Revisão de aulas para Gestão em RH

1.378 visualizações

Publicada em

Resumo de assuntos das aulas para Gestão em RH como: diferença entre Dados, Informações e Dados; Análise SWOT; Fases na Evolução do RH; Missão, Visão e Valores.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.378
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revisão de aulas para Gestão em RH

  1. 1. Diferença entre Dados, Informações e Conhecimento Professor Raul de Freitas proferauldefreitas@gmail.com 1
  2. 2. Dados São códigos que constituem a matéria prima da informação, ou seja, é a informação não tratada. Os dados representam um ou mais significados que isoladamente não podem transmitir uma mensagem ou representar algum conhecimento. proferauldefreitas@gmail.com 2
  3. 3. Dados Em uma pesquisa eleitoral por exemplo, são coletados dados, isto é, cada participante da pesquisa fornece suas opiniões e escolhas sobre determinados candidatos, mas essas opiniões não significa muita coisa no âmbito da eleição. Só depois de ser integrada com as demais opiniões é que teremos algo significativo. proferauldefreitas@gmail.com 3
  4. 4. Informações Informações são dados tratados. O resultado do processamento de dados são as informações. As informações tem significado, podem ser tomadas decisões ou fazer afirmações considerando as informações. proferauldefreitas@gmail.com 4
  5. 5. Informações No exemplo da pesquisa eleitoral, os pesquisadores retém dados dos entrevistados, mas quando inseridos nos sistemas e processados produzem informações e essas informações diz que tem mais chance de ser eleito, entre outras. Desta forma podemos dizer que as informações é o conjunto de dados que foram processados, seja por meio eletrônico, mecânico ou manual e que produziu um resultado com significado. proferauldefreitas@gmail.com 5
  6. 6. Conhecimento O conhecimento vai além de informações, pois ele além de ter um significado tem uma aplicação. proferauldefreitas@gmail.com 6
  7. 7. Conhecimento É o ato ou efeito de abstrair ideia ou noção de alguma coisa, como por exemplo: conhecimento das leis; conhecimento de um fato (obter informação); conhecimento de um documento; termo de recibo ou nota em que se declara o aceite de um produto ou serviço; saber, instrução ou cabedal científico (homem com grande conhecimento). proferauldefreitas@gmail.com 7
  8. 8. Conhecimento As informações são valiosas, mas o conhecimento constitui um saber. Produz ideias e experiências que as informações por si só não será capaz de mostrar. Se informação é dado trabalhado, então conhecimento e informação trabalhada. proferauldefreitas@gmail.com 8
  9. 9. Matriz SWOT / FOFA proferauldefreitas@gmail.com 9
  10. 10. Matriz SWOT / FOFA proferauldefreitas@gmail.com 10
  11. 11. Matriz SWOT / FOFA proferauldefreitas@gmail.com 11
  12. 12. Matriz SWOT / FOFA proferauldefreitas@gmail.com 12
  13. 13. Matriz SWOT / FOFA proferauldefreitas@gmail.com 13 A Análise SWOT é uma ferramenta utilizada para fazer análise de cenário (ou análise de ambiente), sendo usado como base para gestão e planejamento estratégico de uma corporação ou empresa, mas podendo, devido a sua simplicidade, ser utilizada para qualquer tipo de análise de cenário, desde a criação de um blog à gestão de uma multinacional, serve para posicionar ou verificar a posição estratégica da empresa no ambiente em questão.
  14. 14. Matriz SWOT / FOFA proferauldefreitas@gmail.com 14 Ambiente interno (Forças e Fraquezas) – Principais aspectos, que diferenciam a empresa dos seus concorrentes (decisões e níveis de performance que se pode gerenciar). Strenghts – Vantagens internas da empresa em relação às empresas concorrentes. Weaknesses – Desvantagens internas da empresa em relação às empresas concorrentes.
  15. 15. Matriz SWOT / FOFA proferauldefreitas@gmail.com 15 Ambiente externo (Oportunidades e Ameaças) - Corresponde às perspectivas de evolução de mercado, fatores provenientes de mercado, decisões e circunstâncias fora do controle e do poder de decisão da empresa). Opportunities – Aspectos positivos com potencial de fazer crescer a vantagem competitiva da empresa. Threats – Aspectos negativos com potencial de comprometer a vantagem competitiva da empresa.
  16. 16. Matriz SWOT / FOFA proferauldefreitas@gmail.com 16 Ambiente externo (Oportunidades e Ameaças) - Corresponde às perspectivas de evolução de mercado, fatores provenientes de mercado, decisões e circunstâncias fora do controle e do poder de decisão da empresa).  As forças e fraquezas são determinadas pela posição atual da empresa e se relacionam, quase sempre, a fatores internos. Já as oportunidades e ameaças são antecipações do futuro e estão relacionadas a fatores externos.
  17. 17. As cinco fases evolutivas da Gestão de Pessoal A fase contábil (antes de 1930) A fase legal (1930 a 1950) A fase tecnicista (1950 a 1965) A fase administrativa (ou sindicalista) (1965 a 1985) A fase estratégica (1985 até hoje) proferauldefreitas@gmail.com 17
  18. 18. A fase contábil (antes de 1930) Pioneira da "gestão de pessoal", também chamada de "pré-histórica" ou "pré-jurídico-trabalhista" por alguns autores, caracterizava-se pela preocupação com os custos da organização. Os trabalhadores eram vistos, exclusivamente, sob o enfoque contábil: comparava-se a mão-de-obra e, portanto, as entradas e saídas provenientes dessa conta deveriam ser registradas contabilmente. proferauldefreitas@gmail.com 18
  19. 19. A fase legal (1930 a 1950) Registrou o aparecimento da função de chefe de pessoal, profissional cuja preocupação estava centrada no acompanhamento e na manutenção das recém- criadas leis trabalhistas da era getulista. proferauldefreitas@gmail.com 19
  20. 20. A fase tecnicista (1950 a 1965) Foi a que implantou no Brasil o modelo americano de gestão de pessoal e alavancou a função de Rh ao status orgânico de gerência. Nessa oportunidade, o então presidente Juscelino Kubistchek implementou a indústria automobilística no nosso país, momento em que os empresários tiveram que aceitar em seus organogramas a figura do Gerente de Relações Industriais. proferauldefreitas@gmail.com 20
  21. 21. A fase tecnicista (1950 a 1965) Isso acabou representando um grande avanço para os trabalhadores e, também, nas relações entre capital e trabalho. Foi a partir daí que a área de RH passou a operacionalizar serviços como treinamento, recrutamento e seleção, cargos e salários, higiene e segurança no trabalho, benefícios e outros mais. proferauldefreitas@gmail.com 21
  22. 22. A fase administrativa (ou sindicalista) (1965 a 1985) Criou um marco histórico nas relações entre capital e trabalho, na medida em que é berço de uma verdadeira revolução que, movida pelas bases trabalhadoras, implementou o movimento sindical denominado "novo sindicalismo". proferauldefreitas@gmail.com 22
  23. 23. A fase administrativa (ou sindicalista) (1965 a 1985) Nessa fase, registrou-se nova mudança na denominação e na responsabilidade do até aqui Gerente de Relações Industriais (muitas organizações preferiram adotar o nome de Gerente de Pessoal e não de gerente de relações industriais pelas características do próprio negócio). proferauldefreitas@gmail.com 23
  24. 24. A fase administrativa (ou sindicalista) (1965 a 1985) O cargo passou a se chamar Gerente de Recursos Humanos. A partir daí, então, mudou-se a ênfase dos procedimentos burocráticos e operacionais para uma ênfase mais humanística, voltada para os indivíduos e suas relações. proferauldefreitas@gmail.com 24
  25. 25. A fase estratégica (1985 até hoje) Foi demarcada, segundo Albuquerque (1988), pela introdução dos primeiros programas de planejamento estratégico atrelados ao planejamento estratégico central das organizações. proferauldefreitas@gmail.com 25
  26. 26. A fase estratégica (1985 até hoje) Iniciou-se nova alavancagem organizacional no cargo de GRH que, de posição gerencial de terceiro escalão, em nível ainda tático, passou a ser reconhecido, em algumas organizações, como diretoria, em nível estratégico. proferauldefreitas@gmail.com 26
  27. 27. Missão, Visão e Valores Existem questões são necessárias para definir com maior facilidade as ações da empresa, tais como estabelecer a missão, a visão e os valores da empresa. Estes elementos serão seguidos de forma a iniciar o processo da filosofia empresarial, quais são os elementos imprescindíveis para a sua empresa? O que a empresa quer ser? Onde quer chegar? Quais princípios ela não vai abrir mão para atingir os objetivos? proferauldefreitas@gmail.com 27
  28. 28. Missão: É a razão pela qual a empresa existe. Ex: Dar vida real aos sonhos de nossos clientes, planejando, organizando e realizando os eventos num ambiente familiar e acolhedor, prezando pelo atendimento e qualidade aos nossos clientes. proferauldefreitas@gmail.com 28
  29. 29. Visão: Onde a empresa quer chegar, ambição dos sócios. Ex: Ser o mais renomado salão de festas da região no próximo ano de atuação e referência de qualidade e satisfação para nossos clientes. proferauldefreitas@gmail.com 29
  30. 30. Valores: Princípios, filosofia, crença ou valores baseada naquilo em que acredita e que se propõe a cumprir. proferauldefreitas@gmail.com 30

×