSUAL. AÇÃO DECLARATORIA C/C CANCELAMENTO DE PROTESTOE INDENIZATÓRIA. DUPLICATAS ENDOSSADAS. LEGITIMIDADE PASSIVA DO BANCOENDOSSATÁRIO CONFIGURADA. NEGLIGÊNCIA.I. Na ação declaratoria de inexistência de relação jurídica, cancelamento de protesto eindenizatória, devem figurar no polo passivo tanto a empresa emitente da cártula, como obanco endossatário que enviou o título a protesto, eis que, quanto a este, impossível oprocessamento da demanda no que tange, pelo menos, ao cancelamento do título, sem asua presença na lide. (...) III. Quanto ao endosso-translativo, hipótese dos autos, o banco, -4-
  6. 6. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 11 a Câmara de Direito PrivadoAPELAÇÃO COM REVISÃO N° 991.06.058825-0 No mais, há de se ressaltar a lição de ROBERTO DEARRUDA SOUZA LIMA e ADOLFO MAMORU NISHIYAMA que namodalidade de desconto bancário de cheque ensinam que ao endossaro título ao banco o cliente não se exonera da dívida se o responsávelnão pagar o título no seu vencimento porque na hipótese "dá-se acessão pro solvendo, de sorte que se o terceiro não resgatá-la notempo devido, quem o descontou fica obrigado a restituir ao banco aimportância dele recebida por antecipação"3. Aqui, importante frisar que de acordo com oensinamento de GUSTAVO TEPEDINO e ANDERSON SCHREIBER aemitente do cheque opôs ao endossatário exceção geral 4 que possuía,ou seja, demonstrou o pagamento e a conseqüente quitação do título. O princípio de que o cheque encerra um direito abstratonão pode ser entendido com extremado rigor, sob pena de se compeliralguém a pagar o que já não deve mais, como na hipótese em que obeneficiário outorgou quitação ao sacador porque recebeu seu valorantes do vencimento.advertido ou não, é automaticamente responsável pelos atos de cobrança do título, postoque o adquire com os vícios que contém, e pela sua cobrança, como titular, arca pelosdanos causados perante terceiros." (REsp 332813 / MG, Ministro ALDIR PASSARINHOJÚNIOR, j. 09.10.01).3 "Contratos bancários", Atlas, São Paulo, 2007, pág. 199.4 Denominam-se exceções gerais os meios de defesa que se relacionam ao objeto daobrigação ou cujo conteúdo independa do sujeito ativo, como o pagamento ou aimpossibilidade da prestação. "Código Civil Comentado", Editora Atlas S.A., 2008, volumeIV, pág. 173. -5-
  7. 7. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 11 a Câmara de Direito PrivadoAPELAÇÃO COM REVISÃO N° 991.06.058825-0 Assim já decidiu este Eg. Tribunal em caso semelhanteem que o título foi pago pelo sacador que passou a ostentar quitação,muito embora não tivesse obtido a sua devolução 5 . Cabe, apenas, uma última observação: na verdade,como a relação endossante-endossatário permanece íntegra para queo cheque endossado possa ser cobrado por este último daqueleconforme preceitua o art. 2 1 , da Lei n° 7.357/85, então, em verdade, asentença apenas declarou a inexigibilidade do cheque em face daemitente, a sacadora-autora, jamais a sua nulidade. Por essa razão, responsável pelo pagamento do chequeé a endossante que por ele recebeu duas vezes e não a emitente quejá o pagou e ostenta quitação. Incide ao caso, em arremate, o art. 901, do CC/02porque resgatando o cheque antes do vencimento sem ter tido notíciado endosso, a sacadora ficou desonerada da sua obrigação, mormenteporque ostenta regular quitação que a endossatária lhe outorgou. Pagou bem, não pode ser chamada a pagar duas vezes.5 "Ação monitoria. Cheque prescrito. Aquisição de material junto à empresa de construção.Credora que fecha as portas. Título quitado e não devolvido. Documento comprovando aquitação desse título. Devolução não efetuada. Cártula que foi parar nas mãos da atualcredora. Impedimento à cobrança ante a prova da quitação. Não se pode admitir que a partetenha pago mal, já que pagou a quem devia. Impossível compelir a pessoa a pagar o quenão deve. Sentença mantida. Recurso desprovido" (Apelação n° 991.09.000631-4, Rei. Des.VIRGÍLIO DE OLIVEIRA JR.). -6-
  8. 8. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 11 a Câmara de Direito PrivadoAPELAÇÃO COM REVISÃO N° 991.06.058825-0 Nestas condições, pelo meu voto, NEGO PROVIMENTOao recurso. ~Vi- Moura Ribeiro Relator -7-

×