Animação 1 - Linguagem Cinematografica

2.391 visualizações

Publicada em

Conceitos de Linguagem Cinematográfica - Disciplina de Animação 1 - Dep. de Design UFPR

3 comentários
18 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.391
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
3
Gostaram
18
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Animação 1 - Linguagem Cinematografica

  1. 1. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 1Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaDefiniçãoLinguagem cinematográfica é o conjunto de¤ planos,¤ ângulos,¤ movimentos de câmera¤ recursos de montagemque compõem o universo de um filme.www.fafich.ufmg.br/~labor/cursocinema/Da Criação ao Roteiro – Doc Comparato
  2. 2. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 2Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaDa mesma forma que na linguagem gramatical ossubstantivos, adjetivos e advérbios exercemfunções específicas e são usados da maneira maisinteligível possível, por exemplo, não se é bemcompreendido ao se dizer:muito o quando feliz vi fiqueiDefinição
  3. 3. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 3Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaAssim, os aspectos da linguagem cinematográficadevem ser planejados para se obter a melhor formade expressão.Ao se escolher um enquadramento, deve-se levar emconta o seu efeito visual individual e também comoele se encaixa na continuidade do trabalho.Definição
  4. 4. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 4Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaHistóriaDavid Llewelyn Wark Griffith(1875-1948)The Birth of a Nation(1915)
  5. 5. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 5Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaHistóriaThe Birth of a Nation
  6. 6. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 6Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaHistóriaSergei Mikhailovich Eisenstein(1898-1948)Encouraçado Pontenkin
  7. 7. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 7Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaHistóriaEncouraçadoPontenkin
  8. 8. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 8Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaCAMPO e EXTRA-CAMPO
  9. 9. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 9Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaCampo e Extra-CampoCampoExtra-Campo
  10. 10. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 10Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaCampoCompreende tudo o que está presente naimagem enquadrada pela câmera:•  cenários•  personagens•  acessórios
  11. 11. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 11Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaRemete ao que, embora perfeitamentepresente, não se vê.É o que não se encontra na tela, mas quecomplementa aquilo que vemos.Designa o que existe além, ao lado ou em voltado que está enquadrado.Extra-Campo
  12. 12. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 12Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaDefiniçãoClassificação dos Planos (shots)1.  Plano Geral (PG) - ambiente2.  Plano de Conjunto (PC) - descritivo3.  Plano Médio (PM)4.  Plano Americano (PA)5.  Primeiro Plano (PP) - Close up6.  Primeiríssimo Plano (PPP) - Close up7.  Plano de Detalhe - Close up8.  Plano Seqüência
  13. 13. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 13Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaDefiniçãoPosição de Câmera1.  Ângulo Normal2.  Plongée3.  Contra-Plongée4.  InclinadoMovimentos de Câmera(moving shots)1.  Panorâmica (Pan)2.  Travelling3.  Zoom4.  Ponto de vista5.  Transparência6.  Tela partida ou múltipla7.  Desfocagem8.  Halo desfocado
  14. 14. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 14Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaDefiniçãoMontagem1.  Corte seco2.  Cortina3.  Cenas em Paralelo4.  Fusão ou Encadeamento5.  Fading in6.  Fading out7.  Congelamento8.  Slow motion9.  Câmera Rápida
  15. 15. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 15Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPLANOS
  16. 16. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 16Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlanoPlanoÉ a imagem-movimento.É uma perspectiva temporal com uma modelaçãoespacial.O enquadramento do objeto filmado, com a dimensãohumana como referência.
  17. 17. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 17Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlanoO tamanho de um plano é determinado pela distânciaentre a câmera e o objeto filmado.Deve haver adequação entre o tamanho do plano, seuconteúdo material (o plano é mais afastado quantomais coisas há para ver) e seu conteúdo dramático.Plano
  18. 18. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 18Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlanoExistem numerosos planos e eles raramente sãounívocos.O plano geral de uma paisagem pode perfeitamenteenquadrar uma personagem entrando em primeiroplano, e é possível dispor atores em diversasdistâncias.Plano
  19. 19. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 19Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaContra-PlanoContra-PlanoDialoga com o plano e pode ser definido comouma tomada feita com a câmera orientada emdireção oposta à posição da tomada anterior.
  20. 20. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 20Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano x Contra-PlanoDialogo Plano x Contra PlanoAssista ao vídeo:http://www.portalcentrosul.com/festvideo/
  21. 21. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 21Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano Geral (PG) = personagens + cenárioEnquadra a cena em sua totalidade. É aberto e procura registrar o espaçoonde as personagens estão.O corpo humano é enquadrado por inteiro e sempre temos o ambiente(interno ou externo) ocupando grande parte da tela. Reduzindo o homem auma silhueta minúscula, este plano o reintegra no mundo, faz com que ascoisas o devorem, "objetivando-o".Dá uma tonalidade psicológica pessimista, uma ambiência moral um tantonegativa e, às vezes, também traz uma dominante dramática de exaltação,lírica ou mesmo épica.Plano Geral (PG)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  22. 22. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 22Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano Geral (PG)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  23. 23. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 23Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano Geral (PG)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  24. 24. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 24Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano Geral (PG)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  25. 25. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 25Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano de Conjunto (PC)Plano de conjunto (PC) = personagens + cenárioPlano mais fechado do que o plano geral.O plano de conjunto localiza e identifica personagensno cenário.Serve para correlacionar personagens e cenário.Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  26. 26. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 26Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano de Conjunto (PC)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  27. 27. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 27Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano de Conjunto (PC)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  28. 28. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 28Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano Médio (PM)Plano Médio (PM)Mostra o personagem de corpo inteiro.Permite que se tenha uma visão global do personagem.Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  29. 29. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 29Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano Médio (PM)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  30. 30. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 30Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano Médio (PM)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  31. 31. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 31Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano Médio (PM)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  32. 32. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 32Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano Americano (PA)É o plano que enquadra a figura humana do joelho para cima.Geralmente não comporta mais do que três personagens reunidas.Tem esse nome devido à sua grande popularidade entre os diretoresde Hollywood das décadas de 30 e 40.Plano Americano (PA)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  33. 33. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 33Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano Americano (PA)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  34. 34. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 34Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano Americano (PA)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  35. 35. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 35Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPrimeiro Plano (PP)O personagem é mostrado da cintura para cima.Utilizado em diálogo entre personagens.Também conhecido como Close upPrimeiro Plano (PP)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  36. 36. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 36Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPrimeiro Plano (PP)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  37. 37. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 37Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPrimeiro Plano (PP)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  38. 38. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 38Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPrimeiro Plano (PP)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  39. 39. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 39Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPrimeiríssimo Plano (PPP)É o plano enquadrado de uma maneira muito próxima do personagem.O personagem é enquadrada do ombro para cima, mostrando apenas orosto do/a ator/atriz. Com isso, o cenário é praticamente eliminado e asexpressões tornam-se mais nítidas para o/a espectador/a.Corresponde a uma invasão no plano da consciência, a uma tensãomental considerável, a um modo de pensamento obsessivo.Também conhecido como Close upPrimeiríssimo Plano (PPP)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  40. 40. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 40Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPrimeiríssimo Plano (PPP)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  41. 41. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 41Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPrimeiríssimo Plano (PPP)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  42. 42. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 42Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPrimeiríssimo Plano (PPP)Plano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  43. 43. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 43Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano de DetalhePlano de DetalheSemelhante ao Primeiríssimo Plano, mas se refere a objetos.Enquadra um objeto isolado ou parte dele ocupando todo oespaço da tela.Ressalta um aspecto visual, eliminando o que não é importanteno momento.Também conhecido como Close upPlano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  44. 44. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 44Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano de DetalhePlano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  45. 45. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 45Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano de DetalhePlano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  46. 46. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 46Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano de DetalhePlano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüência
  47. 47. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 47Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlano SeqüênciaRegistra a ação de uma seqüência inteira sem cortes.Plano SeqüênciaPlano Geral (PG) Plano de Conjunto (PC) Plano Médio (PM) Plano Americano (PA)Primeiro Plano (PP) Primeiríssimo Plano (PPP) Plano de Detalhe PlanoSeqüênciaEm 1948, Hitchcock tentou fazer um longa-metragem inteiro rodado numúnico plano-sequência, "Festim diabólico". Como os maiores rolos de películafabricados eram (e continuam sendo) de 1000 pés (aproximadamente 11minutos), o filme acabou sendo rodado em 12 planos, com durações entre 4 e10 minutos cada, e com cortes "invisíveis" entre eles, dando a impressão deum único plano.
  48. 48. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 48Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMédio Americano Primeiro Plano Primeiríssimo Plano DetalhePlanos - Comparação
  49. 49. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 49Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPlanos - Comparação
  50. 50. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 50Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaCombinação de Planos
  51. 51. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 51Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPOSIÇÃO DE CÂMERA
  52. 52. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 52Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaÂngulosSão determinados pela posição da câmeraem relação ao objeto filmado.Posição de Câmera
  53. 53. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 53Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPosição de CâmeraVista em Ângulo Normal
  54. 54. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 54Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaVista em Picado (Plongée):A câmera filma o objeto de cima para baixo, ficando aobjetiva acima do nível normal do olhar.Tende a ter um efeito de diminuição da pessoafilmada, de rebaixamento.Posição de Câmera
  55. 55. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 55Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPosição de CâmeraVista em Picado(Plongée)
  56. 56. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 56Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaVista em Contra-Picado (Contra-plongée):A câmera filma o objeto de baixo para cima, ficando aobjetiva abaixo do nível normal do olhar.Geralmente, dá uma impressão de superioridade,exaltação, triunfo, pois faz "crescer" o/a ator/atriz.Posição de Câmera
  57. 57. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 57Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaVista em Contra-Picado (Contra-Plongée):Posição de Câmera
  58. 58. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 58Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPosição de CâmeraContra-Plongée Plongée
  59. 59. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 59Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaVista InclinadaTomada feita a partir de uma inclinação do eixovertical da câmera.Pode ser empregada subjetivamente, materializandoaos olhos do/a espectador/a uma impressão sentidapor uma personagem, como uma inquietação ou umdesequilíbrio moral.Posição de Câmera
  60. 60. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 60Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaPosição de CâmerazxyVista Inclinada
  61. 61. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 61Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMOVIMENTO DE CÂMERA(moving shots)
  62. 62. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 62Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaConstituem a base técnica do plano em movimento.São definidos levando-se em conta se o movimentoda câmera é de rotação (em torno do seu eixo) ou detranslação (locomovendo-se em avanço ou recuo,subindo ou descendo).Movimento de Câmera
  63. 63. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 63Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMovimento de Câmera
  64. 64. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 64Visualização CientíficaLinguagem Cinematográfica-zzyxTRANSLAÇÃOMovimento de Câmera
  65. 65. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 65Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaDOLLYMovimento de CâmeraCompare o efeito de Dolly com Zoom:http://www.wonderhowto.com/how-to-zoom-dolly-effects-film-279384/http://courses.csusm.edu/fmst300bc/kinetics.html
  66. 66. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 66Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaTRUCKLEFTRIGHTPEDESTALUPDOWNMovimento de Câmera
  67. 67. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 67Visualização CientíficaLinguagem Cinematográfica-zzyxROTAÇÃOMovimento de Câmera
  68. 68. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 68Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMovimento de CâmeraA câmera se move em torno do seu eixo, fazendo um movimentogiratório, sem sair do lugar.Trata-se de um movimento da câmera que pode ser horizontal (daesquerda para a direita ou da direita para a esquerda), vertical (de cimapara baixo ou vice-versa) ou oblíquo.A panorâmica vertical é também conhecida como tilt.Panorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocadoPanorâmica (Pan)
  69. 69. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 69Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaTILTUPDOWNPAN (ORAMIC)RIGHTLEFTMovimento de Câmera(pan)
  70. 70. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 70Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMovimento de Câmerawww.mnemocine.com.br/cinema/principindex%20.htmPanorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocadoPanorâmica (Pan)
  71. 71. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 71Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMovimento de CâmeraPanorâmica (Pan)Panorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocadowww.mnemocine.com.br/cinema/principindex%20.htm
  72. 72. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 72Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMovimento de CâmeraMovimento onde a câmera anda sobre um caminho.A câmera é movida sobre um carrinho (ou qualquer suporte móvel)num eixo horizontal e paralelo ao movimento do objeto filmado.Este acompanhamento pode ser lateral ou frontal, neste último casopodendo ser de aproximação ou de afastamento.Panorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocadoTravelling
  73. 73. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 73Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMovimento de CâmeraPanorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocado
  74. 74. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 74Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMovimento de CâmeraPanorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocado
  75. 75. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 75Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaCrane / BoomGRUA / BraçoMovimento de CâmeraPanorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocado
  76. 76. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 76Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaBoom ou Crane UpBoom ou Crane DownMovimento de CâmeraPanorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocado
  77. 77. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 77Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaTongue RightTongue LeftMovimento de CâmeraPanorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocado
  78. 78. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 78Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaModelos de GruasMovimento de CâmeraPanorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocado
  79. 79. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 79Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMovimento de CâmeraPanorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocado
  80. 80. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 80Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMovimento de CâmeraZOOM - Variação da distância de um conjunto de lentesda câmera.Zoom-IN - Efeito de Aproximação causado peloaumento da distância focal e diminuição da aberturaangular da lente.Zoom-OUT - Efeito de Afastamento causado peladiminuição da distância focal e aumento da aberturaangular da lente.Panorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocado
  81. 81. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 81Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMovimento de CâmeraZoomPanorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocadoCompare o efeito de Dolly com Zoom:http://www.wonderhowto.com/how-to-zoom-dolly-effects-film-279384/http://courses.csusm.edu/fmst300bc/kinetics.html
  82. 82. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 82Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaSteadyCamMovimento de CâmeraPanorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocadoAssista ao vídeo:http://www.youtube.com/watch?v=P7PZ8vGlFgw&feature=related
  83. 83. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 83Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaSteadyCamMovimento de CâmeraPanorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocado
  84. 84. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 84Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMovimento de CâmeraPanorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocadoSteadyCam
  85. 85. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 85Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMovimento de CâmeraPanorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocadoVemos o que a personagem vê,andamos quando ela anda eagachamo-nos quando ela seagacha.Ponto de vistaCâmera situada no nível dos olhos = ponto de vista subjetivo.Assista ao vídeo:http://www.youtube.com/watch?v=_kbNv3vBvcI
  86. 86. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 86Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMovimento de CâmeraPanorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocadoTrata-se de um engenho técnico graças ao qual seprojeta uma cena pré-filmada por trás daspersonagens.Tipo de cena clássica: Personagens dentro de umautomóvel que se desloca; na realidade, o que semove é a imagem projetada por trás.Transparência (process shot)
  87. 87. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 87Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMovimento de CâmeraPanorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocadoA tela é dividida em partes. Por exemplo: duas personagens falam aotelefone, cada uma em sua casa; no lado esquerdo estará apersonagem A, no direito a personagem B.Mostra ações simultâneas.Tela partida ou múltiplaAssista ao vídeo:http://www.youtube.com/watch?v=ER_Qk3KLZ58
  88. 88. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 88Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMovimento de CâmeraPanorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocadoDiante de dois elementos, a camera concentra-se num só, definindo-o,enquanto o outro fica desfocado.Desfocagem
  89. 89. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 89Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMovimento de CâmeraPanorâmica (Pan) Travelling Zoom Ponto de vistaTransparência Tela partida ou múltipla Desfocagem Halo desfocadoA câmera desfoca tudo o que rodeia o objeto com o fim de o pôr emrelevo (enaltecê-lo)Halo Desfocado
  90. 90. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 90Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaRECURSOS de MONTAGEM
  91. 91. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 91Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaLev Vladimirovich Kuleshov(1889-1970)MontagemUm grande estudioso de teoriascinematográficas que ajudou a fundar eensinou na primeira escola de cinema domundo, a Escola de Cinema de Moscou.O Efeito Kulechov consistiu em demonstraro poder da montagem cinematográfica, namedida em que esta era plenamentecapaz de conseguir dar significados a umatomada pela justaposição com uma outra,quando, a primeira, pura e simplesmente,não significaria nada
  92. 92. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 92Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaIvan Ilyich Mozzhukhin(1889-1939)Montagem
  93. 93. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 93Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMontagemExperimento de Kuleshov
  94. 94. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 94Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMontagemExperimento de Kuleshov
  95. 95. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 95Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMontagemExperimento de Kuleshov
  96. 96. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 96Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaEfeito KuleshovA + B => CCena A Cena B Percep. C+ =>Montagem
  97. 97. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 97Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMontagem
  98. 98. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 98Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMontagem
  99. 99. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 99Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMontagem
  100. 100. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 100Visualização CientíficaLinguagem Cinematográfica....Montagem
  101. 101. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 101Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaConceitoMontagemMontar ou editar consiste em escolher e justapor. Apenas isso. É umaoperação simples, comum a toda linguagem. No cinema não édiferente. Quem se exprime por meio da linguagem cinematográficaseleciona e combina imagens e sons".Léo Vidigalhttp://montagemparalela.blogspot.com.br/
  102. 102. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 102Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaTransição de CenasCena AxxxxCena CxxxxMontagem
  103. 103. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 103Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaIndica uma transição imediata, direta de uma cena para outra.Foi um dos primeiros procedimentos da montagem, usado na horada transição de um filme para outro.Usado quando se quer obter imagens que se sucedem dentro de umenredo.CORTE SECOMontagemCorte seco Cortina Cenas em Paralelo Fusão ou EncadeamentoFading In Fading Out Congelamento Slow motion Câmera Rápida
  104. 104. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 104Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaCena A Cena CMontagemCORTE SECOCorte seco Cortina Cenas em Paralelo Fusão ou EncadeamentoFading In Fading Out Congelamento Slow motion Câmera Rápida
  105. 105. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 105Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMontagemCORTINAForma de transição de planos que ocorre quando uma cenaencobre outra (geralmente entrando no eixo horizontal, maspode ocorrer também no sentido vertical, diagonal, em estrela eem uma infinidade de formas).Pode ocorrer também através de uma linha que corre o quadro,mudando as ações.Corte seco Cortina Cenas em Paralelo Fusão ou EncadeamentoFading In Fading Out Congelamento Slow motion Câmera Rápida
  106. 106. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 106Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaCena ACena CMontagemCORTINACorte seco Cortina Cenas em Paralelo Fusão ou EncadeamentoFading In Fading Out Congelamento Slow motion Câmera Rápida
  107. 107. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 107Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaCena ACena CMontagemCORTINACorte seco Cortina Cenas em Paralelo Fusão ou EncadeamentoFading In Fading Out Congelamento Slow motion Câmera Rápida
  108. 108. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 108Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaEmpregada quando duas ou mais seqüências sãoabordadas ao mesmo tempo, intercalando as cenaspertencentes a cada uma, alternadamente, a fim de fazersurgir uma significação de seu confronto.Ocorre quando se quer fazer um paralelo, uma aproximaçãosimbólica entre as cenas, como por exemplo a aproximaçãotemporal.CENAS EM PARALELOMontagemCorte seco Cortina Cenas em Paralelo Fusão ou EncadeamentoFading In Fading Out Congelamento Slow motion Câmera Rápida
  109. 109. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 109Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaCENAS EM PARALELOMontagemCorte seco Cortina Cenas em Paralelo Fusão ou EncadeamentoFading In Fading Out Congelamento Slow motion Câmera RápidaCena A Cena Ct1, t3, t5 ... t2, t4, t6 ...http://montagemparalela.blogspot.com/
  110. 110. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 110Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMontagemFUSÃO ou ENCADEAMENTOForma de transição onde uma cena desaparece simultaneamente aoaparecimento da cena seguinte.As cenas se superpõem: enquanto uma se apaga, a outra aparece.Mantém a fluidez e a suavidade de uma seqüência.Seu uso pode significar uma passagem de tempo.Também é usada quando se quer suprimir ações que sejam dispensáveisna narração (processo conhecido como elipse – fatos que se supõeocorrer, embora não sejam mostrados na tela).Corte seco Cortina Cenas em Paralelo Fusão ou EncadeamentoFading In Fading Out Congelamento Slow motion Câmera Rápida
  111. 111. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 111Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaCena ACena A/CCena CMontagemCorte seco Cortina Cenas em Paralelo Fusão ou EncadeamentoFading In Fading Out Congelamento Slow motion Câmera RápidaFUSÃO ou ENCADEAMENTO
  112. 112. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 112Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaFade-In: a imagem vai surgindo aos poucos de uma tela preta (ou deoutra cor qualquer).Fade-Out: a imagem vai desaparecendo até que a tela fique preta.A velocidade com que a imagem dá lugar à tela preta e vice-versa podeser controlada de acordo com o efeito desejado.O fade-in é comumente usado no início de uma seqüência e o fade-out,como conclusão.Ambos podem denotar a passagem de tempo ou um deslocamentoespacial, assim como na fusão.MontagemFADE-IN e FADE-OUTCorte seco Cortina Cenas em Paralelo Fusão ou EncadeamentoFading In Fading Out Congelamento Slow motion Câmera Rápida
  113. 113. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 113Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaCena CCena CMontagemFADE-INCorte seco Cortina Cenas em Paralelo Fusão ou EncadeamentoFading In Fading Out Congelamento Slow motion Câmera Rápida
  114. 114. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 114Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMontagemCorte seco Cortina Cenas em Paralelo Fusão ou EncadeamentoFading In Fading Out Congelamento Slow motion Câmera RápidaCena CCena CFADE-OUT
  115. 115. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 115Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaCorte seco Cortina Cenas em Paralelo Fusão ou EncadeamentoFading In Fading Out Congelamento Slow motion Câmera RápidaMontagemA imagem deixa de se mover, ficamomentaneamente imobilizada. Esseefeito é utilizado para dar ênfase a umdeterminado momento.Por exemplo: imagens que um fotógrafocapta ao disparar sua câmera.CONGELAMENTO (freezing)Assista ao vídeo:http://www.youtube.com/watch?v=llXdTu7H6Cs
  116. 116. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 116Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaCorte seco Cortina Cenas em Paralelo Fusão ou EncadeamentoFading In Fading Out Congelamento Slow motion Câmera RápidaMontagemOs movimentos se tornam lentos, a imagem perde velocidade. Comisto, intensifica-se, acentua-se, sublinha-se uma ação; o tempo real éalterado e transformado. Um uso abusivo desta técnica pode prejudicara ação.SLOW MOTION (câmera lenta)
  117. 117. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 117Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaMontagemSLOW MOTION (câmera lenta)Assista a um vídeos de Slow Motion:http://www.youtube.com/watch?v=X0-TbUUXDtM
  118. 118. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 118Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaCorte seco Cortina Cenas em Paralelo Fusão ou EncadeamentoFading In Fading Out Congelamento Slow motion Câmera RápidaMontagemCÂMERA RÁPIDAA imagem adquire maiorvelocidade; os movimentossão mais rápidos.
  119. 119. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 119Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaEfeitos EspeciaisEfeito especial (abreviado como SPFX, SFX ou simplesmente FX, eminglês) é o nome dado a qualquer uma de várias técnicas utilizadasna indústria de entretenimento, cinema e televisão para realizarcenas que não podem ser obtidas por meios normais ou por ação aovivo.
  120. 120. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 120 / 120Visualização CientíficaLinguagem CinematográficaEfeitos EspeciaisAssista a um efeito especial do filme Matrix (1999):http://www.youtube.com/watch?v=9wHi4xTnLk4

×